domingo, 26 de junho de 2022

EVANGELHO DO DOMINGO

  

'Ó Senhor, sois minha herança para sempre!' (Sl 15)

 26/06/2022 - Décimo Terceiro Domingo do Tempo Comum 

30. TRÊS CONDIÇÕES E UMA REJEIÇÃO 

O evangelho deste domingo nos apresenta diferentes cenários e caminhos para seguir Jesus. Há um cenário inicial de terríveis consequências, embora válido sob o domínio do nosso livre arbítrio que é a rejeição a Cristo: 'os samaritanos não o receberam' (Lc 9, 53). Sobre eles não descerá por consequência um fogo dos Céus; a vida é um dom de Deus dado aos que creem e aos que não creem, e a estes pode ser longo e muito penoso o caminho da verdadeira conversão. Há, entretanto, uma segunda opção, clara e muito mais luminosa: seguir Jesus agora, sem delongas! E o Senhor vai ponderar os frutos desta escolha, em três diferentes situações, para três diferentes discípulos imbuídos dos mistérios da graça.

O primeiro que se propõe a seguir Jesus não impõe quaisquer condicionantes neste propósito: 'Enquanto estavam caminhando, alguém na estrada disse a Jesus: Eu te seguirei para onde quer que fores' (Lc 9,57). Mas Jesus vai alertá-lo sobre o real significado de sua decisão: 'As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça' (Lc 9,58). Ou seja, seguir Jesus implica uma decisão que terá consequências imediatas e contundentes porque este propósito não constitui uma missão fácil e nem para os indolentes: seguir Jesus implica por princípio afrontar cotidianamente as coisas do mundo. 

O segundo apresenta uma condição preliminar: 'Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai' (Lc 9, 59). 'Enterrar o pai' não significava que o pai já estava morto, mas que ele condicionava seguir Jesus somente após a morte do pai, ou seja, primeiro ele iria se dedicar às coisas do mundo e da sua família e depois, somente depois, assumiria incondicionalmente seguir Jesus. O terceiro tem o mesmo pensamento condicionado: 'Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares' (Lc 9, 61). É o mesma indefinição, é a mesma desculpa: as coisas do mundo precisam ser resolvidas em primeiro lugar. A resposta de Jesus é taxativa a ambos: quem se coloca a serviço do mundo, apenas serve ao mundo e não está apto a servir a Deus: 'Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus' (Lc 9, 62).

Deus nos legou o livre arbítrio para ouvir de nós, como filhos e filhas de Deus, um sim incondicional às coisas do Alto. Sem maneirismos, sem desculpas, sem meios termos. Seguir Jesus é viver como Jesus vivia, é tornar viva e manifesta a Palavra de Deus em tudo e para com todos, é praticar a caridade sem reservas, é amar o próximo como a nós mesmos. Seguir Jesus é crer e viver como herdeiros do Céu ainda neste mundo, sem apego às coisas mundanas. E, para vencer o mundo, não se pode impor condicionantes ou desculpas prévias, porque o Reino dos Céus não é feito de cristãos cansados, descansados ou cansativos, mas de cristãos atuantes e incansáveis no firme propósito de seguir Jesus, sempre e com todos, no mundo ou fora do mundo.