sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

OREMUS (4)

04 DE JANEIRO

Quomodo cecidisti!... (como caíste!)

O exame diário de nossa consciência — quanto bem não nos faria, se o fizéssemos bem! Temos que fazê-lo sem medo, com um sincero desejo de ver a nossa miséria bem de perto. Um construtor precisa, frequentemente, examinar se a sua construção está sendo executada, de acordo com a planta estabelecida; qualquer erro poderá influir em todo o conjunto da obra. Maior cuidado exige de nós a construção de nossa vida espiritual (sacerdotal).

O modelo que devemos realizar é o de perfeição infinita. E o nosso trabalho está sendo objeto de admiração dos anjos e santos da eternidade. Costumamos dar tanta atenção às faltas alheias! Quanto assunto não nos fornecem para nossos comentários! Deixando-as de lado, em santa paz, tomemos diariamente as nossas faltas como assunto de uma conversa séria com a nossa consciência. 

Integritatis tuae curiosus explorator, vitam tuam quotidiana discussione examina. Attende diligenter quantum proficias vel quantum deficias; stude cognoscere te. Pone omnes transgressiones tuas ante oculos tuos, statue te ante teipsum, tamquam ante alium, et sic teipsum plange [como curioso explorador da sua própria conduta, examine com diligência a sua vida diária. Considera cuidadosamente os progressos feitos e o que se perdeu... esforce-se para conhecer a si mesmo... exponha todas as suas faltas diante dos seus olhos e coloque-se diante de si mesmo como se fosse outra pessoa ... e, então, lamente pelos seus erros]. Este é o conselho que nos dá São Bernardo (em Meditationes piissimae).

(Oremus — Pensamentos para a Meditação de Todos os Dias, do Pe. Isac Lorena, 1963, com complementos de trechos traduzidos do latim pelo autor do blog)