segunda-feira, 31 de outubro de 2016

DA VIDA ESPIRITUAL (92)

Cuidado com o pouco tempo que tens; o tempo que ora sopra no teu coração e passa sobre a tua cabeça. Só este tempo de agora tem frutos de eternidade; cuida do presente de tua vida como o presente eterno de Deus. Poupa-te da loucura de viver do passado e do futuro. O passado é aquela chama que já se extinguiu e volver ao passado é como enterrar novamente os mortos. Quanto ao futuro, não podes almejar dele sequer um único vintém, um único anelo de posse. O futuro está mais longe de ti do que as estrelas mais distantes, pois ele é tão somente o pensamento ainda adormecido de Deus. 

LUZ NAS TREVAS DA HERESIA PROTESTANTE (III)

CAPÍTULO V

A CONTRADIÇÃO DOS PROTESTANTES PROTESTANDO

Como provei nos capítulos precedentes, um protestante é um homem que protesta. Ora, pelo próprio princípio de sua crença, este homem não tem o direito de protestar; pelo seu protesto ele condena a si próprio. Parece um paradoxo, uma contradição nos termos e no fato. Assim é a realidade; porém o protestante, sendo sempre um ignorante em matéria religiosa, não nota a contradição flagrante entre os princípios básicos de sua crença e os protestos com que destrói estes princípios. Escutem bem isso, caros protestantes. Em que consiste o princípio fundamental do vosso protestantismo? Talvez nunca pensaram nisso seriamente. Pois bem, ei-lo: O protestantismo consiste em admitir só as verdades contidas na bíblia.

Só a bíblia

A bíblia, só a bíblia... é o grito dos filhos de Lutero. Onde encontraram eles na bíblia, esta passagem: 'só a bíblia'? Até hoje eu não a encontrei, nem a encontrarei jamais, porque lá não figura. É já uma contradição! A bíblia diz claramente que Jesus Cristo fundou sua Igreja sobre Pedro (Mt 16,18), diz que estaria com ele até ao fim do mundo (Mt 28,13-20), que lhe dava as chaves do reino do céu (Mt 16,19), que esta Igreja seria coluna e fundamento da verdade (1 Tm 3,15), que é preciso escutar esta Igreja sob pena de ser tratado como um pagão (Mt 18,17). Diz ainda que Cristo mandou os apóstolos pregarem o evangelho, e nem fala da bíblia, nem de espalhar bíblias (Mc 16,20).

Eis o que encontro na bíblia, mas em parte nenhuma se me depara esta regra de Fé: 'só a bíblia'. Encontro sim, esta passagem: 'Examinai as escrituras' (Jo. 5,39), a qual Cristo cita contra seus adversários para provar a divindade de sua missão, - porém isso nem é um conselho, mas sim uma prova de ser ele o Messias predito e anunciado. Jesus Cristo anunciou de viva voz, não escreveu uma só linha. A Igreja, depois de fundada, propagou-se em toda parte, e não havia ainda um único livro do novo testamento.

Só a bíblia, dizem os protestantes, tudo deve apoiar-se sobre a bíblia! Mas por que então Cristo não deu esta bíblia? Por que ele não disse aos apóstolos: Sentai-vos e escrevei, ou viajai e distribuí bíblias; em vez de: 'Ide e pregai - quem vos ouve, ouve a mim' (Lc 10,16). E os apóstolos foram fiéis à sua missão; poucos escreveram, e escreveram pouco; mas todos pregaram, e muito. Eis como cai no chão o primeiro princípio protestante, só a bíblia. Isso é invenção de Lutero; e não figura na Bíblia.

O livre exame

O segundo princípio fundamental do protestantismo é o livre exame. Isto quer dizer que cada um tendo uma bíblia, não precisa de explicação de ninguém: ele mesmo pode e deve interpretar a bíblia à sua vontade, e tirar dela os artigos de fé, que bem lhe apareça. Aqui a contradição é fenomenal e chega às raias do absurdo.

Escutem. Cada um deve interpretar a bíblia; isso é essencial, porque cada um é inspirado pelo Divino. Mas se basta a bíblia que cada um deve compreender – abaixo oradores, pastores, predicantes, cuja função é explicar a bíblia. Se, para chegar ao céu, basta a bíblia, por que tais pastores vão meter o bedelho nas frases que cada um deve decifrar? Por que as casas de culto desde que há uma bíblia em casa?

Se eu fosse protestante, não quereria casa de culto, nem suportaria pastores. Munido da minha cara bíblia, fechava-me no quarto, e pôr-me-ia a ler os passos que mais me agradassem. Isso, sim, seria seguir os conselhos do papai Lutero, que disse: 'todo cristão é para si mesmo a Igreja nas coisas relativas a fé'. Como é, meus caros pastores protestantes, que vós teimais em pregar, ensinar, catequizar, contra a vontade expressa do vosso fundador e pai? O que vos compete é distribuir bíblias, só bíblias. E devem ser bíblias sem a mínima explicação, nem verbal, nem escrita, senão perturbais a inspiração pessoal divina.De duas uma: ou a bíblia é suficiente ou não o é. Se o é: então abaixo os pastores, com seus comentários e explicações! Se não o é, então cai o grande princípio protestante da interpretação individual.

Vosso e nosso direito

Uma contradição mais flagrante ainda se apresenta: se cada qual é inspirado pelo Espírito Santo, como é que o protestantismo está dividido em centenas, até milhares de seitas, que professam doutrinas contrárias, e fazem-se guerra mutuamente? O Espírito Santo está em contradição consigo mesmo? Ou o Espírito Santo é um ignorante ou os pastores protestantes o são; ou Deus mente, ou os pastores mentem. Resolvam, caros protestantes.

Agora temos uma conclusão muito importante. Vós dizeis que cada um pode individualmente interpretar a bíblia; nós também temo-la, com a vantagem de que a nossa é completa e a vossa truncada, faltando-lhe livros inteiros. Vós interpretais a vossa bíblia, dizendo que é o vosso direito. Nós interpretamos a nossa; é também nosso direito. Vós escutais os vossos pastores e as explicações verbais e escritas que eles dão da bíblia. Nós escutamos os nossos sacerdotes, os nossos bispos, o papa de Roma, que explicam também a bíblia: creio ser o nosso direito.

Não podeis negar, pois os nossos padres, bispos, teólogos e papa, bem valem, pela virtude e pela ciência, pela experiência e pela sinceridade; os vossos pastores, que provam ser hipócritas, exploradores, tratantes; são pastores só para melhorar e cavar a vida e arrancar dinheiro das pobres vítimas que se deixam iludir por eles. Mas então dizei-me, por que o vosso fanatismo, a vossa propaganda, vossas calúnias contra a Igreja Católica? Por que, ó protestantes?

Nós interpretamos a bíblia. É o nosso direito, nossa interpretação não concorda com a vossa, como a vossa não concorda com o protestante vizinho. Que tendes vós com isso? Cada um interpreta como entender! É o livre exame. Vós seguis os vossos pastores boçais, interessados. Nós seguimos a nossa Igreja católica, infalível, construída sobre o rochedo de São Pedro. Creio que temos este direito. Então, por que protestais, ó protestantes? Por quê? Protestando contra a interpretação dos outros, fazeis ruir o fundamento do vosso protestantismo, que consiste na liberdade de interpretar a bíblia.

Tudo isso é contradição, sois divididos contra vós mesmos. A verdade é uma e indivisível. Estais, pois, no erro, e o vosso protestantismo não passa de uma mania ignorante ou perversa. A palavra do Mestre é clara: 'Todo reino dividido contra si mesmo será devastado; e toda cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá' (Mt 12,25).

Pobres protestantes, deponde os preconceitos e refleti um instante. A verdade vos condena pelos vossos próprios lábios: Condemnabit te os tuum et non ego (Job 15,6). Protestais, e não tendes o direito de protestar; sois protestantes, e não o podeis ser; o vosso próprio protestantismo vos condena. Como é isso, então? Só Satanás é capaz de ver bem claro num tal tinteiro! Contradição! Só contradições! Ora, Deus não pode estar com a contradição, que é mentira. O que prova que Deus não está convosco, meus caros e infelizes protestantes.

CAPÍTULO VI

OS PROTESTOS DOS PROTESTANTES

É tempo de passar a tais objeções ou protestos e dar-lhes uma resposta peremptória que não possa refutar nem a má fé, nem a perfídia dos chefes protestantes. Pobres protestantes, vós blasfemais o que ignorais (2 Pd 2,12) e seduzis os corações dos inocentes com palavras suaves (Rm 16,18), procurando não a salvação das ovelhas mas, sim, vossos próprios interesses, conforme as palavras do Senhor ao Profeta Ezequiel: 'Ai dos pastores que se apascentam a si mesmos. Comeis a carne das ovelhas e vos vestis da sua lã; degolais o cevado; porém não apascentais as ovelhas' (Ez 34, 2-3).

Em vez de formulardes miseráveis objeções, que mostram a vossa ignorância e a vossa má fé, em vez de citardes nas almas o ódio à Igreja Católica, o vosso dever seria de mostrar o caminho do bem, de reprimir os abusos e de expor os dogmas da vossa seita. Para mais clareza, eis aqui textualmente reproduzido o desafio, com as tais objeções.

Darei, em seguida, uma resposta clara e irrefutável às mesmas objeções, apoiada sobre a sagrada escritura, o bom senso e a história, de modo a satisfazer a todos os gostos e a todas as exigências, não deixando outra saída para a má fé do protestante, senão a interpretação errada da sagrada escritura. Para esse mal não há remédio. O homem falso, sem caráter, mentiroso, caluniador, não é mais um homem, é um monstro – e um monstro não precisa de argumentação, senão de chicote, como o aconselha o Espírito Santo: 'O açoite para o cavalo, o freio para o jumento e o pau para as coisas dos tolos' (Pv 26, 3).

Se porém, os protestantes são sinceros e capazes de compreender a verdade, após a leitura das respostas, que seguem, devem ficar convencidos da verdade católica. Tenham, pelo menos, a coragem de ler, tenham a vontade de compreender e a humildade de abraçar a verdade; e estará extinta a pobre e nefanda seita de Lutero, entre nós. Eis, pois, a folha* espalhada em Manhumirim no fim o mês mariano de 1928. 

Exige-se do Revmo Padre Júlio Maria:

1. Um texto da escritura provando que devemos orar à Virgem Maria
2. Um texto da bíblia que prove que Maria foi concebida sem pecado
3. Um texto da escritura que prove que São Pedro não tinha esposa
4. Um texto da escritura que prove que os ministros de Deus não devem se casar
5. Um texto da escritura que prove que São Pedro foi bispo de Roma
6. Um texto da escritura que prove que o Papa é Vigário de Cristo e sucessor de São Pedro
7. Um texto da escritura que prove que os padres podem perdoar os pecados
8. Um texto da escritura que prove que o vinho na ceia do Senhor deve ser tomado apenas pelos padres
9. Um texto da escritura que prove a existência da Missa Romana
10. Um texto da escritura que prove que os padres têm o poder de mudar o pão em corpo, sangue, alma e divindade de Jesus Cristo
11. Um texto da escritura que prove que há sete sacramentos
12. Um texto da escritura que prove que o uso de imagens foi recomendado por Jesus Cristo ou seus apóstolos
13. Um texto da escritura que prove a existência do purgatório
14. Um texto da escritura que prove que há mais de um mediador
15. Um texto da escritura que prove que devemos orar pelos mortos
16. Um texto da escritura que prove que devemos jejuar nas sextas-feiras
17. Um texto da escritura que prove que o batismo lava o pecado original, faz cristãos, filhos de Deus, herdeiros do reino de Deus
18. Um texto da escritura que prove que as crianças que morrem sem o batismo vão a um lugar chamado limbo e que prove que tal lugar existe
19. Um texto da escritura que apóie o batismo de sinos
20. Um texto da escritura que prove que um homem deve ser perseguido e amaldiçoado, por haver abandonado conscienciosamente a religião em que nasceu e aceitado a religião de Jesus Cristo

Se porventura S.Revma, não apresentar estes textos, fica perante o respeitável povo manhumirense provado que S.Revma. não conhece a bíblia sagrada, ou que a religião tão ardorosamente pregada não é bíblica, ou prova os dois pontos, isto é: que S.Revma. não conhece a bíblia e a sua religião não é verdadeira.

Um crente.

* Esta 'exigência' foi proposta por 'um crente' como um desafio público ao Pe. Júlio Maria e que foi tornado público durante as festas marianas de 1928 em Manhumirim, o que levou às refutações imediatas do sacerdote, e mais tarde, mediante a inclusão de respostas mais abrangentes e detalhadas, na publicação da obra 'Luz nas Trevas - Respostas Irrefutáveis às Objeções Protestantes', ora republicada em partes neste blog.

(Excertos da obra 'Luz nas Trevas - Respostas Irrefutáveis às Objeções Protestantes', do Pe. Júlio Maria de Lombaerde)

domingo, 30 de outubro de 2016

SOB O DOMÍNIO DA GRAÇA

Páginas do Evangelho - Trigésimo Primeiro Domingo do Tempo Comum 


A caminho de Jerusalém, para viver a história definitiva de sua Paixão e Morte na Cruz, Jesus estava passando pela região de Jericó, quando se defronta com Zaqueu, o publicano, homem muito rico e de grandes posses. Na condição de judeu cooptado pelos romanos para desempenhar a função de lhes cobrar impostos, Zaqueu era visto como um traidor do seu povo e odiado e desprezado pelos seus conterrâneos.

Mas, ao contrário de muitos outros judeus que o odiavam, 'Zaqueu procurava ver quem era Jesus' (Lc 19,3). 'Procurar ver Jesus' possui aqui dois sentidos bastante distintos, mas essencialmente complementares. No primeiro sentido, Zaqueu foi movido pela graça dos bons propósitos e da conversão sincera. No segundo sentido, 'ver Jesus' estabelecia problemas práticos bastante óbvios, uma vez que, além da sua baixa estatura, Zaqueu encontrava dificuldades extremas em acessar a figura do Mestre, tolhido pela presença da grande multidão que O cercava, extasiada ainda pelo extraordinário milagre da cura do cego encontrado à beira do caminho (Lc 17, 36). 

E o que faz este homem rico e de muitas posses? '... ele correu à frente e subiu numa figueira para ver Jesus, que devia passar por ali' (Lc 19, 4). Acima da murmuração e da agitação extremada do mundo, Zaqueu elevou-se da sua pequenez e colheu frutos abundantes da graça de Deus. Ali, do alto de uma figueira, paciente, confiante, perseverante, esperou. E Jesus veio ao seu encontro, como vai de encontro a toda ovelha perdida e fora do redil: 'Zaqueu, desce depressa! Hoje eu devo ficar na tua casa' (Lc 19, 5). E Zaqueu recebeu Jesus 'com alegria'. 

E aqui são expostos mais uma vez as variantes e os atalhos da alma humana, essencialmente distintos, ainda que movidos pela mesma manifestação da admiração. A multidão mais admirada pelo milagre do que pelo Senhor do milagre, quedou-se à murmuração. Zaqueu, sob o domínio da graça, fez brotar da sua admiração ao Senhor sementes de arrependimento e salvação: 'Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres, e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais' (Lc 19, 8) e, como Marta, escolheu definitivamente a melhor parte: 'Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é um filho de Abraão. Com efeito, o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido' (Lc 19, 9-10). 

sábado, 29 de outubro de 2016

HISTÓRIAS QUE OUVI CONTAR (XVI)

Eu acabara de fazer o retiro espiritual e já me preparava para partir quando o velho prior me tomou pelas mãos e me convidou para caminhar com ele pelas longas alamedas do velho mosteiro. O silêncio era absoluto e eu podia distinguir claramente a pisada mais forte das minhas sandálias ao sibilo suave dos passos do prior. Ele parecia mergulhado num recolhimento profundo e eu tive a impressão de que pronunciava, como um sopro de sussurro, pequenas jaculatórias e a oração de Jesus.

De repente, virou-se para mim e disse: 'É assim que pensas?' Eu respondi quase que mecanicamente: 'Como? Sim, mas...' Num precioso segundo, vendo seus olhos pequenos e brilhantes fixados em mim, tive a certeza de que era absolutamente natural para ele desvendar por completo a minha mente e ler meus pensamentos como se eles fossem traduzidos sob gritos ensurdecedores. 'A morte de um bom amigo ocupou meus pensamentos agora e estava começando a rezar por ele...'

'Não há morte. Há apenas uma passagem de um estado para outro. A vida do outro mundo é muito mais real do que esta vida que temos. Quanto mais o cristão viver a vida interior, mais ele se distanciará deste mundo, e imperceptivelmente, se aproximará do outro mundo. E quanto mais ele for perfeito nesta missão, quando o fim vier, mais fácil será a passagem. A cortina frágil que nos separa da outra vida simplesmente se desvanecerá e o espírito vai se impor à carne imperfeita'.

'E alcançar esta vida interior é muito difícil?' perguntei, me desviando sem muito sucesso de uma roseira. 'Não; se você estiver seguindo o caminho certo, não. A vida interior é um caminho, um único caminho, que deve ser seguido sem meandros ou atalhos. Ninguém que mira o conforto pode esperar alcançar a paz interior. A paz interior implica uma percepção contínua das nossas fragilidades, da nossa pequenez e do firme propósito em superar nossas limitações humanas e ir mais além. Ao se acostumar aos pecados, a graça deixa de produzir qualquer impressão sobre nós, e ficamos então indiferentes à vida cristã. O passo seguinte seria assumir uma hostilidade aberta à santa Vontade de Deus e aí estaríamos como ovelhas perdidas. Por outro lado, aqueles que se levantam das quedas, que se arrependem sinceramente dos seus erros, ainda que com recaídas diversas, começam a sentir pelo pecado uma repugnância inicial e depois um ódio mortal. Aos poucos, todos os pecados se tornam repugnantes e odiosos para eles, e estes homens tornam-se, então, os santos de Deus'. 

Ele fez uma longa interrupção e tomamos uma alameda mais estreita, o que me obrigou a segui-lo um pouco mais atrás. Ia perguntar sobre este caminho de vida espiritual quando ele, antecipando à minha colocação, prosseguiu numa fala pausada: 'Tudo é parte do caminho; tudo o que é inerente à natureza humana. A felicidade e a desgraça, a ascensão e a queda, a saúde e a doença, a glória e a desonra, a riqueza e a pobreza, a alegria e a dor, o regozijo e o silêncio, tudo procede de Deus e deve ser aceito e assimilado para a glória de Deus. Muitas pessoas atingidas pelo infortúnio tornam-se deprimidas, considerando tudo o que perderam, ou rebeldes, acreditando que elas sofrem injustamente. A verdade é que Deus se inclina sobre todos os nossos próprios caminhos buscando o resgate ao Caminho que ele tem para nós. Mas nós não entendemos assim, porque nossa fé é tíbia e fraca. Lembre-se sempre que todos os problemas na vida nos são dados para que nos afastemos dos caminhos do mundo em direção ao caminho de Deus. Quando nos apegamos ao mundo, perdemos a Deus e, sem Deus, não podemos nunca ter a paz de espírito interior.'

Concentrei-me totalmente às suas palavras e despachei sem aviso prévio alguns pensamentos que ousaram perpassar pela minha mente naquele momento. Minha mente livre de pensamentos vazios era escrava apenas da sabedoria do velho ancião: 'Quando não temos a paz de espírito, não podemos ver Deus. Somos capazes de entender o passado dentro dos limites permitidos por Deus, mas não sabemos o que fazer agora e o que planejar no futuro. Se não temos paz da alma, isso significa que, internamente, nós ainda não chegamos a um estado de plenitude e estamos cegos com as paixões que nos impedem de ver o mundo em sua verdadeira luz. Mas quando alcançamos uma paz interior, nossas paixões são dominadas e vemos claramente quem somos e para onde estamos indo. Veja que é impossível ser um bom servo de Deus e trabalhar na Sua vinha com algum sucesso, sem que a paz interior nos atinja primeiro. As pessoas valorizam a paz acima de tudo, mas é óbvio que eles não podem alcançá-la se não possuem eles mesmos esta paz. Desta forma, muitos sermões, livros e exercícios, não produzem efeitos se eles não nascem da paz interior, da contemplação e do desapego às coisas materiais. Mas quando você alcança a paz interior, tudo dá certo, porque Deus está com você. Só na paz interior profunda é que podemos ver a Deus e entender em plenitude a sua Santa Vontade'. 

'E para alcançar...' A frase do prior recomeçou como um ricochete ao meu pensamento: 'E para alcançar esta paz interior é preciso somente paciência, perseverança e oração... muita oração. Agora vá porque o seu colega já está ficando impaciente por não encontrá-lo para seguirem viagem'. Eu devo ter dito 'obrigado...' ou algo assim. L. me chamava realmente com alguma impaciência no limiar da escadaria central. Volvi o olhar e o velho ancião já se afastara de mim em direção às alas internas do mosteiro. Desci então as escadas com calma, com muita calma, imbuído de uma paciência de Jó. Nos lábios, como um sopro de sussurro, comecei a primeira jaculatória e a primeira oração de Jesus de um novo, de um novo e longo caminho. 

('Histórias que Ouvi Contar' são crônicas do autor deste blog)

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

DA EXPLICAÇÃO DO MAGNIFICAT (VI)


Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que O temem

Depois de ter glorificado a Deus pelos favores infinitos com que foi cumulada e de ter feito a admirável profecia: 'todas as gerações me chamarão bem-aventurada', profecia que compreende um mundo de maravilhas que o Onipotente operou e há de operar em todos os séculos e por toda a eternidade, para tornar essa Virgem Mãe gloriosa e venerável em todo o universo, eis uma outra profecia, cheia de consolação para todo o gênero humano, especialmente para aqueles que temem a Deus, pois essa divina Maria nos declara que a misericórdia de Deus se estende de geração em geração sobre aqueles que O temem.

Qual é essa misericórdia? 'É o nosso boníssimo Salvador', diz Santo Agostinho. Por isto, o Pai eterno é chamado Pai das misericórdias, porque Pai do Verbo encarnado, que é a própria misericórdia. É desta misericórdia que o profeta pedia a Deus, em nome de todo o gênero humano, a vinda a este mundo pelo mistério da Encarnação, quando dizia: 'Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos o vosso Salvador'.

Pois, como o Verbo encarnado é todo amor e todo caridade, é também todo misericórdia. Deus é sempre misericordioso por natureza e por essência, diz São Jerônimo, e sempre pronto a salvar por sua clemência os que não pode salvar por sua justiça. Mas somos tão desgraçados e tão inimigos de nós mesmos que, quando a misericórdia se nos apresenta para salvar-nos, nós lhe voltamos as costas e a desprezamos.

É pela Encarnação que o Filho de Deus exerceu a sua misericórdia, segundo as palavras do Príncipe dos Apóstolos: 'que nos regenerou segundo a sua grande misericórdia' (I Pd 1, 3). Pois todos os efeitos de misericórdia que o Salvador operou sobre os homens, desde o início do mundo até agora, e operará por toda a eternidade, procederam e procederão do adorável mistério de sua Encarnação, como de sua fonte e princípio primeiro. É por isso que Davi, pedindo perdão de seus pecados, ora desta maneira: 'ó meu Deus, tende piedade de mim, segundo a vossa grande misericórdia'.

Três coisas são necessárias à misericórdia. A primeira é ter compaixão da miséria alheia; pois é misericordioso quem traz no coração, por compaixão, as misérias dos miseráveis. A segunda, é ter uma grande vontade de socorrê-los em suas misérias. A terceira, é passar da vontade à ação. Ora, o nosso bom Redentor encarnou-se para exercer em nós a sua grande misericórdia.

Pois, fazendo-se homem, e tomando um corpo e um coração capaz de sofrimento e dor como o nosso, Ele se encheu de tal compaixão de nossas misérias e as levou em seu coração com tanta dor, que não há palavras para exprimi-la. Pois, de um lado, tendo um amor infinito por nós, como um pai boníssimo por seus filhos; e, de outro lado, tendo sempre diante dos olhos todos os males do corpo e do espírito, todas as angústias, todas as tribulações, todos os martírios e tormentos que seus filhos deveriam padecer até o fim do mundo; seu Coração foi dilacerado por mil dores, extremamente sensíveis e penetrantes, as quais lhe teriam dado mil vezes a morte, se o seu amor, mais forte que a morte, não lhe houvesse conservado a vida, a fim de sacrificá-la por nós na cruz.

Na verdade, o que não fez Ele e o que não sofreu para livrar-nos efetivamente de todas as misérias temporais e eternas nas quais nos tinham mergulhado os nossos pecados? Todas as ações de sua vida, e de uma vida de trinta e três anos, e de uma vida divinamente humana e humanamente divina; todas as virtudes que praticou, todos os passos e peregrinações que fez sobre a terra, todos os trabalhos que passou e todas as humilhações, privações e mortificações que suportou; todos os seus jejuns, preces, vigílias, pregações; todos os seus sofrimentos, chagas, dores, a sua morte crudelíssima e cheia de opróbrio, o seu precioso sangue derramado até à última gota; todas essas coisas, digo eu, não foram todas essas coisas empregadas, não só para libertar-nos de toda espécie de males, mas também para dar-nos a posse de um império eterno, cheio de uma imensidade de glória, grandezas, alegrias, felicidades e bens inconcebíveis e inefáveis?

Mas que significam as palavras seguintes: 'sua misericórdia se estende de geração em geração sobre aqueles que O temem?' Significam, segundo a expressão dos santos doutores, que, assim como o nosso Salvador encarnou-se e morreu por todos os homens, derrama também os tesouros de suas misericórdias sobre todos aqueles que não lhes opõem obstáculos, mas que O temem. De modo que, assim como me é uma fonte inexaurível de graça e de misericórdia, acha também um soberano prazer em comunicá-las continuamente a seus filhos, em todo tempo e em todo lugar.

Mas não quis fazer inteiramente só essa grande obra. Pois, além de fazer todas as coisas com o seu Pai e o seu divino Espirito, quis ainda associar a sua Mãe Santíssima nas grandes obras de sua misericórdia. Não é bom que o homem esteja só, disse Deus, quando quis dar a primeira mulher ao primeiro homem: façamos-lhe um adjutório semelhante a Ele. Assim, o novo homem, que é Jesus, quer ter um adjutório que é Maria, e seu Pai eterno lhe concede para ser sua coadjutora e cooperadora na grande obra da salvação do mundo, que é a obra de sua grande misericórdia.

Maria é pois a administradora da misericórdia, porque Deus a encheu inteiramente de uma bondade, de uma doçura, de uma liberalidade extraordinária e de um poder sem igual, a fim de que ela queira e possa assistir, proteger, amparar e consolar todos os aflitos, todos os miseráveis, e todos quantos a ela recorrerem em suas necessidades. É o que ela faz continuamente para com os indivíduos, os reinos, as províncias, as cidades, as casas e até para com todo o mundo, segundo as palavras de um dos mais santos e mais sábios Padres da Igreja, São Fulgêncio: 'Há muito que o céu e a terra se teriam reduzido ao nada de que foram tirados, se Maria os não sustentasse'.

(Da Explicação do Magnificat, de São João Eudes)

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

'Temos o dever de levantar a nossa voz, de relembrar as grandes verdades da fé, não somente aos humildes, mas também aos poderosos, aos felizes deste mundo, aos chefes dos povos, aos que são admitidos aos conselhos de governo dos estados. E de propor a todos as certíssimas sentenças, cuja verdade a história confirmou com caracteres de sangue, como estas: 'O pecado faz a infelicidade dos povos (Pv 14, 34) e 'Os poderosos serão poderosamente atormentados’ (Sp 6, 7). E também a que está no Salmo 2: 'E agora, ó Reis, compreendei; cientificai-vos, juízes da terra .... Submetei-vos à lei do Senhor, temerosos de que Ele se ire, e venhais a perecer fora do caminho da justiça`. Essas ameaças fazem esperar as mais duras consequências visto que campeia a iniquidade pública e que a falta principal dos governantes e dos povos consiste na exclusão de Deus e na rejeição da Igreja de Cristo. Desta dupla apostasia decorre a subversão de todas as coisas e a multidão quase infinita de misérias para os indivíduos e as sociedades' (Encíclica Communium Rerum, de 21 de abril de 1909).

Papa São Pio X

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

10 QUESTÕES SOBRE A PASSAGEM POR UMA PORTA SANTA


1. O que é uma Porta Santa?

Uma porta representa, de certa forma, um 'símbolo humano', presente em todas as culturas. Com efeito, um homem possui duas atitudes básicas em relação a uma porta: entrar e sair por ela. No caso de uma Porta Santa também se entra e se sai por ela, mas há um elemento adicional muito importante nesta passagem: são derramadas abundantes bênçãos e graças especiais quando por ela passamos. Em um Jubileu, a Porta Santa serve para indicar aos fieis que o ato de passar pela porta da igreja significa uma atitude de recolhimento, de agradecimento, de pedir perdão ou de suplicar novas graças, ou seja, de se ter a certeza de que vamos receber neste ato uma bênção muito especial.

2. O que significa passar pela Porta Santa?

Cada vez que cruzamos uma Porta Santa, ganhamos uma graça especial e essa é a indulgência plenária. Esta passagem é sinal de uma renovação e de uma atitude de conversão e arrependimento. A passagem pela Porta Santa significa expressar todos os bons propósitos renovados que um cristão se propõe para mudar de vida. Cristo chamou a si mesmo de 'Porta', como expressão de salvação, segurança, acolhida e paz. Todas estas são as condições para se adentrar ao redil de Cristo por uma porta plena da liberdade de se entrar e sair dela quando se quiser.

 3. Por que a Porta Santa é aberta apenas em um Jubileu?

Deus está sempre propício a nos conceder as suas bênçãos e suas graças. Mas existe um tempo, chamado de 'kairos' no Novo Testamento, em que Deus tende a se tornar mais propício a nos cumular com as suas graças e atender especialmente os nossos pedidos. Este tempo especial encontra-se exatamente no tempo de um Jubileu, ou seja, neste ano do perdão, neste Ano da Misericórdia. 

4. A Porta Santa é um chamado para que as pessoas se aproximem de Deus?

Passar pela Porta Santa é adentrar na própria graça de Deus, na própria misericórdia de Deus. É, pois, um chamado a tantos cristãos tíbios ou indiferentes em sua fé a se colocarem por inteiro na presença de Deus e, numa súplica de perdão e arrependimento, voltarem à Igreja e alcançarem os frutos da misericórdia divina. Uma vez arrependido e confessado dos seus pecados, ao passar pela Porta Santa , o cristão é perdoado na misericórdia de Deus e obtém, assim uma indulgência plenária.

5. Como um cristão deve passar por uma Porta Santa?

Não se trata de uma mera passagem pela Porta Santa. Fazer uma entrada e uma saída protocolares, fazendo-se um sinal da cruz ou uma mera oração formal. É preciso mais. A passagem efetiva, sinal de transformação da pessoa que a fez, não ocorre por um passe de mágica ou automaticamente. É preciso fazê-lo com um verdadeiro espírito de arrependimento, de conversão e de plena confiança no perdão e na misericórdia de Deus.

6. Por que é importante esta indulgência plenária?

A indulgência plenária constitui uma anistia absoluta, ou seja, Deus perdoa todos os nossos pecados, quaisquer que sejam eles e, ainda mais, o dano e as consequências destes pecados.  Assim, no roubo, faz-se uso indevido do valor roubado, que muitas vezes não pode ser restituído. Na confissão, perdoa-se o pecado do roubo, mas não o dano, a consequência do furto. A indulgência plenária, ao contrário, remove não apenas os pecados, mas todos os seus danos e consequências. A alma fica completamente livre, como se a pessoa houvesse acabado de ser batizada e, se morresse nesta condição, adentraria a glória celeste sem passar pelo purgatório.

7. Quais são as condições que devem ser cumpridas para se atravessar a Porta Santa e se obter a indulgência plenária?

Antes de cruzar a Porta Santa, o cristão deve confessar-se, comungar e rezar pela intenções do Santo Padre e da Igreja.

8. Qualquer sacerdote pode abrir uma Porta Santa?

Não; uma Porta Santa só pode ser aberta pelo próprio papa ou por bispos especialmente designados pelo papa para fazê-lo, em determinados lugares.


9. Por que não são abertas as portas de todos as igrejas?

A escolha de determinados templos específicos tem o caráter do extraordinário, do especial. Trata-se de um evento singular da Igreja, e não um ritual corrente. Além disso, inclui-se no rito da passagem pela Porta Santa o caráter de 'peregrinação', que pode ser curta ou muito mais extensa, mas que , em qualquer caso, incorpora solenemente no cristão uma atitude de perseverança e de busca confiante no perdão e na misericórdia de Deus.

10. Como se faz a passagem por uma Porta Santa?

Fisicamente, numa atitude de recolhimento e humildade (de silêncio, com a cabeça baixa, de joelhos, etc). Espiritualmente, com reverência e devoção, fazendo-se as orações julgadas mais pertinentes e de livre escolha naquele momento. O mais importante, entretanto, é sempre fazê-lo com reta intenção e tendo atendido todas as condições previamente indicadas.

Conhecidas estas tantas graças, o que você está esperando para passar por uma Porta Santa neste Ano do Jubileu? Descubra as mais próximas de você e (re)comece a sua peregrinação espiritual.

(Texto adaptado e resumido pelo autor do blog, a partir das respostas dadas em entrevista pelo Pe. Donato Jiménez, sacerdote agostiniano e professor emérito da Faculdade de Teologia Pontifícia e Civil de Lima/Peru a ACI Prensa).

VÍDEOS CATÓLICOS

Um alerta para os Tempos Finais

Um alerta, um aviso, um apelo à conversão! Um sacerdote mexicano, o Pe. Juan Rivas da cidade de Guadalajara, diante da manifestação preocupada de vários de seus paroquianos em relação a estranhos sinais vistos no céu da cidade, fala abertamente sobre os sinais ainda mais que evidentes dos tempos finais que vivemos e nos alerta a uma conversão imediata, uma vez que a Porta da Misericórdia está prestes a se fechar... 

terça-feira, 25 de outubro de 2016

LUZ NAS TREVAS DA HERESIA PROTESTANTE (II)

CAPÍTULO III

CONTRA O QUÊ OS PROTESTANTES PROTESTAM

Contra quem? Contra o quê? Protesta-se contra aquilo que é injusto ou nos incomoda; e, não sendo assim, protesta-se por vício ou por mania. Os protestantes protestam contra a Igreja Católica e contra os ensinamentos da mesma. Por quê? Terá a Igreja Católica cometido qualquer injustiça contra eles? Nunca! A Igreja Católica, como mãe carinhosa e como pai vigilante, ensina a doutrina recebida por Jesus Cristo. Exorta os homens a praticar a virtude, a afastar-se do mal, a respeitar as pessoas que não partilham o seu credo, embora refutem os erros por elas ensinados.

É a sua tarefa em tempo de paz. E em tempo de guerra, quando é atacada pelos inimigos, defende-se e defende o seu chefe Cristo, como o soldado, atacado pelos inimigos da pátria, defende a sua honra, a sua bandeira e o seu chefe. É o seu direito. É o seu dever. Atacada, ela se defende; perseguida, ela reza e sofre; levada ao patíbulo – o católico morre; porém a Igreja não pode morrer; ela se levanta mais radiante do meio do sangue dos seus filhos, para cantar o seu hino de triunfo em cima do túmulo dos seus perseguidores.

Quanto aos seus inimigos, ela perdoa, reza por eles e procura converter seus próprios algozes. Tudo isto é nobre, é leal, é brioso, e deve excitar a admiração e não o ódio. Não podendo protestar contra qualquer injustiça da parte da Igreja Católica, deve-se concluir que os protestantes protestam, porque ela os incomoda. Isso pode ser. A verdade incomoda a mentira; a virtude incomoda o vício; a honestidade incomoda a ganância; Deus incomoda o demônio.

Estamos de acordo neste ponto. A Igreja Católica, pelo seu ensino, sempre idêntico e sempre invariável; pela sua organização admirável; pela sua santidade que realiza na pessoa de seus filhos; pelas altas intelectualidades que a professam, defendem e exaltam, forma com tudo isso um astro luminoso, que incomoda a retina visual da miopia protestante. Assim, incomoda ao libertino a pureza de uma donzela, como incomoda ao ladrão a presença da polícia, como incomoda ao bêbado a temperança dos sensatos.

Isto é lógico. A mão coça onde há coceira, diz o ditado. Assim explicado, compreende-se a razão íntima do protesto dos protestantes e a mira desse protesto. Não protestam nem contra a barbaridade de um Calles no México; nem contra a tirania de um Lenin na Rússia, nem contra a perversidade do espiritismo, nem contra a imoralidade dos costumes e das modas. Isto, para eles, não merece protesto, mas merece-o a Igreja de Cristo, a Igreja do Papa, a Igreja de Roma, que atravessa os séculos, passando por cima dos ódios e da lama dos vícios, sempre bela, sempre pura, sempre majestosa e sempre divina! Ah! Isso é demais; é preciso protestar – e o protestante, escutando a calúnia dos seus pastores, em vez de escutar a voz do bom senso, protesta e vive protestando.

Cristo, o verdadeiro Deus, dirigindo-se a Pedro, disse: 'Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela' (Mt 16,18). 'Estarei convosco até o fim dos séculos' (Mt 28,20). 'Se alguém, ainda que fosse um anjo do céu, vos anunciasse outro evangelho além do que vos tenho anunciado, seja anátema' (Gl 1,8). 'Pedro, rezei por ti, para que a tua fé nunca venha a desfalecer' (Lc 22,32). Tudo isto é claro; é tal um sol refulgente!

O protestante, entretanto, protesta, e tapando os olhos com os dois punhos, grita: 'Não! São Pedro não é o chefe da Igreja! Não é ele o primeiro papa! Ele nunca esteve em Roma! Não tem nenhuma autoridade! A Igreja romana está errada! A religião verdadeira é o protestantismo de Lutero! Cristo disse: 'Minha Igreja!' É um erro! grita o protestante, a igreja verdadeira é a de Lutero. Pobres protestantes! Protestam contra Deus, contra a Igreja fundada por Cristo, filho de Deus, contra a Igreja fundada por Cristo e contra a doutrina ensinada por Deus.

Mas, então, em que acreditais, pobres protestantes? Se fôsseis sinceros, devíeis responder: 'Só acreditamos no protesto'. Afirmamos tudo aquilo que a Igreja católica nega, e negamos tudo que ela afirma: eis a nossa religião. Nós protestamos! A Igreja Católica crê que São Pedro e seus sucessores são os representantes de Cristo na terra. Nós protestamos! A Igreja Católica crê na pureza imaculada da Mãe de Jesus, honrando-a e invocando-a. Nós protestamos! A Igreja crê na confissão, no poder que o sacerdote recebeu de Cristo, de perdoar os pecados. Nós protestamos!

A Igreja crê no céu para os justos, no inferno para os maus e no purgatório para aqueles que têm de expiar ainda umas faltas. Nós protestamos! A Igreja crê na intercessão dos santos, no culto dos finados, na união que existe entre os vivos e os mortos. Nós protestamos! A Igreja crê nos sete sacramentos, no poder da oração, no valor das boas obras, nas indulgências concedidas pela Igreja. Nós protestamos! A Igreja crê na bíblia, como um livro divino, exigindo uma interpretação autêntica, feita por uma autoridade legítima. Nós protestamos! A Igreja crê na tradição, conforme as palavras de São Paulo: 'Conservai as tradições que aprendestes, ou por nossas palavras, ou nossa carta' (2 Tess 2,14). Nós protestamos!

Eis o protesto dos protestantes. Eis porque, como e contra o quê eles protestam. Para quem quer refletir e é capaz de o fazer, a verdade se impõe com todo o rigor e com todas as suas consequências. O protestantismo é uma seita humana, de revoltosos ou de ignorantes, de orgulhosos ou de néscios. Numa palavra, é bem a seita anunciada por São Paulo: 'Muitos andam que são inimigos da cruz de Cristo, cujo fim é a perdição, cujo deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas' (Fp 3, 18-19). Não é isso o retrato perfeito de tais pastores, protestantes, exploradores, vendedores de bíblias, de sermões e consciências, que só pensam em ganhar dinheiro e em passar boa vidinha? Reflitam sobre isto, pobres protestantes iludidos, enganados por estes falsários que nada têm de pastores, mas que, como o disse Cristo, 'são ladrões e salteadores' (Jo 10,1).

CAPÍTULO IV

COMO OS PROTESTANTES PROTESTAM

Há diversos modos de protestar. Protesta-se contra a mentira, pela manifestação da verdade. Protesta-se contra a injustiça pela valorização dos seus direitos. Protesta-se contra a calúnia pela exibição das provas contrárias. O protestantismo protesta contra a Igreja Católica! Já expliquei a razão deste protesto; mas, como é que ele protesta? Mostrando a verdade? Mostrando seus direitos? Mostrando sua inocência? Nada disso. É o contrário: ataca a verdade. Não respeita os direitos alheios. Calunia a inocência do que e de quem não conhece. Protesta unicamente pela calúnia, pelo ódio, pela hipocrisia e pelas objeções. É um protesto fora de todas as regras do bom senso, da lógica e da bíblia, que se ufana de praticar.

O protesto verdadeiro, lógico, racional e convincente seria de mostrar, de provar a mentira, a injustiça ou a calúnia. Por que os protestantes não provam a mentira, a injustiça ou a calúnia da Igreja Católica contra eles? Pela razão que a Igreja não mente, nem comete injustiças, nem calúnias e que os mentirosos são eles; os fautores de injustiças são eles; os caluniadores são eles ainda. A Igreja Católica teria direito de protestar; ela não protesta, mas sim, mostra a verdade, prova esta verdade e pela verdade dissipa o erro.

Por que os protestantes não seguem o mesmo caminho? Em vez de limitar a sua ação em fabricar objeções, por que não provam eles a verdade do protestantismo? Se tal verdade existe, ela há de dissipar necessariamente o erro católico como a verdade católica dissipa o erro protestante. A primeira obra que uma religião deve fazer é provar a autenticidade, a autoridade e a legitimidade do seu ensino; em outros termos: é provar os seus dogmas. Por que não o fazem os protestantes? Pela razão muito simples de não terem dogmas. A negação ou o protesto não se sustentam por si mesmos, só podem existir onde há uma coisa positiva, que se possa negar, onde há uma verdade contra a qual se possa protestar.

***

O protestantismo é um verdadeiro parasita religioso, que só pode viver nas costas do catolicismo, procurando chupar-lhe a fé, como os parasitas – animais ou vegetais – que vivem do sangue ou do suco de outro. Tirai das costas do animal tal parasita-bicho e está morto; arrancai tal outro parasita da casca do vegetal, e morto estará também. Assim o protestantismo. Se o catolicismo pudesse morrer - o que é impossível – no mesmo dia e na mesma hora, estaria morto o protestantismo. Arrancai-o das costas do catolicismo e ele será um cadáver em putrefação.

A Igreja Católica é o objeto positivo; o protestantismo é a sua negação. A Igreja Católica é o sol luminoso e resplandescente do dia; o protestantismo é as trevas da noite onde se tropeça e perde o caminho: Vae ponentes tenebras lucem (Is 5,20). A Igreja Católica é uma instituição modelar, harmoniosa e divina; o protestantismo é a anarquia, a desordem e a revolta que procura aviltar esta instituição: Super hanc petram aedificabo ecclesiam meam (Mt 16,18). A Igreja Católica é um colosso de vida, de progresso, de expansão e de força; o protestantismo é um ancilóstomo ou necátor que procura fixar-se no organismo para aí produzir a opilação espiritual, o cansaço de Deus e o amarelão religioso: Ite in mundum universum, praedicate evangelium (Mt 16,15).

A Igreja Católica é a água divina, num voo direto, em demanda do céu; o protestantismo é a pulga que procura fixar-se nas asas do pássaro, para cansá-lo e impedir o seu voo: Sicut aquila, provocans ad voladum pullos suos (Dt 32,11). A Igreja Católica é árvore frondosa, em cujos ramos as aves do céu, que são os santos, se aninham; o protestantismo é o parasita que procura envolver o tronco, chupar-lhe a seiva, para esterilizá-lo: Fit arbor, ita ut voluvres caeli... habitent in ramis ejus (Mt 13,32).

A Igreja Católica é o farol luminoso, que Deus colocou à beira da estrada humana, para indicar aos homens a verdade e a virtude; o protestantismo é a noite escura, que cega o olhar do viandante e o faz precipitar-se no abismo: Posui te in lucem gentium (At 13,47). A Igreja Católica é a ponte que liga a terra ao céu, e onde os homens devem estar para, da terra, subirem ao céu; o protestantismo é o abismo horrendo, que passa por baixo da ponte, onde se precipitam aqueles que desprezam a ponte: Arcta via est, quae ducit ad vitam (Mt 7,14). A Igreja Católica é a arca fora da qual ninguém se salva, sendo todos – como no dilúvio – arrastados pelas ondas em furor; o protestantismo é o lodo terrestre, é o arrecife, formado pelas árvores arrancadas, pelas casas destruídas, que procura atalhar a navegação da arca: Tanquam navis quae pertransit fluctuantem aquam (Sab 5,10).

A Igreja é a barquinha de São Pedro que leva, através do oceano do mundo, os filhos de Deus, até aportar no céu; o protestantismo é a perdição, é a porta para o inferno: Si ecclesiam non audierit, sit tibi sicut ethnicus (Mt 18,17). A Igreja Católica é o reino de Deus, reino triunfante no céu; reino padecente no purgatório; reino militante na terra; o protestantismo, estando fora deste tríplice reino, é necessariamente o único reino aí não incluso: o reino de Satanás ou inferno: In hoc manifestati sunt filii Dei, et filii diaboli (Jo 3,10).

Para terminar resumamos tudo em duas palavras: a Igreja Católica é a obra de Deus, fundada por Deus, sustentada por Deus, inspirada por Deus, fazendo as obras de Deus; o protestantismo é obra dos homens (de Lutero), fundada pelos homens, hoje sustentada pelo dólar americano, inspirada pelo ódio, e fazendo as obras do ódio e da revolta: Ex fructibus eorum cognoscetis (Mt 7,20). É o bastante para os homens sinceros compreenderem o que é o protestantismo e como é que ele protesta. Protesta pelo ódio, pelos ataques, pelas objeções, pelas calúnias, pela hipocrisia, fazendo em tudo o contrário do que manda a bíblia e o bom senso. E têm a coragem de chamar isso de religião! É muita coragem!

(Excertos da obra 'Luz nas Trevas - Respostas Irrefutáveis às Objeções Protestantes', do Pe. Júlio Maria de Lombaerde)

domingo, 23 de outubro de 2016

O VALOR DA ORAÇÃO HUMILDE

Páginas do Evangelho - Trigésimo Domingo do Tempo Comum 


Jesus falou muitas vezes sobre o valor da oração. Do valor da oração humilde e confiante, pautada no arrependimento sincero e na dor pelos pecados cometidos. Falou sobre a necessidade de orar sempre, com contrição e perseverança nas súplicas dirigidas à Divina Misericórdia. Mas, todas as vezes que Jesus falou sobre a oração, destacou sempre a premissa essencial do seu valor e ponderação: a humildade. A oração humilde é tangida pela Verdade porque emana da gratuidade da vida em comunhão com Deus.

No Evangelho deste domingo, outros dois personagens são trazidos à realidade das digressões humanas: um fariseu e um cobrador de impostos. Investidos de suas atribuições cotidianas, são apenas homens cumprindo metas e obrigações. Diante de Deus, duas almas, fruto de escolhas singulares da Infinita Sabedoria. Na vida de ambos, certamente o fariseu parecia ter escolhido a melhor parte, pelo menos até o dia em que ambos, vivendo vidas tão opostas, 'subiram ao Templo para rezar' (Lc 18, 10).

E ali, diante de Deus, as realidades humanas se consumiram no nada. O fariseu, eivado de orgulho e auto-suficiência, proferiu a oração despropositada e inútil: 'Ó Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens, ladrões, desonestos, adúlteros, nem como este cobrador de impostos. Eu jejuo duas vezes por semana, e dou o dízimo de toda a minha renda’ (Lc 18, 11-12). No ato desonesto de louvar a si mesmo com desmedida jactância e julgar o próximo pela ótica dos valores humanos, arruinou a própria súplica. O cobrador de impostos, ao contrário, sabedor de suas fraquezas e misérias, prostrou-se em humilde recato e contrição, na sua súplica por clemência e perdão: 'Meu Deus, tem piedade de mim que sou pecador!' (Lc 18,13).

O primeiro homem se viu em luz, e se banhou com desmedido orgulho nesta própria luz, mortiça e inútil, forjada tão somente por ações humanas. E saiu do templo com a concessão irrisória das alegrias humanas. O segundo homem, porém, apagou primeiro em si toda vaidade e interesses profanos e mergulhou, com inteira confiança e despojamento, na luz de Cristo. E, iluminado pela graça de Deus, alcançou misericórdia e experimentou a consoladora e definitiva paz daqueles que são plenamente justificados em Cristo: 'Pois quem se eleva será humilhado, e quem se humilha será elevado' (Lc 18, 14).

sábado, 22 de outubro de 2016

QUESTÕES SOBRE A NATUREZA DO DEMÔNIO (V)


Questão 12: Os demônios conhecem o futuro? 

Eles não veem o futuro, mas podem fazer às vezes fazer conjecturas sobre ele. Com sua inteligência, muito superior à humana, podem deduzir algumas coisas que sucederão ou ocorrerão, conhecendo as suas causas. Aquilo que pertence apenas à liberdade humana, está indeterminado e isto eles não o conhecem. Não sabem o que eu decidirei livremente. Mas, com sua inteligência superior, veem os efeitos das causas que nós não percebemos nada. Assim, há ocasiões em que eles sabem, com toda a certeza, o que sucederá, ainda que nem o mais inteligente dos seres humanos seja capaz de suspeitar mesmo analisando com todo rigor todos os aspectos causais. Em outras ocasiões, porém. nem a natureza angélica da mais elevada hierarquia poderia deduzir [o futuro].  A liberdade humana [nosso livre arbítrio] constitui sobretudo o grande fator de indeterminação em suas previsões.

Questão 13: Pode um demônio fazer algo de bom? 

O demônio não está sempre fazendo o mal; muitas vezes, ele está simplesmente pensando. E, nisso, não faz mal algum, pois se trata de um mero ato de sua natureza. Entretanto, o demônio não pode realizar atos morais sobrenaturais, ou seja, não pode fazer um ato de caridade, de arrependimento sobrenatural, de glorificação sincera a Deus, etc, uma vez que, para realizá-los, precisaria de uma graça sobrenatural. Pode até glorificar a Deus, mas à força, mas não porque quisera fazê-lo. Pode arrepender-se de ter se afastado de Deus, mas sem pedir perdão por isso, recriminando apenas o mal que lhe sobreveio desta ação, mas sem remorso por ter ofendido a Deus. E assim pode fazer muitos outros atos naturais com sua inteligência e vontade. Porém, o demônio jamais demonstrará a mínima compaixão nem o menor ato de amor para quem quer que seja. Seu coração somente odeia, sendo insensível ao sofrimento dos demais.

Questão 14: O demônio pode experimentar algum prazer? 

O demônio não conta com nenhum dos nossos cinco sentidos. Conta apenas com a sua inteligência e vontade. Pode parecer que é pouca coisa, mas não é. Os prazeres intelectuais podem ser tão variados como os de nossos cinco sentidos. Na realidade, são muito mais variados. O gozo que nos proporciona uma ópera, uma sinfonia, uma partida de xadrez, um livro, são prazeres eminentemente espirituais, ainda que essa informação nos chegue ao espírito por meio de imagens sensíveis. O mundo espiritual, visto por nós a partir de nosso mundo, pode parecer insípido, incolor, tedioso, mas isso é um erro. O mundo espiritual é muito mais variado, rico e auspicioso daquilo que nos oferece o universo material. 

Os demônios gozam dos prazeres, pois suas duas faculdades espirituais (conhecimento e vontade) permanecem intactas. A forma de agir de sua natureza permanece inalterada apesar do afastamento de Deus. O que não podem fazer é amar a ninguém com um amor sobrenatural. A capacidade de amar foi aniquilada na psicologia do demônio. O demônio conhece mas não ama. O prazer que consegue ao ter êxito em fazer um mal é exatamente o mesmo de uma pessoa na terra quando consegue vingar-se de seu inimigo. Trata-se de um prazer cheio de ódio, sem nenhuma consolação.

Questão 15:  O demônio é livre para fazer mais ou menos males? 

O demônio faz o mal quando quer, nada o obriga a fazê-lo. É um ser livre e sua vontade é que determina fazer as coisas quando quiser. Deseja fazer o mal e para fazer o mal há que tentar. Mas, para tentar, tem que insistir. Alguns demônios insistem mais, outros desistem antes. Há demônios mais decididos e outros menos operosos. Há demônios que, pelo ímpeto de sua cólera, perseguem as almas como verdadeiros predadores. Outros demônios estão submersos em uma espécie de depressão e não possuem um ódio extremado para perseguir tão obsessivamente as almas. Entretanto, estamos falando de graus, já que todos odeiam a Deus e são predadores de almas.

Questão 16: Quais são os mais malignos dentre os demônios? 

Pode parecer que demônios mais perversos são os pertencentes à mais alta hierarquia, mas não. Não existe uma relação entre natureza e pecado. Uma natureza angélica da última hierarquia pode ser muito mais perversa que um anjo superior. O mal que pode cometer um ser livre não depende da inteligência, nem do poder que se possui. Sempre se coloca como um exemplo de malignidade extrema o chefe das forças nazistas, Heinrich Himler. Mas, não poderia ser pior algum de seus subordinados? Evidente que sim! 

Entre os homens, vemos que alguém menos inteligente e em uma posição social menos relevante pode ser muito pior, muito mais perverso, que um grande ditador. E o mesmo que vale para o mal, vale para o bem. Um anjo da última hierarquia pode desenvolver mais as suas virtudes que um da mais alta hierarquia. Da mesma forma, uma idosa humilde e sem estudos e que tenha se dedicado apenas aos afazeres domésticos pode ser mais santa que um arcebispo ou um sumo pontífice. Uma interessante pergunta que se depreende de tudo isso é se a hierarquia que nos dá a Bíblia (anjos, arcanjos, principados...) é uma hierarquia da graça ou da natureza. Ou seja, os serafins são os mais santos ou somente os mais poderosos e nos quais brilha mais o fulgor da inteligência angélica? 

Minha opinião é de se trata de uma hierarquia segundo a natureza, uma vez que as descrições das imagens dos quatro Seres Viventes ao redor do Cordeiro (os anjos de maior hierarquia) dão mais impressão de poder e de conhecimento, assim como os próprios nomes das nove hierarquias. O nome de principado ou potestade, por exemplo, são nomes que pressupõem mais poder. Além do mais, é mais fácil estabelecer uma hierarquia de natureza que de graça. 

(Excertos da obra 'Summa Daemoniaca', do Pe. Jose Antonio Fortea, tradução do autor do blog)

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

APRENDENDO A REZAR (III)

Parte III

Sobre a Oração de Jesus

Desde tempos imemoriavelmente antigos, cristãos fervorosos repetiam curtas invocações a Deus para que orassem incessantemente e afastassem pensamentos errantes ociosos. Estas eram várias orações. São Cassiano dizia que no Egito todos os cristãos repetiam: 'Ó Deus, me ajude, ó Senhor, concede-me Teu auxílio'. São Ioanício repetia constantemente: 'Minha esperança é o Pai, meu refúgio, o Filho, minha proteção, o Espírito Santo; Santíssima Trindade, glória a Ti.' Outra pessoa disse: 'Como homem pequei, mas Tu, como Deus misericordioso, tem piedade de mim'.

Certamente havia também outras orações curtas similares. Com o tempo, a oração de Jesus se estabeleceu e se tornou amplamente usada por todos: 'Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, um pecador.' O objetivo desta oração é o mesmo das outras: manter a mente voltada para Deus. Ao mesmo tempo, deve-se lembrar que dizer a oração de Jesus é apenas uma ferramenta ou obra que demonstra um forte desejo de encontrar o Senhor.

Todos se beneficiarão dizendo a oração de Jesus. Aqueles que integram as ordens monásticas devem repeti-la o tempo todo. Portanto não há perigo algum na oração em si, se é dita com reverência. No entanto, o que é perigoso é o 'trabalho artístico' (isto é, alguns truques artificiais) inventados para acompanhar esta oração. Por exemplo, enquanto dizem a oração de Jesus, algumas pessoas colocam sua mão sobre a mesa e concentram sua atenção debaixo de seu dedos - isto é uma esquisitice inconsistente. Ou então, eis aqui outro capricho: tocar o dedo da sua mão direita contra a palma da sua mão esquerda e assim tentar concentrar a mente na oração.

A primeira pessoa a escrever sobre a execução 'artística' da oração de Jesus foi São Gregório do Sinai, no século XIII. Foram estes truques que afundaram algumas pessoas em um estado delirante de encantamento, enquanto outras, por mais estranho que pareça, em um estado constante de luxúria. É por isso que estes truques devem ser reprovados e condenados absolutamente. E devemos urgir a todos a ensinar todas as pessoas a aclamar o dulcíssimo nome do Senhor de um modo simples e sincero.

A essência da oração é fácil de explicar. Faça com que seu coração e sua mente se apresentem diante do Senhor e supliquem a Ele: 'Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, um pecador'. Esta será a sua obra de oração. O Senhor verá quem ora piedosamente e concederá à pessoa que ora uma oração espiritual de acordo com seu zelo. Esta oração espiritual é na verdade o fruto da graça do Espírito Santo. Isto é tudo que precisamos dizer sobre a oração de Jesus. Todo o resto que foi inventado nada tem a ver com ela: é o inimigo que está tentando nos distrair da oração.

Conclusão

Portanto, a essência da oração consiste em dirigir-se a Deus com atenção e suplicar a Ele com um sentimento caloroso e sincero - quer você esteja expressando sua gratidão, arrependimento ou alguma outra coisa em sua oração. Se não houver tal sentimento, então não há oração verdadeira. De modo a aprender a rezar, reze com mais frequência e mais zelo e aprenderá: não precisará de mais nada. Se trabalhar duro e com paciência, com o tempo adquirirá a habilidade de orar sem cessar. Faça disso o seu objetivo - buscar e buscar. O Senhor está perto de você. Mantenha Deus sempre na sua mente e tente sempre ver o Senhor diante de si e venerá-Lo.

Quando pensamentos perturbadores vierem até você durante a oração, afaste-os; se eles persistirem, expulse-os novamente e seja desta maneira em tudo. Esta é uma obra de sobriedade. Esforce-se a manter no seu coração um espírito religioso. Quando seu coração é dominado por um sentimento, pensamentos vãos não o perturbam.

Quando começamos a escrever, isso acontece com esforço e com o desejo de realizar uma obra corretamente. Da mesma forma devemos aprender a orar através do esforço e da persistência. Uma oração não virá por si mesma, você precisa aprendê-la, como que se sua alma fosse aquecer-se ao esfregá-la. Quando o calor vier, seus pensamentos se acalmarão, e sua oração se tornará pura. Tudo vem através da graça de Deus. É por isso que precisamos orar ao Senhor para que Ele nos conceda a oração.

No que diz respeito à regra de oração, você pode escolher qualquer uma delas, desde que esteja mantendo sua alma em reverência a Deus. Seria bom se acostumar a suplicar a Deus com orações curtas durante o dia. A principal oração dentre todas elas é a oração de Jesus, 'Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, um pecador'. Aprenda as 24 orações de São João Crisóstomo e ora a Deus com elas. Utilizar orações curtas concentra sua atenção, e perfaz todas as suas necessidades espirituais.

Não esqueça que a força da oração é o 'espírito contrito', isto é, o estado no qual seu coração está repleto de arrependimento e humildade. Entreguem-se nas mãos de Deus e Ele nunca o deixará. Enquanto estiver orando, você não deve tentar visualizar Deus ou a Mãe de Deus, ou os santos, ou os anjos, ou qualquer outra visão; apenas ore tendo a certeza de que Deus e os santos escutam sua oração. Como eles conseguem escutar? De que vale discutir isto? Eles simplesmente escutam, e isso é tudo. 

Se você começar a criar várias imagens na sua mente, surge o perigo de rezar para alguma fantasia. Como podemos visualizar algo que nunca vimos? E também, o estado no qual os santos se encontram naquele outro mundo é tão diferente de qualquer coisa que nos é familiar que todas as nossas visualizações estão destinadas a ser fraudulentas e equívocas. É por isso que devemos nos acostumar a dizer uma oração sem criar imagens nas nossas mentes.

(São Teófano, o Recluso)

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

APRENDENDO A REZAR (II)

Parte II

Sobre a Regra de Oração

Temos que aprender a orar. Devemos dominar a arte das frases e movimentos dos sentimentos da oração de modo a não apenas ler uma oração que devemos, mas também para invocar e fortalecer o espírito de oração em nossas almas. Para obter êxito nisto, devemos:

Primeiro: nunca orar com pressa, pelo contrário, devemos fazê-lo lentamente, como se estivéssemos cantando. Antigamente, quando todas as orações eram retiradas dos salmos, elas eram cantadas, e não lidas.

Segundo: perceba cada palavra, não apenas compreendendo a ideia conscientemente, mas também envolvendo a emoção apropriada. 

Terceiro: de modo a dominar seu desejo de ler rapidamente; faça uma regra para si mesmo de que rezar não é apenas ler esta ou aquela quantidade de orações, mas sim dar algum tempo definido para a oração, por exemplo, quinze minutos ou meia hora, ou tanto tempo quanto você estiver acostumado a rezar. Não se preocupe com a quantidade de orações, mas quando o tempo estabelecido tiver acabado e você não quiser mais continuar a orar, apenas pare onde estiver.

Quarto: tendo se ajustado desta maneira, não olhe para o relógio, mas permaneça ali como se fosse ficar de pé ali para sempre, deste modo, não irá se apressar. 

Quinto: de modo a ajudar o movimento dos sentimentos de oração, releia e reflita sobre todas as orações da sua regra de oração no seu tempo livre com os sentimentos devidos de modo que, quando estiver rezando, saberá de antemão que sentimento deve surgir no seu coração.

Sexto: nunca leia todas as orações uma após a outra, mas sempre as intercale com as suas próprias orações e reverências. Quando sentir algo repentinamente entrando no seu coração você deve parar sua oração e fazer reverências. Esta última regra é a mais importante e necessária para trazer o espírito de oração. Se você for tomado por algum sentimento muito forte, retenha-o e faça reverências até o final do tempo estabelecido sem ler as orações.

Ore não apenas pela manhã e à noite, mas se tiver a oportunidade, a qualquer hora do dia, fazendo reverências várias vezes. Quando você estiver ocupado demais para cumprir sua regra de oração, encurte-a, mas não ore com pressa. Deus está em toda parte. Após acordar pela manhã, dê graças a Ele e peça-Lhe, com suas próprias palavras, que abençoe o trabalho do seu dia, depois faça algumas reverências, e pronto! Nunca volte-se para Deus de maneira despreocupada, mas sempre com grande reverência. Ele não necessita nem das nossas reverências nem de longas orações. Um curto, porém firme clamor do seu coração - é isso que O alcança! E você sempre é capaz de fazer isso.

Você também pode compilar sua própria regra de oração. Memorize as orações impressas nos livros de oração e leia-as de cor com entendimento e sentimento. Enquanto estiver fazendo isso, insira sua própria oração. Quanto menos você depender do livro, melhor. Aprenda alguns salmos e, quando você estiver indo a algum lugar ou fazendo algo, e sua cabeça não estiver ocupada com aquilo, leia-os. Essa é a sua conversa com Deus. A regra de oração é um guia, não algo a ser cumprido com a obediência de um escravo. Você deve de todos os modos evitar a leitura mecânica e formal. Ela deve ser sempre o resultado de um decisão livre e refletida, realizada com consciência e sentimento, não de maneira negligente. 

Você deve poder encurtar sua regra de oração quando necessário for. A vida em família é cheia destas circunstâncias. Por exemplo, pela manhã e à noite você pode ler as devidas orações memorizadas. Você pode até omitir algumas delas. Ou pode até não ler nenhuma delas, fazendo, no lugar, várias reverências com uma oração vinda sinceramente do seu coração. Você deve ser o mestre da sua regra de oração, e não o seu escravo. Somos servos apenas de Deus; é a Ele que devemos devotar cada minuto de nossas vidas.

A regra de oração é uma concha protetora de uma oração. Uma oração é algo interior, enquanto que a regra é apenas algo exterior. Mas da mesma forma que uma pessoa sem corpo é incompleta, também a oração é incompleta sem uma regra de oração. Devemos ter ambas, e cumpri-las o máximo possível. A lei indispensável: orar dentro de si mesmo sempre e em todo lugar. No entanto, ler uma oração não pode ser feito sem estabelecer um tempo, lugar e medida definidos para ela. É uma combinação destes três elementos que constitui a regra de oração.

Portanto a pessoa deve ser guiada pela razão quando decidir quando, onde e por quanto tempo deve permanecer de pé orando, bem como que orações dizer. Pode-se escolher isto de acordo com sua circunstância: se a pessoa pode passar mais tempo na oração, reduzi-la ou alterar o tempo e o lugar da oração. O esforço principal deve ser dirigido para a oração interior dita propriamente. É a oração interior que deve ser dita incessantemente.

O que significa uma oração incessante? Estar constantemente no espírito de oração significa voltar os seus pensamentos e sentimentos a Deus. Pensar sobre Deus significa guardar sempre em mente Sua onipresença, onipotência e capacidade de ver tudo. Sentimentos para com Deus são o temor de Deus, amor a Ele, um desejo fervoroso de agradar apenas a Ele e de evitar tudo o que Lhe é desagradável. O principal é entregar-se obedientemente à Sua vontade e aceitar tudo que acontecer conosco como sendo algo enviado diretamente por Ele. É possível ter esse sentimento para com Deus a qualquer hora, fazendo qualquer coisa e sob quaisquer circunstâncias, se esse sentimento ainda não estiver sendo buscado, mas já tiver sido estabelecido no coração.

Nosso pensamento pode ser distraído para vários assuntos mas, mesmo assim, pode adquirir a habilidade de se agarrar a Deus enquanto estiver fazendo alguma outra coisa e sentir a presença de Deus. Deve-se estar totalmente preocupado com estas duas coisas: pensamentos e sentimentos para com Deus. Quando eles estiverem lá, existe uma oração mesmo que sem palavras. A prática de dizer orações pela manhã foi estabelecida exatamente para estabelecer nossa mente e coração nestas duas coisas, para que mais tarde ao longo do dia possamos iniciar nosso trabalho com elas. Se pela manhã sua alma for preenchida com elas, então sua oração teve êxito, mesmo que você não tenha lido todas as orações estabelecidas.

Suponha que você começou o seu trabalho diário pela manhã. As primeiras coisas que você começar a fazer tiram sua atenção de Deus. O que deve ser feito então? Você deve refrescar seus pensamentos e sentimentos para com Deus através dos seus apelos internos a Ele. E para fazer isto você deve se acostumar com sua pequenina oração curta e repeti-la o mais frequentemente o possível. Qualquer oração curta leva a isso. A melhor oração de todas é: 'Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim!' Você deve se acostumar com ela e nunca deixar de dizê-la. Quando estiver estabelecida em você, esta oração se transformará na força motriz e apelo a Deus com seu pensamento e sentimento. Este é todo o itinerário dos seus assuntos de oração.

Os iniciantes devem antes de tudo aprender como orar adequadamente segundo as orações escritas, de modo a memorizarem pensamentos, sentimentos e frases de oração. Isso é importante pois as palavras com as quais recorremos a Deus devem ser boas e belas. Quando o iniciante obtiver êxito nisso, ele pode começar tanto com as orações estabelecidas como com suas próprias orações. Exemplos de orações curtas são encontradas nas 24 pequenas orações do venerável João Crisóstomo no fim das oração da noite. Você também pode escolher outras orações curtas dos salmos, das orações litúrgicas, e pode até compilá-las você mesmo. 

As 24 orações de São João Crisóstomo segundo as horas do dia e da noite

Senhor, não me prives dos Teus excelentes dons celestiais. 
Senhor, livra-me dos tormentos eternos. 
Senhor, se pequei com a mente e com os pensamentos, em palavras e atos, perdoa-me. 
Senhor, livra-me de toda a ignorância, esquecimento, pusilanimidade, e insensibilidade empedernida. Senhor, livra-me de toda tentação. 
Senhor, ilumina o meu coração que os desejos malignos turvaram. 
Senhor, como homem eu pequei, mas Tu, como Deus compassivo, tem piedade de mim ao veres a enfermidade da minha alma. 
Senhor, envia a Tua graça em meu socorro para que eu possa glorificar o Teu santo nome. 
Senhor Jesus Cristo, escreve meu nome, Teu servo no Livro da Vida e concede-me um bom fim. Senhor meu Deus, mesmo não tendo feito nada de bom à Tua vista, concede-me ainda pela Tua graça ter um bom começo. 
Senhor, derrama sobre o meu coração o orvalho da Tua graça.
Senhor do céu e da terra, no Teu reino, lembra-Te de Teu servo pecador, vergonhoso e impuro. Amém.
Senhor, aceita-me em penitência. 
Senhor, não me abandones. 
Senhor, não me deixes cair em tentação. 
Senhor, concede-me bons pensamentos. 
Senhor, concede-me lágrimas, lembrança da morte e contrição. 
Senhor, concede-me confessar meus pecados. 
Senhor, concede-me humildade, castidade e obediência. 
Senhor, concede-me paciência, coragem e mansidão. 
Implanta em mim, Senhor, a raiz do bem, o temor de Ti em meu coração. 
Concede-me, Senhor, amar-Te com toda a minha alma e toda a minha mente, e em tudo fazer a Tua vontade. 
Protege-me, Senhor, dos homens maldosos, dos demônios, das paixões e de todas as coisas impróprias. 
Senhor, Tu sabes que tudo é feito segundo a Tua vontade: que a Tua vontade seja feita em mim também pecador, pois Tu és bendito pelos séculos dos séculos. Amém.

Uma oração dada por Deus

O que mais pode ser dito sobre a oração? Há uma oração que é feita pelo homem, e há uma oração que é concedida por Deus para o homem que ora. Quem não conhece a primeira? Você deve conhecer esta segunda também, pelo menos na sua forma inicial. No começo, quando o homem está voltando-se para Deus, sua primeira tarefa é orar. Ele começa a ir à igreja, e em casa lê as orações que estão no livro e as que sabe de cor. Mas seus pensamentos se distraem e ele não consegue controlá-los. E no entanto, quanto mais ele se empenhe em suas orações, mais equilibrados ficam seus pensamentos e sua oração se torna mais clara.

E ainda assim, a atmosfera da alma não ficará purificada até que seja acesa com uma pequena chama de espiritualidade. Esta chama é uma amostra da graça de Deus, mas é concedida a todos, não apenas aos escolhidos. Esta chama aparece como resultados de um certo estado de pureza no todo do sistema moral da pessoa que busca. Quando esta chama é acesa, e o coração retém dentro de si um calor constante, ela detém a desordem dos pensamentos. A alma experimenta o que aconteceu com a mulher que tinha um fluxo de sangue: '... e imediatamente seu sangramento parou' (Lc 8,44). Neste estado, a oração se transforma mais ou menos em uma oração incessante. A oração de Jesus serve como mediadora para esta oração incessante. E este é um limite até o qual a oração feita pela pessoa pode ir.

A próxima etapa deste estado é quando a oração domina a pessoa, e já não é criada por ela. O espírito de oração cativa a pessoa e leva-a consigo para dentro de seu coração, como que se alguém a tomasse pela mão e a fizesse ir de um quarto até o outro. A alma fica presa lá por alguma força exterior e permanece lá dentro por vontade própria enquanto é dominada pelo Espírito que a cativou. Eu conheço dois graus deste enlevo. No primeiro a alma é capaz de ver tudo, percebe a si mesma e sua posição exterior conscientemente, é capaz de raciocinar e se controlar, e até mesmo de cessar este estado se assim desejar.

Os Santos Padres, em especial Santo Isaac da Síria, descreveram também um outro estágio da oração que é dada do alto e domina a pessoa. Neste estágio a alma também é dominada pelo espírito de oração, mas é carregada a tais esferas de contemplação que se esquece de sua posição exterior, não tem o poder de raciocinar, controlar ou cessar este estado, apenas de contemplar. Tal estado é mencionado no 'Livro dos Santos Padres', no qual é descrito o caso de uma pessoa que começou a orar antes do jantar e recobrou os sentidos apenas pela manhã. Isto é exatamente o que chamamos de uma oração em êxtase, ou uma oração contemplativa. Em tal estado algumas pessoas ficavam cercadas por luz, ou seus rostos ficavam iluminados, algumas eram elevadas do chão. O Santo Apóstolo Paulo foi arrebatado aos céus neste estado.

Esclarecimentos de alguns pontos difíceis

Você escreve, 'Minha oração feita com o livro piorou'. Isto não é uma perda: mesmo que você nunca mais pegue o livro de orações novamente. Um livro de orações é algo como um livro de frases em francês, por exemplo. Você decora os diálogos até que possa se expressar fluentemente, e depois de aprender a falar você esquece aquelas frases. Da mesma maneira precisamos de um livro de orações até que chegue o tempo em que a alma começa por si mesma a rezar, depois do que podemos deixar o livro de orações de lado. Porém, quando sua própria oração não estiver fluindo livremente, seria bom dar uma mexida nela orando com a ajuda do livro.

Você deve temer o deslumbramento. Ele acontece com aquelas pessoas que ficam orgulhosas pensando que, já que sentem o calor nos seus corações, isto significa que alcançaram a perfeição mais elevada. Mas isto é apenas o começo, e um começo instável, visto que o calor e o apaziguamento do coração podem ter também uma origem natural, como o resultado de uma diligência sincera. Mas a pessoa deve se empenhar mais e mais, esperar mais e mais até que o estado natural seja substituído por aquele que é concedido pela graça de Deus. A pessoa não deve achar nunca que alcançou alguma coisa, mas devemos enxergar nós mesmos como sendo pobres, nus, cegos e imprestáveis.

Você reclama que a sua oração é curta. Mas você pode rezar não apenas ficando de pé diante dos ícones, já que qualquer ascensão da sua mente e coração até Deus constitui uma oração verdadeira. E se você fizer isto enquanto estiver fazendo alguma outra coisas, significa que está orando. São Basílio o Grande trata da questão de os Apóstolos estarem em oração incessante da seguinte maneira: não importa o que estivessem fazendo, estavam pensando sobre Deus e vivendo em devoção permanente a Ele. Este estado da sua espiritualidade era de fato sua oração incessante. 

Eis um exemplo. Como outrora lhe escrevi, exigências diferentes são apresentadas para pessoas que trabalham e pessoas que ficam à toa em casa. A principal preocupação das pessoas ocupadas é de não se permitir sentimentos ruins enquanto estão fazendo seu trabalho e tentar devotar todos os seus sentimentos a Deus. Esta devoção então se transformará em uma oração. Lemos que o sangue de Abel clama a Deus. Do mesmo modo, tudo que fazemos em devoção a Deus clama a Ele. Quando alguém enviou um prato de comida para um ancião, ele disse: 'Isto cheira muito mal!' A comida, porém, era muito boa e fresca. Eles lhe perguntaram: 'Como pode?' Ele explicou que ela não fora enviada por uma pessoa boa, e não fora enviada com sentimentos bons. As pessoas cujos sentimentos estão apurados sentem isso. Assim parece que, da mesma forma que um bom perfume é exalado por boas flores, também as coisas boas feitas com uma boa disposição exalam um aroma, que sobe como o incenso durante os ofícios divinos.

Você escreve sobre uma insensibilidade espiritual dos sentidos na oração. Isto é uma grande perda! Dê-se o trabalho de despertar seus sentimentos. Nossas obrigações nos deixam apenas um tempo mais curto para fazer a oração, mas não nos obrigam a um empobrecimento da oração interior - este último é imperdoável. Você pode agradar a Deus com pouco, mas este pouco deve vir do seu coração. Eleve sua mente a Ele e diga com arrependimento: 'Ó Senhor, tem piedade de mim! Ó Senhor, abençoa-me! Ó Senhor, ajuda-me!' - esta é uma exclamação piedosa. E se o sentimento para com Deus é reavivado e estabelecido no seu coração, então isto será uma oração incessante sem palavras e sem ficar de pé e ler orações na frente dos ícones.

Sua consciência está preocupada por dizer as orações com pressa? Isto é justo! Por que dá ouvidos ao inimigo? É ele que estimula: 'Depressa, mais rápido...' É por isso que você não sente nenhum fruto na sua oração. Faça para si mesmo uma regra de não se apressar e dizer cada palavra da oração com entendimento e, se possível, sentimento. Aceite esta tarefa com tanta resolução quanto um comandante-chefe que não permitiria nenhuma objeção. O inimigo sugeriria: você precisa fazer isto e aquilo, e você deve apenas dizer para si mesmo: 'Sei disso sem a tua tentação, vá embora...' E então verá quão próspera sua oração será. De outra maneira, você terá apenas a regra de oração, mas não a oração em si. É apenas a oração que alimenta sua alma.

Você deve checar no relógio o tempo dedicado para a oração que é dita calmamente e verá que ela requer apenas alguns minutos, enquanto que uma oração apressada traz muito prejuízo. Quando repentinamente lhe ocorrer um pensamento ruim - esta é uma flecha atirada pelo inimigo. Ele a atira tentando distrair você da oração e ocupar sua mente com algumas coisas mundanas. Se você começar a se concentrar neste pensamento, o inimigo começará a criar várias histórias na sua mente de modo a manchar sua alma e estimular na pessoa alguns malignos pensamentos passionais. Portanto há apenas uma regra para isso: expulse rapidamente este pensamento e volte sua atenção para a oração.

Todas as nossas orações chegam até Deus? Uma oração nunca é desperdiçada, independente de o Senhor nos conceder o que estamos pedindo ou não. Devido à nossa ignorância, frequentemente estamos pedindo algo que nos traria prejuízo, e não benefício. Ao não atender esse pedido, o Senhor nos concede alguma outra coisa pelo nosso esforço de oração, e Ele o faz de maneira imperceptível. É por isso que uma frase como esta: 'Você reza a Deus, mas o que conseguiu com isso?' não faz sentido algum. A pessoa que ora está pedindo alguma coisa específica a Deus. Se Deus sabe que a realização da súplica eventualmente prejudicaria a pessoa, Ele não concede o desejo e assim nos faz o bem; pois se Ele tivesse atendido aquela súplica, isto teria feito muito mal àquela pessoa. Cuidado com as armadilhas entre as quais você está andando neste mundo enganador!

(São Teófano, o Recluso)