terça-feira, 19 de maio de 2020

A VIDA OCULTA EM DEUS: A MANSIDÃO


49. A mansidão é uma das virtudes morais mais importantes para a vida contemplativa. Para nos dedicarmos à contemplação, precisamos da paz interior e exterior. A mansidão acalma a agitação de nossa alma e nos permite preservar a mais valiosa paz interior e exterior; facilita a oração, o diálogo em família e a conversa íntima com Deus; graças a isso, podemos ouvir a voz de Deus e segui-la. Existe em nós um poder de reação e irritação que nos permite lutar contra os obstáculos e combater o mal presente. É bom e lícito em si; sem ele, não seríamos capazes de agir, nossa alma tenderia a ser como uma roupa gasta e inerte e não seríamos capazes de reagir sensivelmente contra mal nenhum, nem mesmo contra o pecado.

Mas esse apetite, que por si só não é ruim, torna-se facilmente desordenado e repreensível quando se fica com raiva de coisas que não importam ou por razões que não são boas. Então, nasce na alma um desejo de vingança. Quando somos contrariados e feridos, sofremos e, porque sofremos, mantemos em nossos corações o desejo secreto de revidar no momento oportuno.

Portanto, é aconselhável ter muito cuidado porque essa é a pior coisa que existe na raiva, não só por ser contrária à caridade para com o próximo, a quem devemos querer bem, mas também muitas vezes contra a justiça. O terreno é escorregadio; pois esse desejo de vingança totalmente consentido, exceto no caso de matéria leve, poderia tornar-se um pecado mortal. Numa alma piedosa, o desejo surdo de vingança não é totalmente consentido, mas é perturbador por princípio e, como uma corrente profunda e semi-consciente, pode inspirar toda a nossa atividade sem que percebamos disso.

Daí aquelas estocadas, as provocações, aquelas palavras pretensamente amáveis ​​que têm suas gotas de amargura no final e com que habilidade o momento propício é capturado para machucar, morder ou espetar! Mas isso não é bom, pois é essencialmente contrário à virtude da mansidão e intimidade com Deus. Nunca uma alma que mantém esse sentimento - e nem estou falando de um grande desejo de vingança, mas daquele desejo que está oculto e que nem mesmo alguém deseja confessar a si mesmo - nunca esta alma poderá alcançar a paz. Este é um mal-estar espiritual muito doloroso que impede a completa tranquilidade e serenidade necessárias para contemplar a Deus.

A segunda e mais comum forma de imperfeição oposta  à virtude da mansidão é a impaciência, o mau humor. Quando nosso julgamento é contrariado, sentimos irritação, descontentamento, birra. Parece que se tira algo de nós, da nossa alma: uma preferência, um gosto por alguma coisa secundária que nos agradava, uma vontade que assumimos como nossa ... e sentimos a necessidade de demonstrar o nosso descontentamento por uma manifestação externa e, daí, o encolher dos ombros, a resposta inflamada e altiva, o olhar furtivo.

É aí que a virtude da mansidão deve intervir para paralisar o apetite irascível, com força reativa a outra força, para impedir de extravasar o que sentimos. Temos que ficar calados. Nenhuma palavra. Nem mesmo uma daquelas frases que parecem tão oportunas, tão justas. Não tente se  explicar. Mantenha-se calado! Se for possível, fale em um tom absolutamente moderado, totalmente amigável. Mas se não for possível, mantenha-se calado para deter, reprimir e sufocar a erupção vulcânica que está prestes a acontecer.

Para nos entregarmos a Deus na vida contemplativa, precisamos nos possuir primeiro. Uma alma que não sabe ter autocontrole não pode alcançar a paz. Existem mais ou menos dificuldades neste caminho, dependendo do temperamento de cada um, mas os movimentos desordenados devem ser dominados por esforços longos e pacientes. Caso contrário, a pessoa está sempre ocupada em ficar aborrecida ou aborrecer os outros. Está sempre refém de ficar ruminando na mente as coisas ditas, o que vai dizer ou o que poderia ter dito, e a pobre alma não arreda pé daí. É um novelo que não se desata, assim que parece terminar, recomeça. É impossível entregar-se a Deus durante esse tempo. Todo o período de oração será tomado por essa discussão interior com quem e com o que nos machucou. E é pena muito grande perder a própria oração! No final, diremos a nós mesmos: 'O que eu estava pensando? Fui infeliz, sofri e não rezei porque não consegui controlar essa paixão, essa corrente subterrânea que levou tudo consigo'.

(Excertos da obra 'A Vida Oculta em Deus', de Robert de Langeac; Parte I -  O Esforço da Alma; tradução do autor do blog)