sábado, 29 de maio de 2021

O DOGMA DO PURGATÓRIO (VIII)

Capítulo VIII

Localização do Purgatório - São Gregório Magno:  o Diácono Paschasius e o Sacerdote de Centumcelle - O Beato Estêvão e o Religioso na Capela - Teóphile Renaud e a paciente de Dôle

Segundo Santo Tomás e outros doutores da Igreja, como visto previamente, em alguns casos particulares a justiça divina atribui um lugar especial na terra para a purificação de certas almas. Esse sentimento é confirmado por vários fatos; entre os quais citaremos em primeiro lugar dois deles relatados por São Gregório Magno em seus Diálogos: 'Quando eu era jovem e ainda leigo' - escreve o santo Papa - 'ouvi de anciãos bem informados como o diácono Paschasius havia aparecido a Germain, bispo de Cápua'. 

'Paschasius, diácono desta sé apostólica, de quem ainda temos excelentes livros sobre o Espírito Santo, era um homem de eminente santidade, devotado às obras de caridade, zeloso pela ajuda aos pobres e muito esquecido de si mesmo. Certa ocasião, teve início uma acirrada disputa envolvendo uma eleição de um pontífice. Paschasius, isolando-se da posição dos bispos, apoiou uma escolha diversa da aprovada pelo episcopado. Mas ele morreu em seguida, com fama de santidade, que Deus confirmou por um milagre: uma cura instantânea ocorreu no próprio dia do seu funeral, ao simples toque de sua dalmática'.

'Muito tempo depois, Germain, bispo de Cápua, foi enviado pelos médicos para se banhar nas termas de Sant-Angelo, em Abruzzo. Qual não foi o seu espanto em encontrar ali, empregado nos últimos serviços dos banhos, o mesmo diácono Paschasius! 'Estou expiando aqui', disse-lhe a aparição, 'pela culpa que tive em me aliar ao partido errado'. Peço-lhe, ore ao Senhor por mim: saberá que tem sido ouvido assim que deixar de me ver nestes lugares. Germain começou a orar pelo falecido e, depois de alguns dias, ao retornar, procurou em vão por Paschasius, que havia desaparecido. Ele teve que sofrer, acrescenta São Gregório, apenas um castigo temporário depois desta vida, porque pecou por ignorância e não por maldade'. 

O mesmo santo papa relata também sobre um sacerdote de Centumcelle, atual Cività-Vecchia, que também foi-se servir das águas termais. Um homem atendeu-o nas funções mais servis e humildes daquele ofício, por vários dias, sempre com extrema complacência e disposição. O bom sacerdote, pensando que deveria recompensar tanta consideração, levou dois pães abençoados e, depois do serviço do dia, ofereceu-os ao servo prestativo. Este último, com uma expressão triste, respondeu-lhe: 'Por que, padre, oferece-me estes pães? Eu não os posso comer. Eu, que me vês, fui o senhor deste lugar e, depois da minha morte, fui mandado de volta para cá para a expiação das minhas faltas, nesta condição em que me encontro. Se você me quer bem, ó oferece a mim o Pão da Eucaristia!'.

Com essas palavras, desapareceu repentinamente e aquele que o sacerdote pensava tratar-se de um servidor prestativo mostrou-se, ao desaparecer assim, ser tão somente um espírito. Durante uma semana inteira, o sacerdote entregou-se a exercícios de penitência e ofereceu todos os dias a Sagrada Hóstia nas intenções do falecido; retornando posteriormente às termas, já não mais o encontrou ali, concluindo, então, que ele havia sido libertado.

Parece que a justiça divina, às vezes, condena as almas a padecer os seus castigos no mesmo lugar onde cometeram as suas faltas. Lemos nas crônicas dos Frades Menores que o Beato Estêvão, religioso deste instituto, tinha uma devoção singular ao Santíssimo Sacramento, o que o fazia passar parte de suas noites em adoração. Em uma dessas circunstâncias, estando sozinho na capela em meio a escuridão, quebrada pela única luz de uma pequena lamparina, ele viu de repente um religioso num dos assentos, profundamente recolhido e com a cabeça totalmente encoberta pelo capuz. 

Estêvão se aproxima dele e pergunta se ele tem permissão para estar fora da cela naquele momento. 'Sou um religioso falecido' - o homem responde. 'É aqui que devo cumprir meu purgatório, de acordo com um julgamento da justiça de Deus, porque é aqui que pequei por mornidão e negligência no ofício divino. O Senhor permite que você conheça a minha condição, para que possa me ajudar com as suas orações'. Comovido diante estas palavras, o beato se ajoelhou imediatamente e começou a o hino De Profundis e outras orações, percebendo que, enquanto orava, o rosto do falecido expressava alegria. Várias vezes mais, nas noites seguintes, a aparição mostrou-se da mesma forma, cada vez mais feliz, à medida que se aproximava a sua libertação. Finalmente, depois de uma última oração do Beato Estêvão, o espírito levantou-se do seu assento, imerso em luz radiante, expressou sua gratidão ao beato e desapareceu na luz da glória.

