segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

20 DE JANEIRO - SÃO SEBASTIÃO

São Sebastião foi um oficial romano, do alto escalão da Guarda Pretoriana do imperador Diocleciano (imperador de Roma entre 284 e 305 de nossa era e responsável pela décima e última grande perseguição do Império Romano contra o Cristianismo), que pagou com a vida sua devoção à fé cristã. Denunciado ao imperador por ser cristão e acusado de traição, foi condenado a morrer de forma especial: seu corpo foi amarrado a um tronco servindo de alvo a flechas disparadas por diferentes arqueiros africanos. 

Primeiro Martírio: São Sebastião flechado


Abandonado pelos algozes que o julgavam morto, foi socorrido e curado e, de forma incisiva, reafirmou a sua convicção cristã numa reaparição ao próprio imperador. Sob o assombro de vê-lo ainda vivo, São Sebastião foi condenado uma vez mais sendo, nesta sua segunda flagelação, brutalmente açoitado e espancado até a morte. O seu corpo foi atirado num canal de esgotos, de onde foi depois retirado e levado até as catacumbas romanas. Suas relíquias estão preservadas na Basílica de São Sebastião, na Via Apia, em Roma. É venerado por toda a cristandade como modelo de vida cristã, mártir da Igreja e defensor da fé e como padroeiro de diversas cidades brasileiras, incluindo-se o Rio de Janeiro. Sua festa é comemorada a 20 de janeiro, data de sua morte no ano 304.

Segundo Martírio: São Sebastião espancado até a morte

domingo, 19 de janeiro de 2020

sábado, 18 de janeiro de 2020

A VINHA DE DEUS

Deus plantou a vinha do gênero humano quando moldou Adão e elegeu os patriarcas. Depois, confiou-a a vinhateiros pelo dom da Lei transmitida por Moisés. Rodeou-a de uma sebe, quer dizer, delimitou a terra que eles deveriam cultivar. Construiu uma torre, isto é, escolheu Jerusalém. Enviou-lhes profetas antes do exílio da Babilônia, e mais outros depois do exílio, em maior número do que os primeiros, para reclamar os frutos e dizer-lhes:

'Endireitai os vossos caminhos e o vosso modo de vida' (Jr 7,3); 

'Julgai com justiça, praticai a piedade e a misericórdia cada um para com o seu irmão; não oprimais a viúva nem o órfão, o estrangeiro ou o pobre; que ninguém entre vós conserve no coração a lembrança da maldade de seu irmão' (Zc 7,19); 

'Retirai a malícia dos vossos corações… aprendei a fazer o bem. Procurai a justiça; salvai o que sofre de injustiça' (Is 1,16).

Eis com que pregações os profetas reclamavam o fruto da justiça. Mas como aquela gente permanecia incrédula, Deus enviou-lhes finalmente o seu Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, que aqueles maus vinhateiros mataram e lançaram fora da vinha. Por isso, Deus a confiou – já não delimitada, mas alargada ao mundo inteiro – a outros vinhateiros para que lhes dessem os frutos a seu tempo. A torre da eleição ergue-se em toda a parte com o seu brilho, porque em toda a parte resplandece a Igreja; em toda a parte também foi esmagado o lagar porque estão em toda a parte os que recebem a unção do Espírito de Deus. Por isso o Senhor dizia aos discípulos, para fazer de nós bons operários: 

'Tende cuidado convosco e velai constantemente para que os vossos corações não se tornem pesados com a devassidão e com as preocupações materiais' (Lc 21,34); 

'Que os vossos rins estejam cingidos e as vossas lâmpadas acesas. E sede como homens que esperam o seu Senhor' (Lc 12,35).

(Excertos da obra 'Contra as Heresias', de Santo Irineu de Lyon)

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

DA VIDA ESPIRITUAL (101)

Não faças nada neste mundo que não comece pelo Sinal da Cruz. Do ato mais cotidiano e simplório até os acontecimentos mais importantes de tua vida. Faça o Sinal da Cruz o tempo todo e em tudo: ao se levantar e ao deitar-se, ao entrar e ao sair de casa, antes e após as refeições, no trabalho, no descanso e no lazer, nas horas mais atarefadas e mais calmas, na alegria e na tristeza, sentado ou andando, antes ou depois de um encontro, uma reunião, uma visita ou uma consulta, no carro ou no ônibus, no silêncio do quarto ou no vozerio da multidão, em tudo e sempre. Faça o Sinal da Cruz sobre a fronte, sobre a boca, sobre os olhos, sobre o peito, sobre um órgão ou um membro em especial: mente pura, boca pura, olhos puros, coração puro. O Sinal da Cruz é a tua marca registrada de cristão e de Filho de Deus e armadura e escudo espirituais contra todas as tentações, ciladas do demônio e contra todos os males.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

SERMÃO SOBRE A CEGUEIRA


Ó quem me dera ter agora neste auditório o mundo inteiro! Quem me dera que me ouvisse agora a Espanha, que me ouvisse a França, que me ouvisse a Alemanha, que me ouvisse a própria Roma! Príncipes, reis, imperadores e monarcas do mundo, vede a ruína dos vossos reinos, vede as aflições e misérias dos vossos vassalos, vede as violências, vede as opressões, vede os tributos, vede as pobrezas, vede as fomes, vede as guerras, vede as mortes, vede os cativeiros, vede a assolação de tudo? Ou vedes ou não vedes. Se o vedes, como não o remediais? E se não o remediais, como vedes? Estais cegos. 

Príncipes eclesiásticos, grandes, maiores, supremos e vós, ó prelados que estais em seu lugar, vede as calamidades universais e particulares da Igreja, vede os destroços da Fé, vede o decaimento da Religião, vede o desprezo das Leis Divinas, vede a irreverência dos lugares sagrados, vede o abuso dos costumes, vede os pecados públicos, vede os escândalos, vede as simonias, vede os sacrilégios, vede a falta de doutrina sã, vede a condenação e a perda de tantas almas dentro e fora da Cristandade? Ou vedes ou não vedes. Se o vedes, como não o remediais? E se não o remediais, como vedes? Estais cegos. 

Ministros da república, da justiça, da guerra, do estado, do mar e da terra, vede as obrigações que se descarregam sobre o vosso cuidado, vede o peso que carrega sobre vossas consciências, vede as desatenções do governo, vede as injustiças, vede os roubos, vede os descaminhos, vede as maquinações, vede as dilações, vede os subornos, vede os respeitos, vede as potências dos grandes e as vexações dos pequenos, vede as lágrimas dos pobres, vede os clamores e gemidos de todos. Ou vedes ou não vedes. Se o vedes, como não o remediais? E se não o remediais, como vedes? Estais cegos. 

Pais de família, que tendes casa, mulher, filhos e criados, vede o desconcerto e o descaminho das vossas famílias, vede a vaidade da mulher, vede o pouco recolhimento das filhas, vede a liberdade e más companhias dos filhos, vede a soltura e descomedimento dos criados, vede como vivem, vede o que fazem e o que se atrevem a fazer, fiados muitas vezes na vossa dissimulação, no vosso consentimento e na sombra do vosso poder? Ou vedes ou não vedes. Se o vedes, como não o remediais? E se não o remediais, como vedes? Estais cegos. 

Finalmente, homem cristão, de qualquer estado e de qualquer condição que seja, vede a Fé e o caráter que recebestes no Batismo, vede a obrigação da Lei que professais, vede o estado em que viveis há tantos anos, vede os encargos da vossa consciência, vede as restituições que deveis, vede a ocasião da qual não vos apartais, vede o perigo da vossa alma e de vossa salvação, vede que estais atualmente em pecado mortal, vede que se vos tomais a morte nesse estado, vos condenais sem remédio; vede que se vos condenais, haveis de arder no inferno enquanto Deus for Deus e que haveis de carecer do mesmo Deus por toda a eternidade. Ou vemos tudo isto, cristãos, ou não o vemos. Se não vemos, como somos tão cegos? E se o vemos, como não o remediamos? 

Fazemos conta de remediar tudo isso alguma hora, mas quando há de ser esta hora? Ninguém haverá tão ímpio, tão bárbaro, tão blasfemo, que diga que não. Pois se o havemos de remediar alguma hora, quando há de ser esta hora? Na hora da morte? Na última velhice? Essa é a conta que lhe fizeram todos os que estão no inferno, e lá estão, e lá estarão para sempre. E será bem que façamos nós também a mesma conta e que nos vamos após eles? Não, não, não queiramos tanto mal a nossa alma. Pois se algum dia há de ser, se algum dia havemos de abrir os olhos, se algum dia nos havemos de resolver, porque não será hoje este dia?

Ah Senhor, pois que não quero persuadir aos homens e nem a mim (pois somos tão cegos), a Vós me quero volver. Não olheis, Senhor, para as nossas cegueiras; lembrai-Vos dos Vossos olhos, lembrai-Vos do que eles fizeram hoje em Jerusalém. Ao menos um cego saia hoje daqui iluminado. Ponde em nós esses olhos piedosos; ponde em nós esses olhos misericordiosos; ponde em nós esses olhos onipotentes. Penetrai e abrandai com eles a dureza destes corações: rasgai e alumiai a cegueira destes olhos para que vejam o estado miserável de suas almas; para que vejam quanto lhes merece essa Cruz e essas Chagas e para que, lançando-nos todos aos Vossos pés, como hoje fez o cego, arrependidos e com uma firmíssima resolução de nos afastar de nossos pecados, nos façamos dignos de ser iluminados com a Vossa Graça e, assim, Vos ver eternamente na Glória.

Excertos do 'Sermão da Quinta Quarta-Feira da Quaresma', do Pe. Antônio Vieira, 1669)

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

PALAVRAS ETERNAS (IV)

'Totus tuus ego sum Mariae et omnia mea tua sunt'


Sou todo teu, Maria, e tudo o que é meu é teu

(São Luís Grignion de Montfort)

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

BREVIÁRIO DIGITAL - ILUSTRAÇÕES DE DORÉ (VII)

PARTE VII (Jz 15 - Rt 2)

 [Sansão derruba os filisteus com a queixada de um jumento (Jz 15)]

 [Sansão carrega o portão de Gaza (Jz 16A)]

  [Sansão e Dalila (Jz 16B)]

  [A morte de Sansão (Jz 16C)]

  [O levita encontra o cadáver de sua concubina à porta (Jz 19A)]

  [O levita leva o cadáver da concubina para casa (Jz 19B)]

  [Os benjamitas tomam para si as filhas de Silo (Jz 21)]

  [Noemi e suas duas noras (Rt 1)]

[Rute apanha feixes de trigo no campo de Booz (Rt 2)]

ILUSTRAÇÕES DE DORÉ (I)

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

O SINAL DA CRUZ (III)


In hoc Signo vinces - 'Por este Sinal vencerás'

III

A primeira razão do Sinal da Cruz ter sido dado aos homens é o de nos tirarmos do pó, pois é um sinal divino que nos enobrece. Mas por que tirados do pó? Dize-me: quem é que entra chorando no mundo? Que sempre vive sujeito a todas as enfermidades? E que durante largo tempo é incapaz de prover as suas próprias necessidades? Todavia, este ser é a Imagem de Deus e do Rei da Criação e é necessário que ele não se degrade. Mas eis que Deus, tocando-o, imprime na sua fronte um Sinal Divino que o enobrece e este título de nobreza, este Sinal Divino, é o Sinal da Cruz. Sinal divino, porque vem do Céu e não da terra. Percorre todos os países e todos os séculos; não encontrarás em parte alguma o homem que imaginou o Sinal da Cruz, o santo que o inventou ou o Concilio que o impôs.

Quem é, pois, o autor e o instituidor do Sinal da Cruz? Para o encontrar, é necessário transpor todos os séculos, todas as criaturas visíveis, todas as hierarquias angélicas; é necessário subir até ao Verbo Eterno que é — a Verdade em Pessoa. Escuta uma testemunha nas melhores condições de saber o que se refere. Seu testemunho é tanto mais irrecusável, quanto é certo tê-lo valorizado com o timbre do próprio sangue. É’ o grande Bispo de Cartago, São Cipriano, que exclama: 'Senhor, Vós que sois o Sacerdote Santo, nos legastes três coisas imorredouras: o Cálice do Vosso Sangue, o Sinal da Cruz e o Exemplo das Vossas Dores'. E Santo Agostinho acrescenta: 'Ó Senhor Jesus Cristo, Vós quisestes que este sinal ficasse impresso sempre em nossa fronte'.

O brasão do católico é o Sinal da Cruz. Sou católico; portanto, o Sinal da Cruz fala da minha origem e fala a todos da nobreza da minha gente. Uma gente a que pertencem legiões inteiras de Doutores, de Virgens, de Mártires, de poetas, de oradores, de filósofos, de artistas, de grandes legisladores, de reis, beneméritos, guerreiros ilustres, qual é? Esta gente chama-se — a grande População Católica — a qual temos a graça de pertencer. E o Sinal da Cruz é o brasão desse grande povo.

O primeiro sentimento que o Sinal da Cruz desenvolve em nós enobrecendo-nos aos nossos olhos é o respeito por  nós mesmos. O respeito dos outros para conosco mede-se por aquele respeito que temos por nós mesmos. A crueldade, a hipocrisia, a devassidão e o vício só podem inspirar temor. Os homens da atualidade, velhos ou moços — homens todos que nunca fazem o Sinal da Cruz — eles se respeitam? 

Façamos um ensaio de análise... a parte mais nobre do homem é a alma. E da alma, a faculdade mais nobre é a inteligência, dada pelas mãos do próprio Deus para receber a verdade e só a verdade — mas a inteligência é hoje conspurcada e profanada pela mentira e pelo erro. Porventura, o homem de hoje respeita a própria inteligência? E' para satisfazer os nobres anseios da inteligência que hoje ele procura a verdade? Não. Nem gosto mais tem ele pelas fontes puras de onde jorra a verdade, pois os oráculos divinos, os sermões ou os livros ascéticos ou de filosofia cristã causam-lhe náusea. Se porventura pudésseis penetrar o íntimo de uma inteligência batizada, parecerias estar num depósito de trastes ou loja de peças velhas! Encontrarias ali em  misturada confusão — ignorância, contos vãos, frivolidades, preconceitos, mentiras, erros, dúvidas, objeções estultas, impiedades, tolices, negações e inutilidades — triste espetáculo!

Se tua mão não toca em tua fronte para fazeres o Sinal Divino, tocará a miúdo o que nunca deveria tocar. Se não queres armar, com o sinal protetor, os teus olhos, nem os teus lábios, nem o teu peito; então teus olhos mancham-se olhando o que nunca deveriam ver; teus lábios, como mudos faladores, não dizem o que deviam dizer, para dizerem o que para sempre deviam calar; e o teu peito, altar profanado, arde em chamas cujo nome, só em si, já é uma vergonha. Eis então a tua história íntima.

O homem que nunca faz o Sinal da Cruz perde a estima da própria vida. Ele a vilipendia e a desperdiça, porque não a leva a sério: da noite faz dia para o dia lhe ser noite e não recusa nada às tendências e ao gosto, consumindo o seu tempo sem relação com a eternidade. Tudo isso é como tecer teias de aranha, caçar moscas e construir castelos de papelão. Levar a vida a sério é bem aproveitá-la como o exige o seu Único Proprietário — Aquele que dispõe de tudo; Aquele que um dia nos pedirá contas, não apenas do conjunto, mas de tudo; não só dos anos, mas dos minutos. Fatigado, enfim, no caminho das bagatelas e das iniquidades, o que pode esperar então o homem desprezador do Sinal Divino? 

(Excertos adaptados da obra 'O Sinal da Cruz', do Monsenhor Gaume, 1862)

domingo, 12 de janeiro de 2020

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'Jesus de Nazaré foi ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder. Ele andou por toda a parte, fazendo o bem e curando a todos os que estavam dominados pelo demônio; porque Deus estava com ele' 
(At 10, 38)

PÁGINAS DO EVANGELHO (2019 - 2020) 

sábado, 11 de janeiro de 2020

REZAR E AMAR

'Prestai atenção, meus filhinhos: o tesouro do cristão não está na terra, mas nos céus. Por isso, o nosso pensamento deve estar voltado para onde está o nosso tesouro. Esta é a mais bela profissão do homem: rezar e amar. Se rezais e amais, eis aí a felicidade do homem sobre a terra.

A oração nada mais é do que a união com Deus. Quando alguém tem o coração puro e unido a Deus, sente em si mesmo uma suavidade e doçura que inebria, e uma luz maravilhosa que o envolve. Nesta íntima união, Deus e a alma são como dois pedaços de cera, fundidos num só, de tal modo que ninguém pode mais separar. Como é bela esta união de Deus com sua pequenina criatura! É uma felicidade impossível de se compreender. 

Nós nos havíamos tornado indignos de rezar. Deus, porém, na sua bondade, permitiu-nos falar com ele. Nossa oração é o incenso que mais lhe agrada. Meus filhinhos, o vosso coração é por demais pequeno, mas a oração o dilata e torna capaz de amar a Deus. A oração faz saborear antecipadamente a felicidade do céu; é como o mel que se derrama sobre a alma e faz com que tudo nos seja doce. Na oração bem feita, os sofrimentos desaparecem, como a neve que se derrete sob os raios do sol. 

Outro benefício que nos é dado pela oração: o tempo passa tão depressa e com tanta satisfação para o homem, que nem se percebe sua duração. Escutai: certa vez, quando eu era pároco em Bresse, tive que percorrer grandes distâncias para substituir quase todos os meus colegas que estavam doentes; nessas intermináveis caminhadas, rezava ao bom Senhor e – podeis crer! – o tempo não me parecia longo. 

Há pessoas que mergulham profundamente na oração, como peixes na água, porque estão inteiramente entregues a Deus. Não há divisões em seus corações. Ó como eu amo estas almas generosas! São Francisco de Assis e Santa Clara viam nosso Senhor e conversavam com ele do mesmo modo como nós conversamos uns com os outros. 

Nós, ao invés, quantas vezes entramos na Igreja sem saber o que iremos pedir. E, no entanto, sempre que vamos ter com alguém, sabemos perfeitamente o motivo por que vamos. Há até mesmo pessoas que parecem falar com Deus deste modo: 'Só tenho duas palavras para vos dizer e logo ficar livre de vós'. Muitas vezes penso nisto: quando vamos adorar a Deus, podemos alcançar tudo o que desejamos, se pedirmos com fé viva e coração puro'.

(Excertos da obra 'Catecismo de São João Maria Vianney', do original Catéchisme sur la prière: Esprit du Curé d’Ars, de A. Monnin,, 1899)

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

A 'ORAÇÃO DO TEMPO' DO GENERAL PATTON

A batalha de Ardenas, que resultou em milhares de mortos entre soldados e civis, foi a última ofensiva alemã de porte na Segunda Guerra Mundial, lançada de surpresa em 16 de dezembro de 1944. Como a Bélgica havia sido libertada três meses antes, ninguém esperava o cerco que as tropas da Wehrmacht imporiam aos soldados americanos da 101ª divisão aerotransportada em Bastogne (sul da Bélgica). Os terríveis combates, que se espalharam por toda a região em meio a um frio polar, duraram seis semanas até a vitória dos Aliados no final de janeiro de 1945.

Neste cenário dramático, o cerco alemão foi rompido pelo Terceiro Exército Americano, sob a liderança do General George Patton (1885 - 1945), um dos mais importantes e carismáticos comandantes militares dos Aliados durante os eventos da Segunda Guerra Mundial. Para romper o cerco, Patton tinha que vencer, além das obstinadas e muito bem treinadas tropas alemãs, as piores condições climáticas possíveis, resultantes de uma combinação crítica de inverno rigoroso, chuvas intensas, terrenos encharcados e neblina, impedindo, assim, qualquer perspectiva ou estratégia militar de superação maciça e imediata das forças inimigas.


Neste cenário de incertezas completas, Patton recorreu  ao capelão católico do Terceiro Exército - James Hugh O´Neill - no sentido do mesmo prover uma oração de súplica a Deus pelas mudanças das condições climáticas locais e, assim, viabilizar a operação militar de superação do cerco alemão. Diante do questionamento do sacerdote de ser prática pouca ortodoxa invocar a Deus por um bom tempo com o intuito de matar homens,  Patton o retrucou: 'Você quer me ensinar teologia ou é o capelão do Terceiro Exército? Eu quero uma oração'. Assim, na falta de uma oração específica, o próprio capelão compôs a 'oração do tempo' solicitada pelo general Patton, nos seguintes termos:

'Pai todo-poderoso e misericordioso, humildemente imploramos, por Vossa grande bondade, conter essas fortes chuvas com as quais tivemos de lidar. Concedei-nos um tempo bom para a batalha. Por favor, ouvi-nos como soldados que Vos invocam para que, armados com o Vosso poder, possamos avançar de vitória em vitória e esmagar a opressão e a maldade dos nossos inimigos e estabelecer a Vossa justiça entre os homens e as nações. Amém'. 

Preparada a oração, Patton foi instado por alguns auxiliares a incluir, junto com a oração, uma saudação de Natal para as tropas sob tensão extremada. A mensagem incluída, do próprio punho do general, tinha os seguintes termos:

'A cada oficial e soldado do Terceiro Exército dos Estados Unidos, desejo um Feliz Natal. Tenho plena confiança em sua coragem, devoção ao dever e habilidade na batalha. Nós vamos avançar com toda a nossa força para uma grande vitória. Que a bênção de Deus repouse sobre cada um de vocês neste dia de Natal'. 

As mensagens foram impressas em um único cartão e distribuídas a cada soldado e oficial do Terceiro Exército (com cerca de 250.000 membros à época). 


No dia seguinte, o tempo mudou radicalmente e permaneceu estável por cerca de seis dias, favorecendo amplamente, não apenas o avanço terrestre das tropas, mas também as condições de voo e dos bombardeios aéreos que permitiram o exército aliado romper o cerco inimigo e enfrentar, de forma demolidora e final, o exército alemão, na chamada Batalha das Ardenas. A batalha se estendeu até o final de janeiro de 1945 e constituiu um dos mais renhidos, decisivos e sangrentos conflitos da Segunda Guerra Mundial.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

O SINAL DA CRUZ (II)


In hoc Signo vinces - 'Por este Sinal vencerás'

II

Os cristãos primitivos da Igreja faziam o Sinal da Cruz, faziam-no bem e o faziam muitas vezes. No Oriente como no Ocidente, em Jerusalém, em Atenas, em Roma, os homens e as mulheres, os mancebos e os velhos, os ricos e os pobres, os padres e os simples fieis, todas as classes da sociedade, observavam religiosamente este uso tradicional.

A história não oferece fato que seja mais certo. Todos os Padres da. Igreja, como testemunhas ocuIares, o dizem e todos os historiadores o certificam. Em nome de todos, escuta agora só um — Tertuliano: ' A cada movimento e a cada passo, ao vestir e ao calçar, ao entrar e ao sair de casa, ao lavar, ao assentar-se à mesa, ao acender as luzes, ao deitar e ao levantar, qualquer que seja o ato que  pratiquemos ou o lugar onde vamos, sempre marcamos nossa fronte com o Sinal da Cruz'. Eis o que está bem claro e é muito certo: nossos avós, de um lado ou de outro, a cada instante faziam o Sinal da Cruz. 

Sim. Não só eles o faziam sobre a fronte, mas, a cada passo, também na boca, sobra os olhos e no peito [Santo Efrém, Sermão sobre a Cruz]. Daqui resulta que, se os primeiros cristãos reaparecendo hoje nos lugares públicos ou em nossas casas, fizessem o que faziam há dezoito séculos, seriam tomados por loucos. E', pois, muito verdade que, a respeito do Sinal da Cruz, os cristãos modernos estão sendo uns antípodas dos primeiros cristãos.

A Verdade é uma só; e a razão só pode estar de um lado: ou a razão está com os cristãos de agora ou há de estar com os primitivos cristãos. Se a razão estiver com os de agora, então os antigos não se justificam e por isso não passaram de uns néscios. Se os primeiros cristãos tinham razão e motivos bastantes para se justificar, os cristãos modernos é que estão errados. Não há meio termo. A razão estará com quem? Questão grave; muito grave.

Os primeiros cristãos viram os Apóstolos e os Homens Apostólicos; trataram e ouviram com eles. Deles receberam a Fé e por eles foram batizados. Foi, portanto, nas fontes da Verdade que eles  beberam. Da Doutrina Apostólica, a quem tudo deviam, é que nutriam o Espírito; dela faziam a regra das próprias ações e com inviolável fidelidade a observavam: perseverantes in doctrina apostolorum. Nunca ninguém esteve em melhores condições do que eles para conhecer o pensamento dos Apóstolos sobre a Doutrina de Nosso Senhor. Se, pois, os primeiros cristãos faziam o Sinal da Cruz a cada instante, é forçoso concluir que eles obedeciam a uma recomendação apostólica. 

Não só os primeiros cristãos eram muito instruídos na Doutrina dos Apóstolos; mas, também muito fieis em praticá-la. Disto é prova serem muitos os santos daquele tempo. Não há verdade melhor estabelecida do que a seguinte: a santidade era o caráter comum dos primeiros cristãos. Eles preferiam perder tudo — a liberdade, os bens, o bom nome e a própria vida, em meio dos piores suplícios, antes de que ofender a Deus. Foi um heroísmo que durou tento como as perseguições: três séculos. Eram muito caridosos. O Céu e a terra se uniram para elogiar-lhes o mútuo amor verdadeiro que os unia, único nos anais do mundo. Constituíam um só coração e uma só alma: Cor unum et anima una — diz deles o próprio Deus nas Escrituras. 

Eram ternos e respeitosos para com os Apóstolos, aos quais obedeciam com submissão filial. São Paulo, que não era adulador, escreve aos cristãos de Roma: 'É célebre no mundo inteiro a vossa Fé'. A meu ver, essa santidade constitui a mais poderosa circunstância a favor do Sinal da Cruz. Quando homens daquele caráter, diante da morte, mostram-se invariavelmente fieis a um dado uso, é necessário crer que tal uso é um pouco mais importante do que julgam os cristãos de agora. 

Muito cedo, tanto no Oriente como no Ocidente, se formaram comunidades religiosas de homens e de mulheres, que perpetuaram, com a maior fidelidade, o verdadeiro espírito do Evangelho e a pura tradição do ensino apostólico. Entre os antigos usos, conservados com zelo e cuidado, figura o Sinal da Cruz. Todos os grandes homens que, durante mais de quinhentos anos, se sucederam no Oriente e no Ocidente, aqueles gênios incomparáveis que se chamam os Pais da Igreja — Tertuliano, Cipriano, Atanásio, Gregório, Basílio, Agostinho, Crisóstomo, Jerônimo, Ambrósio e tantos outros, cuja lista espantosa com o seu peso esmaga o orgulho dos séculos — todas estas elevadas inteligências faziam muito assiduamente o Sinal da Cruz e o recomendavam com insistência a todos os cristãos que o fizessem em qualquer ocasião.

(Excertos adaptados da obra 'O Sinal da Cruz', do Monsenhor Gaume, 1862)

quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

O SINAL DA CRUZ (I)


In hoc Signo vinces - 'Por este Sinal vencerás'

I

'Apenas quinze dias são passados que os jornais anunciaram o naufrágio do navio comandado pelo Capitão Walker. A notícia que lemos nos foi dolorosa pela morte de passageiros conhecidos nossos. Tinha o navio batido contra um escolho, o que deu origem a um largo rombo no casco. Apesar dos esforços da tripulação, foi impossível repará-lo. Em menos de uma hora o porão estava inundado; e o navio descia a olhos vistos abaixo da linha de flutuação. 

Diante do perigo, alijaram ao mar as mercadorias; além das mercadorias, as provisões de guerra; depois os móveis e uma parte dos aparelhos. Por fim, lá se foram as provisões de alimentos, excetuando-se duas ou três pipas de água e alguns sacos de bolacha. Tudo inútil. O navio continuava a afundar e o naufrágio tornava-se iminente. Como último recurso, o Capitão Walker mandou lançar fora as lanchas e, muito à pressa, entrou numa. Infelizmente a maior parte dos passageiros, em vez de nelas encontrarem salvamento, encontrou a morte. Com pequenas variantes, esta é a história dos grandes naufrágios. Em transes tais, os que comandam o navio e as demais pessoas que o ocupam estão prontos para alijar tudo quanto podem: a vida primeiro que tudo. 

O mundo atual (este mundo que ainda se diz cristão) oferece mais de um ponto de semelhança com um navio avariado e prestes a perder-se. As furiosas tempestades que, desde longo tempo, não têm cessado de bater contra a nau da Igreja, nela têm aberto largos rombos. Em grandes ondas, foram entrando doutrinas, costumes, usos e tendências anti-cristãs. E' necessário um abrigo seguro; não para o Navio que é imperecível. mas para os passageiros que não o são. O que se tem feito? Não é ao mundo abertamente pagão que me refiro; nele já o naufrágio está consumado. Falo é deste mundo que ainda pretende ser cristão. 

Que fez ele? O que faz, a cada dia, às provisões de guerra e de alimentação, às mercadorias, aos móveis e aos aparelhos de que a Igreja tinha provido a Nau, a fim de assegurar a sua segurança contra o ímpeto dos ventos e contra os escolhos, e o bom resultado da navegação até ao porto da eternidade? Tudo ou quase tudo foi lançado ao mar. Que é feito da oração em comum no seio das famílias? No mar. Onde andam os estudos da doutrina e as leituras piedosas e a meditação? No mar. Onde ficaram a assistência habitual ao Santo Sacrifício da Missa, o Escapulário e as contas do Rosário? No mar. Onde está aquela santificação séria do domingo, dia reservado unicamente para assistir à Santa Missa inteira e para escutar as pregações da Palavra de Deus e os Oficios Divinos; para a visita aos pobres, aos aflitos e aos doentes? No mar. Onde foi parar a prática frequente e regular dos sacramentos da Confissão e da Comunhão, a observância ao jejum e à abstinência? No mar. Onde está aquele espírito de simplicidade, de modéstia e de mortificação no vestuário, nos divertimentos, nas habitações, no mobiliário, na alimentação? No mar. Onde está o Crucifixo? O que é feito das imagens santas? E o uso da água benta? No mar. Tudo lançado ao mar...

E a Nau continua sendo invadida pelas ondas! Diminui-se o espírito cristão e o espírito mundano cresce a olhos vistos. Entram os viajantes nos barcos, isto é, nas religiões que eles próprios criam segundo as suas verdades, as suas posições, os seus temperamentos, os seus gostos. Aos domingos, vai-se à Igreja o mais tarde possível, assiste-se um pedaço da Missa apressadamente e sabe-se Deus com qual intenção! Missa cantada nem pensar. Ir à explicação da doutrina e às Vésperas [onde elas ainda são rezadas?*], nunca. O cristão de agora frequenta os espetáculos e as danças, lê tudo o que se apresenta, pratica tudo o que quer; só não pratica aquilo que deve. Eis os frágeis batéis [barcos pequenos] aos quais o homem, que se diz católico, hoje confia a própria salvação. 

Porventura poderá ele admirar-se de tantos naufrágios? E a gente nova que assim se vai criando? Entre os usos católicos imprudentemente abandonados pelo mundo atual, um há, entre todos relevantes, que do naufrágio eu bem quisera a todo o custo salvar. E' o Sinal da Cruz [a imagem incluída na postagem corresponde à da primeira tradução em português da obra (1950)]. É tempo de curar a conservação dele. Se não, daqui a alguns anos terá seguido o caminho de tantas outras práticas tradicionais que devemos à ternura maternal da Igreja e à piedade esclarecida dos séculos cristãos [o texto original de 1862 é profético para a crise atual da Igreja; na sequência imediata da edição da obra, o Papa Pio IX instituiu, em 1863, indulgência parcial (ver abaixo)** à prática do Sinal da Cruz].

Queres saber o triste paradeiro do Sinal da Cruz no mundo cristão de hoje? Coloca-te um domingo qualquer à porta de uma igreja. Observa bem a multidão, que entra na Casa de Deus. Um grande número entra com altivez ou loucamente; entram sem nem olhar para a pia de água benta [em quantas igrejas se dispõe ainda de uma pia de água benta à entrada?] e não fazem o Sinal da Cruz. Outros, em menor número, apenas fazem um gesto exterior do Sinal da Cruz. Outros tantos, pelo modo com que fazem o Sinal da Cruz, melhor seria que o não fizessem. Estou certo de que o mais hábil decifrador de hieróglifos diante daquilo ficaria em dificuldades. 

Um tal movimento de mão - irrefletido, apressado, truncado, mecânico - ao qual é impossível designar forma ou dar uma significação, se é que ligam a menor importância ao que fazem, eis deles o Sinal da Cruz de domingo. Nesta multidão toda de gente batizada, quantas pessoas encontrarás que façam, séria, regular e religiosamente, o Sinal santo da salvação eterna? Ora, se em público e em circunstâncias solenes, a maior parte não faz ou faz mal o Sinal da Cruz, tenho dificuldade em me persuadir que o façam e o façam bem, em outras ocasiões onde há, na aparência, menos motivos para o fazer e de o fazer bem. E' pois um fato: os cristãos de hoje não fazem, fazem raras vezes ou fazem mal feito o Sinal da Cruz'. 

* observações adicionadas pelo autor do blog

(Excertos adaptados da obra 'O Sinal da Cruz', do Monsenhor Gaume, 1862)


**Excertos da Indulgência Parcial da Igreja associada à Prática do Sinal da Cruz 

(introduzida pelo Papa Pio IX, em 28 de julho de 1863)

... Julgamos a propósito despertar a piedade dos fieis para com o Sinal salutar de nossa Redenção, abrindo os Celestes Tesouros das Indulgências, a fim de que, imitando os belos exemplos dos primeiros cristãos, se não envergonhem hoje os católicos de pública e abertamente, munir-se com frequência do Sinal da Cruz, que é o Estandarte da Milícia Cristã.

Eis porque Nós, confiando na misericórdia de Deus Onipotente e na autoridade de seus bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo, concedemos, pela forma habitual da Igreja, a todos e a cada um dos fieis de ambos os sexos que fizerem o Sinal da Cruz, contritos ao menos de coração e invocada a Santíssima Trindade, cinquenta dias de Indulgência, pelas penitências que lhes forem impostas ou que por outro motivo tivessem de cumprir. Concedemos além disto, pela misericórdia do Senhor, que estas Indulgências possam ser aplicadas por modo de sufrágio às Almas dos Fieis que morreram em graça.

REZAI SEMPRE...

REZAI sempre, incessantemente...

... pela salvação da tua alma!

Sine intermissione orate! (1Ts 5,17)

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

'Certa vez li ou ouvi que uma vida interior significa a continuação da vida de nosso Salvador dentro de nós; que o grande objetivo de todos seus mistérios é fazer-nos merecer a graça de sua vida interior e comunicá-la a nós, sendo sua missão nos guiar à doce terra de sua promessa, para uma vida em constante união com ele. E qual é a primeira regra de vida do nosso querido Salvador? Sabes que é fazer a vontade de seu Pai. Logo, o primeiro propósito na vida diária é fazer a vontade de Deus; em segundo lugar, é fazê-lo da maneira que Ele deseja; e, em terceiro, fazê-lo porque Ele deseja. Eu sei qual é o seu desejo através daqueles que me orientam; o que me pedem para fazer, por mais simples que seja, é a vontade de Deus para mim'.

Santa Elisabeth Seton (1774-1821)

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (XLIV)

XXV

DO SACRAMENTO DO BATISMO: NATUREZA E MINISTÉRIO DESTE SACRAMENTO

Que entendeis por sacramento do batismo?
Um rito instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, que consiste em lavar o neófito com água natural, enquanto o ministro pronuncia estas palavras: 'Eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo' (LXVI, 1-5)*.

Pode administrar-se mais de uma vez à mesma pessoa?
Não, Senhor, porque imprime na alma caráter indelével (LXVI, 9).

O batismo de água pode ser suprido pelo chamado de sangue, e pelo de amor, ou batismo flaminis?
No sentido de que se pode alcançar a graça correspondente à recepção do Sacramento, quando este se torna impossível, sim; o batismo de água pode ser suprido pelo martírio ou batismo de sangue, que faz o homem imagem de Cristo em sua paixão e morte, e pelo de amor ou desejo, que consiste num movimento de anelo, procedente da caridade por impulso do Espírito Santo; porém, tenha-se presente que, nestes dois últimos casos, não se recebe o caráter sacramental (LXVI, 11).

Quem pode administrar este sacramento?
Validamente, qualquer homem ou mulher que tenha uso de razão, se executarem com exatidão o rito e tiverem intenção de fazer o que faz a Igreja Católica quando o administra (LXVII).

Que condições há de reunir o ministro para administrá-lo licitamente?
As que prescreve e determina a Igreja Católica (Ibid).

Quais são?
Nos casos ordinários, o sacerdote o administra por si mesmo e conforme ao que está legislado no direito canônico e prescrito no ritual ou faz administrá-lo por um diácono como ministro extraordinário; fora desses casos, é necessário que haja necessidade urgente, isto é, perigo de morte; neste caso pode administrá-lo licitamente a primeira pessoa disponível, quer seja sacerdote, clérigo, leigo, homem ou mulher, e até um pagão, guardando entre si a ordem e turno de preferência com que acabamos de enumerá-los, se vários puderem fazê-lo (LXVII, 1-5).

Quando se administra solenemente o batismo ou se suprem as cerimônias do de urgência, necessita o neófito de padrinhos?
Sim, Senhor; assim o ordena a Igreja seguindo uma tradição antiquíssima, fundada na necessidade que tem o recém batizado de alguém com o encargo e oficio de instruí-lo em seus deveres religiosos e animá-lo no cumprimento das obrigações contraídas (LXVII, 7).

Logo, o cargo de padrinho ou madrinha é oficio grave e de responsabilidade e não fórmula de mero expediente?
Sim, Senhor, pois que lhes incumbe a obrigação rigorosa de procurar, por todos os meios, que os seus afilhados se mantenham sempre fiéis ao prometido e jurado no batismo (LXVII, 8).

XXVI

QUEM PODE RECEBER ESTE SACRAMENTO E COMO TODOS NECESSITAM DELE

Estão obrigados todos os homens a receber o batismo?
Sim, Senhor; de tal sorte que se alguém, podendo e não o receber, é impossível que se salve. A razão é porque, mediante o batismo, somos incorporados a Cristo e começamos a ser seus membros e ninguém, depois do pecado de Adão, pode entrar no reino dos céus, senão com o título de membro de Cristo (LXVIII, 12).

Não basta a fé e a caridade para fazer parte do corpo místico de Jesus Cristo e ter direito à entrada na Glória?
Indubitavelmente que sim; porém, nem a fé pode ser sincera, nem a graça informar a alma, se voluntariamente se fecham os canais por onde ordinariamente fluem, recusando o batismo, que é o sacramento da fé e é destinado a produzir a primeira graça que nos une com Cristo.

Logo, pode receber-se o batismo em pecado mortal, quer se restrinja ao pecado original, quer a outros que acompanhem os que chegaram ao uso da razão?
Sim, Senhor; e por isto se lhe chama Sacramento de Mortos, visto como não supõe a alma na posse da graça, como os chamados sacramentos de vivos, mas tem por objeto infundi-la. Contudo, quando o batizado é adulto com pecados pessoais graves, está obrigado a arrepender-se convenientemente deles para alcançar o fruto do sacramento (LXVIII, 4).

Precisam os adultos ter intenção de recebê-lo?
Sim, Senhor; e sem ela o sacramento é nulo (LXV II, 8).

Precisam também ter fé?
Para receber a graça do sacramento, sim, Senhor, mas não para receber o sacramento ou o caráter (LXVII, 7).

Logo, é lícito batizar as crianças, posto que não podem ter nem fé, nem intenção?
Sim, Senhor; pois, têm fé e intenção por eles os que, em nome deles, pedem o batismo ou, na falta destes, a Igreja (LXVIII, 9).

Podem ser batizados, contra a vontade de seus pais e antes do uso da razão, os filhos dos infiéis e dos judeus e, em geral, daqueles que de nenhum modo estão sujeitos à autoridade da Igreja?
Não, Senhor; fazê-lo é pecar contra o direito natural, já que a mesma natureza concedeu aos pais o direito de tutela sobre os seus filhos até à idade em que livremente podem dispor de si mesmos. Se, contravindo esta lei, fosse algum batizado, o batismo seria válido e a Igreja adquire sobre o menino direitos preferenciais, visto que são da ordem sobrenatural fundados no batismo (LXVIII, 10).

Pode-se, em perigo de morte, batizar uma criança no seio materno?
Não, Senhor; porque, antes de desprender-se da mãe e sair à luz, não pode ser considerado como um membro mais da sociedade, nem esta tem ação sobre ele para administrar-lhe os sacramentos; deve-se, em tais casos, confiá-lo inteiramente aos imperscrutáveis juízos de Deus (XLVIII, 11 ad 1).

Podem salvar-se os meninos que morrem antes do batismo?
Não, Senhor; visto como Deus não estabeleceu no mundo outro meio de agregar-se ao corpo místico de Jesus Cristo e de receber a sua graça, sem a qual nenhum homem pode salvar-se (LXVIII, 3).

Podem receber o batismo os loucos e idiotas?
Se nunca tiveram uso da razão, correm a mesma sorte que os meninos e, portanto, podem ser como eles batizados; porém, se alguma vez tiveram uso da razão só podem batizar-se quando, em estado de lucidez, hajam manifestado desejos de receber este sacramento (LXVIII, 12).

XXVII

DOS EFEITOS DO SACRAMENTO DO BATISMO

Que efeitos produz o sacramento do batismo naqueles que não põem obstáculos à sua virtude e eficácia?
Incorpora o homem a Cristo, fazendo-o participante dos frutos da sua paixão; lava na alma até a última sombra do pecado e exime da obrigação de satisfazer a pena devida por todos os pecados anteriormente cometidos; tem poder para suprimir todas as penalidades e misérias desta vida; porém, Deus suspende este efeito até ao dia da ressurreição, para que o cristão se assemelhe a Jesus Cristo, encontre oportunidade de entesourar merecimentos e dê provas de que não o recebe para procurar comodidades na vida presente, e sim para conquistar a glória da vida futura (LXIX. 1-3).

Infunde o batismo a graça e as virtudes?
Sim, Senhor; porque une com Jesus Cristo, manancial da graça, donde flui para todos os seus membros e, como graça característica sua, confere especial agudeza de entendimento para fazer obras dignas do cristão (LXIX, 4,5).

Produz estes dois efeitos na alma das crianças?
Sim, Senhor; ainda que, em estado habitual e latente como germe que aguarda tempo oportuno, para desenvolver-se e produzir frutos (LXIX, 6).

Podemos dizer que o efeito próprio do batismo é o de nos abrir as portas do céu?
Sim, Senhor; porque, ao lavar o pecado e indultar-nos da pena devida por ele, aplaina o único obstáculo que, depois da paixão de Cristo, estorva a entrada no céu (LXIX, 7).

Produz o batismo todos os sobreditos efeitos no adulto que o recebe sem as devidas disposições?
Não, Senhor; só recebe o caráter sacramental; porém, como este é indelével, serve-lhe para que o batismo produza efeitos íntegros, desde o momento em que remova os obstáculos e se disponha convenientemente (LXIX, 9, 10).

Têm alguma eficácia os ritos e cerimônias com que se administra?
Sim, Senhor; ainda que de categoria e ordem muito inferior à da graça, visto que o seu objeto é dispor o catecúmeno para receber todos os efeitos do sacramento; por esta razão não se computam entre os sacramentos, mas entre os sacramentais (LXXI, 3).

XXVIII

DA DIGNIDADE E OBRIGAÇÕES DOS BATIZADOS

Confere a graça do batismo especial dignidade e nobreza e impõe, por sua vez, obrigações próprias de tão alto estado?
Os que tiveram a dita de recebê-lo e, na devida medida, correspondem a tão assinalado favor, excedem em dignidade a todas as criaturas cujo último destino é alcançar um fim natural. São filhos de Deus e irmãos de Cristo; poderemos dizer que são como a continuação de Jesus Cristo que, neles como membros, vive, se reproduz e prolonga a série de triunfos e merecimentos que pessoalmente conquistou quando vivia na terra; porém, por sua vez, tal nobreza obriga e o que a possui tem o dever de não manchar a sua vida, com atos ou costumes indignos, da própria pessoa de Jesus Cristo.

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular)

domingo, 5 de janeiro de 2020

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'Este mistério Deus não o fez conhecer aos homens das gerações passadas, mas acaba de o revelar agora, pelo Espírito, aos seus santos apóstolos e profetas: os pagãos são admitidos à mesma herança, são membros do mesmo corpo, são associados à mesma promessa em Jesus Cristo, por meio do Evangelho' (Ef 3, 5-6)

PÁGINAS DO EVANGELHO (2019 - 2020)

sábado, 4 de janeiro de 2020

QUAL SERÁ A SUA FOTOGRAFIA DE VIDA ETERNA?


Quantas fotografias cabem em uma vida? Gravadas em câmeras especiais ou selfies de celulares, guardam recordações que passam como um sopro de vento... quantas imagens de risos, posses ou momices de dados momentos, revelações etéreas daquilo que somos ou do que já fomos um dia... registradas e imobilizadas de repente nos desvãos do nosso tempo e de nossas vidas. Fotografias são os cinzéis que moldam o perpassar contínuo dos anos sobre a dinâmica viva da nossa argila humana. 

Deus também guarda, com muito mais cuidado e com perfeição infinita, as fotografias da nossa alma ao longo de nossas vidas. Ele criou estas almas com perfeição infinita, como obras primas nascidas de uma escolha personalíssima do Pai. E, no momento primevo da nossa criação, dotou-nos de corpo e alma fundidos numa escultura única de beleza imponderável. E nos colocou nas mãos os cinzéis do livre arbítrio e a liberdade de filhos para remoldar livremente a obra prima divina. 

Num certo e definitivo dia, vamos prestar contas a Deus não dos nossos dias, mas do que fizemos a cada dia com os cinzéis dos tempos. E, no Juízo, o Pai Eterno vai nos mostrar a fotografia da nossa alma no momento da criação e como esta fotografia foi mudando ao longo do tempo de nossa vida, pelo trabalho incansável do livre arbítrio em reconformar a obra prima do Pai. Deus vai nos mostrar então, lado a lado, a fotografia da sua criação e a fotografia recriada por nós ao longo de uma vida e que será a nossa fotografia de vida eterna.

E, nós mesmos, seremos os julgadores do nosso destino eterno, na medida em que formos capazes ou não de nos reconhecermos nas duas fotografias. Teremos os traços, o contorno, a beleza, a pureza e a semelhança com o modelo original, criado pela Santa Vontade do Pai? Ou seremos apenas o molde oco, vazio e irreconhecível do que foi um dia a nossa alma de eternidade? Qual será a fotografia de nossa alma no dia do Juízo?

PRIMEIRO SÁBADO DO MÊS E DO ANO


quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

THESAURUM IN CAELO!


Si vis perfectus esse... et habebis thesaurum in caelo! (Mt 19,21)

Deum glorificare; 
Jesum imitari; 
Beatissimam Virginem et Sanctos venerari; 
Angelos invocare; 
Animam salvare; 
Corpus mortificare; 
Virtutes a Deo exorare; 
Peccata expiare; 
Paradisum comparare; 
Infernum evitare; 
Aeternitatem considerare; 
Tempus bene applicare; 
Proximum ædificare; 
Mundum formidare; 
Dæmones impugnare; 
Passiones frenare; 
Mortem semper exspectare; 
Ad iudicium te præparare.

**************

Se queres ser perfeito... e terás um tesouro no Céu! (Mt 19, 21)

Deus para glorificar; 
Jesus para imitar; 
A bem aventurada Virgem e os santos para venerar; 
Os anjos para invocar; 
A alma para salvar; 
O corpo para mortificar; 
Virtudes para conquistar; 
Pecados para expiar; 
O paraíso para ganhar; 
O inferno para evitar; 
Eternidade para preparar; 
Tempo para bem aproveitar; 
O próximo para edificar; 
O mundo para desprezar; 
Demônios para combater; 
Paixões para refrear; 
A morte sempre esperar; 
E para o Juízo se preparar.