sábado, 30 de junho de 2012

POEMAS PARA REZAR - I

LA VIERGE À MIDI - A VIRGEM AO MEIO DIA
                                                                                       (Paul Claudel)


(Paul Claudel, 1868 - 1955)

Paul Louis Charles Claudel (* 6 de agosto de 1868, em Villeneuve-sur-Fère, França - † 23 de fevereiro de 1955, em Paris, França) foi um diplomata francês e grande pensador católico, cuja poesia profundamente cristã, numa época em que o cientificismo e o positivismo dominavam os espíritos, foi profundamente marcada pela sua repentina conversão ao catolicismo, assim narrada por ele mesmo: 'Eu era indiferente e, depois de nossa chegada a Paris', escreveu o poeta em 'Ma Conversion' (1913), 'tornei-me nitidamente estranho às coisas da Fé'.

'Assim era a infeliz criança que, a 25 de dezembro de 1886, foi a Notre-Dame de Paris para assistir aos ofícios de Natal. Tinha começado a escrever, e parecia-me que, nas cerimônias católicas, consideradas em um diletantismo superior, encontraria um excitante apropriado e a matéria de alguns exercícios decadentes.

Foi com estas disposições que, conduzido e apertado pela multidão, assisti, com um prazer medíocre, à grande missa. Depois, não tendo nada melhor a fazer, voltei para assistir às vésperas. As crianças do coro, vestidos de branco, e os alunos do seminário-menor de Saint-Nicolas-du-Chardonnet, que os ajudavam, estavam se aprontando para iniciar o canto que mais tarde soube ser o 
Magnificat
. 

Estava misturado ao povo, junto do segundo pilar à entrada do coro, à direita da sacristia. E foi então que se produziu o acontecimento que domina toda a minha vida. Em um instante, meu coração foi tocado e acreditei. Acreditei com tal força, com tal adesão de todo o meu ser, com tão poderosa convicção, com tal certeza sem deixar lugar a qualquer espécie de dúvida que, depois, todos os livros, todos os raciocínios, todos os acasos de uma vida agitada, não puderam abalar-me a fé, nem mesmo, para ser mais preciso, tocá-la de leve que fosse.

Tive de súbito o forte sentimento da inocência, da eterna juventude de Deus, uma revelação inefável. Tentando, como o fiz várias vezes, reconstituir os minutos que se seguiram a este instante extraordinário, encontro os elementos seguintes que, entretanto, não formam senão um clarão, uma única arma de que a Providência Divina se servia para atingir e abrir, enfim, o coração de uma pobre criança desesperada: “Como aqueles que crêem são felizes! E se fosse verdade? É verdade! Deus existe, Ele está em toda parte, É alguém, é um Ser tão pessoal como eu. Ele me ama, Ele me chama!'


A Virgem ao Meio-dia
                                                                                                                                  (tradução livre de Dom Marcos Barbosa)

Vejo a igreja aberta e entro.
Mas não é para rezar,ó Mãe, que estou aqui dentro.
Não tenho nada a pedir,nada para te dar.Venho somente, Mãe, para te olhar...
Olhar-te, chorar de alegria, sabendo apenas isto:
eu sou teu filho e tu estás aqui, Mãe de Jesus Cristo!
Ao menos por um momento, enquanto tudo pára,
quero estar neste lugar em que estás, Maria.
Nada dizer, olhar simplesmente teu rosto,
e deixar o coração cantar a seu gosto.
Nada dizer, somente cantar,
porque o coração está transbordando...
Porque és bela, porque és imaculada,
a mulher na Graça enfim restituída,
a criatura na sua hora primeira e em seu desabrochar final,
como saiu das mãos de Deus na manhã de seu esplendor original.
Intata inefavelmente porque és a Mãe de Jesus Cristo,
que é a verdade em teus braços,
e a única esperança e o único fruto.
Porque é meio-dia, porque estás aí,
simplesmente porque és Maria,
simplesmente porque existes.


