domingo, 26 de fevereiro de 2017

'NÃO VOS PREOCUPEIS'

Páginas do Evangelho - Oitavo Domingo do Tempo Comum


Na sequência litúrgica do Evangelho de São Mateus de celebração dos ensinamentos de Jesus no Sermão da Montanha, temos neste domingo, a mensagem do Divino Mestre sobre a impossibilidade de servir, ao mesmo tempo, a Deus e às riquezas: 'Ninguém pode servir a dois senhores; pois, ou odiará um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro' (Mt 6, 24).

Servir... o servo fiel é aquele que coloca tudo de si, do seu tempo, de suas ações, para maior glória de Deus. Neste sentido, servir é a oferta de si mesmo, sem restrição alguma, ao amor de Deus em plenitude, como vítima de expiação e instrumento da graça divina para todos. O servo dividido entre Deus e o mundo é minado na sua fidelidade pelas paixões e vícios humanos, ficando refém das promessas ilusórias de bens passageiros e inócuos. A atração pelo mundo escraviza a alma às mazelas da servidão frouxa e interesseira.

E não existe mais infeliz servidão do que aquela que padece da escravidão às riquezas e aos bens materiais. Não que os bens materiais sejam  maus ou indesejáveis em si, não se trata disso. A servidão doentia é aquela que se banqueteia da busca desenfreada de valores materiais, na sublimação da ânsia de se querer sempre mais. Para o servo infiel, nada é o suficiente, o que se tem é pouco, a meta é aumentar sempre as posses indefinidamente, a síntese da vida humana consiste em ganhar o mundo. Poderão ser ricos e senhores do dinheiro, mas serão réus da iniquidade diante de Deus.

Jesus nos ensina e proclama que Deus há de prover as necessidades do corpo dos seus escolhidos, pois que valemos muito mais que as aves do céu e que os lírios dos campo. Se a Divina Providência torna disponível as necessidades materiais dos seres inferiores, o que não faz e o quanto não zela pelas necessidades dos seus filhos, nascidos à Sua imagem e semelhança zelosos servidores do Senhor da Messe? 'Não vos preocupeis' (Mt 6, 31 e 34) porque 'Vosso Pai, que está nos céus, sabe que precisais de tudo isso' (Mt 6, 32). Para o servo fiel, tudo isso deve ser mera consequência de uma vida devotada a cumprir a Santa Vontade de Deus em tudo: 'buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão dadas por acréscimo' (Mt 6, 32 - 33). Neste caminho de santificação, não existem esquecidos para Deus: 'Acaso pode a mulher esquecer-se do filho pequeno, a ponto de não ter pena do fruto de seu ventre? Se ela se esquecer, eu, porém, não me esquecerei de ti' (Is 49, 15).

sábado, 25 de fevereiro de 2017

FÁTIMA EM FATOS E FOTOS (III)

11. Quem foi o anjo mensageiro das aparições de Fátima?

Um anjo é um mensageiro de Deus destinado a realizar, em Seu nome, uma missão particular e são inúmeras as intervenções das entidades angélicas nos acontecimentos da história humana. Sabemos, do livro de Daniel, que eles são muitos ('mil milhares O serviam e miríades e miríades O assistiam') e que as Sagradas Escrituras incluem nas hostes celestiais, além dos anjos, também os arcanjos, os principados, as potestades, as virtudes, as dominações, os tronos, os querubins e os serafins. Entretanto, destas miríades de anjos, só nos foram dados a conhecer os nomes de três anjos: Gabriel, Miguel e Rafael. Que os anjos intercedem pelos homens, é matéria de fé e que cada um de nós tem um anjo da guarda pessoal, embora não seja matéria de fé, é crença comumente aceita por todos os católicos. As aparições de Fátima confirmam que não somente pessoas, mas grupos específicos de pessoas (no caso, países) têm a proteção específica de uma entidade angélica. E, em Fátima, o anjo mensageiro dos Céus se identificou como o Anjo da Paz em sua primeira aparição e como Anjo de Portugal, em sua segunda aparição. 

12. Qual foi a missão específica do Anjo de Portugal nas aparições prévias de Fátima?

A missão específica do Anjo de Portugal, nas suas aparições entre 1915 e 1916, foi a de preparar as crianças para as futuras aparições e revelações de Nossa Senhora: '... Orai! Orai muito! Os corações de Jesus e de Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia...' No papel do precursor das extraordinárias revelações e mensagens proféticas que Nossa Senhora daria à humanidade do século XX através dos três pastorzinhos de Fátima, as aparições iniciais do anjo propiciaram às crianças a experiência prévia de contato com o sobrenatural, a vivência de uma atmosfera sobrenatural, o êxtase da presença intensa e íntima com Deus, o conhecimento do valor meritório das orações, sacrifícios e penitências, a sensação de uma profunda paz interior e uma crescente mobilização interior no sentido de uma reorientação completa da vida espiritual.

13. Como ocorreu a primeira manifestação sobrenatural do anjo mensageiro de Fátima?

Lúcia encontrava-se na encosta do Cabeço, em presença de três outras meninas: Teresa Matias, a irmã dessa, Maria Rosa Matias e Maria Justino, num dia em que não soube precisar, mas provavelmente entre abril e outubro de 1915. Do alto da encosta, as quatro crianças viram ao longe, sobre o arvoredo do vale que se estendia abaixo, uma estranha nuvem, mais branca que a neve e algo transparente, de forma caracteristicamente humana. Lúcia teve essa mesma visão mais duas vezes depois, em dias diferentes, que causaram uma certa impressão no seu espírito, mas das quais sempre manteve absoluto silêncio à época e que tenderia provavelmente a se desvanecer por completo no tempo, segundo ela, se não fossem os eventos posteriores das aparições formais do Anjo e de Nossa Senhora. 

14. Como se deu a primeira aparição do Anjo da Paz?

As crianças tinham levado o rebanho de ovelhas para pastar no lugar chamado 'Loca (Gruta) do Cabeço', nos arredores de Aljustrel, num certo dia da primavera de 1916. Uma chuvinha miúda pela manhã forçou as crianças a buscar um abrigo para o rebanho em uma das inúmeras grutas existentes no local, em meio a um extenso olival. Ali passaram o dia, mesmo após a chuva ter cessado e o dia ter ficado luminoso e ensolarado. 

('Loca do Cabeço', perto da aldeia de Aljustrel)

Após rezarem o terço, começaram uma brincadeira de lançar pedrinhas à distância. Neste momento, uma forte ventania chamou a atenção imediata de todos e todos os olhares se concentraram no olival à distância. Sobre o arvoredo, elevava-se a figura de um jovem de cerca de 14 ou 15 anos 'mais branco que a neve e transparente como o cristal atravessado pelos raios do sol e muito belo' (Segunda Memória), movendo-se em direção a elas. Ao chegar junto às crianças, disse a elas:

'Não tenhais medo. Eu sou o Anjo da Paz. Rezai comigo.'

(monumento local em memória da primeira Aparição do Anjo)

Ajoelhou-se então e inclinou o rosto até ao chão; movidos por um impulso sobrenatural, as três crianças o imitaram e repetiram três vezes as palavras que o ouviam pronunciar (Lúcia e Jacinta ouviam o que o Anjo dizia, Francisco apenas o via): 

'Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão pelos que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.' 

Depois, levantou-se e disse:

'Orai assim. Os corações de Jesus e de Maria estão atentos à voz das vossas súplicas.'

E, após dizer estas palavras, desapareceu da vista das crianças.

15. Quais foram as impressões remanescentes das crianças após essa primeira aparição do Anjo?

A aparição do Anjo deixou os pastorzinhos envolvidos numa aura sobrenatural tão intensa que os fizeram perder a percepção da própria realidade em volta. Nenhum deles ousou falar sobre a aparição ou sequer discutir se manteriam ou não segredo sobre o que tinham visto, uma vez que tal sentimento se impôs de forma tão incisiva no íntimo das crianças, que elas sentiam-se impedidas de fazer quaisquer comentários sobre a aparição, mesmo entre eles. De acordo com o testemunho posterior de Lúcia, 'no dia seguinte, sentíamos o espírito ainda envolvido por essa atmosfera, que só muito lentamente foi desaparecendo' (Irmã Lúcia, Quarta Memória). A percepção deste recolhimento anterior foi mantido pelas crianças por longo tempo e, mesmo Francisco que não escutara as palavras do Anjo, permaneceu sempre em reserva profunda após a primeira aparição do Anjo. 

(Irmã Lúcia na 'Loca do Cabeço')

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

BREVIÁRIO DIGITAL (LI) - AS VISÕES DE TONDAL (IV)

A experiência além da morte de uma alma medieval percorrendo o Céu, o Inferno e o Purgatório, guiada pelo seu Anjo da Guarda.

VISÕES DE TONDAL - PARTE IV


O anjo agora apresenta à alma de Tondal os tormentos que estão reservados aos homicidas e assassinos. As almas destes condenados ao inferno são precipitados numa caldeira de óleo fervente, onde são calcinados até a sua completa liquefação, para novamente emergirem com os seus corpos inteiros e recomeçarem o suplício interminável.


O anjo leva a alma de Tondal para a Cisterna do Inferno, onde os demônios cozinham as almas dos pecadores em um poço em que flui violentamente um turbilhão ascendente de chamas. Para desespero da alma de Tondal, esta se vê sozinha de repente e logo os demônios se apoderam dela para a arrastar à cisterna de fogo, quando o anjo reaparece, então, e liberta a alma de Tondal da ação dos demônios.



Liberado finalmente do inferno, a alma de Tondal é conduzida agora ao Purgatório, lugar de expiação dos pecados daqueles que não puderam alçar ao céu diretamente porque não eram perfeitamente bons e nem condenados ao inferno, porque não eram irreversivelmente maus. Na primeira etapa da viagem, a alma de Tondal se defronta com as almas dos 'maus, mas não irreversivelmente maus', que são mantidas totalmente imobilizadas, como estátuas, em nichos individuais, até se completarem os seus tempos de purgação.



Em seguida, o anjo e a alma de Tondal encontram-se diante de um portal que dá acesso a uma grande pradaria do Purgatório onde expiam os seus pecados 'os bons que não foram na terra perfeitamente bons'. Mergulhados na tristeza de não terem alcançado ainda o céu, as almas destes 'bons ainda não tão bons' se recolhem em silêncio absoluto e em contemplação em torno da fonte da vida.