O relato seguinte tem algo tão maravilhoso que ter-se-ia hesitação em reproduzi-lo, como disse o Cônego Postel, se não tivesse sido registrado em muitas obras, segundo o Pe. Théophile Renaud, teólogo e polemista do Século XVII, que o relata como um acontecimento ocorrido na sua época e quase sob os seus olhos. Padre Louvet acrescenta que o Vigário Geral do Arcebispado de Besançon, depois de examinar todos os detalhes, reconheceu a sua plena veracidade. 

No ano de 1629, em Dôle, região de Franche-Compté, Huguette Roy, uma mulher de meia-idade, ficou confinada de cama por causa de uma inflamação dos pulmões, que a fez temer por sua vida. O médico que a atendeu, optando por induzir uma sangria na paciente, cortou involuntariamente uma artéria do seu braço esquerdo, comprometendo o fluxo de sangue até às extremidades do seu membro. No dia seguinte, logo pela manhã, uma jovem toda vestida de branco adentra no seu quarto e pergunta à paciente, com uma atitude muito modesta, se ela aceita ser cuidada por ela. 

A paciente, feliz com a oferta, aceita de imediato e com grande prazer. Imediatamente a seguir, a estranha pôs-se a acender o fogo, conduziu gentilmente Huguette a deitar-se na cama e assim continuou a atendê-la e a servi-la como a enfermeira mais prestativa e devotada possível.. Coisa maravilhosa! O simples toque das mãos dessa estranha havia sido tão benéfico que a paciente ficara tão aliviada que até sentia estar já completamente curada. Ela queria saber detalhes daquela pessoa tão amável e quis interrogá-la, mas a estranha disse que precisava ir embora e que voltaria à noite.

Quando a visitante desconhecida retornou à noite, ela disse a Huguette Roy, sem maiores rodeios: 'Saiba, minha querida sobrinha, que eu sou a sua tia, Léonarde Collin, que morreu há dezessete anos, deixando para você uma pequena propriedade como herança. Graças à bondade divina, estou salva, e foi graças à bem aventurada Virgem Maria, por quem tive sempre grande devoção, que obteve para mim esta felicidade. Sem ela, eu estaria perdida. Quando a morte me atingiu de repente, eu estava em pecado mortal; mas a misericordiosa Virgem obteve para mim naquele momento um ato de contrição perfeita, salvando-me assim da condenação eterna. Desde então, estou no purgatório, e o Senhor permite que eu venha até aqui e complemente a minha expiação, ficando ao seu serviço por quarenta dias. No final deste tempo, estarei liberada dos meus sofrimentos e, por sua vez, você deverá ter a caridade de fazer três peregrinações em minha intenção a três santuários da Santíssima Virgem'. 

Huguette ficou atônita, sem saber o que pensar dessa linguagem, não podendo acreditar na realidade dessa aparição e, temendo alguma armadilha do espírito maligno, consultou o seu confessor, o padre Antoine Rolland, um jesuíta, que a aconselhou a ameaçar a desconhecida com os exorcismos da Igreja. Essa ameaça, entretanto, não a perturbou; ela disse calmamente que não temia as orações da Igreja: 'Eles não têm força' - acrescentou ela - 'exceto contra os demônios e os condenados, de forma alguma contra as almas predestinadas e a favor de Deus, como a minha'.

Huguette não se convenceu: 'Como' - disse ela à jovem - 'você pode ser minha tia Léonarde? Ela era velha e alquebrada, além de desagradável e um tanto caprichosa, enquanto você é jovem, gentil e atenciosa'. 'Ah! minha sobrinha' - respondeu a aparição - 'meu verdadeiro corpo está no túmulo, onde permanecerá até a ressurreição; aquele pelo qual você me vê é outro corpo, milagrosamente formado do ar, para me permitir falar com você, servi-la e obter os seus votos. Quanto ao meu caráter difícil e raivoso, dezessete anos de terrível sofrimento me ensinaram paciência e gentileza. Saiba além do mais que, no Purgatório, a pessoa é confirmada na graça, marcada com o selo dos eleitos e, portanto, isenta de todos os vícios'. 

Após tais explicações, a incredulidade não era mais possível. Huguette, ao mesmo tempo maravilhada e grata, recebeu com alegria os serviços que lhe foram prestados, durante os quarenta dias assinalados. Só ela podia ver e ouvir a falecida, que lhe aparecia em determinados momentos e depois desaparecia. Assim que as suas forças o permitiram, ela realizou piedosamente as peregrinações que lhe haviam sido solicitadas.

No final dos quarenta dias, as aparições cessaram. Léonarde apareceu uma última vez para anunciar sua libertação: ela estava então em um estado de glória incomparável, cintilando como uma estrela e trazendo no rosto a expressão da mais perfeita bem aventurança. Ela, por sua vez, expressou sua gratidão à sobrinha, prometeu rezar por ela e por toda a sua família, e se comprometeu a sempre lembrar a ela, em meio às dores da vida, a meta suprema de nossa existência, que é a salvação da nossa alma.

Tradução da obra: 'Le Dogme du Purgatoire illustré par des Faits et des Révélations Particulières', 342p., do teólogo francês François-Xavier Schouppe, sj (1823-1904), 342 p., tradução pelo autor do blog)