VIDA DE ORAÇÃO II (em construção)

ORAÇÃO: SI QUAERIS MIRACULA
ORAÇÃO PELA SALVAÇÃO DE UMA ALMA AGONIZANTE
ORAÇÃO: SANCTUS
ORAÇÃO DA SABEDORIA (SÃO TOMÁS DE AQUINO)
ORAÇÃO: 'LEMBRAI-VOS' (SÃO BERNARDO DE CLARAVAL)
LADAINHA PELAS ALMAS DO PURGATÓRIO
ORAÇÃO DE JOELHOS (Arcos de Pilares)
ORAÇÕES DE SANTO AGOSTINHO (I)
ANTÍFONAS DO Ó
AS NOVE JORNADAS DO ADVENTO
ORAÇÕES DE SANTO AGOSTINHO (II)
ORAÇÃO: PANGE LINGUA
LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM (I)
LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM (II)
LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM (III)
LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM (IV)
ORAÇÃO A JESUS (Cardeal Henry Newman)
TRÍDUO DE SÃO JOSÉ
ORAÇÃO DO PAPA CLEMENTE XI
ORAÇÃO À VIRGEM DO SORRISO (PARA A CURA DA DEPRESSÃO)
TRÊS ORAÇÕES A SANTAS MÁRTIRES DA IGREJA
ORAÇÃO DO ANJO DE PORTUGAL
AVE MARIA (de Franz Biebl)
SEQUÊNCIA DAS SETE VIRTUDES DE MARIA
ORAÇÃO: DIES IRAE
ORAÇÃO AO PAI (Arcos de Pilares)
ORAÇÃO A NOSSA SENHORA (SÃO BERNARDO)
ORAÇÃO: CONFITEOR
ORAÇÃO DE SÃO TOMÁS DE AQUINO
ORAÇÃO: IESU, DULCIS MEMORIA
DEVOCIONÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES
ORAÇÃO DE SÃO PATRÍCIO
SENHORA DE FÁTIMA, SENHORA DO ROSÁRIO (Arcos de Pilares)
AVE MATER
ORAÇÃO AO IMACULADO CORAÇÃO DE JESUS (Arcos de Pilares)
O SÍMBOLO ATANASIANO
ORAÇÃO A SANTA ANA
ORAÇÃO A SÃO JOAQUIM
O PAI NOSSO DE SÃO CIRILO DE JERUSALÉM

ORAÇÃO: SI QUAERIS MIRACULA

Esta oração de louvor - ou responsório - em honra de Santo Antônio, embora já tenha sido atribuída a São Boaventura (1218-1274), foi composta provavelmente entre os anos de 1232 e 1240, pelo frei Giuliano de Spira. A oração faz referência a alguns acontecimentos e milagres associados à vida de Santo Antônio de Pádua.

Si quaeris miracula
mors, error, calamitas,
daemon, lepra fugiunt
aegri surgunt sani.

Cedunt mare, vincula;
membra, resque perditas,
petunt et accipiunt
juvenes et cani.

Pereunt pericula,
cessat et necessitas,
narrent hi qui sentiunt,
dicant Paduani.

Cedunt mare, vincula...

Gloria Patri et Filio et Spiritui Sancto...

Cedunt mare, vincula…

Ora pro nobis, beate Antoni.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi.

Oremus:
Ecclesiam tuam, Deus, beati Antonii Confessoris tui commemoratio votiva laetificet, ut spiritualibus semper muniatur auxiliis et gaudiis perfrui mereatur aeternis. Per Christum Dominum nostrum. Amen.

****************

Se milagres desejais, recorrei a Santo António
Vereis fugir o demônio e as tentações infernais.

Recupera-se o perdido. / Rompe-se a dura prisão, 
e no auge do furacão / cede o mar embravecido.

Pela sua intercessão, foge a peste, o erro, a morte, 
O fraco torna-se forte, e torna-se o enfermo são.

Recupera-se o perdido...

Todos os males humanos se moderam, se retiram,
Digam-no aqueles que o viram, e digam-no os paduanos.

Recupera-se o perdido...

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.

Recupera-se o perdido...

Rogai por nós, bem-aventurado Antônio
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos:
Que a vossa Igreja, ó Deus, possa louvar jubilosa a solene comemoração do bem-aventurado Antônio e, por seus méritos e assistência espiritual, possamos alcançar as alegrias eternas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.

ORAÇÃO PELA SALVAÇÃO DE UMA ALMA AGONIZANTE



Jesus de Infinita Misericórdia, prostrado aos vossos pés, suplico-vos pela alma de (...); interceda, Senhor, pela sua salvação eterna; que nesta alma se manifeste a glória da vossa infinita misericórdia! Ao Vosso Sagrado Coração venho pedir, como manancial inesgotável de todas as graças e dons... Ao Vosso Sagrado Coração, venho recorrer, como tesouro imponderável de todas as riquezas da clemência e generosidade divinas... Ao Vosso Sagrado Coração venho suplicar, pois Vós sois a Porta, o Caminho, a Verdade e a Vida em abundância...

Aceita, Jesus, a minha oração pela salvação da alma de (...) que agoniza e que, em breve, vai estar diante de Vós no Juízo Particular. Fazei a vossa misericórdia penetrar a couraça do pecado, rasgar a carne dolorosa, fazer acontecer o milagre da conversão nestes momentos derradeiros, e conceder a graça extraordinária desta alma voltar a Vós, aceitar e cumprir fielmente, nos seus últimos dias sobre a terra, a Santa Vontade de Deus. 

Na mesma confiança em que pediu o centurião romano em favor de seu criado; na mesma esperança que inflamou os corações das irmãs de Lázaro, na mesma certeza da reconciliação que animou o leproso que voltou para Vos agradecer o milagre da cura, aceita, Senhor, a minha súplica pela salvação eterna da alma de (...) e, pela intercessão de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, conceda a este vosso (a) servo (a) renascer para a graça e merecer, pela glória da vossa Infinita Misericórdia, a herança das moradas eternas no Céu. Amém.


ORAÇÃO: SANCTUS


Na liturgia da Santa Missa, logo no início da Oração Eucarística, a assembleia reunida faz a Aclamação, rezando o Sanctus. Este hino de louvor, em união com os coros celestes, é rezado de forma a proclamar o simbolismo do número 3 conforme as Escrituras o fazem por meio da saudação, contida no livro do profeta Isaías (Is 6, 3): 'Santo, Santo, Santo', ao Senhor Deus dos exércitos (da palavra hebraica Sabaoth, mantida inalterada na tradução latina e que faz referência aos 'exércitos celestiais') ou, como traduzido mais livremente, Senhor Deus do universo.

Sanctus

Santo, Santo, Santo, Senhor Deus do Universo.
O céu e a terra proclamam a vossa glória. Hosana nas alturas.
Bendito o que vem em nome do Senhor. Hosana nas alturas.

Sanctus em Latim

Sanctus, Sanctus, Sanctus, Dominus Deus Sabaoth.
Pleni sunt coeli et terra gloria tua.
Hosanna in excelsis.
Benedictus qui venit in nomine Domini.

Hosanna in excelsis.

ORAÇÃO DA SABEDORIA




'O princípio da sabedoria é o sincero desejo de ser instruído por ela, e desejar instruir-se é já amá-la. Mas amá-la é obedecer às suas leis, e obedecer às suas leis é garantia de incorruptibilidade. E a incorruptibilidade aproxima-nos de Deus'

(Livro da Sabedoria 6, 17-19)

Concede-me, Deus misericordioso, que eu deseje com ardor o que Tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do Teu nome.

Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permita-me conhecer o que Tu queres que eu faça, e que eu o cumpra como é necessário e útil para a minha alma. Que eu chegue a Ti, Senhor, por um caminho seguro e reto; caminho que não se desvie nem na prosperidade nem na adversidade, de tal forma que Te dê graças nas horas prósperas e, nas adversas, conserve a paciência, não me deixando exaltar pelas primeiras nem me abater pelas últimas. Que nada me alegre ou entristeça, exceto o que me conduza a Ti ou de Ti me separe. Que eu não deseje agradar nem receie desagradar senão a Ti. Tudo o que passa se torne desprezível a meus olhos por Tua causa, Senhor, e tudo o que Te diz respeito me seja caro, mas Tu, meu Deus, mais do que o resto. Que eu nada deseje fora de Ti. [...]

Concede-me, Senhor meu Deus, uma inteligência que Te conheça, uma vontade que Te busque, uma sabedoria que Te encontre, uma vida que Te agrade, uma perseverança que Te espere com confiança e uma confiança que te possua enfim. Concede-me ser atormentado com as Tuas dores pela penitência, recorrer no caminho aos Teus benefícios pela graça, gozar das Tuas alegrias sobretudo na pátria pela glória. Tu que vives e reinas pelos séculos dos séculos. Amém.
(São Tomás de Aquino)



ORAÇÃO: 'LEMBRAI-VOS'


São Bernardo nasceu no Castelo de Fontaine, próximo a Dijon (França) no ano de 1090 e tornou-se monge cisterciense, assim como praticamente toda a sua família, que lhe seguiram o exemplo. Dedicou toda a sua vida a praticar e a ensinar com rigor a regra beneditina: oração e trabalho, seja no mosteiro de Claraval, onde foi abade por 38 anos, seja nas dezenas de outros mosteiros que ajudou a fundar. Escreveu obras religiosas como o 'Tratado do Amor de Deus' e o 'Comentário ao Cântico dos Cânticos', esta de devoção mariana. Compôs ainda inúmeras orações e hinos religiosos como 'Lembrai-vos' e 'Ave Maris Stella', bem como invocações como 'Ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria', recitada na Salve-Rainha. Faleceu em  20 de agosto do ano 1153. Foi canonizado pelo papa Alexandre III em janeiro de 1174 e proclamado Doutor da Igreja em 1830 pelo papa Pio VIII.


Lembrai-Vos ('Memorare')
                                                            (São Bernardo de Claraval)

Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que tivesse recorrido à vossa proteção, implorado a vossa assistência, reclamado o vosso socorro, fosse por Vós desamparado. Animado eu, pois, de igual confiança, a Vós, ó Virgem entre todas singular, como Mãe recorro; de Vós me valho, gemendo sob o peso dos meus pecados, e me prostro a vossos pés. Não desprezeis minhas súplicas, ó Mãe do Filho (Verbo) de Deus humanado, mas dignai-Vos de as ouvir propícia, e de me alcançar o que vos rogo. Amém.

Memorare, o piissima Virgo Maria,
non esse auditum a saeculo,
quemquam ad tua currentem praesidia,
tua implorantem auxilia,
tua petentem suffragia,
esse derelictum.
Ego tali animatus confidentia,
ad te, Virgo Virginum, Mater, curro, ad te venio,
coram te gemens peccator assisto.
Noli, Mater Verbi, verba mea despicere;
sed audi propitia et exaudi.
Amen.

LADAINHA PELAS ALMAS DO PURGATÓRIO


Senhor, tende piedade de nós! Senhor, tende piedade de nós!
Cristo, tende piedade de nós! Cristo, tende piedade de nós!
Senhor, tende piedade de nós! Senhor, tende piedade de nós!

Jesus Cristo, ouvi-nos! Jesus Cristo, ouvi-nos!
Jesus Cristo, atendei-nos! Jesus Cristo, atendei-nos!

Pai Celeste, verdadeiro Deus, tende piedade das almas do purgatório!
Filho, Redentor do mundo, verdadeiro Deus, tende piedade das almas do purgatório!
Espírito Santo, verdadeiro Deus, tende piedade das almas do purgatório!
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade das almas do purgatório!
Santa Maria, rogai pelas almas do purgatório!
Santa Mãe de Deus,  rogai pelas almas do purgatório!
Santa Virgem das virgens,  rogai pelas almas do purgatório!
São Miguel, rogai pelas almas do purgatório!
Santos Anjos e Arcanjos, rogai pelas almas do purgatório!
Coro dos Espíritos Bem-Aventurados,  rogai pelas almas do purgatório!
São João Batista,  rogai pelas almas do purgatório!
São José,  rogai pelas almas do purgatório!
Santos Patriarcas e santos Profetas,  rogai pelas almas do purgatório!
São Pedro,  rogai pelas almas do purgatório!
São Paulo, rogai pelas almas do purgatório!
São João, rogai pelas almas do purgatório!
Santos Apóstolos e santos Evangelistas,  rogai pelas almas do purgatório!
Santo Estevão,  rogai pelas almas do purgatório!
São Lourenço, rogai pelas almas do purgatório!
Santos Mártires,  rogai pelas almas do purgatório!
São Gregório,  rogai pelas almas do purgatório!
Santo Ambrósio,  rogai pelas almas do purgatório!
Santo Agostinho,  rogai pelas almas do purgatório!
São Jerônimo,  rogai pelas almas do purgatório!
Santos Pontífices e santos Confessores, rogai pelas almas do purgatório!
Santos Doutores, rogai pelas almas do purgatório!
Santos Sacerdotes e santos Levitas, rogai pelas almas do purgatório!
Santos Frades e santos Eremitas, rogai pelas almas do purgatório!
Santas Virgens e santas Viúvas, rogai pelas almas do purgatório!
Vós todos, santos amigos de Deus,  rogai pelas almas do purgatório!



