domingo, 30 de setembro de 2018

A SANTIFICAÇÃO EXIGE O ÓDIO AO PECADO

Páginas do Evangelho - Vigésimo Sexto Domingo do Tempo Comum


Naqueles dias, nos caminhos da Galileia, os discípulos de Jesus ainda se tomavam como os únicos arautos da Verdade e discutiam à qual deles esta primazia haveria de se elevar mais alto, pois viviam ainda reféns de uma perspectiva puramente humana do reino prometido por Jesus. Atento às murmurações deles, o Senhor vai condenar o pecado do orgulho ao lhes assegurar que o maior de todos é o que serve a todos (Mc 9, 35) para, em seguida, os exortar que, no caminho da santificação, o amor a Deus implica um ódio extremado ao pecado, a todo tipo de pecado.

Esta firme exortação tem origem na pergunta de João: 'Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos, porque ele não nos segue' (Mc 9, 38), cuja ação é imediatamente contestada por Jesus, pois não havia sido movida pela caridade, mas por meros ciúmes da concessão de dons sobrenaturais a quem não era do restrito círculo fechado dos discípulos do Senhor: 'Quem não é contra nós é a nosso favor' (Mc 9, 40). Não deve haver limites ou impedimentos para os mistérios da Graça, quando o bem é feito compartilhado com o autor da Vida: 'quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa' (Mc 9, 41).

E, de forma oposta, Jesus condena aquele que, por malícia, se conspurca na obstinação do pecado, consumindo a graça na lama do escândalo, expondo-se e expondo a muitos no caminho da ruína espiritual de suas almas, no caminho do inferno. Quanto a este, a admoestação de Jesus é severa: 'melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço' (Mc 9, 42). A gravidade do pecado do escândalo - por ações, por exemplos, por palavras - está em que, muito além de provocar a perda da inocência alheia ou propagar blasfêmias, é que, ao conduzir à perda das almas, é um pecado que simula, em sua essência, a ação do próprio demônio.

Jesus exorta, então, se cumprir, em tudo e para todos, a santificação em plenitude, traduzida na observância radical aos seus Mandamentos. Isso implica não ceder ao pecado sob concessão alguma e não afrontar a graça divina por nenhum propósito humano. A verdadeira santificação exige, portanto, vigilância extrema, oração constante e fuga da ocasião de pecado por todos os meios disponíveis, pelos mais extremos possíveis: 'Se tua mão te leva a pecar, corta-a! É melhor entrar na Vida sem uma das mãos, do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga. Se teu pé te leva a pecar, corta-o! É melhor entrar na Vida sem um dos pés, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno. Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, onde o verme deles não morre, e o fogo não se apaga' (Mc 9, 43.45.47-48).

sábado, 29 de setembro de 2018

A PIOR MENTIRA É A MEIA VERDADE


Um comentário pode ser falacioso; uma notícia pode ser falsa. Mesmo que não seja falsa, pode ser escolhida para dar uma imagem completamente falsa do assunto em questão.

Selecionar é a arte fina da falsidade. A pior mentira é aquela que é meia verdade.

Os jornalistas são os novos sacerdotes. Mas contrariamente aos antigos, não os norteia a contrição nem a fé na verdade. Nem tão pouco o sentido de pertença ao povo que deveriam servir.

(G.K. Chesterton em 'Distortions of the Press', 1909!!!)

(desculpas aí Senza Pagare, mas não resisti à atualidade fantástica desta lição de Chesterton!) 

29 DE SETEMBRO - SÃO MIGUEL ARCANJO

(São Miguel com elmo e armadura medieval - Catedral de Bruxelas)

'Houve uma batalha no Céu: Miguel e os seus Anjos guerrearam contra o Dragão. O Dragão batalhou, juntamente com os seus Anjos, mas foi derrotado e não se encontrou mais um lugar para eles no Céu' (Ap 12, 7-8).

'Naquele tempo, surgirá Miguel, o grande Príncipe, constituído defensor dos filhos do seu povo e será tempo de angústia como jamais houve' (Dn 12, 1).

Assim como Lúcifer é o chefe dos demônios, Miguel é o maior dentre os anjos, Príncipe das milícias celestes, protetor da Santa Igreja e da humanidade contra as forças do inferno. Assim, a designação de arcanjo (oitavo coro dos anjos) tem sentido genérico e nominativo, pois certamente São Miguel, sendo o primeiro dentre os Anjos, é o maior dos serafins. Dentre os vários santuários destinados ao Arcanjo São Miguel, Príncipe das milícias celestes, destaca-se aquele localizado no Monte Saint Michel na França, cuja foto constitui a abertura e o símbolo deste blog.

(Santuário de São Miguel - Monte Saint Michel/França)

São Miguel, rogai por nós!
Intercedei a Deus por nós!

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

10 MEDITAÇÕES PARA CADA DIA

1. Essa palavra acertada, a 'piada' que não saiu da tua boca, o sorriso amável para quem te incomoda, aquele silêncio ante a acusação injusta, a tua conversa afável com os maçadores e com os importunos, não dar importância cada dia a um pormenor ou outro, aborrecido e impertinente, de pessoas que convivem contigo... Isto, com perseverança, é que constitui sólida mortificação interior (173)

2. Não digas: 'essa pessoa aborrece-me', mas pensa: 'essa pessoa santifica-me' (174)

3. Procura mortificações que não mortifiquem os outros (179)

4. Não acredito na tua mortificação interior, se vejo que desprezas, que não praticas a mortificação dos sentidos (181)

5. O mundo só admira o sacrifício com espetáculo, porque ignora o valor do sacrifício escondido e silencioso (185)

6. Tudo o que não te leva a Deus é um estorvo. Arranca-o e atira-o para longe (189)

7. Não sejas frouxo, mole. Já é tempo de repelires essa estranha compaixão que sentes por ti mesmo (193)

8. Acertou quem disse que a alma e o corpo são dois inimigos que não se podem separar, e dois amigos que não se podem ver (195)

9. Estes são os saborosos frutos da alma mortificada: compreensão e transigência para as misérias alheias; intransigência para as próprias (198)

10. Quantos, que se deixariam cravar numa Cruz, perante o olhar atônito de milhares de espectadores, não sabem sofrer cristãmente as alfinetadas de cada dia! (204)

(São Josemaria Escrivá em sua obra 'Caminho', meditações compiladas originalmente no blog Senza Pagare)

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

VIDA DO PADRE PIO EM FATOS E FOTOS (VII)

O BOM HUMOR DO PADRE PIO 


'Padre, um parente meu está doente há quase 2 anos, o que eu devo falar para poder confortá-lo?'
Padre Pio: 'Fale para ele que eu estou doente há 70!'


Numa certa ocasião, Frade Modestino pediu ao Padre Pio: 'Padre, por favor, abençoe esta garrafa de vinho'. Após ter dado a bênção, Padre Pio disse: 'Eu fiz o meu primeiro milagre do dia'. Beberam o vinho que era realmente de excelente qualidade. Alguns dias depois, o dono daquela vinícola foi preso por produzir vinho falsificado usando tintura em vez de uvas.


