segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

FÁTIMA EM FATOS E FOTOS (XVIII)

86. A quem foi dirigida e em que consiste a devoção reparadora dos Primeiros Sábados pedida por Nossa Senhora?

A devoção reparadora dos Primeiros Sábados (associada diretamente à recitação do Rosário) foi um pedido de Nossa Senhora dirigido a todos os católicos do mundo, como tributo de oração e devoção para a salvação das almas e para a obtenção da paz do mundo. 

Nesse pedido, Nossa Senhora ratificava a prática piedosa de considerar o sábado como dia consagrado especialmente à Santíssima Virgem desde provavelmente os primeiros séculos da Igreja (fato concreto é que tal devoção já era praticada pelas Confrarias do Rosário, na forma de uma consagração especial a Nossa Senhora durante quinze sábados consecutivos, e que tal devoção já constava expressamente no missal romano de São Pio V, de 1570). Em 10 de julho de 1905, o papa São Pio X indulgenciou pela primeira vez esta devoção nos seguintes termos:

'Todos os fiéis que, no primeiro sábado ou primeiro domingo de doze meses consecutivos, consagrarem algum tempo com a oração vocal ou mental em honra da Virgem Imaculada em sua Conceição ganham, cada um desses dias, uma indulgência plenária. – condições: confissão, comunhão e oração nas intenções do soberano pontífice'.

Exatamente 5 anos (exatos!) antes da aparição e do pedido de Nossa Senhora, em 13 de junho de 1912, o papa São Pio X concedia novas indulgências à devoção dos primeiros sábados do mês, enfatizando a intenção reparadora inerente a esta devoção:

'A fim de promover a devoção dos fiéis para a gloriosa e imaculada Mãe de Deus, e para favorecer o piedoso desejo de reparação dos fiéis diante das blasfêmias execráveis proferidas contra o seu augusto nome e as celestes prerrogativas desta mesma bem-aventurada Virgem, Pio X, papa pela divina Providência, dignou-se conceder uma indulgência plenária, aplicável às almas dos defuntos, no primeiro sábado de cada mês, por todos aqueles que, nesse dia, se confessarem, comungarem, cumprirem exercícios particulares de devoção em honra da bem-aventurada Virgem Maria, em espírito de reparação como indicado acima e rezarem nas intenções do soberano pontífice' (Acta Apostolicae Sedis 4, 1912).

São Pio X (1835 - 1914)

Assim, o pedido de Nossa Senhora consolida, reforça e fomenta a ampliação de uma das mais belas práticas de devoção mariana já enraizada na mais pura tradição católica e no acervo litúrgico da Santa Igreja.

87. Quais foram os termos, as condições e as promessas inerentes à devoção reparadora dos Primeiros Sábados feita por Nossa Senhora?

Os termos e as condições inerentes à devoção reparadora dos Primeiros Sábados pedida por Nossa Senhora foram detalhados por Nossa Senhora, em aparição ocorrida na noite de 10 de dezembro de 1925, quando Lúcia, então postulante na casa doroteana em Pontevedra/Espanha, encontrava-se sozinha na sua cela após o jantar. Na aparição, Nossa Senhora trazia numa das mãos um coração cravado de espinhos e tinha, ao seu lado, o Menino Jesus suspenso sobre uma nuvem luminosa, que falou inicialmente:

'Tem pena do Coração de tua Santíssima Mãe que está coberto de espinhos, que os homens ingratos a todos os momentos lhe cravam, sem haver quem faça um ato de reparação para os tirar'.

Em seguida, Nossa Senhora disse a Lúcia:

‘Olha, Minha filha, o Meu Coração cercado de espinhos que os homens ingratos a todo o momento Me cravam, com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, vê de Me consolar e diz que a todos aqueles que durante cinco meses seguidos, no Primeiro Sábado, se confessarem, receberem a Sagrada Comunhão, rezarem um Terço e Me fizerem 15 minutos de companhia, meditando nos quinze Mistérios do Rosário com o fim de Me desagravar, Eu prometo assistir-lhes à hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação destas almas'.


Constata-se, portanto, ser Lúcia a depositária expressa da divulgação mundial desta devoção. Com efeito, em 15 de fevereiro de 1926, ocorreu uma nova aparição do Menino Jesus. Ele perguntou então à Lúcia se ela já tinha difundido a devoção à sua Santíssima Mãe. A Irmã Lúcia apresentou a dificuldade que algumas almas tinham de se confessar ao sábado, e pediu para ser válida a confissão de oito dias. Eis a resposta de Jesus: 'Sim, pode ser de muitas [maneiras] mais ainda, contanto que, quando Me receberem, estejam em graça, e que tenham a intenção de desagravar o Imaculado Coração de Maria'.

Quando a Irmã Lúcia perguntou mais tarde a Nosso Senhor (na noite do dia 29 para 30 de maio de 1930) a razão da devoção abranger Cinco Primeiros Sábados, Ele respondeu:

'Minha filha, o motivo é simples: são cinco as espécies de ofensas e blasfêmias proferidas contra o Imaculado Coração de Maria:
  • contra a Imaculada Conceição;
  • contra a Sua Virgindade;
  • contra a Maternidade Divina, recusando, ao mesmo tempo, recebê-La como Mãe dos homens;
  • contra os que procuram publicamente infundir, nos corações das crianças, a indiferença, o desprezo, e até o ódio para com esta Imaculada Mãe;
  • contra os que A ultrajam diretamente nas Suas sagradas imagens.
A intenção primária da devoção é estas ações de reparação dos pecados que ultrajam e blasfemam contra a Mãe de Deus, atestado pelas palavras de Jesus a Lúcia após elencar as cinco espécies de ofensas a serem reparadas: 

'Eis, minha filha, porque motivo o Imaculado Coração de Maria me inspirou para pedir esta pequena reparação e em consideração a ela, comover minha misericórdia para perdoar as almas que tiveram a infelicidade de ofendê-lo. Quanto a ti, procure sem cessar, por tuas orações e teus sacrifícios, comover minha misericórdia em relação às pobres almas'.

Em revelação adicional, em carta da irmã Lúcia dirigida ao bispo titular de Gurza, de 27 de maio de 1943, a vidente enfatiza as promessas do poder e da eficácia sobrenatural da devoção aos Santíssimos Corações de Jesus e Maria:

Os Santíssimos Corações de Jesus e Maria amam e desejam este culto [para com o Coração de Maria] porque dele se servem para atrair todas as almas a eles e isto é tudo o que desejam: salvar as almas, muitas almas, todas as almas. Nosso Senhor me dizia, há alguns dias: 'Desejo ardentemente a propagação do culto e da devoção ao Coração de Maria porque este Coração é o ímã que atrai as almas para mim, a fornalha que irradia na terra os raios de minha luz e de meu amor, fonte inesgotável de onde brota na terra a água viva de minha misericórdia'.


88. O pedido de Nossa Senhora quanto à devoção reparadora dos Primeiros Sábados foi atendido pelos homens?

Parcialmente, sim, mas certamente muito aquém do tesouro inesgotável de graças propostas pelos Céus para 'salvar as almas, muitas almas, todas as almas'. Com efeito, a devoção já consistia de prática comum pela Igreja há muito tempo, porém sem os frutos abundantes de salvação prescritos. O diálogo (locução interior) entre a Irmã Lúcia e o Menino Jesus, em 5 de fevereiro de 1926, nos dá a dimensão deste descompasso:

–  Meu confessor dizia em sua carta que esta devoção não fazia falta ao mundo porque já havia muitas almas que vos recebia todo primeiro sábado, em honra de Nossa Senhora e dos quinze mistérios do rosário.

– É verdade, minha filha, que muitas almas começam, mas poucas vão até o fim; e aquelas que perseveram, não fazem para receber as graças que estão prometidas. As almas que fazem os cinco primeiros sábados com fervor e com o fim de reparar o Coração de tua Mãe do Céu me agradam mais do que aquelas que fazem quinze, sem ardor e indiferentes.

Eis, portanto, as premissas necessárias da devoção: um profundo fervor, humildade e firme propósito de reparação contra os pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria. Estas premissas e os termos da devoção são praticados por almas reparadoras no mundo inteiro. Mas seriam tantas para apagarem as inúmeras blasfêmias, os sacrilégios e as nefandas injúrias contra a dignidade, as honras e os privilégios da Santíssima Virgem? Não são estes pecados tão disseminados, tão incentivados e tão explorados nos nossos tristes tempos em nome do ecumenismo, do respeito humano e do ódio a Igreja de Cristo? E, tragicamente, muitos deles não são cometidos pelos próprios católicos e até mesmo por certos setores da Igreja Católica?


89. A quem foi dirigida e como deveria ser realizada a consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria?

Ao contrário da devoção anterior, o pedido do ato de consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria foi dirigido explicitamente às autoridades hierárquicas da Igreja (papa e bispos). Os termos e as condições inerentes ao pedido da consagração da Rússia foram expostos por Nossa Senhora em uma nova aparição a Lúcia no Convento de Tuy, ocorrida em 13 de junho de 1929:

'É chegado o momento em que Deus pede ao Santo Padre fazer, em união com todos os bispos do mundo, a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração, prometendo salvá-la por este meio. São tantas as almas que a Justiça de Deus condena por pecados contra Mim cometidos, que venho pedir reparação; sacrifica-te por esta intenção e ora'.

Ou seja, o ato de consagração se inclui na mesma medida de reparação da devoção dos Primeiros Sábados e deveria compreender três princípios indissociáveis:
  • a consagração deve ser feita expressamente em nome da Rússia (e não genericamente em nome do mundo inteiro);
  • a consagração deve ser conduzida pelo Santo Padre;
  • a consagração deve ser feita em conjunto com todos os bispos do mundo.
Em carta dirigida ao seu diretor espiritual, datada de 18 de maio de 1936, Lúcia revelou que havia perguntado recentemente a Nosso Senhor (por locução interior) porque Ele mesmo não fazia esta consagração independentemente da vontade da Igreja, ao que Jesus lhe havia respondido:

'Porque quero que toda a minha Igreja reconheça essa consagração como um triunfo do Imaculado Coração de Maria, para depois estender o seu culto e para por, ao lado da devoção do meu Divino Coração, a devoção deste Imaculado Coração'.

Insistindo, Lúcia havia argumentado que o Santo Padre não daria crédito aos seus apelos se não fosse movido por uma inspiração especial dos Céus, ao que Jesus respondeu:

'O Santo Padre! Ora muito pelo Santo Padre! Ele há de fazê-la, mas será tarde*! No entanto, o Imaculado Coração de Maria há de salvar a Rússia, pois esta lhe está confiada.

* em outra carta da vidente, datada de 19 de agosto de 1931, Lúcia esclarece que o termo revelado foi 'tarde' e não 'muito tarde' porque 'nunca será tarde demais para recorrer a Jesus e a Maria'.

90. O pedido de Nossa Senhora quanto à consagração da Rússia ao seu Imaculado Coração foi atendido pela Igreja Católica?

Considerando as condições exigidas em conjunto, a resposta é infelizmente NÃO. Todas as tentativas levadas a cabo nesse sentido nos últimos 88 anos (1929 - 2018) por diferentes pontífices foram parciais ou incompletas e não cumpriram todas as exigências impostas. É um paradoxo estranho e singular que Aquela que abriu com seu Fiat sem vacilações o caminho da salvação humana não tenha recebido um Fiat generoso da Igreja à última e extraordinária graça de salvação oferecida por Ela a toda a humanidade. Muito ao contrário.

A síntese abaixo apresenta o histórico dos eventos relativos ao não cumprimento dessa manifestação da Senhora de Fátima para os diferentes mandatos pontifícios no período 1929 - 2018:

⁜ Pio XI (1922 - 1939):  não foi feita nenhuma tentativa de consagração da Rússia;


⁜ Pio XII (1920 - 1958): em 31 de outubro de 1942, em mensagem via rádio, o Papa Pio XII realizou a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria, renovando-a em 8 de dezembro de 1942, sem fazer uma menção explícita à Rússia. 

A natureza incompleta desta consagração foi exposta pela própria Lúcia, em carta dirigida ao bispo de Gurza, em 28 de fevereiro de 1943: 'O Bom Deus tinha-me mostrado já o seu contentamento pelo ato, ainda que incompleto, segundo o seu desejo, do Santo Padre e de vários bispos. Em troca, promete acabar breve a guerra. A conversão da Rússia não será já'.

(Leitura do ato de consagração do Papa Pio XII realizado em 31 de outubro de 1942) 

Em maio de 1952, Nossa Senhora ratificava a condição parcial desta consagração à Irmã Lúcia: 'Faz saber ao Santo Padre que Eu ainda estou à espera da Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração. Sem a Consagração da Rússia, a Rússia não poderá converter-se e o mundo não terá paz'.

Pio XII escreveu então a carta apostólica Sacro Vergente Anno, em que ele consagra e, de forma especial, confia todos os povos da Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Nomeou-se a Rússia no texto, mas não se realizou nenhuma cerimônia pública e solene, nem houve a conclamação dos bispos do mundo inteiro para que se unissem ao ato.

⁜ João XXIII (1958 - 1963): não foi feita nenhuma tentativa de consagração da Rússia;

⁜ Paulo VI (1963 - 1978): não foi feita nenhuma tentativa de consagração da Rússia;

⁜ João Paulo I (1978 - 1978): não foi feita nenhuma tentativa de consagração da Rússia;

⁜ João Paulo II (1978 -  2005): em 7 de junho de 1981, o papa João Paulo II realiza em Roma um ato de consagração de 'toda a família humana' à 'Mãe dos Homens e dos Povos'; este ato seria ratificado em Fátima posteriormente, em 13 de maio de 1982 e, evidentemente, não cumpriram os pressupostos do pedido feito por Nossa Senhora. 

Em Roma, em 25 de março de 1984, diante de 250.000 pessoas e tendo solicitado expressamente aos bispos do mundo inteiro que compartilhassem o ato, João Paulo II oferece e consagra o mundo à 'Mãe dos Homens e dos Povos', mas também não faz nenhuma menção específica à Rússia.

⁜ Bento XVI (2005 -  2013): não foi feita nenhuma tentativa de consagração da Rússia;

⁜ Francisco (2013 - ): não foi feita nenhuma tentativa de consagração da Rússia até o momento.

Conclui-se, portanto, que o ato de consagração ainda não foi feito como pedido por Nossa Senhora em Fátima e, apesar de algumas assertivas deste fato alegadamente expressas pela própria Irmã Lúcia, é muito fácil demonstrar o contrário. Com efeito, como consequências imediatas do ato de consagração, Nossa Senhora havia prometido a conversão da Rússia, um tempo de paz para o mundo e a salvação de muitas almas. Nenhuma destas promessas é efetivamente corroborada pelos fatos e pelos tristes tempos em que vivemos. Mas, há uma certeza absoluta e definitiva de que o Imaculado Coração de Maria há de prevalecer no final e que 'nunca será tarde demais para recorrer a Jesus e a Maria'. 

domingo, 28 de janeiro de 2018

'CALA-TE!'

Páginas do Evangelho - Quarto Domingo do Tempo Comum


Num certo dia de sábado, ainda no início do tempo de sua pregação pública, Jesus se dirige a uma sinagoga de Cafarnaum. E se põe a ensinar aos presentes, não conforme as prescrições vigentes e nem como um escriba qualquer, mas com a autoridade suprema de ser Ele próprio a Verdade falada e afirmada por todos os profetas. Aqueles homens privilegiados da história escutaram naquele sábado as primeiras palavras de uma nova doutrina, nascida do próprio coração de Deus.

Deus falava aos homens naquele sábado em Cafarnaum. E as palavras de Jesus ressoavam pela sinagoga e reverberavam, com ruídos estridentes, nos portais do inferno, transtornando os espíritos imundos. O mal, então, reage na sua cantilena miserável, pelos gritos de um possesso qualquer: 'Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus' (Mc 1, 24). 

Jesus vai fazer o demônio se calar peremptoriamente: 'Cala-te e sai dele!' (Mc 1, 25). 'Cala-te!' Sim, pois não se deve dar ouvidos ao demônio em condição alguma, pois não se obtém proveito algum da sordidez do maligno; o mal apenas faz conluio com o mal e, mesmo a verdade - 'tu és o Santo de Deus' - torna-se repugnante e maliciosa nas entranhas do pai da mentira. Não existe confabulação ou argumentação possível com o mal, mas apenas a sua condenação explícita e imediata: 'Cala-te!' Jesus é imperativo ao expulsar o demônio do possesso e, assim, não lhe dar a menor chance de réplica. 

Não há melhor didática que tal ensinamento diante dos inevitáveis confrontos e tentações humanas diante da avassaladora força do mal: não admitir concessão alguma à sua manifestação. Diante do mal, diante das tentações, diante das ciladas dos espíritos maus às condições humanas, este 'cala-te!' deve soar de pronto e definitivo: 'Cala-te!' Diante das lamentações frouxas, da tibieza, da preguiça, do orgulho: 'Cala-te!' Contra todas as ocasiões de pecado e de perda dos fundamentos da nossa fé: 'Cala-te!' Contra o mundo, se o mundo estiver contra a Verdade: 'Cala-te!' Seguindo os preceitos de Jesus, não nos basta apenas praticar o bem, mas também fazer calar e desaparecer de vez o mal que grita e se estertora entre as misérias do mundo.  

sábado, 27 de janeiro de 2018

NÃO É ESTRANHO?

Não é estranho como uma nota de 50 reais parece muito dinheiro quando é para se pagar o dízimo para a igreja, mas parece muito pouco quando você faz compras?

Não é estranho que duas horas de uma missa pareçam excessivamente longas e passam despercebidas quando você está assistindo um bom filme?

Não é estranho que você tenha dificuldades para encontrar as palavras certas para fazer uma oração a Deus e elas sejam sempre tão fáceis numa mesa de conversa com os amigos?

Não é estranho que seja tão difícil e aborrecido dedicar-se à leitura de um só capítulo da Bíblia, mas tende a ser tão prazeiroso ler as notícias populares pela internet e pelas mídias sociais mesmo que um dia inteiro?

Não é estranho como todos queiram ingressos nos primeiros lugares para assistir um jogo de futebol ou uma peça de teatro, mas preferem se sentar nas últimas fileiras na igreja?

Não é estranho que temos a mania de exigir uma agenda com muita antecedência para participarmos de eventos religiosos, mas somos capazes de nos ajustarmos no último minuto para assistirmos eventos profanos?

Não é estranho como compartilhamos mensagens e vídeos grosseiros nas redes sociais a todo o momento, mas resistimos e pensamos duas vezes quanto às mensagens e vídeos religiosos da nossa fé católica?

Não é estranho a grande dificuldade que temos em proclamar e compartilhar a palavra de Deus, mas temos um oceano de facilidades para divulgar fofocas e amenidades com os outros?

Não é estranho como acreditamos tão facilmente em quem desmerece ou tenta questionar a nossa fé católica, mas empreendemos tantos obstáculos à sã doutrina imposta pela nossa Igreja?

Não é estranho como todos querem um lugarzinho no céu e acham que um amém lhes basta para isso, mas dedicam o tempo inteiro de suas vidas em ajuntar tesouros e acumular o máximo de lugares neste mundo?

Não é estranho apenas parecermos católicos e não praticarmos a autêntica fé católica?

Isso tudo não é estranho, muito estranho, meus irmãos católicos?

(tradução livre e adaptação do autor do blog de texto original de autor desconhecido)

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

OS CATÓLICOS PODEM PRATICAR A IOGA?

Muitos católicos estão realmente convencidos de que a ioga é apenas um sistema de posturas físicas especiais e nada mais do que isso, constituindo uma prática saudável, tal como a de se fazer exercícios de ginástica em uma academia. Na verdade, a ioga é algo muitíssimo mais perigoso do que isso para os católicos: as aparentes benéficas posturas e exercícios de respiração são na verdade passos camuflados para uma união panteísta-niilista com Brahma, conceito hindu de Deus.

A palavra ioga vem da raiz sânscrita yuj, que significa 'união', porque a ioga visa exatamente promover a união entre o eu temporal (jiba) com o eu infinito (Brahma). Qualquer tipo de ioga (Raja yoga, Karma yoga, Jnana yoga, Hatha yoga, Laya yoga ou Kundalini yoga, Bhakti yoga e Mantra yoga) busca estabelecer este estado de conexão com seu 'eu divino' e cada uma de suas posições é projetada explicitamente para adorar uma de suas divindades. Isto é feito por meio das posturas das mãos (mudras), do corpo (asanas), do som (mantras) e também da respiração (pranayama).

As oito práticas de ioga que projetam levar o praticante da fase da ignorância à iluminação incluem o autocontrole (yama); a prática religiosa (niyama); posturas (asanas); exercícios de respiração (pranayamas); o controle dos sentidos (pratyaharas); a concentração (dharana); a contemplação profunda (dhyana) e, finalmente, a iluminação (samadhi). As posturas e os exercícios de respiração, aparentemente tomados como atividades inócuas e prazeirosas, são na realidade os passos 3 e 4 deste caminho em direção à união panteísta-niilista com Brahma.

Muitos católicos certamente dirão que praticam a ioga apenas por razões físicas e não com interesses espirituais, com a única finalidade de bem estar físico e controle mental. Certamente dirão também que os seus instrutores de ioga nunca (ou raramente) fizeram referências no sentido de que tais práticas poderiam extrapolar princípios de uma teosofia antagônica ao cristianismo. Com certeza, isso lhes seria omitido, deliberadamente ou não, porque é possível que muitos dos próprios instrutores desconheçam na medida exata o real significado das práticas realizadas. Mas que os católicos não subestimem essa realidade: a prática da ioga é uma abertura muitíssimo perigosa para ações malignas, na medida que postula que a libertação do espírito pode ser alcançada com técnicas de meditação que alteram o estado de consciência e mediante a experimentação de posturas que evocam explicitamente a absorção de energias negativas e estranhas.

Quanto aqueles que acreditam que tudo isso parece excessivo e que a prática da ioga pode ser objeto de atuação de católicos interessados exclusivamente em uma boa prática de relaxação e disciplina corporal, seria interessante que eles avaliassem os ambientes onde fazem tal prática, comumente decorados com estatuetas de Buda, imagens do yogi dos sete chakras ou deidades do hinduísmo. Seria muita insensatez pensar que essas imagens foram colocadas ali aleatoriamente ou que constituem apenas peças de decoração padronizada. Ou talvez considerassem tudo isso com mais cuidado diante da típica saudação de despedida de ioga, feita pela palavra sânscrita namastê, cujo significado mais profundo é de natureza absolutamente espiritual: 'a divindade que está em mim honra a divindade que está em você'. Será preciso dizer alguma coisa mais?

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

FOTO DA SEMANA

'O fim de todas as coisas está próximo. Sede, portanto, prudentes e vigiai na oração' (I Pd 4, 7) 

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

ORAÇÃO À SANTÍSSIMA TRINDADE

Ó meu Deus, Trindade que adoro, fazei com que eu me esqueça totalmente de mim, para me fixar em Vós: imóvel, pacífica, como se a minha alma já estivesse na eternidade. Que nada perturbe a minha paz, nem me leve a abandonar-vos, ó meu Imutável, mas que, em cada momento, possa penetrar cada vez mais na profundidade do vosso Mistério. Pacificai a minha alma, fazei dela o Vosso céu, a Vossa morada e o lugar de Vosso repouso. Fazei que nunca Vos deixe só, que esteja totalmente atenta a Vós, acordada em minha fé: uma adoradora perfeita, totalmente entregue à Vossa Ação criadora. 

Ó meu Cristo amado, crucificado por amor, como eu gostaria de ser a esposa do Vosso Coração! Encher-Vos de glória e amar-Vos até morrer de amor! Porém sinto a minha incapacidade. Por isso vos peço que me 'revistais de Vós mesmo', para identificar a minha alma com todos os movimentos da Vossa, para mergulhar, preencher e transformar-me em Vós, a fim de que a minha vida não seja senão uma irradiação da Vossa. Vinde a mim como Adorador, Reparador e Salvador.

Ó Verbo eterno, Palavra do meu Deus, quero passar a minha vida a escutar-Vos. Quero ser totalmente dócil aos Vossos ensinamentos, a fim de aprender tudo de Vós. E no meio da noite, do nada, da incapacidade, quero fixar-Vos sempre e permanecer sob a Vossa admirável luz. Ó meu astro amado, fascinai-me para que nunca mais me separe da Vossa irradiação. Ó Fogo consumidor, Espírito de amor, vinde a mim, para que se faça na minha alma como que uma encarnação do Verbo: que eu seja para Ele uma humanidade na qual renove todo o Seu Mistério. 

E Vós, ó Pai, inclinai-Vos para esta Vossa pobre e pequena criatura, cobri-a com a Vossa sombra, não vejais nela senão o Bem Amado no qual pusestes todas as Vossas complacências. Ó Trindade, meu Tudo, minha Beatitude, solidão infinita, imensidade em que me perco, entrego-me a Vós como uma presa. Sepultai-Vos em mim para que eu me sepulte em Vós, esperando vir a contemplar na Vossa luz a imensidão das Vossas grandezas.

(Beata Isabel da Trindade (1880-1906), monja carmelita)

domingo, 21 de janeiro de 2018

PESCADORES DE HOMENS

Páginas do Evangelho - Terceiro Domingo do Tempo Comum


Com a prisão e morte de João Batista, tem fim a Era dos Profetas e começa a pregação pública de Jesus sobre o Reino de Deus. O reino de Deus é o reino dos Céus, e não um império firmado sobre as coisas deste mundo. Cristo, rei do universo, começa a sua grande jornada pelos reinos do mundo para ensinar que a pátria definitiva do homem é um reino espiritual, que se projeta para a eternidade a partir do coração humano.

E esta proclamação vai começar por Cafarnaum e nos territórios de Zabulon e Neftali, localizada na zona limítrofe da Síria e da Fenícia, e povoada, em sua larga maioria, por povos pagãos. Em face disso, esta região era a chamada 'Galileia dos Gentios', e seus habitantes, de diferentes raças e credos, eram, então, objeto de desprezo por parte dos judeus da Judeia. E é ali, exatamente entre os pagãos e os desprezados, que o Senhor vai dar início à sua pregação pública da Boa Nova do Evangelho do Reino de Deus: 'O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!' (Mc 1, 15).

Nas margens do Mar da Galileia, Jesus vai escolher os seus primeiros discípulos, Simão e André e, logo depois, Tiago e João, filhos de Zebedeu, num chamamento imperativo e glorioso: 'Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens' (Mc 1, 17). Aqueles pescadores, acostumados à vida dura de lançar redes ao mar para buscar o seu sustento, seriam agora os primeiros a entrarem na barca da Santa Igreja de Cristo para se tornarem pescadores de homens, na gloriosa tarefa de conduzir as almas ao Reino dos Céus. 

Eis a resposta pronta e definitiva dos primeiros apóstolos ao chamado de Jesus: 'E eles, deixando imediatamente as redes, seguiram a Jesus' (Mc 1, 18) e 'Eles deixaram seu pai Zebedeu na barca com os empregados, e partiram, seguindo Jesus' (Mc 1, 20). Seguir a Jesus implica a conversão, pressupõe o afastamento do mundo, pois Jesus nos fala do Reino dos Céus. No 'sim' ao chamado de Jesus, nós passamos a ser testemunhas e herdeiros deste reino 'que não é desse mundo', e nos abandonamos por completo na renúncia a tudo que é humano para amar, servir e viver, prontamente e cotidianamente, o Evangelho de Cristo.

sábado, 20 de janeiro de 2018

20 DE JANEIRO - SÃO SEBASTIÃO

São Sebastião foi um oficial romano, do alto escalão da Guarda Pretoriana do imperador Diocleciano (imperador de Roma entre 284 e 305 de nossa era e responsável pela décima e última grande perseguição do Império Romano contra o Cristianismo), que pagou com a vida sua devoção à fé cristã. Denunciado ao imperador por ser cristão e acusado de traição, foi condenado a morrer de forma especial: seu corpo foi amarrado a um tronco servindo de alvo a flechas disparadas por diferentes arqueiros africanos. 

Primeiro Martírio: São Sebastião flechado

Abandonado pelos algozes que o julgavam morto, foi socorrido e curado e, de forma incisiva, reafirmou a sua convicção cristã numa reaparição ao próprio imperador. Sob o assombro de vê-lo ainda vivo, São Sebastião foi condenado uma vez mais sendo, nesta sua segunda flagelação, brutalmente açoitado e espancado até a morte. O seu corpo foi atirado num canal de esgotos, de onde foi depois retirado e levado até as catacumbas romanas. Suas relíquias estão preservadas na Basílica de São Sebastião, na Via Apia, em Roma. É venerado por toda a cristandade como modelo de vida cristã, mártir da Igreja e defensor da fé e como padroeiro de diversas cidades brasileiras, incluindo-se o Rio de Janeiro. Sua festa é comemorada a 20 de janeiro, data de sua morte no ano 304.

Segundo Martírio: São Sebastião espancado até a morte

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (VI)

XIX 

CONSERVAÇÃO DOS SERES E PROVIDÊNCIA DO MUNDO 

Que entendeis, quando afirmais que Deus é Soberano Senhor de todas as coisas? 
Que todos os seres do mundo estão sujeitos ao governo e domínio supremo, único e absoluto de Deus (CIII, 1, 2)*. 

Explicai-me o que quereis dizer? 
Queremos dizer que coisa alguma existe no mundo espiritual, material e humano, independente da ação divina, a qual conserva a existência de todos os seres e os conduz ao fim para que foram criados (CIII, 4, 8).

Qual é o fim que Deus tem em vista na conservação e governo do mundo? 
Deus mesmo, isto é, a sua própria glória (CIII, 2). 

Por que?
Porque, se Deus rege e conserva o universo, é para que na ordem e concerto do mundo se possa refletir e manifestar o pensamento Daquele que o criou, o conserva e o governa (Ibid). 

Logo, o concerto e a ordem admirável do universo proclamam e manifestam a glória de Deus? 
Sim, Senhor (Ibid). 

Pode haver conjunto mais perfeito e grandioso que a obra da Criação, conservação e governo do Universo? 
No plano atual da Providência, não, Senhor. 

Por que dizeis 'no plano atual da Providência?' 
Porque Deus é onipotente, e, sendo-o, nenhuma criatura, nem conjunto delas, por perfeitas que sejam, podem exaurir o seu poder infinito.

XX

AÇÃO PESSOAL DE DEUS NO GOVERNO DO MUNDO: O MILAGRE

De que modo governa Deus o universo?
Conservando-o no ser e conduzindo-o ao fim para que foi criado (CIII, 4).

É o próprio Deus quem conserva a existência dos seres?
Sim, Senhor; posto que é também certo, utilizar-se de uns para conservar outros, segundo a ordem de dependência que Ele mesmo estabeleceu ao criá-los (CIV, 1, 2).

Que quereis dizer, quando afirmais que Deus conserva por si mesmo todas as coisas?
Entendemos que todas as criaturas recebem de Deus diretamente, e sem intervenção estranha, o que nelas há de mais íntimo, aquilo, em virtude do que todas participam do fato da existência (CIV).

A conservação do universo, assim como a Criação, são obra própria e exclusiva de Deus?
Sim, Senhor; porque ambas têm por fim direto e imediato a existência, e a existência é efeito privativo de Deus (CIV, 1).

Pode Deus aniquilar o mundo?
Sim, Senhor (CIV, 3).

Que seria necessário para o realizar?
Seria bastante que Ele suspendesse por um instante a ação, por virtude da qual lhe dá e continua dando em cada momento o ser.

Logo, a existência das coisas só se mantém debaixo da ação direta, absoluta e constante de Deus?
Sim, Senhor; do mesmo modo que a luz do dia depende em absoluto da presença e atividade solar; com a notável diferença, porém, de que o sol emite necessariamente os seus resplendores e, pelo contrário, a ação divina é toda liberdade e bondade infinitas.

Destruiu Deus alguma parte da criação?
Não, Senhor (CIV, 4).

Destruí-la-á no futuro?
Também não (Ibid.).

Por quê?
Porque o fim da Criação é a sua glória e esta glória exige, não a destruição, mas a conservação do criado (Ibid.).

Experimentam as criaturas mudanças e transformações?
Sim, Senhor; mais ou menos profundas, em conformidade com cada espécie, e dentro da mesma espécie, conforme os seus diversos estados.

Estão previstas estas transformações no plano da Providência?
Sim, Senhor; posto que podem contribuir, e de fato contribuem, para o fim previsto, que é a glória de Deus e o bem do universo.

São algumas delas devidas à ação direta e imediata de Deus?
Sim, Senhor (CV, 1-8).

Quais são?
As que se efetuam nos últimos elementos componentes dos seres materiais, ou nas faculdades afetivas dos espirituais, e o princípio de qualquer ação em toda criatura (CV, 6, 7).

A quem devem atribuir-se as mudanças e transformações produzidas nos seres materiais, quando as causas segundas são incapazes ou insuficientes para efetuá-las, atento o curso ordinário da natureza?
Devem atribuir-se a Deus e se chamam milagres (CV, 1, 2, 4, 5).

Logo, Deus faz milagres?
Sem duvida; Deus faz milagres que podemos agrupar em três categorias: aqueles, para cuja execução são impotentes todas as forças criadas; os que estas forças não poderiam efetuar pela razão do sujeito em que se realizam e os que não se podem atribuir a forças naturais, pelo modo como se efetuam (CV, 8).

Por que Deus fez e faz milagres?
Deus faz milagres quando apraz ao seu divino beneplácito, para fazer sentir ao homem a sua grandeza e obrigá-lo a reconhecer como intervém no mundo, para a sua glória e bem dos homens.

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular).

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

ZELO CONTRA OS PECADOS VENIAIS

A alma deve evitar todos os pecados veniais, especialmente os que abrem caminho ao pecado grave. Ó minha alma, não chega desejar firmemente antes sofrer a morte do que cometer um pecado grave. É necessário ter uma resolução semelhante em relação ao pecado venial. Quem não encontrar em si esta vontade, não pode sentir-se seguro. 

Não há nada que nos possa dar uma tal certeza de salvação eterna do que uma preocupação constante em evitar o pecado venial, por insignificante que seja, e um zelo definido e geral, que alcance todas as práticas da vida espiritual — zelo na oração e nas relações com Deus; zelo na mortificação e na negação dos apetites; zelo em obedecer e em renunciar à vontade própria; zelo no amor de Deus e do próximo. 

Para alcançar este zelo e conservá-lo, devemos querer firmemente evitar sempre os pecados veniais, especialmente os seguintes:
  • O pecado de dar entrada no coração de qualquer suspeita não razoável ou de opinião injusta a respeito do próximo.
  • O pecado de iniciar uma conversa sobre os defeitos de outrem ou de faltar à caridade de qualquer outra maneira, mesmo levemente.
  • O pecado de omitir, por preguiça, as nossas práticas espirituais ou de as cumprir com negligência voluntária.
  • O pecado de manter um afeto desregrado por alguém.
  • O pecado de ter demasiada estima por si próprio ou de mostrar satisfação vã por coisas que nos dizem respeito.
  • O pecado de receber os santos sacramentos de forma descuidada, com distrações e outras irreverências, e sem preparação séria.
  • Impaciência, ressentimento, recusa em aceitar desapontamentos como vindos da Mão de Deus; porque isto coloca obstáculos no caminho dos decretos e disposições da Divina Providência quanto a nós.
  • O pecado de nos proporcionarmos uma ocasião que possa, mesmo remotamente, manchar uma situação imaculada de santa pureza.
  • O pecado de esconder propositadamente as nossas más inclinações, fraquezas e mortificações de quem devia saber delas, querendo seguir o caminho da virtude de acordo com os caprichos individuais e não segundo a direção da obediência.
(Santo Antônio Maria Claret)

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

DA VIRTUDE DA SIMPLICIDADE

Sede, portanto, simples para fazer de Deus vosso objetivo, para O procurardes como último fim, para considerá-lo como termo de vossas ações. Sede simples para vos apoiardes em Deus como meio. Simples para serdes humildes, para reconhecerdes que nada podeis fazer por vós mesmas, e que, abandonadas às próprias forças, vos será impossível realizar qualquer bem, como vos declara Nosso Senhor: 'Sem mim, nada podeis fazer' (Jo 15, 5).

Sede simples também para serdes confiantes, para vos persuadirdes de que, apoiando-vos em Deus e contando com a sua graça, não sereis enganadas, e que 'tudo podereis naquele que vos fortifica' (Fp 4,3). Simples, para verificar vosso nada, vossa miséria, vossos pecados, para vos desprezardes profundamente. Simples, para considerar o coração e o amor de Deus, sua infinita bondade, e para repousar na sua graça com a mais inabalável segurança.

Sede simples nas menores como nas maiores coisas, principalmente nas menores, porque as ocasiões de praticá-las se sucedem com freqüência e porque são muito agradáveis a Deus. 'Feriste o meu coração, exclama o esposo no Cântico dos Cânticos, arrebataste o meu coração com um dos teus olhos e com um dos teus cabelos' (Ct 4, 9).

Que haverá de mais admirável, essencial e importante do que um olho? Que haverá de mais vil que um fio de cabelo? Preparai-vos para sofrer, para carregar pesadas cruzes, levando o vosso amor até o martírio, oferecendo a Nosso Senhor o que tiverdes de mais caro, até vossos olhos e, se necessário, vossa vida, e assim comovereis o seu coração por essas grandes coisas. Não negligencieis, porém, as menores, e, de acordo com o conselho expresso do Apóstolo, oferecei a Deus o que há de mais corriqueiro em vossa vida, até o alimento e o sono, e assim comovereis o seu coração também pelas pequeninas coisas.

Quando Santa Catarina de Sena se entregava às mais sublimes meditações e caía em êxtase, quando ensinava aos grandes da terra, arrebatava o coração do celeste esposo pelo olho da sabedoria e da contemplação. Mas O agrava menos do que quando, por obediência ao pai, aplicava-se aos mais humildes serviços caseiros e tranquilamente continuava suas meditações no meio desses mesquinhos trabalhos. Considerando o pai como Nosso Senhor, a mãe como a Santíssima Virgem e os irmãos como os apóstolos, dedicava-se com alegria a tudo que lhe mandavam fazer.

E vós, embora vos devoteis às grandes coisas, às mais importantes e às mais excelentes obras, praticai também por Deus as pequenas e humildes virtudes que nascem como flores aos pés da cruz: suportar um pequeno sofrimento, uma enfermidade passageira, uma contrariedade, decepções, mágoas, humilhações e todas as insignificantes ocupações que existem no lar ou fora dele. Como tais ocasiões se repetem a cada instante, que fonte de riquezas espirituais poderíeis acumular, se as soubésseis aproveitar!

Não compreendeis, então, que o que mais vos falta é a simplicidade? Oh! que vos faltaria se fosseis verdadeiramente simples, simples em tudo, e qualquer encontro com Deus, com os outros e até convosco? Tendes bom coração e o sabeis, disso dais prova e com isso concordais. Às vezes, chegais a dizer que o sentis demasiado, tanto ele vos faz sofrer!  Tendes energia e força de vontade, e cada dia as desenvolveis e as despendeis sem conta. E, às vezes, é incalculável o quanto as utilizais em proveito de vossas paixões. Tendes delicadeza, tato, sutileza, que causam vossos mais belos triunfos! Tendes nobres e generosas aspirações e impulsos admiráveis! Sois formadas na abnegação e no devotamento!  

De posse de tão admiráveis qualidades e tão poderosas virtudes, como podeis levar tantas vezes uma vida frívola, nula e inútil, e até detestável, culpada e escandalosa? Que vos falta? Repito-o, falta-vos a simplicidade. Não sabeis orientar vossas qualidades, vossas forças não as sabeis utilizar; deixais que se percam e esqueçam, porque não sois simples. A simplicidade tudo exalta, tudo dirige, e faz com que tudo concorra para a glória de Deus.

Olhai a pomba! É maravilhosamente constituída para elevar-se nos ares, pairar e atingir em tempo as mais altas e longínquas regiões. De quê necessita para isso? De uma única coisa: abrir as asas e servir-se delas. Digo-vos ainda: a pomba sois vós! A asa toda poderosa é a simplicidade. Que esperais, então, para utilizá-la? Abri, abri as asas! E, em pouco tempo, com voo poderoso e rápido, transporeis incomensuráveis distâncias e chegareis a Deus!

(Excertos da obra 'A Simplicidade Segundo o Evangelho', de Monsenhor de Gilbergues, 1945)

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

domingo, 14 de janeiro de 2018

APÓSTOLOS SOB A CÁTEDRA DE PEDRO

Páginas do Evangelho - Segundo Domingo do Tempo Comum


Estando naquele dia em presença de dois dos seus discípulos mais amados, João Batista vai manifestar, uma vez mais, o testemunho do Messias, aquele de quem dissera pouco antes: 'Eu não sou digno de desatar-Lhe as correias das sandálias' (Jo 1, 27). A grandeza do Precursor é enfatizada por Jesus naquele que recebeu privilégios tão extraordinários para ser o profeta da revelação de tão grandes mistérios de Deus à toda a humanidade: Jesus Cristo é o Unigênito do Pai, o Filho de Deus Vivo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E, desta vez, dá testemunho direto dEle, 'vendo Jesus passar' (Jo 1, 35): 'Eis o Cordeiro de Deus!' (Jo 1, 36).

Ao ouvir estas palavras, André e João, não vacilam um único instante e tomam a firme disposição de seguir Jesus. Seguir Jesus! Eis aí o amoroso convite de Jesus a todos os homens: assumir o jugo suave do Senhor em todos os nossos caminhos, ao longo de toda a nossa vida! Para seguir Jesus, temos que responder a pergunta dos dois discípulos que ecoa pelos tempos: 'Onde moras?' (Jo 1, 38). Onde moras, Jesus? Seguir Jesus é ir onde Jesus está, para que Jesus possa morar em nós. Eis o mistério da graça que cada um deve percorrer nesta vida para a plena busca da Verdade e a contemplação definitiva do Reino de Deus.

Mas os dois discípulos fizeram ainda mais do que isso; o zelo e o fervor pelos novos ensinamentos do Messias fizeram deles os primeiros apóstolos. E a Verdade exaltada, vivida e compartilhada pela pregação humana das primícias do apostolado cristão vai chegar a ninguém menos que Simão Pedro, irmão de André, e que viria a ser a pedra angular da futura Igreja de Cristo. Pedro não vacilou também, não fez concessões e nem imposições, mas acreditou! E imediatamente foi ter com Jesus.

Jesus, que conhecia Pedro desde a eternidade e Pedro, que nascia para a eternidade, estavam juntos pela primeira vez: 'Tu és Simão, filho de João; tu serás chamado Cefas' (Jo 1, 42). Jesus estabelece neste primeiro momento, a vinculação direta entre a ação do apostolado e a pedra (Cefas) fundamental sobre a qual haveria de edificar a sua Igreja, mistério da graça muito além da possível percepção histórica daqueles homens. O apostolado é, pois, missão inerente a toda a cristandade e deve estar indissoluvelmente ligada à pedra fundamental da Igreja, como dizia Santo Ambrósio de Milão: 'Não podem ter a herança de Pedro os que não vivem sob a cátedra de Pedro'. 

sábado, 13 de janeiro de 2018

VIDA DESONESTA, MORTE IMPENITENTE!

Uma certa noite estava Martinho Lutero no terraço de um hotel ao lado de Catarina Bora, sua companheira de pecado. A temperatura era suave, o céu estava lindo e milhares de estrelas brilhavam no firmamento. Catarina, cansada talvez daquela vida de remorso, voltou-se de repente para Lutero e lhe disse:

— 'Olha Martinho, como é lindo o céu!'

Àquelas palavras, Martinho exclamou com um suspiro profundo:

— 'Sim, Catarina, o céu é lindo, mas não é mais para nós!'

O infeliz sentia que ia perder o Paraíso, mas se confessava incapaz de ressurgir e morria pouco depois naquele mesmo hotel, dando mostras do mais terrível desespero. 

******************

Teodoro Beza, sucessor de Calvino e chefe da reforma protestante, atingido por uma enfermidade mortal, foi visitado por São Francisco de Sales. Este com o seu zelo ardente tentou todos os meios possíveis para induzi-lo a abjurar o erro, voltar para o seio da Igreja Católica, e preparar-se para uma morte cristã. 

'Impossível' repetia, suspirando, o doente de quando em quando 'impossível'. Por fim, como o Santo insistia para saber o porquê daquela palavra 'impossível', Teodoro com esforço, apoiou-se num cotovelo, puxou uma cortina que fechava uma alcova, e, mostrando uma mulher ali escondida: 'Eis aí', exclamou, 'a razão da impossibilidade de me converter e de me salvar'! Preferiu a morte e o inferno, mas não deixou o pecado. 

******************

Na cidade de Spoleto, vivia uma jovem dissoluta, cuja existência era unicamente dedicada à vaidade e aos bailes. Aconselhada mais de uma vez a corrigir-se desprezava com soberba os avisos e fazia pouco caso deles. Sua própria mãe, orgulhosa da beleza e do brio da filha, sentia imenso prazer em vê-la cortejada por um bom número de amantes, e deixava as coisas correrem na esperança de encontrar um bom partido; de mais a mais acreditava que, passado o ardor da mocidade, ela acabaria sossegando.

Oh, mães cegas e imprudentes, que não só não se preocupam, mas ainda traem suas filhas, quando não são elas próprias que as arrastam à desonra e à ruína! E o que aconteceu? A infeliz moça caiu gravemente enferma. Pessoas sérias e respeitáveis da vizinhança aconselharam-na a chamar o sacerdote, a receber os sacramentos, preparar-se para a morte, enfim. Mas a pobre teimava:

— 'Qual, repetia, é impossível, que eu tão moça e bela, morra; eu não devo, não devo morrer!'

Por fim, veio o sacerdote; este por sua vez suplicava-lhe que tivesse juízo, que rezasse a Maria Santíssima porque a morte poderia surpreendê-la.

— 'Qual morte, qual nada! Eu devo é viver! Eu não posso, não quero morrer!'

Como a insistência aumentasse, por fim, percebendo que as forças começavam a faltar-lhe, com um esforço supremo, exclamou com ira:

— 'Pois bem, se é assim, se é que eu vou mesmo morrer, vem tu, satanás, e toma a minha alma para ti!' E, cobrindo o rosto com o lençol, entregou ao demônio a alma desesperada. 

******************

Um cavalheiro vivia com uma moça de maus costumes. Aos que o aconselhavam abandoná-la, ele respondia sempre com um desdenhoso 'não posso'. Mas a morte chegou para desuni-los. O infeliz cavalheiro adoeceu gravemente, e, como estava nas últimas, chamaram um sacerdote para prepará-lo para dar o passo terrível. Tão caridoso e paciente foi o padre que o enfermo, humildemente, respondeu:

— 'Com prazer! Apesar de ter levado uma vida má, desejo ter uma boa morte com uma santa confissão'.
— 'O senhor quererá receber também os Sacramentos como um bom cristão?'
— 'É com prazer que os receberei, se vos dignardes de o administrar'.
— 'Mas isto não será possível se o senhor não despedir primeiro aquela moça'.
— 'Ah, isso, padre, eu não posso fazer'.
— 'E por que não pode? Pode e deve fazê-lo, meu caro senhor, se quiser salvar-se'.
— 'Mas eu repito não posso!'
— 'Mas o senhor não vê que, com a morte, tão próxima, será obrigado a deixá-la por força?'
— 'Não posso, padre, não posso!'
— 'Mas assim, eu não o absolvo, não lhe administro os sacramentos e o senhor perderá o paraíso, será precipitado no inferno!'
— 'Não posso!'
— 'Será possível que eu não posso obter do senhor outra palavra? Pense na sua honra, na sua estima se morrer excomungado'.
— 'Não posso', repetiu o infeliz pela última vez. E, agarrando a moça por um braço, puxou-a para si apertando-a com força ao peito, e assim, nos braços daquela mulher indigna, expirou.

(Excertos da obra 'Confessai-vos bem!' do Pe. Luiz Chiavarino)

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

'Por três razões não se deve manter relações com os hereges. Primeiramente, por causa da excomunhão, pois, sendo excomungados, não se deve ter relações com eles, da mesma maneira que com os outros excomungados. A segunda razão é a heresia: em primeiro lugar, por causa do perigo, e para que as relações com eles não venham a corromper os outros, segundo aquilo da primeira epístola aos Coríntios (15, 33): 'As más conversações corrompem os costumes'. E em segundo lugar para que não pareça se prestar algum assentimento às suas doutrinas perversas. Daí dizer-se na segunda epístola canônica de São João (v. 10): 'Se alguém vier a vós e não trouxer esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis, pois o que o saúda, toma parte em suas más obras'. Em terceiro e último lugar, para que nossa familiaridade com eles, não dê aos outros, ocasião de errar'.

 (São Tomás de Aquino, Suma Teológica) 

(Santo Inácio pisando Lutero, Igreja de São Nicolau, República Tcheca)