Sede-nos propício, perdoai-lhes, Senhor!
Sede-nos propício, ouvi-nos, Senhor!
De seus sofrimentos, livrai-as, Senhor!
Da vossa cólera,  livrai-as, Senhor!
Da severidade da vossa justiça,  livrai-as, Senhor!
Do remorso da consciência, livrai-as, Senhor!
Das tristes trevas que as cercam, livrai-as, Senhor!
Dos prantos e gemidos, livrai-as, Senhor!
Pela vossa encarnação, livrai-as, Senhor!
Pelo vosso nascimento,  livrai-as, Senhor!
Pelo vosso doce Nome,  livrai-as, Senhor!
Pela vossa profunda humildade, livrai-as, Senhor!
Pela vossa obediência,  livrai-as, Senhor!
Pelo vosso infinito amor, livrai-as, Senhor!
Pela vossa agonia e vossos sofrimentos,  livrai-as, Senhor!
Pela vossa paixão e vossa santa cruz,  livrai-as, Senhor!
Pela vossa santa ressurreição, livrai-as, Senhor!
Pela vossa admirável ascensão, livrai-as, Senhor!
Pela vinda do Espírito Santo consolador,  livrai-as, Senhor!
No dia do julgamento,  livrai-as, Senhor!



Ainda que sejamos pecadores, nós vos pedimos, ouvi-nos!
Vós que perdoastes aos pecadores e salvastes o bom ladrão,  nós vos pedimos, ouvi-nos!
Vós que nos salvais por misericórdia,  nós vos pedimos, ouvi-nos!
Vós que tendes as chaves da morte e do inferno,  nós vos pedimos, ouvi-nos!
Dignai-vos livrar das chamas nossos parentes, amigos e benfeitores, nós vos pedimos, ouvi-nos!
Dignai-vos salvar todas as almas que gemem longe de vós, nós vos pedimos, ouvi-nos!
Dignai-vos ter piedade daqueles que não têm intercessores neste mundo,  nós vos pedimos, ouvi-nos!
Dignai-vos admiti-las no número de vossos eleitos,  nós vos pedimos, ouvi-nos!

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, dai-lhes o descanso eterno! (3 vezes)



Oremos

Ó Deus, Criador e Redentor de todos os fiéis, concedei às almas de vossos servos e de vossas servas, a remissão de todos os pecados, a fim de que, pelas humildes orações da vossa Igreja, eles obtenham o perdão que sempre desejaram. É o que vos pedimos por elas, ó Jesus, que viveis e reinais por todos os séculos. Amém.


ORAÇÃO DE JOELHOS



Pai,
de joelhos me coloco diante de Vós,
porque é assim, e somente assim,
que a criatura pode estar diante o Criador.
Hoje, os homens são mais insensatos do que homens,
mais loucos do que homens,
e querem ser cada vez mais do que homens.
E, em nome de nomes que não são os vossos,
redefinem, refazem e redimensionam um deus ao gosto de cada um.
Quantos se outorgam donos de suas vidas,
senhores de seus destinos e de destinos alheios,
donos do corpo e dos seus instintos:
e vivem ao léu de suas únicas vontades e desejos
porque creem que, por ser a vida uma vez só,
têm que ser felizes a qualquer preço,
e a felicidade humana consiste, então, em satisfazer todos os imponderáveis limites do nada.

Pai,
de joelhos me coloco diante de Vós,
porque assim compreendo melhor a minha pequenez.
Há tanta loucura lá fora, e tanta gente falando de paz,
e fazendo passeatas e cartazes pedindo paz,
gente vestida de branco com almas de toda cor.
Querem presídios, polícia, grades, sistemas de segurança,
querem a miséria bem longe deles, querem o mal dominado,
querem ser, ter, poder, sem problemas ou riscos.
Quero isso não, Pai,
não que eu queira esta violência gratuita e animalesca,
eu apenas não quero esta paz que conforta a omissão,
esta paz que acovarda e adula a tibieza,
esta paz inútil.
Eu vos peço a paz que é vossa e não dos homens,
a paz interior que me faz primeiro quebrar as grades e as trancas
das prisões de meu coração covarde  
e ansioso por construir masmorras.
E, assim, anseio mais construir um coração sereno,
que cultiva a paz
e pedir, para os que querem tanto a paz das ruas,
encontrar nas ruas corações que têm a Vossa Paz.

Pai,
de joelhos me coloco diante de Vós,
porque assim posso interromper meus passos pelos caminhos do mundo.
Um mundo hoje forjado por tantos atalhos,
onde se impõe correr, ultrapassar todas as medidas, chegar na frente,
competir, jogar para ganhar, vencer sempre:
e todo este grande prêmio do mundo tem por nome ilusão.
Como é fácil vender consciências por trocados,
comprar prazeres, barganhar verdades,
como é fácil seguir a louca correnteza
de tantos rios de prazer;
como é doce a vertigem da incerteza e da insensatez tresloucada
do viver por viver...
Pai, tira de mim o não ter tempo nunca;
tira de mim o apego ao escarcéu do mundo,
tira de mim a embriaguez e a euforia das vitórias fáceis:
que os meus passos não me levem para longe de mim mesmo
e da Vossa Santa Presença;
que eu não seja pedra de escândalo
nem juiz dos Vossos filhos,
que eu não seja escravo e nem senhor
da argila humana que me molda;
e que eu aprenda,
com o mais puro amor dos anjos,
a cumprir sempre a Vossa Santa Vontade.

Pai,
de joelhos me coloco diante de vós,
para poder ouvir nas batidas compassadas do meu coração
o portentoso silêncio da Vossa voz.
Pelo homem que sou,
pela consciência de que nada sou,
como um sopro ou um piscar de olhos,
como centelha de chama,
é que, diante de Vós,
eu, obra menor dos Vossos prodígios,
não posso nunca estar de pé...
E, assim, de joelhos,
em nome do Vosso infinito Amor por mim
ouso suplicar a divina graça
de, um dia,
ser o mais comum dos homens
no céu.
Amém.
(Arcos de Pilares)


ORAÇÕES DE SANTO AGOSTINHO (I)



Senhor, se apresentarmos diante de Vós os nossos erros e as feridas que deles recebemos, é bem pouco o que sofremos pelo que bem mais merecemos. Sentimos dor por pecar, mas não rejeitamos a nossa obstinação pelo pecado.

A nossa natureza fragilizada é esmagada sob as Vossas chagas, mas nossos maus caminhos permanecem inalterados. O espírito se atormenta, mas a dura cerviz não se dobra. A vida palpita em dores e não se corrige. Se contemporizas conosco, não nos emendamos; se nos punis, não nos conformamos.

Quando acusados, admitimos que podemos ser culpados; uma vez sentenciados, esquecemos a culpa. Se Vós nos quiserdes impor penas, fazemos todas as promessas; se recolheis a espada, esquecemos todas elas. Se nos ameaçais com flagelos, clamamos por nos poupar; uma vez poupados, tendemos a provocar outra vez a Vossa ira.

Diante das dificuldades, suplicamos por um tempo para arrepender-nos; se a misericórdia vem em nosso auxílio, abusamos da vossa tolerância para conosco. Mesmo quando nossas feridas são mal curadas, nossa ingratidão tudo esquece. Se por acaso nos ouvis de pronto, tomamos posse de Vossa misericórdia; se é lento o Vosso consolo, nos transbordamos de impaciência. Queremos a Vós, Senhor, para manter o que temos feito, mas não tememos desconsiderar o que quereis que tivéssemos feito.

Por isso imploramos o Vosso auxílio, mesmo antes de colocar diante de Vós os males e as tristezas devidas aos nossos pecados. Com as nossas orações, invocamos a Vossa misericórdia, a mesma misericórdia que tem sido tão desprezada pelos nossos pecados. Levantai-nos do erro pela Vossa magnanimidade, ó Senhor, Nosso Deus, para que, na comunhão de salvação e na alegria da caridade, enquanto ainda temos tempo para sermos salvos, possamos regozijar-nos na fé e na paz junto com todas as nações. Por meio de Jesus Cristo, Nosso Senhor, que vive e reina na unidade com o Pai e o Espírito Santo num só Deus. Amém. 


ANTÍFONAS DO Ó


As Antífonas do Ó são sete orações especialmente cantadas durante o tempo do Advento, particularmente ao longo da semana que antecede o Natal. A autoria das antífonas, que remontam aos séculos VII e VIII, tem sido comumente atribuída ao papa Gregório Magno. São sete orações extremamente curtas, sempre iniciadas pela interjeiição Ó, correspondendo a sete diferentes súplicas manifestadas a Jesus Cristo, na expectativa do nascimento do Menino - Deus entre os homens, que é invocado sob sete diferentes títulos messiânicos tomados do Antigo Testamento. 

17 de dezembro

O Sapientia
quæ ex ore Altissimi prodisti,
attingens a fine usque ad finem,
fortiter suaviter disponens omnia:
Veni ad docendum nos viam prudentiae   


Ó Sabedoria
que saístes da boca do altíssimo
atingindo de uma a outra extremidade
e tudo dispondo com força e suavidade:
Vinde ensinar-nos o caminho da prudência 

18 de dezembro

O Adonai
et Dux domus Israel,
qui Moysi in igne flammæ rubi apparuisti
et ei in Sina legem dedisti:
Veni ad redimendum nos in brachio extento 


Ó Adonai
guia da casa de Israel,
que aparecestes a Moisés na chama do fogo
no meio da sarça ardente e lhe deste a lei no Sinai
Vinde resgatar-nos pelo poder do Vosso braço. 

19 de dezembro

O Radix Jesse
qui stas in signum populorum,
super quem continebunt reges os suum,
quem gentes deprecabuntur:
Veni ad liberandum nos; jam noli tardare 


Ó Raiz de Jessé
erguida como estandarte dos povos,
em cuja presença os reis se calarão
e a quem as nações invocarão,
Vinde libertar-nos; não tardeis jamais. 

20 de dezembro

O Clavis David
et sceptrum domus Israel:
qui aperis, et nemo claudit;
claudis et nemo aperit:
Veni, et educ vinctum de domo carceris,
sedentem in tenebris et umbra mortis 


Ó Chave de Davi
o cetro da casa de Israel
que abris e ninguém fecha;
fechais e ninguém abre:
Vinde e libertai da prisão o cativo
assentado nas trevas e à sombra da morte. 

21 de dezembro

O Oriens
splendor lucis æternæ, et sol justitiæ
Veni et illumina sedentes in tenebris
et umbra mortis. 


Ó Oriente
esplendor da luz eterna e sol da justiça
Vinde e iluminai os que estão sentados
nas trevas e à sombra da morte. 

22 de dezembro

O Rex gentium
et desideratus earum
lapisque angularis,
qui facis utraque unum:
Veni et salva hominem quem de limo formasti 


Ó Rei das nações
e objeto de seus desejos,
pedra angular
que reunis em vós judeus e gentios:
Vinde e salvai o homem que do limo formastes. 

23 de dezembro

O Emmanuel,
Rex et legifer noster,
exspectatio gentium,
et Salvador earum:
Veni ad salvandum nos, Domine Deus noster 


Ó Emanuel,
nosso rei e legislador,
esperança e salvador das nações,
Vinde salvar-nos,
Senhor nosso Deus.


AS NOVE JORNADAS DO ADVENTO


Preparação: andor com a imagens peregrinas de São José e da Virgem Maria
Procissão: passagem do andor em frente a uma casa, segundo trajeto pré-estabelecido, durante nove jornadas consecutivas.

Início: Sinal da Cruz, Credo, Pai Nosso.


Canto Inicial (livre)

Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison

Canto

O Andor é colocado diante da porta da casa, no caminho da procissão. Os participantes dividem-se em dois grupos: dentro e fora da casa, agora de portas fechadas, e tem início o canto em que o grupo de fora pede pousada para o grupo de dentro.

(Grupo de Fora)

Em nome do Céu
vos peço pousada
porque já não pode andar
minha esposa amada. 

(Grupo de Dentro)

Aqui não é pousada
sigam adiante
não vamos abrir:
podeis ser um farsante!

(Grupo de Fora)

Não sejais desumanos
tende piedade 
que o Deus do Céu
vos recompensará de verdade.

(Grupo de Dentro)

Sigam em frente
sem mais nos molestar
porque se insistirem estamos prontos
a vos fazer calar.

(Grupo de Fora)

Temos muito viajado 
desde Nazaré
Eu sou um carpinteiro
meu nome é José.

(Grupo de Dentro)

Não nos importa o vosso nome
Deixai-nos dormir
porque já vos dissemos
que não vamos abrir!

(Grupo de Fora)

Escutai, ouvi isso,
quem vos pedis pousada
é a rainha do Céu
em terrena jornada.

(Grupo de Dentro)

então quem quer abrigo
por acaso é rainha;
como pode uma soberana
viajar assim sozinha?

(Grupo de Fora)

Sim, é a Rainha do Céu,
que tem por nome Maria
Que será a Mãe de Deus
antes de romper o dia.

Todos: Maria de Nazaré!

