segunda-feira, 18 de novembro de 2019

ÓDIO PERFEITO

'Ó vós que amais o Senhor, odiai o mal!' (Sl 96,10)


'Ó Senhor, não odiarei os que te odeiam? E não me consumirei contra os teus inimigos? Com ódio perfeito eu os odiei e tornaram-se meus inimigos' 
(Sl 138, 21-22).

'O Senhor odeia toda a abominação e ela não será amada pelos que o temem' (Ecl 15, 13)

domingo, 17 de novembro de 2019

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'Eis que virá o dia, abrasador como fornalha, em que todos os soberbos e ímpios serão como palha; e esse dia vindouro haverá de queimá-los, diz o Senhor dos exércitos, tal que não lhes deixará raiz nem ramo' 
(Ml 3,19)

sábado, 16 de novembro de 2019

O MAIOR CASTIGO DE DEUS: MAUS SACERDOTES

O maior sinal da ira de Deus sobre um povo e a mais terrível punição que sobre ele pode descarregar neste mundo é permitir que, em castigo dos seus crimes, venha a cair nas mãos de pastores que mais o são de nome do que de fato, que mais exercitam contra ele a crueldade de lobos famintos que a caridade de solícitos pastores, e que, em lugar de o alimentar cuidadosamente, o dilacera e devora com crueldade; que, em vez de levar o povo a Deus, o vende a Satanás; que em lugar de o encaminhar para o Céu, o arrasta com eles para o inferno; e, em vez de serem o sal da terra e a luz do mundo, são o seu veneno e as suas trevas.

Porque nós, sacerdotes e pastores, disse São Gregório, o grande, seremos condenados diante de Deus como 'assassinos das almas que, todos os dias, vão para a morte eterna pelo nosso silêncio e nossa negligência'. Diz também este mesmo santo: 'Nada há que tanto ultraje a Nosso Senhor (e, por conseguinte, que mais provoque a sua ira e atraia mais maldições sobre os pastores e sobre o rebanho, sobre os sacerdotes e sobre o povo) como os exemplos de uma vida depravada dados por quem Ele estabeleceu para correção dos demais; quando pecam os que devem reprimir pecados'.

Isso se dá quando os sacerdotes não cuidam da salvação das almas, quando não se preocupam mais do que em satisfazer as suas inclinações, quando todas as suas afeições terminam em coisas da terra; quando se alimentam com avidez da vã estima dos homens; quando, para satisfazerem as suas ambições, abandonam os trabalhos de Deus para se entregarem aos do mundo; quando, ocupando um lugar de santidade, se ocupam de questões terrenas e profanas e não mais pregam a verdadeira fé, a única que indica o Caminho, a Verdade e a Vida. Quando Deus permite que isto suceda é prova muito certa de que está encolerizado contra o seu povo, sendo este o maior castigo que lhe pode enviar neste mundo. 

(São João Eudes)

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

CONSIDERAÇÕES PARA O DIA DE TUA MORTE

Considerações

1. Considera a incerteza do dia de tua morte. Ah, minha alma! Sairás um dia deste corpo. Quando? No inverno ou no verão? Na cidade ou no campo? De dia ou de noite? De modo imprevisto ou avisado? Por doença ou acidente? Terás tempo de te confessar ou não? Terás a assistência do teu confessor e pai espiritual ou não? De tudo isso absolutamente nada sabemos. A única coisa certa é que morreremos, e sempre mais cedo do que julgávamos.

2. Considera que, então, o mundo acabará no que te diz respeito. Ele não existirá mais para ti, ele virará de cabeça para baixo à tua frente. Sim, pois então os prazeres, as vaidades, as alegrias mundanas e os afetos vãos parecerão como nuvens e fantasmas. Ah, miserável, por que ninharias ofendi ao meu Deus? Verás que abandonamos Deus pelo nada. Ao contrário, a devoção, as boas obras te parecerão tão desejáveis e doces! E por que não segui este belo e gracioso caminho? Então os pecados que pareciam pequenos parecerão grandes como montanhas e a tua devoção, bem pequena.

3. Considera o longo e langoroso adeus que a tua alma dirá a este baixo mundo. Dirá adeus às riquezas, às vaidades, às vãs companhias, aos prazeres, aos passatempos, aos amigos, aos vizinhos, aos pais, aos filhos, ao marido, à esposa, em suma, a toda criatura e, por fim, ao seu corpo, que ela abandonará pálido, magro, acabado, medonho e infecto.

4. Considera os trabalhos que terão para erguer o teu corpo e enterrá-lo; e que, feito isso, o mundo quase não pensará mais em ti, como tu quase não pensaste nos outros. Que Deus o tenha, dirão, e acabou-se. Ó morte, como és desdenhada! Como és implacável!

5. Considera que, ao sair do corpo, a alma segue ou para a direita ou para a esquerda. Aonde irá a tua? Que caminho tomará? O mesmo caminho que ela começou a trilhar neste mundo.

Afeições

1. Reza a Deus e te lança entre os seus braços. Ai, Senhor, recebei-me em vossa proteção neste dia apavorante! Tornai-me feliz e favorável esta hora e que todas as outras me sejam tristes e aflitivas.

2. Despreza o mundo. Como não sei a hora a hora em que terei de deixar-te, ó mundo, não quero apegar-me a ti. Ó meus caros amigos, minhas caras alianças, permitai que não me afeiçoe a vós mais do que por uma amizade santa, que possa durar eternamente; pois por que me unir a vós para depois deixar e romper tal laço?

Resoluções

Quero preparar-me para esta hora e tomar os cuidados necessários para fazer felizmente esta passagem. Quero examinar com toda atenção o estado da minha consciência e pôr ordem nestas e naquelas faltas.

Petições

Agradece a Deus por estas resoluções que Ele vos deu; oferece-as à sua Majestade. Roga-lhe, mais uma vez, que Ele torne feliz a tua morte pelo mérito de seu Filho. Implora a ajuda da Santa Virgem e dos santos. Rezai agora o Pai Nosso e a Ave-Maria.

(São Francisco de Sales, na obra 'Novíssimos do Homem')

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

ORAÇÃO: LAUDA SION SALVATOREM

No ano de 1264, o papa Urbano IV (1261-1264) instituiu a festa de Corpus Christi por meio da bula Transiturus de hoc mundo e, em seguida, convocou um procedimento público para a elaboração do chamado Ofício para a Festa. São Tomás de Aquino (1225 - 1274) elaborou, nesta ocasião, a sequência Lauda Sion Salvatorem, que se tornaria, então, uma dos grandes cânticos litúrgicos da Igreja de todos os tempos. A sequência Lauda Sion Salvatorem está estruturada em 80 versos que proclamam o louvor ao Santíssimo Sacramento, expõem a origem e as premissas da doutrina católica sobre o Santíssimo Sacramento e dirigem uma súplica final a Cristo para que, alimentados com o Corpo e o Sangue do Senhor nesta vida, possamos ser co-herdeiros com Ele no Banquete Eterno.

Lauda Sion Salvatorem,
lauda ducem et pastorem,
in hymnis et canticis.
Quantum potes, tantum aude:
quia maior omni laude,
nec laudare sufficis. 

Laudis thema specialis,
panis vivus et vitalis
hodie proponitur.
Quem in sacrae mensa cenae,
turbae fratrum duodenae
datum non ambigitur. 

Sit laus plena, sit sonora,
sit iucunda, sit decora
mentis iubilatio.
Dies enim solemnis agitur,
in qua mensae prima recolitur
huius institutio. 

In hac mensa novi Regis,
novum Pascha novae legis,
phase vetus terminat.
Vetustatem novitas,
umbram fugat veritas,
noctem lux eliminat. 

Quod in coena Christus gessit,
faciendum hoc expressit
in sui memoriam.
Docti sacris institutis,
panem, vinum in salutis
consecramus hostiam. 

Dogma datur christianis,
quod in carnem transit panis,
et vinum in sanguinem.
Quod non capis, quod non vides,
animosa firmat fides,
praeter rerum ordinem.

Sub diversis speciebus,
signis tantum, et non rebus,
latent res eximiae.
Caro cibus, sanguis potus:
manet tamen Christus totus
sub utraque specie. 

A sumente non concisus,
non confractus, non divisus:
integer accipitur.
Sumit unus, sumunt mille:
quantum isti, tantum ille:
nec sumptus consumitur. 

Sumunt boni, sumunt mali:
sorte tamen inaequali,
vitae vel interitus.
Mors est malis, vita bonis:
vide paris sumptionis
quam sit dispar exitus. 

Fracto demum sacramento,
ne vacilles, sed memento
tantum esse sub fragmento,
quantum toto tegitur.
Nulla rei fit scissura:
signi tantum fit fractura,
qua nec status, nec statura
signati minuitur.

Ecce Panis Angelorum,
factus cibus viatorum:
vere panis filiorum,
non mittendus canibus.
In figuris praesignatur,
cum Isaac immolatur,
agnus Paschae deputatur,
datur manna patribus. 

Bone pastor, panis vere,
Iesu, nostri miserere:
Tu nos pasce, nos tuere,
Tu nos bona fac videre
in terra viventium.
Tu qui cuncta scis et vales,
qui nos pascis hic mortales:
tuos ibi commensales,
coheredes et sodales
fac sanctorum civium.
Amen. Alleluia.




Sião, exulta de alegria,
louva teu pastor e guia
com teus hinos, tua voz!
Tanto possas, tanto ouses, 
em louvá-lo não repouses: 
sempre excede o teu louvor!

Hoje a Igreja te convida: 
ao pão vivo que dá vida
vem com ela celebrar!
Este Pão, que o mundo creia!
por Jesus, na Santa Ceia,
foi entregue aos que escolheu.

Nosso júbilo cantemos,
nosso amor manifestemos, 
pois transborda o coração!
Quão solene a festa, o dia, 
que da santa Eucaristia 
nos recorda a instituição!

Novo Rei e nova mesa,
nova Páscoa e realeza,
foi-se a Páscoa dos judeus.
Era sombra o antigo povo,
o que é velho cede ao novo: 
foge a noite, chega a luz.

O que o Cristo fez na ceia,
manda à Igreja que o rodeia
repeti-lo até voltar.
Seu preceito conhecemos:
pão e vinho consagremos
para nossa salvação.

Deve-o crer todo cristão:
faz-se carne o pão de trigo,
faz-se sangue o vinho amigo.
Se não vês nem compreendes, 
gosto e vista tu transcendes,
elevado pela fé.

Pão e vinho, eis o que vemos;
mas ao Cristo é que nós temos
em tão ínfimos sinais.
Alimento verdadeiro,
permanece o Cristo inteiro
quer no vinho, quer no pão.

É por todos recebido,
não em parte ou dividido,
pois inteiro é que se dá!
Um ou mil comungam dele,
tanto este quanto aquele:
multiplica-se o Senhor.

Dá-se ao bom como ao perverso, 
mas o efeito é bem diverso:
 vida e morte traz em si…
Pensa bem: igual comida, 
se ao que é bom enche de vida, 
traz a morte para o mau.

Eis a hóstia dividida… 
Quem hesita, quem duvida?
Como é toda o autor da vida,
a partícula também.
Jesus não é atingido:
o sinal que é partido:
mas não é diminuído, 
nem se muda o que contém.

Eis o pão que os anjos comem,
transformado em pão do homem;
só os filhos o consomem:
não será lançado aos cães!
Em sinais prefigurado,
por Abrão foi imolado, 
no cordeiro aos pais foi dado,
no deserto foi maná…

Bom Pastor, pão de verdade,
piedade, Jesus, piedade,
conservai-nos na unidade,
extingui nossa orfandade,
transportai-nos para o Pai!
Aos mortais dando comida,
dais também o pão da vida;
que a família assim nutrida
seja um dia reunida
aos convivas lá do céu!
Amém! Aleluia!

terça-feira, 12 de novembro de 2019

O SACRIFÍCIO DA VONTADE PRÓPRIA

I. O que faz a vontade de Deus, entrará no céu; o que não a faz, nele não entrará. Alguns fazem depender a sua salvação de certas devoções, de certas obras exteriores de piedade e, entretanto, não cumprem a vontade de Deus. Jesus Cristo, porém, diz: 'Não todos aqueles que me dizem: Senhor, Senhor, entrarão no reino dos céus; mas entrará somente o que faz a vontade de meu Pai' — Qui facit voluntatem Patris mei, qui in coelis est, intrabit in regnum coelorum.

Portanto, se nos quisermos salvar e chegar à união perfeita com Deus, habituemo-nos a rogar-lhe sempre com Davi: Doce me, domine, facere voluntatem tuam — 'Senhor, ensinai-nos a fazer a vossa santa vontade'. Ao mesmo tempo desfaçamo-nos da vontade própria e entreguemo-la toda inteira e sem reserva a Deus. Quando damos a Deus os nossos bens pela esmola, o alimento pelo jejum, o sangue pela disciplina, damos-lhe a nossa própria pessoa. Eis porque o sacrifício da vontade própria é o sacrifício mais aceito que possamos fazer a Deus; e Deus enriquece de graças ao que o faz.

Porém, para que tal sacrifício seja perfeito, deve ter duas qualidades: deve ser feito sem reserva e constantemente. Alguns dão a Deus a sua vontade, mas com reserva e semelhante dádiva pouco agrada a Deus. Outros dão a Deus a sua vontade, mas logo em seguida tornam a retomá-la, e estes se expõem a grande risco de serem abandonados de Deus. Por isso, todos os nossos esforços, desejos e orações devem ser dirigidos ao fim de obtermos de Deus a perseverança em não querermos senão o que Deus quer. Habituemo-nos a antever desde de manhã, no tempo da meditação, as tribulações que nos possam suceder no correr do dia e a fazermos continuamente atos de resignação à vontade Divina. Diz São Gregório: Minus iacula feriunt, quae praevidentur — 'São menos dolorosas as feridas antevistas'.

II. Meu Jesus, cada vez que eu disser: 'Louvado seja Deus', ou 'Seja feita a vontade de Deus', tenho intenção de aceitar todas as vossas disposições a meu respeito, no tempo e na eternidade. Só quero o emprego, a habitação, os vestuários, o nutrimento, a saúde que me tendes destinado. Se quereis que meus negócios não surtam feliz êxito, meus projetos se esvaeçam, meus processos se percam, tudo quanto possuo seja roubado, eu também o quero. Se quereis que eu seja desprezado, odiado, posposto aos outros, difamado e maltratado, até por aqueles a quem mais amo, eu também o quero. Se quereis que eu fique privado de tudo, banido de minha pátria, encerrado numa prisão e viva em penas e angústias contínuas, eu também o quero. Se quereis que esteja sempre enfermo, coberto de chagas, estropiado, estendido sobre um leito, abandonado de todos, eu também o quero; tudo seja como Vos agradar e por quanto tempo quiserdes.

Minha vida mesma ponho nas Vossas mãos e aceito a morte que me destinais; aceito igualmente a morte de meus parentes e amigos e tudo o que quiserdes. Quero também tudo o que quereis no que diz respeito ao meu bem espiritual. Desejo Vos amar com todas as minhas forças nesta vida e ir Vos amar no paraíso como Vos amam os serafins; mas contente fico com o que bem quiserdes conceder-me. Se não quereis dar-me senão um só grau de amor, graça e glória, não quero mais do que isto, porque Vós assim o quereis. Prefiro o cumprimento de Vossa vontade a todos os bens.

Numa palavra, ó meu Deus, de mim e de tudo o que me pertence, disponde como for Vossa vontade; com a minha não tenhais consideração alguma, pois só quero o que Vós quereis. Qualquer que seja o tratamento que me deis, amargo ou doce, agradável ou penoso, aceito-o e abraço-o, porque tanto um como outro me virá de vossa mão. Aceito, meu Jesus, de maneira especial a morte que me espera e todas as penas que devem acompanhá-la, no lugar e momento que for vossa vontade. Unindo-as à vossa santa morte, ó meu Salvador, eu as Vos ofereço em testemunho de meu amor a Vós. Quero morrer para Vos agradar e cumprir vossa divina vontade. Ó Maria, Mãe de Deus, obtende-me esta santa perseverança. 

(Excertos da obra 'Meditações para todos os Dias e Festas do Ano' - Tomo III, de Santo Afonso Maria de Ligório)

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

A pureza, a ausência das paixões desregradas e o afastamento de todo mal é a divindade. Se, portanto, se encontrarem em ti, Deus estará totalmente em ti. Quando teu espírito estiver puro de todo vício, liberto de todo mau desejo e longe de toda nódoa, serás feliz pela agudeza e luminosidade do teu olhar, porque aquilo que os impuros não podem ver; tu, limpo, o perceberás. Retirada dos olhos da alma a escuridão da matéria, pela serenidade pura, contemplarás claramente a beatificante visão. E esta, o que é? Santidade, pureza, simplicidade, eis todo o esplendor da luminosa natureza divina, pelos quais Deus se deixa ver em nós. 

(São Gregório de Nissa)

domingo, 10 de novembro de 2019

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'O Senhor é fiel; ele vos confirmará e vos guardará do mal... Que o Senhor dirija os vossos corações ao amor de Deus e à firme esperança em Cristo' (2 Ts 3, 3.5)

PÁGINAS DO EVANGELHO (2018 - 2019)

sábado, 9 de novembro de 2019

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (XLI)

XIII

DA FILIAÇÃO DIVINA E DA PREDESTINAÇÃO DE CRISTO

Que quereis dizer quando falais da adoção divina?
Que Deus, por um ato de infinita bondade, se dignou admitir as criaturas racionais na participação dos seus próprios bens, isto é, na glória da bem-aventurança eterna pois, não podendo ser os anjos nem os homens filhos por natureza (já que isto só pertence ao Verbo), enobreceu-os com o titulo e direitos de filhos adotivos (XXIV, 1)*.

O Verbo Encarnado é, enquanto homem, filho adotivo de Deus?
Não, Senhor; porque a filiação é propriedade pessoal e, portanto, onde existe filiação natural, não há lugar para a adotiva que é similitudinária (XXIII, 4).

Jesus Cristo foi predestinado?
Sim, Senhor; porque a predestinação é um decreto eterno em que Deus determina o que Ele próprio há de executar, com o correr do tempo, na esfera e vida da graça; o fato de um ser humano ter sido pessoa divina e Deus ter sido homem é um fato por Deus realizado no tempo e constitui o florão e remate da ordem da graça; logo, com maior razão que nenhuma outra criatura, foi predestinado o Filho de Deus feito homem (XXIV, 1).

A predestinação de Jesus Cristo é modelo e causa da nossa?
Sim, Senhor; porque o decreto de nossa predestinação é que sejamos, por adoção, o que o Verbo Encarnado é por natureza, e que Jesus Cristo seja o autor da nossa glorificação, já que por seus merecimentos havemos de alcançar a bem-aventurança eterna (XXIV, 3,4).

XIV

CONSEQUÊNCIAS DA ENCARNAÇÃO DO FILHO DE DEUS EM RELAÇÃO CONOSCO — COMO DEVEMOS ADORÁ-LO ; COMO É MEDIADOR ENTRE DEUS E OS HOMENS

Que se segue do fato da Encarnação em relação a nós?
Que temos a obrigação de adorar ao Filho de Deus feito homem e de reconhecer que é nosso mediador (XXV - XXVI).

Que quereis exprimir quando dizeis que temos obrigação de adorar ao Verbo Encarnado?
Que estamos obrigados a tributar à pessoa do Verbo o culto próprio de Deus, que é o de latria, onde quer que esteja e qualquer que seja a forma, divina ou humana, em que se apresente; posto que, se em Jesus Cristo atendêssemos exclusivamente a natureza humana, só poderíamos tributar-lhe o culto de dulia (XXV, 1,2).

É esta a razão por que tributamos culto de latria ao Sagrado Coração de Jesus?
Sim, Senhor; porque o Coração de Jesus faz parte de sua adorável pessoa. Entre os elementos integrantes da pessoa de Cristo, nenhum há tão apropriado como o coração para ser objeto de um culto especial, porque simboliza a obra do amor infinito levada ao extremo, em nosso obséquio, pelo Verbo feito homem, no mistério da Encarnação e Redenção; portanto, o culto tributado ao Sagrado Coração de Jesus é culto tributado a Jesus Cristo na qualidade de amante do homem.

Devemos adorar com culto de latria as imagens de Jesus Cristo?
Sim, Senhor; porque o culto que se rende a uma imagem, formalmente como imagem, e não como coisa, se identifica com o que se tributa ao que por ela é representado (XXV, 5).

Deve adorar-se a Cruz de Jesus Cristo com o culto de latria?
Sim, Senhor; porque é imagem de Cristo que nela morreu por nós, e, tratando-se da Cruz em que foi crucificado, merece ademais o dito culto por haver estado em contato imediato com o divino Salvador e ter-se umedecido com o seu precioso sangue (XXV, 4).

Podemos render culto de latria à Santíssima Virgem, Mãe de Deus?
Não, Senhor; porque não a honramos somente por ser mãe de Cristo, mas pelo que ela é em si mesma e, sendo pura criatura, não podemos tributar-lhe o culto próprio e exclusivo de Deus. Não obstante isto, suposto que o motivo de prestar culto de dulia às criaturas é o seu degrau para a união com Deus, já que não existe nenhuma tão intimamente unida com ele, lhe tributaremos um culto especial, conhecido com o nome de hiperdulia (XXV, 5).

Estamos obrigados, em atenção a Jesus Cristo, a prestar culto às relíquias dos santos e especialmente aos seus corpos?
Sim, Senhor; porque os santos foram e são membros de Cristo, amigos de Deus e nossos intercessores; logo, tornaram-se credores de que tenhamos em grau de estima quanto lhes pertenceu, e em especial os seus corpos que foram templos do Espírito Santo e estão destinados a ser a imagem do corpo glorioso de Cristo, quando chegar a hora da ressurreição (XXV, C).

Que entendeis quando afirmais que Cristo é mediador entre Deus e os homens?
Que, atenta à sua natureza humana, ocupar um lugar intermédio entre Deus, de quem se distingue pela referida natureza e os homens, de quem o separa a excelência da sua dignidade e os dons da graça e glória que possui; se ocupa este lugar intermédio, segue-se que lhe corresponde, por direito próprio, o comunicar aos homens os mandatos e distribuir os favores divinos; e comparecer diante de Deus, como representante dos homens, para rogar e satisfazer por eles (XXVI, 1, 2).

XV

DA MANEIRA COMO SE DESENROLOU O MISTÉRIO DA ENCARNAÇÃO

De que maneira e com que ordem e sucessão se realizou o adorável mistério que acabamos de explicar?
Para responder a esta pergunta dividiremos a matéria em quatro partes: consideraremos em primeiro lugar a entrada de Jesus Cristo neste mundo; em segundo lugar, a sua vida mortal; em terceiro, o modo como a abandonou, e, por último, a sua exaltação e glorificação (XXVII, Prólogo).

DA VINDA DE JESUS CRISTO A ESTE MUNDO — SEU NASCIMENTO

De que modo veio a este mundo o filho de Deus Encarnado?
Sendo concebido por obra sobrenatural do Espírito Santo e nascendo da Santíssima Virgem Maria.

A Santíssima Virgem, a quem o Filho de Deus havia escolhido para sua futura Mãe, quando realizasse a obra da sua Encarnação, desfrutou privilégios especialíssimos, em atenção à sua maternidade?
Sim, Senhor; e o mais precioso foi o da sua Imaculada Conceição (XXVII).

Que entendeis por privilégio da Imaculada Conceição?
O fato de que, em atenção a que a Santíssima Virgem era a criatura escolhida para ser mãe do Salvador, por privilégio especial e único em virtude do qual se lhe aplicaram antecipadamente os méritos da Redenção, foi preservada da mancha do pecado original em que havia de incorrer por descender de Adão pecador, por via de geração natural; e não só foi preservada do pecado, mas também, desde o primeiro instante da sua concepção, foi enriquecida e adornada com a plenitude dos dons sobrenaturais da graça (Pio IX — Definição dogmática da Imaculada Conceição).

Que entendeis quando afirmais que o Verbo feito homem nasceu da Virgem Maria?
Que a Mãe de Cristo, em vez de perder a virgindade em consequência da maternidade, viu como Deus a consagrava e fortalecia, de sorte que foi Virgem antes da concepção, depois dela, no parto e durante o resto de sua vida (XXVIII, 1, 2,3).

Logo a concepção do Filho de Deus, no seio da Virgem Santíssima, por obra do Espírito Santo, foi totalmente sobrenatural e miraculosa?
Sim, Senhor; foi de um modo todo miraculoso que a gloriosa Virgem Maria concebeu o Filho de Deus, revestindo este a nossa natureza humana no seu seio virginal; porém, tenhamos presente que, nesta concepção, a Santíssima Virgem não deixou de tomar aquela parte necessária e suficiente para ser verdadeira mãe, como as outras mães o são de seus filhos (XXXI, 5; XXXII).

Foi instantânea a formação do corpo de Cristo no seio virginal de Maria e conferiram-se-lhe, naquele primeiro instante, todas as prerrogativas e graças com que, segundo temos visto, Deus enriqueceu a natureza humana que Cristo assumiu na unidade de pessoa?
No mesmo instante em que a Santíssima Virgem pronunciou o fiat, expressão do seu consentimento, se realizaram no seu seio, sob o influxo onipotente do Espírito Santo, todos os privilégios e maravilhas que constituem o mistério da Encarnação (XXXIII - XXXIV).

Teve o Filho de Deus, desde aquele primeiro instante, uso de razão e livre arbítrio e, por conseguinte, capacidade para merecer?
Naquele instante, o Verbo Encarnado obteve, enquanto homem, todos os tesouros da ciência beatífica e infusa de que falamos, gozou plena liberdade e começou a merecer com mérito perfeito (XXXIV, 1-3).

Quando dizeis que o Filho de Deus nasceu da Virgem Maria, entendeis um verdadeiro nascimento da Segunda Pessoa divina? E como distinguir este nascimento temporal daquele outro eterno com que nasceu do Pai?
Em ambos os casos, entendemos verdadeiro nascimento da pessoa de Cristo; porém, como esta consta de duas naturezas, quando dizemos que nasceu, no tempo, da Virgem Maria, entendemos que dela recebeu a natureza humana e, quando falamos de como nasceu do Pai, entendemos que Este, na Eternidade, lhe comunicou a natureza divina (XXXV, 1, 2).

Logo, por ter nascido da Virgem, o Filho de Deus é Filho de Maria, e ela é verdadeiramente sua Mãe?
Sim, Senhor; porque tudo quanto uma mulher comunica ao seu filho, o mesmo comunicou a Virgem Maria ao Filho de Deus (XXXV. 3).

Segue-se daqui que a Santíssima Virgem é Mãe de Deus?
Indubitavelmente, porque com toda a verdade é sua Mãe, segundo a natureza humana unida hipostaticamente ao Verbo, que é Deus como seu Pai (XXXV, 4).

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular)

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

SALTÉRIO DE BÊNÇÃOS

1 (1)* Uma árvore ou uma vinha é plantada, para que ela possa dar fruto.
2 (2) Para que Deus ilumine aqueles que vão a reuniões religiosas e/ou a concílios.
3 (3) Para que o mal possa se afastar das pessoas para que elas não atormentem injustamente seus companheiros.
4 (4) Para que Deus cure as pessoas sensíveis que ficam doentes com depressão por causa do comportamento das pessoas de coração duro.
5 (5) Para que Deus cure os olhos feridos.
6 (6) Para que Deus liberte a pessoa que esteja enfeitiçada.
7 (7) Para aqueles que se prejudicam com o medo, terrores e com as intimidações de pessoas más.
8 (8) Para aqueles que são feridos por demônios ou por pessoas perversas.
9 (9 e 10) Para que os demônios deixem de lhe atormentar durante o sono ou com ilusões durante o dia.
10 (11) Para casais de coração duro que discutem e se separam (quando o homem ou mulher de coração duro atormenta seu companheiro sensível).
11 (12) Para pessoas com doenças mentais que possuem maldade e ferem outros.
12 (13) Para aqueles que sofrem do fígado.
13 (14) Para um demônio terrível que nos aflige, vezes contínuas por dias.
14 (15) Para que os assaltantes e ladrões mudem e voltem a deixar de praticar o mal, e se arrependam.
15 (16) Para que a chave seja encontrada quando for perdida.
16 (17) Por uma acusação grave e injusta, três vezes por dia por três dias.
17 (18) Para nos livrar de um terremoto ou outro desastre natural ou tempestade com raios e trovões.
18 (19) Para que mulheres deem à luz sem problemas.
19 (20) Para os casais que por razões médicas não podem ter filhos, para que Deus os cure e que eles não se separe.
20 (21) Para que Deus amacie os corações dos ricos e que eles deem esmolas aos pobres.
21 (22) Para que Deus contenha o fogo e que nenhum mal pior ocorra.
22 (23) Para que Deus suavize as crianças muito problemáticas que deixam seus pais muito tristes.
23 (24) Para que a porta se abra quando a chave é perdida.
24 (25) Para pessoas que têm problemas pela tentação e problemas em suas vidas por ela, fazendo-as perder sua paz e queixarem-se.
25 (26) Quando alguém pede alguma coisa boa a Deus para que Ele a dê sem que a pessoa se prejudique.
26 (27) Para que Deus proteja os camponeses do exército inimigo, para que eles não machuque as pessoas ou destrua seus campos.
27 (28) Para que Deus cure aqueles que sofrem de doenças de origem nervosa ou mental.
28 (29) Para aqueles que têm enjoo no mar e que têm medo de mar violento.
29 (30) Para aqueles que estão em perigo em terras distantes, no território de pessoas incrédulas e cruéis, para que Deus as guarde e ilumine as pessoas que lá estão para que tenham paz e venham a conhecer a Deus.
30 (31) Para que Deus dê semente e fruta suficiente quando o tempo não estiver bom para agricultura.
31 (32) Para que os viajantes encontrem seu caminho quando estiverem perdidos e sofrendo com isto.
32 (33) Para que Deus revele a verdade para aqueles que foram presos injustamente, e para que eles sejam libertados.
33 (34) Para aqueles no limiar da morte, quando estão atormentados por demônios ou para nos livrar do exército inimigo quando ele traz perigo e invade a fronteira com intenções execráveis.
34 (35) Para que Deus liberte as pessoas justas de armadilhas dos ímpios, que querem levar vantagem sobre o povo de Deus.
35 (36) Para que o ressentimento desapareça completamente após discussões e desentendimentos.
36 (37) Para as pessoas feridas gravemente por criminosos.
37 (38) Para quando nos assediarem as dores de dentes.
38 (39) Para que as pessoas abandonadas e deprimidas encontrem trabalho, para que elas deixem de estar tristes.
39 (40) Para que o amor entre patrão e empregado volte quando ocorrer uma troca de palavras ásperas.
40 (41) Para que mulheres deem à luz sem problemas quando a criança vier prematuramente ao mundo.
41 (42) Para jovens quando ficam doentes ao se apaixonarem, e uma pessoa fica sentido e triste.
42 (43) Para que as pessoas se libertem de prisões de uma nação inimiga.
43 (44) Para que Deus revele a verdade a casais quando houver um mau entendimento, para que eles alcancem a paz e o amor mútuo novamente.
44 (45) Para aqueles que sofrem do coração ou dos rins.
45 (46) Para as pessoas jovens que por causa da inveja possuem inimigos os impedindo de ter uma família (isto é, de se casarem).
46 (47) Para que o empregador e empregado encontre paz, quando o empregado é ofendido pelo empregador e para que o empregado encontre trabalho.
47 (48) Pra evitar que bandos de criminosos nos roubem e desastres graves ocorram [para ser lido continuamente por 40 dias].
48 (49) Para aqueles que possuem um trabalho perigoso.
49 (50) Para que as pessoas que estejam afastadas de Deus se arrependam e retornem a Ele e sejam salvas.
50 (51) Para quando, por causa de nossos pecados e a fim de nos corrigir, a punição de Deus nos atinge, na forma de doenças epidêmicas e mortes de pessoas ou animais.
51 (52) Para que os mestres de coração duro se arrependam e tenham compaixão e não atormentem as pessoas.
52 (53) Para que Deus abençoe as redes e que elas fiquem cheias de peixes.
53 (54) Para que Deus ilumine os ricos que compraram escravos para que eles os liberte.
54 (55) Para que o nome de uma família que tenha sido acusada injustamente seja restaurado.
55 (56) Para pessoas fracas, cujas almas foram feridas por seus companheiros.
56 (57) Para aquelas pessoas que sofrem de dores de cabeça por grande tristeza.
57 (58) Para que as coisas cheguem de forma útil para aqueles que trabalham com boa intenção, para que Deus impeça ações perversas de demônios ou pessoas desonestas.
58 (59) Para aqueles que não podem falar, que Deus dê a eles a habilidade de falar.
59 (60) Para que Deus revele a verdade quando um grupo inteiro de pessoas for injustamente acusado.
60 (61) Para aqueles que têm problemas em seu trabalho seja por causa de preguiça ou por medo.
61 (62) Para que Deus alivie os problemas da pessoa fraca, para que ele não seja dominado pelo desejo de queixar-se.
62 (63) Para que os campos e as árvores deem fruto quando a água for pouca.
63 (64) Para quando uma pessoa for mordida por um cachorro ou lobo raivoso. 
64 (65) Para que os mercadores prosperem, para que eles não falem muito e não levem vantagem sobre as pessoas mais simples.
65 (66) Para que o mal não crie obstáculos nas residências e faça com que famílias fiquem tristes.
66 (67) Para que os locais onde as galinhas foram criadas sejam abençoados.
67 (68) Para que as mulheres com problemas durante a gravidez consigam passar por esta fase e ficar saudáveis.
68 (69) Para nos sustentar contra chuva forte e enchentes dos rios, levando com eles pessoas e casas.
69 (70) Para pessoas sensíveis que ficam tristes por pequenas coisas e entram em desespero, que Deus dê a elas a força.
70 (71) Para pessoas isoladas que se tornam entediadas de outras por causa da inveja do demônio e entram em desespero, que eles tenham misericórdia e cura de Deus.
71 (72) Para que Deus abençoe as colheitas da nova produção de agricultura que os camponeses trazem para casa.
72 (73) Para que os criminosos se arrependam.
73 (74) Para que Deus proteja os camponeses que trabalham nos seus campos quando o inimigo tiver rodeado a vila.
74 (75) Para que o empregador desumano se torne calmo e não atormente seus seres humanos companheiros, os empregados.
75 (76) Para uma mãe que está amedrontada durante o nascimento de seu filho, para que Deus lhe dê coragem e a proteja.
76 (77) Para quando não houver entendimento mútuo entre pais e crianças, que Deus os ilumine para que as crianças ouçam seus pais e os pais mostrem amor.
77 (78) Para que Deus ilumine aqueles que emprestam para que eles não pressionem seus companheiros pelos seus débitos, e para que eles tenham compaixão.
78 (79) Para que Deus proteja as vilas de roubo de um exército inimigo.
79 (80) Para que Deus cure uma pessoa cuja face fica inchada e com a cabeça doendo.
80 (81) Para que Deus tome conta dos pobres necessitados, tristes e em depressão por causa da pobreza.
81 (82) Para que as pessoas comprem produtos dos camponeses, para que os camponeses não fiquem à míngua e nem em depressão.
82 (83) Para que Deus impeça as pessoas más que pensam em cometer o mal.
83 (84) Para que Deus preserve tudo que é mantido na casa, os animais e os produtos dos produtores.
84 (85) Para que Deus ajude aqueles que foram feridos por ladrões e, além do mais, ficaram psicologicamente afetados pelo terror.
85 (86) Para que Deus salve o mundo quando as pragas vierem e pessoas morrerem.
86 (87) Para que aumente as vidas dos membros de família que ainda são necessários pelo resto da família.
87 (88) Para que Deus proteja todos aqueles que não possuem protetor e estão sofrendo por causa de companheiros de coração duro.
88 (89) Para que Deus dê força àqueles que ficam doentes com facilidade e são fisicamente fracos, para que eles possam trabalhar sem ficar cansados e deprimidos.
89 (90) Para que Deus traga chuva onde houver seca, ou que os poços deem água novamente se eles deixaram de dar.
90 (91) Para que o demônio desapareça quando ele aparecer em frente a uma pessoa e trouxer terror.
91 (92) Para que Deus dê prudência a pessoas para que elas progridam espiritualmente.
92 (93) Para que Deus proteja a embarcação quando ela estiver em grande perigo no mar. (Ele havia também para atirar água abençoada nos quatro cantos do navio).
93 (94) Para que Deus ilumine as pessoas desordeiras que causam problemas para a nação e trazem comoção às pessoas, causando problemas pela desordem e divisões.
94 (95) Para que nenhum feitiço faça com que casais comecem a encontrar razões para discussões e brigas.
95 (96) Para que Deus dê às pessoas surdas a habilidade de ouvir.
96 (97) Para que os encantamentos se afastem das pessoas.
97 (98) Para que Deus dê conforto aqueles que estão tristes para que eles deixem de ficar deprimidos.
98 (99) Para que Deus abençoe e dê graças às pessoas jovens que desejam deixar tudo e seguir a Deus (provavelmente no sentido de abraçar a vida monástica)
99 (100) Para que Deus abençoe e realize os desejos das pessoas que agem de acordo com Seu desejo.
100 (101) Para que Deus dê graças e talentos para as pessoas bons e simples.
101 (102) Para que Deus abençoe as pessoas que são poderosas para que elas ajudem as pessoas com doçura e inteligência.
102 (103) Para que o fluxo mensal de sangue venha à mulher quando estiver atrasado.
103 (104) Para que Deus abençoe as posses das pessoas que não são tristes e deprimidas, mas que glorificam a Deus.
104 (105) Para que as pessoas se arrependam e confessem seus pecados.
105 (106) Para que Deus ilumine as pessoas para que elas não se afastem do caminho da salvação.
106 (107) Para que Deus dê à mulher que não pode dar à luz a habilidade de fazê-lo.
107 (108) Para que Deus enfraqueça os inimigos, para que eles mudem suas intenções más.
108 (109) Para que Deus cure os epiléticos e para que Deus tenha piedade daqueles que acusam injustamente e que se arrependam.
109 (110) Para que os mais jovens respeitem os mais velhos.
110 (111) Para que os juízes injustos se arrependam e julguem as pessoas de Deus com justiça.
111 (112) Para que Deus proteja os soldados quando eles forem para a guerra.
112 (113) Para que Deus dê bênçãos à viúva pobre, para que ela pague seus débitos evitando de ir para a prisão.
113 (114 & 115) Para que Deus cure as crianças retardadas mentalmente.
114 (116:1-9) Para que Deus abençoe e conforte as crianças pequenas tristes e pobres, para que elas não sejam humilhadas pelas crianças ricas e, consequentemente, fiquem deprimidas.
115 (116:10-19) Para que Deus nos cure da terrível inclinação à mentira.
116 (117) Para que famílias sejam mantidas unidas e amem e glorifiquem a Deus.
117 (118) Para que Deus enfraqueça os bárbaros quando eles rodearem uma vila e levarem medo, e que Ele inverta suas intenções más.
118 (119) Para que Deus despedace os bárbaros e enfraqueça suas ações quando eles assassinarem crianças e mulheres inocentes.
119 (120) Para que Deus dê paciência e tolerâncias às pessoas que vivem juntas com pessoas más e injustas.
120 (121) Para que Deus proteja os escravos das mãos do inimigo para que eles não sejam mutilados antes de serem liberados.
121 (122) Para que Deus cure todos que sofrem de 'mau-olhado'.
122 (123) Para que Deus dê visão a cegos e cure os olhos dos que estão com dores.
123 (124) Para que Deus proteja as pessoas de cobras, para que elas não as morda.
124 (125) Para que Deus proteja os campos das pessoas justas das pessoas más.
125 (126) Para que Deus cure as pessoas que sofrem de dores de cabeça contínua.
126 (127) Para que Deus traga paz à família quando houver discussões.
127 (128) Para que a maldade dos inimigos nunca se aproxime dos lares, e para que haja paz e bênçãos de Deus na família.
128 (129) Para que Deus cure as pessoas que sofrem de enxaquecas, ou, para que Deus tenha piedade das pessoas grossas e insensíveis que trazem tristezas às sensíveis.
129 (130) Para que Deus dê coragem e esperança àqueles que começam um novo trabalho e não o conhecem bem, para que eles não encontrem dificuldade extrema no seu trabalho.
130 (131) Para que Deus leve conforto e arrependimento com esperança às pessoas para que elas sejam salvas.
131 (132) Para que Deus mostre piedade ao mundo quando, por causa de nossos pecados, ocorrem guerras contínuas.
132 (133) Para que Deus ilumine as nações e elas se tornem amigas e os povos encontrem a paz.
133 (134) Para que Deus proteja as pessoas de todo o perigo.
134 (135) Para que as pessoas se concentrem no momento da oração e que suas mentes estejam unidas com Deus.
135 (136) Para que Deus proteja os imigrantes quando eles abandonam seus lares e para para que eles sejam salvos dos bárbaros.
136 (137) Para que Deus traga firmeza à pessoa de caráter instável.
137 (138) Para que Deus ilumine os senhores de um local para que os pedidos das pessoas sejam tratados com inteligência.
138 (139) Para que Deus corte a tentação de pessoas sensíveis que tenham pensamentos blasfemadores.
139 (140) Para que Deus dê paz ao líder da família que possui um caráter difícil e traz sofrimentos a toda a família.
140 (141) Para que Deus torne calmo os maus que controlam um local que atormentam seus companheiros.
141 (142) Para que Deus acalme o rebelde que está praticando o mal; e mesmo que curdo, ele se torne um cordeiro. [Santo Arsênio estava vivendo na Ásia Menor; os curdos, que eram quase sempre soldados, tinham uma reputação, entre outros grupos étnicos, de serem lutadores brutais]
142 (143) Para que Deus proteja a mãe em sua gravidez para que ela não perca o seu filho.
143 (144) Para que Deus dê paz às pessoas quando elas estão agitadas para que não ocorra conflitos e nem guerra civil.
144 (145) Para que Deus abençoe o trabalho das pessoas para que ele seja bem aceito por Deus.
145 (146) Para que Deus interrompa o fluxo de sangue das pessoas que sofrem disso.
146 (147:1-11) Para que Deus cure as pessoas que foram mordidas e feridas por dentes de pessoas más.
147 (147:12-20) Para que Deus traga paz aos animais selvagens, para que eles não incomodem pessoas ou nos tragam prejuízos às produções das fazendas.
148 (148) Para que Deus torne o tempo apropriado para que as pessoas tenham abundância e glorifiquem a Deus.
149 (149)** Da gratidão e reconhecimento a Deus por sua grande bondade e pela plenitude de seu amor, que não conhece limites e nos tolera.
150 (150)** Para que Deus dê a felicidade e o conforto aos nossos irmãos e irmãs que estão tristes e em locais distantes e para aqueles, dentre nossos irmãos e irmãs, que estão ainda mais longe.

* O primeiro número refere-se ao salmo como escrito na 'Bíblia dos Setenta' e o segundo número refere-se ao do salmo indicado na Bíblia atual.

** Salmos adicionais incorporados pelo Pai Paisios de Monte Athos.

(Excertos do 'Saltério como um Livro de Necessidades', como aplicado por Santo Arsênio da Capadócia)