quarta-feira, 26 de agosto de 2020

A VIDA OCULTA EM DEUS: O AMOR


64. Invoque Santa Teresa do Menino Jesus para pedir um amor simples, confiante, generoso e que sorri para Deus. Eis o que foi a sua graça particular! Que espírito de sacrifício e que amor sem consolo sensível o seu! Ore para que ela lhe ensine a amar a Deus com confiança e com total abandono à doce Vontade do Pai.

65. São Francisco de Sales diz que, para aprender a amar a Deus, não há nada a fazer a não ser amar. E enquanto se espera para amá-lo de verdade, deve-se fazer 'como se já o amasse'. Eu vos amo, meu Deus, mas não é o bastante. Vosso amor é ciumento e deseja todo o meu coração. Para que ele fosse todo vosso, seria necessário que todos os seus movimentos, todos os seus impulsos, mesmo os mais iniciais, não tivessem outro começo ou outro fim que não em Vós. Meu poder de amar, não só como espírito, mas também como ser sensível, deve ser orientado exclusivamente para Vós. Em suma, seria necessário que o encanto de sua infinita beleza exercesse o controle absoluto sobre o meu coração. Quando chegará, ó meu Deus, o momento em que todo o meu ser ficará plenamente submetido ao influxo do Vosso amor?

66. O amor da alma interior é um amor fiel. O seu coração pertence exclusivamente a Deus e para sempre. Deus pode se esconder, pode parecer até que a despreza, até mesmo que a rejeita, mas não deixa nunca de amá-la. Porque Ele ainda é Deus e o Deus dela. Ele é sempre digno de toda afeição e de todo amor. E isso é o suficiente para Ele. Talvez a alma sinta o aguilhão de uma inquietação misteriosa que lhe penetra nas profundezas: 'Meu Deus me ama?' Mas ela não se detém na resposta pois, quaisquer que sejam as disposições de Deus para com ela, a alma ela sabe que deve amá-lo, amá-lo sempre, amá-lo mais e a cada dia mais. E isso é o bastante. Ama-se ainda, e mais do que nunca. O que melhor pode expressar a fidelidade da alma que ama, ó meu Deus, senão a perfeita serenidade com que ela se atém ao lugar onde Vós a colocastes e ao estado interior que a ela foi imposto? Vós a quereis assim. Ela sabe disso e que não precisa de mais nada além disso. E, assim, há de permanecer pelo tempo que for da Vossa Vontade. 

Como uma pomba, ela não se move e apenas espera. E, nesta espera solitária, ela canta uma doce canção, uma canção que é sempre a mesma. Algumas palavras, algumas notas; isso é tudo. Mas como agrada ao Vosso Coração essa canção de amor que não acaba nunca! Seja qual for a estação do ano, seja qual for o tempo lá fora ou dentro do peito, nada é capaz de silenciar essa canção da alma que Vos ama: 'Eu Vos amo, ó meu Deus... Deus do meu Coração! Meu Deus e meu Tudo ...'.

(Excertos da obra 'A Vida Oculta em Deus', de Robert de Langeac; Parte I -  O Esforço da Alma; tradução do autor do blog)