Padre Pio gostava sempre de contar esta anedota:

Ciente de que o rei viria inspecionar as tropas, um experiente sargento resolver preparar previamente o recruta: 

O rei vai lhe fazer três perguntas:

'Quantos anos você tem?' Você deve responder: 22
'Há quanto tempo você está no exército?' Sua resposta: 2
'Você ama mais o seu rei ou o seu país?' Você deverá responder de pronto: 'Ambos, majestade'.

Mais tarde, quando o rei inspecionava a tropa, aproximou-se do recruta e lhe perguntou:

'Há quanto tempo você está no exército?' 22
Quantos anos você tem?' 2

Irado por se sentir ridicularizado, o rei disse: 'Você é um estúpido!'
E o recruta respondeu: 'Ambos, majestade'.

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

UMA POSSÍVEL INTERPRETAÇÃO DO APOCALIPSE

É perfeitamente legítimo e salutar ao cristão supor que o Apocalipse não constitui um enigma insolúvel criado por Deus para os homens. Pelo contrário, embora seja verdade que o seu pleno entendimento somente será possível após a sua realização completa, o seu significado geral (e mesmo algumas passagens específicas) podem ser inferidas e vislumbradas pelo esforço pessoal e pela graça de Deus manifestada a quem se detiver na superação das grandes dificuldades de se interpretar adequadamente tais acontecimentos proféticos. A reflexão abaixo é de autoria do padre espanhol José Maria Mestre, e foi publicada originalmente em português no site Permanência.

1. Parece-me indiscutível que o Apocalipse é um escrito profético e não simplesmente histórico, como pretenderam muitos autores em todos os tempos (como uma descrição simbólica da queda da Sinagoga e do Paganismo, ou das perseguições romanas contra os cristãos, por exemplo). Com efeito, sempre se considerou que os livros do Novo Testamento se dividem, tais como os do Antigo Testamento, em históricos, sapienciais e proféticos; e somente ao Apocalipse se encaixaria bem o conceito de profético entre os livros do Novo Testamento. A chave para a interpretação está no próprio Apocalipse, capítulo 1, versículo 19: Scribe quæ vidisti, et quæ sunt, et quæ oportet fieri post hæc ― 'Escreve, pois, as coisas que viste. E que viste? Duas coisas: as que são e as que hão de suceder depois destas'.

Isso quer dizer que São João viu uma dupla realidade, ou duas coisas que são uma: algo que já é e algo que há de ser; e as viu a um só tempo, como superpostas, como por transparência: ou seja, viu algo que já é (poderia ser o império romano perseguidor do cristianismo) como figura de algo que tem de ainda ser (toda a história da Igreja, perseguida, mas especialmente nos últimos tempos, a que se refere principalmente). 

2. As cartas às sete igrejas não são apenas, como pretenderam esses autores de que lhe falava, uns avisos dirigidos por São João aos bispos das igrejas mencionadas, válidos apenas para aquele tempo e desligados do resto da obra ― que seria o único com alcance histórico (isso seria 'o que já é') ― mas que são, por sua vez, verdadeiras profecias das sete principais épocas da Igreja, com que o Apocalipse começa sua projeção histórica sobre o futuro (isso seria 'o que há de ser'). 

3. As sete igrejas, como os demais setenários do Apocalipse, estão divididos em 4 + 3 (e o ternário, por sua vez, em 2 + 1, o último designando invariavelmente o tempo da Parusia). Nas igrejas, esta divisão estará assim assinalada: as quatro primeiras igrejas indicam as etapas de crescimento e desenvolvimento da Igreja ― são quatro igrejas pujantes e vigorosas, cada vez mais ― enquanto que as outras três são etapas de declive da Igreja: combatida, começa a ceder ante seus inimigos, até que, na última Igreja, é dado ao Anticristo o poder de guerrear contra os Santos e vencê-los. 

Por isso mesmo, parece-me indiscutível que as quatro primeiras igrejas são respectivamente, como diz o Padre Holzhauser: Éfeso, a Igreja dos Apóstolos; Esmirna, a Igreja dos Mártires; Pérgamo, a Igreja dos Doutores; Tiatira, a Igreja do Sacro Império Romano, quando a Igreja produz a civilização e a sociedade cristãs. Sardes, a quinta igreja, já é o começo do declive da Igreja, e pode ser identificada com a Igreja do Renascimento ou, de modo mais geral, com a Igreja da Revolução. A identificação das épocas correspondentes às duas igrejas restantes - Filadélfia e Laodiceia - constitui um claro enigma e isso não é fácil de saber com certeza; apenas podemos vislumbrar que são etapas que representam declínios cada vez maiores da Santa Igreja.

4. Parece-me que, fora de dúvida, a Igreja de Laodiceia é a Igreja dos últimos tempos. Nela, Nosso Senhor se descreve como estando já à porta e chamando: alusão clara à sua Parusia, como também a ceia a que convida a quem lhe abra é uma clara alusão ao banquete celestial, à glória celeste. E, por isso mesmo, a Igreja que a precede, que é a de Filadélfia, há de ser a Igreja que vai da Revolução aos acontecimentos que dão lugar aos últimos tempos.

5. Esta Igreja de Filadélfia tem várias características. A primeira é surpreendente: é a única Igreja, junto com a de Esmirna, que não recebe reprovações de Nosso Senhor. Ora, a Igreja de Esmirna foi a Igreja dos Mártires. Por isso, parece bastante evidente que esta Igreja da Filadélfia se caracteriza, como a de Esmirna, por padecer perseguições por parte dos poderes anticristãos e por sua fidelidade a Cristo em meio a esta perseguição. Ademais, é uma Igreja que modicam habes virtutem, que tem pouco poder, mas, perante a qual, abre-se uma porta que ninguém pode fechar. 

Pela porta aberta designa-se sempre, em São Paulo, uma ocasião propícia para a difusão do Evangelho: esta Igreja, portanto, terá uma oportunidade maravilhosa para difundir a doutrina católica com essa pequena fortaleza que lhe queda. E parece que, a esta ocasião de difundir o Evangelho, está vinculada a conversão dos judeus: Ecce faciam illos [qui dicunt se Judæos esse] ut veniant, et adorent ante pedes tuos; et scient quia Ego dilexi te ― 'farei com que aqueles que se chamam judeus venham e adorem prostrados diante de ti, e saibam que Eu te amei'. Finalmente, a esta Igreja se recomenda perseverar na Tradição, isto é, manter o que recebeu: Tene quod habes ― É o único propósito que lhe consigna o Senhor.

6. Com estes dados, pode-se tentar duas interpretações possíveis. Dou as duas, ainda que me esforce por justificar a segunda, não porque tenha autoridade, mas porque me parece a mais provável. A primeira, que se não me equivoco é a de Bartolomeu Holzhauser, consiste em dizer que a quinta Igreja, Sardes, é a da Revolução, que incluiria então: a reforma protestante (1517), primeira etapa da revolução; o estabelecimento da maçonaria (1717), segunda etapa da revolução; o nascimento do comunismo (1917), terceira etapa da revolução, que há de acabar com um grande castigo, graças ao qual uma grande parte da humanidade perecerá e, a parte que sobreviver converter-se-á majoritariamente. 