(Grupo de Dentro)

Que entre pois em minha casa,
a Virgem Imaculada
que passa à minha porta
pedindo pousada.

(Grupo de Fora)

Que Deus vos console
por tal caridade
E que o Céu seja vosso
por toda eternidade.

(Grupo de Dentro)

Ditosa é a morada
e bendito é o seu senhor
que nesta noite dá pousada
à Mãe do Salvador!

Todos: Mãe do Salvador!

(São abertas as portas da casa e todos cantam, com o andor posto à frente)

Abram-se as portas, rasguem-se os véus, 
vamos receber a Rainha dos Céus

Venham os esposos e filhos deste lar
receber Maria; deixá-la entrar.

Venham todos os que se encontram neste lugar
receber José; deixá-lo entrar.

Que os santos peregrinos
terminem a jornada
fazendo de nossas almas
a sua morada!

Ato de contrição

Prostrado em vossa presença, ó adorável Trindade, vos bendigo e vos dou graças pelo inefável mistério da Encarnação, no ventre da mais pura das virgens, vitima propícia da Divina Justiça pelo mundo pecador. Eis-me aqui, o mais ingrato dos pecadores... confundido e envergonhado, reconheço o vosso amor infinito e vossa ardentíssima caridade; adoro, bendigo e glorifico a vós que, desde o ventre puríssimo de Maria, vos entregastes aos padecimentos, desprezos e provações, mesmo inocente e que fixais em mim olhos de misericórdia; em mim, o mais indigno de vosso perdão, por haver ultrajado a vossa santidade e grandeza em troca dos inumeráveis benefícios que me haveis outorgado.

Ó Salvador que me redimistes da escravidão do demônio! Ó Pai que, esquecendo minha insensatez e desvarios, me busca, me chama e me oferece, em troca de tanta ingratidão, amor e bem-aventurança eterna! Pequei e me pesa na alma haver-vos ofendido. Aumentai em mim, meu Deus, o arrependimento e dai-me a força eficaz para odiar o pecado e perseverar em vosso santo serviço até o fim da minha vida. Amém.

Oração de Cada Dia (Nove Jornadas)

Primeira Jornada

'Ó Inocente e Puríssima Virgem Maria que, para cumprir o mandato de um soberano da terra, obrigada tivestes de partir, em companhia de vosso castíssimo esposo José, de Nazaré até Belém, para fazer cumprir o edito do César, que se apresentasse toda pessoa residente em seu império declarando o lugar de origem para pagar futuros tributos; por vosso exemplo, ó tão humilde Rainha, vos rogo reanimeis minha fé para que também, submisso e obediente, possa cumprir com o mandato de nosso Soberano do céu. Amém'.

Segunda Jornada

'Ó Virgem Santíssima, assim como vós sofrestes os rigores das intempéries levando em vosso ventre virginal ao Divino Jesus feito homem; eu, vos louvo e vos rogo que me ensineis a suportar as misérias, contratempos, desprezos e provações e que minha esperança se fortaleça em seguir vossos passos nas jornadas da virtude. Amém'.

Terceira Jornada

'Ó Rainha dos anjos, comunicai à minha alma, ó Imaculada Conceição, a fortaleza com que suportastes as provações da vossa terceira jornada, tendo por companhia vosso esposo José e o coro dos anjos celestes que cantavam e bendiziam ao Filho de vossas puríssimas entranhas, para que convosco possa continuar minha peregrinação nesta terra. Amém'.

Quarta Jornada

'Ó Minha Mãe, assim como vós suportastes miséria, provações e desdenhosas negativas quando, sem desanimar, imploravas pousada nesta jornada, transmiti-nos, ó Virgem Santíssima, essa mesma submissão e humildade vossa, para que o meu coração somente possa dar abrigo a um amor puro, piedoso e sincero como o da vossa Sagrada Família. Amém'.

Quinta Jornada

'Ó Cândida Pomba, Mãe e Rainha celestial que, à vossa chegada a Belém em busca de abrigo, pressurosa vos empenhastes em cumprir o mandato que aí vos levava; com este exemplo de submissão que me dais, ensinai-me também no caminho da obediência e submetei-me à vontade do  vosso Filho para que se fortaleça o meu espírito e avive o fogo do meu amor; e não permitis, Minha Mãe, que vacile a minha fé. Amém'.

Sexta Jornada

'Ó Rainha soberana, que suportastes as duras fatigas de tão cruel jornada de Nazaré a Belém, de porta em porta pedindo pousada, que todos vos negavam, sem haver encontrado humilde asilo afinal; por que não hei de suportar as provações da vida para alcançar a graça de seguir pelo caminho da virtude e conseguir contemplar-vos eternamente na Glória? Amém'.

Sétima Jornada

'Ó Rosa Mística e puríssima de aroma celestial que, nesta jornada em busca de pousada, com abnegação inefável, submissa aceitastes por asilo a solícita oferta de vosso santo esposo que somente pôde conduzir-vos a uma gruta, morada e refúgio eventual de pastores que aí, com seus rebanhos, se abrigavam contra as chuvas e as inclemências do tempo. Vós, que tudo isto suportastes, dai-me paciência para suportar também as amarguras terrenas. Amém'.

Oitava Jornada

'Ó Santíssima Virgem, ó Rainha Imaculada, aproxima-se o feliz momento em que, com resignação sem igual, dareis a luz ao Redentor do mundo; considerai que, apesar do sofrimento, ainda solícita ajudastes ao vosso casto esposo limpar as imundícias do lugar que não era propício nem para os animais; façais, Virgem Santa, que eu possa alcançar a eterna ventura de ser vosso digno servo. Amém'.

Nona Jornada

'Por fim, Mãe gloriosa, é chegado o ansiado momento em que destes a luz ao menino mais lindo, sábio e adorável, cuja presença o estábulo embelezou. Com o Castíssimo Patriarca, celebrais a glória com os hosanas de anjos, arcanjos e querubins e com todo o orbe cristão e o júbilo de milhões de fieis que adoram o Vosso Filho e cantam 'Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade'; até os animais se aproximam lentamente para dar calor e alento ao desnudo corpinho do nosso Redentor. Assome neste momento a aurora do cristianismo, a luz divina que exalta o fraco e o oprimido, que iguala o rico ao mendigo. Ó Maria, por este feliz momento em que recebestes a homenagem dos mais humildes, vos pedimos, com a mesma humildade, que nos ajudeis a viver sempre na Santa Vontade do Vosso Divino Filho. Amém'.

Rezam-se Nove Ave Marias (em memória aos nove meses de gravidez de Nossa Senhora), antecipadas com o seguinte Oferecimento:

Nós vos oferecemos estas Nove Ave Marias, ó castíssima Virgem e Mãe de Deus, em memória de vossa gloriosa maternidade e por todas as virtudes com que o Altíssimo adornou vossa alma. Rogamo-vos que não olheis a miséria e a indignidade que nos revestem, mas atendei-nos somente pelo honrosíssimo titulo de Mãe de Deus. Por este titulo, cheios de regozijo e consolo, infunde-nos a esperança de que, na hora final, velareis por nós, esquecendo-se de nossas ingratidões, e recordando, como Mãe do Salvador, quem, em sua agonia, vos fez depositária de sua misericórdia para com os pecadores. Suplicantes imploraremos a vossa assistência, cuja memória nos bastará, pois sabemos que nunca quem vosso auxilio implora será desamparado e, assim, confiamos obter a graça de receber no coração o vosso divino Menino Jesus Sacramentado, graça que será o sinal de nosso perdão e prenda segura da vida eterna. Amém.

Canto final (livre)

ORAÇÕES DE SANTO AGOSTINHO (II)



Meu Dulcíssimo Jesus que, para redimir o mundo quisestes nascer, ser circuncidado, desprezado pelos judeus, entregado com o beijo de Judas, atado com cordas, levado ao suplício, como inocente cordeiro; apresentado diante Anás, Caifás, Pilatos e Herodes; cuspido e acusado com falsos testemunhos; esbofeteado, carregado de opróbrios, despedaçado com açoites, coroado de espinhos, golpeado com a cana, coberto o rosto com púrpura por zombaria; desnudado afrontosamente, cravado na cruz e levantado nela, interposto entre ladrões como um deles, dado-vos a beber fel e vinagre e ferido o Coração com a lança:

Livrai, Senhor, por tantas e tantas acerbadíssimas dores que haveis padecido por nós, as almas do purgatório das penas em que estão; levando-as a descansar na vossa Santíssima Glória, e salvai-nos, pelos méritos de vossa Sagrada Paixão e pela vossa morte de cruz, das penas do inferno, para que sejamos dignos de entrar na posse daquele Reino, onde levastes o bom ladrão que foi crucificado convosco. Vós que viveis e reinais com o Pai e o Espírito Santo pelos séculos dos séculos. Amém.



Hino Eucarístico composto por São Tomás de Aquino (1225 - 1274) para a Festa de Corpus Christi, sendo considerado um dos sete grandes hinos da Igreja Católica. As duas últimas estrofes do hino, consideradas isoladamente, compõem a oração Tantum Ergo, comumente recitada durante a Bênção do Santíssimo Sacramento. A quarta estrofe do hino, particularmente, constitui um desafio enorme de tradução, que tende a ser, por isso, muito aquém da precisão formal e dogmática dos versos originais.

PANGE LINGUA

Pange lingua, gloriosi 
Corporis mysterium, 
Sanguinis que pretiosi, 
Quem em mundi pretium 
fructus ventris Generosi 
Rex effudit Gentium.

Nobis datus, nobis natus 
ex intacta Virgine, 
et em Mundo conversatus, 
Sparso verbi semine, 
sui moras incolatus 
miro clausit ordem.

Em supremae nocte Cenae 
recumbens cum fratribus 
observata lege Plene 
cibis em legalibus, 
cibum turbae duodenae 
se dat suis manibus.

Verbum caro, panem verum 
verbo carnem efficit: 
fitque sanguis Christi Merum, 
et si sensus deficit, 
ad firmandum cor sincerum 
sola fides sufficit.

Tantum ergo Sacramentum 
veneremur cernui: 
et antiquum documentum 
novo cedat ritui: 
praestet fides Supplementum 
sensuum defectui.

Genitori, Genitoque 
laus et iubilatio, 
salus, honor, virtus quoque
sit et benedictio: 
procedenti ab utroque 
compar sit laudatio. 
Amen. 

********************

Canta, ó língua, o mistério
do Corpo glorioso,
e do Sangue precioso
que derramou, para a redenção do mundo,
o fruto do ventre bendito,
o rei de todas as nações.

Dado a nós, nascido para nós, 
de uma Virgem Imaculada
passou sua vida neste mundo   
semeando a Palavra (Boa Nova)
e selou o tempo deste exílio
com entrega admirável.

Na noite da Última Ceia,
reunido aos seus escolhidos,
cumprindo toda a Lei,
conforme o que foi prescrito,
deu-se, por suas próprias mãos,
como alimento para todos eles.

O Verbo é feito Carne no pão verdadeiro,
convertido pela Palavra,
e o vinho puro se faz Sangue de Cristo.
E se falha a razão (para reconhecer este mistério)
basta apenas a fé
para confirmar (este mistério) num coração sincero. 

Tão sublime Sacramento
Veneramos prostrados:
E que a antiga lei
ceda lugar ao novo rito:
a fé venha suprir 
à fraqueza dos sentidos.

Ao Pai e ao Filho
louvor e glória,
saudação, honra, virtude
assim como a bênção. 
Ao que de ambos procede (Espírito Santo),

sejam dados os mesmos louvores.
Amém.

(tradução do autor do blog)


LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM (I)


Ladainha da Santíssima Virgem ou Ladainha de Loreto é uma oração de devoção e homenagem a Nossa Senhora, a Mãe de Deus. A ladainha evoca o papel singular de Maria na história da salvação, como a mãe do nosso Salvador, honrando-a com vários títulos, a maioria deles originados em escritos antigos dos Padres da Igreja. Ao longo do tempo, muitos títulos e invocações à Virgem foram removidos, substituídos e inseridos à oração na forma atual (a mais recente adição - Maria, Mãe da Igreja - foi introduzida pelo Papa João Paulo II e não está presente na versão ilustrada apresentada abaixo, de 1851). A origem da ladainha remonta provavelmente o período entre 1150 e 1200, na França, tendo sido adotada oficialmente pelo Santuário de Loreto, a partir de 1558. O Papa Sisto V aprovou seu uso por toda a Igreja em 1587 e a sua recitação pública incorpora uma indulgência parcial.

