quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (XXIII)

XIV 

DO DOM DE CONSELHO CORRESPONDENTE À PRUDÊNCIA 

Existe algum dom do Espírito Santo correspondente à virtude da prudência?
Sim, Senhor; o dom de conselho (LII)*.

Que entendeis por dom de conselho? 
Ainda que suponhamos o homem provido de todas as virtudes infusas e adquiridas para melhor discernir o lícito do ilícito, é impossível que possa apreciar todos os casos particulares e contingentes, e a variedade quase infinita de circunstâncias capazes de modificar a sua moralidade. Tendo isto em conta, o dom de conselho é uma disposição ou qualidade transcendente da razão prática, em virtude da qual o homem abraça com prontidão e docilidade as ilustrações e moções com que o Espírito Santo vem em seu auxílio, quando se põe a meditar e discernir, no conglomerado de atos e práticas humanas, as que podem servir-lhe para alcançar a vida eterna (LII, 1, 2). 

Permanece este dom no céu? 
Sim, Senhor; ainda que em forma muito particular e distinta da de cá (LII, 3). 

Em que consiste? 
No conhecimento perfeitíssimo que têm os bem-aventurados de tudo o que contribuiu para a felicidade que já possuem e com ela se relaciona, como propriedade e consequência da posse atual ou como meio para iluminar, auxiliar e socorrer os que neste mundo lutam por se lhes juntar no céu (Ibid). 

XV 

DOS VÍCIOS OPOSTOS À PRUDÊNCIA: IMPRUDÊNCIA, PRECIPITAÇÃO OU TEMERIDADE, INCONSIDERAÇÃO E INCONSTÂNCIA — VÍCIOS QUE A SIMULAM: PRUDÊNCIA DA CARNE, ASTÚCIA, DOLO, FRAUDE E FALSA SOLICITUDE 

Existem vícios opostos à prudência? 
Há-os de duas classes; uns que se opõem por defeito, e outros por excesso. 

Com que nome se conhecem os opostos por defeito? 
Com o nome geral de imprudência (LIII). 

Que entendeis por imprudência, em geral? 
Todo ato que não se ajuste às normas da reta razão e da prudência (LIII). 

O ato imprudente pode ser pecado mortal? 
Sim, Senhor; quando se menosprezam ou infringem regras e normas divinas (Ibid). 

Quando será pecado venial? 
Sempre que se executa algum ato, ainda que seja bom, com precipitação, inconsideração ou negligência (LIII, 2). 

Que entendeis por precipitação? 
Um ato contra a prudência, que consiste em tomar resoluções antes de informar-se convenientemente (LIII, 3). 

Que entendeis por inconsideração? 
O pecado daquele que não toma em conta todos os elementos de que dispõe para formar juízo acertado nas coisas práticas (LIII, 4). 

Por que a inconstância se opõe à prudência?
Porque se opõe ao seu ato principal, que, como vimos, é o de mandar; o inconstante carece de firmeza e resolução para levar à prática os seus projetos e desígnios (LIII, 5). 

Há algum outro defeito oposto ao ato principal da prudência? 
Sim, Senhor; a negligência (LIV). 

Que entendeis por negligência? 
A falta de solicitude e presteza em ordenar a execução das resoluções tomadas depois de maduro exame, no concernente à prática da virtude (Ibid). 

É grande o pecado de negligência? 
De muito grande podemos qualificá-lo, pelo pernicioso influxo que exerce em toda a economia espiritual, pois ou a paralisa inteiramente, estorvando os seus atos ou fazendo que sejam frouxos, indolentes e como que forçados, perdendo deste modo o seu valor e mérito (LIV, 3). 

Como se chama a negligência quando se estende aos atos exteriores? 
Chama-se preguiça, e enervamento ou tardança (LIV, 2 ad 1). 

É distinta da negligência propriamente dita? 
Sim, Senhor; porque a negligência consiste na falta de presteza e energia para ordenar a execução e este defeito provém da indolência da vontade (LIV, 2). 

Devemos ter cuidado especialíssimo em combater a negligência? 
Sim, Senhor; pois como estende o seu influxo a todos os domínios da atividade, é veneno posto na fonte, capaz de contaminar todo o caudal de obras e virtudes. 

Pode ser em alguma ocasião pecado mortal? 
Quando impede que o homem se resolva a fazer algo de necessário para salvar-se, sim; porém, ainda no caso de que não o seja, produz um estado de apatia e indolência que conduz fatalmente à caducidade e à morte, se não se põe grande empenho em desarraigá-la (LIV, 3). 

Que nome têm os vícios que pecam por excesso contra a prudência? 
Prudência ou solicitude fingidas ou simuladas (LV). 

Que entendeis por prudência simulada? 
Um conjunto de vícios que desnaturalizam o caráter da verdadeira prudência, abusando dos seus meios próprios, para procurar-se um fim ilícito (LV, 1-5). 

Qual é o vício que, simulando prudência, busca um fim ilícito? 
A prudência da carne (LV, 1). 

Em que consiste a prudência da carne? 
Em dispor e ordenar a vida, procurando como fim a maior soma possível de prazeres sensuais (Ibid). 

A prudência da carne é pecado mortal? 
Quando o homem busca o prazer como fim último de seus atos, sim Senhor; se o busca e procura com excessiva afeição, porém considerando habitualmente a Deus como fim último, será pecado venial (LV, 2). 

Quais são os vícios opostos à prudência, por abuso dos seus meios? 
O de astúcia, e seus anexos, o dolo e a fraude (LV, 4). 

Que entendeis por astúcia? 
Uma simulação da prudência que consiste em excogitar meios tortuosos e artes de dissimulação e de engano para conseguir um fim, quer seja bom, quer seja mau (LV, 3). 

Em que consiste o dolo? 
Na execução exterior dos planos forjados pela astúcia (LV, 4). 

Em que se diferenciam os vícios de dolo e fraude? 
Em que o dolo consiste na execução exterior dos planos forjados pela astúcia, empregando indistintamente palavras ou obras e a fraude tem o mesmo objeto, empregando somente obras (LV, 5). 

A astúcia, o dolo e a fraude confundem-se com a mentira? 
Não, Senhor; porque a mentira tem por fim enganar, e nestes vícios o engano não é fim, senão meio para conseguir alguma coisa. 

Que se segue desta distinção?
Que a mentira é um pecado especial, exclusivamente oposto à virtude da veracidade, ao passo que a astúcia, o dolo e a fraude, como opostos à da prudência que se incorpora a todas as outras virtudes, podem andar misturados com todo gênero de pecados e vícios. 

Que entendeis por falsa solicitude? 
A daquele que se preocupa exclusivamente com os bens temporais; a do que põe, em procurá-los, mais trabalho e solicitude que nos da alma; e a do que teme que possam faltar-lhe, se cumpre com seu dever (LV, 6). 

Temos obrigação de ser solícitos em procurar os bens temporais? 
Com diligência moderada, ordenando-os à consecução da glória e confiando sempre na Divina Providência, sim, Senhor (Ibid). 

Que opinião tendes da preocupação do porvir? 
Que é má, quando peca por excessiva, ou se antecipa, usurpando o lugar de outros cuidados mais peremptórios (LV, 7). 

Quando será boa esta preocupação? 
Quando se limita a prevenir para o futuro o que depende e há de ser consequência do presente e deixa para mais tarde cuidados que terão de trazer tempos vindouros (Ibid).

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular)

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

AS 15 MEDITAÇÕES DA VIDA DE CRISTO (III)

A regra fundamental de nossa Sociedade é a vida de nosso Senhor Jesus Cristo, para imitá-lo com humildade e confiança, com toda a possível perfeição, em todas as obras da vida oculta e do público ministério, para a maior glória de Deus nosso Pai celeste e para a maior santificação de nossa alma e de nossos próximos (São Vicente Pallotti)

ORAÇÃO INICIAL

Por mim nada posso, mas com Deus tudo posso. Tudo quero fazer por amor a Deus. Meu Deus, quer esteja acordado, quer dormindo, pensando em vós ou não, vós sempre pensais em mim e me amais com amor infinito. Fazei que durante este dia, eu possa ter os mesmos pensamentos, a mesma humildade, a mansidão, a paciência e a caridade de nosso Senhor Jesus Cristo, para assim realizar a vossa santíssima vontade. Amém.


11. INSTITUIÇÃO DOS SACRAMENTOS

Com a simplicidade, o amor, a misericórdia e o espírito de serviço de nosso Senhor Jesus Cristo, queremos receber e administrar os santíssimos sacramentos com a plenitude da graça dos dons e frutos da vida eterna que Jesus Cristo colocou neles.

'Vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo' (Mt 28, 19).

'Tudo o que vocês ligarem na terra, será ligado no céu' (Mt 18, 18).

'O homem deixará seu Pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher, e os dois serão uma só carne' (Mt 19, 5)

'Jesus tomou um pão, agradeceu a Deus, o partiu e o distribuiu a eles, dizendo: Isto é o meu corpo, que é dado por vocês. Façam isto em memória de mim' (Lc 22,19b).

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

12. A ORAÇÃO NO JARDIM DE GETSÊMANI

Oração no jardim de Getsêmani: agonia e suor de sangue de Jesus Cristo, a captura, o tratamento cruel sofrido na noite da prisão, abusos, afrontas, escárnios, golpes, barbaridades de toda espécie sofridas ao ser conduzido à casa de Anás e Caifás, ao tribunal de Pilatos e à casa de Herodes, as falsas acusações, a flagelação, a coroação de espinhos, a apresentação ao povo, o ser posposto a Barrabás, o ser declarado inocente e, mesmo assim, condenado à vergonhosa morte de cruz, o infinito merecimento de carregar a cruz até o Calvário, a bárbara crucificação e o estar pendente na cruz no meio de dois ladrões. Dai-me senhor a graça de suportar todas as humilhações em imitação ao sofrimento redentor de Jesus Cristo.

'Tomado de angústia, Jesus rezava com mais insistência. O seu suor se tornou como gotas de sangue, que caíam no chão' (Lc 22, 44).

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

13. A DOLOROSÍSSIMA AGONIA DE JESUS CRISTO

Nosso Senhor Jesus Cristo, agonizante na cruz, dizia a Maria santíssima: 'mulher, eis teu filho'. Deixou-nos sua mãe santíssima para nossa mãe e dizia a João: 'Eis tua mãe' e nos constituiu filhos de sua mãe santíssima. Dai-nos, Senhor, a graça de propagar sempre as glórias de Maria Santíssima por todos os meios possíveis.

'E dessa hora em diante o discípulo a recebeu em sua casa' (Jo 19, 27)

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

14. A MORTE DE JESUS CRISTO

Nosso Senhor Jesus Cristo, em sua agonia na cruz, próximo de morrer disse: 'Tenho sede' (Jo 19,28); 'Tudo está consumado'( Jo 19,30 ); 'Pai, em tuas mãos entrego meu espírito' ( Lc 23, 46; Sl 30,6). Dai-nos, Senhor, a graça de desejar sempre a vossa maior glória e a salvação das almas.

'Todos os seus amigos, bem como as mulheres que o haviam acompanhado desde a Galileia, permaneciam à distância, observando essas coisas' (Lc 23 49).

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

15. A GLÓRIA DA RESSURREIÇÃO, ASCENSÃO E EXALTAÇÃO DE CRISTO

Depois de tornados semelhantes a Ele na vida humilde pobre, laboriosa, desprezada e crucificada nesta terra, nossa vida deve ser uma preparação para a morte. Dai-nos, Senhor, esta graça para podermos ser semelhantes a Vós na glória por toda a eternidade. Amém.

'... Jesus veio e, pondo-se no meio deles, disse: ‘A paz esteja convosco!’ Tendo dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos, então, ficaram cheios de alegria por verem o Senhor' (Jo 20, 19-20).

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

(São Vicente Pallotti)

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

FOTO DA SEMANA

'Meu filho, se entrares para o serviço de Deus, prepara a tua alma para a provação' (Ecl 2,1)