quinta-feira, 31 de outubro de 2019

OREMUS (303)

A sequência completa destes pensamentos e reflexões é publicada diariamente na Página OREMUS na Biblioteca Digital deste blog.


31 DE OUTUBRO 

Doce nos orare! [ensina-nos a rezar! (Lc 11,1)]

Livra-me, Senhor, dessa piedade estéril que, movida por uma secreta vaidade, vive à procura de pensamentos profundos, de termos elevados e ideias novas! Piedade falsa, vazia, ela me deixa sempre, mais ou menos, na situação do teu Salmista que lamentava: infixus sum in limo profundi; non est ubi pedem figam... [estou imerso em espessa lama e não há como firmar o pé ...].

Quero pisar a terra firme das verdades tão antigas que me ensinaste. Para mim, elas são sempre novas. Foi com elas que rezaram os teus santos e, com elas, continua a rezar a tua Igreja. Ensina-me a penetrar o teu Evangelho, para descobrir o teu espírito de piedade e religião para com o Pai. Com esse espírito é que eu devo rezar.

Os teus anacoretas não tinham mestres nem bibliotecas, mas tinham a tua Palavra, simples como a Verdade; e se fizeram santos porque a souberam viver e amar. Minha piedade não pode ser tanto da inteligência pois não preciso de muita filosofia para saber que eu te devo amar e servir; para isso basta-me a tua Lei. Este coração sui generis [único em seu gênero, especial] que me deste, não quer submeter-se a fórmulas estudadas, quando se trata de amar o Amor infinito, a Beleza sem limites. Ele te quer amar simplesmente com sinceridade, com todas as forças. Ele te quer amar, livre de todas as medidas; como criança inocente que, por não ter estudos, nem por isso deixa de saber amar.

(Oremus — Pensamentos para a Meditação de Todos os Dias, do Pe. Isac Lorena, 1963, com complementos de trechos traduzidos do latim pelo autor do blog).

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

A Igreja conhece duas vidas, que lhe foram anunciadas por Deus: uma é vivida na fé; outra na visão; uma no tempo da caminhada; outra, na mansão eterna; uma, no trabalho; outra, no descanso; uma, no exílio; outra, na pátria; uma, no esforço da caridade; outra, no prêmio da contemplação. A primeira é representada pelo apóstolo Pedro; a segunda, pelo apóstolo João. Pedro, o primeiro apóstolo, recebeu as chaves do reino dos céus, com o poder de ligar e desligar os pecados, para que fosse timoneiro de todos os santos, unidos inseparavelmente ao corpo de Cristo, em meio às tempestades desta vida. E João, o evangelista, reclinou a cabeça sobre o peito de Cristo, para exemplo dos mesmos santos, a fim de lhes indicar o porto seguro daquela vida divinamente tranquila e feliz.

Todavia, não é somente Pedro, mas a Igreja universal, que liga e desliga os pecados. E não é só João que bebe da fonte do coração do Senhor, para ensinar com sua pregação que, no princípio, a Palavra era Deus junto de Deus, e outros ensinamentos profundos a respeito da divindade de Cristo, da Trindade e da Unidade de Deus. No reino dos céus, estas verdades serão por nós contempladas face a face, mas na terra nos limitamos a vê-las como num espelho e obscuramente, até que o Senhor venha. Não foi somente ele que descobriu estes tesouros do coração de Cristo, mas a todos foi aberta pelo mesmo Senhor a fonte do evangelho, a fim de que, por toda a face da terra, todos bebessem dele, cada um segundo a sua capacidade.

(Santo Agostinho)

terça-feira, 29 de outubro de 2019

O CAMINHO DA LUZ

Eis o caminho da luz: se alguém deseja chegar a determinado lugar, que se esforce nisso pelo seu modo de agir. Foi-nos dado saber como andar por este caminho: amarás quem te criou; terás veneração por quem te formou e darás glória a quem te remiu da morte. Serás simples de coração e rico no espírito; não te juntarás aos que andam pelo caminho da morte. Terás aversão por tudo quanto desagrada a Deus; odiarás toda simulação; não desprezarás os mandamentos do Senhor. Não te exaltes a ti mesmo, sê humilde em tudo; não procures a tua glória. Não trames contra o teu próximo; não te entregues à arrogância.

Ama teu próximo mais do que a tua vida. Não mates o feto por aborto, nem depois do nascimento. Não abandones a mão do teu filho ou da tua filha e, desde a infância, ensina-lhes o temor do Senhor. Não cobices os bens do teu próximo nem sejas avaro; não te unas de coração aos soberbos, mas sê amigo dos humildes e dos justos. Tudo quanto te acontecer, recebe-o como um bem, sabendo que nada acontece sem Deus o querer. Não sejas inconstante e nem uses duplicidade no falar; na verdade, é laço de morte a língua dúbia.

Partilharás tudo com o teu próximo e não dirás ser propriedade tua o que quer que seja; se sois co-herdeiros das realidades incorruptíveis, quanto mais daquilo que se corrompe. Não serás precipitado no falar pois a boca é um laço de morte. Tanto quanto puderes, em favor de tua alma, sê casto. Não tenhas a mão estendida para receber e, encolhida, para oferecer. Ama, como se fosse a pupila dos teus olhos, todo aquele que te dirigir palavra do Senhor.

Relembra, dia e noite, o dia do Juízo e procura diariamente a presença dos santos, estimulando pela palavra, exortando e meditando como salvar a alma por tua palavra ou trabalhar com tuas mãos para a remissão dos teus pecados. Não hesites em dar e nem dês murmurando; bem sabes quem é o bom remunerador da dádiva. Guarda o que recebeste, sem tirar nem pôr. Seja-te perpetuamente odioso o maligno. Julgues sempre com justiça. Não fomentes dissídios, mas esforça-te por restituir a paz, reconciliando os contendores. Confessa os teus pecados. Não te apresentes à oração de má consciência. Este é o caminho da luz.

(Carta de Barnabé, século II)

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

SOBRE A COMUNHÃO SACRÍLEGA

Não há praticamente nenhum crime que mais ofende a Deus do que a comunhão sacrílega. Os Santos Padres o demonstram em palavras e exemplos extraordinários. O comungante em pecado mortal comete um crime maior que Herodes, diz Santo Agostinho, mais assustador do que Judas, diz São João Crisóstomo, mais terrível do que o cometido pelos judeus crucificando o Salvador, dizem outros santos. E a tudo isso, acrescenta São Paulo, será réu do Corpo e Sangue de Cristo, que diz a glosa: a ser punido como se, com as suas mãos, tivesse morto o Filho de Deus.

A comunhão sacrílega é um crime tão grande que Deus não espera para o punir no inferno. Ele já começa neste mundo a indignar-se com tamanho crime, permitindo a doença e a morte. No tempo dos Apóstolos, segundo São Paulo, muitos dos males de alguns derivaram de comunhões sacrílegas, sofrendo ferimentos muito graves e outros morreram.

São Cipriano refere que, alguns de seu tempo, não sendo dignos de receber a Sagrada Comunhão, depararam-se com uma dor intolerável nas entranhas e às portas da morte. São João Crisóstomo conhecia muitos possuídos por demônios por causa deste crime. O Papa São Gregório assegura que, em Roma, houve grandes estragos devido à peste que apareceu, por se terem continuado as diversões imorais e os espetáculos de impurezas após a Comunhão pascal.

...Portanto, irmão amado em Jesus Cristo, eu imploro e peço para não receberes a Sagrada Comunhão em pecado mortal... Confessa-te logo que possas, exercita e pratica fervorosamente muitos atos de humildade, confiança e de amor a Deus e, com esta disposição, colherás grandes frutos celestiais que nos são dados na Sagrada Eucaristia, para aqueles que a recebem dignamente.

(Santo Antônio Maria Claret)

Frutos Principais da Sagrada Comunhão:

1.º Aumenta a graça em nós
2.º Dá luz à alma para distinguir o bem do mal, para segui-lo e evitá-lo, respectivamente
3.º Aviva em nós a fé e a esperança
4.º Estimula-nos à caridade
5.º Modera a raiva e outras paixões, preservando-nos do pecado
6.º Nos une e nos faz permanecer unidos com Jesus Cristo
7.º Dá-nos um espírito manso
8.º Repele os demônios, para que não nos tentem tantas vezes
9.º Acalma o remorso da nossa consciência
10.º Dá-nos uma grande confiança em Deus, na hora da morte
11.º Dá força e alimenta a alma
12.º Dá-nos especial ajuda para perseverar no bem e chegar à glória eterna, sendo penhor de salvação.

domingo, 27 de outubro de 2019

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé. Agora está reservada para mim a coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos que esperam com amor a sua manifestação gloriosa' (2Tm 4,7-8)

PÁGINAS DO EVANGELHO (2018 - 2019)

sábado, 26 de outubro de 2019

O CÉU NA TERRA - NOSSA SENHORA DE LOURDES (I)



1. Nossa Senhora de Lourdes é a Nossa Senhora de Todos os Milagres; se for possível imaginar algum reflexo do Céu em algum lugar da Terra, esse lugar seria a Gruta de Lourdes: lá se encontra a porta mais aberta aos homens neste mundo para os favores do Céu.

2. Jesus Cristo fez muitos milagres na sua passagem pela terra. Hoje, Ele faz outros tantos (e muitíssimos mais) milagres em Lourdes, porque quer fazê-los num santuário mariano e por meio da intercessão de sua Mãe Santíssima, Nossa Senhora de Lourdes.

3. Não há problema algum em pedir a Deus, por meio de Nossa Senhora, uma cura  milagrosa para si ou para uma outra pessoa. Em Lourdes, esse pleito é absolutamente factível. A única imposição à graça é reconhecer-se pecador.

4. Nunca considere a hipótese de merecimento ou não merecimento de uma graça. O que Deus espera de nós é simplesmente pedir: 'Pedis e recebereis' (Mt 7,7). Deus quer a conversão e salvação das almas. E, no contexto dos desígnios divinos, isso pode levar, em algumas situações, à cura dos males e das doenças do corpo, que independem do nosso maior ou menor merecimento.

5. Toda cura é obra da misericórdia divina. Da manifestação do infinito amor de Deus pelos homens. O amor de Deus nos é contemplado na medida da abundância da nossa maior ou menor contrapartida de aceitação e de recolhimento interior à súplica da graça. Assim, ninguém vai a Lourdes movido pela fé que não volte curado. Particularmente do pecado.

BREVIÁRIO DIGITAL - ILUSTRAÇÕES DE DORÉ (III)

PARTE III (Gn 28 - 46)

[O sonho de Jacó]

 [Jacó encontra Raquel, filha de Labão]

 [Jacó suplica a Deus por proteção]

 [Jacó em luta com o Anjo]

 [Jacó encontra o seu irmão Esaú]

 [José é vendido pelos seus irmãos aos ismaelitas]

 [José explica o significado do sonho do faraó]

 [José se revela aos seus irmãos]

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

PALAVRAS ETERNAS (III)


'A tragédia da vida de Judas está em que ele podia ter sido São Judas'

(Arcebispo Fulton Sheen)

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

BATER PALMAS NA MISSA?



NÃO É propício porque é uma saudação inadequada no contexto da Santa Missa.

NÃO É pertinente porque deturpa a liturgia do sacrifício incruento do Calvário.

NÃO É imperativo porque pode ser sempre postergado para qualquer momento após a Missa. 

NÃO É piedoso porque busca dar a Cristo um louvor que não pode ser compartilhado por Ele.

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

SOBRE O ANIQUILAMENTO INTERIOR

Quando nos falam de renunciarmos a nós mesmos, de aniquilar-nos; quando nos dizem ser esse o fundo da moral cristã, consistir nisso a adoração em espírito e verdade, tal palavra nos parece dura e até injusta: não queremos ouvi-la e repelimos quem no-lo prega da parte de Deus. Convençamo-nos, uma vez por todas, de que esse preceito nada de injusto encerra e na prática é mais suave do que pensamos. Em seguida, humilhemo-nos se nos faltar coragem para pô-lo em prática e, ao invés de condená-lo, condenemos a nós mesmos.

Que nos pede o Senhor ordenando que nos aniquilemos? Pede fazermos justiça a nós mesmos, colocarmo-nos em nosso lugar e reconhecermo-nos tais quais somos. Quando mesmo tivéssemos nascido e vivido sempre na inocência, quando jamais houvéssemos perdido a graça original, outra coisa não seríamos, por nós mesmos, senão nada; não poderíamos considerar-nos de outro modo sem nos desconhecermos e injustos seríamos pretendendo que diversamente Deus ou os homens nos tratassem. Que se pode dever ao que nada se é? Que pode exigir o que nada é? Se a sua própria existência é uma graça, também e com razão maior é tudo quanto tem.

Há, portanto, injustiça formal da nossa parte em recusarmos ser tratados e tratar-nos a nós mesmos como verdadeiros nadas. Diz-se nada custar e ser justa essa confissão em relação a Deus; mas que assim não é a respeito dos homens, porquanto estes, nada sendo, como nós, não têm título algum para obrigar-nos a tal confissão e às suas consequências. A confissão nada custa em relação a Deus, se nos limitamos a fazê-la de boca; porém, quando faz-se mister procedermos de acordo com ela, deixarmos que Ele se arrogue e exerça sobre nós todos os direitos que lhe pertencem, consentirmos em que disponha ao seu talante de nosso coração, de todo o nosso coração, de todo o nosso ser, custa-nos infinitamente e com grande dificuldade não chamamos isso de injustiça. Ele, todavia, poupa a nossa fraqueza, não usa dos seus direitos com todo o rigor, jamais nos expõe a certas provas aniquiladoras, sem ter obtido o nosso consentimento.

Quanto aos homens, concordo não terem por si mesmos domínio algum sobre nós e que injusto é da sua parte qualquer desprezo, humilhação ou ultraje. Mas nem por isso temos direito de nos queixarmos dessa injustiça, porque no fundo não é injustiça a nós, que nada somos, a quem nada é devido, mas para com Deus, cujo mandamento violam desprezando-nos, humilhando-nos, ultrajando-nos. É, pois, o Senhor quem deve ressentir-se da injúria que lhe fazem maltratando-nos e não nós, que em tudo quanto nos acontece não devemos ser sensíveis senão à injúria feita a Deus. Meu próximo despreza-me; não tem razão, porque não é mais do que eu e Deus lhe proíbe. Mas não terá ele razão porque eu sou verdadeiramente digno de estima, porque em mim nada há merecedor de desprezo? Não, porque se ele arrebata meus bens, mancha a minha reputação, atenta contra a minha vida, é certamente culpado e muito culpado para com Deus; mas será também para comigo? Estarei autorizado a querer-lhe mal, a vingar-me?

Não: porque tudo quanto possuo, tudo quanto sou, não pertence propriamente a mim; que só tenho de meu o nada e a quem nada se pode tirar. Se assim encarássemos, sempre do lado de Deus e jamais do nosso, tudo que nos acontece, não seríamos tão melindrosos, tão sensíveis, tão sujeitos a nos queixarmos e irritarmos. Toda a desordem vem sempre de supormos que somos alguma coisa, de nos arrogarmos direitos que nos faltam, de em tudo começarmos sempre por nos considerarmos diretamente e não prestarmos atenção aos direitos e aos interesses de Deus, os únicos lesados no que nos concerne.

Confesso que isso é de prática muito difícil e, para consegui-lo, faz-se mister renunciarmos, absoluta e completamente, a nós mesmos. Mas, em suma, é justo e a razão coisa alguma pode opor. Deus, portanto, nada exige de nós que não seja razoável, quando a seu respeito e a respeito do próximo quer que nos portemos como nada sendo, nada tendo, nada pretendendo.

Isto, como já se disse, seria justo quando mesmo tivéssemos conservado a nossa primeira inocência. Mas, se nascemos culpados, se estamos inteiramente cobertos de pecados pessoais, se contraímos infinitas dívidas para com a justiça divina, se merecemos não sei quantas vezes a condenação eterna, não é para nós castigo demasiado brando só sermos tratados como nadas? E não deve o pecador colocar-se infinitamente abaixo do que nada é? Se qual for a provação imposta a ele por Deus, sejam quais forem os maus tratos suportados do próximo, terá direito de se queixar? Poderá acusar de rigor excessivo a Deus ou de injustiça os homens? Não deve, antes, considerar-se muito feliz em resgatar, com alguma pena temporal, tormentos eternos? 

Se a religião não é uma ilusão, se é verdade o que a fé nos ensina acerca do pecado e dos suplícios que lhe estão reservados, como pode entrar no espírito de um pecador - a quem Deus se dispõe a perdoar - que não merece tudo quanto se possa suportar de males neste mundo, embora dure sua vida milhões de séculos? Sim, é injustiça soberana, é monstruosa ingratidão de quem ofendeu a Deus (e quem de nós não o ofendeu?) não aceitar de bom grado, em reconhecimento, por amor, por dedicação aos interesses de Deus, tudo quanto de sofrimentos, se essas humilhações aprouver à divina bondade enviar-lhe. 

E o que será se tais sofrimentos, se essas humilhações passageiras são, não só a compensação do inferno, mas o preço de uma felicidade eterna, o preço da posse eterna de Deus; se no céu seremos glorificados na proporção do nosso aniquilamento aqui na terra? Teremos ainda horror a nos aniquilarmos? Pensaremos que é nos fazer mal, quando, por sermos pecadores e para emergirmos do nada, exige-se a renúncia completa do nosso eu, com a promessa de uma recompensa que sempre durará?

Acrescento que semelhante forma de aniquilamento, contra a qual a natureza tanto se insurge e clama, ao invés de tão penosa como imaginamos, é até suave, porque antes de tudo Jesus Cristo a declarou como tal: 'Tomai sobre vós o meu jugo', disse Ele; 'é doce e leve'. Por mais pesado que seja esse jugo, Deus o suaviza para os que o tomam de boa vontade e consentem em carregá-lo por seu amor. O amor não nos impede de sofrer mas faz como que amemos o sofrimento e torna-o preferível e a todos os prazeres.

A recompensa presente do aniquilamento é a paz do coração, a calma das paixões, a cessação de todas as agitações do espírito, das murmurações, das revoltas interiores. Vejamos, em pormenores, a prova disto. Qual é o maior mal do sofrimento? Não é a própria dor, é a revolta, a sublevação interior que a acompanha. A alma aniquilada sofreria todos os males imagináveis sem perder o repouso conexo ao seu estado: é fato de experiência. Custa-nos conseguir o nosso aniquilamento, temos que fazer grandes esforços sobre nós mesmos: mas também gozamos da paz na proporção das vitórias alcançadas.

O hábito de renunciarmos a nós mesmos, de não atendermos ao nosso eu, torna-se cada dia mais fácil; admiramo-nos de que não nos faça mais sofrer, no fim de certo tempo, aquilo que nos parecia intolerável, assustava a imaginação, sublevava as paixões e punha a natureza em estado violento. Nos desprezos, nas calúnias e humilhações, o que as torna tão duras de suportar é o nosso orgulho; é o nosso desejo de ser estimados, considerados, tratados com certas atenções; é o pavor que temos das zombarias e do desprezo do próximo. Eis o que nos agita e enche de indignação, o que nos torna a vida amarga e insuportável. Trabalhemos com afinco para aniquilar-nos; não demos alimento nenhum ao orgulho, deixemos caírem todos os artifícios de estima e amor próprio, aceitemos interiormente as pequenas mortificações que se apresentarem.

Pouco a pouco chegaremos a não mais nos inquietarmos com o que se pensa e ou se diz de nós, nem com o modo pelo qual nos tratam. Um morto nada sente; para ele não há honra nem reputação; os louvores e as injúrias lhe são indiferentes. A maior parte dos sofrimentos e desgostos por que passamos no serviço de Deus provém de não estarmos bastante aniquilados em sua presença, de conservarmos certa vida própria no meio dos nossos exercícios, de imiscuir-se um secreto orgulho em nossa devoção. E por isso não somos indiferentes às consolações e à sua falta; sofremos quanto Deus parece afastar-se de nós; esgotamo-nos em desejos e esforços tendentes a fazê-lo voltar; ficamos abatidos e desolados, se o afastamento perdura muito. 

Por isso também temos falsos alarmes a respeito do nosso estado. Afigura-se estarmos mal com Deus, porque Ele nos priva de algumas doçuras sensíveis. Julgamos más as nossas comunhões, porque as fazemos sem gosto, a mesma coisa acontecendo quanto às nossas leituras, orações e outras práticas. Sirvamos a Deus com espírito de aniquilamento; sirvamo-lo por Ele e não em atenção a nós; sacrifiquemos os nossos interesses à sua glória e ao seu bel-prazer; então, estaremos sempre contentes com o seu modo de nos tratar, persuadidos de que nada merecemos e de ser imensa a bondade de sua parte, não digo aceitando, porém suportando os nossos serviços.

Nas grandes tentações contra a pureza, a fé, a esperança, o que há de mais penoso para nós não é precisamente o temor de ofender a Deus, senão o medo de perder-nos, ofendendo-o. É o nosso interesse que nos ocupa muito mais do que a sua glória. Eis a razão de ter um confessor tanta dificuldade em tranquilizar-nos e reduzir-nos à obediência. Cremos que ele nos engana, transvia e perde, porque nos obriga a deixar de lado as nossas vãs apreensões. Aniquilemos o nosso conceito; não julguemos por nós mesmos... Encontraremos a paz e paz perfeita, no esquecimento total de nós mesmos. Nada há no céu, na terra, nem do inferno capaz de perturbar a alma verdadeiramente aniquilada.

(Excertos da obra 'Manual das Obras Interiores' do Pe. Grou)

terça-feira, 22 de outubro de 2019

A CATEDRAL SUBMERSA


Conta uma velha lenda que existia uma ilha aonde o povo era muito virtuoso e nela havia uma belíssima catedral gótica, com torres e sinos de ouro. A catedral assim brilhava porque refletia a piedade e a virtude daquela população. Quanto melhor se comportavam as pessoas, mais intenso era o brilho refletido pela catedral.

Mas – ó desgraça – a partir de um certo momento, a moral das pessoas começou a decair e, com isso, a catedral foi perdendo o brilho, ficando opaca e depois escura e, por fim, quando mal podia ser vista e a população vivia na iniquidade, eis que um maremoto destruiu a ilha e submergiu a antiga catedral. De tempos em tempos, eventos sísmicos fazem a catedral emergir e o vento faz ainda repicar os seus sinos. Mas logo estes se calam e a catedral volta para o fundo do mar, em repouso submersa.

Esta catedral é a figura de muitas almas. Quando virtuosas e plenas de bons exemplos, brilham com destacado esplendor. Mas, na decadência dos seus atos, perdem o brilho e o eco dos seus feitos, tornam-se empalidecidas e depois opacas e submergem, enfim, nas trevas do pecado. Às vezes, uma palavra qualquer ou uma ação isolada fazem renascer das águas a catedral submersa. Por pouco tempo, porém, pois os prazeres e as veleidades do mundo a arrastam de imediato, outra vez, para o fundo de suas próprias misérias.

Caro leitor, mantenha a sua catedral livre das águas turbulentas desse mundo fútil e corrompido. Erga a voz da fé - os sinos da alma! - para com todos os homens e em todos os tempos, sem concessões dúbias ao respeito humano. A oração perseverante, a comunhão frequente e uma piedosa devoção a Nossa Senhora são as âncoras seguras para firmar a catedral da sua alma sobre rocha firme e torná-la o límpido cristal capaz de refletir em plenitude a própria luz de Cristo!

(texto reescrito e adaptado pelo autor do blog de original publicado na revista 'O Desbravador')

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

SEIS ÓDIOS E UMA ABOMINAÇÃO

'Seis coisas há que o Senhor odeia e uma sétima que lhe é uma abominação: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, um coração que maquina projetos perversos, pés pressurosos em correr ao mal, um falso testemunho que profere mentiras e aquele que semeia discórdias entre irmãos' (Pv 6, 16-19)


DA PACIÊNCIA NA POBREZA E NAS PERSEGUIÇÕES

Devemos, em segundo lugar, praticar a paciência nos incômodos da pobreza, quando os bens temporais nos vêm a faltar.  'Que é que vos poderá bastar', pergunta Santo Agostinho, 'se Deus não vos bastar'? Quem tem Deus, tem tudo, ainda que lhe faltem todas as outras coisas. Pode dizer então: 'Meu Deus, sois tudo para mim'! É por isso que o Apóstolo diz que os santos nada têm e possuem tudo (II Cor 6, 10). Quando, portanto, vos faltarem os remédios nas enfermidades, vos faltar a alimentação, vos faltar o fogo no inverno, vos faltarem as vestes, dizei: 'Meu Deus vós só me bastais' e assim contentai-vos.  

Suportai, do mesmo modo, as perdas das criaturas, como bens temporais, parentes e amigos... Dizei-me o que lucrais em abandonar-vos à melancolia? Pensais talvez que assim agradais à pessoa falecida. Não, decerto; desagradais a Deus e também ao defunto. Quanto mais grato seria a esse que vos conformásseis com a vontade divina e vos aplicásseis não a chorar, mas unir-vos mais com Deus e orar pela sua alma, caso se ache no purgatório! Derramar algumas lágrimas com a morte dos seus é fraqueza que se concede à natureza; mas lamentar-se demais é fraqueza de espírito e de amor de Deus. As religiosas santas [o texto foi dirigido originalmente à orientação espiritual de religiosas] sentem também a morte das pessoas amigas, mas logo se resignam, pensando que tal foi a vontade de Deus e com paz vão orar por elas. Em seguida multiplicam suas preces, as comunhões, e se apegam mais com Deus, reavivando a esperança de ir um dia possui-lo juntamente no céu. 

É necessário, em terceiro lugar, praticar a paciência nos desprezos e nas perseguições. 'Eu não cometi falta alguma', direis vós; 'para que hei de sofrer esta afronta, esta perseguição'? Deus não quer isto. Mas ignorais a resposta de Jesus Cristo a São Pedro mártir que se queixava de estar preso injustamente, dizendo: 'Que mal fiz eu, Senhor, para sofrer esta perseguição'? Jesus crucificado lhe respondeu: 'E eu que mal fiz para ser cravado nesta cruz'? 

Se, pois, o divino Redentor houve por bem abraçar a morte por vosso amor, não é demais que abraceis esta mortificação por seu amor. É verdade que Deus não quer o pecado de quem vos insulta e persegue, mas quer que sofrais esta contrariedade por seu amor e também para vosso bem. Se nós não cometemos a falta que nos é imputada, diz Santo Agostinho, temos todavia outros pecados que merecem estes castigos, e até castigos muitos maiores. 

... Não há remédio, diz o Apóstolo: 'todos aqueles que querem seguir a Jesus Cristo hão de sofrer perseguição' (II Tm 3,12). 'Se, pois, não quereis sofrer coisa alguma', continua Santo Agostinho, 'é para se temer que não tenhais ainda começado a seguir Jesus Cristo'. Quem foi mais inocente e mais santo que o nosso divino Salvador? Entretanto, os homens o perseguiram e o fizeram morrer coberto de chagas e de ignomínias em sua cruz. É por isso que São Paulo para nos animar a sofrer com calma as perseguições, nos exorta a ter sempre diante dos olhos o crucifixo: 'Lembrai-vos constantemente daquele que foi alvo de tantas contradições por parte dos pecadores' (Hb 12, 6). Tenhamos por certo que, se sofrermos com paz as perseguições, Deus tomará a si a defesa da nossa causa; e, se, por acaso, permitir que vivamos desonrados nesta terra, o fará para recompensar depois a vossa paciência com honras maiores em outra vida.

(Excertos da obra 'A Verdadeira Esposa de Jesus Cristo', de Santo Afonso Maria de Ligório)

domingo, 20 de outubro de 2019

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'Proclama a palavra, insiste oportuna ou importunamente, argumenta, repreende, aconselha, com toda a paciência e doutrina' (2Tm 4,2)

PÁGINAS DO EVANGELHO (2018 - 2019)

sábado, 19 de outubro de 2019

OS TRÊS MORTOS DOS EVANGELHOS

No Evangelho (Lc 7, 11-17), encontramos três mortos ressuscitados pelo Senhor de forma visível e milhares de forma invisível. A filha do chefe da sinagoga (Mc 5,22-ss), o filho da viúva de Naim e Lázaro (Jo 11) são símbolos dos três tipos de pecadores ainda hoje ressuscitados pelo Senhor. A menina ainda se encontrava em casa de seu pai, o filho da viúva já não estava em casa da sua mãe, mas também ainda não estava no túmulo e Lázaro já estava sepultado. 

Assim, há pessoas com o pecado dentro do coração mas que ainda não o cometeram. Tendo consentido no pecado, ele habita-lhes a alma como morto, mas não saiu ainda para fora. Ora, acontece amiúde aos homens esta experiência interior: depois de terem escutado a palavra de Deus, parece-lhes que o Senhor lhes diz: 'Levanta-te!' E, condenando o consentimento que dantes haviam dado ao mal, retomam fôlego para viver na salvação e na justiça. 

Outros, após aquele consentimento, partem para as ações, transportando assim o morto que traziam escondido no fundo do coração para o expor diante de todos. Deveremos desesperar deles? Não disse o Salvador ao jovem de Naim: 'Eu te ordeno: Levanta-te!'? Não o devolveu a sua mãe? O mesmo acontece a quem atuou desse modo: tocado e comovido pela Palavra da Verdade, ressuscita à voz de Cristo e volta à vida. É certo que deu mais um passo na via do pecado, mas não pereceu para sempre. 

Já aqueles que se embrenham nos maus hábitos, ao ponto de perderem a noção do próprio mal que cometem, procuram defender os seus maus atos e encolerizam-se quando alguém lhes censura. A esses, esmagados pelo peso do hábito de pecar, albergam as mortalhas e os túmulos e cada pedra colocada sobre o seu sepulcro mais não é do que a força tirânica desse mau uso que lhes oprime a alma e não lhes permite, nem levantar-se, nem respirar. Por isso, irmãos caríssimos, façamos de tal modo que quem vive viva, e quem está morto volte à vida e faça penitência. Os que vivem conservem a vida e os que estão mortos apressem-se a ressuscitar.

(Sermões, Santo Agostinho)

terça-feira, 15 de outubro de 2019

15 DE OUTUBRO - SANTA TERESA DE ÁVILA


Terceira dos nove filhos do segundo casamento de Alonso Sanchez Cepeda e Beatriz D'Ávila y Ahumada, Teresa nasceu em 28 de março de 1515 na cidade medieval de Ávila, na região de Castela (Espanha). Inteligente e extremamente afável, desenvolveu desde muito cedo um espírito de intensa oração e vida interior que a levaria, antes dos 20 anos, a ingressar no Convento da Encarnação das Carmelitas onde vivenciou fenômenos místicos extraordinários, como a transverberação de seu coração por um Serafim e o 'desposório místico' com Cristo.

Superando doenças e provações diversas, transformou-se, então, na grande reformadora da Ordem dos Carmelitas, a partir de 1562, quando passou a aplicar à mesma as regras formais dos antigos conventos, impondo o rigor das orações, do silêncio completo e de meditações contínuas. Neste modelo, fundou vários outros conventos e, junto com São João da Cruz, o ramo masculino dos Descalços. Seus escritos e obras expressam a singular inspiração mística de sua vida interior e a poesia de sua intimidade espiritual com Cristo.  

Em 1582, durante uma viagem a Alba de Tormes, seu estado de saúde piorou rapidamente e a santa teve a certeza que era chegada a hora de sua morte. Ao receber os últimos sacramentos do Pe. Antônio de Heredia, ergueu-se de repente do leito exclamando: 'Oh, Senhor, por fim chegou a hora de nos vermos face a face!' e, em seguida, pronunciou sua última frase: 'Morro como filha da Igreja'. Eram 9 horas da noite do dia 4 de outubro de 1582. Uma vez que, exatamente no dia seguinte efetuou-se a mudança para o calendário gregoriano com a supressão de dez dias do mesmo, a data de sua celebração é comemorada no dia 15 de outubro.

Suas relíquias repousam ainda em Alba de Tormes. Teresa foi  beatificada pelo Papa Paulo V em 1614 e canonizada por Gregório XV em 1622. O Papa Paulo VI, em 27 de setembro de 1970, proclamou Santa Tereza de Ávila como Doutora da Igreja.

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (XL)

XI

DA UNIDADE E MULTIPLICAÇÃO EM CRISTO CONSIDERADAS QUANTO AO SER, À VONTADE E ÀS OPERAÇÕES

Constitui Jesus Cristo um só ser ou um agregado de seres?
Um só, Deus e homem ao mesmo tempo, porque uma só é a pessoa que subsiste em ambas as naturezas divina e humana (XVIII, 1, 2)*.

Há em Cristo mais de uma vontade?
Sim, Senhor; possui a vontade divina como Deus; e como homem, a vontade humana (XVIII, 1).

A vontade humana de Cristo é uma ou múltipla?
Se entendermos por vontade não só o apetite afetivo intelectual, mas também o sensível e ainda os atos diversos da mesma potência afetiva, é múltipla (XVIII, 2, 3).

O Verbo Encarnado teve e tem livre arbítrio?
Sim, Senhor; e em grau excelente e perfeitíssimo, apesar do que, de maneira alguma, pode pecar, porque a sua vontade deliberada esteve sempre de acordo com a divina até nas coisas em que o apetite sensitivo e as propensões naturais da vontade o inclinavam a desviar-se do que a vontade deliberada exigia, conforme ao divino querer (XVIII, 4).

Houve e há em Jesus Cristo diversas classes de operações?
Sim, Senhor, visto que, se bem que a pessoa a quem os atos se atribuem é uma única, atendendo aos princípios imediatos de operação, estes se multiplicam quanto se multiplicam as potências ou faculdades da natureza humana, mesmo sem ter em conta a variedade dos atos divinos, distintos dos próprios da humanidade (XIX 1, 2).

Logo, em que sentido falamos de 'operações teândricas' em Jesus Cristo e o que significa esta expressão?
Significa que em Jesus Cristo, Deus e homem ao mesmo tempo, existiam subordinação e dependência entre as faculdades ou princípios operativos próprios da natureza humana e os exclusivos da divina, de tal forma, que nele as obras humanas revestiam um gênero especialíssimo de perfeição e enobrecimento, sob a influência da natureza divina, e as divinas, poderíamos dizer, como que se humanizavam, manifestando-se ao exterior por meio da natureza humana e com o seu concurso (XIX, 1 ad 1).

Pôde Jesus Cristo merecer alguma coisa com suas obras humanas?
Pôde e foi conveniente que merecesse tudo aquilo cuja falta não redundava em desdouro de sua perfeição e suprema dignidade, e assim mereceu a glória do corpo e a exaltação do seu nome no céu e na terra (XIX, 3).

Pode merecer pelos outros?
Sim, Senhor; e com mérito adequado, visto que, como temos dito, forma unidade mística com todos os membros da Igreja, da qual Ele a cabeça é, de tal sorte que os seus atos não só foram meritórios para Ele pessoalmente, mas também em favor de todos os que de algum modo pertencem à sua Igreja, no sentido e com a extensão explicada quando tratamos da sua graça capital (XIX, 4).

Que é necessário para que aproveitem aos homens os méritos de Jesus Cristo?
Que se unam a Ele mediante a graça do batismo, que é graça de incorporação, como logo veremos (XIX, 4, ad 3).

XII

CONSEQUÊNCIAS DA ENCARNAÇÃO DO FILHO DE DEUS COM RESPEITO AO PAI — SUJEIÇÃO AO PAI, ORAÇÃO E SACERDÓCIO DE CRISTO

Que se segue do fato da Encarnação, atendendo às relações do Filho de Deus com o Pai e às deste com o Filho?
Segue-se que o Verbo Encarnado esteve sujeito ao Pai; que orou, que o serviu como sacerdote e que, permanecendo Filho natural e não adotivo, pode e deve ser sujeito de predestinação divina (XX-XXIV).

Que entendeis, quando afirmais que Jesus Cristo esteve sujeito ao Pai?
Que, considerando que o Pai é a bondade por essência, e o Filho, atendendo à natureza humana, só tem bondade participada, segue-se que, no que se refere à vida humana, tudo estava regulado, disposto e ordenado pelo Pai, e que, enquanto homem, viveu a Ele sujeito com a obediência mais perfeita e absoluta (XX, 1).

Podemos deduzir destas razões que também estava sujeito a si mesmo enquanto Deus?
Sim, Senhor; porque a natureza divina, base da superioridade do Pai sobre o Filho, é comum aos dois (XX, 2).

Por que devemos admitir que o Verbo Encarnado pôde e pode orar?
Porque a sua vontade humana, independentemente da divina, não podia realizar todos os seus anelos; isto é razão suficiente para que o Filho se dirija ao Pai, suplicando-lhe que, com sua vontade onipotente que é também a sua enquanto Deus, execute o que a vontade humana não pode realizar (XXI, 1).

Pode Jesus Cristo orar e pedir alguma coisa em seu favor?
Sim, Senhor, para pedir ao Pai os bens do corpo e a exaltação do seu nome, coisas que não possuía enquanto viveu na terra, como também para dar-lhe graças por todos os dons e privilégios que lhe havia concedido na natureza humana e, neste sentido, durará a sua oração eternamente XXI, 3).

Foram sempre bem acolhidas as orações de Jesus Cristo enquanto viveu na terra?
Tomando a oração no sentido de súplica e desejo deliberado e firme de alguma coisa, sim, Senhor; porque, Jesus Cristo, que conhecia maravilhosamente os planos divinos, jamais quis com vontade deliberada coisa menos conforme com o querer do Pai, que era o seu enquanto Deus (Ibid).

Que entendeis por sacerdócio de Cristo?
Entendo que a Ele, por excelência, pertence distribuir aos homens os dons celestiais e em nosso nome apresentar-se diante de Deus, para oferecer-lhe as nossas súplicas, aplacar a sua cólera e reconciliar-nos com Ele (XXII, 1).

Podemos dizer que Jesus Cristo foi, ao mesmo tempo, sacerdote e vítima?
Sim, Senhor; já que, ao aceitar a morte por nós, verificou em sua pessoa os três antigos sacrifícios de vítima pelos pecados, hóstia pacífica e holocausto, porque lavou nossos pecados, satisfazendo por eles, alcançou-nos a graça e abriu-nos as portas da glória, onde definitivamente nos uniremos com Ele (XXII, 2).

Foi Jesus Cristo sacerdote em benefício próprio?
Não, Senhor; porque estava capacitado de que, para acercar-se de Deus, não tinha necessidade de intermediários e porque, isento de pecado, do qual só tinha tomado a aparência, não necessitava oferecer sacrifícios expiatórios por si mesmo, mas por nós (XXII, 4).

É eterno o sacerdócio de Cristo?
Sim, Senhor; porque eternamente durará o seu efeito que é a glória consumada dos santos, purificados em virtude do seu sacrifício (XXII, 5).

Por que se diz que Jesus Cristo é sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque?
Para fazer notar a superioridade do sacerdócio de Cristo sobre o levítico, sombra e figura sua (XXII, 6).

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular)

domingo, 13 de outubro de 2019

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'Merece fé esta palavra: se com ele morremos, com ele viveremos. Se com ele ficamos firmes, com ele reinaremos. Se nós o negamos, também ele nos negará. Se lhe somos infiéis, ele permanece fiel, pois não pode negar-se a si mesmo' (2Tm 2,11-13)

sábado, 12 de outubro de 2019

GLÓRIAS DE MARIA: NOSSA SENHORA APARECIDA

A história é bem conhecida: em 1717, Dom Pedro de Almeida Portugal e Vasconcelos (Conde de Assumar), efetivado como governador das Capitanias de São Paulo e Minas Gerais, viajou de navio de Portugal a Santos, com grande comitiva. Tomando posse do governo em São Paulo, seguiu rumo às minas de ouro em Minas Gerais, fazendo uma longa parada em Guaratinguetá, no período de 17 a 30 de outubro. Para a recepção do ilustre viajante, foram-lhe servidos os melhores pratos da culinária local, incluindo os saborosos pescados do Rio Paraíba do Sul.

Para a nobre tarefa de pescar uma grande quantidade de peixes, foram convocados os pescadores Domingos Alves Garcia, seu filho João Alves e Felipe Pedroso, cunhado de Domingos, entre outros. Entretanto, mesmo com o conhecimento enorme que tinham dos melhores pontos de pesca, não conseguiam nada. Mas algo extraordinário estava para ocorrer. Na rede lançada, surgiu primeiro uma pequena imagem em terracota de Nossa Senhora da Conceição, sem a cabeça, que foi recolhida e guardada com zelo pelos pescadores no fundo do barco. E eis que, numa nova investida, mais abaixo no rio, sem nada de peixe, veio a cabeça da imagem. Um objeto de dimensões tão reduzidas coletado do leito largo e vigoroso do Paraíba do Sul! E, surpresa ainda maior, novas investidas da rede trouxeram agora cardumes de peixes, em tão grande quantidade, repetindo-se, no largo do Porto de Itaguaçu, o milagre de Cristo no Mar da Galileia.


Cientes dos fatos extraordinários ocorridos, os pescadores locais recuperaram a imagem e passaram a venerá-la em suas casas, como imagem peregrina, até que a mesma foi colocada em pequeno oratório na casa de Atanásio Pedroso, filho de Felipe, e depois, com o culto já generalizado na ‘Nossa Senhora Aparecida’, erigiu-se uma pequena capela de sua devoção em Itaguaçu, com o apoio do Padre José Alves Vilela, pároco da Igreja de Santo Antônio de Guaratinguetá. Sob a sua coordenação, a devoção recebeu a aprovação episcopal e foi construída, então, a Igreja de Nossa Senhora Aparecida, no chamado Morro dos Coqueiros, inaugurada em 1745, apenas 28 anos após o achado da imagem. Em torno da igreja, implantou-se rapidamente uma comunidade que constitui hoje a cidade de Aparecida. A igreja tornou-se de imediato centro de romarias e de devoções marianas de toda a natureza.


Com a intensa participação popular e, pela ausência de sacerdotes no Brasil, optou-se pela solicitação de auxílio junto a comunidades religiosas europeias. Em 1894, com a chegada dos padres redendoristas alemães, as atividades religiosas, os cultos e as romarias tornaram-se muito mais organizados, favorecendo muito a rápida difusão da evangelização e a consolidação da igreja como santuário de frequente peregrinação. Tais eventos culminaram com a solene coroação da imagem de Nossa Senhora Aparecida em 8 de setembro de 1904 (com manto azul e coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis, ofertados pela Princesa Isabel em visita ao santuário em 6 de novembro de 1888) e com a elevação do santuário à condição de Basílica Menor em 29 de abril de 1908. Em 16 de julho de 1930, o Papa Pio XI outorgou o título de Nossa Senhora Aparecida como Padroeira do BrasilEm 1967, ano da comemoração do jubileu dos 250 anos da aparição da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, o Papa Paulo VI ofertou ao Santuário Nacional da Padroeira do Brasil uma Rosa de Ouro, ato repetido pelo Papa Bento XVI em 2007. O dia da Padroeira do Brasil é celebrado em 12 de outubro, feriado nacional. 

As enormes e crescentes manifestações populares exigiram a construção de uma nova basílica, com dimensões e infraestrutura compatíveis com o maior centro de peregrinação espiritual do Brasil que se tornou Aparecida. Desta forma, entre 1955 e 1980, foi construída a atual Basílica, inaugurada a 04 de julho de 1980 pelo Papa João Paulo II e elevada a Santuário Nacional em 1984. Que continua a receber milhares de peregrinos, infindáveis romarias, em agradecimento, louvor e veneração à Virgem Padroeira do Brasil. Na Sala das Promessas, em meio a milhares de ex-votos, tem-se uma ideia da admirável senda de prodígios e milagres alcançados por tantos romeiros e fieis, pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida.


Em Aparecida, ao contrário de tantos outros centros de peregrinação mariana, a Virgem fez-se aparecer apenas sob a forma de uma pobre e pequena imagem de terracota de 38cm de altura, sem quaisquer visões, mensagens ou prodígios sobrenaturais, para falar aos simples, aos humildes, aos fracos, aos desvalidos, que as almas simples, despojadas de valores intrinsecamente humanos e entregues somente à confiança e à misericórdia de Deus por Maria, são as glórias dos Céus.


ORAÇÃO A NOSSA SENHORA APARECIDA

Ó Senhora da Conceição Aparecida, que fizestes tantos milagres que comprovam vossa poderosa intercessão junto ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, obtende para nossas famílias as graças de que tanto necessitam. Defendei-nos da violência, das doenças, do desemprego e, sobretudo, do pecado, que nos afasta de Vós. Protegei nossos filhos de tantos fatores de deformação da juventude. E concedei a todos os membros de nossas famílias a graça de poderem trilhar o caminho de perfeição e de paz ensinado por Vosso Divino Filho, que afirmou: "Disse-vos estas coisas para que tenhais paz em Mim. Haveis de ter aflições no mundo; mas tende confiança, Eu venci o mundo!" Amém.

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

O CULTO DEVIDO AO ESPÍRITO SANTO (II)

Qual culto deve o mundo ao Espírito Santo? Como o Pai e o Filho, o Espírito Santo é Deus. Como o Pai e o Filho, tem direito ao culto de latria. O culto soberano é interior e exterior, público e privado. Todos estes aspectos, obrigatórios em relação ao Pai e ao Filho, devem-se também guardar em relação ao Espírito Santo. Ousemos acrescentar que, em desagravo do longo esquecimento, cuja culpa recai na Europa moderna e em razão da ameaçadora invasão do espírito do mal, a terceira pessoa da Santíssima Trindade há de ser atualmente objeto de culto preferencial, ardentíssimo como nenhum outro.

Consiste o culto interior na fé, na esperança e na caridade (Santo Agostinho). Crer que o Espírito Santo é Deus, como o Pai e o Filho; como eles, pessoa distinta; com eles, uma só natureza; neles, em tudo igual; como eles, eterno, todo-poderoso, infinitamente bom e perfeito. Deve-se crer que é tudo o Espírito Santo, como se crê que é o Pai e o Filho; e esperar no Espírito Santo, como se espera nas duas outras pessoas da Adorabilíssima Trindade; e amar o Espírito Santo com amor soberano, de complacência, de reconhecimento, de esperança, como se ama, pelos mesmos motivos, o Filho e o Pai – eis os três atos fundamentais do culto interior que deve o mundo ao Espírito Santo.

Dizemos: amor de complacência, por causa das infinitas amabilidades do Espírito Santo. Amor de reconhecimento, por suas mercês. Só para falar de algumas, deve-lhe o mundo a Santa Virgem, o Homem-Deus, a Igreja e o cristão. Amor de esperança, por suas magníficas promessas: o céu será o reino excelente do Espírito Santo, pois que há de ser o reino da caridade (Cornélio a Lapide). Como a claridade sai da fornalha, necessariamente o culto exterior sai do culto interior, não menos obrigatório. É ao homem impossível, composto de dupla substância, não manifestar por sinais exteriores os sentimentos que lhe agitam a alma. Melhor ainda: todos seus atos exteriores não passam da tradução dos pensamentos e sentimentos interiores. Além disso, deve violentar de contínuo sua natureza, para recalcar ao fundo da alma o que imperiosa e constantemente teima em se manifestar. Deve o homem a Deus a homenagem dos sentidos, tanto quando lhe deve a do espírito. Assim, os atos exteriores de adoração, as orações, o sacrifício, a ação de graças devidas ao Pai e ao Filho, devem-nas ao Espírito Santo.

O homem não é um ser isolado, mas social. A este título, é obrigado a prestar a Deus um culto público. Deus, autor das famílias, dos povos e da sociedade, e também dos indivíduos, tem direito às homenagens deste ser coletivo, como tem direito às homenagens do ser individual. Enquanto pessoa pública, os seres coletivos só retribuem a Deus o tributo por meio de adorações coletivas. Um povo sem culto público seria um povo ateu; como jamais existisse um povo ateu, desde a origem do mundo e sobre todos os pontos do globo, houve um culto público. Acrescentemos que este culto é todo benesses para as nações, que dele tem necessidade para viver. Um mero raciocínio é bastante para prová-lo: não há sociedade sem religião; não há religião sem culto interior; não há culto interior sem culto exterior. São tais proposições axiomas de geometria moral e também de leis sociais e políticas, que época alguma e nem nação jamais dispensaram impunemente.

Não menos necessário que o culto público, o culto privado se deve manifestar na lembrança do Espírito Santo, na oração, na imitação e no temor de ofendê-lo. A lembrança é o pulso da amizade. Enquanto bata, existe amizade. Com que força ou frequência não deve bater nosso coração pelo Espírito Santo? Amor consubstancial do Pai e do Filho, amor ativo de eternidade, fonte dos bens da natureza e da graça de que gozamos cá embaixo, é também rei do século futuro, quando santificará os eleitos na efusão, ilimitada e infinita, dos divinos deleites. 

Enquanto espera, por quantos expedientes solicita nosso amor! O ar que se respira, a estrela que brilha no firmamento, as árvores carregadas de frutos, as ricas colheitas, as flores tão odoríferas, variadas e belas – todas as criaturas, que só têm alento para nosso serviço, parecem gritar-nos com voz infatigável: Amai o Espírito de amor que nos criou como a vós, e que para vós nos criou. Se escutássemos esta voz - e quem não a escutaria - o amor do Espírito Santo extravasaria do nosso coração como o ribeirão da nascente. Manifestando-se o Espírito, a ação de graças, a invocação, a adoração, as confidências íntimas, a oração em suas várias formas, tornar-se-iam um laço de comércio habitual entre o mundo e o Espírito Santo, em que todo lucro seria nosso.

Nas dúvidas, perplexidades, doenças da alma ou do corpo, a quem nos dirigir com maiores oportunidades de êxito? Sobretudo, qual defensor invocar, ao considerar as catástrofes com que nos ameaça o espírito do mal? Somente o Espírito do bem lhe pode obstar o progresso. O mesmo é dizer que a devoção ao Espírito Santo deve ser a favorita dos cristãos atuais, e as orações íntimas, inspirada na fé dos avós, hão de exalar do coração, com frequência semelhante a do alento que nos sai dos lábios: Veni, creator Spiritus Veni, sancte Spiritus!

Aqui se apresenta uma questão: quando da necessidade de luzes, por que se dirigir ao Espírito Santo e não ao Filho, luz do mundo: Ego lux mundi? Tal prática não se opõe ao costume de atribuir ao Pai o poder, ao Filho a sabedoria e ao Espírito Santo a caridade? É fácil responder: a luz é dom de Deus e, como ato de amor, é natural pedi-lo ao Espírito Santo, o amor por essência e, por conseguinte, o princípio de todos os dons. Acrescente-se que, sendo Deus, o Espírito Santo é luz, como é o próprio Filho; e que o amor, principal atributo do Espírito Santo, é a luz verdadeira, por que são esclarecidos a alma e o coração. Donde vem que o melhor conselheiro, o causídico mais confiável, é o amor de Deus e do próximo, cuja fonte é o Espírito Santo.

Ademais, seguindo a prática secular, a Igreja limita-se a se conformar às intenções de Nosso Senhor. Não fora ele mesmo que ensinara a guardar o Espírito Santo como a morada da luz e oráculo da verdade? Na pessoa dos apóstolos, disse ele à sua esposa, de uma vez por todas: 'Quando vier o Espírito que vos enviarei, ele vos instruirá de toda a verdade' (Jo 16, 13). Assim, nada mudou: nem o papel que o Verbo feito carne toma em face do Espírito Santo, nem a missão excelente do Espírito Santo. Luz dos profetas do Antigo Testamento, locutos per prophetas, ele continua a inspirar a Igreja e todos seus filhos.

Entretanto, não bastam as orações e adorações para que haja o verdadeiro culto do Espírito Santo. O culto tem por fim aproximar o adorador do ser adorado. Essencialmente, consiste esta aproximação na imitação. Imitar o Espírito Santo é parte fundamental de seu culto. Ora, a pureza e a caridade são atributos distintivos do Espírito Santo. Segue-se que imitá-los constitui a essência do culto. A pureza de afetos, ou seja, o desapego do coração às paixões desordenadas, é tão almejada pelo Espírito Santo, que somente a sombra de tal imperfeição o impediria de descer ao coração dos apóstolos. Já que é assim, seria ilusão grosseira ter a pretensão de que ele escolheria por morada a alma escrava da carne. Santificar os afetos e pensamentos é o primeiro passo a se dar na imitação e no culto do Espírito Santo.

A caridade é o outro atributo da terceira pessoa da Santíssima Trindade. Por um lado, tende a caridade à união, união que faz a força; por outro, a caridade se manifesta nas obras. Esta segunda parte do culto do Espírito Santo é tão necessária quanto a primeira... Satã é o espírito da divisão. O Espírito Santo é o Espírito de caridade. Se há um meio de unir novamente um reino, cruelmente cindido por guerras de religião e discórdias civis e suas inevitáveis consequências, é com certeza o restabelecimento do reino do Espírito Santo. 

(Excertos da obra 'O Tratado do Espírito Santo', do Pe. Jean-Joseph Gaume; trad. Permanência)

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

O CULTO DEVIDO AO ESPÍRITO SANTO (I)

Corações ao alto: sursum corda. Os sofrimentos do tempo presente nada são se comparados à glória futura que se nos há de revelar. À consideração do fruto da vida eterna, caso ainda nos reste algum claro da luz verdadeira, algum sentimento de nobre ambição, diremos com o Apóstolo: Para ganhar o céu, de tudo fiz palha; candidatos à eternidade, imitemos o mercador de pérolas sobre que conta o Evangelho. Encontrara uma pérola que, por si só, era todo um tesouro. Em vez de gastar o tempo em perseguir e o dinheiro em consumir outras pérolas, comprara aquela outra, vindo a ser o mais rico e feliz dos mercadores.

Mas como há de ser tão grande recompensa para tão pouca labuta! O infinito pelo finito, qual o mistério? O Espírito Santo é amor infinito e o céu, o reino deste amor. Esconde-se-nos a razão de tal proporção, mas o fato é inconteste. Afiança-nos a palavra divina, tornam-no sensível aos olhos as imagens presentes. Quem não presenciou a bondade, a grandeza, a prodigalidade de algumas árvores? Num instante meditado, fala-nos este espetáculo: para abrigar-se dos ardores soalheiros, aquecer o lar, cobrir a mesa de frutos suculentos, por anos a fio, ao homem basta-lhe o sacrifício de um só fruto, capaz quando muito da satisfação de um tênue apetite.

Aquele que multiplica, de tão espantoso modo, os frutos das árvores, prometeu-nos multiplicar, conforme a mesma lei, o fruto das obras: centumplum accipiet. A quem cabe o direito de lhe duvidar da palavra, limitar-lhe o poder? Os milagres resplendentes da ordem material são pálida imagem dos milagres que se consumam na ordem moral. Quanto vai da diferença entre a humílima semente, plantada em terra, e a árvore magnífica, repleta de flores e frutos, segundo a estação, vai com usura da diferença que há entre o prazer fugaz, que sacrificamos ou cuja privação voluntária aceitamos e as torrentes de deleites eternos com que seremos inundados.

Ora, nasce o fruto do fruto. Nasce o fruto da vida eterna dos frutos temporais, nossos conhecidos. Resta dizer o como cultivá-los. Há de se cultivá-los no cultivo da árvore que os carrega: esta árvore nada mais é que o próprio Espírito Santo (Santo Agostinho). Como cultivá-lo? Rendendo-lhe o merecido culto. Daí, duas perguntas: deve o mundo culto ao Espírito Santo e qual deve ser este culto?

Deve o mundo um culto ao Espírito Santo? Quando desejo obter a resposta a uma pergunta de história ou astronomia, interrogo os historiadores ou os astrônomos. Para saber se o mundo deve um culto ao Espírito Santo, dirijo-me aos mestres em ciência divina. São eles: o próprio Deus, Nosso Senhor, os Apóstolos, os Padres e a Igreja. 

Por Deus: A fim de tornar presença constante no homem a necessidade do culto ao Espírito Santo, escreveu Deus dois grandes livros: o mundo e a Bíblia. Com igual eloquência, ambos os livros contam as glórias do Espírito Santo. O amor imperecível à humanidade e a sua indispensável assistência. O céu e seus sóis, a terra e as suas riquezas, o mar e as suas leis, até o caos que ele ordena e fecunda, falam dele, assim como do Filho e do Pai. Mais de cinquenta vezes nomeia o Antigo Testamento, bendizendo a terceira pessoa da Adorabilíssima Santíssima Trindade. Duzentas vezes presta-lhe homenagem no Novo Testamento.

O que revela a repetição tão frequente, senão o papel soberano e eterno do Espírito Santo na obra da criação, do governo e da redenção do mundo? Que apregoa, senão o dever imposto aos homens e aos anjos de sempre tê-lo consigo, junto com o Pai e com o Filho, como objeto de seus pensamentos, orações e adorações? Adicionemos que se há de existir alguma preferência no culto incessante, esta recairá sobre o Espírito Santo, amor substancial do Pai e do Filho. Ele só se revela nas mercês. Os dons da natureza e da graça vêm diretamente dele.

Por Nosso Senhor: Juntam-se à voz da Bíblia e das criaturas àquela da Verdade em pessoa, o Verbo encarnado. Nem exemplos nem palavras, nada omitiu o Salvador do gênero humano para nos instar ao amor do Espírito Santo e puséssemos nele toda a confiança. O que era João Batista em relação ao Cristo, parecia Ele em relação ao Espírito Santo. O filho de Zacarias, o maior dentre os filhos de homens, foi escolhido precursor do Messias. O filho de Deus como que toma para si o papel de precursor do Espírito Santo, e parece não ter outro fim, senão o de preparar o mundo para recebê-lo.

Decidiu se fazer homem, mas quisera sua mãe esposa do Espírito Santo. Quisera seu corpo formado numa operação do Espírito Santo; que no dia do batismo o mesmo Espírito descesse sobre si visivelmente, e o conduzisse ao deserto, a fim de prepará-lo para sua missão. Durante o inteiro curso da vida mortal, mostra-se amiúde sob a dependência do Espírito Santo, que o conduz ao Calvário. Morto, é o Espírito Santo que o retira do sepulcro.

Há mister de defender os direitos do Espírito Santo? Parece que se esquecem deles. Pronunciara o mesmo Cristo esta sentença: 'quem pecar contra o Filho do Homem, será perdoado; mas quem pecar contra o Espírito Santo, não será perdoado nem neste século, nem no vindouro' (Mt 12, 32). Deve-se reservar um lugar para ele dentro das almas? Jesus não hesita em separar-se de tudo quanto lhe era mais caro no mundo, de temor que tal presença constitua-se em obstáculo ao reinado absoluto do Espírito Santo (Jo 16, 7). Tais foram as palavras e condutas da segunda pessoa da Santíssima Trindade em face da terceira pessoa. Jamais céu e terra ouviram nem ouvirão nada tão eloquente acerca da excelência do Espírito Santo e do culto que lhe é devido e da necessidade de seu reinado.

Pelos Apóstolos: Instruídos na escola do Verbo e formados pelo Espírito Santo, contam os apóstolos a sua plenitude. Diante dos novos fiéis e dos perseguidores, em seus escritos e discursos, sempre trazem o Espírito Santo sobre os lábios. Aos diáconos, o cuidado de alimentar os pobres; a eles, a missão de anunciar o Espírito Santo, de dá-lo a saber ao mundo e proclamar por toda parte a necessidade premente de submeter-se ao seu império. Nada mais lógico. Qual sua vocação e por que são eles apóstolos? A vocação é uma rija luta contra o espírito do mal, satã, deus e rei do mundo. Como apóstolos, sua razão de ser está na caça ao usurpador, fazendo reinar o Espírito do bem.

Qual nuvens salutares, soprados pelo Vento do Cenáculo, espalham-se para os quatro cantos do céu e fazem chover sobre todas as partes da terra – é neles em que o Espírito tem morada. Gigante desta imensa batalha, São Paulo o leva por durante trinta anos, do Oriente ao Ocidente e do Ocidente ao Oriente. Em todo lugar, exalta as glórias do Espírito Santo, revela sua presença por meio de esclarecidos milagres, não cessa de rogar aos judeus e aos pagãos, aos gregos e aos bárbaros: 'recebei o Espírito Santo; guardai-vos de entristecer o Espírito Santo; sobretudo, guardai-vos de expulsá-lo. Senão, permanecereis ou caireis no império do espírito infernal. Quem nega o espírito de Jesus Cristo, não tem parte com ele. Sem o Espírito Santo, nada podeis obrar para vossa salvação, sequer pronunciar o nome do autor da salvação e das graças' (Ef 1,17 ; 4,30;  I Ts 5,19; Gl 5,16 -17; Rm 8,9; I Cor 12,3).

O que Paulo ensina em Tessalônica, Efésio, Atenas e Corinto, ensina Pedro em Jerusalém, Antioquia e Roma; Bartolomeu na Armênia; Tomé nas Índias; André na Cítia; Tiago na Espanha. Mateus na Etiópia. Assim os apóstolos se nos deparam como homens do Espírito Santo. Pode-se definir o que eram suas pregações, viagens, milagres, sua vida sublime e sua morte não menos sublime: era o Espírito Santo anunciado, comunicado e apresentado para amor e obediência do mundo inteiro. Ora, a conservação dos seres nada mais é que continuação de sua criação. Caso o mundo cristão, formado pelo Espírito Santo, queira continuar a sê-lo, é imprescindível que permaneça fiel ao princípio de sua origem. Ótimo tema para reflexões em nossa época!

Pelos Padres da Igreja: Aos apóstolos sucederam os padres da Igreja e os doutores. Eles viram com os olhos a mais espantosa das revoluções: satã expulso de seu império e a humanidade, livre da escravidão, converter-se à liberdade, à luz e às virtudes do Evangelho. Nenhum deles ignora que o milagre da regeneração do mundo, maior que o da criação, não começou em Belém, mas no Cenáculo, por obra do Espírito Santo. Consumiam suas vidas na perpetuação e divulgação desta obra maravilhosa, como consumiram os apóstolos para estabelecê-la. Desde os primeiros séculos, a história mostra-nos os mais excelsos gênios do Oriente e do Ocidente consagrando o saber e a eloquência na explicação das prerrogativas do Espírito Santo, na justificação da divindade, na explicação das operações miraculosas, na demonstração da necessidade de seu reinado, na solicitação das adorações que lhe devem o gênero humano.

A exemplo do Apóstolo, São Crisóstomo, Santo Agostinho e São Jerônimo não se cansam de falar do Divino Paráclito. Dídimo, São Basílio e Santo Ambrósio consagram-lhe cada qual um tratado particular. As obras imortais de São Cipriano, Santo Atanásio, São Cirilo, São Gregório Nazianzeno, Santo Hilário, São Leão, São Gregório - o Grande, Beda - o Venerável, Ruperto, Santo Tomás de Aquino, São Boaventura, São Bernardo, Santo Antônio e uma multidão de outros são outros tantos canais por onde corre abundante o ensinamento apostólico do Espírito Santo. A todos estes grandes homens, fundadores da sociedade cristã, nada lhes era tão caro como o inculcar no mundo o estado de permanente necessidade que se há de viver ou sob o império do Espírito Santo ou sob o de satã.

Em nome de todos, ouçamos São Bernardo e São Crisóstomo: 'Temos', diz o primeiro, 'duas prendas do amor de Deus por nós: a efusão do sangue de Jesus Cristo e a efusão do Espírito Santo. Um de nada serve sem o outro. O Espírito Santo só se dá a quem acredite em Jesus crucificado. Mas a fé de nada serve, se não opera na caridade. Ora, a caridade é dom do Espírito Santo' e o segundo: 'Sem o Espírito Santo, nem os fiéis poderiam orar a Deus, nem chamá-lo de Pai. Sem ele, não haveria ciência, nem sabedoria na Igreja, nem pastores, nem doutores, nem santificadores. Em suma, sem ele não haveria Igreja'.

Caso não existissem Igreja, padres, doutores, nem possibilidade de orar, nem meio de lucrar do sangue do Calvário, como subtrair-se ao domínio do demônio? Ora, sem o Espírito Santo, nada disso existiria. As partes do mundo civilizadas pelo cristianismo seriam ainda como a China, as Índias, a África, o Japão, o Tibete, regiões sob o domínio do príncipe das trevas. Este é o ensinamento tradicional dos padres da Igreja. Existe razão mais poderosa acerca da necessidade de conhecer o Espírito Santo, de amá-lo, de adorá-lo e de submeter-se a seu império?

Pela Igreja: Para torná-lo indelével, tornando-o popular, a Igreja cuida de traduzir em atos esse ensinamento fundamental. Além do sinal da cruz, cujo uso frequente é muito recomendado, repisa diversas vezes ao dia às crianças o nome e a influência necessária do celeste Consolador, emprega ela mil outros meios de mantê-lo sempre em face de seu pensamento. Qual seja, junto com o Pai e o Filho, o objeto invariável da liturgia, deseja a Igreja que uma festa, soleníssima a cada ano, de geração em geração, recorde o reconhecimento das nações batizadas, recorde aquele a quem o mundo tudo deve: luz, caridade, liberdade, civilização no tempo, glorificação na eternidade.

... Na incompreensível ternura para com os filhos dos homens, Deus em pessoa digna-se habitar sobre a terra: permite que lhe erijam templos. Quem os tornará dignos, estes templos materiais? Quem fará novos céus? É o mesmo Espírito que das castas entranhas de Maria erigiu o santuário do Verbo eterno. Ao chamado da Igreja, descerá até às moradas terrestres, as purificará, as ungirá com sua sagrada presença, e para sempre as fará agradáveis a Deus e respeitáveis aos homens. A invocação solene é o começo da imponente dedicação, que vai pedir com instância por sobre o trono o Espírito santificante: Veni, creator Spiritus.

Consagrar-lhe-ão augustíssimos templos. Aos pobres, aos órfãos, aos doentes, dar-se-ão padres e madres, irmãos e irmãs que lhes esposam os sofrimentos, aliviam as necessidades, desde o berço até à tumba e mais além. Quem operara tal milagre, desconhecido do mundo até antes do Pentecostes cristão? A partir de então, invocar-se-á o Espírito de devoção. Como no dia do Cenáculo, ele descerá; novos corações surgirão da ação de seu poder, e o mundo terá, nos religiosos e religiosas, contínuas gerações redivivas de mártires e apóstolos da caridade: Veni, creator Spiritus.

... Quer dizer isso, para as jovens gerações que entram no embate da vida, receber a terceira pessoa da Santíssima Trindade? é por isso que a Igreja multiplica os esforços de solicitude materna. Instruções prolongadas, orações públicas e particulares, purificação da alma pelos sacramentos, anúncio solene do pontífice: tudo é posto em ação para de cada paróquia fazer um novo cenáculo. Junto com muitos outros, estes são os meios que sem cessar emprega a Igreja, para tornar o Espírito Santo sempre presente à memória e ao coração de seus filhos. Há como repetir com maior força a contínua necessidade que temos dele, enquanto homens e cristãos? É permitido afastar as recomendações tão instantes da mais sábia das mães? Não haveria ingratidão em esquecê-la? Qual dentre as criaturas possui todos seus dons? Não haveria perigo na pretensão de seguirmos sem ele, rodeados de inimigos que somos?

... Esta época, tão confiada em ser mestra de si mesma, como se encontra? Interroguemos seus atos e tendências. O desarvorado luxo que a devora e convida a grandes brados a formidável reação do pobre contra o rico, o socialismo; o sacrifício perpétuo, e a cada dia mais comum, da consciência, da honra, da inteligência, da vida pública e privada ao culto da carne; a insurreição generalizada, inaudita, obstinada das nações contra Deus e contra seu Cristo; as torrentes de doutrinas envenenadas, noite e dia espalhadas pelo mundo, terríveis semeaduras, seguidas inevitavelmente por colheitas piores ainda: é o Espírito Santo que inspira e faz todas essas coisas? Se não é o Espírito de vida, é o espírito da morte. A qual dos dois pertencerá o amanhã?

(Excertos da obra 'O Tratado do Espírito Santo', do Pe. Jean-Joseph Gaume; trad. Permanência)