LITANIAE LAVRETANAE BEATAE MARIAE VIRGINIS (Parte I)


 Senhor, tende piedade de nós 

   Cristo, tende piedade de nós 


  Senhor, tende piedade de nós 


 Jesus Cristo, ouvi-nos


  Jesus Cristo, atendei-nos

 Deus Pai do céu, tende piedade de nós

 Deus Filho Redentor do mundo, tende piedade de nós


  Deus Espírito Santo, tende piedade de nós


Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós 

(Ilustrações da obra 'Litanies de la Très-Sainte Vierge', de M. L'Abbé Édouard Barthe, 1851)

LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM (II)

LITANIAE LAVRETANAE BEATAE MARIAE VIRGINIS (Parte II)

  Santa Maria, rogai por nós 

 Santa Mãe de Deus, rogai por nós


 Santa Virgem das Virgens, rogai por nós  


Mãe de Jesus Cristo, rogai por nós  

Mater Ecclesiae, ora pro nobis

Mãe da Igreja, rogai por nós 

(título introduzido recentemente nesta sequência, em substituição a 'Mãe intemerata, rogai por nós')

Mãe da Divina Graça, rogai por nós  


Mãe Puríssima, rogai por nós

 Mãe Castíssima, rogai por nós  


 Mãe Sempre Virgem, rogai por nós

 Mãe Intemerata, rogai por nós
  (título substituído por 'Mãe da Igreja, rogai por nós', em sequência diferente)

   Mãe Imaculada, rogai por nós

Mãe Digna de Amor (em lugar de 'Amável') , rogai por nós

 Mãe Admirável, rogai por nós

 Mãe do Bom Conselho, rogai por nós

 Mãe do Criador, rogai por nós

Mãe do Salvador, rogai por nós 

(Ilustrações da obra 'Litanies de la Très-Sainte Vierge', de M. L'Abbé Édouard Barthe, 1851)

LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM (III)

LITANIAE LAVRETANAE BEATAE MARIAE VIRGINIS (Parte III)

 Virgem Prudentíssima, rogai por nós 

 Virgem Venerável, rogai por nós 

 Virgem Louvável, rogai por nós 

  Virgem Poderosa, rogai por nós 

  Virgem Clemente, rogai por nós 

  Virgem Fiel, rogai por nós 

  Espelho de Justiça (Perfeição), rogai por nós 

  Sede da Sabedoria, rogai por nós 

 Causa (Fonte) de Nossa Alegria, rogai por nós 

Vaso Espiritual, rogai por nós 

 Vaso Honorífico, rogai por nós 
(Tabernáculo da Eterna Glória, rogai por nós)

Vaso Insigne de Devoção, rogai por nós 
(Moradia Consagrada a Deus, rogai por nós)

 Rosa mística, rogai por nós 

 Torre de Davi, rogai por nós 

 Torre de marfim, rogai por nós

 Casa de Ouro, rogai por nós

Arca da Aliança, rogai por nós

 Porta do Céu, rogai por nós

 Estrela da Manhã, rogai por nós

Saúde dos Enfermos, rogai por nós

 Refúgio dos Pecadores, rogai por nós

Consoladora dos Aflitos, rogai por nós 

Auxílio dos Cristãos, rogai por nós

(Ilustrações da obra 'Litanies de la Très-Sainte Vierge', de M. L'Abbé Édouard Barthe, 1851)


LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM (IV)

LITANIAE LAVRETANAE BEATAE MARIAE VIRGINIS (Parte IV)

 Rainha dos Anjos, rogai por nós

 Rainha dos Patriarcas, rogai por nós

 Rainha dos Profetas, rogai por nós

 Rainha dos Apóstolos, rogai por nós

Rainha dos Mártires, rogai por nós

Rainha dos Confessores (da Fé), rogai por nós

 Rainha das Virgens, rogai por nós

 Rainha de Todos os Santos, rogai por nós

Rainha Concebida sem Pecado Original, rogai por nós

 Rainha Assunta ao Céu, rogai por nós

 Rainha do Sacratíssimo (Santo) Rosário, rogai por nós

Rainha da Paz, rogai por nós

 Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos Senhor 

 Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos Senhor 

 Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós 


V. Ora pro nobis, sancta Dei Genitrix.
R. Ut digni efficiamur promissionibus Christi.

V. Rogai por nós, santa Mãe de Deus.
R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo

Oremus. Concede nos famulos tuos, quæsumus, Domine Deus, perpetua mentis et corporis sanitate gaudere: et gloriosa beatæ Mariæ semper Virginis intercessione, a præsenti liberari tristitia, et æterna perfrui lætitia. Per Christum Dominum nostrum. Amen.

Oremos. Senhor Deus, nós Vos suplicamos que concedais aos vossos servos perpétua saúde de alma e de corpo; e que, pela gloriosa intercessão da sempre bem aventurada Virgem Maria, sejamos livres da presente tristeza e gozemos da eterna alegria. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.

(Ilustrações da obra 'Litanies de la Très-Sainte Vierge', de M. L'Abbé Édouard Barthe, 1851)

ORAÇÃO A JESUS


Querido Jesus: 
Ajudai-me a espalhar a Vossa fragrância onde quer que eu vá. Inundai a minha alma com o Vosso Espírito e com a Vossa vida.

Penetrai e possuí todo o meu ser, tão completamente que toda a minha alma seja uma irradiação de Vós.

Brilhai através do meu ser, e mostrai-Vos de tal forma em mim, que cada alma que eu encontre possa sentir a Vossa presença. Que elas ergam o olhar e não me vejam, mas apenas a Vós, Senhor.

Ficai comigo para que eu comece a brilhar como Vós e brilhe de tal forma que seja a luz dos outros. A luz, ó Senhor, virá toda de Vós, nenhuma será minha, sereis Vós a brilhar diante dos outros através de mim.

Permiti pois que Vos louve da forma que Vós mais amais, brilhando sobre aqueles que Vos rodeiam. Deixai que Vos pregue não por palavras mas pelo meu exemplo, pela força do entendimento, pela influência benéfica daquilo que faço, como prova do amor que o meu coração sente por Vós. Amém.

(Cardeal Henry Newman)


TRÍDUO DE SÃO JOSÉ



Oração Inicial (para todos os dias)

Pelo sinal da Santa Cruz, livrai-nos Deus de nossos inimigos.
V. Benditos e amados sejam os dulcíssimos nomes de Jesus, Maria e José.
R. Amém.

A Vós recorremos, bondoso Patriarca, e com todo o fervor de nosso afligido Coração, vos pedimos que, deste trono de glória em que vos colocaram vossas virtudes e merecimentos, escuteis propício nossas súplicas e tenhais piedade de nós. Humildemente confessamos que nossas tribulações são penas de nossas culpas; por isso, com dor no coração, pedimos a Deus perdão por todas elas.

Amoroso São José, pelo amor que professais ao vosso Jesus e Maria e pela autoridade que sobre eles exercestes aqui na terra, intercede agora por nós no céu, escutando nossas petições e apresentando-as vós mesmo à vossa Esposa Imaculada e ao vosso Divino Filho, para que sejam favoravelmente ouvidas, para maior glória de Deus e santificação de nossas almas. Amém.

Castíssimo esposo da Virgem Maria e amável protetor, meu São José, que jamais se ouviu dizer que alguém já tenha invocado a vossa proteção e implorado o vosso auxílio sem haver sido consolado. Cheio de confiança em vosso poder, já que exercestes com Jesus o cargo de pai, venho, à vossa presença, recomendar-me a Vós com todo o fervor. Não desprezeis minhas súplicas, antes bem acolhei-as e dignai-vos atendê-las piedosamente. Amém.

Primeiro Dia 

Aqui nós estamos em vossa gloriosa presença, doce protetor nosso São José, implorando o vosso eficaz patrocínio.

Dirige, ó grande santo, um olhar amoroso sobre nós, miseráveis filhos de Eva, e alcançai-nos a graça que vos pedimos, as virtudes da humildade, pureza e obediência, a honra de morrer assistidos por Jesus, por vossa Esposa e por vós, para o bendizermos e o louvarmos no céu eternamente. Amém.

Pede-se a graça que se deseja...
Rezar sete Pai-Nossos e Ave-Marias em memória das sete dores e alegrias de São José.

Segundo Dia 

Ao vossos pés nos prostramos com o mais humilde afeto, ó incomparável protetor nosso São José, confiando em vosso eficaz patrocínio.

Dirige, ó grande santo, um olhar amoroso sobre nós, miseráveis pecadores filhos de Eva, e alcançai-nos a graça que vos pedimos, juntamente com as três virtudes de terna piedade, gratidão aos divinos benefícios e firme confiança em Deus, que tanto e com tanto fruto praticastes vós mesmo, a fim de que enriquecidos com elas, possamos expirar docemente nos braços de Jesus e Maria, e chegarmos depois em vossa companhia no céu, por toda a eternidade. Amém.

Pede-se a graça que se deseja...
Rezar sete Pai-Nossos e Ave-Marias em memória das sete dores e alegrias de São José.

Terceiro Dia 

Prostrados ante Vós, insigne protetor nosso São José, acudimos também hoje em demanda de vosso eficaz patrocínio.

Dirige, ó grande Santo, um olhar amoroso sobre nós, miseráveis filhos de Eva, e apresentai nossas súplicas ao Pai Eterno, cujas vezes fizestes na terra tutelando o seu Divino Filho; oferecei-as também ao Espírito Santo, de quem fostes representante como Esposo de Maria; apresentai-as, enfim, ao Filho, para que sejam benignamente atendidas pela Santíssima Trindade, objeto de todo nosso amor, agora e sempre, por todos os séculos. Amém.

Pede-se a graça que se deseja...
Rezar sete Pai-Nossos e Ave-Marias em memória das sete dores e alegrias de São José.

Oração Final (para todos os dias)

Gloriosíssimo Patriarca São José, castíssimo Esposo da Mãe de Deus; ao vosso amparo acudimos, não desprezais nossas súplicas e livrai-nos de todos os perigos.
V. Bendito Patriarca São José, rogai por nós.
R. Para que sejamos dignos da graça que imploramos.

Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus e Mãe nossa, uni vossos rogos aos de vosso castíssimo Esposo e pelos maternais cuidados que dedicastes ao Menino Jesus, intercedei e rogai por nós, para que sejamos dignos de alcançar a graça que vos pedimos.

Sacratíssimo Coração de Jesus, ouvi benigno as súplicas de Maria, cheia de graça, e de José, varão justo, para que, por sua intercessão, logremos o favor solicitado, se for para a maior honra e glória vossa e bem de nossas almas. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém.


ORAÇÃO DO PAPA CLEMENTE XI

Senhor, creio em Vós, fazei que eu creia com mais firmeza;
espero em Vós, fazei que espere com mais confiança;
amo-Vos, aumentai o meu amor;
arrependo-me, avivai a minha dor.

Adoro-Vos como primeiro princípio;
desejo-Vos como último fim;
exalto-Vos como benfeitor perpétuo;
invoco-Vos como defensor propício.

Dirigi-me com a vossa sabedoria;
atai-me com a vossa justiça;
consolai-me com a vossa clemência;
protegei-me com o vosso poder.

Ofereço-Vos os meus pensamentos, para que se dirijam a Vós;
minhas palavras, para que falem de Vós;
minhas obras, para que sejam vossas;
minhas contrariedades, para que as aceite por Vós.

Quero o que quereis,
quero porque o quereis,
quero como o quereis,
quero enquanto o queirais.

Senhor, peço-Vos que ilumineis a minha mente,
inflameis a minha vontade,
limpeis o meu coração,
santifiqueis a minha alma.

Que me afaste das faltas passadas,
rejeite as tentações futuras,
corrija as más inclinações,
pratique as virtudes necessárias.

Concedei-me, Deus de bondade, amor por Vós,
ódio por mim,
zelo pelo próximo,
desprezo pelo mundano.

Que saiba obedecer aos superiores,
ajudar os inferiores,
acolher os amigos,
perdoar os inimigos.

Que vença a sensualidade com a mortificação,
a avareza com a generosidade,
a ira com a bondade,
a tibieza com a piedade.

Fazei-me prudente nos conselhos,
constante nos perigos,
paciente nas contrariedades,
humilde na prosperidade.

Senhor, fazei-me atento na oração,
sóbrio na comida,
perseverante no trabalho,
firme nos propósitos.

Que procure ter inocência interior,
modéstia exterior,
conversa exemplar,
vida ordenada.

Que lute por dominar a minha natureza,
fomentar a graça,
servir a vossa lei
e obter a salvação.

Que aprenda de Vós como é pouco o terreno,
como é grande o divino,
como é breve o tempo,
como é duradouro o eterno.

Fazei-me preparar a morte,
temer o juízo,
evitar o inferno
e alcançar o Paraíso.


Por Cristo Nosso Senhor. Amém.



Oração à Virgem do Sorriso 

(para pedir a Cura da Depressão e de distúrbios similares)

Ó Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe que, com um claro sorriso, Vos dignastes consolar e curar da depressão a Vossa filha, Santa Teresinha do Menino Jesus, restituindo-lhe a alegria de viver e o sentido de sua vida em Cristo ressuscitado, olhai com carinho maternal muitos filhos e filhas que sofrem de depressão, distúrbios e síndromes psiquiátricas e doenças psicossomáticas.

Que Jesus Cristo possa curar e dar sentido às vidas de muitas pessoas cuja existência, por vezes, deteriorou-se. Maria, que o vosso belo sorriso não permita que as dificuldades da vida obscureçam a nossa alma, pois sabemos que só o Vosso filho Jesus pode satisfazer os anseios mais profundos do nosso coração.

Maria, através da luz que emana de Vossa face, transparece a misericórdia de Deus. Que os Vossos olhos possam acariciar-nos e nos convencer de que Deus nos ama e nunca nos abandona, e que a Vossa ternura renove em nós a auto-estima, a confiança nas nossas capacidades, o interesse pelo futuro e o desejo de vivermos felizes.