A sexta igreja, Filadélfia, designaria, portanto, um grande triunfo da Igreja, sem precedentes, que corresponderia ao triunfo do Coração Imaculado de Maria, que ainda não se realizou. Isto é, estaríamos ainda na igreja de Sardes. E a sétima Igreja, Laodiceia, seria a igreja do Anticristo, da feroz perseguição contra a Igreja (da qual a crise atual da Igreja não seria que uma prefiguração) e da Parusia.

7. A segunda interpretação, que é minha, é a seguinte: a quinta igreja, que é a de Sardes, corresponderia com o período que vai do Renascimento à Revolução Francesa. Tem fama de viva (Re-Nascimento), mas está morta (pois é a ressurreição do culto do homem que substitui o culto de Deus). A sexta Igreja, Filadélfia, corresponderia à igreja que vai da Revolução Francesa ao Concílio Vaticano II: uma igreja combatida, perseguida, como a de Esmirna, mas fiel em dar testemunho a Nosso Senhor Jesus Cristo. E é fiel porque essa Igreja, apesar de não possuir muito poder, por ver-se perseguida de tantos modos (protestantismo, maçonaria e poderes públicos), encontra uma porta aberta para difundir o Evangelho: é a Igreja das missões, que se difunde na Ásia e na África como talvez nunca antes havia se difundido. 

Ao mesmo tempo, esta Igreja conta com papas extraordinários, de grande firmeza doutrinal, de Pio VII a Pio XII, que deram à Igreja grande prestígio, apesar de tão combatida. Na França, Alemanha, são frequentes as conversões de judeus, para nada dizer das conversões dos protestantes. Poderíamos dizer que foi uma Igreja que não merece reprovações? Parece que sim: a perseguição a fez forte e generosa. Em meu modo de entender, esta Igreja termina com a morte de Pio XII, o último dos grandes papas, em cujo pontificado a Igreja conservou um prestígio mundialmente reconhecido em todas as ordens. 

Com o Vaticano II, a revolução francesa introduzida no seio da Igreja, começa a Igreja de Laodiceia, a Igreja da tibieza, a Igreja do ecumenismo e do indiferentismo religioso. O próprio papa prega os idéias do Anticristo, os direitos do homem (como diz mais tarde o Apocalipse, é o falso profeta do dragão, a besta da terra, que tem pés de cordeiro, mas fala as palavras do dragão, e seduz a todas as gentes ― quem, senão o papa ou a hierarquia da Igreja, tem esta influência a nível mundial? ― para que adorem a imagem da Besta). A Igreja, pois, divide-se em dois grupos, por assim dizer: a Igreja fiel, perseguida pelo dragão e figurada pela mulher revestida de sol, com a lua sob seus pés e uma coroa de estrelas em sua cabeça; e a 'Igreja' infiel, isto é, uma estrutura prevaricadora, que guarda todas as aparências da verdadeira Igreja e que se serve de seus representantes, de seus santos, de sua jurisdição etc., e está figurada pela prostituta sentada sobre a besta, e que se prostitui com todos os reis da terra, com todas as ideologias anticristãs (ideais humanistas, islamismo, budismo, protestantismo, ONU, etc). Portanto, esta etapa de Laodiceia é a que conhecerá, segundo minha interpretação, a apostasia das nações, a aparição do Anticristo, a perseguição feroz contra a Igreja, a conversão final dos judeus e a Parusia de Cristo com o Juízo Final (esse é o significado de Laodiceia: julgamento dos povos).

8. Trato de aduzir aqui os argumentos em que fundamento esta minha interpretação. Primeiro: sabemos que a Igreja, por ser o Corpo Místico de Cristo, há de viver os mesmos mistérios e sofrimentos que Cristo, sua Cabeça. Também deverá ter a sua Paixão. Mas, antes de viver sua Paixão, Cristo conheceu um triunfo, passageiro, porém sonoro: o domingo de Ramos. O mesmo deve acontecer com a Igreja Católica. Depois de conhecer este triunfo, a Igreja sofrerá sua Paixão, morrerá inclusive (aparentemente, não em realidade, assim como Cristo) e depois ressuscitará e se elevará aos céus. 

A ascensão da Igreja se identifica com a Parusia, com o Juízo Final, não cabe a menor dúvida. É preciso saber, pois, em que consistirá seu Domingo de Ramos, sua Paixão e sua Ressurreição. Segundo: A Virgem Maria profetizou em Fátima o triunfo final de seu Coração Imaculado. Este triunfo será um grande renascimento da Igreja, que não durará muito: 'Ao mundo será dado um certo tempo de paz'. Ora, como parece insinuar São Paulo em sua Epístola aos Romanos, este renascimento da Igreja se realizará pela conversão dos judeus, que será como 'uma ressurreição dos mortos'. Por isso, para mim é evidente que o triunfo do Coração Imaculado corresponde à ressurreição da Igreja após a sua Paixão, e esta ressurreição, por sua vez, consiste na conversão do povo judeu à Igreja Católica. Terceiro: segundo os Santos Padres, São Gregório, em particular, o Anticristo, que perseguirá a Igreja, chegará ao poder graças aos judeus, que colocarão a seu serviço imprensa e finanças, com as que manipulam o mundo. Mas, nesse momento, aparecerá o profeta Elias, que, com sua pregação incendiada converterá grande parte do povo judeu; de modo que o Anticristo, segue dizendo São Gregório Magno, por ódio, em sua perseguição contra a Igreja, perseguirá sobretudo os judeus convertidos. E na morte do Anticristo, quando o Senhor Jesus os tiver destruído com um sopro de sua boca, toda a gente, aliviada de sua cruel tirania, se converterá e ocorrerá um renascimento da Igreja como jamais se viu, que terá como estímulo a conversão maciça dos judeus que ainda não tiverem convertido. Depois, com esta paz temporal, voltará a tibieza dos cristãos e, a esta, seguirá a Parusia de Cristo. 

Com efeito, como não ver no profeta Elias o nexo Maria-judeus-triunfo da Igreja? Pois Elias é o grande profeta da Virgem no Antigo Testamento e é ele mesmo quem há de aparecer para a conversão dos judeus; por isso, a conversão dos judeus parece intimamente ligada à Mediação da Santíssima Virgem. E, uma vez que essa conversão será o maior triunfo conhecido pela Igreja durante toda sua história, como não identificá-la com o prometido triunfo do Coração Imaculado de Maria, que conduz ao triunfo de seu Divino Filho?

9. Desse modo, eu ordenaria os acontecimentos como se segue: Primeiro, a Sexta Igreja, que é a de Filadélfia, corresponderia com esta etapa precursora da Paixão da Igreja: a Igreja já se vê condenada à morte pela Revolução, tal como Cristo já havia sido condenado à morte pela Sinagoga (a pequena fortaleza), mas conhece um tempo de triunfo temporal, como Cristo quando é triunfalmente recebido em Jerusalém. Este triunfo temporal da Igreja, quando já se encontra tão perseguida, manifesta-se pela grande porta que se abre pelo labor das missões, pelo prestígio internacional de que gozam seus papas, pela difusão da devoção ao Sagrado Coração e à Santíssima Virgem, pelo extraordinário desenvolvimento da mariologia e dos dogmas marianos, pelas numerosas aparições de Nossa Senhora, pelos Congressos Eucarísticos Internacionais, pelos chefes de estado católicos etc. 