La Vierge à Midi

Je vois l'église ouverte. Il faut entrer.
Mère de Jésus-Christ, je ne viens pas prier.
Je n'ai rien à offrir et rien à demander.
Je viens seulement, Mère, pour vous regarder.
Vous regarder, pleurer de bonheur, savoir cela
Que je suis votre fils et que vous êtes là.
Rien que pour un moment pendant que tout s'arrête.
lÊtre avec vous, Marie, en ce lieu où vous êtes.
Ne rien dire, regarder votre visage,
Laisser le cœur chanter dans son propre langage.
Ne rien dire, mais seulement chanter parce qu'on a le cœur trop plein,
Comme le merle qui suit son idée en ces espèces de couplets soudains.
Parce que vous êtes belle, parce que vous êtes immaculée,
La femme dans la Grâce enfin restituée,
La créature dans son honneur premier et dans son épanouissement,
Telle qu'elle est sortie de Dieu au matin de sa splendeur originale.
Intacte ineffablement parce que vous êtes la Mère de Jésus-Christ,
Qui est la vérité entre vos bras, et la seule espérance et le seul fruit.
Parce que vous êtes la femme, l'Eden de l'ancienne tendresse oubliée,
Dont le regard trouve le cœur tout à coup et fait jaillir les larmes accumulées,
Parce que vous m'avez sauvé, parce que vous avez sauvé la France,
Parce qu'elle aussi, comme moi, pour vous fut cette chose à laquelle on pense,
Parce qu'à l'heure où tout craquait, c'est alors que vous êtes intervenue,
Parce que vous avez sauvé la France une fois de plus,
Parce qu'il est midi, parce que nous sommes en ce jour d'aujourd'hui,
parce que vous êtes là pour toujours, simplement parce que vous êtes Marie, simplement parce que vous existez,
Mère de Jésus-Christ, soyez remerciée !


(No vídeo, a versão original da poesia em francês)

VERSUS: IGREJAS ANTIGAS E MODERNAS


“O ambiente arquitetônico tem a capacidade de influenciar profundamente a pessoa, o modo como ela age e sente, o que ela é. Assim, a arquitetura da igreja afeta o modo mediante o qual o homem pratica o culto; o modo de prestar culto afeta o que ele crê; e o que ele crê afeta não somente sua relação pessoal com Deus, mas o modo como se comporta na vida diária”.
(Michael S. Rose, arquiteto americano, em 'Ugly as Sin' - Feias como o Pecado, referindo-se aos projetos das Igrejas Católicas modernas).



'Feias como o pecado — Por que transformaram nossas igrejas de lugares sagrados em salas de reunião, e como podemos fazê-las voltar atrás' - Michael S. Rose. 

Alguns exemplos de 'Ugly as Sin':



E alguns exemplos de belas exceções de ambientes internos de igrejas católicas modernas:

terça-feira, 26 de junho de 2012

26 DE JUNHO - SÃO JOSEMARIA ESCRIVÁ


São Josemaria Escrivá de Balaguer nasceu em 09 de janeiro de 1902 em Barbastro, Espanha. Em 02 de outubro de 1928, durante um retiro espiritual em Madrid, concebeu e fundou o OPUS DEI, atualmente prelazia pessoal da Igreja Católica. A missão específica do Opus Dei é promover, entre homens e mulheres de todo o âmbito da sociedade, um compromisso pessoal de seguir a Cristo, de amor a Deus e ao próximo e de procura da santidade na vida cotidiana. Faleceu em Roma em 26 de junho de 1975. Foi beatificado em 17 de maio de 1992 e  canonizado, pelo Papa João Paulo II na Praça de São Pedro, em 06 de outubro de 2002. Sua obra mais conhecida é 'Caminho', escrita como orientações espirituais em diferentes parágrafos. Outras obras do autor são Forja, Sulco e É Cristo que Passa.

A CRUZ NÃO É UM CONSOLO FÁCIL

" A doutrina cristã sobre a dor não é um programa de fáceis consolações. Começa logo por ser uma doutrina de aceitação do sofrimento, inseparável de toda a vida humana. Não vos posso esconder - e com alegria pois sempre preguei e procurei viver a verdade de que, onde está a Cruz, está Cristo, o Amor - que a dor apareceu muitas vezes na minha vida; e mais de uma vez tive vontade de chorar. Noutras ocasiões, senti crescer em mim o desgosto pela injustiça e pelo mal. E soube o que era a mágoa de ver que nada podia fazer, que, apesar dos meus desejos e dos meus esforços, não conseguia melhorar aquelas situações iníquas.

Quando vos falo de dor, não vos falo apenas de teorias. Nem me limito a recolher uma experiência de outros, quando vos confirmo que, se sentis, diante da realidade do sofrimento, que a vossa alma vacila algumas vezes, o remédio que tendes é olhar para Cristo. A cena do Calvário proclama a todos que as aflições hão-de ser santificadas, se vivermos unidos à Cruz.



Porque as nossas tribulações, cristãmente vividas, se convertem em reparação, em desagravo, em participação no destino e na vida de Jesus, que voluntariamente experimentou, por amor aos homens, toda a espécie de dores, todo o gênero de tormentos. Nasceu, viveu e morreu pobre; foi atacado, insultado, difamado, caluniado e condenado injustamente; conheceu a traição e o abandono dos discípulos; experimentou a solidão e as amarguras do suplício e da morte. Ainda agora, Cristo continua a sofrer nos seus membros, na Humanidade inteira que povoa a Terra e da qual Ele é Cabeça, Primogênito e Redentor".
                                                                                                                         (É Cristo que Passa)

domingo, 24 de junho de 2012

NATIVIDADE DE SÃO JOÃO BATISTA


Além de Jesus e de Maria, apenas o nascimento de João Batista (24 de junho) é comemorado pela Santa Igreja Católica, glória ímpar para aquele que foi aclamado, pelo próprio Cristo, como "o maior dentre os nascidos de mulher" (Mt 11,11).


Houve um homem mandado por Deus. Seu nome era João… Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz (Jo 1,6-8)

Eis que eu envio o meu mensageiro à tua frente. Ele preparará o teu caminho diante de ti (Mt 11,7).

Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre, e Isabel ficou repleta do Espírito Santo (Lc 1,41)

Eu sou a voz que clama no deserto: aplainai o caminho do Senhor (Is 40,3)


Eu vos batizo com água, mas vem Aquele que é mais forte do que eu, do qual não sou digno de desatar a correia das sandálias; Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo (Lc 3, 16). 


Cristofano Allori (1577-1621): São João Batista no Deserto (1620)

sábado, 23 de junho de 2012

GLÓRIAS DE MARIA: FESTA DA VISITAÇÃO


MAGNIFICAT

Magnificat anima mea Dominum
et exsultavit spiritus meus in Deo salvatore meo, 
quia respexit humilitatem ancillae suae. 
Ecce enim ex hoc beatam me dicent omnes generationes, 

quia fecit mihi magna, qui potens est, 
et sanctum nomen eius, 
et misericordia eius in progenies et progenies 
timentibus eum. 

Fecit potentiam in brachio suo, 
dispersit superbos mente cordis sui; 
deposuit potentes de sede
et exaltavit humiles; 
esurientes implevit bonis
et divites dimisit inanes. 

Suscepit Israel puerum suum, 
recordatus misericordiae, 
sicut locutus est ad patres nostros, 
Abraham et semini eius in saecula.


(vídeo: trecho)


A minha alma glorifica o Senhor
E o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.
Porque pôs os olhos na humildade da sua Serva.
De hoje em diante me chamarão bem aventurada todas as gerações,

O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas,
Santo é o seu nome.
A sua misericórdia se estende de geração em geração
Sobre aqueles que o temem.

Manifestou o poder do seu braço
E dispersou os soberbos,
Derrubou os poderosos de seus tronos
E exaltou os humildes;
Aos famintos encheu de bens
E aos ricos despediu de mãos vazias.

Acolheu a Israel, seu servo, 
Lembrado da sua misericórdia,
Como tinha prometido a nossos pais 
A Abraão e à sua descendência para sempre.




DA VIDA ESPIRITUAL (15)

Senhor! Ontem ou talvez não tenha sido ontem, parei por uns momentos minhas atividades de estudo em minha casa e me transportei para um outro lugar e um outro tempo, em uma região qualquer da Galiléia, há quase 2000 anos atrás... E, na minha mente, reconstruí aquela paisagem: a estrada, os vales, as montanhas, a vegetação, as pessoas... E havia ali, uma grande, uma esplêndida multidão! E todos se empurravam, se acotovelavam, na ânsia de buscar uma posição melhor para divisar ao longe a figura do Mestre que se encaminhava para dentro daquela enorme massa humana que, então, ia se fechando às suas costas para o seguir. Estavam ali a mulher “imunda”, o jovem rico, o paralítico, a cananéia... E eu estava ali! Na ânsia de vê-lo, Senhor, buscava um lugar mais alto: subir a uma árvore, a uma pedra, a um monte... Mas, mesmo assim, não era ainda possível contemplá-lo... Era preciso galgar mais alto e mais alto ainda, subir até o cimo da colina... Até que, enfim, pude reconciliar a minha alma com a visão do meu Deus, uma imagem ainda distorcida, efêmera, esmaecida, escultura de luz feita no caleidoscópio da distância... E eu já tinha os meus olhos resumindo todo o meu ser! E, à medida que Tu te aproximavas de mim, com quanto espanto vi que te olhavas nos olhos... E compreendi, Senhor, que Tu já olhavas para mim muito antes de eu estar ali...

terça-feira, 19 de junho de 2012

QUANDO O INFERNO É AQUI...

Eu Vos louvo, ó Pai, pela vida, pelo milagre da vida (vídeo abaixo). Da visão instantânea de Deus na concepção, eis a obra humana em que a terra chega mais perto do Céu.

'Antes mesmo de te formares no ventre materno eu te conheci, antes que saísses do seio materno, eu te consagrei'(Jer 1,5).  


Pai, milhares de vossos filhos são abortados, porque outros vossos filhos se negam criaturas e se fazem  artífices malditos da criação, gestores da vida alheia e árbitros de um crime nefando. O aborto é  a obra humana que torna a terra e o inferno um mesmo lugar. Ou você, que se diz favorável ao aborto, acha mesmo que sejam humanas as expressões, gestos e poses destes homens que não serviram para nascer? 

Atenção: ao clicar 'Mais Informações', você terá acesso a fotos de fetos abortados, o que pode ser ofensivo e inadequado a pessoas sensíveis.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

A FÉ EXPLICADA - II


Ao morrer na cruz, Jesus Cristo propiciou a reparação completa dos meus pecados, dos teus pecados, dos pecados de todos os homens de hoje e de todos os tempos, não uma vez, mas vezes sem conta, posto que se realizou na Crucificação a plenitude de Deus no amor à humanidade pecadora. Obra de amor e reparação mais que plena, infinita. Sendo infinita a reparação feita por Jesus Cristo, qualquer penitência humana, por maior que seja sua relevância e excepcionalidade, torna-se meramente figurativa e essencialmente insignificante. E isso se aplicaria integralmente a toda a vida ímpar de caridade de uma Madre Teresa de Calcutá, por exemplo: algo de intrínseco valor humano, mas de completa inutilidade para a glória de Deus. 

Mas Deus é Deus de misericórdia e, por desígnio singular, associa a pequenez humana aos méritos infinitos de Cristo na obra da redenção. Em Cristo, o sofrimento, a doença, esta frustração momentânea, uma pequena contrariedade, tudo se faz penitência de valor infinito. Sim, de infinito valor, porque, nesta partilha, Cristo entra com o mérito infinito e nós, como membros do seu Corpo Místico, com nossas penitências claudicantes e frágeis, que se tornam, entretanto, instrumentos poderosos para a plena satisfação dos nossos pecados e dos pecados dos outros. Em Cristo e por meio Dele, a vida ímpar de caridade de uma Madre Teresa de Calcutá, por exemplo, teve um valor incalculável para a salvação de um número incontável de almas.

Ao longo de uma vida inteira, Deus espera pela sua oração, por uma obra de caridade, pela sua renúncia ao pecado, pelo sofrimento* que você tanto custa a aceitar ou que se revolta por não entender. Que obra de penitência você tem a oferecer no dia de hoje para satisfação a Deus pelos seus pecados de sempre e pelos pecados dos outros? 

* ver as palavras de Santa Maria Madalena de Pazzi em arquivo deste blog.

SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS



A Festa do Sagrado Coração de Jesus é comemorada na sexta-feira seguinte ao Segundo Domingo depois de Pentecostes (15/06/2012)

LADAINHA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.

Deus Pai dos céus, tende piedade de nós,
Deus Filho, Redentor do mundo, ...
Deus Espírito Santo, ... 
Santíssima Trindade, que sois um só Deus,...

Coração de Jesus, Filho do Pai Eterno, ...
Coração de Jesus, formado pelo Espírito Santo no seio da Virgem Mãe, ... 
Coração de Jesus, unido substancialmente ao Verbo de Deus,  ...
Coração de Jesus, de majestade infinita,  ...
Coração de Jesus, templo santo de Deus,  ...
Coração de Jesus, tabernáculo do Altíssimo,  ...
Coração de Jesus, casa de Deus e porta do céu,  ...
Coração de Jesus, fornalha ardente de caridade,  ...
Coração de Jesus, receptáculo de justiça e de amor,  ...
Coração de Jesus, cheio de bondade e de amor,  ...
Coração de Jesus, abismo de todas as virtudes,  ...
Coração de Jesus, digníssimo de todo o louvor,  ...
Coração de Jesus, rei e centro de todos os corações,  ...
Coração de Jesus, no qual estão os tesouros da sabedoria e da ciência,  ...
Coração de Jesus, no qual habita toda a plenitude da divindade,  ...
Coração de Jesus, no qual o Pai pôs as Suas complacências,  ...
Coração de Jesus, de cuja plenitude todos nós recebemos,  ...
Coração de Jesus, desejo das colinas eternas,  ...
Coração de Jesus, paciente e de muita misericórdia,  ...
Coração de Jesus, rico para todos os que Vos invocam,  ...
Coração de Jesus, fonte de vida e de santidade,  ...
Coração de Jesus, propiciação pelos nossos pecados,  ...
Coração de Jesus, saturado de opróbrios,  ...
Coração de Jesus, esmagado pelos nossos pecados,  ...
Coração de Jesus, feito obediente até a morte,  ...
Coração de Jesus, atravessado pela lança,  ...
Coração de Jesus, fonte de toda a consolação,  ...
Coração de Jesus, nossa vida e ressurreição,  ...
Coração de Jesus, nossa paz e reconciliação,  ...
Coração de Jesus, vítima dos pecadores, 
Coração de Jesus, salvação dos que esperam em Vós,  ...
Coração de Jesus, esperança dos que morrem em Vós,  ...
Coração de Jesus, delícia de todos os santos, tende piedade de nós.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor,
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor,
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.
Jesus, manso e humilde de coração,
Fazei o nosso coração semelhante ao Vosso.

Oremos: Deus onipotente e eterno, olhai para o Coração de vosso Filho diletíssimo e para os louvores e as satisfações que Ele, em nome dos pecadores, Vos tributa; e aos que imploram a Vossa misericórdia concedei benigno o perdão, em nome de Vosso mesmo Filho Jesus Cristo, que Convosco vive e reina, em união com o Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos. Amém.

                                                                                                  (aprovada pelo Papa Leão XIII em 02/04/1899)



terça-feira, 12 de junho de 2012

GLÓRIAS DE MARIA: 'MÃE DE DEUS'

La Pietà (1498-1499) - Michelangelo Buonarroti

Desde a Antiguidade, Maria é chamada 'Mãe de Deus', do grego 'Theotokos', título ratificado pelo Concílio de Éfeso, de 22 de junho de 431.


São Cirilo de Alexandria (370-442), na homilia pronunciada no Concílio de Éfeso contra Nestório, que negava ser Maria Mãe de Deus:

“Contemplo esta assembléia de homens santos, alegres e exultantes que, convidados pela santa e sempre Virgem Maria e Mãe de Deus, prontamente acorreram para cá. Embora oprimido por uma grande tristeza, a vista dos santos padres aqui reunidos encheu-me de júbilo. Neste momento vão realizar-se entre nós aquelas doces palavras do salmista Davi: ‘Vede como é bom, como é suave os irmãos viverem juntos bem unidos!’ (Sl 132,1). Salve, ó mística e santa Trindade, que nos reunistes a todos nós nesta igreja de Santa Maria Mãe de Deus. Salve, ó Maria, Mãe de Deus, venerável tesouro do mundo inteiro, lâmpada inextinguível, coroa da virgindade, cetro da verdadeira doutrina, templo indestrutível, morada daquele que lugar algum pode conter, virgem e mãe, por meio de quem é proclamado bendito nos santos evangelhos ‘o que vem em nome do Senhor’ (Mt 21,9).
Salve, ó Maria, tu que trouxeste em teu sagrado seio virginal o Imenso e Incompreensível; por ti; é glorificada e adorada a Santíssima Trindade; por ti, se festeja e é adorada no universo a cruz preciosa; por ti, exultam os céus; por ti, se alegram os anjos e os arcanjos; por ti, são postos em fuga os demônios; por ti, cai do céu o diabo tentador; por ti, é elevada ao céu a criatura decaída; por ti, todo o gênero humano, sujeito à insensatez dos ídolos, chega ao conhecimento da verdade; por ti, o santo batismo purifica os que crêem; por ti, recebemos o óleo da alegria; por ti, são fundadas igrejas em toda a terra; por ti, as nações são conduzidas à conversão. E que mais direi? Por Maria, o Filho Unigênito de Deus veio ‘iluminar os que jazem nas trevas e nas sombras da morte’ (Lc1,77); por ela, os profetas anunciaram as coisas futuras; por ela, os apóstolos proclamaram aos povos a salvação; por ela os mortos ressuscitam; por ela, reinam os reis em nome da Santíssima Trindade. Quem dentre os homens é capaz de celebrar dignamente a Maria, merecedora de todo louvor? Ela é mãe e virgem. Que coisa admirável! Este milagre me deixa extasiado. Quem jamais ouviu dizer que o construtor fosse impedido de habitar no templo que ele próprio construiu? Quem se humilhou tanto a ponto de escolher uma escrava para ser a sua própria mãe? Eis que tudo exulta de alegria! Reverenciemos e adoremos a divina Unidade, com santo temor veneremos a indivisível Trindade, ao celebrar com louvores a sempre Virgem Maria! Ela é o templo santo de Deus, que é seu Filho e esposo imaculado. A ele a glória pelos séculos dos séculos. Amém.”

sábado, 9 de junho de 2012

DA VIDA ESPIRITUAL (14)


Como era bonita a casa que visitamos hoje, quantos cômodos, objetos, pinturas e tapetes... Mas não vimos nenhuma cruz, nenhuma referência à vida cristã dessa gente. Muitos cristãos vivem essa alegoria de vida: dizem que são cristãos, mas nada em suas vidas revela isso. Estas pessoas estão sempre fechadas em suas belas casas de portas fechadas e janelas envidraçadas que apenas refletem o vazio de si mesmas.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

CORPUS CHRISTI



Corpus Christi, expressão latina que significa Corpo de Cristo, é uma festa litúrgica da Igreja sempre celebrada na quinta–feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade, que acontece no domingo seguinte ao de Pentecostes, 50 dias depois da Páscoa. Abaixo, duas orações características desta data litúrgica:

Anima Christi

Anima Christi, sanctifica me.
Corpus Christi, salva me.
Sanguis Christi, inebria me.
Aqua lateris Christi, lava me.
Passio Christi, conforta me.
O bone Iesu, exaudi me.
Intra tua vulnera absconde me.
Ne permittas me separari a te.
Ab hoste maligno defende me.
In hora mortis meæ voca me.
Et iube me venire ad te,
ut cum Sanctis tuis laudem te
in sæcula sæculorum. 
Amen.



Tantum Ergo

Tantum ergo Sacramentum
Veneremur cernui:
Et antiquum documentum
Novo cedat ritui:
Praestet fides supplementum
Sensuum defectui.

Genitori, Genitoque
Laus et iubilatio,
Salus, honor, virtus quoque
Sit et benedictio:
Procedenti ab utroque
Compar sit laudatio.

Amen.



domingo, 3 de junho de 2012

O CÉU É AQUI...

Mont Sant-Michel com Santuário a São Miguel (França)

DA VIDA ESPIRITUAL (13)





Filho! O que é preciso para ser salvo? Viva o dia de hoje como gostaria de viver o dia da sua morte. O que é preciso para ser santo? Viva cada dia como Jesus os viveria se fosse você.

sábado, 2 de junho de 2012

SANTÍSSIMA TRINDADE

1. A Trindade é Una: não professamos três deuses, mas um só Deus em Três Pessoas:

O Pai é aquilo que é o Filho; o Filho é aquilo que é o Pai, o Espírito Santo é aquilo que são o Pai e o Filho, isto é, um só Deus quanto à natureza.
                                                         (XI Conselho de Toledo, 675)
 
2. As Três Pessoas Divinas, não somente estão unidas em natureza divina, mas estão unidas umas às outras:

O Pai está todo inteiro no Filho, todo inteiro no Espírito Santo; o Filho está todo inteiro no Pai, todo inteiro no Espírito Santo; o Espírito Santo está todo inteiro no Pai, todo inteiro no Filho.
                                                        (Conselho de Florença, 1442) 

3. A intimidade de Deus na Santíssima Trindade é mistério insondável à razão é à própria fé:

Deus Pai é Deus que se vê a Si mesmo; Deus Filho é a imagem viva de Deus em si; Deus Espírito Santo é o Amor de Deus por Si mesmo.

(Santíssima Trindade - Sandro Boticcelli -1491/93)