segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

BREVIÁRIO DIGITAL (XLIX) - AS VISÕES DE TONDAL (II)

A experiência além da morte de uma alma medieval percorrendo o Céu, o Inferno e o Purgatório, guiada pelo seu Anjo da Guarda.

VISÕES DE TONDAL - PARTE II


A primeira visão da alma errante de Tondal (exposta nua, como explicado na postagem anterior), acompanhada pelo seu Anjo da Guarda, é diante da boca descomunalmente aberta da besta Aqueronte (termo derivado da mitologia grega, que denominaria um dos rios do inferno), em cujo interior padecem os condenados ao inferno pela ganância, sofrendo tormentos terríveis numa fornalha ardente. A bocarra da besta é mantida aberta por dois demônios gigantescos dispostos em posições contrárias; outros demônios empurram as pobres almas para dentro da fornalha e impedem que os condenados possam escapar dela. A não ser pelos trajes luminosos do Anjo, toda a cena é pincelada por Simon Marmion com cores vivas, escuras ou rubras, com demônios em forma de criaturas pavorosas, para simular o horror do inferno.


A alma de Tondal visita agora o lugar destinado à condenação eterna dos sacerdotes, religiosos e todos que se perderam pelo pecado da luxúria. As almas são engolidas e excretadas pela fera monstruosa num processo repetitivo que nunca termina; caídas num lago gélido, as almas recuperam as suas formas corporais que se engravidam de serpentes e outras criaturas horrendas que lhes comem as entranhas e emergem através do seus corpos dilacerados, que vão servir de novo como alimento da besta monstruosa. Na sua experiência além-túmulo, por ter vivido na luxúria e no hedonismo, a alma de Tondal é forçada a passar por um estágio neste abismo de tormentos, antes de ser resgatada pelo Anjo para seguir a sua peregrinação pelo inferno.


O anjo leva a alma de Tondal até a Porta do Inferno para que esta veja, em meio a uma legião de demônios, Lúcifer (em primeiro plano, deitado na fornalha ardente) esmagar, com as suas milhares de mãos, as almas dos condenados e lançá-las no meio das chamas infernais para serem calcinadas. Figuras monstruosas mantêm os portões abertos e, junto com a multidão dos outros demônios, atormentam sem fim as almas condenadas. No meio das chamas infernais, Tondal reconhece as almas de muitos de seus amigos e familiares já falecidos.



A alma de Tondal é conduzida para a beira de um despenhadeiro onde são lançadas as almas dos incrédulos e dos hereges, num abismo sulfuroso e de fedor indescritível. Por meio de longos arpões e ganchos afiados, as pobres almas são arrastadas ora às águas gélidas do lago, ora aos vapores escaldantes de enxofre que emergem do desfiladeiro. O Anjo lembra à alma de Tondal que ali não é lugar de esperança: aquelas almas estão condenadas à sucessão destes tormentos por toda a eternidade.