Pedimos também para que os membros das famílias daqueles que sofrem de depressão possam ajudar no processo de cura, não os tratando jamais como atores da doença ou por interesses de conveniência, mas que os valorizem, escutem, compreendam e exortem à cura.

Virgem do Sorriso, obtende para nós, por Jesus, a cura verdadeira e livrai-nos dos alívios temporários e ilusórios. Uma vez curados, comprometemo-nos a servir a Jesus com alegria, disposição e entusiasmo, como discípulos missionários, através do nosso testemunho de vida renovada. Amém.

Rezar duas Ave Marias em honra das duas lágrimas de alegria que rolaram pela face de Santa Teresinha do Menino Jesus, quando ela foi tocada pelo sorriso da Virgem.


TRÊS ORAÇÕES A SANTAS MÁRTIRES DA IGREJA

ORAÇÃO A SANTA CECÍLIA PELA SALVAÇÃO ETERNA

Ó, gloriosa Santa Cecília, apóstola da caridade, espelho da pureza e modelo de esposa cristã! Por aquela fé esclarecida, com que afrontastes os enganosos deleites do mundo pagão, alcançai-nos o amoroso conhecimento das verdades cristãs, para que conformemos a nossa vida à santa lei de Deus e da sua Igreja. Revesti-nos da inviolável confiança na misericórdia de Deus, pelos merecimentos infinitos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Dilatai o nosso coração para que, abrasados pelo amor de Deus, não nos desviemos jamais da salvação eterna. Gloriosa Padroeira nossa, que os vossos exemplos de fé e de virtude sejam para todos nós, um brado de alerta para que estejamos sempre atentos à vontade de Deus, tanto na prosperidade como nas provações, no caminho do céu e da salvação eterna. Amém.


ORAÇÃO A SANTA BÁRBARA CONTRA UMA MORTE IMPREVISTA

Gloriosa Santa Bárbara, virgem e mártir, ajudai-nos sempre com a vossa valiosa proteção, junto ao trono do Vosso Divino Esposo, Jesus Cristo, para que vivamos e morramos sem pecado mortal. Alcançai-nos a graça de não morrermos de repente mas fazei que, antes do dia da nossa morte, fortalecidos pelo sacramento do corpo e do sangue do Senhor e pela Unção dos Enfermos, sejamos preservados de todos os males e depois conduzidos ao Reino do Céu. Amém.  

ORAÇÃO A SANTA CATARINA CONTRA RISCOS DE ACIDENTES

Ó Santa Catarina, vós que quebrastes a roda da engrenagem das mãos dos torturadores e, por isto, sois invocada como protetora contra os acidentes, protegei-me de todo e qualquer acidente que possa colocar em risco a minha vida ou a minha integridade física. Protegei ainda mais a minha alma contra todo e qualquer perigo espiritual que possa oferecer risco à perda eterna da minha alma. Amém.


ORAÇÃO DO ANJO DE PORTUGAL



'Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e Vos amo. Peço-Vos perdão para os que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.


Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o Preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os Sacrários da terra, em reparação aos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores'.


AVE MARIA 
(Franz Biebl)

Angelus Domini nuntiavit Mariae
et concepit de Spiritu sancto.

Ave Maria, gratia plena, Dominus tecum.
Benedicta tu in mulieribus,
Et benedictus fructus ventris tui, Jesus, Jesus.

Maria dixit: Ecce ancilla Domini.
Fiat mihi secundum verbum tuum.

Ave Maria, gratia plena, Dominus tecum.
Benedicta tu in mulieribus,
Et benedictus fructus ventris tui, Jesus, Jesus.

Et Verbum caro factum est
et habitavit in nobis.

Ave Maria, gratia plena, Dominus tecum.
Benedicta tu in mulieribus,
Et benedictus fructus ventris tui, Jesus, Jesus.

Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatoribus,
Sancta Maria, ora pro nobis, nunc et in hora mortis nostrae.
Amen. Amen. Amen.

*********************

O Anjo do Senhor anunciou a Maria.
E Ela concebeu do Espírito Santo.

Ave Maria cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. 

Maria disse: Eis aqui a escrava do Senhor.
Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

Ave Maria cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus.

E o Verbo de Deus se fez carne.
E habitou entre nós.

Ave Maria cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus.

Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, 
Santa Maria, rogai por nós, agora e na hora da nossa morte. 

Amém. Amém. Amém.

SEQUÊNCIA DAS SETE VIRTUDES DE MARIA



1° DIA: Fazer-se humilde como Maria

Maria se lembrava que tudo nela era dom de Deus. Guardava em segredo, mesmo diante de seu esposo, as graças e favores divinos com que era agraciada por Deus. Ela oferecia ao Senhor os louvores que recebia. Ela se comprazia em servir ao próximo e a se colocar sempre em último lugar. Ela não temia o desprezo; ela não foi vista em Jerusalém no Domingo de Ramos, na ocasião em que o povo recebeu seu Filho com todas as honrarias. Mas não teve medo de comparecer ao Calvário, onde foi reconhecida como a mãe de um condenado.

Ó Maria, Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, rogai por mim quando eu quiser me valorizar diante do próximo, revestindo-me com o manto da vossa humildade.

'Ó Maria, dai-nos a virtude da humildade'.

2° DIA: Amar a Deus e ao próximo como Maria

Cristo nos deu este mandamento: amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração e a teu próximo como a ti mesmo. Maria cumpriu plenamente este preceito. Segundo São Bernardo, o amor de Jesus entrou como uma espada no coração de Maria e o transpassou de um lado ao outro a fim de que nenhuma dobra e nenhuma prega ficasse sem o ferimento de amor. O coração de Maria tornou-se, então, fogo e chama: fogo por causa do amor que a queimava interiormente e chama resplandecendo no exterior, através da prática da caridade.

Ó Maria, Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, como em Caná, rogai por mim ao vosso Filho, dizendo-lhe: 'Eles não têm mais amor', e concedei-me a graça de praticar a caridade, como vós. Que o teu exemplo e a tua doação incondicional me lembre o amor a Deus e ao próximo, quando eu der preferência a mim, dentre os outros. 

'Ó Maria, dai-nos a virtude do amor'.

3° DIA: Crer como Maria

Foi pela sua fé que Maria foi proclamada bem-aventurada por sua prima Isabel. Na Paixão de Jesus, os discípulos foram tomados por dúvidas e somente a Virgem Maria se manteve firme na fé. A fé é um dom de Deus e, ao mesmo tempo, uma virtude. É um dom de Deus, enquanto luz que Ele próprio faz resplandecer sobre a alma. É uma virtude quando a alma a põe em prática. O verdadeiro cristão vive segundo a sua fé. Assim viveu a Virgem Maria.

Ó Maria, Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, rogai por mim quando eu duvidar; dai-me olhos que visualizem toda a luz da fé. 

'Ó Maria, dai-nos a virtude da fé'.

4° DIA: Esperar com confiança como Maria

A esperança nasce da fé. A Virgem Maria demonstrou quão grande era a sua confiança em Deus, plenamente confiante de que Deus preservaria sua inocência, sua honra e sua vida. E mesmo quando ela se viu excluída das hospedarias e constrangida a buscar abrigo num estábulo, e ainda na sua fuga para o Egito, um país estrangeiro e desconhecido e, sobretudo nas Bodas de Caná, quando seu pedido foi primeiramente recusado por Jesus, Maria estava confiante de que seu Filho lhe concederia a graça solicitada.

Ó Maria, Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, vós sois, depois de Jesus, toda a minha esperança, ensinai-me a praticar o abandono, a entrega à Providência Divina. 

'Ó Maria, dai-nos a virtude da esperança'.

5° DIA: Viver a castidade como Maria

Deus nos deu, em Maria, o modelo perfeito em relação ao amor de Deus. Maria consagrou-se inteiramente a Deus, abrindo o caminho para muitas outras jovens. No entanto, o chamado evangélico à castidade dirige-se a todos os cristãos, seja qual for seu estado civil. Trata-se de um apelo a não usar o próximo apenas para o seu próprio prazer. A castidade é um modo livre de viver, respeitando o outro.

Ó Maria, Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, que o vosso nome, pronunciado com confiança, seja o meu recurso quando eu tiver que renunciar às paixões do espírito e da carne, para deixar Deus passar. 

'Ó Maria, dai-nos a virtude da castidade'.

6° DIA: Fazer-se pobre como Maria

Vemos Maria entrar no Templo não com um cordeiro, que seria a oferenda das pessoas ricas, mas com um par de rolinhas, que constituía a oferenda dos pobres. Havia concordado em desposar José, que vivia exclusivamente do árduo trabalho de suas mãos. Partira para o Egito para salvar seu filho, abandonando tudo o que tinha. Quando a virtude da pobreza nos faz sentir seus espinhos em nossa própria carne, que fonte de consolo encontramos na pobreza de Maria e José!

Ó Maria, Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, que dizeis, em vosso sublime cântico: Minha alma exulta no Senhor. Dai-me a graça de poder sempre ter a Deus como prioridade na minha vida. 

'Ó Maria, dai-nos a virtude da pobreza'.

7° DIA: Praticar a obediência e a paciência como Maria

A Virgem Santa era de tal modo apegada ao Senhor que se intitulou serva do Senhor. Maria, com humildade, viveu sua vida em total adesão à vontade de Deus. Do momento que a mulher do Evangelho, dirigindo-se a Jesus, exclamou: 'Feliz o seio que te trouxe ao mundo!', Jesus respondeu: 'Mais felizes são aqueles que escutam a palavra de Deus e a põe em prática'. Naquele episódio, Maria surge como a primeira discípula de seu Filho.

Ó Maria, Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, dai-me a graça de obedecer fielmente à vontade de Deus, de suportar em paz as cruzes e amar a Deus cada vez mais. 

'Ó Maria, dai-nos a virtude da obediência e da paciência'.

Em cada oração, pode-se oferecer uma rosa aos pés de Maria e rezar:

Pai Nosso - Ave Maria - Glória ao Pai


Oração Final

Ó Maria Santíssima, cuja vida é modelo de santidade, fazei que floresça em nossas vidas as tuas virtudes, a fim de que possamos, também nós, alcançarmos a santidade.


ORAÇÃO: DIES IRAE


Dies Irae (Dia da Ira) é um famoso hino litúrgico que era originalmente utilizado pela Igreja como sequência (antes do Evangelho) no Primeiro Domingo do Advento e lido ou cantado na Missa dos Fieis Defuntos. Posteriormente, com a reforma litúrgica introduzida no pontificado do Papa Paulo VI, o hino foi transferido para o âmbito do Ofício Divino ou Liturgia das Horas, sendo utilizado apenas na última semana do Tempo Comum.

O hino, cuja provável autoria é desconhecida, embora tradicionalmente atribuída a Tomas de Celano, é uma reflexão sobre o Juízo Final, o fim do mundo e as duas vindas de Nosso Senhor Jesus Cristo. Em linguagem dura, na perspectiva terrível do julgamento de Deus para toda a humanidade, invoca também a esperança do perdão em Cristo nosso Salvador. Neste sentido, evidencia-se a associação direta da sua utilização na liturgia dos falecidos e ao final do ano litúrgico por serem ambos períodos especiais em que são mais intensas as meditações sobre os novíssimos do homem.

Na transposição do hino para a sua inclusão na Liturgia das Horas, foram feitas três alterações no texto original:

1. Remoção da estrofe final: Pie Iesu Domine, dona eis requiem. Amen [Pio Senhor Jesus, dai-lhe o descanso eterno], originalmente acrescentada para se usar o Dies Irae na Missa dos Defuntos;
2. Acréscimo de uma estrofe de invocação ao Deus da Santíssima Trindade: O tu Deus majestatis / alme candor Trinitatis / nos coniunge cum beatis. Amen. [Ó, Vós, Deus de majestade / esplendor da Trindade / contai-nos entre os eleitos. Amém];
3. Alteração do verso Qui Mariam absolvisti [Vós, que absolvestes Maria] para Peccatricem qui solvisti [Vós, que absolvestes a pecadora].

DIES IRAE*

I

Dies irae, dies illa, 
solvet saeculum in favilla, 
teste David cum Sibylla. 

Quantus tremor est futurus, 
quando iudex est venturus, 
cuncta stricte discussurus! 

Tuba mirum spargens sonum 
per sepulcra regionum, 
coget omnes ante thronum. 

Mors stupebit et natura, 
cum resurget creatura, 
 iudicanti responsura

Liber scriptus proferetur, 
in quo totum continetur, 
unde mundus iudicetur. 

Iudex ergo cum sedebit, 
Quidquid latet apparebit: 
nil inultum remanebit. 

O tu Deus majestatis / alme candor Trinitatis / nos coniunge cum beatis. Amen.

Dia de ira, aquele dia, volve o mundo em cinza fria: diz Davi e a Sibila.
Que terror não há de haver, quando Deus comparecer para julgar com rigor!
Nos sepulcros ressoando, vai a tuba convocando os mortos ao tribunal.
A terra inteira estremece, quando o homem comparece para o juízo final.
Um livro será trazido em que tudo está contido para o mundo ser julgado.
Quando o Juiz se sentar, tudo se há de revelar: a justiça e o pecado.

Jesus, Deus de majestade, vivo esplendor da Trindade, contai-nos entre os eleitos. Amém.

II

Quid sum miser tunc dicturus? 
Quem patronum rogaturus? 
Cum vix iustus sit securus. 

Rex tremendae maiestatis, 
qui salvandos salvas gratis, 
salva me, fons pietatis. 

Recordare Iesu pie, 
quod sum causa tuae viae: 
ne me perdas illa die. 

Quaerens me, sedisti lassus: 
redemisti crucem passus: 
 tantus labor non sit cassus. 

Iuste iudex ultionis, 
donum fac remissionis, 
ante diem rationis. 

Ingemisco, tamquam reus: 
culpa rubet vultus meus: 
supplicanti parce Deus. 

O tu Deus majestatis / alme candor Trinitatis / nos coniunge cum beatis. Amen.

Pobre de mim, que direi, que patrono invocarei ao ver o justo em temor?
Rei de excelsa majestade, que salvais só por bondade, salvai-me no vosso amor.
Recordai-Vos, bom Jesus: por mim deixastes os Céus, não me condeneis então.
A buscar-me Vos cansastes, pela Cruz me resgatastes: tanta dor não seja em vão.
Justo Juiz do castigo, usai de graça comigo antes de chegar o fim.
Como réu envergonhado, sinto-me tremer, culpado: tende compaixão de mim.

Jesus, Deus de majestade, vivo esplendor da Trindade, contai-nos entre os eleitos. Amém.

III

Peccatricem qui solvisti [Qui Mariam absolvisti], 
et latronem exaudisti, 
mihi quoque spem dedisti. 

Preces meae non sunt dignae: 
sed tu bonus fac benigne, 
ne perenni cremer igne. 

Inter oves locum praesta, 
et ab haedis me sequestra, 
statuens in parte dextera. 

Confutatis maledictis, 
flammis acribus addictis. 
Voca me cum benedictis. 

Oro supplex et acclinis, 
cor contritum quasi cinis: 
gere curam mei finis. 

Lacrimosa dies illa, 
qua resurget ex favilla. 
Iudicandus homo reus: 
Huic ergo parce Deus. 

O tu Deus majestatis / alme candor Trinitatis / nos coniunge cum beatis. Amen.

[Pie Iesu Domine, 
dona eis requiem. Amen]

A pecadora absolvendo e o bom ladrão acolhendo, grande esperança me dais.
Embora não seja digno, vós me livrareis, benigno, dos tormentos infernais.
Entre os cordeiros contado, dos precitos separado, ponde-me à vossa direita.
Repelidos os malvados e a vivas chamas lançados, suba eu à pátria eleita.
Com profunda contrição imploro o vosso perdão: ajudai-me na agonia.
Quando nesse triste dia, das cinzas em que jazia, ressurgir o homem réu, perdoai-lhe, Deus do Céu.

Jesus, Deus de majestade, vivo esplendor da Trindade, contai-nos entre os eleitos. Amém.

[Pio Senhor Jesus, dai-lhe o descanso eterno. Amém]

* versão para a Liturgia das Horas, tradução em português diferente daquela constante do livro litúrgico oficial da Liturgia das Horas utilizada no Brasil; I - Ofício das Leituras; II - Laudes; III - Vésperas; trechos entre colchetes: versão original para a Missa dos Defuntos. 


ORAÇÃO AO PAI


 

Pai,
confortai os vossos filhos que choram,
tantos que padecem de dores físicas e espirituais,
os que se perderam pelos caminhos do mundo
e não sabem voltar às fontes da graça.
Olhai com especial misericórdia
os que se inclinam sob o peso dos erros
pela insensatez de conhecer pela malícia
os limites do nada.


Fazei com que os réprobos e os cativos do mal
conheçam a vossa misericórdia
e se refaçam como arautos de todo o bem;
envolvei com carinho paternal
os desiludidos do mundo
os que não têm mais sentido de viver
porque perderam a capacidade de sonhar.

Tornai a volver aos vossos olhos clementes
os que se angustiam nas visões do inferno
e se debatem nas trevas do pecado,
e plantai nos corações eunucos do silêncio
a suavidade do vosso chamado,
reerguendo da lama dos vozerios da terra
a vossa cruz bendita e salvadora.

Retende nos contrafortes de tantas misérias
a doçura do vosso clamor de perdão;
Atraí para o Céu os desmemoriados da vida
ensandecidos de prazeres e volúpias
e mostrai a todos os vossos filhos
que toda e qualquer glória humana 
é mais vã que o tempo que passou.

Penetrai no mais íntimo das almas
e refazei vontades e arbítrios,
transformai em preces e bênçãos
tantas pedras deixadas nos caminhos;
levantai do chão as vossas criaturas
e fazei com que a Jerusalém celeste
seja de todos o único destino.

E, então, nos limites da divina providência,
 os que se consolam sejam consolados,
de uma a outra extremidade da terra,
para que possam cantar por toda a eternidade
a vossa glória, ó Pai!

(Arcos de Pilares)


ORAÇÃO A NOSSA SENHORA (SÃO BERNARDO)


Ó tu, quem quer que sejas, que te sentes longe da terra firme, arrastado pelas ondas deste mundo, no meio das borrascas e tempestades, se não queres soçobrar, não tires os olhos da luz desta estrela.


Se o vento das tentações se levanta, se o escolho das tribulações se interpõe em teu caminho, olha a estrela, invoca Maria.


Se és balouçado pelas vagas do orgulho, da ambição, da maledicência, da inveja, olha a estrela, invoca Maria.



Se a cólera, a avareza, os desejos impuros sacodem a frágil embarcação de tua alma, levanta os olhos para Maria.


Se, perturbado pela lembrança da enormidade de teus crimes, confuso à vista das torpezas de tua consciência, aterrorizado pelo medo do Juízo, começas a te deixar arrastar pelo turbilhão da tristeza, a despenhar no abismo do desespero, pensa em Maria.


Nos perigos, nas angústias, nas dúvidas, pensa em Maria, invoca Maria. Que o seu nome nunca se afaste de teus lábios, jamais abandone teu coração; e para alcançar o socorro da intercessão dela, não negligencieis os exemplos de sua vida.


Seguindo-a, não te transviarás; rezando a ela, não desesperarás; pensando nela, evitarás todo erro. Se ela te sustenta, não cairás; se ela te protege, nada terás a temer; se ela te conduz, não te cansarás; se ela te é favorável, alcançarás o fim.


E assim verificarás, por tua própria experiência, com quanta razão foi dito: 'E o nome da Virgem era Maria'.


ORAÇÃO: CONFITEOR

Oração penitencial de súplica dirigida ao perdão e à misericórdia de Deus, recitada desde os princípios do Cristianismo como sinal de humildade e contrição. A forma tradicional da oração, somente concluída provavelmente no século VIII, é apresentada abaixo em latim, com a sua correspondente versão para o português. Sua inclusão como Ato Penitencial na Santa Missa data do século XI.


Confiteor Deo omnipotenti, beatae Mariae semper Virgini, beato Michaeli Archangelo, beato Ioanni Baptistae, sanctis Apostolis Petro et Paulo, et omnibus Sanctis, quia peccavi nimis cogitatione, verbo et opere: mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa. Ideo precor beatam Mariam semper Virginem, beatum Michaelem Archangelum, beatum Ioannem Baptistam, sanctos Apostolos Petrum et Paulum, et omnes Sanctos, orare pro me ad Dominum Deum nostrum. Amen.

Confesso a Deus Todo-poderoso, à bem-aventurada sempre Virgem Maria, ao bem-aventurado Miguel Arcanjo, ao bem-aventurado João Batista, aos santos Apóstolos Pedro e Paulo, e a todos os santos, que pequei muitas vezes por pensamentos, palavras e ações, por minha culpa, minha culpa, minha máxima culpa. Por isso, peço à bem-aventurada sempre Virgem Maria, ao bem-aventurado Miguel Arcanjo, ao bem-aventurado João Batista, aos santos Apóstolos Pedro e Paulo, e a todos os santos, que oreis por mim a Deus, Nosso Senhor. Amém.

ORAÇÃO DE SÃO TOMÁS DE AQUINO


'Que eu chegue a Vós, Senhor, por um caminho seguro e reto; caminho que não se desvie nem na prosperidade nem na adversidade, de tal forma que eu Vos dê graças nas horas prósperas e nas adversas, conservando a paciência e não me deixando exaltar pelas primeiras nem abater pelas outras. 

Que nada me alegre ou entristeça, exceto o que me conduza a Vós ou que de Vós me separe. Que eu não deseje agradar nem receie desagradar senão a Vós. Tudo o que passa torne-se desprezível a meus olhos por Vossa causa, Senhor, e tudo o que a Vós possa dizer respeito me seja caro, mas Vós, meu Deus, mais do que o resto. 

Qualquer alegria sem Vós me seja fastidiosa, e nada eu queira fora de Vós. Qualquer trabalho, Senhor, feito por Vós me seja agradável e insuportável aquele de que estiveres ausente. Concede-me a graça de erguer continuamente o coração a Vós e que, quando eu caia, me arrependa. 

Torna-me, Senhor meu Deus, obediente, pobre e casto; paciente, sem reclamação; humilde, sem fingimento; alegre, sem dissipação; triste, sem abatimento; reservado, sem rigidez; ativo, sem leviandade; animado pelo temor, sem desânimo; sincero, sem duplicidade; fazendo o bem sem presunção; corrigindo o próximo sem altivez; edificando-o com palavras e exemplos, sem falsidade. 

Dá-me, Senhor Deus, um coração vigilante, que nenhum pensamento curioso arraste para longe de Vós; um coração nobre que nenhuma afeição indigna debilite; um coração reto que nenhuma intenção equívoca possa desviar; um coração firme, que nenhuma adversidade abale; um coração livre, que nenhuma paixão seja capaz de subjugar. 

Concede-me, Senhor meu Deus, uma inteligência que Vos conheça, uma vontade que Vos busque, uma sabedoria que Vos encontre, uma vida que Vos agrade, uma perseverança que Vos espere com confiança e uma confiança que Vos possua. Amém'.


ORAÇÃO: IESU, DULCIS MEMORIA


Hino religioso comumente atribuído a São Bernardo de Claraval (1090 - 1153), compreendendo entre 42 e 53 estrofes, dependendo dos manuscritos disponíveis. Partes do hino são cantadas durante a Festa do Santo Nome de Jesus (atualmente considerada facultativa e a ser celebrada no mês de janeiro) ou nas leituras das orações de Vésperas. 


Jesus dulcis memoria,
Dans vera cordis gaudia;
sed super mel et omnia,
ejus dulcis praesentia.

Nil canitur suavius,
Nil auditur jucundius,
Nil cogitatur dulcius.
quam Jesus Dei Filius.

Jesu, spes paenitentibus,
Quam pius es petentibus!
Quam bonus te quarentibus!
Sed quid invenientibus?

Nec lingua valet dicere,
nec littera exprimere:
expertus potest credere,
quid sit Iesum diligere

Sis, Iesu, nostrum gaudium,
qui es futurus praemium:
sit nostra in te gloria,
per cuncta semper saecula. Amen.


Doce é a lembrança de Jesus,
Ele dá as verdadeiras alegrias do coração;
Mais que o mel e todas as coisas
doce é a sua presença.

Não se canta nada mais suave
nada se ouve de mais agradável
nenhum pensamento é mais doce
que Jesus, o Filho de Deus.

Ó Jesus, esperança dos penitentes!
como sois terno para os que vos imploram
como sois bom para os que Vos procuram

mas o que sois para os que Vos encontram!

Não há palavra que o diga,
Nem letra que saiba exprimir:
Só quem experimentou pode crer,
O que seja amar Jesus.

Sede, Jesus, nossa alegria,
Vós que haveis de ser o nosso prêmio:
Que a nossa glória repouse em Vós
Por todos os séculos dos séculos. Amém.



DEVOCIONÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES



Introdução (Todos os Dias)

V. Ó Deus, vinde em meu auxílio; 
R. Senhor, apressai-Vos em me socorrer

V. Glória ao Pai...
R. Assim como era no princípio...

Dia I 

Sofro por Vós, Maria dolorosíssima, na aflição do Vosso coração terno com a profecia do santo velho Simeão. Querida Mãe, pelo Vosso coração tão afligido, obtende para mim a virtude da humildade e o dom do santo Temor de Deus. 

Rezar uma Ave Maria. 

Dia II

Sofro por Vós, Maria dolorosíssima, na angústia do Vosso afetuosíssimo coração durante a fuga para o Egito e a Vossa estadia ali. Querida Mãe, pelo Vosso coração tão perturbado, obtende para mim a virtude da generosidade, especialmente para com os pobres, e o dom da Piedade. 

Rezar uma Ave Maria. 

Dia III

Sofro por Vós, Maria dolorosíssima, nas ansiedades que perturbaram o Vosso coração amargurado pela perda do Vosso querido Jesus. Querida Mãe, pelo Vosso coração tão angustiado, obtende para mim a virtude da castidade e o dom da Ciência. 

Rezar uma Ave Maria. 

Dia IV

Sofro por Vós, Maria dolorosíssima, na consternação do Vosso coração ao encontrardes Jesus quando carregava a Sua Cruz. Querida Mãe, pelo Vosso coração tão perturbado, obtende para mim a virtude da paciência e o dom da Fortaleza. 

Rezar uma Ave Maria. 

Dia V

Sofro por Vós, Maria dolorosíssima, no martírio que o Vosso coração generoso suportou ao estar perto de Jesus na Sua agonia. Querida Mãe, pelo Vosso coração de tal maneira aflito, obtende para mim a virtude da temperança e o dom do Conselho. 

Rezar uma Ave Maria. 

Dia VI

Sofro por Vós, Maria dolorosíssima, no ferimento do Vosso coração compassivo, quando o lado de Jesus foi atingido pela lança e o Seu Coração foi trespassado. Querida Mãe, pelo Vosso coração assim trespassado, obtende para mim a virtude da caridade fraterna e o dom do Entendimento. 

Rezar uma Ave Maria. 

Dia VII

Sofro por Vós, Maria dolorosíssima, pelas dores que apertaram o Vosso amantíssimo coração quando Jesus foi sepultado. Querida Mãe, pelo Vosso coração mergulhado na amargura da desolação, obtende para mim a virtude da diligência e o dom da Sabedoria. 

Rezar uma Ave Maria. 

Oração Final (Todos os Dias)

V. Orai por nós, Virgem dolorosíssima, 
R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. 

Oremos. Seja feita intercessão por nós, vos suplicamos, Senhor Jesus Cristo, agora e na hora da nossa morte, perante o trono da Vossa misericórdia, pela Santíssima Virgem Maria, Vossa Mãe, cuja santíssima alma foi trespassada por uma espada de dor na hora da Vossa amarga Paixão. Pedimos isto por intermédio de Vós, Jesus Cristo, Salvador do mundo, que com o Pai e o Espírito Santo vive e reina pelos séculos dos séculos. Amém.

Indulgência de 5 anos. Indulgência de 7 anos em cada dia de setembro. Indulgência plenária uma vez por mês, nas condições usuais, se estas orações forem rezadas diariamente (Pio VII, Audiência em 14 de Janeiro de 1815).


ORAÇÃO DE SÃO PATRÍCIO


Levanto-me, neste dia que amanhece,
Por uma grande força, pela invocação da Trindade,
Pela fé na Tríade,
Pela afirmação da unidade
Do Criador da Criação.

Levanto-me neste dia que amanhece,
Pela força do nascimento de Cristo em Seu batismo,
Pela força da crucificação e do sepultamento,
Pela força da ressurreição e ascensão,
Pela força da descida para o Julgamento Final.

Levanto-me, neste dia que amanhece,
Pela força do amor dos Querubins,
Em obediência aos Anjos,
A serviço dos Arcanjos,
Pela esperança da ressurreição e da recompensa,
Pelas orações dos Patriarcas,
Pelas previsões dos Profetas,
Pela pregação dos Apóstolos
Pela fé dos Confessores, 
Pela inocência das Virgens santas,
Pelos atos dos Bem-aventurados.

Levanto-me neste dia que amanhece,
Pela força do céu:
Luz do sol,
Clarão da lua,
Esplendor do fogo,
Pressa do relâmpago,
Presteza do vento,
Profundeza dos mares,
Firmeza da terra,
Solidez da rocha.

Levanto-me neste dia que amanhece,
Pela força de Deus a me empurrar,
Pela força de Deus a me amparar,
Pela sabedoria de Deus a me guiar,
Pelo olhar de Deus a vigiar meu caminho,
Pelo ouvido de Deus a me escutar,
Pela palavra de Deus em mim falar,
Pela mão de Deus a me guardar,
Pelo caminho de Deus à minha frente,
Pelo escudo de Deus que me protege,
Pela hóstia de Deus que me salva,
Das armadilhas do demônio,
Das tentações do vício,
De todos que me desejam mal,
Longe e perto de mim,
Agindo só ou em grupo.

Conclamo, hoje, tais forças a me protegerem contra o mal,
Contra qualquer força cruel que ameace meu corpo e minha alma,
Contra a encantação de falsos profetas,
Contra as leis negras do paganismo,
Contra as leis falsas dos hereges,
Contra a arte da idolatria,
Contra feitiços de bruxas e magos,
Contra saberes que corrompem o corpo e a alma.

Cristo guarde-me hoje,
Contra veneno, contra fogo,
Contra afogamento, contra ferimento,
Para que eu possa receber e desfrutar a recompensa.
Cristo comigo, Cristo à minha frente, Cristo atrás de mim,
Cristo em mim, Cristo embaixo de mim, Cristo acima de mim,
Cristo à minha direita, Cristo à minha esquerda,
Cristo ao me deitar,
Cristo ao me sentar,
Cristo ao me levantar,
Cristo no coração de todos os que pensarem em mim,
Cristo na boca de todos que falarem em mim,
Cristo em todos os olhos que me virem,
Cristo em todos os ouvidos que me ouvirem.

Levanto-me, neste dia que amanhece,
Por uma grande força, pela invocação da Trindade,
Pela fé na Tríade,
Pela afirmação da Unidade,

Pelo Criador da Criação.

(a ser rezada pela manhã)

SENHORA DE FÁTIMA, SENHORA DO ROSÁRIO


Nossa Senhora de Fátima, Senhora mais brilhante que o sol:
Que a vossa luz alumie os meus passos e a minha vida
no caminho do calvário com Jesus!


Ó Senhora do Rosário, glória de Deus entre toda criatura.
que a vossa paz e bênção me conduzam todo dia 
à Santa Eucaristia com Jesus!


Nossa Senhora de Fátima, Mãe de todas as virtudes,
dai-me uma sede ardente, a sede da água viva,
que jorrou do lado de Jesus!


Ó Senhora do Rosário, cheia de graça e bendita entre as mulheres, 
dai-me um coração sincero e puro como uma nova manjedoura
para ser a morada eterna de Jesus!

(Arcos de Pilares)



Ave Mater


Ave Mater qua natus est orbis Pater, o Maria.
Nato nata, semper grata, illibata, o Maria.
Ave mundi domina, Evae solvens crimina, o Maria.
Ave sidus regium, gignens Dei Filium, o Maria.
Ave caeli regia, plena Dei gratia, o Maria.
Ave porta caelica, tibi laus angelica, o Maria.
Ave Dei thalamus, myrrha, thus et balsamus, o Maria.
Ave sponsa sophiae, nos reformans gratiae, o Maria.
Ave fons justitiae, origo munditiae, cella pudicitiae, o Maria.
Ave virgo virginum, mediatrix hominum, munda culpas criminum, o Maria.
Ave puerpera, lapsos de vipera reduc ad aethera, o Maria.
Candens flos lilii, loca nos ad pii dexteram Filii, o Maria.

*********

Salve, Mãe da qual nasceu o Pai do Universo, ó Maria.
Pois que sois Imaculada, Àquele de Vós nascido sempre fostes grata, ó Maria.
Ave, ó Senhora do Mundo, que reparas as faltas de Eva, ó Maria.
Ave, Estrela Régia, que dá ao mundo o Filho de Deus, ó Maria.
Ave, Palácio Celeste, cheia de graça divina, ó Maria.
Ave, Porta do Céu, Vós que recebestes o angélico louvor, ó Maria.
Ave, Templo de Deus, mirra, bálsamo, incenso, ó Maria.
Ave, Esposa da Sabedoria, que nos conduz à graça, ó Maria.
Ave, Fonte de Justiça, nascedouro da pureza, arca da castidade, ó Maria.
Ave, Virgem das Virgens, medianeira dos homens, apagai as marcas de nossos crimes, ó Maria.
Ave, Virgem Mãe, reconduzi ao Céu aqueles que foram ludibriados pela serpente, ó Maria.
Luminosa flor de lírio, colocai-nos à dextra de vosso misericordioso Filho, ó Maria.

ORAÇÃO AO IMACULADO CORAÇÃO DE JESUS


Coração de Amor, incêndio de amor divino,
curai-me as feridas do corpo e da alma;
Coração de misericórdia, de misericórdia infinita;
concedei-me a graça de não ser julgado pela Vossa justiça;
Coração transpassado, que jorrou sangue e água;
purificai-me de todos os meus pecados;
Coração de doçura, que nos abismos da Vossa consolação
possa planar a minha alma ávida de ternura;
Coração ferido, machucado pela indiferença e abandono dos homens,
aceitai o desagravo da minha oração. 

Louvado seja o Vosso Coração humilde,
louvado seja;
Louvado seja o Vosso manso Coração,
louvado seja;
Louvado seja o Vosso Coração benigno,
louvado seja;
Louvado seja o Vosso puro Coração,
louvado seja;
Louvado seja o Vosso Coração sincero,
louvado seja;
Louvado seja o Vosso terno Coração,
louvado seja;
Louvado seja o Vosso Coração amável ,
louvado seja;
Louvado seja o Vosso doce Coração,
louvado seja.

Que em vosso Amor, o meu amor se faça;
que em vossa graça, a minha paz alcance;
que ao vosso nome, todo clamor se cale;
que à vossa vontade, a minha se esmigalhe;
que ao vosso chamado, minha alma aprume;
que sob Vossa luz, não me confundam os passos;
que sob vosso jugo, não esmoreça nunca;
que sob o vosso olhar, eu me exponha inteiro;
que ao vosso lado, nada me perturbe;
que ao vosso encontro, eu leve a minha cruz;
que à vossa cruz, eu suplique o socorro;
que em Vossos caminhos, não procure atalhos, 
que em Vossos braços, eu Vos dê a vida.

Coração de Jesus, eu Vos ofereço por inteiro o meu humano e pobre coração. 
Tomai-o em vossas santas mãos como argila frágil e maleável. 
Moldai-o sob os vossos cuidados e próprias aspirações. 
Fazei-o instrumento do vosso amor e manjedoura do vosso repouso. 
Levai-o a ser luz para muitos dos vossos filhos, 
e instrumento do vosso amor aos que me encontrarem em vossos caminhos.
Dai-lhe a sabedoria da graça e a graça da sabedoria.
Inspirai nele um amor sobre-humano ao vosso Coração Amantíssimo. 
Guardai-o sempre sob a proteção de vossa Mãe Santíssima.
E conduzi-o um dia à Vossa Eterna Presença. Amém.

(Arcos de Pilares)

O SÍMBOLO ATANASIANO

O Símbolo Atanasiano (ou Credo de Atanásio), embora atribuído a Santo Atanásio de Alexandria (295-373), foi escrito bem mais tarde, já no século VI, provavelmente por São Cesário, bispo de Arles. Escrito originalmente em latim, constitui uma síntese da doutrina cristã, centrada particularmente nos dogmas da Santíssima Trindade e da Encarnação, pelo que constitui uma oração de especial devoção à Trindade Santa. Infelizmente, no rito litúrgico atual, é utilizado tão somente no domingo dedicado à solenidade da Santíssima Trindade e em ritos de exorcismo, conforme especificação expressa da carta Summorum Pontificum do Papa Bento XVI.

Antífona. Glória a Vós, Trindade igual, única Divindade, antes dos séculos, e agora e sempre (T. P. Aleluia).
  1. Quem quiser salvar-se deve antes de tudo professar a fé católica.
  2. Porque aquele que não a professar, integral e inviolavelmente, perecerá sem dúvida por toda a eternidade.
  3. A fé católica consiste em adorar um só Deus em três Pessoas e três Pessoas em um só Deus.
  4. Sem confundir as Pessoas nem separar a substância.
  5. Porque uma só é a Pessoa do Pai, outra a do Filho, outra a do Espírito Santo.
  6. Mas uma só é a divindade do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, igual a glória, coeterna a majestade.
  7. Tal como é o Pai, tal é o Filho, tal é o Espírito Santo.
  8. O Pai é incriado, o Filho é incriado, o Espírito Santo é incriado.
  9. O Pai é imenso, o Filho é imenso, o Espírito Santo é imenso.
  10. O Pai é eterno, o Filho é eterno, o Espírito Santo é eterno.
  11. E contudo não são três eternos, mas um só eterno.
  12. Assim como não são três incriados, nem três imensos, mas um só incriado e um só imenso.
  13. Da mesma maneira, o Pai é onipotente, o Filho é onipotente, o Espírito Santo é onipotente.
  14. E contudo não são três onipotentes, mas um só onipotente.
  15. Assim o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus.
  16. E contudo não são três deuses, mas um só Deus.
  17. Do mesmo modo, o Pai é Senhor, o Filho é Senhor, o Espírito Santo é Senhor.
  18. E contudo não são três senhores, mas um só Senhor.
  19. Porque, assim como a verdade cristã nos manda confessar que cada uma das Pessoas é Deus e Senhor, do mesmo modo a religião católica nos proíbe dizer que são três deuses ou senhores.
  20. O Pai não foi feito, nem gerado, nem criado por ninguém.
  21. O Filho procede do Pai; não foi feito, nem criado, mas gerado.
  22. O Espírito Santo não foi feito, nem criado, nem gerado, mas procede do Pai e do Filho.
  23. Não há, pois, senão um só Pai, e não três Pais; um só Filho, e não três Filhos; um só Espírito Santo, e não três Espíritos Santos.
  24. E nesta Trindade não há nem mais antigo nem menos antigo, nem maior nem menor, mas as três Pessoas são coeternas e iguais entre si.
  25. De sorte que, como se disse acima, em tudo se deve adorar a unidade na Trindade e a Trindade na unidade.
  26. Quem, pois, quiser salvar-se, deve pensar assim a respeito da Trindade.
  27. Mas, para alcancar a salvacão, é necessário ainda crer firmemente na Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo.
  28. A pureza da nossa fé consiste, pois, em crer ainda e confessar que Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, é Deus e homem.
  29. É Deus, gerado na substância do Pai desde toda a eternidade; é homem porque nasceu, no tempo, da substância da sua Mãe.
  30. Deus perfeito e homem perfeito, com alma racional e carne humana.
  31. Igual ao Pai segundo a divindade; menor que o Pai segundo a humanidade.
  32. E embora seja Deus e homem, contudo não são dois, mas um só Cristo.
  33. É um, não porque a divindade se tenha convertido em humanidade, mas porque Deus assumiu a humanidade.
  34. Um, finalmente, não por confusão de substâncias, mas pela unidade da Pessoa.
  35. Porque, assim como a alma racional e o corpo formam um só homem, assim também a divindade e a humanidade formam um só Cristo.
  36. Ele sofreu a morte por nossa salvação, desceu aos infernos e ao terceiro dia ressuscitou dos mortos.
  37. Subiu aos Ceus e está sentado a direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos.
  38. E quando vier, todos os homens ressuscitarão com os seus corpos, para prestar conta dos seus atos.
  39. E os que tiverem praticado o bem irão para a vida eterna, e os maus para o fogo eterno.
  40. Esta é a fé católica, e quem não a professar fiel e firmemente não se poderá salvar.
Glória ao Pai, ao Filho, e ao Espírito Santo. Assim como era no princípio, agora e sempre, por todos os séculos dos séculos. Amém.

Antífona. Glória a Vós, Trindade igual, única Divindade, antes dos séculos, e agora e sempre (T. P. Aleluia).

V. Senhor, escutai a minha prece.
R. E chegue até Vós o meu clamor.

Oremos. Ó Deus todo-poderoso e eterno, que com a luz da verdadeira fé destes aos vossos servos que conhecessem a glória da Trindade eterna e adorassem a Unidade no poder de vossa majestade: fazei, Vos suplicamos, que, pela firmeza dessa mesma fé, sejamos defendidos sempre de toda a adversidade. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.


*******************

Antíphona. Glória tibi, Trínitas æquális, una Déitas, et ante ómnia saécula, et nunc, et in perpétuum (T. P. Allelúia).

1. Quicúmque vult salvus esse, ante ómnia opus est, ut téneat cathólicam fidem:
2. Quam nisi quisque íntegram inviolatámque serváverit, absque dúbio in ætérnum períbit.
3. Fides autem cathólica hæc est: ut unum Deum in Trinitáte, et Trinitátem in unitáte venerémur.
4. Neque confundéntes persónas, neque substántiam separántes.
5. Alia est enim persóna Patris ália Fílii, ália Spíritus Sancti:
6. Sed Patris, et Fílii, et Spíritus Sancti una est divínitas, æquális glória, coætérna maiéstas.
7. Qualis Pater, talis Fílius, talis Spíritus Sanctus.
8. Increátus Pater, increátus Fílius, increátus Spíritus Sanctus.
9. Imménsus Pater, imménsus Fílius, imménsus Spíritus Sanctus.
10. Ætérnus Pater, ætérnus Fílius, ætérnus Spíritus Sanctus.
11. Et tamen non tres ætérni, sed unus ætérnus.
12. Sicut non tres increáti, nec tres imménsi, sed unus increátus, et unus imménsus.
13. Simíliter omnípotens Pater, omnípotens Fílius, omnípotens Spíritus Sanctus.
14. Et tamen non tres omnipoténtes, sed unus omnípotens.
15. Ita Deus Pater, Deus Fílius, Deus Spíritus Sanctus.
16. Et tamen non tres dii, sed unus est Deus.
17. Ita Dóminus Pater, Dóminus Fílius, Dóminus Spíritus Sanctus.
18. Et tamen non tres Dómini, sed unus est Dóminus.
19. Quia, sicut singillátim unamquámque persónam Deum ac Dóminum confitéri christiána veritáte compéllimur: ita tres Deos aut Dóminos dícere cathólica religióne prohibémur.
20. Pater a nullo est factus: nec creátus, nec génitus.
21. Fílius a Patre solo est: non factus, nec creátus, sed génitus.
22. Spíritus Sanctus a Patre et Fílio: non factus, nec creátus, nec génitus,sed procédens.
23. Unus ergo Pater, non tres Patres: unus Fílius, non tres Fílii: unus Spíritus Sanctus, non tres Spíritus Sancti.
24. Et in hac Trinitáte nihil prius aut postérius, nihil maius aut minus: sed totæ tres persónæ coætérnæ sibi sunt et coæquáles.
25. Ita ut per ómnia, sicut iam supra dictum est, et únitas in Trinitáte, et Trínitas in unitáte veneránda sit.
26. Qui vult ergo salvus esse, ita de Trinitáte séntiat.
27. Sed necessárium est ad ætérnam salútem, ut incarnatiónem quoque Dómini nostri Iesu Christi fidéliter credat.
28. Est ergo fides recta ut credámus et confiteámur, quia Dóminus noster Iesus Christus, Dei Fílius, Deus et homo est.
29. Deus est ex substántia Patris ante saécula génitus: et homo est ex substántia matris in saéculo natus.
30. Perféctus Deus, perféctus homo: ex ánima rationáli et humána carne subsístens.
31. Æquális Patri secúndum divinitátem; minor Patre secúndum humanitátem.
32. Qui, licet Deus sit et homo, non duo tamen, sed unus est Christus.
33. Unus autem non conversióne divinitátis in carnem, sed assumptióne humanitátis in Deum.
34. Unus omníno, non confusióne substántiæ, sed unitáte persónæ.
35. Nam sicut ánima rationális et caro unus est homo: ita Deus et homo unus est Christus.
36. Qui passus est pro salúte nostra: descéndit ad ínferos: tértia die resurréxit a mórtuis.
37. Ascéndit ad cælos, sedet ad déxteram Dei Patris omnipoténtis: inde ventúrus est iudicáre vivos
et mórtuos.
38. Ad cuius advéntum omnes hómines resúrgere habent cum corpóribus suis: et redditúri sunt de factis própriis ratiónem.
39. Et qui bona egérunt, ibunt in vitam ætérnam: qui vero mala, in ignem ætérnum.
40. Hæc est fides cathólica, quam nisi quisque fidéliter firmitérque credíderit, salvus esse non póterit.

Glória Patri...

Antíphona: Glória tibi, Trínitas æquális, una Déitas, et ante ómnia saécula, et nunc, et in perpétuum (T. P. Allelúia).

V. Dómine, exáudi oratiónem meam.
R. Et clamor meus ad te véniat.

Orémus. Omnípotens sempitérne Deus, qui dedísti fámulis tuis, in confessióne veræ fídei, ætérnæ Trinitátis glóriam agnóscere, et in poténtia maiestátis adoráre unitátem: quaésumus; ut eiúsdem fídei firmitáte, ab ómnibus semper muniámur advérsis. Per Dóminum nostrum Iesum Christum Fílium tuum; qui tecum vivit et regnat in unitáte Spíritus Sancti, Deus, per ómnia saécula sæculórum. Amen.


Oração a Santa Ana

Santa Ana, mãe da Santíssima Virgem, pela intercessão da Vossa Filha e do Meu Salvador, dai-me obter a graça que Vos peço, o perdão dos meus pecados, a força para cumprir fielmente os meus deveres de cristão e a perseverança eterna no amor de Jesus e de Maria. Amém.

Oração a São Joaquim


Senhor! Pela intercessão de São Joaquim, pai da Santíssima Virgem, velai pelos Vossos filhos idosos, especialmente... (nomes) que, tendo cumprido na Terra uma vida longa, possa(m) merecer de Vós a Vida Eterna no Céu. Senhor, dai-lhes o conforto de uma idade avançada, saúde do corpo e da alma, a sabedoria de envelhecer e um coração inquieto enquanto não repousar em Vós. Amém.  

O PAI NOSSO DE SÃO CIRILO DE JERUSALÉM

Pai nosso, que estás nos céus. Ó incomensurável benignidade de Deus! Aos que o tinham abandonado e jaziam em extremos males, é concedido o perdão dos males e a participação da graça, a ponto de ser invocado como Pai. Pai nosso que estás nos céus. Os céus poderiam bem ser os que portam a imagem do celestial, nos quais Deus habita e vive.

Santificado seja teu nome. Santo é por natureza o nome de Deus, quer o digamos ou não. Mas uma vez que naqueles que pecam por vezes é profanado, segundo o que se diz: Por vós meu nome é continuamente blasfemado entre as nações, oramos que em nós o nome de Deus seja santificado. Não que por não ser santo chegue a sê-lo, mas porque em nós ele se torna santo quando nos santificamos e praticamos obras dignas de santificação.

Venha o teu reino. É próprio de uma alma pura dizer com confiança: Venha o teu reino. Quem ouviu Paulo dizer: 'Que o pecado não reine em vosso corpo mortal' (Rm 6,12) e se purificar em obra, pensamento e  palavra, dirá a Deus: Venha o teu reino.

Seja feita a tua vontade, assim no céu como na terra. Os divinos e bem-aventurados anjos de Deus fazem a vontade de Deus, como Davi dizia no salmo: 'Bendizei ao Senhor, todos os seus anjos, heróis poderosos, que executais sua palavra' (Sl 103,20). Rezando, pois, com vigor, dize isto: como nos anjos se faz a tua vontade, Senhor, assim na terra se faça em mim.

Nosso pão substancial dá-nos hoje. O pão comum não é substancial. Mas este pão é substancial, pois se ordena à substância da alma. Este pão não vai ao ventre nem é lançado em lugar escuso mas se distribui sobre todo o organismo, em proveito da alma e do corpo. O 'hoje' equivale a dizer de 'cada dia', como também dizia Paulo: 'Enquanto perdura o hoje'.

E perdoa-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores. Temos muitos pecados. Caímos, pois, em palavra e em pensamento e fazemos muitas coisas dignas de condenação. E se dissermos que não temos pecado, mentimos (1Jo 1,8), como diz João. Fazemos com Deus um pacto pedindo-lhe nos perdoe nossos pecados como também nós perdoamos ao próximo suas dívidas. Tendo presente, portanto, o que recebemos em troca do que damos, não sejamos negligentes, nem deixemos de perdoar uns aos outros. As ofensas que se nos fazem são pequenas, simples, fáceis de reconciliar. As que nós fazemos a Deus são enormes e temos necessidade só de sua benignidade. Cuida, então, que por faltas pequenas e simples contra ti não te excluas do perdão, por parte de Deus, dos pecados gravíssimos.

E não nos induzas em tentação, Senhor. Porventura com isto o Senhor nos ensina a pedir que de modo algum sejamos tentados? Como se encontra em outro lugar: 'Aquele que foi tentado não tem experiência' (Ecl 34,10) e ainda: 'Tende por suma alegria, meus irmãos, se cairdes em diversas provações' (Tg 1,2)? Mas jamais entrar em tentação é o mesmo que ser submerso por ela. A tentação, pois, se assemelha a uma torrente difícil de atravessar. Os que, então, não são submersos nas tentações, atravessam, como bons nadadores, sem serem arrastados pela corrente. Os que não são assim, uma vez que entram, são submersos. Assim, por exemplo, Judas, entrando na tentação da avareza, não passou a nado, mas, submergindo, afogou-se corporal e espiritualmente. Pedro entrou na tentação de negação, mas, tendo entrado, não submergiu; antes, nadando com vigor, se salvou da tentação. 

Escuta novamente, em outro lugar, o coro dos santos todos rendendo graças por terem sido subtraídos à tentação: 'Tu nos provaste, ó Deus, acrisolaste-nos como se faz com a prata. Deixaste-nos cair no laço; carga pesada puseste em nossas costas; submeteste-nos ao jugo dos tiranos. Passamos pelo fogo e pela água, mas tu nos conduziste ao refrigério' (Pv 17,10). Tu os vês falar abertamente de sua travessia sem serem vencidos? 'Tu nos conduziste ao refrigério' (Sl 19, 7). Chegar ao refrigério é ser livrado da tentação.

Mas livra-nos do mal. Se a expressão 'não nos induzas em tentação' significasse não sermos de modo algum tentados, não se diria: 'mas livra-nos do mal'. O mal é o demônio, nosso adversário, do qual pedimos ser libertos. Depois, terminada a prece, dizes: 'amém', selando com este amém, que significa 'faça-se', o que se contém na oração ensinada por Deus.


(Excertos da 'Quinta Catequese Mistagógica aos Recém-iluminados', de São Cirilo de Jerusalém )

Nenhum comentário: