quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

10 MANEIRAS DO CATÓLICO PASSAR O CARNAVAL

1. No silêncio e no anonimato de tua oração fervorosa, aplaque a cólera de Deus contra os homens mergulhados nas desordens e licenciosidades do carnaval.

2. Pratique, de forma anônima e recata, a piedade e a caridade extremadas a muitos de teus próximos, nestes terríveis dias da insensatez humana!

3. Afaste-se completamente de todos os espetáculos, desordens, sensualidades e demais loucuras daqueles que se embriagam dos prazeres do carnaval pela força dos costumes.

4. Reflita, de forma muito especial e reverente, a memória e a paixão do Senhor nestes dias de carnaval.

5. Busque refúgio no escondimento do mundo, com o firme propósito de manifestar a glória de Deus, nestes dias, por meio da tua vida vivida inteiramente na pequenez e na solidão.

6. Visite o Santíssimo Sacramento durante os dias de carnaval e ofereça a tua oferta de desagravo aos pecados cometidos pelos homens ensandecidos de carnaval.

7. Antecipe a tua preparação, com zelo redobrado, de continência e penitência para a Quaresma.

8. Reze, reze muito, reze o tempo inteiro, com a tua oração, o teu silêncio, o teu descanso, o teu trabalho manual, o teu trabalho mental, com as tuas ações pequenas, simples, cotidianas e boas, oferecendo-as a Cristo em reparação às injúrias e loucuras de tantos homens nestes dias de carnaval.

9. Participe de santas missas, de exercícios ou retiros espirituais ou de atos de adoração, e reze particularmente pelos teus irmãos que dissipam a graça de Deus neste tempo de insanidades.

10. 'Abraça a cruz, enterra-a no seu coração... compadeça de mim e participe da minha dor' (Jesus a Santa Margarida Maria Alacoque).

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

'EM QUEM TE FIAS, Ó INSENSATO HOMEM?'

Que avisos servirão aos concubinários para deixarem seu mau estado e não tornarem a se implicar nele?

Responde-se, primeiramente: importa que a pessoa que anda neste miserabilíssimo cativeiro aprenda e conheça bem o evidente perigo de sua condenação eterna em que vive. Tenha por certo que o demônio lhe tapa os olhos da alma para que não lhe entre algum raio da luz do Céu, com que descubra estas verdades, e assim faça quantas diligências puder por olhar para si e dar lugar à luz da fé e da razão; porque deste conhecimento próprio depende o princípio do seu remédio. 

Que temeridade seria se um homem se pendurasse de um delgado fio, dentro de um poço profundíssimo? Pois diz-me, homem desatinado, que fio pode haver mais quebradiço e fraco que o da vida humana? Ou que poço mais profundo que o do inferno? Tu bem poderás não considerar estas verdades: mas negá-las não podes, ainda que queiras, pois são de fé. É de fé que hoje e agora, logo podes morrer; é de fé que se morres nesse estado, vás a pique ao inferno, e que uma vez caído dentro, não tens remédio enquanto Deus for Deus. 

Pois diz-me: como te atreves a viver no estado em que não te atreves a morrer: Quomodo vivere non times, ubi mori non audes? De quem te fias, néscio? De ti não, porque tu não te podes valer para que vivas mais, ou para que morrendo não te condenes. Do mundo não, porque também te não pode ajudar nem na morte, nem no inferno; e quem pudera, não se lhe dá de ti, nem de ti se lembra. Do demônio a quem serves, também isso não está na sua mão: e ele é o que mais deseja levar-te, e já o teria feito, se Deus lhe desse licença. De Deus, Ele está em grave ódio contigo, porque O ofendes e desprezas, nem te deu palavra de que morrerás só quando estiveres convertido. Pois em quem te fias, ó néscio e insensato?

Olha que este Senhor é de infinita misericórdia e fácil de perdoar e conhece nossa fraqueza. Tudo isto concede, mas que inferes daí? A misericórdia divina é infinita em si, mas não é infinita em todos os seus efeitos; assim como o tesouro de um rei é grande, mas daí não se segue que dá quantas esmolas que cabem na posse desse tesouro. Bem pode a misericórdia de Deus salvar todo o mundo, e contudo é de fé que a maior parte do mundo não se salva: Multi enim sunt vocati, pauci vero electi. 

Pois porventura deixa por isso de ser a misericórdia de Deus infinita ou deixam os maus e obstinados de ir ao inferno? Deus perdoará, se quiser, por sua bondade livre; e não perdoará, se não quiser, por sua vontade justa. Perdoará se te converteres; mas se te não converteres, como esperas que te perdoe? ... Logo, a tua esperança é falsa, pois se funda só na tua apreensão e no desejo dissimulado de que Deus te deixe pecar quanto quiseres e depois te salve, ainda que não queiras... (mas para não) desprezar estas almas, pois ainda podem tornar em si, apontarei aqui as diligências que se hão-de aconselhar a tais desesperados:

1. Cheguem-se muitas vezes ao confessor, ainda que os não absolva.
2. Rezem o Rosário, Coroa ou Terço à Virgem Senhora Nossa todos os dias, ainda que vá mal rezado.
3. Dêem esmolas com afeto de compaixão do pobre e mandem rezar missas por remissão dos seus pecados.
4. Ouçam a palavra de Deus e leiam vidas de santos, ainda que lhes custe repugnância e tormento da consciência.
5. Sirvam na Irmandade do Santíssimo Sacramento, honrando-o, acompanhando-o e despendendo para o seu culto, porque é culto do Senhor.
6. Travem amizade com pessoas que estão em fama de que agradam a Deus e as sirvam e ajudem no que puderem.
7. Olhem devotamente para a Imagem de algum Crucifixo, fazendo por compadecer-se de suas penas, e digam: Misere mihi misero, misericordiosissime Deus: Tende misericórdia deste miserável, ó Deus misericordiosíssimo.

(Excertos da obra 'Armas da Castidade', do Padre Manuel Bernardes)

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

OS SEIS PECADOS CONTRA O ESPÍRITO SANTO

1. Desesperar da salvação: quando a pessoa perde as esperanças na salvação, achando que sua vida já está perdida e que ela se encontra condenada antes mesmo do Juízo. Julga que a misericórdia divina é pequena. Não crê no poder e na justiça de Deus.

2. Presunção de salvação: ou seja, a pessoa cultiva em sua alma uma ideia de perfeição que implica num sentimento de orgulho. Ela se considera salva, pelo que já fez. Somente Deus sabe se aquilo que fizemos merece o prêmio da salvação ou não. A nossa salvação pode ser perdida, até o último momento da nossa vida, e Deus é o nosso Juiz Eterno. Devemos crer na misericórdia divina, mas não podemos usurpar o atributo divino inalienável do Juízo.

3. Negar as verdades da Fé: quando a pessoa não aceita as verdades de fé (dogmas de fé), mesmo após exaustiva explicação doutrinária, como acontece no caso dos hereges. Nestes termos, considera o seu entendimento pessoal superior ao da Igreja e ao ensinamento do Espírito Santo que auxilia o sagrado magistério.

4. Inveja da graça que Deus dá aos outros: a inveja é um sentimento que consiste em irritar-se porque o outro conseguiu algo de bom; é o ato de não querer o bem do semelhante. Se eu invejo a graça que Deus dá a alguém, estou dizendo que aquela pessoa não merece tal graça, me tornando assim o juiz do mundo. Estou me voltando contra a vontade divina imposta no governo do mundo. Estou me voltando contra a Lei do Amor ao próximo. 

5. A obstinação no pecado: vontade firme de permanecer no erro mesmo após a ação de convencimento do Espírito Santo. Não se aceita a ética cristã, mas se cria um próprio critério de julgamento ético ou então simplesmente não se adota ética nenhuma e assim se aparta da vontade de Deus e se rejeita a Salvação.

6. A impenitência final: é o resultado de toda uma vida de rejeição a Deus; o indivíduo persiste no erro até o final, recusando arrepender-se e penitenciar-se, recusa a salvação até o fim. Nem mesmo na hora da morte, tenta se aproximar do Pai, manifestando humildade e compaixão. 

(Do catecismo Maior de São Pio X)

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (XXVI)

XXIII

 PECADOS DE PALAVRA CONTRA A VIRTUDE DA JUSTIÇA — PECADOS DOS ENCARREGADOS DE ADMINISTRAR A JUSTIÇA: POR PARTE DO JUIZ, DO ATO DO JUIZ, DO ACUSADOR, DO ACUSADO, DAS TESTEMUNHAS E DO ADVOGADO 

Além dos pecados de obras, cometem-se também contra o próximo pecados de palavra? 
Sim, Senhor; e dividem-se em duas categorias: uns, em que se incorre no ato de administrar justiça e outros nas ações correntes e ordinárias da vida (LXVII-LXXVI)*. 

Qual é o primeiro pecado na administração da justiça ?
A do Juiz que não julga ou que decide em desacordo com a razão e a equidade natural (LXVII). 

Que qualidades necessita possuir o Juiz para estar à altura do seu cargo? 
Precisa ser uma como uma personificação da Justiça, encarregado pela sociedade de reconhecer e amparar, em seu nome, os direitos daqueles que, achando-se prejudicados, recorrem à sua autoridade (Ibid). 

Logo, a que normas deve ater-se para cumprir dignamente o seu ofício? 
Às seguintes: Não pode conhecer de causas que não sejam de sua jurisdição e incumbência; está obrigado a fundamentar a sentença nos fatos e dados que resultem juridicamente comprovados no processo e tais como as partes os expõem; não deve intervir, se ninguém se queixa, nem reclama justiça; porém, quando interpõe a sua autoridade, deve administrá-la íntegra e imparcial, sem mal entendida compaixão com os delinquentes, quaisquer que sejam as penas que haja de impor-lhes, em conformidade ao direito, quer seja divino quer humano (LXVII, 2,4). 

Qual é o segundo pecado contra a Justiça no ato do Juízo? 
O pecado dos que faltam à obrigação de denunciar, ou acusam injustamente (LXVIII). 

Que entendeis por obrigação de denunciar? 
A que tem todo cidadão que conhece algum ato prejudicial à sociedade de por o autor nas mãos do Juiz, para que aplique a devida sanção. Só a impossibilidade de provar juridicamente o fato o excusa deste dever (LXVIII, 1). 

Quando dizeis que é injusta a acusação? 
Quando maliciosamente se imputa a alguém um crime que não cometeu e também quando não se persegue, como a Justiça requer, o crime, quer entendendo-se fraudulentamente com a parte contrária, quer desistindo, sem motivo, da acusação (LXVIII, 3). 

Qual é o terceiro pecado contra a Justiça, no ato do Juízo? 
O do acusado que não conforma o seu proceder com as normas do direito (LXIX). 

Quais são as normas do direito a que deve ajustar-se o acusado, sob pena de pecar contra a Justiça? 
Tem obrigação de dizer a verdade quando o Juiz, no uso das suas atribuições, lhe perguntar e a de não empregar em sua defesa meios reprováveis (LXIX, 1,2). 

Pode o acusado apelar da sentença condenatória? 
Já que nenhum acusado tem direito de defender-se empregando meios ilícitos, não pode apelar de uma sentença justa com o fim exclusivo de ganhar tempo e retardar a execução; quando, porém, for vítima de uma injustiça manifesta e, sempre dentro dos limites que a lei lhe faculta, pode apelar da sentença condenatória (LXIX, 3). 

Pode um condenado à morte resistir à execução da sentença? 
Se a condenação é injusta, pode resistir, usando, se for preciso, astúcia e violência, contanto que evite o escândalo. Se a sentença é justa, tem o dever de sofrer a execução sem opor resistência. Pode, apesar disso, fugir, se achar ocasião propícia, pois ninguém é obrigado a cooperar para a sua própria morte (LXIX, 4). 

Qual é o quarto pecado que pode cometer-se contra a justiça, no ato do Juízo? 
O das testemunhas que faltam ao seu dever (LXX). 

De quantas maneiras podem faltar as testemunhas à sua obrigação? 
Abstendo-se de declarar, não só quando lhes requer a autoridade judicial a que estão obrigados a obedecer no concernente à administração da justiça, mas também quando seja necessária a sua declaração para evitar dano de terceiro e, com maior razão, quando prestam declarações falsas (LXX, 1.4). 

A declaração judicial falsa é sempre pecado mortal? 
Sim, Senhor; porque ainda que, pela razão da parvidade da matéria, possa ser venial em determinadas ocasiões, é sempre mortal em atenção ao perjúrio e também à injustiça quando atenta contra alguma causa justa (LXX, 4). 

Que outros pecados se cometem contra a Justiça no ato do Juízo? 
Os dos advogados, quando se negam a patrocinar uma causa justa e não é possível recorrer a outro; quando defendem causa injusta, especialmente em assuntos cíveis e quando exigem por seu trabalho retribuição excessiva (LXX, 1, 3, 4). 

XXIV 

PECADOS DE PALAVRA NOS ATOS ORDINÁRIOS DA VIDA: INJÚRIA, DIFAMAÇÃO (MALEDICÊNCIA E CALÚNIA), MURMURAÇÃO, IRRISÃO E MALDIÇÃO 

Quais são as injustiças de palavra que na vida se cometem contra o próximo? 
São as de injúria, difamação, murmuração, irrisão e maldição (LXXII - LXXVI). 

Que entendeis por injúria? 
Entendem-se por injúria, insulto, ultraje e, às vezes, por menosprezo, censura e repreensão, as palavras que se usam para qualificar excessos ou injustiças, o fato de afrontar a alguém por palavra ou obra, agravando-o tanto na honra, como no respeito e consideração que se lhe merece (LXXII, 1). 

A injúria é pecado mortal? 
Quando as palavras ou fatos constituem por sua natureza ultraje grave e existe intenção formal de ofender, sim, Senhor; porém, será venial, apesar do exposto, quando a honra do ofendido não fica seriamente comprometida ou falta no agressor intenção de injuriar (LXXII, 2). 

Têm todos os homens obrigação estrita de justiça de tratar os outros, quaisquer que sejam, com a devida consideração e respeito? 
Sim, Senhor; visto que este respeito mútuo é de grande importância para a boa harmonia nas relações sociais (LXXII, 1-3). 

Em que se funda e qual é a importância desta obrigação? 
Funda-se em ser a honra um dos bens que os homens têm em maior estima, e, por consequência, há obrigação de tratar com as devidas considerações até os mais humildes e pequenos, sempre em harmonia com a sua condição; afrontá-los, deprimi-los, humilhá-los com olhares, gestos e palavras é mortificá-los naquilo que mais amam (Ibid).

Logo, estamos obrigados a evitar em presença de outros, qualquer palavra ou fato que possa mortificá-los, humilhá-los ou entristecê-los? 
Sim, Senhor (Ibid). 

A ninguém é permitido afastar-se desta regra?
A ninguém, exceto aos superiores, com o fim exclusivo de corrigir os seus súbditos, quando realmente o mereçam, ainda que, neste caso, jamais devem fazê-lo alucinados pela paixão, nem com formas e modos arrebatados ou indiscretos (LXXII, 2 ad 2). 

Como devemos portar-nos com os que nos injuriam e ofendem? 
A caridade e a mesma justiça podem exigir que não deixemos impunes os atentados diretos ou indiretos contra a nossa honra ou de outras pessoas que nos estão confiadas. Porém, ao reprimir a audácia do ofensor, devemos guardar a circunspecção precisa e sobretudo o modo de não devolver novo agravo ou injustiça (LXXII, 3). 

Que entendeis por difamação? 
No sentido estrito, consiste em atentar por meio de palavras contra a reputação e bom nome do nosso próximo, ou em fazer-lhe perder, total ou parcialmente, e sem razão nem motivo justificado, a estima e consideração dos outros (LXXIII, 1). 

É a difamação um pecado muito grave? 
Sim, Senhor; porque arrebata ao próximo bens mais estimáveis que a riqueza, objeto do pecado do roubo (LXXIII, 2, 3). 

Quantas classes há de difamação? 
Quatro diretas: imputar ao próximo culpa ou delito que não cometeu; exagerar os seus defeitos, divulgar segredos que lhes sejam desfavoráveis e atribuir-lhe intenções e propósitos torcidos ou. ao menos, suspeitos, nas suas melhores ações (LXXIII, 1. ad 3). 

Existe alguma outra maneira de difamar o próximo? 
Há outra, indireta, que consiste em negar-lhe as suas boas qualidades ou silenciá-las com malícia ou diminuí-las dissimuladamente (Ibid). 

Que entendeis por murmurar ou semear cizânia? 
O pecado do que diretamente se propõe, por meio de frases ambíguas e pérfidas insinuações, introduzir a discórdia entre os que se acham unidos com laços de amizade e mútua confiança (LXXIV, 1). 

É pecado muito grave? 
É o mais grave, odioso e digno de reprovação perante Deus e os homens, de quantos de palavra se cometem contra o próximo (LXXXIV, 2). 

Que entendeis por irrisão? 
A irrisão, zombaria ou chacota injuriosa é um pecado da palavra contra a justiça e consiste em ridicularizar o próximo em sua presença, encontrando nele defeitos e torpezas que lhe façam perder o domínio de si mesmo, nas relações com os outros (LXXV, 1). 

É um pecado grave?
Sim, Senhor; porque envolve desprezo da pessoa e o desestimar e ter em pouco a outrem é ato detestável e digno de reprovação (LXXV, 2). 

Confunde-se a ironia com o pecado de irrisão e tem a mesma gravidade? 
Pode a ironia ser falta venial, quando, com ela, a modo de diversão, se criticam defeitos leves, sem desdenhar, nem ofender as pessoas. Pode acontecer que não seja falta quando não passa de travessura e passatempo inocente e nem haja perigo de mortificar, nem contrariar a quem dela é alvo. De qualquer modo, é um sistema de diversão muito delicado e melindroso e convém usá-lo com extrema prudência (LXXV, 1 ad 1). 

Pode ser a ironia, em alguma ocasião, ato de virtude? 
Manejada com habilidade e delicadeza, é um meio de que pode utilizar-se o superior para admoestar e repreender os súditos e também pode empregar-se entre iguais, a modo de caritativa correção fraterna. 

Que precauções devem tomar-se nestes casos? 
Antes de tudo, deve usar-se com grande tato e discrição, porque, se bem que às vezes pode ser útil abater até limites justos, a vã opinião que de si mesmo têm os propensos à jactância, é preciso também não destruir a segurança e confiança legítima que cada um deve ter em si mesmo, sem a qual se paralisa toda iniciativa e espontaneidade, convertendo a vítima da ironia em um ser tímido e irresoluto, degradado e envilecido aos seus próprios olhos. 

Que relações têm a injúria, a difamação, a murmuração e a irrisão com o hábito vicioso de mal dizer? 
Tem de comum estes vícios o serem pecados de palavra contra o próximo e diferenciam-se em que os quatro primeiros consistem em proposição ou enunciados com que se imputam males ou se negam bens, e a maldição em invocar o mal para que caia sobre os nossos semelhantes. 

É a maldição ou praga ato essencialmente mau? 
Sim, Senhor; porque é desejar o mal pelo mal; por consequência, é sempre por sua natureza, falta grave (LXXVI, 3).

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular)

domingo, 24 de fevereiro de 2019

'AMAI OS VOSSOS INIMIGOS'

Páginas do Evangelho - Sétimo Domingo do Tempo Comum


Nas santas palavras do Evangelho deste domingo, Jesus enuncia aos homens daquele tempo as máximas da caridade divina, não uma, mas duas vezes: 'amai os vossos inimigos' (Lc 6,27 e Lc 6,35). Sim, amai os vossos inimigos uma primeira vez: desejando-lhes todo bem; e amai os vossos inimigos uma segunda vez: fazendo todo bem a eles. Eis a chave de ouro para aqueles que se pretendem 'filhos do Altíssimo' (Lc 6, 35).

Para cumprir estes mandamentos da caridade, Jesus nos apresenta imediatamente três opções concretas: 'fazei o bem aos que vos odeiam, bendizei os que vos amaldiçoam e rezai por aqueles que vos caluniam' (Lc 6, 27-28). Se Deus não nos pede o impossível, também não nos pede o que é fácil: amar nossos inimigos implica um dom extremado da graça e, para alcançá-lo, Jesus nos propõe violentarmos a tibieza da alma e apagar o fogo do egoísmo e do orgulho incandescentes com as águas abundantes da mansidão e da misericórdia: 'Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso' (Lc 6, 36).

No Coração de Deus impera o amor por todos os homens. Pelos justos e pelos injustos, pelos bons e também pelos ingratos e maus. A caridade nasce do amor sem medidas e se detém diante da medida imposta: 'com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos' (Lc 6,38). Ao impor tais limites ao nosso amor humano, amando apenas aqueles que nos amam ou fazendo o bem somente àqueles que nos interessam, nos tornamos reféns de igual julgamento e abortamos as graças da prática de uma verdadeira caridade cristã. Deus não nos impõe regras impossíveis ou obstáculos intransponíveis para alcançarmos as eternas recompensas, mas os frutos da graça não se encontram nas Vinhas do Senhor simplesmente espalhados pelo chão.

Mas como amar aqueles que nos desejam o mal? Como entregar a túnica ao que nos arranca o manto? Como oferecer a outra face à bofetada indigna? Amparados pelas reservas humanas, nada disso seria pertinente ou verossímil e, quase sempre, seria a intempestiva resposta dos instintos. Para torná-las possíveis e, sábias mais que possíveis, o instinto deve ser submerso pelo perdão: 'perdoai e sereis perdoados' (Lc 6, 37). Pelo perdão que Jesus extrapola aos limites mais insondáveis da misericórdia infinita de Deus; com o perdão verdadeiro, nascido e pautado como reflexo da misericórdia que não impõe contenção de medidas e marco limite algum.

sábado, 23 de fevereiro de 2019

23 DE FEVEREIRO - SÃO POLICARPO DE ESMIRNA



São Policarpo nasceu no ano de 69 em Esmirna, cidade grega situada no litoral da Ásia Menor (hoje Izmir, na Turquia). Teve contato direto com alguns dos primeiros apóstolos de Jesus e foi discípulo de São João Evangelista, que o nomeou pessoalmente como bispo de Esmirna, função na qual se destacou como um defensor incansável da unidade da Igreja Primitiva, contra inúmeras heresias da época, as quais combateu duramente, envolvendo-se em várias questões teológicas polêmicas. 

Por ocasião da quarta grande perseguição romana, nos tempos do imperador Marco Aurélio, o Cristianismo foi duramente atacado na Ásia Menor e São Policarpo foi perseguido, preso e conduzido ao martírio pelo fogo. Milagrosamente, porém, o fogo não lhe consumiu as carnes, fazendo um arco em torno do corpo do santo que foi, então, morto a espada. O martírio de São Policarpo foi descrito um ano depois de sua morte, em uma carta datada de 23 de fevereiro de 156, enviada pela igreja de Esmirna, e este documento constitui o registro mais antigo do martirológio cristão existente. Os fatos da sua morte e os eventos milagrosos que se sucederam foram posteriormente ratificados pelos escritos de Santo Irineu de Lyon, o maior dos discípulos deste grande santo da Igreja Primitiva.

22 DE FEVEREIRO - A CÁTEDRA DE PEDRO

A celebração da festa litúrgica da Cátedra de São Pedro no dia 22 de fevereiro tem origem muito antiga e está documentada por sua inclusão num calendário do ano 354 e no Martyrologium Hieronymianum, o mais antigo da Igreja Latina, composto entre 431 e 450. Na pessoa de São Pedro (e de todos os seus sucessores), insere-se o fundamento visível da unidade da Igreja, nascida de Deus e glória de Deus até os confins dos séculos 'porque as portas do inferno não prevalecerão contra ela' (Mt 16,18).

'O chamado de Pedro' (Giorgio Vasari, sem data)

'Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus' (Mt 16, 17-19)

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

O HOMEM QUE CONSTRUIU SOZINHO UMA CATEDRAL

Um ex-monge espanhol, forçado a abandonar a ordem monástica por problemas de tuberculose, encenou, então, uma tarefa hercúlea e inacreditável: construir sozinho uma imensa catedral dedicada a Nossa Senhora do Pilar, na localidade de Mejorada del Campo, nas cercanias de Madrid.

Justo Gallego Martínez (nascido em 1925) é um agricultor e nunca possuiu formação especializada em arquitetura e construção civil. Ainda assim, praticamente sozinho (com eventual ajuda de alguns voluntários), desde 1963 e por mais de 50 anos, tem dedicado a sua vida exclusivamente à construção do templo, num terreno recebido como herança de família. 

Com a venda e aluguel de outros bens herdados e com a ajuda de doações particulares, adquiriu os materiais de construção e pagou a consulta de especialistas em questões mais complexas da obra (o zimbório da catedral, por exemplo, tem cerca de 40m de altura). Atualmente, com mais de 90 anos de idade, continua firme em sua cruzada particular, consciente de que não terá tempo para concluir a obra monumental, cuja finalização coloca, então, 'nas mãos de Deus'.


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

REGRAS PARA BEM ASSISTIR A SANTA MISSA

I. Desde o princípio até que o sacerdote chegue ao altar, deves fazer com ele a preparação, que consiste em te pores na presença de Deus, reconhecer a tua indignidade, e pedir perdão das tuas faltas.

II. Desde que o sacerdote sobe ao altar até ao Evangelho, considera a vinda e a vida de Nosso Senhor neste mundo, fazendo uma consideração simples e geral.

III. Desde o Evangelho até depois do Credo, considera a pregação do Nosso Salvador, protesta querer viver e morrer na fé e na obediência a sua santa palavra e em união com a santa Igreja Católica.

IV. Desde o Credo até ao Pai Nosso, concentra o teu coração nos mistérios da morte e Paixão do nosso Redentor, que são atual e essencialmente representados neste santo Sacrifício que, com o sacerdote e com o resto do povo, oferecerás a Deus Pai, em sua honra e para tua salvação.

V. Desde o Pai Nosso até à Comunhão, esforça-te por despertar em teu coração muitos desejos, almejando ardentemente estar sempre junto e unido a Nosso Senhor com um amor eterno.

VI. Desde a Comunhão até o fim, dá graças à sua divina Majestade pela sua Encarnação, vida, morte e Paixão, e pelo amor de que te dá provas neste santo Sacrifício, pedindo-lhe encarecidamente que por este te seja sempre propício, aos teus parentes, aos teus amigos, e à toda a Igreja. Humilhando-te de todo o coração, recebe devotamente a bênção divina, que Nosso Senhor te dá por meio do seu ministro.

Mas, se queres durante a Missa fazer a tua meditação sobre os mistérios que vais seguindo dia-a-dia, não será preciso que te distraias a fazer estes atos particulares, mas bastará que, no princípio, formes a intenção de querer adorar e oferecer este santo sacrifício pelo exercício da tua meditação e oração, pois que em toda a meditação se encontram os referidos atos, ou expressamente, ou implícita e virtualmente.

(São Francisco de Sales)

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

FOTO DA SEMANA

'Porque está próximo o dia, está próximo o dia do Senhor, dia carregado de nuvens, dia marcado para as nações' (Ez 30, 3)

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

SOBRE O PECADO DA OMISSÃO

A omissão é o pecado que com mais facilidade se comete e com mais dificuldade se conhece; e o que facilmente se comete e dificultosamente se conhece, raramente se emenda. A omissão é um pecado que se faz não fazendo; e pecado que nunca é má obra, e algumas vezes pode ser obra boa, ainda os muito escrupulosos vivem muito arriscados em este pecado.

Estava o Profeta Elias em um deserto metido em uma cova, quando lhe apareceu Deus e lhe disse: 'E bem Elias, vós aqui?' — 'Aqui, Senhor! Pois aonde estou eu? Não estou metido em uma cova? Não estou retirado do mundo? Não estou sepultado em vida? E que faço eu? Não me estou disciplinando, não estou jejuando, não estou contemplando e orando a Deus?' Assim era, pois se Elias estava fazendo penitência em uma cova, como o repreende Deus e isso lhe estranha tanto? Porque ainda que eram boas obras as que fazia, eram melhores as que deixava de fazer. O que fazia era devoção, o que deixava de fazer era obrigação. Tinha Deus feito a Elias profeta do povo de Israel, tinha-lhe dado ofício público; e estar Elias no deserto, quando havia de andar na corte; estar metido em uma cova, quando havia de aparecer na praça; estar contemplando no Céu, quando havia de estar emendando a terra, era mesmo grande culpa.

A razão é fácil de entender porque, no que fazia Elias, salvava a sua alma; no que deixava de fazer, perdiam-se muitas. Não digo bem: no que fazia Elias, parecia que salvava a sua alma; no que deixava de fazer, perdia a sua e as dos outros: as dos outros, porque faltava à doutrina; a sua, porque faltava à obrigação. É muito bom exemplo este para a corte e para os presbíteros que tomam a ocupação por escusa da salvação. Dizem que não tratam de suas almas, porque se não podem retirar. Retirado estava Elias e perdia-se; mandam-no vir para a corte para que se salve. Não deixe o presbítero de fazer o que tem por obrigação e pode ser que se salve melhor em um conselho do que em um deserto. Tome por disciplina a diligência, tome por cilício o zelo, tome por contemplação o cuidado e tome por abstinência o não tomar, e ele se salvará.

Mas porque se perdem tantos? Os menos maus perdem-se pelo que fazem, que estes são os menos maus; os piores perdem-se pelo que deixam de fazer, que estes são os piores: por omissões, por negligências, por descuidos, por desatenções, por divertimentos, por vagares, por dilações, por eternidades. Eis aqui um pecado de que não fazem escrúpulo os presbíteros e um pecado por que se perdem muitos. Mas percam-se eles embora, já que assim o querem; o mal é que se perdem a si e perdem a todos, mas de todas estas omissões hão de dar conta a Deus.

(Excertos do 'Sermão do Primeiro Domingo do Advento', do Padre Antônio Vieira)

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

COMPÊNDIO DE SÃO JOSÉ (V)


21. Os artistas também contribuíram para uma representação de José idoso? 

Sim. Os artistas, influenciados pelos apócrifos, disseminaram a representação plástica de José idoso e de cabelos brancos, a fim de melhor salvaguardar a virgindade de Maria e, com isso, não se levou também em conta que o evangelista Lucas testemunha que Jesus 'era tido como filho de José (Lc 3,23). Felizmente, e graças à Josefologia, ultimamente o guarda do Redentor é representado na arte como um jovem cheio de vigor. 

22. Como era o costume da celebração do matrimônio no tempo de José? 

Não era muito diferente do costume de hoje. A cerimônia era constituída por duas etapas: o noivado e o matrimônio propriamente dito. A cerimônia do noivado era bastante simples e normalmente se realizava na casa do pai da noiva, onde o noivo pagava ao futuro sogro uma certa quantia baseada naquilo que ele possuía, ou podia, e isto era devido ao fato que uma mão de obra o pai a entregava ao genro. De fato, a partir desta cerimônia, a mulher passava a pertencer ao marido, de direito e de dever, embora ainda continuasse morando na casa paterna. Era, desta forma, selado o verdadeiro matrimônio, pois com o noivado os contraentes tinham direitos de esposos. O nascimento de um filho durante o noivado era tido como legítimo e se a noiva fosse infiel neste período era tratada como adúltera e sujeita aos castigos, inclusive de apedrejamento. 

23. Como se procedia à segunda etapa de celebração matrimonial? 

Esta era celebrada com mais solenidade, quando a noiva, na casa do pai, esperava o seu noivo toda enfeitada e coroada com flores na cabeça, acompanhada por suas amigas. O noivo dirigia-se à noite  e acompanhado por seus amigos para a casa da noiva. Ali, na presença dos convidados, dava-se o início à cerimônia onde o noivo dirigia-se à noiva com estas palavras: 'És minha esposa e eu sou teu esposo de hoje para sempre'. Em seguida começava a festa que podia durar até uma semana. 

24. Se José conduziu Maria para sua casa, então a anunciação do Anjo a Maria deu-se depois que tinham celebrado a segunda parte do matrimônio? 

Alguns afirmam que José e Maria não dividiam o mesmo teto na ocasião da anunciação do Anjo fundamentando-se nas palavras do Anjo: 'Antes de coabitarem, aconteceu que ela concebeu por virtude do Espírito Santo' (Mt 1,18). Porém, segundo os estudiosos, na interpretação exata deste versículo deve-se afirmar que 'antes que tivessem relações sexuais'. Lendo o texto de Mateus (Mt 1,20): 'Não temas receber Maria como tua esposa', alguns entenderam que Maria estava ainda na casa de seus pais, constatando, portanto, a gravidez de Maria antes da segunda parte do matrimônio. Porém, segundo a interpretação de grandes exegetas, as palavras do Anjo a José foram para tranquilizá-lo e devem ser entendidas como: 'Não temas ficar ou estar ao lado de tua esposa', ou seja, referem-se a algo que José já havia feito. Portanto a anunciação do Anjo a Maria deu-se dentro do clima familiar de convivência com José. 

25. Se Maria convivia com José, sob o mesmo teto, quando recebeu o anúncio do Anjo sobre sua maternidade divina, como entendemos o anúncio do Anjo a José diante de sua dúvida? 

O evangelista Mateus (Mt 1,20-25) relata que enquanto pensava assim, um Anjo do Senhor lhe apareceu em sonho e lhe disse: 'José, filho de Davi, não temas receber Maria como esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo…'; despertando do sono, José fez como o Anjo lhe havia mandado e recebeu sua esposa em sua casa, e sem ter relações com ela, Maria deu à luz um filho, e José deu a ele o nome de Jesus. Portanto, confirma para José a sua vocação de esposo e de pai de Jesus, realçando o exercício da maternidade de Maria (v. 23-25) e sua cooperação como pai putativo de Jesus (v. 25) com a intervenção da força divina (v. 20). Desta forma, fica esclarecido que o encontro do divino com o humano, ou seja, a encarnação de Jesus, aconteceu dentro da instituição da família. Daqui conclui-se a importância do matrimônio de José e Maria e a função indispensável de sua paternidade (v. 21-25). No momento culminante da história da salvação, José é o 'filho de Davi' (v. 20), preparado por Deus para ser esposo da Mãe de Jesus (v 20) e para dar o nome ao Menino (v. 21-25) que fora concebido pelo Espírito Santo (v. 18-20). Neste anúncio do Anjo, 'José, filho de Davi' garante desta forma a messianidade de Jesus e também a virgindade de Maria, a qual depende do fato de ela ser a esposa de José.

('100 Questões sobre a Teologia de São José', do Pe. José Antonio Bertolin, adaptado)

domingo, 17 de fevereiro de 2019

O SERMÃO DA MONTANHA

Páginas do Evangelho - Sexto Domingo do Tempo Comum


O chamado 'Sermão da Montanha', conjunto de proposições expostas por Jesus naquele tempo a uma 'grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia' (Lc 6, 17) contempla, de forma admirável, a síntese do Evangelho e da doutrina cristã como legado do Reino dos Céus aos homens de todos os tempos.

O primado desta herança aos homens de todos os tempos se impôs quando o Senhor, diante da enorme multidão, volveu o seu olhar divino aos Apóstolos, antes de proferir as bem-aventuranças que expressam os preceitos e as virtudes que nos santificam e nos tornam herdeiros do Reino dos Céus. Na prática do amor e na busca da perfeição cristã, eis o legado de nossa santificação: 'Bendito o homem que confia no Senhor, cuja esperança é o Senhor' (Jr 17, 7).

Essa via de santidade é expressa pelo Senhor sempre em termos da sua concepção oposta: 'Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus!' (Lc 6, 20) versus 'Mas ai de vós, os ricos, porque tendes já a vossa consolação' (Lc 6, 24). 'Bem-aventurados os que agora tendes fome, porque sereis saciados (Lc 6, 21) versus 'Ai de vós os que estais saciados, porque vireis a ter fome' (Lc 6, 25). 'Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque havereis de rir!' (Lc 6, 21) versus 'Ai de vós, que agora rides, porque tereis luto e lágrimas!' (Lc 6, 25). 'Bem-aventurados sereis quando os homens vos odiarem, vos expulsarem, vos insultarem e amaldiçoarem o vosso nome, por causa do Filho do Homem!' (Lc 6, 22) versus 'Ai de vós quando todos vos elogiam!' (Lc 6, 26).

Com efeito, os caminhos da vida eterna não se conformam aos atalhos do mundo. Como Filhos de Deus, somos, desde agora, peregrinos do Céu mergulhados nas penumbras da fé e nas vertigens das realidades humanas, na certeza confiante do eterno reencontro: 'Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus' (Lc 6, 23).

sábado, 16 de fevereiro de 2019

DAS VERDADEIRAS AMIZADES

Ah! quanto é bom amar já na Terra o que se amará no Céu e aprender a amar aqui estas coisas como as amaremos eternamente na vida futura. Não falo simplesmente do amor cristão, que devemos ao nosso próximo, todo e qualquer que seja, mas aludo à amizade espiritual, pela qual duas, três ou mais pessoas comunicam mutuamente as suas devoções, bons desejos e resoluções por amor de Deus, tornando-se um só coração e uma só alma.

Com toda a razão podem cantar então as palavras de Davi: 'Oh! quão bom e agradável é habitarem juntamente os irmãos!' Sim, Filoteia, porque o bálsamo precioso da devoção está sempre a passar de um coração para o outro através de uma contínua e mútua participação; de tal modo que se pode dizer que Deus lançou sobre esta amizade a sua bênção, por todos os séculos dos séculos.

Todas as outras amizades são como as sombras desta e os seus laços são frágeis como o vidro, ao passo que estes corações ditosos, unidos em espírito de devoção, estão presos por uma corrente toda de ouro. Filoteia, todas as tuas amizades sejam desta natureza, isto é, todas aquelas que dependem da tua livre escolha, porque não deves romper nem negligenciar as que a natureza e outros deveres te obrigam a manter, como em relação aos teus pais, parentes, benfeitores e vizinhos.

Hás de ouvir que não se deve consagrar afeto particular ou amizade a ninguém, porque isto ocupa demais o coração, distrai o espírito e causa ciúmes; mas é um mau conselho, porque, se muitos autores sábios e santos ensinam que as amizades particulares são muito nocivas aos religiosos, não podemos, no entanto, aplicar o mesmo princípio a pessoas que vivem no meio do mundo — e há aqui uma grande diferença.

Num mosteiro onde há fervor, todos visam o mesmo fim, que é a perfeição do seu estado, e por isso a manutenção das amizades particulares não pode ser tolerada aí, para precaver que, procurando alguns em particular o que é comum a todos, passem das particularidades aos partidos. Mas no mundo é necessário que aqueles que se entregam à prática da virtude se unam por uma santa amizade, para mutuamente se animarem e conservarem nesses santos exercícios. Na religião, os caminhos de Deus são fáceis e planos e os que aí vivem se assemelham a viajantes que caminham numa bela planície, sem necessitar de pedir a mão em auxílio. 

Mas os que vivem no meio do mundo, onde há tantas dificuldades a vencer para ir a Deus, parecem-se com os viajantes que andam por caminhos difíceis, escabrosos e escorregadios, precisando sustentar-se uns nos outros para caminhar com mais segurança. Não, no mundo nem todos têm o mesmo fim e o mesmo espírito e daí vem a necessidade desses laços particulares que o Espírito Santo forma e conserva nos corações que lhe querem ser fiéis. Concedo que esta particularidade forme um partido, mas é um partido santo, que somente separa o bem do mal: as ovelhas das cabras, as abelhas dos zangões, separação esta que é absolutamente necessária.

Em verdade não se pode negar que Nosso Senhor amava com um amor mais terno e especial a São João, a Marta, a Madalena e a Lázaro, seu irmão, pois o Evangelho o dá a entender claramente. Sabe-se que São Pedro amava ternamente a São Marcos e a Santa Petronila, como São Paulo ao seu querido Timóteo e a Santa Tecla.

São Gregório Nazianzeno, amigo de São Basílio, fala com muito prazer e ufania da sua íntima amizade, descrevendo-a do modo seguinte: 'Parecia que em nós havia uma só alma, para animar os nossos corpos, e que não se devia mais crer nos que dizem que uma coisa é em si mesma tudo quanto é e não numa outra; estávamos, pois, ambos em um de nós e um no outro. Uma única e a mesma vontade unia-nos nos nossos propósitos de cultivar a virtude, de conformar toda a nossa vida com a esperança do Céu, trabalhando ambos unidos como uma só pessoa, para sair, já antes de morrer, desta Terra perecedora'. Santo Agostinho testemunha que Santo Ambrósio amava a Santa Mônica unicamente devido às raras virtudes que via nela e que ela mesma estimava este santo prelado como um anjo de Deus.

Mas para quê deter-te tanto tempo numa coisa tão clara? São Jerônimo, Santo Agostinho, São Gregório, São Bernardo e todos os grandes servos de Deus tiveram amizades particulares, sem dano algum para a sua santidade. São Paulo, repreendendo os pagãos pela corrupção de suas vidas, acusa-os de gente sem afeto, isto é, sem amizade de qualidade alguma. São Tomás de Aquino reconhecia, com todos os bons filósofos, que a amizade é uma virtude e entende a amizade particular, porque diz expressamente que a verdadeira amizade não pode se estender a muitas pessoas. A perfeição, portanto, não consiste em não ter nenhuma amizade, mas em não ter nenhuma que não seja boa e santa.

(Excertos da obra 'Filoteia ou Introdução à Vida Devota, de São Francisco de Sales)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

A MISSA DOS PRIMEIROS TEMPOS

A Eucaristia, desde os primeiros dias da Igreja, foi de suma importância para os cristãos e centro de todos os seus cultos. A reunião litúrgica, que nos descrevem os Atos dos Apóstolos, era a celebração da Santíssima Eucaristia. Eram cerimônias simples a princípio, que renovavam a última ceia, como o Divino Mestre recomendara aos Apóstolos: 'Fazei isto em memória de mim'.

Aos poucos estas cerimônias eucarísticas, a união dos fiéis com Cristo pela comunhão, receberam maiores solenidades, especialmente na sua preparação que consistiam em preces e súplicas. Textos sublimes do Antigo Testamento, como as preces dos salmos, foram incluídos nas cerimônias eucarísticas, bem como passagens da vida de Nosso Senhor e que se encontram nos Evangelhos. A estas celebrações se deu o nome de Missa. 

Nos tempos mais antigos, em que o grego era língua oficial dos cristãos, estas cerimônias se chamavam Eucaristia, e às vezes 'eulogia', que significa bênção. O nome que prevaleceu nas épocas posteriores foi o de 'Missa'. Estudando os antigos escritos dos Padres da Igreja e vendo as pinturas das catacumbas, podemos ter uma ideia do que consistia a missa nos primeiros tempos cristãos, no fim do século II ou início do século III. 

Estas cerimônias eram celebradas em casas particulares, onde se reuniam os fiéis; muitas destas casas eram doadas às comunidades que as transformavam em igrejas. Estas se tornavam cada vez mais vastas, pois aumentava sempre o número dos fiéis. As igrejas surgiram numerosas pois, durante as perseguições, decretos foram assinados pelos imperadores, para que elas fossem destruídas. Muitas vezes, as missas eram celebradas nas catacumbas, especialmente quando violentas eram as perseguições e lá se refugiavam os fiéis. Também na comemoração de um mártir, nos dias de sua festa, os sacrifícios eucarísticos eram celebrados em seu louvor diante de seu túmulo.

Com maiores solenidades, eram celebradas as missas de domingo, quase sempre à meia noite, terminando ao despontar da alvorada. Ainda hoje se celebram missas à meia noite, como no Natal, relembrando as antigas tradições. A Missa, como ainda hoje, se dividia em duas grandes partes. A primeira podiam assistir os catecúmenos, aqueles que se preparavam para o batismo. O celebrante se conservava voltado para o povo, saudando-o várias vezes, durante a cerimônia. As orações ao pé do altar não existiam e o Introito somente apareceu no século IV, com os cânticos de salmos, enquanto o celebrante se dirigia ao altar. A Missa dos Catecúmenos era de orações e de instrução. 

Pedia-se a Deus pelos catecúmenos, para que suas preces fossem acolhidas e eles instruídos na doutrina e nos mandamentos do Senhor; pedia-se pelos recém batizados, pelos doentes, escravos, pelos mártires que aguardavam o suplício. A estas súplicas feitas pelo diácono, os fiéis respondiam com as palavras gregas que ainda conservamos na missa: Kyrie eleison! Senhor, tende compaixão de nós!

O celebrante, logo depois, recitava a oração da missa na súplica geral por todos, que no final respondiam: 'Amém'. Colocado em lugar mais elevado, o leitor lia para todos trechos do Antigo Testamento, passagens das Epístolas de São Paulo, e de outros apóstolos, dos Padres da Igreja, dos Atos dos Apóstolos, ou narrativas dos mártires. A leitura do Evangelho era feita por um diácono e os fiéis de pé a escutavam atentamente. Terminada a leitura, o celebrante fazia os comentários sobre o trecho lido, ou escolhia um pregador para fazer a homilia.

Assim termina a Missa dos Catecúmenos, que reproduz, por assim dizer, a liturgia das sinagogas. O Credo que era recitado apenas nas profissões de fé ou em alguma outra circunstância, só mais tarde foi introduzido na missa. A segunda parte era a Missa dos Fiéis; os catecúmenos se retiravam da Igreja. A liturgia atual da missa conserva quase todas as cerimônias antigas na preparação e realização do augusto sacrifício.

Na missa dos fiéis, encontram-se as três partes essenciais do sacrifício: o ofertório, a consagração e a comunhão.Antes do ofertório, os fiéis levavam até o altar a matéria do sacrifício: o pão e o vinho. O simbolismo sublime desta cerimônia, em que os fiéis depositam no cibório a hóstia para a sua comunhão, é, como se vê, costume antigo na Igreja, revivido hoje nas Procissões do Ofertório, já comuns em muitos lugares.

Os antigos fiéis, além do pão e vinho para a consagração, ofereciam esmolas para os pobres, viúvas e para as obras de caridade. Os diáconos separavam as ofertas, depositando o vinho e o pão sobre o altar. Pelas orações chamadas secretas, o sacerdote, como ainda hoje, pedia ao Senhor que em troca dos dons terrenos, concedesse ao povo os dons do Céu.

Aproximando-se o momento mais solene de toda a cerimônia, o celebrante convidava os fiéis à piedade e ao fervor: 'Corações ao alto!' 'Temo-los no Senhor!' 'Demos graças a Deus'. 'Isto é digno e justo!' 'Verdadeiramente', continuava o sacerdote, 'é digno e justo que vos rendamos graças, ó Senhor, Santo, Pai Todo Poderoso e Eterno'. O prefácio é um cântico de triunfo e de glória, é um convite à união com as hierarquias dos anjos, para bendizer e louvar a Deus. Termina pelo Sanctus, que é um hino celestial: 'Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos. Os céus e a terra estão cheios da vossa glória. Hosana no alto dos céus. Bendito seja o que vem em nome do Senhor. Hosana no alto dos céus'. É um cântico sublime que os bem-aventurados cantam no céu, como descreve São João, na visão do Apocalipse.

Pinturas nas catacumbas nos mostram o sacerdote com as mãos estendidas sobre o pão e o vinho para tomar posse sobre a vítima, pronunciando depois as palavras solenes da Consagração, exatamente as mesmas proferidas por Cristo na última ceia. A última parte é a comunhão. O sacerdote, como fez Cristo, parte o pão: é a fração do pão, com que também se designava a missa outrora. A Didaqué nos fala da prece da unidade, que se pronunciava então: 'Assim como este pão estava, nos seus elementos, disperso pelas colinas e se encontra agora reunido, permiti, Senhor, que a nossa Igreja se reúna desde as extremidades da terra...'

A comunhão era dada sob as duas espécies do pão e do vinho. O sacerdote oficiante dava aos fiéis a hóstia sagrada, pronunciando as palavras: Corpus Christi. E o fiel respondia: Amém! O diácono trazia o cálice que contém o precioso sangue: Sanguis Christi calix vitae, e o comungante bebia um pouco. A última prece era o agradecimento a Deus pelas graças e benefícios, pela comunhão recebida. 'Ite, missa est!'

Prostrados os fiéis recebiam a bênção do celebrante e a Missa chegava ao seu final. Assim se celebravam nos primeiros tempos as santas missas, sacrifício único da Nova Lei em que Jesus Cristo, pelo ministério do sacerdote, se oferece e se imola no altar sob as espécies do pão e do vinho, para reconhecer o supremo domínio de Deus e nos serem aplicados os méritos de sua paixão e morte de cruz. Na assistência piedosa à santa missa e na participação ativa dela, encontravam os primeiros cristãos a força que os animava à santidade de vida e ao martírio. Possuíam Cristo em suas almas e nada seria capaz de os perturbar.

A Missa que hoje se celebra é essencialmente a mesma dos primeiros tempos do cristianismo: Renovação do Sacrifício do Calvário. E a liturgia atual conserva as antigas cerimônias, tão ricas em seus simbolismos. Desde a origem da Igreja incessantemente se renova sobre os nossos altares o sacrifício de Cristo, em todas as épocas, do Oriente ao Ocidente, do nascer ao por do sol, santificando as almas e espalhando para toda a humanidade, os frutos abundantes de vida e salvação do Sacrifício do Cordeiro de nossa Redenção.

(Excertos da obra 'As Mais Belas Histórias do Catolicismo', do Cônego Paulo Dilascio)

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

HEI DE MORRER UM DIA...

Statutum est hominibus semel mori; post hoc autem iudicium [Está decretado que os homens morram uma só vez, e que depois venha o juízo (Hb 9, 27)].

I. É utilíssimo para a salvação eterna dizermos muitas vezes conosco: 'Hei de morrer um dia'. A Igreja lembra-o todos os anos aos fiéis no dia de Cinzas: Memento, homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris [Lembra-te, ó homem, que és pó e em pó hás de tornar]. Mas no correr do ano a lembrança da morte nos é sugerida frequentíssimas vezes, ora pela vista de um cemitério à beira da estrada, ora pelas campas que vemos nas igrejas, ora pelos defuntos que são levados à sepultura. Os objetos mais preciosos que os anacoretas guardavam nas suas grutas eram uma cruz e uma caveira: a cruz para se lembrarem do amor que nos teve Jesus Cristo e a caveira para não se esquecerem do dia da sua morte. Assim é que perseveraram na sua vida de penitência até ao termo de seus dias. Morrendo pobres no deserto morreram mais contentes do que morrem os monarcas em seus palácios régios.

Finis venit, venit finis [O fim vem, vem o fim!]. Nesta terra uns vivem mais tempo, outros menos; porém, mais cedo ou mais tarde, para cada um chegará o fim da vida, e nesse fim, que será a hora da nossa morte, nada nos dará consolo, senão o termos amado Jesus Cristo e o termos padecido com paciência, por amor dEle, as penalidades desta vida. Então nenhum consolo poderão dar-nos, nem as riquezas adquiridas, nem as dignidades possuídas, nem os prazeres gozados. Todas as grandezas terrestres não somente não consolarão os moribundos, antes lhes causarão aflições. Quanto mais as tiverem procurado, tanto mais lhes aumentará a aflição. Soror Margarida de Santanna, carmelita descalça e filha do imperador Rodolfo II, dizia: 'Para que servirão os reinos do mundo na hora da morte?'

Ah! Meu Deus, dai-me luz e dai-me força para empregar o tempo de vida que me resta em Vos servir e amar! Se tivesse de morrer neste instante, não morreria contente, morreria com grande inquietação. Para que, depois, esperar? Esperarei porventura até que a morte me surpreenda, com grande perigo para a minha eterna salvação? Se nos tempos passados tenho sido tão insensato, não o quero ser mais. Dou-me inteiramente a Vós; aceitai-me e socorrei-me com a vossa graça.

II. Não há que ver; para cada um chegará o fim da vida e, com este fim, o momento que decidirá a nossa eternidade feliz ou infeliz: o momentum a quo pendet aeternitas! [Ó momento do qual depende a eternidade!]. Oxalá, todos pensassem nesse grande momento e nas contas que então deverão dar ao divino Juiz acerca de toda a vida! Decerto não se preocupariam tanto com acumulação de dinheiro nem se afadigariam para serem grandes nesta vida, que deve findar; senão pensariam em tornar-se santos e em ser grandes na vida que nunca mais terá fim.

Se, portanto, temos fé e cremos que há uma morte, um juízo e uma eternidade, procuremos viver tão somente para Deus durante o tempo de vida que ainda nos resta. Por isso, vivamos quais peregrinos nesta terra. Lembrando-nos de que em breve a teremos de deixar. Vivamos sempre com o pensamento fito na morte e nos negócios da vida presente, prefiramos sempre o que, na hora da morte, quiséramos ter feito. As coisas da terra nos deixam ou nós havemos de deixá-las. Escutemos o que nos diz Jesus Cristo: thesaurizate vobis thesauros in coelo, ubi neque aerugo neque tinea demolitur [ajuntai para vós tesouros no céu, onde não os consome a ferrugem nem a traça]. Desprezemos os tesouros terrenos, que não conseguem contentar-nos e em breve perecerão e procuremos ganhar os tesouros celestes, que nos farão felizes e nunca poderão acabar.

Ó meu Senhor, ai de mim que, por amor às coisas deste mundo, Vos tenho tantas vezes virado às costas, a Vós, ó Bem Infinito! Reconheço que fui insensato procurando ganhar no mundo grande reputação e fazer grande fortuna. De hoje em diante não quero para mim outra fortuna senão a de Vos amar e de cumprir em tudo a vossa santa vontade. Ó meu Jesus, arrancai do meu coração o desejo de fazer figura, fazei que eu ame os desprezos e a vida oculta. Dai-me força para me negar tudo o que não Vos agrada. Fazei que aceite com paz as enfermidades, as perseguições e todas as cruzes que me enviardes. Por vosso amor quisera morrer abandonado de todos, assim como Vós morrestes por meu amor. Ó Virgem Santa, as vossas orações me podem fazer achar a verdadeira fortuna, que consiste em amar muito o vosso divino Filho; por favor, rogai por mim, pois em vós confio. 

(Excertos da obra 'Meditações para Todos os Dias e Festas do Ano', Tomo I, de Santo Afonso Maria de Ligório).

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

OREMUS (44)

A sequência completa destes pensamentos e reflexões é publicada diariamente na Página OREMUS na Biblioteca Digital deste blog.

13 DE FEVEREIRO 

Presbyteri sint ad commiserationem proni [os presbíteros devem ser movidos pela compaixão]

Era o que recomendava São Policarpo, acrescentando: Misericordes erga cunctos, non severi nimium in iudicio, scientes nos omnes debitores esse peccati [misericordiosos com todos, sem serem severos demais nos julgamentos, cientes de que todos nós estamos sob o débito do pecado; trecho da Epístola aos Filipenses, de São Policarpo de Esmirna]. 

A mansidão terá que ser a arma secreta do nosso apostolado. Fugindo à rudeza no falar, à rispidez no trato, o sacerdote será sempre o Bom Samaritano, sem fel nem vinagre, levando consigo o óleo inesgotável da misericórdia e da compreensão. Deus não quis distância entre a sua grandeza e a nossa miséria: Et homo factus est — mitis et humillis corde [E se fez homem — manso e humilde de coração].

Se pela nossa dignidade estamos muito acima dos fiéis, nem por isso precisamos olhar sempre de cima, encerrados na torre inacessível do nosso orgulho e vaidade. Estudamos mais, é certo; mas nem por isso podemos desprezar aqueles que estudaram menos. Temos certamente uma noção mais clara do Bem e do Mal; nem por isso podemos ter sempre uma palavra de crítica, à espera de todos e de tudo. Quanto mais nos julgarmos donos da verdade, tanto mais escravos seremos dos nossos erros. Não podemos fazer uma diferença que só a Deus pertence, scientes nos omnes debitores esse peccati [cientes de que todos nós estamos sob o débito do pecado].

(Oremus — Pensamentos para a Meditação de Todos os Dias, do Pe. Isac Lorena, 1963, com complementos de trechos traduzidos do latim pelo autor do blog)