Triunfo da Igreja em um mundo já corrompido, em um mundo que bebeu profundamente dos princípios da Revolução. Assim como Cristo chora sobre Jerusalém no próprio momento em que é triunfalmente recebido, assim a Igreja há de chorar sobre estas sociedades corrompidas em seus princípios, nas quais, apesar de tudo, consegue este sonoro triunfo. Esta é a sexta igreja, irrepreensível, porque sofreu muito; irrepreensível, porque teve papas de grande porte, firmíssimos doutrinariamente. 

Esta sexta Igreja acaba com a morte de Pio XII e, com o Vaticano II, começa a sétima Igreja (tudo isto coincide, que coincidência! com o momento em que Roma deveria ter difundido o terceiro segredo, que falava destas coisas). Este Concílio dá início à Paixão da Igreja: traição e abandono dos Apóstolos, isto é, dos bispos que se querem moldar ao mundo moderno, ao mundo anticristão, e que, por isso, tornam-se traidores (é o caso dos mais audazes) ou, pelo menos, abandonam Nosso Senhor e se calam (é o caso da maioria). A Igreja entra em sua Paixão e sofre uma espantosa solidão. Vê a seus filhos totalmente desamparados, dispersos como ovelhas, por terem sido feridos por seus pastores. Esta Igreja, como Cristo, se vê acusada de falsos crimes, e cala-se como Cristo em sua Paixão: Deus não lhe permite defender-se das calúnias que são dirigidas contra ela, pois não está em suas mãos nem a imprensa, nem as artes, nem a televisão, nem o rádio. 

Esta Igreja vê difundir-se em seu nome a mais espantosa tibieza, característica de Laodiceia, sob os nomes de ecumenismo, agiornamento, liberdade religiosa... Esta Igreja vê como, em seu nome, se consuma a apostasia: a própria Santa Sé pede às nações católicas que abram mão de sua confissão em respeito às demais crenças. Seus pastores têm pés de cordeiro, sim, mas pronunciam as palavras do Dragão. O mistério de iniquidade avança, e não me parece que tenha de interromper-se, como postularia a primeira interpretação (com o castigo geral e a conversão em massa antes do Anticristo), mas antes que prosseguirá sem solução de continuidade até encontrar seu apogeu na aparição do Anticristo, que, segundo São Paulo, será favorecido e permitido pela apostasia das nações. 

Aparece, pois, o Anticristo, a quem os judeus reconhecem como Messias e, graças aos quais, sobe ao poder e começa a perseguir a Igreja. Chegou o momento da Crucifixão e Morte da Igreja (morte aparente, é claro, mas talvez visível: voltará às catacumbas?). No entanto, ao mesmo tempo, aparece Elias e tem inicio a conversão do povo judeu. O Anticristo, furibundo, começa a perseguir os judeus conversos; no cúmulo de sua soberba, faz-se adorar como deus, mas é destruído por uma ação milagrosa de Deus. Com a morte do Anticristo, completa-se a conversão do povo judeu: chegamos ao momento da ressurreição da Igreja, tal como São Paulo a parece entender. Mas, não dura muito este tempo de paz e florescimento: levados pela comodidade, os cristãos voltam a cair na tibieza, volta a ganhar força o mistério de iniquidade, e a única solução é a vinda e aparição pessoal de Cristo: a Parusia e o Juízo final: é a culminação da Igreja, da obra de Cristo e a Assunção da Igreja ao Céu, em companhia de Cristo. 

10. Resumindo: Laodiceia é a Igreja dos últimos tempos; não é a Igreja do Milênio, pois o Magistério reprova esta opinião; e, a meu parecer, estamos na sétima época da Igreja, mas não sou profeta (sobre isso podemos todos levarmos uma surpresa; segundo Holzhauser, estaríamos ainda na quinta Igreja, na de Sardes; somente afirmaria estarmos na sexta quem julgasse que a sétima haveria de ser a do milênio).


(Texto corrigido e adaptado de original publicado na Revista Permanência)

terça-feira, 25 de setembro de 2018

COROA DE GLÓRIAS AO SAGRADO CORAÇÃO

Introito:

Louvemos, exaltemos e glorifiquemos o divino Coração de Jesus, agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém.

AO CORAÇÃO DE JESUS ENCARNADO, EUCARÍSTICO E CRUCIFICADO

Louvor, honra, glória e bênção ao Coração misericordiosíssimo de Jesus, que movido de suas entranhas de compaixão e misericórdia, desceu do mais alto do céu a esta terra miserável, para livrar-nos do pecado e da condenação eterna em que incorrera o gênero humano.

R. Por todos os séculos dos séculos.

Louvor, honra, glória e bênção ao Coração bondosíssimo de Jesus, que levado do amor ardente, que sempre teve aos homens, quis ficar conosco no Santíssimo Sacramento, para ser nosso consolador neste vale de lágrimas e o viático que nos dá força e valor na perigosíssima viagem do tempo para a eternidade.

R. Por todos os séculos dos séculos.

Louvor, honra, glória e bênção ao Coração amantíssimo de Jesus, que contistado pela ingratidão dos homens e pendurado do madeiro santo da cruz, pacificou o céu com a terra, a criatura com o seu Criador e Senhor.

R. Por todos os séculos dos séculos.

LOUVORES AO DIVINO CORAÇÃO

Louvado, exaltado e glorificado seja o Coração amabilíssimo de Jesus que, com tanta bondade e misericórdia, manifestou ao mundo os inesgotáveis tesouros e riquezas infinitas que encerra o seu Coração adorável. Amém.

Pai nosso, Ave Maria e Glória.

Louvado, exaltado e glorificado seja o Coração clementíssimo de Jesus, que determinou renovar o mundo por meio da devoção e culto do seu adorável Coração. Amém.

Pai nosso, Ave Maria e Glória.

Louvado, exaltado e glorificado seja o Coração diviníssimo de Jesus, unido pessoalmente ao Verbo divino, santo com a santidade de Deus, rio caudaloso e fonte da água viva que mana até a vida eterna. Amém.

Pai nosso, Ave Maria e Glória.

Louvado, exaltado e glorificado seja o Coração adorável de Jesus, digníssima residência da caridade eterna, oceano de bondade infinita e trono das misericórdias que o Todo-Poderoso dispensou aos homens. Amém.

Pai nosso, Ave Maria e Glória.

Louvado, exaltado e glorificado seja o Coração benigníssimo de Jesus, asilo e refúgio dos pecadores, conforto dos aflitos, perseverança dos justos, esperança segura dos moribundos e descanso eterno dos Santos. Amém.

Pai nosso, Ave Maria e Glória.

