sexta-feira, 30 de abril de 2021

TESOURO DE EXEMPLOS (67/69)

67. SÃO JOSÉ E A PRIMEIRA COMUNHÃO

O célebre Pe. Leonard, grande missionário na Itália, chorava toda vez que tinha de pregar um retiro de primeira comunhão.
➖ Mas, Padre, que é que tem o senhor - perguntavam-lhe.
➖ Ah! não sabeis - respondia - que se preparam para o dia da primeira comunhão vários calvários, onde Jesus Cristo será de novo crucificado? Nada mais comum do que este crime entre os meninos. Não sabeis que muitos ocultam seus pecados na confissão; outros se confessam mal; outros não têm arrependimento; outros, enfim, não compreendem a grandeza do ato que vão fazer? Por pouco que se ame a Deus, é impossível não chorar e não sentir horror de semelhante atentado.

Impressionado com estas palavras, um piedoso diretor de colégio mandava rezar todos os dias do mês de março para que nenhum dos alunos cometesse tão horrendo pecado. Nove dias antes da comunhão deviam fazer uma novena a São José, a fim de que todos se preparassem bem para a primeira comunhão e não se encontrasse nenhum Judas entre os mesmos. 

Certa vez, no último dia da novena, véspera da primeira comunhão, um menino muito sobressaltado veio cedinho à procura do confessor, dizendo-lhe antes de confessar-se:
➖ Padre, a noite passada não pude dormir. Parecia-me ver São José, que, irado, me dizia: 'Infeliz, pedem-me os meninos que não haja entre eles nenhum Judas e tu queres ser um, pois ocultaste teus pecados de impureza...' É por isso que aqui estou para reparar todas as minhas confissões sacrílegas e dizer-lhe tudo o que tenho na consciência.

68. A ESTATUAZINHA DE SÃO JOSÉ

Dois carroceiros carregavam as suas carroças com os escombros de um casarão que fôra demolido. Eram bons e honrados, mas, em matéria de religião, completamente indiferentes e ignorantes. De repente um deles tirou com sua pá do montão do entulho uma estatuazinha de São José.
➖ Toma - disse ao seu companheiro - um deusinho...
➖ Não o quebres: isto te traria má sorte.
➖ Tu crês em contos de avozinhas?
➖ É melhor que me dês, pois, embora não sendo muito de igreja, prefiro levar um santinho para minha casa a atirá-lo na carroça. Isso me sairia mal depois.
➖ Tens razão, replicou o outro, lembrando-se talvez do tempo de sua primeira comunhão: é melhor levá-lo...

Passaram-se anos. O carroceiro era já um velho inválido, estendido num leito de madeira carcomida. No quarto, duas cadeiras desconjuntadas, uma mesinha cambaleante e uns pedaços de cobertores. Acabava os seus dias na miséria. Ao seu lado uma netinha de treze anos...
➖ Vovô, se o senhor quiser, eu vou chamar o padre que nos dá o catecismo; ele é bom.
➖ Não, filha, ainda não estou tão mal...
É sempre assim. Os pobrezinhos nunca julgam estar muito mal. Mas São José cuidou dele.
➖ Mariazinha, traga-me a estátua de São José que está ali... ela quer me falar... eu a ouço...
➖ Pobre vovô! - pensou a menina - a febre o devora...

Mas pondo a imagem de São José nas mãos do avô, pôs-se a chorar. Parecia-lhe chegado o momento de insistir:
➖ Vovozinho, o senhor quer falar com o vigário? Ele é tão bom; o senhor o conhece...
➖ Falar? Falar é uma coisa muito vaga; diga-lhe que quero confessar-me, ouviu?
➖ Obrigada, meu São José. Salvais a quem vos respeitou; obrigada, obrigada, dizia a menina, correndo em busca do padre.

Reconciliado com Deus e, beijando a estatuazinha, dizia às pessoas presentes: 'Não vos esqueçais de Deus, dos deveres religiosos, da missa aos domingos. Eu não fazia nada disso e estou arrependido. São José me salvou'. Alguns dias depois, o velho carroceiro morria santamente abraçado à estatuazinha do seu grande benfeitor São José.

69. A POMBA MENSAGEIRA DE SÃO JOSÉ

Há acontecimentos que parecem novelas: que os nossos leitores as tomem a seu gosto. A família do Sr. B..., sua esposa e uma filha, Josefina, de 20 anos, havia gozado em N. de uma bela fortuna; mas, a enfermidade do pai e alguns maus negócios a haviam obrigado a passar a viver só do trabalho da filha.

A moça era inteligente, enérgica, alegre e, o que é mais, piedosa. Um dia, porém, voltou para casa com uma notícia triste: não quiseram pagar-lhe as costuras, e comunicaram-lhe que, por algumas semanas, não haveria trabalho. Que fazer? Que comer? Mas ela não desanima; confia, não nos homens, mas no paternal auxílio de seu poderoso patrono São José, cuja festa será celebrada no dia seguinte.

Senta-se, escreve num papelzinho a sua situação penosa e, abrindo uma gaiola onde tem uma pombinha mansa, ata-lhe debaixo da asa a sua missiva e, beijando-a, a solta dizendo:
➖ Vai, querida, aonde te guie São José a fim de que encontres pão para nós e para ti.

Passada meia hora, se muito, eis que se apresenta à entrada da casa um moço que pede para falar com Josefina; acompanhava-o um criado com um pesado embrulho. Diante da família admirada conta que, sendo devoto de São José, lhe prometera atender o primeiro pedido de auxílio que se apresentasse. Ora, apenas fizera a sua promessa, entrou pela sua janela uma pombinha em cuja asa viu um papelzinho e a petição a São José.

➖ Estou - disse - montando uma oficina de costura e já que Josefina procura trabalho, aqui lhe trago algum e, por ser a primeira vez, pago-lhe adiantado. No volume achava-se discretamente envolvida uma soma de valor elevado. Os três infelizes não puderam deixar de exclamar cheios de comoção:
➖ Como São José é bom! obrigado, Santo bendito!

Era a abundância após a miséria mais atroz. Mas não parou aí a liberalidade de São José. Como Josefina teve de ir com frequência à oficina, logo chamaram a atenção os seus finos modos, sua habilidade no trabalho e a fina educação que recebera. Entrou em relações com a família de seu chefe, que logo encontrou boa colocação para o pai de Josefina, melhorando assim a situação do lar. 

Não sabemos se Josefina se dirigiu a São José, como fazem muitas moças, para arranjar um bom esposo; o certo é que o encontrou na pessoa de seu chefe e protetor. Na sala de sua nova casa, vê-se em lugar de honra uma estátua de São José e, debaixo dela, uma pombinha de ouro com o letreiro: 'a mensageira de São José'.

(Excertos da obra 'Tesouro de Exemplos', do Pe. Francisco Alves, 1958; com adaptações)

ver PÁGINA: TESOURO DE EXEMPLOS

quinta-feira, 29 de abril de 2021

29 DE ABRIL - SANTA CATARINA DE SENA

 

Santa Catarina de Sena nasceu Caterina di Giacomo di Benincasa na cidade de Sena / Itália, em 25 de março de 1347, de família humilde e numerosa. Desde tenra idade foi cumulada pela Providência Divina de visões místicas e dons sobrenaturais, que incluíram mais tarde a manifestação de estigmas semelhantes aos de Nosso Senhor. Ofereceu-se a Deus desde a infância e, ainda muito jovem, já havia recebido o hábito de penitente da Ordem Terceira de São Domingos.

Reclusa em sua cela, em orações e jejuns constantes, Catarina passou por inúmeras experiências sobrenaturais, que culminaram com a celebração de suas núpcias místicas com o Senhor, na cela de sua reclusão, nas vésperas da Quarta-Feira de Cinzas do ano de 1367. Acostumada a uma vida de rígida abstinência, a comunhão era, muitas vezes, o seu único alimento por vários dias. Mas, segundo o seu confessor e primeiro biógrafo, Raimundo de Cápua, Jesus vai demandá-la a abandonar a vida reclusa e a dedicar-se totalmente a uma missão pública em favor da Igreja.

A Europa à época de Santa Catarina estava marcada pela peste, pela violência e por uma grave crise da Igreja. O papado estava recolhido na cidade francesa de Avignon, sob influência política de diversos reinos e ducados. Catarina tornou-se, então, a servidora humilde de todos, cuidou dos doentes, pregou um apostolado intensivo e lutou incessantemente pelo restabelecimento da paz, mediante visitas pessoais ou envio de cartas a diferentes políticos e governantes, conclamando o próprio papa - Gregório XI - a retomar o seu pontificado a partir de Roma. 

E o retorno do papa a Roma ocorreu em janeiro de 1377. Neste período, tem início os primeiros registros das conversações entre a sua alma e Deus, mais tarde transcritas na obra hoje conhecida como 'Diálogo'. Mas a paz na Igreja não seria longa, sendo marcada por novas revoltas e a morte em seguida de Gregório XI. Em Roma, os cardeais elegem Urbano VI; em Avignon, alguns cardeais franceses dão origem ao Grande Cisma do Ocidente, não aceitando o novo papa de Roma e elegendo o antipapa Clemente VII. 

A angústia e aflição diante destes fatos e da incerteza sobre o futuro da Igreja a acompanhariam até à sua morte prematura, ocorrida em 29 de abril de 1380, aos 33 anos de idade. Sua cabeça foi separada do corpo e é venerada na Basílica de San Domenico em Siena e o corpo encontra-se na Igreja de Santa Maria Sopra Minerva, em Roma. Catarina foi canonizada em 1461 pelo papa Pio II e declarada 'doutora da Igreja' pelo papa Paulo VI em 1970, apenas alguns dias depois da concessão da primeira e igual honraria dada à Santa Teresa de Ávila.

(túmulo de Santa Catarina de Sena)

quarta-feira, 28 de abril de 2021

28 DE ABRIL - SÃO LUÍS DE MONTFORT

 

Missionário do Espírito Santo e da Virgem Santíssima, São Luís Maria Grignion de Montfort foi o portador da graça divina de uma mensagem de transcendência extraordinária: a necessidade de uma devoção ardente à Mãe de Deus e do conhecimento da missão ímpar de Nossa Senhora no Segundo Advento do seu Filho.

Nasceu em 31 de janeiro de 1637 em Montfort (França), sendo ordenado sacerdote em 1700. Em 1706, foi recebido pelo Papa Clemente XI que, confirmando a sua vocação missionária, outorgou-lhe o título de 'Missionário Apostólico'. Nesta missão, combateu duramente a doutrina jansenista na França, que, crendo na predestinação, apresentava um Deus tirânico e sem misericórdia.

Fundou três instituições religiosas: a Companhia de Maria (congregação de sacerdotes missionários), as Filhas da Sabedoria (freiras dedicadas à assistência aos doentes nos hospitais e à instrução de meninas pobres) e os Irmãos de São Gabriel (congregação de leigos voltados para o ensino). Escreveu várias obras, dentre elas o 'Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem', referência básica da mariologia cristã. Morreu em 28 de abril de 1716, aos 43 anos e apenas 16 anos como sacerdote, em Saint-Laurent-sur-Sèvre (França). Foi beatificado em 1888 e canonizado em 1947, pelo Papa Pio XII.

terça-feira, 27 de abril de 2021

POEMAS PARA REZAR (XXXVIII)


Ato de Caridade

Que eu faça o bem e de tal modo o faça,
Que ninguém saiba o quanto me custou.
- Mãe, espero de Ti mais esta graça:
Que eu seja bom, sem parecer que o sou.

Que o pouco que me dês, me satisfaça
E, se do pouco mesmo, algum sobrou,
Que eu leve esta migalha onde a desgraça
Inesperadamente penetrou.

Que a minha mesa, a mais, tenha um talher,
Que será, minha Mãe, Senhora Nossa,
Para o pobre faminto que vier.

Que eu transponha tropeços e embaraços:
- Que eu não coma, sozinho, o pão que possa
Ser partido, por mim, em dois pedaços!

Djalma Andrade (1894-1975)

segunda-feira, 26 de abril de 2021

A VIDA OCULTA EM DEUS: DEUS FAZ A ALMA RECAIR À MISÉRIA ORIGINAL

 

Às vezes, ó meu Deus, depois de ter elevado a Vós a alma interior e feito com que se deleite das alegrias da Vossa intimidade, com leveza e mansidão, a faz abandonar de novo, e repentinamente, no poço da sua miséria natural. Então a escuridão a envolve, o frio toma conta dela e a paralisa, e ondas de amargura sobem aos seus lábios. E assim parece que toda a sua felicidade nada mais era do que um sonho. Ela se sente mais 'pecadora' do que nunca. Tudo nela parece sombrio e maculado. Nada é puro aos seus olhos, nem o que é, nem o que faz. Torna-se então um oceano de tristeza.

Quem sabe se nunca mais conhecerá a alegria dos dias felizes? Eles estão tão distantes e, em vez disso, o mal está aí, tão real, tão universal, tão tenaz e tão profundo! É verdade que ainda possui uma leve esperança no mais íntimo da alma, mas esta é tão tênue que ela mesma dificilmente ousa acreditar nela.

(Excertos da obra 'A Vida Oculta em Deus', de Robert de Langeac; Parte II -  A Ação de Deus; tradução do autor do blog)

domingo, 25 de abril de 2021

EVANGELHO DO DOMINGO

  

'A pedra que os pedreiros rejeitaram tornou-se agora a pedra angular' (Sl 117)

 25/04/2021 - Quarto Domingo da Páscoa

22. O BOM PASTOR 


No Quarto Domingo da Páscoa, Jesus se apresenta como o Bom Pastor: 'Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas' (Jo 10, 11). Jesus acabara de curar um cego de nascença e os fariseus o condenavam por ter praticado um milagre tão extraordinário num sábado. Mas o cego, superando a obstinação, a hipocrisia e as ameaças daqueles homens, não apenas viera reencontrar Jesus mas, como ovelha do Bom Pastor, prostrou-se diante dele e o adorou. Diante da multidão perplexa por estes fatos, Jesus projeta no cego curado as ovelhas do seu rebanho, e se apresenta como o Bom Pastor que acolhe as suas ovelhas com doçura extrema e infinita misericórdia, e que é capaz de dar a sua vida por elas.

Jesus, o Bom Pastor, conhece e ama, com profunda misericórdia, cada uma de suas ovelhas desde toda a eternidade: 'Eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem, assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai. Eu dou minha vida pelas ovelhas' (Jo 10, 14 - 15). Nada, nem coisa, nem homem, nem demônio algum, poderá nos apartar do amor de Deus. Porque este amor, sendo infinito, extrapola a nossa condição humana e assume dimensões imensuráveis. Ainda que todos os homens perecessem e a humanidade inteira ficasse reduzida a um único homem, Deus não poderia amá-lo mais do que já o ama agora, porque todos nós fomos criados, por um ato sublime e extraordinariamente particular da Sua Santa Vontade, como herdeiros dos céus e para a glória de Deus: 'Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. A Ele a glória por toda a eternidade!' (Rm 11, 36).

A missão do Bom Pastor é universal, porque o rebanho é universal e só um verdadeiramente é o Bom Pastor, que não abandona nunca as suas ovelhas: 'Haverá um só rebanho e um só pastor' (Jo 10, 16). Todos aqueles que ainda não se encontram no redil do Bom Pastor, a Santa Igreja, devem ser buscados como ovelhas desgarradas, para que se unam ao único rebanho e que, sob a voz do Bom Pastor, sejam conduzidas com segurança às fontes da água da vida (Ap 7, 17): 'Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância' (Jo 1, 10). Jesus nos convoca, assim, à missão de um apostolado universal, delegando a todos nós, os batizados, a enorme tarefa da evangelização para que se faça, no redil da terra, um só rebanho e um só Pastor.

Reconhecer-nos como ovelhas do rebanho do Bom Pastor é manifestar em plenitude a nossa fé e esperança em Jesus Cristo, Deus Único e Verdadeiro: 'Dai graças ao Senhor, porque ele é bom! Eterna é a sua misericórdia!' (Sl 117). Como ovelhas do Bom Pastor - a pedra angular (At 4, 11), que nunca nos será tirada, não nos basta ouvir somente a voz da salvação; é preciso segui-Lo em meio às provações da nossa humanidade corrompida, confiantes e perseverantes na fé, pois 'desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque o veremos tal como Ele é' (1 Jo 3, 2).

sábado, 24 de abril de 2021

NA HORA DA NOSSA MORTE...


'Os pensamentos dos mortais são tímidos, diz o Espírito de Deus, no livro da Sabedoria. Durante a vida, a alma, encerrada no corpo, só pode ver a verdade através dos órgãos espessos dos sentidos; e seu progresso é detido pelo peso da massa corruptível que a cerca. Porém, no momento, tão assustador para a natureza, em que o homem parece morrer, assim, liberta da prisão do corpo e dos laços dos sentidos, tal como um cativo livre de suas correntes, assim, a alma começa a gozar de si mesma, de toda sua inteligência e de sua sensibilidade. Não, o homem viveu apenas a metade durante sua vida mortal; a morte é o nascimento do homem à verdadeira vida.

Como não posso representar o espanto da alma, e a revolução que ela experimenta no momento em que, livre das sombras da mortalidade, ela percebe o primeiro raio de luz eterna e o espetáculo desconhecido do mundo invisível, das multidões inumeráveis de novas naturezas que aparecem ao seu olhar; os espíritos celestes, os anjos de trevas, as almas humanas que a precederam na eternidade; quando ela vê revelada todas as verdades, e aquelas que sua razão já tinha previsto, e aquelas que a fé lhe tinha indicado, e aquelas em que não se pode atingir agora o pensamento humano; quando ela percebe a majestade do Ser supremo, sua justiça, sua bondade, seu poder, sua imensidade, a verdade de suas ameaças e de suas promessas!

Todas as disputas do homem são esclarecidas; os mistérios são descobertos, a venda da fé cai. A alma não crê mais, ela vê; ela vê um Deus vingador ou recompensador, não mais como um enigma e através de uma nuvem, mas face a face, e tal como Ele é. Quão é, então, a consolação de uma alma que previu de longe os anos eternos! Quão doce repouso ela deve provar no instante onde, ainda perturbada pelas agonias de seu último combate, ela vê o mesmo Deus que ela crera sem vê-lo, o objeto de seu amor e o termo de sua esperança! Ela não chega a uma terra estrangeira; já lhe passara diante de si suas obras santas; seu coração avança com o seu tesouro.

Porém, ó surpresa! ó terror de uma alma que duvidava deste futuro, ou que nunca se ocupava dele, e que só aprende, em sua entrada na região eterna, os mistérios terríveis da eternidade! Infeliz! Ela consumira toda sua vida em recolher as vãs riquezas, vãs honras, ou prazeres ainda mais vãos. Ela dormiu seu sono, diz o profeta, e, em seu despertar, tudo se apagou ao seu redor, como os fantasmas de um sonho. Desprovida de todos estes apoios, só lhe resta apenas a espera de um julgamento inexorável. Ó sonho funesto! Ó assombroso despertar!

Na entrada do império eterno se levanta o tribunal onde o juiz soberano chama as almas que a morte lhe envia a todo instante, de todas as partes do universo. Seus julgamentos não têm a lentidão dos julgamentos humanos. Com a mesma rapidez que se vê o relâmpago iluminar do oriente ao ocidente, ele penetra as ações dos homens, os julga, os condena ou os absolve. A pele mortal mal descansou na sepultura, o calor da vida parece ainda amimá-la, e já a alma atravessou o abismo imenso que parece separar um e outro mundo. Já ela é julgada, já repousa no seio de Deus; ou ela é precipitada para sempre no fundo do abismo, ou ela é relegada por um tempo na morada de dor e de expiação que a justiça de Deus, conjuntamente com sua clemência, colocou entre os infernos e os céus. Se os momentos se contassem ainda na eternidade, qual tempo seria necessário para operar esta incompreensível revolução? O indivisível instante do último suspiro.

(Excerto de um sermão do Abade Beauvais)

sexta-feira, 23 de abril de 2021

O DOGMA DO PURGATÓRIO (V)


Capítulo V

Localização do Purgatório - Revelações dos Santos - Santa Teresa - São Luís Bertrand - Santa Maria Madalena de Pazzi

Santa Teresa tinha grande caridade para com as almas do Purgatório e as ajudava tanto quanto estava em seu alcance com as suas orações e boas obras. Em recompensa, Deus frequentemente mostrava a ela as almas que ela havia libertado; ela as via no momento de sua libertação do sofrimento e da sua entrada no céu. E, em geral, as almas saíam do seio da terra. 

'Recebi a notícia' - escreve ela - 'do falecimento de um religioso que havia sido o superior dessa província e depois de uma outra. Eu o conhecia e ele me prestou um grande serviço. Essa informação me causou grande inquietação. Embora este homem fosse louvável por muitas virtudes, fiquei apreensivo pela salvação de sua alma, porque ele havia ocupado o cargo de superior por um espaço de vinte anos, e sempre temo muito por aqueles que estão encarregados de cuidar das almas. Muito triste, fui a um oratório; ali invoquei nosso Divino Senhor para aplicar a este religioso o pouco bem que fizera durante a minha vida, e suprir o resto por seus infinitos méritos, a fim de que esta alma pudesse ser libertada do purgatório'.

'Enquanto eu implorava esta graça com todo o fervor de que era capaz, vi do meu lado direito esta alma sair das profundezas da terra e ascender ao céu em vórtices de alegria. Embora esse padre fosse avançado em anos, ele me pareceu com as feições de um homem que ainda não havia atingido a idade de trinta anos, e com um semblante resplandecente de luz. Esta visão, embora muito curta, deixou-me imersa em alegria e sem sombra de dúvida quanto à veracidade do que tinha visto. Como eu estava separada por uma grande distância do lugar onde esse servo de Deus havia terminado os seus dias, demorou algum tempo até que eu soubesse dos detalhes de sua morte edificante: todos aqueles que foram testemunhas disso não puderam olhar sem admiração como ele preservou a consciência até o último momento, as lágrimas que derramou e os sentimentos de humildade com os quais entregou s sua alma a Deus'.

'Um religioso da minha comunidade, um grande servo de Deus, estava morto há menos de dois dias. Estávamos rezando o Ofício dos Mortos para ele no coro; enquanto uma irmã fazia a leitura, eu estava de pé para rezar o versículo. Ao se chegar à metade da leitura, vi sair das profundezas da terra a alma deste religioso, como aquela de que acabei de falar, e ir para o céu'.

'Uma freira da minha comunidade, e uma grande serva de Deus, havia falecido há menos de dois dias. O Ofício dos mortos estava sendo celebrado para ela no coro: enquanto uma irmã fazia a leitura, eu ficava de pé para rezar o versículo. Na metade da leitura, vi a alma dessa religiosa sair, como aquela de quem acabei de falar, do fundo da terra e ir para o céu. Essa visão era puramente intelectual, enquanto a anterior se apresentou a mim sob a forma de imagens. Mas ambas me deixaram a alma com uma igual certeza'.

'Neste mesmo mosteiro, com a idade de dezoito ou vinte anos, acabara de falecer outra freira, verdadeiro modelo de fervor, perseverança e virtude. Sua vida tinha sido uma sequência de doenças e sofrimentos. sempre tolerados com paciência. Eu não tinha dúvidas de que, depois de ter vivido assim, ela não teria mais méritos do que precisava para estar isenta do Purgatório. No entanto, enquanto eu estava no serviço, antes de ser enterrada e cerca de quatro horas após sua morte, eu vi a sua alma também sair da terra e subir ao céu'. - É o que nos escreve Santa Teresa.

Um exemplo semelhante é relatado na vida de São Luís Bertrand, da Ordem de São Domingos. Esta leitura, escrita pelo Padre Antist, religioso da mesma ordem que conviveu com o santo, está inserida na Acta Sanctorum, no dia 10 de outubro: no ano de 1557, quando São Luís Bertrand residia no convento de Valência, a peste irrompeu nesta cidade. O terrível flagelo, em ondas sucessivas, ameaçava todos os habitantes e cada qual temeu pela sua vida. Um religioso da comunidade, Padre Clément Benet, desejando ardentemente preparar-se para a morte, fez uma confissão geral de toda a sua vida ao santo e, após a confissão, disse a ele: 'Padre, se agora for do agrado de Deus me chamar, eu haverei de voltar e tornar conhecido a você a minha condição na outra vida'. 

Ele morreu realmente pouco depois e, na noite seguinte, apareceu ao santo dizendo-lhe que ainda estava retido no Purgatório por algumas pequenas faltas ainda a expiar, implorando a sua recomendação à comunidade. O santo comunicou imediatamente este pedido ao Padre Prior, que se apressou em recomendar a alma do defunto às orações e súplicas por parte de todos os irmãos daquela congregação. Seis dias depois, um homem da cidade, que nada sabia do ocorrido no convento, vindo confessar-se ao padre Bertrand, revelou-lhe que 'a alma do padre Clément havia se manifestado a ele. Ele tinha visto a terra se abrir e a alma do falecido padre emergir dela toda gloriosa: parecia - acrescentou ele - como uma estrela resplandecente que se elevou no ar em direção ao céu'. 

Lemos na vida de Santa Madalena de Pazzi, escrita pelo seu confessor, o Padre Cépari da Companhia de Jesus, que esta serva de Deus foi testemunha da libertação de uma alma nas seguintes circunstâncias. Uma de suas religiosas já estava morta há algum tempo, quando a santa, encontrando-se em oração diante do Santíssimo Sacramento, viu a alma desta irmã emergindo da terra, mas ainda presa às prisões do Purgatório. Ela estava envolvida por um manto de chamas, abaixo do qual um vestido de alvura deslumbrante a protegia contra o calor muito forte do fogo; e ela permaneceu por uma hora inteira aos pés do altar, adorando, em indizível prostração, o Deus escondido sob as espécies eucarísticas. Essa hora de adoração, que Santa Madalena a viu fazer, foi a última de sua penitência; assim que esta hora expirou, sua alma se elevou e voou em direção ao céu.

Tradução da obra: 'Le Dogme du Purgatoire illustré par des Faits et des Révélations Particulières', 342p., do teólogo francês François-Xavier Schouppe, sj (1823-1904), 342 p., tradução pelo autor do blog)

quinta-feira, 22 de abril de 2021

DOCUMENTOS DE FÁTIMA (IX)

 Dos Manuscritos da Irmã Lúcia

Nos manuscritos da Irmã Lúcia, este trecho descreve uma experiência vivida pela testemunha de Fátima, pouco depois de ter sido instada pela Virgem para escrever o texto do Terceiro Segredo (ocorrida no convento de Tuy - na Espanha - em 3 de janeiro de 1944).

"E senti o espírito inundado por um mistério de luz que é Deus e Nele vi e ouvi,  - A ponta da lança como chama que se desprende, toca o eixo da terra, - Ela estremece, montanhas, cidades, vilas e aldeias com os seus moradores são sepultados - O mar, os rios e as nuvens saiem (saem) dos seus limites, transbordam, inundam e arrastam consigo num redemoinho, moradias e gente em número que não se pode contar, é a purificação do mundo pelo pecado em que se mergulha. - O ódio, a ambição provocam a guerra destruidora!"


"Depois senti no palpitar acelerado do coração e no meu espírito o eco duma voz suave que dizia. - 'No tempo, uma só fé, um só Batismo, uma só Igreja, Santa, Católica, Apostólica: - Na eternidade, o Céu!' Esta palavra 'Céu' encheu a minha alma de paz e felicidade, de tal forma que, quase sem me dar conta, fiquei repetindo por muito tempo, - O Céu! O Céu!"

quarta-feira, 21 de abril de 2021

QUANDO TUDO PARECER...

 

Quando tudo parecer mergulhar no vazio e num completo abandono...
... você precisa estar cheio dos dons do Espírito Santo.

Quando tudo parecer sem sentido e que o mal assola rudemente...
... você precisa construir o bem em cada gesto ou palavra.

Quando tudo parecer submergir na lama de um mundo cheio de pecado...
... você precisa rezar com confiança e mais perseverança.

Quando tudo parecer ficar perdido e submerso em trevas ameaçadoras...
... você precisa ser um raio de luz mais do que nunca.

Quando tudo parecer refletir apenas a maldade e a insensatez do mundo...
... você precisa ser um homem incomum entre os homens.

Quando tudo parecer desabar à sua volta e o desespero for sua única morada...
... você precisa olhar o Crucificado com mais certeza.

Quando tudo parecer conduzir a humanidade a um abismo sem fim...
... você precisa abrir caminhos sobre as nuvens.

Quando tudo parecer prover o coração de tanta loucura e insanidades...
... você precisa ser uma alma que se santifica a cada dia.

Quando tudo parecer conspirar para um caminho do homem sem Deus...
... você precisa estar com Deus em todos os caminhos.

Quando tudo parecer calcinar os seus afetos e sentimentos mais íntimos...
... você precisa colocar toda a sua confiança em Deus.

Quando tudo parecer ser o ódio entre os homens a marca da vida nesta terra...
... você precisa viver desde agora um amor da eternidade.

Quando tudo parecer fora de controle numa babel de confusão e incertezas...
... você precisa ser um paredão contra as vertigens.

Quando tudo parecer ser uma noite interminável de angústias e desesperança...
... você precisa ter a fé de dias luminosos.

Quando tudo parecer dominado pela peste, conflitos e pelo império da morte...
... você precisa estar preparado para o martírio.

Quando tudo parecer desmoronar, tudo sucumbir, tudo tornar-se apenas nada...
... você precisa ainda estar de pé diante da Cruz.

Quando tudo parecer estar sob o domínio do mal e de uma iniquidade extrema...
... você precisa ser a luz de Cristo neste mundo.

(Arcos de Pilares)

terça-feira, 20 de abril de 2021

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

'Amarás o Senhor teu Deus'. 'Teu Deus', está dito, e esta é uma razão para amar mais; gostamos mais do que nos pertence do que daquilo que nos é estranho. É certo, o Senhor teu Deus merece ser amado; Ele tornou-se teu servo, para que tu lhe pertenças e não te envergonhes de o servir. Durante trinta anos, o teu Deus tornou-se teu servo por causa dos teus pecados, para te arrancar da escravidão do diabo... Portanto, amarás o Senhor teu Deus 'com todo o teu coração'. 'Todo coração': não podes guardar nenhuma parte para ti. Ele quer a oferta total de ti próprio; comprou-te por inteiro, para te ter para si por inteiro. Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração...  Portanto, ama totalmente e não em parte. Porque Deus não tem partes, está inteiramente em toda a parte...  Portanto, queres possuir tudo? Dá-lhe o que és, e Ele te dará o que é. E não mais terás nada de teu; mas então o terás inteiramente contigo.
(Santo Antônio de Lisboa)

segunda-feira, 19 de abril de 2021

O DOGMA DO PURGATÓRIO (IV)


Capítulo IV

Lugar do Purgatório - Doutrina dos Teólogos - Catecismo do Concílio de Trento - São Tomás

Embora a fé nada nos diga de definitivo sobre a localização do Purgatório, a opinião mais comum, aquela que mais está de acordo com a linguagem das Escrituras e que é mais geralmente aceita entre os teólogos, é aquela que o situa nas entranhas da terra e não muito longe do Inferno dos réprobos. Os teólogos são quase unânimes, diz São Belarmino, em ensinar que o Purgatório, pelo menos o lugar de expiação por excelência, está situado no interior da terra e tanto as almas do Purgatório como as dos condenados encontram-se no mesmo espaço subterrâneo do abismo profundo que as Escrituras chamam de Inferno (De purgat. lib. 2. cap. 6).

Quando repetimos no Credo dos Apóstolos que, depois de sua morte, Jesus Cristo desceu ao Inferno - o nome Inferno, diz o Catecismo do Concílio de Trento (Catech. Rom., Cap. 6, § 1), compreende todos aqueles lugares secretos onde se encontram as almas que ainda não alcançaram a beatitude eterna. Mas essas prisões são de tipos diferentes. Uma delas é uma masmorra escura e sombria, onde os condenados são continuamente atormentados por espíritos malignos e por um fogo que nunca se apaga. Este lugar, que é o inferno propriamente dito, também é chamado de geena e abismo. Existe um outro Inferno, que retém o fogo do Purgatório. Ali as almas dos justos sofrem por um determinado tempo, para que possam ser inteiramente purificadas de suas faltas, para então ser acolhidas na pátria celestial, onde contaminação alguma pelo pecado pode entrar.

Um terceiro Inferno foi aquele no qual foram acolhidas as almas dos santos que morreram antes da vinda de Jesus Cristo, no qual desfrutaram de um repouso tranquilo e isento de dores, consolados e sustentados pela esperança de sua redenção. Elas eram aquelas almas santificadas que aguardavam Jesus Cristo no seio de Abraão, e que foram resgatadas quando Cristo desceu ao Inferno. Nosso Salvador infundiu de repente sobre elas uma luz muito brilhante, que os encheu de alegria infinita e deu-lhes a bem-aventurança beatífica, que é a visão de Deus. Cumpriu-se então a promessa de Jesus revelada ao bom ladrão: 'Hoje estarás comigo no Paraíso'.

'Uma opinião muito provável' - diz São Tomás - 'e que, aliás, é ratificada pelas palavras dos santos em revelações particulares, é que o Purgatório apresenta um duplo espaço de expiação. O primeiro está destinado às almas em geral e situa-se em profundezas maiores, próximo ao Inferno; o segundo abrange casos particulares, dos quais provêm as tantas aparições' (Suplemento, part iii, ques. ult.). O santo Doutor admite, portanto, como tantos outros que compartilham de suas opiniões que, às vezes, a Justiça Divina atribui um lugar especial de purificação a certas almas, e permite inclusive que elas apareçam para instruir os vivos ou para obter para as almas sofredoras os sufrágios de que precisam e, em outros casos, por outros desígnios da sabedoria e da misericórdia de Deus.

Essa é a visão geral sobre a localização do Purgatório. Visto que não estamos escrevendo um tratado contencioso, não adicionamos nem provas nem refutações; estas podem ser acessadas nas obras de autores como Suarez e Belarmino. Vamos nos atentar aqui à opinião sobre um inferno subterrâneo que nada tem a temer da ciência moderna pois uma ciência puramente natural é incompetente para resolver questões que pertencem, como esta, à ordem sobrenatural. Além disso, sabemos que os espíritos podem estar em um lugar ocupado por corpos, como se esses corpos não existissem. Qualquer que seja, então, o interior da terra, seja inteiramente de fogo como os geólogos defendem ser, seja em qualquer outro estado, não há nada que tal lugar não possa servir de permanência de espíritos, mesmo de espíritos revestidos com um corpo ressuscitado. O apóstolo São Paulo ensina-nos que o ar está repleto de uma multidão de espíritos malignos: 'temos de lutar ... contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares' (Ef 6,12). Por outro lado, sabemos que os anjos bons que nos protegem não são menos numerosos no mundo. Assim, se anjos e outros espíritos podem habitar a nossa atmosfera, sem que o mundo físico experimente qualquer variação, por que as almas dos mortos não poderiam habitar o seio da terra?

Tradução da obra: 'Le Dogme du Purgatoire illustré par des Faits et des Révélations Particulières', 342p., do teólogo francês François-Xavier Schouppe, sj (1823-1904), 342 p., tradução pelo autor do blog)

domingo, 18 de abril de 2021

EVANGELHO DO DOMINGO

 

'Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face' (Sl 4)

 18/04/2021 - Terceiro Domingo da Páscoa

21. TESTEMUNHAS DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR 


Neste Terceiro Domingo da Páscoa, os Evangelhos evocam mais uma das muitas manifestações de Jesus Ressuscitado aos discípulos reunidos no Cenáculo. Mesmo depois dos relatos das aparições de Jesus às santas mulheres, à Maria Madalena, ao próprio Pedro, e aos dois discípulos de Emaús, muitos ainda permaneciam incrédulos e continuavam a negar a ressurreição de Jesus. E o dogma da ressurreição, essência da fé cristã, não poderia conviver com tais dúvidas e não poderia prescindir da solidez confiante do testemunho de muitos e de todos.

Por isso, mais uma vez, Jesus se apresenta aos seus discípulos e os saúda com a paz de Cristo. Homens incrédulos responderam à saudação de Jesus como homens incrédulos: 'Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma' (Lc 24, 37). Turbados pela presença de Jesus, julgaram ver um espírito, um fantasma que atravessava paredes e portas fechadas. O temor e a desconfiança deles era tão grande que foram capazes, mais uma vez, de confundirem o mistério da graça com uma reação baseada na lógica simples da natureza humana. Jesus surgira do nada, e as portas estavam fechadas; tratava-se, pois, da aparição de um fantasma...

Jesus os conclama a compreender o mistério da graça: 'Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho. E, dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés' (Lc 24, 38 - 40). E, agora, movidos por uma incredulidade mais afeta à alegria pela confirmação da ressurreição de Cristo do que a descrença pelo sobrenatural, os discípulos oferecem a Jesus, a pedido dele, um pedaço de peixe assado: 'Ele o tomou e comeu diante deles' (Jo 24, 43). Não podia existir prova mais definitiva da real presença de Jesus Ressuscitado; em seu corpo glorioso, embora não precisasse de alimento algum, Aquele que antes comia e bebia com eles, estava de novo comendo com eles. Era o mesmo Jesus, Jesus Ressuscitado, não um espírito, não um fantasma.

Em seguida, após confirmar a sua missão salvífica, Jesus exorta os seus discípulos a serem, mais que as testemunhas singulares da Ressurreição, os continuadores de sua missão, constituindo-os sacerdotes da Igreja e herdeiros do seu sumo e eterno sacerdócio. Missão destinada a ser cumprida pelo ministério sacerdotal até o fim dos tempos, na busca da confirmação da obra universal da redenção e para a salvação e a santificação das almas: 'e no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sereis testemunhas de tudo isso' (Lc 24, 47 - 48).

sábado, 17 de abril de 2021

GALERIA DE ARTE SACRA (XXIX)

(pintura do 'Aleijadinho', considerada como provável 'retrato' do artista)

Antônio Francisco Lisboa, o 'Aleijadinho', nasceu por volta de 1730 em Ouro Preto, em Minas Gerais. Escultor, entalhador, carpinteiro e arquiteto, é considerado o maior representante do barroco mineiro, sendo conhecido por suas esculturas em pedra-sabão, entalhes em madeira e pelos projetos arquitetônicos de altares e de igrejas. Toda a sua obra foi realizada em Minas Gerais, especialmente nas cidades de Ouro Preto, Sabará, São João del-Rei e Congonhas. Os principais monumentos que contêm as suas obras são a Igreja de São Francisco de Assis de Ouro Preto e o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas. Apresentam-se a seguir as principais e mais conhecidas obras deste grande artista, portador de uma doença lenta, deformante e generalizada, que o fez inclusive perder os dedos das mãos e dos pés (daí a alcunha de 'Aleijadinho') e que o levou à morte em 1814.

(Igreja de São Francisco de Assis - Ouro Preto/MG, projetada pelo Aleijadinho, século XVIII)

(frontispício da Igreja de São Francisco de Assis - Ouro Preto/MG, esculpido pelo Aleijadinho)

(detalhe do frontispício da Igreja de São Francisco de Assis - Ouro Preto/MG)

(interior da Igreja de São Francisco de Assis - Ouro Preto/MG, projetado pelo Aleijadinho)

(imagem do altar-mor da Igreja de São Francisco de Assis, esculpida pelo Aleijadinho)

(cena do carregamento da cruz, Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG)

(detalhe da cena do carregamento da cruz, Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG)

(Cristo no Horto das Oliveiras, Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG)

(Cristo Flagelado, Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG)

(Nossa Senhora das Dores, Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG)

(12 Profetas,  adro do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG)

(Profeta Oseias, adro do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG)

sexta-feira, 16 de abril de 2021

TESOURO DE EXEMPLOS (64/66)

  

64. UM PECADOR SE CONVERTE

Diz Santa Brígida que 'assim como o magneto atrai o ferro, assim também Maria Santíssima atrai os corações a Deus'. É um fato. Um dia foi São Francisco Regis chamado para um enfermo que não queria de modo algum preparar-se para a morte. O infeliz negava-se a aceitar os socorros da religião, sabendo embora que o seu fim era iminente. 

Convencendo-se São Francisco de que os meios humanos eram inúteis, tirou de seu breviário uma imagem de Nossa Senhora e, mostrando-a ao enfermo, disse:
➖ Olha! Maria te ama.
➖ Como? - replicou o pecador - como se acordasse de um sonho - pois que ela não me conhece.
➖ Mas eu sei que ela te ama! - tornou o santo.
➖ Então ela não sabe que reneguei a minha fé e desprezei a minha religião?
➖ Sabe.
➖ Que insultei ao seu Filho e calquei aos pés o seu sangue?
➖ Sabe.
➖ Que estas mãos estão manchadas de sangue inocente?
➖ Sabe.
➖ Padre, o senhor fala a verdade?
➖ Sim; passarão os céus e a terra, mas a palavra de Deus não passará. Sabe, pois, que Deus disse outrora e te diz hoje ainda: 'Filho, eis aí tua Mãe!'
➖ Uma mãe, que me ama!... murmurava o pecador enternecido; minha mãe, minha... 

E copiosas lágrimas brotavam de seus olhos. Eram lágrimas de sincero arrependimento, verdadeira dor. Fez imediatamente uma confissão dolorosa e contrita de toda a vida. Recebeu com visível fervor a sagrada comunhão. Alguns dias depois, feliz e cheio de confiança, expirou no amor de Deus a quem fôra atraído por Maria.

65. ESCAPARAM DA GUILHOTINA

Foi em Paris, na época mais triste da Revolução Francesa. Para alguém ser preso e condenado à morte, bastava que o acusassem de monarquista ou católico intransigente. Também os pais de Júlia Janau, uma criança de 11 anos, foram presos por causa de sua religião. Júlia, que ficara só com uma velha criada, chorava dia e noite, temendo pela sorte de seus pais.

Em sua grande aflição, rezava continuamente o rosário à compassiva Mãe do Céu para que salvasse os seus pais. Essa devoção do rosário - ensinara-lhe sua boa mãe, dizendo-lhe que, em todo o perigo e necessidade, recorresse a Maria com muita confiança e seria socorrida. Estava a menina ajoelhada, rezando o seu rosário, quando um representante do partido revolucionário penetrou na casa à procura de mais alguma vítima para a guilhotina.

À vista daquela criança, inocente e tímida, o carrasco sentiu-se inexplicavelmente comovido. Dirigindo-se à pequena, perguntou:
➖ Que estás fazendo?
➖ Estou rezando o rosário por meus pais.
➖ O rosário?...
➖ Sim, para que reconheçam que eles são inocentes.

Ao pronunciar essas palavras, copiosas lágrimas corriam-lhe os olhos. Soluçando, ergueu, suplicante, as mãozinhas ao revolucionário que estava seriamente comovido. Num gesto de mansidão e de bondade, que havia muito não sentia, inclinou-se para a pequena de cabelos louros e, colocando-lhe a mão sobre os ombros, perguntou:
➖ E acreditas que a tua oração ajudará?
➖ Sim, foi a firme resposta - porque minha mãezinha me ensinou e minha mãezinha não mente.

O coração daquele homem rude e mau, enternecido diante de tamanha inocência e confiança, sentia já uma terna compaixão pela criança.
➖ Achas, boa menina, que teus pais são inocentes?
➖ Acho, sim; eles nunca fizeram mau algum.
➖ Pois bem; verei o que se poderá fazer por eles.
➖ Obrigado, senhor, por essa promessa. Ah! salvai meus inocentes pais; restituí pai e mãe a uma pobre criança abandonada.

A grande confiança de Júlia no poder da Rainha do Santo Rosário ficou gravada no coração daquele revolucionário; e como gozava de muita influência no tribunal, conseguiu que os acusados fossem absolvidos e restituídos à sua inocente filhinha, que, pela devoção a Maria, os livrara da morte.

66. OS TRÊS DEGRAUS DA FORCA

Era no tempo da famosa rainha Isabel que governou a Inglaterra de 1558 a 1603. Foi uma rainha cruel e mandou matar fria e injustamente a muitíssimos de seus vassalos simplesmente por serem católicos convictos e fervorosos. Entre as inúmeras vítimas de seu ódio satânico estava João Post, natural de Pereth (Cumberland), grande devoto da Mãe de Deus. Ainda na hora trágica da morte deu prova desta sua devoção.

Foi assim: Ao ser conduzido à forca, em presença de inúmeras espectadores, ajoelhou-se no primeiro degrau da forca e rezou em voz alta: 'O anjo do Senhor anunciou a Maria; e ela concebeu do Espírito Santo'. E rezou logo em seguida uma Ave-Maria. Subiu, depois, ao segundo degrau e rezou com voz forte: 'Eis aqui a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a vossa palavra'. E rezou outra Ave-Maria. Subiu, enfim, ao terceiro degrau, que era o último do cadafalso, ajoelhou-se pela última vez e rezou: 'E o Verbo de Deus se fez homem e habitou entre nós'. Rezou a terceira Ave-Maria, encomendando-se fervorosamente a Nossa Senhora.

Entregou-se então ao carrasco e sofreu heroicamente o martírio, sendo enforcado por causa de sua fé inabalável em Jesus Cristo e na santa Igreja Católica. Meu irmão, também nós estamos condenados à morte. Todos havemos de morrer. Pode-se dizer que nos aproximamos dela, subindo também três degraus: um pela manhã, outro ao meio-dia e o terceiro à tarde. Imitemos o exemplo desse santo mártir, rezando três vezes ao dia, como é costume entre os bons católicos, a oração do 'Anjo do Senhor'.

(Excertos da obra 'Tesouro de Exemplos', do Pe. Francisco Alves, 1958; com adaptações)

ver PÁGINA: TESOURO DE EXEMPLOS

quinta-feira, 15 de abril de 2021

O ÊXTASE DE SANTA TERESA DE ÁVILA

Deus é Amor Infinito que busca almas para incendiá-las com o seu Amor Divino... 'que pretensão a nossa a de querer impor limites Àquele que dá ilimitadamente os seus dons quando quer' (Livro da Vida, v.5, p.39). 

Gianlorenzo Bernini - O Êxtase de Santa Teresa de Ávila (1647-52)
Mármore, Cappella Cornaro, Santa Maria della Vittoria, Roma 

'Nosso Senhor ficou satisfeito por eu ter, por vezes, uma visão desse tipo: vi um anjo perto de mim, do meu lado esquerdo, em forma corpórea. Isso eu não estou acostumada a ver, a menos que muito raramente. Embora eu tenha visões de anjos com frequência, ainda os vejo apenas por uma visão intelectual, como eu já falei antes.

Foi vontade de nosso Senhor que nessa visão eu visse o anjo desta maneira. Ele não era grande, mas de pequena estatura e muito bonito – seu rosto queimava, como se ele fosse um dos anjos mais elevados, que parecem ser todos de fogo: devem ser aqueles a quem chamamos de querubins. Seus nomes eles nunca me dizem, mas vejo muito bem que existe no céu uma diferença tão grande entre um anjo e outro, e entre estes e os outros, que não consigo explicar.

Vi em sua mão uma longa lança de ouro e, na ponta do ferro, parecia haver um pequeno fogo. Ele me pareceu estar empurrando-o às vezes em meu coração e perfurando minhas próprias entranhas; quando ele puxou para fora, ele parecia atraí-los também, e me deixar toda em chamas com um grande amor de Deus. A dor era tão grande que me fez gemer; e, no entanto, tão extraordinária era a doçura dessa dor excessiva, que eu não podia querer me livrar dela.

A alma está satisfeita agora com nada menos que Deus. A dor não é corporal, mas espiritual; embora o corpo tenha sua parte nele. É uma carícia de amor tão doce que agora acontece entre a alma e Deus, que eu oro a Deus por Sua bondade para fazê-lo experimentar aquilo que pode pensar que estou mentindo. Durante os dias em que isso durou, era como se Ele estivesse ao meu lado. Eu não queria ver ou falar com ninguém, apenas acalentar minha dor, que era para mim uma felicidade maior do que todas as coisas criadas'.

(Excertos da obra 'Livro da Vida', v.5, Santa Teresa de Ávila)

quarta-feira, 14 de abril de 2021

A VIDA OCULTA EM DEUS: DEUS ABRASA A ALMA


O amor de Deus é uma chama ardente. Antes de transformar a alma, Deus a desfaz, queima, consome. Tudo o que é contrário a Ele deve desaparecer. Este período da vida interior é particularmente doloroso. É um momento de purificação: a alma é lançada no cadinho; todas as suas escórias sobem do fundo à superfície e então a alma vê toda a sua fealdade e se ressente do sabor cruel de tanta amargura. Às vezes, fica com a impressão de que essas manchas são inerentes a si mesma e que nunca poderá se ver livre delas. Mas, no fundo, a alma é bela porque é pura, e a percepção desse mal a horroriza.

Para quem simplesmente visse o efeito dessas duras tribulações, pareceria ver apenas a alma calcinada por este fogo misterioso, tenebroso, sem forma e sem beleza, que a desfigura e deforma. Todos os pensamentos que pouco a pouco tomaram conta de sua mente e moldaram sua imagem, todos os afetos que se infiltraram em seu coração e o tornaram semelhante ao seu ser, todas as lembranças que permearam sua memória até então, desaparecem por completo. Durante a provação, tudo foi ceifado, arrancado e queimado. 

A alma não é mais a mesma e, nesse sentido, torna-se irreconhecível. Ficou deformada por uma fealdade que resulta da privação de uma falsa beleza. Mas, na verdade, foi embelezada pela verdadeira beleza, por privar então da própria Beleza de Deus. Apenas o que é substituído foi destruído. E a alma interior, despojada de tudo o que formava a sua aparente riqueza, começou a se revestir da própria Beleza de Deus.

Para unir, o amor de Deus deve, antes de tudo, separar. E aqui não se trata mais de simplesmente afrouxar os laços que uniam a alma ao seu corpo, mas de penetrar no próprio íntimo da alma para libertar o que há de mais perfeito nela: 'o espírito', para que a união com Deus, que é Espírito, possa ser plenamente realizada. Segue-se então uma angústia dolorosa, deliciosa e inexprimível. É uma nova vida que se insinua nas profundezas da alma e que muda tudo nela. A alma não é mais reconhecida e se torna uma outra alma, embora ainda seja a mesma. A impressão da morte é tão vívida que clama por socorro, sabendo, entretanto, que não vai ser ouvida. Precisaria do céu para isso; só que ainda não chegou a sua hora.

(Excertos da obra 'A Vida Oculta em Deus', de Robert de Langeac; Parte II -  A Ação de Deus; tradução do autor do blog)