terça-feira, 26 de janeiro de 2021

TESOURO DE EXEMPLOS (46/48)


46. VALOR DIGNO DE IMITAÇÃO

O famoso orador P. Sarabia narra o seguinte fato: 'Vivíamos então em plena revolução comunista. As greves socialistas tinham envenenado os nossos operários e cada dia era maior o número dos que militavam sob bandeiras vermelhas. Eram muitos e muito ousados... porque os governos liberais não defendiam os direitos da ordem e da verdade.

Poucas eram as procissões, que, naquele tempo, saíam à rua; em algumas regiões, as poucas que saíam raramente voltavam à igreja em paz sem serem molestadas. Certo dia, em Bilbao, os católicos organizaram uma soleníssima procissão. Todas as forças católicas, levando as suas bandeiras e estandartes, haviam de subir ao santuário de sua rainha e Senhora, a Virgem de Begoña.

E marchavam aquelas filas intermináveis de fervorosos católicos, ao som de magníficos hinos religiosos, com a fronte erguida e o coração tranquilo... e marchavam como quem exerce um direito e representava a verdade e a glória. De repente ouve-se um tiro. Houve um momento de confusão. Soou outro tiro... e logo mais outro... Não restavam dúvidas, os ferozes socialistas estavam escondidos atrás de alguma sacada e dali descarregavam suas armas, impunemente, sobre os católicos. Houve um momento em que as filas se cortaram e alguns correram a esconder-se nas entradas das casas. Mas não foi mais do que um instante.

Logo os presentes se refizeram e subiam até a igreja à frente da santa imagem de sua Rainha e Senhora. E não eram poucos os valentes que se metiam pelas ruas e pelas casas à caça dos covardes que pretendiam estorvar o triunfo da Virgem. Contudo os tiros aumentavam. O alvo preferido era o estandarte da Imaculada carregado pela presidente das Filhas de Maria. Estava já várias vezes perfurado de balas.

Naquele solene e trágico momento, alguns moços marianos aproximaram-se da presidente e disseram-lhe: 'Quando sibilam as balas, as mulheres vão para casa ou para a igreja, e os homens ficam no campo de batalha...' Queriam, pois, que lhe entregassem o estandarte da Imaculada, que eles o defenderiam. Mas as Filhas de Maria agruparam-se em torno de sua bandeira e a heroica presidente respondeu-lhes: 'Levareis este estandarte da Virgem, quando eu e todas as Filhas de Maria tivermos morrido aos seus pés'. E os comunistas, encarniçados inimigos da religião, não puderam impedir que a majestosa procissão chegasse ao Santuário da Nossa Senhora de Begoña. Com que carinho de Mãe não terá recebido a todos a excelsa Rainha e Senhora!

47. DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA

I. Um dia estava o Santo Cura de Ars em êxtase diante de uma imagem de Nossa Senhora. Uma pessoa ouviu este diálogo:
➖ Boa Mãe, sabeis que não pude converter tal pecador. Dai-me sua alma, que por ela levarei o cilício durante oito dias.
Nossa Senhora respondeu:
➖ Eu te concedo isso.
Há outro filho vosso, muito infeliz, do qual nada pude conseguir. Prometo-vos jejuar por ele muito tempo, se me concederes a sua conversão.
➖ Eu te concedo isso também! -  respondeu a Virgem.

II. Ozanam, jovem de 18 anos e quase incrédulo, chegara a Paris. Um dia viu num canto da igreja um venerando ancião que rezava o rosário. Aproximou-se e o observou bem. Era o famoso sábio Ampère. Ozanam ficou comovido, ajoelhou-se e chorou em presença daquele espetáculo. Mais tarde costumava dizer: O rosário de Ampère produziu em mim mais fruto do que todos os sermões e livros de leitura.

48. UM GRANDE DEVOTO DE MARIA

O célebre presidente da República do Equador, Garcia Moreno, assassinado pela maçonaria em 1875, era devotíssimo de Nossa Senhora. Achando-se um dia entre operários irlandeses, que mandara vir dos Estados Unidos para montar uma serraria mecânica, interrogou-os sobre os costumes religiosos de seu país e perguntou-lhes se sabiam algum cântico em honra de Maria Santíssima.

Os bons irlandeses puseram-se logo a cantar. Garcia Moreno ouvia-os cheio de comoção. Terminado o cântico, perguntou:
➖ Vós, irlandeses, amais muito a Nossa Senhora?
➖ Sim, senhor, de todo o coração - responderam.
➖ Então, meus filhos, acrescentou o Presidente, ajoelhemo-nos e rezemos o rosário, a fim de que sempre preserveis no amor e no serviço de Deus.

E todos, ajoelhados ao redor do presidente, rezaram com grande fervor e com os olhos úmidos de pranto, a coroa mariana. Foi na devoção a Nossa Senhora que Garcia Moreno encontrou a força daquela fé viva que, diante dos assassinos, lhe pôs nos lábios, como um grito de desafio, a palavra memorável: 'Deus não morre!'

(Excertos da obra 'Tesouro de Exemplos', do Pe. Francisco Alves, 1958; com adaptações)

ver PÁGINA: TESOURO DE EXEMPLOS

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

Parece-me que deveríeis decidir-vos a fazer calmamente o que podeis. Não vos inquieteis com o resto, mas deixai nas mãos da divina Providência o que não podeis cumprir por vós mesmos. São agradáveis a Deus a solicitude e o cuidado que, com razoabilidade, pomos nas tarefas que nos competem, para conseguirmos concretizá-las da melhor maneira. Não lhe são agradáveis a ansiedade e a inquietação do espírito: o Senhor quer que os nossos limites e fraquezas encontrem apoio na sua fortaleza e onipotência, quer que tenhamos confiança em que a sua bondade suprirá a imperfeição dos nossos meios... Ele não quer que o homem se atormente com as próprias limitações; não é preciso cansarmo-nos excessivamente. Quando de fato nos esforçamos por dar o melhor de nós, podemos deixar o resto nas mãos daquele que tem o poder de realizar tudo o que quer. Que a bondade divina nos comunique sempre a luz da sabedoria, para que possamos ver com clareza e realizar a sua vontade com profunda convicção, em nós e nos outros... para que, das suas mãos, aceitemos o que nos envia, considerando o que é de maior importância: a paciência, a humildade, a obediência e a caridade.

(Santo Inácio de Loyola)

domingo, 24 de janeiro de 2021

EVANGELHO DE DOMINGO

 

'Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, vossa verdade
me oriente e me conduza! (Sl 39)

 24/01/2021 - Terceiro Domingo do Tempo Comum

9. PESCADORES DE HOMENS

Com a prisão e morte de João Batista, tem fim a Era dos Profetas e começa a pregação pública de Jesus sobre o Reino de Deus. O reino de Deus é o reino dos Céus, e não um império firmado sobre as coisas deste mundo. Cristo, rei do universo, começa a sua grande jornada pelos reinos do mundo para ensinar que a pátria definitiva do homem é um reino espiritual, que se projeta para a eternidade a partir do coração humano.

E esta proclamação vai começar por Cafarnaum e nos territórios de Zabulon e Neftali, localizada na zona limítrofe da Síria e da Fenícia, e povoada, em sua larga maioria, por povos pagãos. Em face disso, esta região era a chamada 'Galileia dos Gentios', e seus habitantes, de diferentes raças e credos, eram, então, objeto de desprezo por parte dos judeus da Judeia. E é ali, exatamente entre os pagãos e os desprezados, que o Senhor vai dar início à sua pregação pública da Boa Nova do Evangelho do Reino de Deus: 'O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!' (Mc 1, 15).

Nas margens do Mar da Galileia, Jesus vai escolher os seus primeiros discípulos, Simão e André e, logo depois, Tiago e João, filhos de Zebedeu, num chamamento imperativo e glorioso: 'Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens' (Mc 1, 17). Aqueles pescadores, acostumados à vida dura de lançar redes ao mar para buscar o seu sustento, seriam agora os primeiros a entrarem na barca da Santa Igreja de Cristo para se tornarem pescadores de homens, na gloriosa tarefa de conduzir as almas ao Reino dos Céus. 

Eis a resposta pronta e definitiva dos primeiros apóstolos ao chamado de Jesus: 'E eles, deixando imediatamente as redes, seguiram a Jesus' (Mc 1, 18) e 'Eles deixaram seu pai Zebedeu na barca com os empregados, e partiram, seguindo Jesus' (Mc 1, 20). Seguir a Jesus implica a conversão, pressupõe o afastamento do mundo, pois Jesus nos fala do Reino dos Céus. No 'sim' ao chamado de Jesus, nós passamos a ser testemunhas e herdeiros deste reino 'que não é desse mundo', e nos abandonamos por completo na renúncia a tudo que é humano para amar, servir e viver, prontamente e cotidianamente, o Evangelho de Cristo.

sábado, 23 de janeiro de 2021

A GNOSE E SUAS DOUTRINAS FALSAS (II)

Dissemos que a Gnose foi apareceu entre os homens pela primeira vez no Pecado Original. Antes de continuar, porém, é importante observar que ela se manifestou antes mesmo disso, na Queda dos Anjos. Pois, uma vez que a essência de uma coisa é determinada pelo seu fim último, podemos identificar a essência da Gnose como a tentativa da criatura de se divinizar. Isso, porém, já havia ocorrido com a rebelião dos anjos. Lúcifer e os outros anjos quiseram fazer-se como Deus, isto é, sem Deus: por seus próprios esforços naturais e sem ajuda. A consequência foi a queda e a transformação de anjos em demônios.

'Quis ut Deus?' respondeu São Miguel Arcanjo, visto que ninguém de fato é como Deus, mas esta era precisamente a afirmação de Lúcifer: ser como Deus, e é esta mesma afirmação que ele mais tarde propôs a Adão e Eva. A gnose remonta, portanto, em sua essência, aos primeiros momentos do universo, ao primeiro ato livre das criaturas racionais. Daí se desenvolveu ao longo dos séculos, assumindo proporções teológicas e morais cada vez mais amplas, percorrendo caminhos diferentes de acordo com as religiões e nações que visita: seja hinduísmo, budismo ou judaísmo; seja a nação persa, a nação egípcia ou qualquer outra.

Vamos nos concentrar na Religião Judaica, considerando, com Don Julio Meinvielle, que esta é a forma de Gnose mais influente no mundo moderno. A Gnose Judaica é uma perversão da Cabala. A Cabala, antes de sua perversão, constituiu a tradição oral do Antigo Testamento. A autêntica fé judaica, que se tornou fé católica com o advento do Senhor, tinha uma tradição dupla: uma tradição escrita e uma tradição oral, precisamente como a fé católica.

A tradição oral, isto é, a Cabala primordial, ensinava aos homens as verdades fundamentais da natureza e da graça necessárias para a salvação; falava da natureza de Deus e de seus atributos, de espíritos puros e do universo invisível; continha até ensinamentos sobre a Santíssima Trindade e a Encarnação de Nosso Senhor antes do seu Advento a este mundo. Esta sublime e mística Tradição, entretanto, passou por um processo de perversão sob a influência da Gnose egípcia. A Gnose egípcia remonta a três mil anos antes da vinda do Senhor e, portanto, ao início dos tempos. A perversão ocorreu durante o exílio do povo judeu no Egito no século 14 antes de Cristo, e depois na Babilônia no século 6 a.C. de uma forma ainda mais prejudicial.

Parte dessa influência consistia em práticas mágicas e outra parte em falsas doutrinas. As falsas doutrinas eram negações da Revelação Divina conforme contido na Fé Judaica pré-cristã e podem, portanto, ser consideradas heresias sensu lato. Esses erros se insinuaram na tradição oral judaica e representam um desenvolvimento das doutrinas gnósticas centrais. Examinemos duas destas doutrinas falsas: a transformação do homem em Deus e o monismo entre Deus e o homem. Vamos examinar essas duas doutrinas em seus vários desenvolvimentos, primeiro à luz da Fé, depois à luz da razão.

I. A transformação do homem em Deus

A doutrina da transformação do homem em Deus é elaborada como um processo de evolução e inclui os seguintes elementos:

(i) o surgimento de Deus, do mundo e do homem a partir do Nada
(ii) a reencarnação;
(iii) a evolução e a realização graduais de Deus e do homem

O surgimento de Deus, do mundo e do homem a partir do Nada

A fé nos ensina que Deus existe eternamente e não tem começo no tempo. Ensina-nos igualmente que o mundo e o homem não vieram a existir por si próprios, mas que Deus os criou e os fez do nada (ex nihilo), mas não do nada como de uma substância preexistente, mas do nada no sentido de que de fato não havia nada e nenhuma substância preexistente. Por outro lado, a razão humana nos ensina que nada pode surgir do nada, pois nada, por definição, não existe.

Reencarnação

Na Carta aos Hebreus (Hb 9,27), se lê: 'É destinado aos homens morrer uma vez, e depois disso, o julgamento'. Além disso, a fé nos ensina que a alma humana é capaz de um desenvolvimento positivo, mas não por meio de reencarnações repetidas, mas pela obra de aperfeiçoamento moral e santificação. A razão ensina que a reencarnação é impossível, pois cada alma humana é o princípio de seu próprio corpo humano: a alma humana não pode conformar um corpo não humano, e não pode conformar um corpo humano que não seja o seu.

A evolução e a realização graduais de Deus e do homem

A fé ensina que Deus é imutável e não muda. São Tiago escreve (Tg 1, 16-17): 'Não se iludam, portanto, meus queridos irmãos. Toda dádiva boa e todo dom perfeito procedem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de alteração'. A razão nos diz, além disso, que Deus é transcendente e imutável por definição. Se algo muda no homem, não é Deus. Acrescentamos uma última crítica lógica, válida para todas as três doutrinas evolucionistas, ou seja: o maior não pode derivar do menor: a substância não pode proceder do nada; Deus não pode proceder do homem; a alma não pode purificar-se por si mesma no curso de vidas sucessivas.

II. Monismo

O monismo entre Deus e o homem é elaborado na direção de três formas distintas de monismo: (i) um monismo ontológico entre Deus e o universo, onde o universo é considerado em certo sentido como divino (doutrina do panteísmo); (ii) um monismo moral onde o bem e o mal são considerados partes integrantes de uma realidade maior, que não permite nenhum princípio real de distinção entre eles. Este monismo moral é considerado, em última análise, como o próprio Deus; (iii) um monismo lógico no qual até mesmo a verdade e a falsidade se reconciliam uma com a outra.

Monismo entre Deus e o Universo (Panteísmo)

Nós respondemos a este erro como respondemos ao erro do monismo entre Deus e o homem. A fé ensina que Deus é criador: Credo in unum Deum, creatorem coeli et terrae. Deus é, portanto, totalmente independente do universo, que Ele criou com um ato livre de vontade. Não emanou dEle de acordo com a sua natureza; não veio necessariamente à existência. Além disso, a razão nos ensina que o conceito de Deus é um conceito de um ser essencialmente transcendente.

Monismo Moral

O monismo moral é, com efeito, concebido como a tese de que o bem e o mal são uma só coisa e que o mal existe em Deus. A fé nos ensina, em contraste, que o bem e o mal são princípios distintos, opostos um ao outro; que aderindo o homem ao bem , ele é salvo, e aderindo ao mal, ele é condenado. A fé ensina igualmente que Deus é infinitamente bom, o Pai das Luzes, para citar mais uma vez São Tiago (Tg 1, 13): 'Deus é inacessível ao mal e não tenta a ninguém'.

A razão, de acordo com a doutrina de São Tomás, ensina-nos que o bem e o mal não formam uma só entidade, visto que o bem é o próprio Ser, e o mal é a privação do bem. O mal não está em Deus, visto que Deus é infinita e necessariamente bom. Como já dissemos das outras perfeições de Deus, podemos dizer da sua bondade: se Ele não é bom, então Ele não é Deus.

Monismo Lógico

O monismo lógico afirma que o verdadeiro e o falso também constituem uma única realidade. A Gnose sustenta isso, por exemplo, em seu sincretismo, sustentando que todas as religiões e filosofias são iguais. A fé nos ensina, por contraste, que o verdadeiro e o falso são opostos, e o Senhor diz (Mt. 5,37): 'Mas seja a vossa palavra sim, sim: não, não; e o que está além disso provém do mal' .

A razão afirma que o falso é uma negação do verdadeiro. Como diz Aristóteles, é impossível que a mesma coisa, ao mesmo tempo e da mesma forma, seja verdadeira e falsa. Este é o princípio da não contradição, um dos primeiros princípios do pensamento e da metafísica. Se renunciarmos a esses primeiros princípios, renunciaremos à própria racionalidade e à própria possibilidade de compreender e explicar qualquer coisa.

Don Julio Meinvielle sustenta que o absurdo do monismo lógico - que o verdadeiro e o falso formam uma única realidade - é a consequência da absurda tese gnóstica de que o mundo, o homem e Deus emergem do nada. Diríamos, antes, que corresponde a todos os absurdos ensinados pela Gnose: a emergência do nada, a reencarnação, o desenvolvimento de Deus no mundo, o panteísmo, a chamada reconciliação entre o bem e o mal. Em última análise, o Monismo Lógico é o resultado da tese fundamental da Gnose: que o homem pode se tornar Deus. A irracionalidade desta tese resulta da rebelião da vontade contra a Verdade. A tese nada mais é do que a expressão máxima dessa rebelião.

(Excertos da obra 'The New Religion - Gnosis and the Corruption of the Faith', do Pe. Pietro Leone)

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

A GNOSE E A ANTI-RELIGIÃO (I)

O grande teólogo argentino Don Julio Meinvielle escreveu: 'Ao longo da história da humanidade, houve duas formas fundamentais de pensar e de viver: uma é católica e é a Tradição recebida de Deus, por meio de Adão, Moisés e Jesus Cristo: a outra é gnóstica e cabalística, que alimenta o erro de todos os povos, no paganismo e na apostasia, primeiro no judaísmo e depois no próprio cristianismo'.

O primeiro desses grandes sistemas de pensamento e vida é, então, a Fé Católica (incluindo sua fase pré-cristã), e o segundo é a Gnose. O primeiro é a única fé e religião verdadeiras. O segundo, constituindo também um corpo coerente de doutrinas, é essencialmente ateu e oposto à única religião verdadeira, podendo ser descrito como a Anti-Religião e a Anti- Religião por excelência. 

Como devemos definir a Gnose? A palavra 'gnosis' vem do grego e significa 'conhecimento'. Como veremos mais tarde, esse conhecimento é entendido como uma forma de conhecimento arcano voltado para a autodeificação do homem. A gnose, rival perene da fé católica, foi manifestada pela primeira vez entre os homens no evento conhecido como pecado original. 

Consideremos esse evento primordial, conforme narrado no livro de Gênesis: 'a serpente era mais sutil do que qualquer um dos animais da terra que o Senhor Deus havia feito. Ela disse à mulher: Por que Deus te ordenou que você não comesse de todas as árvores do paraíso? E a mulher respondeu-lhe, dizendo: Dos frutos das árvores que estão no paraíso comemos, mas do fruto das árvores que estão no meio do paraíso, Deus nos ordenou que não comêssemos; e que não devemos tocá-lo, para não morrermos. E a serpente disse à mulher: Não, não morrereis. Porque Deus sabe que, qualquer que seja o dia em que dela comerdes, os vossos olhos se abrirão; e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal. E a mulher viu que o fruto da árvore era bom para comer, muito agradável de se ver; e tomou dele e o comeu, e o deu ao seu marido, que também o comeu (Gn 3, 1-6).

O acontecimento aqui descrito, o do pecado original, sempre foi entendido e ensinado pela Santa Igreja como um acontecimento real da parte do primeiro casal humano, Adão e Eva. Foi um pecado de orgulho e desobediência a Deus, causado pela sedução do diabo em forma de serpente: uma ação que, na medida em que foi realizada por representantes de toda a humanidade, trouxe prejuízo não só para eles, mas igualmente para toda a humanidade. Este evento constitui ao mesmo tempo o paradigma da Gnose.

Em primeiro lugar, observamos que a Gnose se baseia na negação da Revelação Divina, na negação da Palavra de Deus, ou seja, que a morte será a consequência de se comer o fruto proibido. Por esta razão, pode ser descrito como herética, mesmo que não seja herético no sentido típico e formal de negar um dogma da fé. Examinemos o sistema da Gnose à luz da Fé Católica: primeiro em sua teologia, depois no conhecimento que pretende oferecer ao homem e, finalmente, em sua moralidade.

I. Teologia Gnóstica

A principal característica da teologia gnóstica é o monismo. A razão para isso é simples: se o homem pode se tornar Deus por meio de seus próprios esforços, o homem deve participar da natureza de Deus: o homem e Deus devem possuir uma única natureza, diferenciada apenas de acordo com o grau e perfeição dessa natureza.

A teologia gnóstica é monística, a passo que a teologia católica, em contraste, é dualista, ensinando que o homem e Deus possuem duas naturezas diferentes: uma natureza humana e uma natureza divina. Essas duas naturezas não se diferenciam apenas e essencialmente de acordo com o seu grau de perfeição, mas sim em sua diversidade ontológica. Além dessa principal característica - o Monismo - a Gnose inclui outra característica - a chamada imanência, pois se o homem e Deus possuem a mesma natureza, se eles não são distintos em sua natureza, então Deus deve ser imanente ao homem.

Em contraste, a filosofia e a teologia católicas ensinam que Deus é transcendente ao homem e, de fato, a todo o universo: a filosofia ensina que Ele está absolutamente acima e além do universo: absolutamente independente dele; a teologia ensina o mesmo com base no dogma professado no Credo de que Deus é o Criador e Juiz do mundo; Ele, que criou o mundo por um ato perfeitamente livre da sua vontade, é também o seu Mestre e Juiz.

Outra característica da teologia gnóstica é a mutabilidade de Deus. Segundo a Gnose, o homem se torna Deus, de modo que, em certo sentido, há um certo movimento e mutabilidade em Deus. A filosofia e a teologia católicas, por outro lado, ensinam que em Deus não há mutabilidade, nem movimento, nem mudança, pois Deus é o próprio Ser, a plenitude do ser, Puro Ato em quem tudo se atualiza.

Em conclusão, então, vemos três erros na teologia gnóstica: o Monismo em contraste com o Dualismo; imanência absoluta em contraste com transcendência; mutabilidade em contraste com a imutabilidade de Deus, ato puro. Observamos que, em relação ao segundo ponto, que a doutrina da imanência absoluta de Deus é logicamente insustentável. Isso porque o conceito de Deus, aprofundado pela reflexão teológica, é um conceito de um Ser necessariamente transcendente ao mundo. Se negarmos a transcendência de Deus, postulando que Ele é unicamente imanente ao mundo, negamos efetivamente a sua própria existência. O mesmo se aplica aos outros erros teológicos da Gnose: o monismo entre Deus e o homem e a mutabilidade de Deus.

II. Conhecimento Gnóstico

Em relação aos tipos de conhecimento pelo qual a Gnose afirma divinizar o homem, podemos fazer as seguintes observações:

(i) o conhecimento a que se refere a passagem do Gênesis consiste em dois tipos: o primeiro tipo é o conhecimento de como ser deificado, o conhecimento de se servir de um meio para um fim: isto é, o conhecimento de uma prática particular; o segundo tipo de conhecimento é o fim proposto a Adão e Eva: o Conhecimento do Bem e do Mal;

(ii) o conhecimento (em ambos os casos) é puramente natural;

(iii) é  distinto da vontade, pois não é objeto do exercício da vontade ou de qualquer ação;

(iv) é buscado para o prazer, acima de tudo para o prazer sensual: 'o fruto da árvore era agradável aos olhos e bom de se comer';

(v) é misterioso: não é acessível a todos, mas oculto, na verdade intencionalmente oculto por Deus, afirmam eles, por motivos questionáveis do próprio Deus.

Vamos comparar este conhecimento oferecido aos nossos primeiros pais pelo diabo com o conhecimento de Deus oferecido ao homem pela Religião Católica:

(i) o conhecimento de Deus, oferecido ao homem pela Religião Católica, também é de dois tipos: o primeiro tipo é a própria Fé, que é um meio para alcançar o fim último do homem no Céu; o segundo é a visão beatífica, que constitui esse fim último. O conhecimento de Deus, em ambos os casos, é o conhecimento da Santíssima Trindade, um conhecimento que é, portanto, infinitamente superior ao oferecido a Adão e Eva;

(ii) este conhecimento é sobrenatural: uma iluminação do intelecto por meio da Graça e da Glória respectivamente; ao passo que, como já dissemos, o conhecimento oferecido a Adão e Eva é de ordem puramente natural;

(iii) o conhecimento de Deus é direcionado para o exercício da vontade na caridade: para realizar cada ação de cada um e para conduzir toda a sua vida pelo amor de Deus durante este exílio terreno, e no seu final para descansar e se deleitar em Deus no paraíso;

(iv) o prazer não é a razão para se buscar o conhecimento, mas é a consequência de ter agido de acordo com esse conhecimento levando-se uma vida virtuosa;

(v) finalmente, o conhecimento de Deus nesta vida, ou seja, a Fé, não é misterioso, nem escondido por Deus, mas revelado ao homem, com o mandato de anunciá-lo a todo o mundo.

Concluindo, então, vemos que o conhecimento gnóstico nada mais é do que uma sombra pálida e um substituto enganoso do verdadeiro conhecimento de Deus: seu objeto não é a Santíssima Trindade, seu modo não é sobrenatural; é divorciado das boas obras, buscado pelo prazer e falsamente apresentado como o verdadeiro bem.

III. Moralidade Gnóstica

Vamos finalmente examinar a moralidade gnóstica como ela se manifesta na passagem do Gênesis, comparando-a com a teologia moral católica:

(i) definimos Gnose como um sistema de autodeificação e, como tal, está em oposição ao Cristianismo, que ensina que a deificação do homem procede somente de Deus;

(ii) o primeiro tipo de deificação consiste na transformação do homem em Deus pela perda de sua identidade; o segundo tipo implica a sua participação em Deus, ainda que mantendo a sua identidade;

(iii) no primeiro caso, o homem se faz Deus: sem Deus, no lugar de Deus e apesar de Deus (São Máximo, o Confessor); no segundo caso, o homem é deificado ao se humilhar diante de Deus;

(iv) o primeiro surge por meio de esforços naturais; o segundo, pela graça sobrenatural de Deus;

(v) o primeiro é uma forma de autodeterminação; o segundo é uma determinação efetuada por Deus;

vi) o primeiro tem origem no conhecimento natural e, como é o caso de todo conhecimento natural, é dominado pelo sujeito e nele absorvido; o segundo tem origem no conhecimento sobrenatural ao qual o objeto deve se sujeitar, sacrificando seu intelecto à Verdade absoluta;

(vii) o conhecimento gnóstico está divorciado das boas obras; o conhecimento católico é essencialmente governado por elas;

(viii) o primeiro é motivado pelo prazer; o segundo, pelo amor;

(ix) o primeiro é acessível apenas a uma elite; o segundo, a todos os homens.

Em síntese, o primeiro é caracterizado pelo orgulho e egoísmo e o segundo, pela humildade e sacrifício. Em suma, pode-se dizer que a Gnose é o egoísmo elevado ao status de religião. A gnose capacita o homem a ser como Deus em um sentido, ou seja, no exercício de seu livre arbítrio para fazer o que deseja, mas ao custo da bem-aventurança eterna. A fé católica, por outro lado, permite ao homem tornar-se semelhante a Deus no exercício de seu livre arbítrio, em harmonia com a ordem estabelecida por Deus: a ordem do objetivo verdadeiro e bom, com o propósito de conhecer e amar a Deus aqui na terra. e depois no paraíso.

No Jardim do Éden existem duas árvores: a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal e a Árvore da Vida. Para comer dos frutos da primeira árvore, o orgulho é necessário; para comer dos frutos da segunda árvore, basta o sacrifício. A primeira representa a Gnose, a rival perene da fé católica; a segunda representa a fé: pois a segunda é a árvore da cruz, cujos frutos são todas as graças e bênçãos de Deus aqui na terra e as alegrias eternas do céu. Para possuí-los, porém, é necessário passar por sofrimentos e sacrifícios, tomando a nossa cruz e levando-a nos passos de Nosso Senhor, a quem seja dada toda honra e toda glória para todo o sempre. Amém.

(Excertos da obra 'The New Religion - Gnosis and the Corruption of the Faith', do Pe. Pietro Leone)

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

20 DE JANEIRO - SÃO SEBASTIÃO

São Sebastião foi um oficial romano, do alto escalão da Guarda Pretoriana do imperador Diocleciano (imperador de Roma entre 284 e 305 de nossa era e responsável pela décima e última grande perseguição do Império Romano contra o Cristianismo), que pagou com a vida sua devoção à fé cristã. Denunciado ao imperador por ser cristão e acusado de traição, foi condenado a morrer de forma especial: seu corpo foi amarrado a um tronco servindo de alvo a flechas disparadas por diferentes arqueiros africanos.

Primeiro Martírio: São Sebastião flechado

Abandonado pelos algozes que o julgavam morto, foi socorrido e curado e, de forma incisiva, reafirmou a sua convicção cristã numa reaparição ao próprio imperador. Sob o assombro de vê-lo ainda vivo, São Sebastião foi condenado uma vez mais sendo, nesta sua segunda flagelação, brutalmente açoitado e espancado até a morte. O seu corpo foi atirado num canal de esgotos, de onde foi depois retirado e levado até as catacumbas romanas. Suas relíquias estão preservadas na Basílica de São Sebastião, na Via Apia, em Roma. É venerado por toda a cristandade como modelo de vida cristã, mártir da Igreja e defensor da fé e como padroeiro de diversas cidades brasileiras, incluindo-se o Rio de Janeiro. Sua festa é comemorada a 20 de janeiro, data de sua morte no ano 304.

Segundo Martírio: São Sebastião espancado até a morte

SOBRE A IMPUREZA

São Tomás diz que, devido a todos os vícios, mais especialmente pelo vício da impureza, os homens são lançados para longe de Deus. Além disso, os pecados da impureza em virtude do seu grande número são um mal imenso. 

Um blasfemador nem sempre blasfema, mas só quando está bêbado ou quando é provocado pela ira. O assassino cujo trabalho é matar os outros, em geral não comete mais que oito ou dez homicídios, mas os impuros são culpados de uma torrente incessante de pecados, por pensamentos, por palavras, por olhares, por complacências, e por toques, de modo que, quando vão a confissão eles acham impossível dizer o número de pecados que cometeram contra a pureza.

De acordo com São Gregório, a partir da impureza surgem a cegueira do entendimento, a destruição, o ódio a Deus e o desespero quanto à vida eterna. Santo Agostinho diz que, embora os impuros possam envelhecer, o vício da impureza não envelhece neles. Por isso Santo Tomás diz que não há pecado em que o diabo se deleite tanto como neste pecado, porque não há outro pecado a que a natureza se apegue com tanta tenacidade. Ela adere ao vício da impureza tão firmemente que o apetite por prazeres carnais se torna insaciável. Vá agora, e diga que o pecado da impureza não é mais que um pequeno mal. Na hora da morte, você não dirá isso, todos os pecados dessa espécie lhe aparecerão como um monstro do inferno.

São Remígio escreve que, exceto as crianças, o número de adultos que são salvos é pequeno, por causa dos pecados da carne. Em conformidade com essa doutrina, foi revelado a uma santa alma que como o orgulho encheu o inferno de demônios, da mesma forma a impureza o enche de homens.

Caríssimos irmãos, continuemos a orar a Deus para nos livrar desse vício, senão perderemos nossas almas. O pecado da impureza traz com ela a cegueira e obstinação. Todos os vícios produzem sombras no entendimento, mas a impureza produz em maior grau do que todos os outros pecados'

(Santo Afonso Maria de Ligório)

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

VISÕES E REVELAÇÕES - SOEUR DE LA NATIVITÉ (III)

 

Soeur de la Nativité ou Irmã da Natividade ou Jeanne Le Royer (1731-1798)
 Religiosa Urbanista (Clarissa) de Fougères (França)

A Igreja Antes do Anticristo

(O espírito de Satanás se levantará contra a Igreja por meio de ligas, assembleias e sociedades secretas...)

'Os asseclas de Satanás, habitantes das sombras, irão elaborar e publicar muitas obras cheias de malícias e críticas contra a santa religião, todas imbuídas de espírito satânico [muitos destes livros serão de conhecimento inicial apenas dos adeptos de uma dada seita ou sociedade secreta]. Ó quanto mal causarão estes livros malditos para os que o leiam, mal mais contagioso que a peste! Mas tudo vai levar muito tempo e acontecerá na penumbra, envolto em segredo inviolável. Será como um fogo que queima por baixo, silenciosamente; se espalhará aos poucos e que será tanto mais perigoso para a Santa Igreja, pois não será notado de imediato. Alguns sacerdotes, no entanto, perceberão a fumaça deste maldito incêndio. 

É este o estratagema de Satanás, pelo qual os infelizes adeptos dessa doutrina instruirão uns e outros, dizendo: 'Sejamos cuidadosos, para não sermos descobertos... não vamos revelar o nosso segredo a ninguém... vamos fingir que acreditamos e sermos submissos como crianças indefesas... vamos sempre agir com paz e mansidão... fingirmos que somos obedientes à Igreja e a Deus e, assim, eles nos verão com bons olhos e sem aversão'. E, assim, permanecerão escondidos em lugares subterrâneos e ermos, para irromperem depois como legisladores de Satanás.

Quando estes escarnecedores tomarem conta que conquistaram um grande número de discípulos, um número tão grande quanto o de um grande reino, então esses lobos vorazes sairão de suas cavernas, vestidos com peles de ovelha. Mas serão lobos de verdade, famintos e raivosos, prontos para devorar as almas! Ó como tenho pena da Igreja, e como a Santa Igreja terá que sofrer! Ela será atacada por todos os lados, por estranhos e também pelos seus próprios filhos que, como víboras, rasgarão suas entranhas e ficarão ao lado de seus inimigos.

Eles então farão valer a sua lei maldita, que será escrita, assinada e aprovada por todos os seus cúmplices, mas que será mantida escondida e de leitura revelada apenas nos lugares onde eles se reúnem escondidos. Ela somente será divulgada a todos alguns anos antes da chegada do Anticristo. Vejo em Deus que muitos sacerdotes serão surpreendidos com tais mudanças e que muitos ficarão dominados pelo medo na incerteza de como isso tudo irá acabar... 

Vejo em Deus que um grande Concílio será realizado pela Igreja, sob a luz do Espírito Santo, que mostrará, então, a maldade destes traidores e escarnecedores, colocados a descoberto! Com que dor e agitação vejo a Santa Igreja de repente perceber os avanços dessa gente ímpia (e descobrir que o inimigo não veio plantar o joio no campo fértil da Igreja durante a noite!), a sua extensão e o número de almas que atraíram para as suas ciladas! [A Irmã da Natividade assinala que muito tempo passará, cerca de meio século mais ou menos, desde o momento em que essa heresia começará a ser imposta até o momento da Igreja perceber a sua magnitude. No início, essa heresia parecerá magnífica. Ela se imporá por sua aparência de bondade e até de religião. Será uma armadilha sedutora para muitos]. 

Por curiosidade, as maiores vítimas destes ímpios e das maquinações do diabo serão aquelas pessoas vacilantes na fé e que se entregam facilmente a quaisquer inovações religiosas. Nunca se terá visto tanto engano disfarçado de boas intenções religiosas... Esses orgulhosos hipócritas farão belos discursos para atrair almas vaidosas e curiosas e estas vão embarcar em todas essas novidades e serão apanhadas com mais facilidade do que peixes na rede.

Para evitar tantos infortúnios, será necessário, com a ajuda da graça, apegar-se incondicionalmente à fé. Sempre será necessário lembrar as primeiras crenças, para que a santa lei de Jesus Cristo permaneça, até o último suspiro, como amparo e regra de nossa conduta... Por amor de Deus, devemos colocar sempre o nosso amor e nossa esperança em Deus e em nossa mãe, a Santa Igreja, e rejeitar essas inovações extraordinárias'.

(Revelações de Jesus à Irmã Jeanne le Royer - Soeur de La Nativité, 1731 - 1798)

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

PALAVRAS ETERNAS (IX)

'Omnes qui pie volunt viver in Christo Jesu persecutionem patientur'
(2Tm 3, 12)


'Todos os que quiserem viver piedosamente em Jesus Cristo terão de sofrer perseguições'

domingo, 17 de janeiro de 2021

EVANGELHO DE DOMINGO

  

'Eu disse: “Eis que venho, Senhor!” Com prazer faço a vossa vontade
(Sl 39)

 17/01/2021 - Segundo Domingo do Tempo Comum

8. APÓSTOLOS SOB A CÁTEDRA DE PEDRO


Estando naquele dia em presença de dois dos seus discípulos mais amados, João Batista vai manifestar, uma vez mais, o testemunho do Messias, aquele de quem dissera pouco antes: 'Eu não sou digno de desatar-Lhe as correias das sandálias' (Jo 1, 27). A grandeza do Precursor é enfatizada por Jesus naquele que recebeu privilégios tão extraordinários para ser o profeta da revelação de tão grandes mistérios de Deus à toda a humanidade: Jesus Cristo é o Unigênito do Pai, o Filho de Deus Vivo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E, desta vez, dá testemunho direto dEle, 'vendo Jesus passar' (Jo 1, 35): 'Eis o Cordeiro de Deus!' (Jo 1, 36).

Ao ouvir estas palavras, André e João, não vacilam um único instante e tomam a firme disposição de seguir Jesus. Seguir Jesus! Eis aí o amoroso convite de Jesus a todos os homens: assumir o jugo suave do Senhor em todos os nossos caminhos, ao longo de toda a nossa vida! Para seguir Jesus, temos que responder a pergunta dos dois discípulos que ecoa pelos tempos: 'Onde moras?' (Jo 1, 38). Onde moras, Jesus? Seguir Jesus é ir onde Jesus está, para que Jesus possa morar em nós. Eis o mistério da graça que cada um deve percorrer nesta vida para a plena busca da Verdade e a contemplação definitiva do Reino de Deus.

Mas os dois discípulos fizeram ainda mais do que isso; o zelo e o fervor pelos novos ensinamentos do Messias fizeram deles os primeiros apóstolos. E a Verdade exaltada, vivida e compartilhada pela pregação humana das primícias do apostolado cristão vai chegar a ninguém menos que Simão Pedro, irmão de André, e que viria a ser a pedra angular da futura Igreja de Cristo. Pedro não vacilou também, não fez concessões e nem imposições, mas acreditou! E imediatamente foi ter com Jesus.

Jesus, que conhecia Pedro desde a eternidade e Pedro, que nascia para a eternidade, estavam juntos pela primeira vez: 'Tu és Simão, filho de João; tu serás chamado Cefas' (Jo 1, 42). Jesus estabelece neste primeiro momento, a vinculação direta entre a ação do apostolado e a pedra (Cefas) fundamental sobre a qual haveria de edificar a sua Igreja, mistério da graça muito além da possível percepção histórica daqueles homens. O apostolado é, pois, missão inerente a toda a cristandade e deve estar indissoluvelmente ligada à pedra fundamental da Igreja, como dizia Santo Ambrósio de Milão: 'Não podem ter a herança de Pedro os que não vivem sob a cátedra de Pedro'.

sábado, 16 de janeiro de 2021

CARTAS A MEU PAI (IX)

Pai:

quantos de vossos filhos procuram aqui e ali alguma palavra de alívio e de consolo diante de uma realidade que os esmaga, diante o mundo que se desmorona à sua volta, diante uma pandemia que assola os bons e os maus, diante uma tragédia que ceifa vidas e cotidianos. O que se pode dizer a eles, a não ser Vos buscar ainda com mais fervor e perseverança?

Como explicar de forma serena, no contexto da virtude dos primeiros cristãos e dos milhares de mártires de então, que bispos e sacerdotes acolham subservientes e dóceis, alegando como imposições razoáveis, a suspensão do Santo Sacrifício? Se a Missa é o sol da Igreja - como dizia São Francisco de Sales -  como a Igreja pode viver sem o sol, sem a luz de Cristo, sem o exercício do ato mais sagrado da nossa religião, sem o mistério inconcebível da graça da glória maior a Deus?

Que fosse proibido viver, mas não Vos fosse proibido ser dado aos homens porque, sem a Missa, não existe a Igreja de Cristo e, sem a Igreja de Cristo, os homens estão irremediavelmente perdidos. Não, o mundo não se desmorona à nossa volta ainda, mas vai começar a se desfazer em pedaços a partir de agora. Mais do que nunca, os Vossos filhos estão morrendo sozinhos e abandonados, sem receber os últimos sacramentos, sem a presença de um sacerdote que precisa se proteger (?) do flagelo que se abate sobre o mundo e sobre a Igreja. 

O que se pode dizer a estes vossos filhos angustiados, se o Vosso exército se cala e se esconde atrás de quartos e salas fechadas e em igrejas vazias, sustentando igualmente a fé vazia de missas em redes sociais? Sob a ditadura do medo, vivemos. Sob o escárnio da supressão das liberdades individuais e coletivas, vivemos. Sob a imposição de rituais de confinamento da humanidade inteira, vivemos. Vivemos como zumbis e como escravos. Morremos como cristãos, e morremos para Cristo.

Ainda que o vírus e a pandemia fossem dezenas de vezes mais letais, nada se compara ao valor infinito de uma única Missa rezada. O grande pecado dessa geração dos homens é a sua infinita covardia e a sua subserviência ao medo, pela absoluta inércia diante do pecado, das perseguições e dos poderes das trevas. A Igreja de Cristo e o mundo são adversários irreconciliáveis e, no momento em que se tornam parceiros, ou o mundo acabou ou a Igreja de Cristo se vendeu ao mundo.

Nada, coisa alguma, poder civil nenhum poderia ter tal autoridade sobre a proibição do Culto Divino, contra a oferenda bimilenar dos fieis católicos de prestar o devido culto a Deus. Nada poderia ou deveria ser instrumento da subserviência da Igreja ao Estado na suspensão da Missa aos fieis. Nada. Absolutamente nada. Ai daqueles que se acovardam diante as imposições dos homens: como poderão ficar de pé diante o juízo de Deus?

Há um mérito enorme na assistência da Santa Missa em tempos de paz, nos tempos das flores e da primavera, na disponibilidade do templo santo a 50m de casa. Mas, cessados os regalos do mundo, qual é o preço que ousamos pagar para assistir presencialmente e com devoção a Santa Missa? O preço de muitos tem sido a comodidade e o indiferentismo por décadas. O medo e a covardia diante de um vírus  obscuro e maldito é o custo selado de uma geração inteira. Conseguimos finalmente o apogeu de nossa herança mundana: tornar a nossa fé ainda mais ínfima que um vírus!

Pai, o que se pode dizer mais a estes Vossos filhos que ainda mantêm a fé como chama viva e duradoura? Mais do que nunca, que sejam ainda mais conscientes de sua fé cristã e perseverantes na doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo. E muito, muito importante, não tenham medo, não se desesperem com o que virá, com o dia de amanhã, com o que pode acontecer. 

O que dizer a eles, senão que os esperam grandes e recorrentes provações? Que as cortinas dos tempos se fecham inexoravelmente à nossa volta, para dar fim a uma humanidade tão pecadora e tão afastada de Deus? Que ser e se manter cristão nos tempos de hoje será, sem dúvida, uma tarefa de enormes sacrifícios e muito provavelmente de martírios? Que todos sejam homens e mulheres de oração, de oração constante, despojada, perseverante e em total abandono à Santa Vontade de Deus? Tudo isso é o que eu poderia lhes dizer e algo mais do que isso: que volvam o olhar e o coração a Nossa Senhora e supliquem a Vós, ó Pai, por meio dela, o rápido triunfo dos Imaculados Corações de Jesus e de Maria sobre o mundo.

Rezemos, rezemos muito, pelos sacerdotes e pela Santa Igreja! Para que estes homens nada comuns sejam homens muito além do mundo. Para que sofram pela fé, para que a fé lhes seja o único apreço e o único cajado, para a glória de Deus. Para que sejam santos e mártires, para que sejam mártires e santos. Para que arregimentem muitas e muitas almas para a Vinha Eterna do Senhor, nestes tempos tremendos em que a terra, gemendo agora as dores do parto, ousa gritar e impor a uma geração de pecadores que acabou o tempo da semeadura e da colheita. Essa mesma terra que há de renascer vivificada pela infinidade dos frutos bons da Igreja de sempre, da Igreja de Cristo.

Com a vossa bênção, R.

('Cartas a Meu Pai' são textos de minha autoria e pretendem ser uma coletânea de crônicas que retratam a realidade cotidiana da vida humana entranhada com valores espirituais que, desapercebidos pelas pessoas comuns, são de inteira percepção pelo personagem R. As pessoas e os lugares, livremente designados apenas pelas suas iniciais, são absolutamente fictícios).

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

A VIDA OCULTA EM DEUS: O DESEJO DA UNIÃO PLENA COM DEUS

Podemos pedir uma união profunda com Deus, mas com uma condição: que seja oculta. Devemos aspirar a isso. Na união com Deus, existem vários graus e vários estágios a percorrer. Mas impõe-se subir sempre. Podemos crescer constantemente nessa intimidade. Os teólogos, mesmo os mais severos, dizem que uma alma, que já recebeu alguns valores místicos, pode aspirar à sua continuação.

O que pode ser mais perfeito do que essa união, uma vez que a perfeição consiste em se retomar o seu princípio para nela encontrar a sua realização? O que poderia ser mais profundo se tudo acontece no íntimo da própria alma, naquele santuário interior onde Deus habita? O que poderia ser mais puro, visto que essa união supõe harmonia, o afastamento de tudo o que difere dAquele que é a própria santidade e uma vez que se realiza entre dois espíritos? O que poderia ser mais precioso se, por meio dela, Deus se doa à alma com todos os seus tesouros? Onde encontrar, então, mais luz, mais calor, mais energia, mais paz e mais alegria? Mihi autem adherere Deo bonum est - mas para mim o bem é estar unido a Deus (Sl 72, 28).

Sem dúvida, não convém impor-se a Deus; o que só é inútil e prejudicial. Ele convida 'de fato' a quem lhe agrada. Mas espera que nós o busquemos, que peçamos e chamemos por Ele, que preparemos a nossa alma com um amor delicado e generoso, perseverante e despojado; Ele tem o direito de o fazer. Então, esse é o nosso dever Veni Domine Jesu - Venha, Senhor Jesus: velar docemente com Ele e, com Ele, desejar sempre a paz. 

O CONVITE PROVÉM DO INTERIOR DA PRÓPRIA ALMA 

Mas como realmente colocar-me em Vossa Presença? Onde estais? Qual é o caminho que me leva até Vós? E ouço a Vossa resposta: 'Estou dentro de ti! Se queres me encontrar, vem até onde eu habito e, então, dar-me-ei por inteiro a ti!' Sim, 'estás dentro de mim, na parte mais íntima da minha alma!' Se eu pudesse entender essas poucas palavras! Se eu soubesse me despojar de tudo, deixar tudo, para então caminhar até Vós, aproximar-me de Vós, para alcançar pelo menos a  porta do Vosso Santuário, ó Santíssima Trindade! 

(Excertos da obra 'A Vida Oculta em Deus', de Robert de Langeac; Parte II -  A Ação de Deus; tradução do autor do blog)

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

VISÕES E REVELAÇÕES - SOEUR DE LA NATIVITÉ (II)

Soeur de la Nativité ou Irmã da Natividade ou Jeanne Le Royer (1731-1798)
 Religiosa Urbanista (Clarissa) de Fougères (França)

O ÚLTIMO JULGAMENTO

'Um dia, quando eu estava em espírito em um campo vastíssimo, Jesus Cristo apareceu sobre um monte e me mostrou um lindo sol fixado em um ponto no horizonte. Então, me disse com tristeza: 'Eis a figura do mundo que passa e que se aproxima o tempo do meu último advento. Quando o sol está se pondo, diz-se que o dia está passando e a noite está chegando. Todos os séculos são como um dia diante de mim. Julgue, portanto, quanto tempo o mundo ainda deve ter pelo espaço de tempo que o sol ainda tem para se por'.

Considerei cuidadosamente e julguei que esse tempo pudesse ser de não mais do que duas horas para o sol se por. Diante da minha resposta, Jesus respondeu: 'Lembre-se de que não devemos falar de mil anos para o mundo; existem apenas para ele alguns poucos séculos de duração'. Senti que ele reservava para si o conhecimento preciso deste número, e não me vi tentada a lhe perguntar mais sobre este assunto, feliz por saber que a paz da Igreja e do restabelecimento de sua disciplina ainda duraria um tempo considerável.

'O Julgamento do mundo está próximo e meu Grande Dia está chegando. Quanta tristeza! Quantos sofrimentos face à sua chegada! Quantas crianças morrerão antes de nascer! Quantos jovens de ambos os sexos serão engolfados pela morte ao longo do seu curso! Bebês amamentando morrerão junto com as suas mães! Ai dos pecadores que vivem em pecado sem ter feito penitência!' Desgraça, desgraça! Ai do século que há passado!'

Eis o que Deus queria que eu visse sob a sua luz. Comecei a olhar, à luz de Deus, o século que começaria em 1800 e eu vi, por esta luz, que o julgamento não estava lá, e que este não seria o último século. Considerei, sob essa mesma luz, o século a partir de 1900 até o seu final, para ver se seria realmente o derradeiro. Nosso Senhor me deu a conhecer, e ao mesmo tempo me deixou com dúvidas, se tudo isso iria ocorrer no final do século de 1900 ou se no século de 2000. Mas o que vi foi que, se o julgamento viesse no século de 1900, só viria no final do mesmo e, caso avançasse esse século, as duas primeiras décadas do século de 2000* não passariam sem a intervenção do julgamento, como eu o vi na luz de Deus ... 

'Antes da chegada do Anticristo, o mundo será afligido por guerras sangrentas. Povos se levantarão contra povos; as nações, ora unidas, ora divididas, lutarão a favor ou contra o mesmo partido. Os exércitos entrarão em conflitos terríveis e encherão a terra de assassinatos e carnificinas. Essas guerras, internas e externas, causarão enormes sacrilégios, profanações, escândalos e males infinitos. Os direitos da Santa Igreja serão usurpados e ela padecerá de grandes aflições'. 

'Vejo a terra sacudida em diferentes lugares por terríveis tremores, montanhas se desfazendo e levando o terror às vizinhanças. Redemoinhos de chamas, fumaça, enxofre e betume reduzirão cidades inteiras a cinzas. Tudo isso tem que acontecer antes da chegada do homem da perdição. Mas este terror atingirá um número muito reduzido de predestinados, pois o Senhor atrairá muitos deles à sua Presença, para livrá-los das terríveis desgraças que atingirão a Igreja. Isso também 'pelo grande número de mártires; o que diminuirá consideravelmente o número dos filhos de Deus na terra; no entanto, a fé será fortalecida entre aqueles a quem a espada não ceifou'. E ainda pela 'multidão de apóstatas que renunciarão a Jesus Cristo para seguir as causas do inimigo'.

'Será a mais desastrosa das heresias. A fé, no entanto, experimentará uma nova expansão: certas ordens religiosas renascerão em pequeno número; outras serão criadas e seu fervor será muito grande. E muitas dessas ordens durarão até a época do Anticristo, sob cujo reinado todas as comunidades sofrerão o martírio, serão esmagadas e destruídas'.

* Na versão original dos textos proféticos da mística (1817), a versão deste trecho é diferente e não cita especificamente as duas primeiras décadas do século 2000, mas o seguinte: 'mas o que vi é que se o julgamento chegasse no século de 1900, viria apenas no final e que, se este século passar, o de 2000 não passará sem que isso aconteça'.

(Revelações de Jesus à Irmã Jeanne le Royer - Soeur de La Nativité, 1731 - 1798)

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

OPORTET - É PRECISO, É NECESSÁRIO...

OPORTET - É preciso, é necessário...


... Passar por muitas tribulações e carregar muitas cruzes nesta vida: 

1. PORQUE Deus assim o decretou; decretou que nos dirijamos ao Céu pelo caminho do sofrimento. Queiramos ou não, está definido. Levemos, pois, voluntariamente, as cruzes que nos venham, posto que é indispensável que o façamos. Rejeitando-as, aumentaríamos o seu peso e seu número, perderíamos o mérito de as havermos levado, bem como a recompensa.

2. PORQUE é justo que o Reino de Deus, que é tão grande e belo, seja conquistado com obras heroicas e sofrimentos; a Cruz é a porta do Céu.

3. PORQUE porque Jesus Cristo, nosso Chefe, abriu o Céu com a sua Paixão, Sangue e Morte;

4. PORQUE todos os santos empreenderam este caminho para chegar à felicidade suprema e não há outro;

5. PORQUE os pecados devem ser expiados com as cruzes e os movimentos da concupiscência devem ser reprimidos com a dor;

6. PORQUE esta vida está plena de misérias, de tentações e de perseguições, às quais ninguém pode subtrair-se;

7. PORQUE estamos rodeados de inimigos numerosos e implacáveis que juraram nossa ruína; estes inimigos são os demônios, o mundo e a carne;

8. PORQUE aquele que não umedeceu seus lábios no cálice das amarguras, não merece desfrutar das suas delícias;

9. PORQUE somos culpados e, unicamente com a penitência e as cruzes, podemos obter misericórdia;

10. PORQUE precisamos nos desprender do mundo, desprezá-lo e dirigir as nossas preferências às graças do Céu.

(Cornélio a Lapide)

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

VISÕES E REVELAÇÕES - SOEUR DE LA NATIVITÉ (I)

Soeur de la Nativité ou Irmã da Natividade ou Jeanne Le Royer (1731-1798)
 Religiosa Urbanista (Clarissa) de Fougères (França)

A EXISTÊNCIA DAS SEITAS

'Você gostaria, minha filha, que eu abolisse os escândalos, todos os falsos cultos, todas as seitas que obscurecem minha Igreja e insultam a verdade do único culto que estabeleci.

Seria bom se eu acabasse com o pecado, que é a primeira e sempre recorrente fonte de todas as desordens, o único mal do mundo, o único inimigo da humanidade e do próprio Deus.

Saiba que, em questões de religião como em questões de costumes, o homem deve ser livre para escolher entre o bem e o mal; do contrário, Eu não poderia exercer minha bondade ou justiça.

Na verdade, se o homem não fosse livre em suas ações, ele não poderia nem merecer nem desmerecer, não haveria para ele nenhuma consequência, nem recompensa para esperar, nem punições para temer.

Além disso, um instrumento puramente passivo não pode me render uma homenagem que me honre; sua adoração nunca seria digna de mim.

Da mesma forma, se houvesse apenas uma religião em todos, que mérito haveria em segui-la, quando não haveria escolha a fazer e não se poderia agir de outra forma? 

Se os homens não fossem livres para pecar, o que eles mereceriam se não o fizessem? Livres de concupiscências e tentações, seu estado na terra seria o dos santos no céu, um estado de justiça e não de julgamento, e novamente de uma justiça tão pouco meritória quanto inadmissível...

De acordo com a minha lei eterna, um homem absolutamente senhor de si mesmo deve ser tentado e testado por algum tempo.

É somente com essa condição que fico honrado com a homenagem de seu coração e suas ações. Portanto, fiz dele o mestre de escolher e determinar-se livremente em tudo; e é por isso que permiti que, em toda a infração fosse encontrada, por assim dizer, ao lado do preceito, e que houvesse apenas um passo entre a desobediência e a fidelidade. Isso é obra da minha justiça.

Mas é suficiente para a minha bondade ter fornecido ao homem todos os meios para evitar o mal e praticar o bem; e isso é o que tenho feito com respeito a todos. Nenhuma criatura se perderá, exceto por sua própria culpa'.

(Revelações de Jesus à Irmã Jeanne le Royer - Soeur de La Nativité, 1731 - 1798)