ORAÇÃO

Ó Coração dulcíssimo de Jesus, o mais santo, o mais terno e o mais amável e bondoso de todos os corações! Ó Coração, vítima de amor, eterno gozo do empíreo, conforto e esperança última do mísero mortal: ouvi as nossas súplicas, e cheguem a Vós os nossos gemidos e clamores. No vosso amoroso seio, terno e carinhoso, nos acolhemos na presente necessidade, como se acolhe confiado o menino no regaço de sua querida mãe, persuadidos de que havemos de achar em Vós quanto no presente necessitamos; porque o vosso amor e ternura para conosco excedem sem comparação aos que tiveram e terão todas as mães juntas para com seus filhos. Lembrai-Vos, ó Coração entre todos o mais fiel e generoso, das magníficas e consoladoras promessas que fizestes à vossa esposa Santa Margarida, de conceder, com mão larga e dadivosa, especiais auxílios e favores a todos os que recorrerem a Vós, verdadeiro tesouro de graça e misericórdia. Vossas palavras, Senhor, devem ser cumpridas; antes passarão o céu e a terra do que vossas promessas deixem de se realizar. Por isso, com a confiança que pode inspirar um pai a seu filho muito querido, nos prostramos diante de Vós, e, com os olhos fitos em Vós, ó amante e compassivo Coração, humildemente Vos rogamos acedais propício à prece que Vos fazem estes filhos de vossa doce Mãe.

Apresentai, ó amabilíssimo Redentor, ao vosso Eterno Pai as feridas e chagas que em vosso corpo sacratíssimo recebestes, particularmente a do lado, e nossas súplicas serão escutadas, e nossos desejos satisfeitos. Se o quiserdes, dizei apenas uma palavra, ó Coração Onipotente, e logo experimentaremos os efeitos da vossa virtude infinita, porque ao vosso império e vontade se sujeitam e obedecem o céu, a terra e os abismos. Não sirvam de obstáculos nossos pecados e as injúrias com que Vos ofendemos, para que deixeis de compadecer-Vos dos que bradam a Vós; mas antes, esquecendo a nossa ingratidão e perfídia, derramai com abundância sobre nossas almas os inesgotáveis tesouros de graça e misericórdia que em vosso Coração se encerram, para que, depois de ter-Vos servido fielmente nesta vida, possamos entrar nas moradas eternas da glória, para cantar, sem fim, vossas misericórdias, ó amante Coração, digno de suma honra e glória, por todos os séculos dos séculos. Amém.

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

FOTO DA SEMANA

'Cresci como a vinha de frutos de agradável odor, e minhas flores são frutos de glória e abundância' (Eclo 24, 23)

domingo, 23 de setembro de 2018

O MAIOR DE TODOS É O QUE SERVE A TODOS

Páginas do Evangelho - Vigésimo Quinto Domingo do Tempo Comum


'Onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más' (Tg 3, 16). Com efeito, toda sorte de males advém da inveja e das paixões desregradas do homem, que se pauta em ter cada vez mais e invejar no outro tudo aquilo que ainda não se tem. Não é esse o caminho da graça, nem a via da santidade. Jesus, no evangelho deste domingo, vai mostrar aos seus discípulos que a primazia da alma é forjada no cadinho da humildade.

Após a extraordinária experiência no Monte Tabor, Jesus seguia agora, rodeado apenas pelos seus discípulos e, mais uma vez, lhes anunciara o mistério de sua Paixão e Ressurreição: 'O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará' (Mc 9, 31). Mas os apóstolos ainda estavam demasiado presos à ideia de um reino terreno, pautado por poderes mundanos. E era a ambição de um poder maior em relação aos demais o que minava os sentimentos daqueles homens nos caminhos da Galileia.

Jesus vai interpelá-los sobre as murmurações de uns e outros pelo caminho; e o silêncio da resposta é o testemunho de que haviam estado até então submissos aos grilhões da inveja e das rivalidades. Estremecidos os corações diante da Verdade, são todos acolhidos na misericórdia do Bom Pastor que lhes revela: 'Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!' (Mc 9, 35). A primazia da graça é o serviço do bem desprovido de honras e vaidades humanas: o maior de todos é o que serve a todos; a humildade é a virtude que eleva o homem às vias mais plenas da santidade!

E, para ilustrar a dimensão da verdadeira humildade, Jesus a insere no contexto sublime da inocência pura de uma criança: 'Quem acolher em meu nome uma destas crianças, é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher, está acolhendo, não a mim, mas àquele que me enviou' (Mc 9, 37). Possuir uma inocência infantil é possuir a própria sabedoria de Deus, pois nela não prospera as ambições, nem a inveja, nem as rivalidades, nem as desordens ou qualquer espécie de obras más e porque 'a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento' (Tg 3, 17).

50 ANOS DA MORTE DO PADRE PIO

(1887 - 1968)

Francesco Forgione nasceu em Pietrelcina (Itália) no dia 25 de maio de 1887 e faleceu santamente como Padre Pio, em San Giovanni Rotondo (Itália), em 23 de setembro de 1968

Pais do Padre Pio: Grazio Mario Forgione (1860–1946) e Maria Giuseppa de Nunzio Forgione (1859–1929)

Batismo do Padre Pio (26/05/1887): Igreja de Santa Ana e pia batismal


(fotografia mais antiga conhecida do Padre Pio)

Ordenado sacerdote em 10 de agosto de 1910, dedicou toda a sua vida ao ministério da confissão e à salvação das almas. 


Possuía dons extraordinários na forma de estigmas (feridas nas mãos, nos pés e no peito, como as recebidas por Nosso Senhor Jesus Cristo na crucifixão), de milagres diversos e o dom da bilocação (estar em dois lugares ao mesmo tempo).

A santidade do Padre Pio é uma expressão da santidade de Deus, não apenas pelos seus tantos carismas particulares, mas pelas inúmeras perseguições que, desde que ele recebeu os estigmas, o acompanharam sempre até a morte (impedimentos e proibições de toda espécie, segregação e injúrias), aceitas com absoluta resignação: “Aceitar as provações que o Senhor permite ou suscita, para nos santificarmos e nos identificarmos com as injúrias sofridas por Cristo em toda sua vida, e particularmente na sua Paixão e Morte na Cruz, para salvar os homens até o fim dos séculos”. 


Pouco antes de morrer, ao lhe ser solicitado uma última orientação espiritual, assim o fez: 'Amate la Madonna. Fatela amare. Recitate la Coronna. Recitatela bene' (Amai a Nossa Senhora. Fazei-a amar. Rezai o Rosário. Rezai-o bem). 


Foi canonizado em 16 de junho de 2002 pelo Papa João Paulo II, na praça de São Pedro. Em 28 de fevereiro de 2008, seu corpo foi exumado – sendo encontrado incorrupto – e colocado numa urna de cristal, onde se encontra atualmente para exposição pública e veneração dos fiéis.


Ver no Blog - Especial Padre Pio:

(continua)

sábado, 22 de setembro de 2018

A SUBLIME VIRTUDE DA CASTIDADE

'Cuidai com esmero da castidade e também das virtudes que a acompanham e a salvaguardam: a modéstia e o pudor. Não olheis com ligeireza as normas, tão eficazes, que nos ajudam a conservarmo-nos dignos do olhar de Deus: a guarda atenta dos sentidos e do coração; a valentia de ser covarde para fugir das tentações; a frequência dos sacramentos, especialmente da confissão sacramental; a sinceridade total na direção espiritual pessoal; a dor, a contrição e a reparação depois das faltas. E tudo isto ungido com uma terna devoção a Nossa Senhora, de modo que ela nos obtenha de Deus o dom de uma vida limpa e santa'.

(São Josemaria Escrivá)


'Santo Ambrósio diz que a pureza nos eleva até ao Céu e nos faz deixar a Terra, enquanto é possível a uma criatura deixá-la. Ela eleva-nos por sobre a criatura corrompida e, pelos seus sentimentos e desejos, faz-nos viver da mesma vida dos anjos. Segundo São João Crisóstomo, a castidade de uma alma é de um preço aos olhos de Deus maior do que a dos anjos, pois os cristãos só podem adquirir esta virtude pelo combate, enquanto que os anjos a têm por natureza. Os anjos não têm nada a combater para conservá-la, enquanto que um cristão é obrigado a fazer uma guerra contínua a si mesmo. São Cipriano acrescenta que a castidade nos torna não apenas semelhantes aos anjos mas dá-nos ainda um caráter de semelhança com o próprio Jesus Cristo. Uma alma casta é uma imagem viva de Deus sobre a terra.
(São João Maria Vianney)


'A juventude não vive para o prazer, vive para o heroísmo. É um fato: a um jovem é necessário heroísmo para resistir às tentações que o envolvem, para acreditar numa doutrina desprezada, para conseguir fazer face aos argumentos, à blasfêmia, aos gracejos dos livros, aos jornais, para resistir à sua família e aos seus amigos, para estar só contra todos, para ser fiel contra todos. Mas 'tende coragem, porque eu venci o mundo'. Não acredites que ficarás diminuído, antes pelo contrário ficarás aumentado.

É através da virtude que se é homem. A castidade tornar-te-á vigoroso, apto, vigilante, penetrante, claro como o toque da trombeta e esplêndido como o sol da manhã. A vida parecer-te-á cheia de encanto e de seriedade, um mundo de sentido e de beleza. À medida que avançares as coisas parecer-te-ão mais fáceis, os obstáculos que julgavas intransponíveis far-te-ão sorrir...

Há uma passagem na tua carta que me faz rir. É aquela em que me dizes que tens medo de encontrar na religião o fim da procura e da luta. Ah, caro amigo, no dia em que receberes Deus, terás contigo o hóspede que te não dará mais momento de repouso. Não vim trazer a paz mas a espada. Será o grande fermento que fará rebentar todos os vasos, será a luta contra as paixões, a luta contra as trevas do espírito, não aquela em que se é vencido, mas a de que se sai vencedor'.
(Paul Claudel, poeta francês)

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

FOTO DA SEMANA

'Aquele que me enviou está comigo; Ele não me deixa sozinho, porque faço sempre o que é do seu agrado' (Jo 8, 29) 

CATECISMO MAIOR DE PIO X (XI)

Guerra aberta contra Jesus 

101. Estes triunfos de Jesus desde o início despertaram a inveja dos escribas e fariseus, dos príncipes e sacerdotes e dos chefes do povo, inveja que se intensificou em extremo quando Ele começou a desmascarar sua hipocrisia e a reprovar seus vícios. Logo passaram a persegui-lo e a desacreditá-lo até acusá-lo de endemoninhado, procurando maneiras de fazê-lo cair em contradição, para desautorizá-lo diante do povo, e acusá-lo ao governador romano. Esta inveja foi sempre crescendo e se agravou ainda mais quando, depois da ressurreição de Lázaro, o número de judeus que creram nEle aumentou enormemente. Então, deliberaram matá-lo, e o pontífice Caifás terminou com estas palavras: 'É necessário que morra um homem pelo povo para que não pereça toda uma nação', confirmando assim, sem saber, uma profecia, porque, na verdade, através da morte de Jesus, o mundo seria salvo. 

Causa de ódio extremo - Traição de Judas 

102. Finalmente, o seu ódio veio à tona quando, perto da Páscoa (era a quarta que celebrava em Jerusalém depois de iniciada sua vida pública), a cidade estava repleta de visitantes de toda a parte para a festa. Jesus, sentado sobre um jumentinho, entrou triunfante e foi aclamado pelo povo que, com palmas e ramos de oliveira, havia saído a seu encontro, enquanto alguns estendiam suas vestes no chão e outros cortavam ramos de árvores e os espalhavam pelo caminho. 

103. Então os anciãos do povo, os príncipes dos sacerdotes e os escribas, reunindo-se em casa do pontífice Caifás concordaram em prender Jesus às escondidas, com medo de que a multidão se revoltasse. A ocasião não se fez por esperar. Judas Iscariotes, possuído pelo demônio da avareza, ofereceu-se para entregar-lhes o divino Mestre pela quantia de trinta moedas de prata.

Última ceia de Jesus Cristo e instituição do sacramento da Eucaristia 

104. Era o dia em que se deveria sacrificar e comer o cordeiro pascal. Chegando a hora marcada, veio Jesus para a casa onde Pedro e João, instruídos por Ele, haviam organizado todo o necessário para a ceia e sentaram-se à mesa. 

105. Nesta última ceia, Jesus deu aos homens a maior prova de seu amor, instituindo o Sacramento da Eucaristia. Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo 

106. Terminada a ceia, nosso divino Redentor deixou a cidade acompanhado de seus Apóstolos, dizendo-lhes pelo caminho as coisas mais ternas e dando-lhes os ensinamentos mais sublimes, foi, segundo seu costume, para o jardim do Getsêmani, onde, pensando em sua paixão próxima, orando e oferecendo seu sacrifício ao Pai Eterno, suou sangue vivo e foi confortado por um Anjo.

107. Veio Judas, o traidor, à frente de um esquadrão de bandidos armados com paus e espadas, e deu um beijo em Jesus, que era o sinal combinado para que fosse reconhecido. Jesus, abandonado pelos Apóstolos, que haviam fugido de medo, viu-se, em seguida, preso e amarrado por aqueles carrascos e, com todo tipo de maus tratos, foi arrastado primeiramente à casa de um príncipe dos sacerdotes chamado Anás, e depois à de Caifás, pontífice que naquela mesma noite reuniu o grande Sinédrio, declarando Jesus réu de morte. 

108. Dissolvido o conselho de juízes, Jesus foi entregue aos carrascos, que durante aquela noite O injuriaram e O ultrajaram com bárbaros tratamentos. Nessa mesma dolorosa noite, Pedro também amargurou o Coração de Jesus negando-O três vezes. Mas tocado pelo olhar de Jesus, caiu em si e chorou seu pecado por toda a vida. 

109. Depois do amanhecer, havendo mais uma vez se reunido o Sinédrio, Jesus foi levado para o governador romano Pôncio Pilatos, a quem o povo pediu, aos gritos, que o condenasse à morte. Pilatos reconheceu a inocência de Jesus e a perfídia dos judeus, e tentou salvá-lo; e devendo dar liberdade a um malfeitor por ocasião da Páscoa, deixou ao povo que escolhesse entre Jesus e Barrabás. O povo escolheu Barrabás. Sabendo, então, Pilatos que era galileu, enviou-o a Herodes Antipas, de quem foi desprezado e tratado como louco, e depois devolvido vestido em uma túnica branca por escárnio. Por fim, Pilatos o fez flagelar pelos algozes, que depois de haver feito dEle todo uma chaga, com insulto atroz cravaram-lhe em sua cabeça uma coroa de espinhos, sobre os seus ombros um pano de cor púrpura, uma cana na mão, e dEle escarneciam saudando-o por rei. Mas não sendo nada disto suficiente para abrandar a fúria de seus inimigos e da multidão amotinada, Pilatos condenou-o a morrer na cruz. 

110. Jesus, então, teve que carregar sobre as costas o duro madeiro da cruz e levá-lo até o Calvário, onde, despido, regado com fel e mirra, cravado na cruz e elevado entre dois ladrões, mergulhado num mar de angústias e dores, depois de três horas de penosíssima agonia, expirou rogando por todos que o crucificavam, que nem por isso cessavam sua crueldade para com Ele. Mesmo morto, traspassaram-lhe cruelmente o coração com uma lança. 

111. Nenhuma mente humana pode conceber, nenhuma língua é capaz de dizer o que Jesus teve que padecer na noite de sua prisão, nos diversos caminhos de um e outro tribunal, na flagelação e na coroação de espinhos, na crucificação, e, sobretudo, em sua prolongada agonia! Somente o amor, que foi a causa, pode despertar uma pálida imagem de tudo isso nos corações agradecidos. Maria Santíssima assistiu com sobre-humana fortaleza a morte de seu Filho, e uniu o martírio de seu coração às dores dEle para a redenção da raça humana. O Pai celestial fez que a divindade de Jesus Cristo resplandecesse em sua morte, como tinha feito em sua vida; estando na cruz o sol escureceu e a terra cobriu-se com espessíssimas trevas, e ao expirar, a terra tremeu com espantoso terremoto, rasgando-se de cima abaixo o véu do templo, e muitos mortos, saídos dos sepulcros, foram vistos em Jerusalém e apareceram a muitos... 

(Do Catecismo Maior de Pio X)

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

VIDA DO PADRE PIO EM FATOS E FOTOS (VI)


Em certa ocasião, Padre Pio confidenciou ao Irmão Modestino Fucci, porteiro do convento, que padecia as dores mais terríveis quando tinha que trocar suas camisetas. Quando, em 4 de fevereiro de 1971, a Modestino foi atribuída a tarefa de fazer um inventário de todos os pertences do Padre há pouco falecido, o frade descobriu uma camiseta com uma grande mancha de sangue na região do ombro direito.


Naquela noite, pediu a Padre Pio em oração para esclarecê-lo sobre o significado da camiseta manchada de sangue. Ele acordou então de madrugada sentindo uma dor excruciante no ombro, como se tivesse sido ferido a faca até o osso. Ele sentiu que iria morrer da dor mas esta se esvaiu de repente e ele sentiu a cela cheia de perfume de flores e ouviu uma voz interior dizendo: Cosi ho sofferto io! - 'Era isso que eu sofria!'


quarta-feira, 19 de setembro de 2018

PALAVRAS DE SALVAÇÃO


Se soubéssemos claramente em que lugar Deus coloca cada um de nós, aceitaríamos tal decisão sem nunca nos colocarmos nem acima nem abaixo desse lugar. Mas, no nosso estado presente, os decretos de Deus estão envoltos em trevas e a sua vontade nos está oculta. Por isso, o mais seguro, de acordo com o conselho da própria Verdade, é escolhermos o último lugar, de onde nos tirarão depois com honra, para nos darem um melhor. Ao passarmos debaixo de uma porta muito baixa, podemos baixar-nos tanto quanto quisermos sem nada temer; mas, se nos levantarmos um dedo que seja acima da altura da porta, bateremos com a cabeça. É por isso que não devemos recear nenhuma humilhação, mas antes temer e reprimir o menor movimento de auto-suficiência.

Não vos compareis, nem com os que são maiores que vós, nem com os vossos inferiores, nem com quaisquer outros, nem sequer com um só. Que sabeis sobre eles? Imaginemos um homem que parece o mais vil e desprezível de todos, cuja vida infame nos horroriza. Pensais que o podeis desprezar, não só por comparação convosco mesmos, que aparentemente viveis em sobriedade, justiça e piedade, mas até por comparação com outros malfeitores, dizendo que ele é o pior de todos. Mas sabeis se ele não será um dia melhor que vós e se o não é já aos olhos do Senhor? Por isso é que Deus não quis que ocupássemos um lugar intermédio, nem o penúltimo, nem sequer um dos últimos, mas disse: 'Toma o último lugar', a fim de ficarmos verdadeiramente sós na última fila. Desse modo não pensareis, já não digo em preferir-vos, mas simplesmente em comparar-vos com quem quer que seja.
(São Bernardo)

terça-feira, 18 de setembro de 2018

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (XVII)

SEGUNDA SEÇÃO 

Estudo concreto dos meios que o homem deve empregar para voltar para Deus


DOS ATOS BONS E MAUS EM PARTICULAR - VIRTUDES TEOLOGAIS 

Quais são as mais nobres entre as virtudes e aquelas cujos atos têm maior transcendência? 
As teologais.

Por que? 
Porque, por meio delas, o homem se encaminha para o fim sobrenatural, na medida que pode e deve procurar realizá-lo neste mundo. 

Logo, sem as virtudes teologais, não pode o homem executar atos meritórios de prêmio sobrenatural? Não, Senhor. 

Quais e quantas são elas? 
Três: Fé, Esperança e Caridade. 

II 

DA NATUREZA DA FÉ — FÓRMULA E QUALIDADES DE SEUS ATOS — O CREDO PECADOS OPOSTOS À FÉ: INFIDELIDADE, HERESIA, APOSTASIA E BLASFÊMIA 

Que coisa é a fé? 
Uma virtude sobrenatural, por cujo influxo o entendimento adere irrestritamente e sem temor de errar a Deus, como fim e objeto da eterna bem-aventurança, e às verdades por Ele reveladas, ainda que as não compreenda (I, II, IV)*.

Como pode o entendimento admitir de modo tão absoluto verdades que não compreende? 
Baseando-se na autoridade de Deus que nem pode enganar-se, nem enganar-nos (I, 1). 

Por que Deus não pode enganar-se nem enganar-nos? 
Porque é a verdade por essência (I, 1; IV, 8). 

Como podemos certificar-nos de quais sejam as verdades reveladas por Deus? 
Mediante o testemunho daqueles a quem as revelou ou daqueles a quem confiou o depósito da revelação (I, 6-10). 

A quem as revelou? 
Primeiramente a Adão, no Paraíso; mais tarde, aos Profetas do Antigo Testamento; por último, aos Apóstolos no tempo de Jesus Cristo (I, 7). 

Como o sabemos? 
Pelas asserções bem comprovadas da história a que se referem o fato da revelação sobrenatural e os milagres realizados por Deus, em testemunho de sua autenticidade. 

É o milagre prova concludente da intervenção sobrenatural divina? 
Sim, Senhor; visto que é ato próprio de Deus e nenhuma criatura pode realizá-lo com seus próprios meios. 

Onde se acha escrita a história da revelação e de outras ações sobrenaturais de Deus? 
Na Sagrada Escritura, chamada também a Bíblia. 

Que entendeis por Sagrada Escritura? 
Uma coleção de livros divididos em dois Grupos, chamados Antigo e Novo Testamento. 

São talvez estes livros resumo e síntese de outros livros? 
Não, Senhor; porque os demais livros foram escritos pelos homens, e estes pelo próprio Deus. 

Que quer dizer 'que foram escritos pelo próprio Deus'? 
Que Deus é seu autor principal e que, para escrevê-los, utilizou, à maneira de instrumentos, alguns homens por Ele escolhidos. 

Logo, é divino o conteúdo dos livros sagrados? 
Atendendo ao primeiro autógrafo original dos Escritores Sagrados, sim, Senhor; as cópias o são na medida em que se conformem com o original.  

Logo, a leitura destes livros equivale a ouvir a palavra divina? 
Sim, Senhor. 

Podemos equivocar e torcer o sentido da divina palavra? 
Sim, Senhor; porque, se bem que na Sagrada Escritura há passagens claríssimas, também abundam as difíceis e obscuras. 

Donde provém a dificuldade de entender a palavra divina? 
Em primeiro lugar, dos mistérios que encerra, visto que não raro enuncia verdades superiores ao alcance das inteligências criadas, e que somente Deus pode compreender; provém além disso da dificuldade que existe em interpretar livros antiquíssimos, escritos primeiramente para povos que tinham idioma e costumes muito diferentes dos nossos; finalmente, dos equívocos que tenham podido escapar tanto nas cópias como nos originais, como nas traduções feitas por elas e em suas cópias. 

Há alguém que esteja seguro de não se equivocar ao interpretar o sentido da palavra de Deus consignada na Bíblia Sagrada? 
Sim, Senhor; o Pontífice Romano e com ele a Igreja Católica, no magistério universal (I, 10). 

Por que? 
Porque Deus quis que fossem infalíveis. 

E por que o quis? 
Porque, se o não fossem, careceriam os homens de meios seguros para alcançar o fim sobrenatural para que estão chamados (Ibid). 

Por conseguinte, que entendemos quando se diz que o Papa e a Igreja são infalíveis em matéria de fé e costumes? 
Que quando enunciam e interpretam a palavra divina, não podem enganar-se nem enganarnos no referente ao que estamos obrigados a crer e a praticar para conseguirmos a bem aventurança eterna. 

Existe algum compêndio das verdades essenciais da fé? 
Sim, Senhor; o Credo ou Símbolo dos Apóstolos (1,6). Ei-lo aqui conforme o reza diariamente a Igreja: 'Creio em Deus Pai Todo Poderoso, Criador do Céu e da terra; e em Jesus Cristo seu único Filho, Nosso Senhor, o qual foi concebido do Espírito Santo; nasceu de Maria Virgem; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu aos infernos; ao terceiro dia ressuscitou de entre os mortos; subiu aos céus e está sentado à mão direita de Deus Pai, Todo Poderoso; donde há de vir a julgar os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na Comunhão dos Santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém'. 

É a recitação do Credo ou Símbolo dos Apóstolos o ato de fé por excelência? 
Sim, Senhor; e nunca devemos cessar de recomendar aos fiéis a sua prática diária. 

Podereis indicar-me alguma outra fórmula breve, exata e suficiente para praticar a virtude da fé sobrenatural? 
Sim, Senhor; eis aqui uma, em forma de súplica: 'Deus e Senhor meu; confiado em vossa divina palavra, creio tudo o que haveis revelado para que os homens, conhecendo-Vos, Vos glorifiquem na terra e gozem um dia de vossa presença no céu'. 

Quem pode fazer atos de fé? 
Somente os que possuem a correspondente virtude sobrenatural (IV, V). 

Logo, não podem fazê-los os infiéis? 
Não, Senhor; porque não creem na Revelação, ou seja porque, ignorando-a, não se entregam confiadamente nas mãos de Deus, nem se submetem ao que deles exige ou porque, conhecendo-a, recusam prestar-lhe assentimento (X). 

Podem fazê-los os ímpios? 
Tampouco, porque, se bem que têm por certas as verdades reveladas, fundadas na absoluta veracidade divina, a sua fé não é efeito de acatamento e submissão a Deus, a quem detestam, ainda que com pesar próprio se vejam obrigados a confessá-lo (V, 2 ad 2). 

É possível que haja homens sem fé sobrenatural e que creiam desta forma? 
Sim, Senhor; e nisto imitam a fé dos demônios (V, 2). 

Podem crer os hereges com fé sobrenatural? 
Não, Senhor; porque, embora admitam algumas verdades reveladas, não fundam o assentimento na autoridade divina, senão no próprio juízo (V, 3). 

Logo, os hereges estão mais afastados da verdadeira fé que os ímpios e até dos próprios demônios? Sim, Senhor; porque não se apoiam na autoridade de Deus. 

Podem crer com fé sobrenatural os apóstatas? 
Não, Senhor; porque desprezam o que haviam crido por virtude da palavra divina (XII). 

Podem crer os pecadores com fé sobrenatural? 
Podem, contanto que conservem a fé como virtude sobrenatural; e podem tê-la, se bem que em estado imperfeito, ainda quando, por efeito do pecado mortal, estejam privados da caridade (IV, 1-4). 

Logo, nem todos os pecados mortais destroem a fé? 
Não, Senhor (X, 1, 4). 

Em que consiste o pecado contra a fé chamado infidelidade? 
Em recusar submeter o entendimento, por veneração e amor de Deus, às verdades sobrenaturalmente reveladas (X, 1-3). 

E, sempre que isto sucede, é por culpa do homem? 
Sim, Senhor; porque resiste à graça atual com que Deus o convida e impele a submeter-se (VI, 1, 2). 

Concede Deus esta graça atual a todos os homens? 
Com maior ou menor intensidade e em medida prefixada nos decretos de sua providência, sim, Senhor. 

É grande e muito estimável a mercê que Deus nos faz ao infundir-nos a virtude da fé? 
É em certo modo a maior de todas. 

Por que? 
Porque, sem a fé sobrenatural nada podemos intentar em ordem à nossa salvação, e estamos perpetuamente excluídos da glória, se Deus não se digna a nos concedê-la antes da morte (II, 5-8, IV, 7). 

Logo, quando se tem a dita de possuí-la, que pecado será, frequentar companhias, manter conversações ou dedicar-se a leituras capazes de fazê-la perder? 
Pecado gravíssimo, fazendo-o espontânea e conscientemente, e de qualquer modo ato reprovável, que sempre o é, expor-se a semelhante perigo. 

Logo, importa sobremaneira escolher com acerto as nossas amizades e leituras para encontrar nelas, não obstáculos mas estímulos para arraigar a fé? 
Sim, Senhor; e especialmente nesta época, em que o descontrole de expressão, chamado liberdade de imprensa, oferece tantas ocasiões e meios de perdê-la. 

Existe algum outro pecado contra a fé? 
Sim, Senhor; o pecado da blasfêmia (XIII). 

Por que a blasfêmia é pecado contra a fé? 
Por ser diretamente oposta ao ato exterior da fé que consiste em confessá-la por palavras, e a blasfêmia consiste em proferir palavras injuriosas contra Deus e seus Santos (XIII, 1). 

É sempre pecado grave a blasfêmia? 
Sim, Senhor (XIII, 2-3). 

O costume de proferi-las escusa ou atenua a sua gravidade? 
Em vez de atenuá-la, agrava-a, pois o costume demonstra que se deixou arraigar pelo mal, em lugar de dar-lhe remédio (XIII, 2 ad 3). 

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular)