domingo, 31 de maio de 2020

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'Ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, a não ser no Espírito Santo. Há diversidade de dons, mas um mesmo é o Espírito. Há diversidade de ministérios, mas um mesmo é o Senhor. Há diferentes atividades, mas um mesmo Deus que realiza todas as coisas em todos... fomos batizados num único Espírito, para formarmos um único corpo, e todos nós bebemos de um único Espírito' (1 Cor 12, 3b-7. 13)

sábado, 30 de maio de 2020

IN SINU JESU: 'O MEU CAMINHO PARA A SUA SANTIFICAÇÃO'


O meu caminho é o da gentileza, da misericórdia e da compaixão. Eu ofereço a Minha Cruz às almas, mas nunca a imponho e quando uma alma começa a dizer 'Sim' às doces e enormes exigências do Meu amor, encaixo a minha Cruz nos seus ombros e a ajudo, então, a caminhar passo a passo, aumentando o seu peso somente à medida que a alma cresce no amor e na fortaleza que procede do Espírito Santo.

Conversões repentinas e definitivas não são o meu modo habitual de conduzir as almas no caminho da santidade. Eu prefiro deixar as almas avançarem em pequenos passos ao longo de um caminho de infância espiritual, confiando em Mim para trazê-las ao Calvário e à plenitude da alegria em Minha presença e na presença do Meu Pai.

Este caminho não é menos exigente do que a estrada principal pela qual, por razões que são conhecidas apenas por Mim, conduzo certas outras almas. O pequeno caminho, marcado por pequenos passos, é, no entanto, o que eu prefiro, porque aperfeiçoa as almas rapidamente à imagem da Minha própria pequenez, da Minha pobreza e do Meu abandono à vontade do Pai.

Ensine este pequeno caminho às almas e muitas haverão de se  beneficiar destes ensinamentos. Mas antes de tudo, pratique você mesmo, obedecendo as Minhas inspirações mesmo nas pequenas coisas, e fazendo tudo por amor a Mim, que deseja aperfeiçoá-lo em apenas uma coisa: no amor. Este pequeno caminho convém melhor àqueles a quem chamo de Meus adoradores e consoladores do Meu Coração Eucarístico. Ele leva uma alma no caminho das Minhas virtudes eucarísticas, aquelas que você vê quando olha para o Meu Rosto Eucarístico: escondimento, pequenez, quietude, silêncio, pobreza, paz, constância e um amor inebriante que faz regozijar os corações daqueles que estão no domínio de sua influência.

É isso que Eu desejo para os Meus sacerdotes, não uma santidade que seja excessiva em suas demandas e severa em suas exigências, mas que seja inteiramente infantil, pacífica e humilde. Esta é a imitação da Minha vida eucarística, e é isso que Eu desejo para você e de você.

Assim falo com você, meu amado sacerdote e amigo do meu coração. Entre na imitação do que você vê quando contempla o Meu Rosto Eucarístico: silêncio, recolhimento, paz, quietude, pobreza e um amor inebriante, mas sem grandes lampejos que cegariam a alma. Comece a praticar todas essas coisas e eu as aperfeiçoarei em você até que você se torne como Eu sou no Sacramento do Meu amor, uma hóstia irradiante escondida no tabernáculo para salvar as almas e para glorificar o Meu Pai aqui na terra até os finais dos tempos.

(Excertos da obra 'In Sinu Jesu - Quando o Coração fala ao coração: Diário de um Sacerdote em Oração', por um monge beneditino, tradução pelo autor do blog)

sexta-feira, 29 de maio de 2020

BREVIÁRIO DIGITAL - ILUSTRAÇÕES DE DORÉ (XIII)

PARTE XIII (Jó 1 - Ez 37)

 
[Jó aceita todos os seus infortúnios (Jó 1, 21)]

[Jó fala aos seus três amigos que o vieram consolar (Jó 3,1-)]


 [Isaías ouve a voz do Senhor (Is 6,8)]

[Isaías tem a revelação da destruição de Babilônia (Is 13,19)]

 [A morte do Leviatã do mar pelo Senhor (Is 27,1)]


 [Oráculo do Senhor a Jeremias (Jr 1, 9-10)]


 [Baruc escreve todos os oráculos do Senhor a Jeremias (Jr 36,4)]

  [Lamentações de Jeremias sobre Jerusalém destruída (Lm 1, 1-)]


  [A súplica de Baruc ao Senhor (Br 2, 14)]


 [Visões proféticas de Ezequiel (Ez 1,4-)]

 [Visão de Ezequiel sobre o vale de ossos (Ez 37,1)]

CATECISMO MAIOR DE PIO X (XIV/Final)

Advertências e orientações para o estudo da religião na História da Igreja

137. Aqui termina este nosso resumo, pois não é possível seguir passo a passo os vários eventos da Igreja, complicados com os acontecimentos políticos, sem dizer coisas que sejam facilmente compreendidas ao entendimento comum, e sem se desviar do fim e do objetivo destas páginas. O cristão de boa vontade provê a si mesmo um bom Compêndio de História da Igreja de autor católico, e para escolhê-lo vale-se do conselho de seu pároco ou de seu douto confessor. Leia com espírito de simplicidade e humildade cristã, e verá resplandecer em sua mãe, a Igreja, os caracteres com que Nosso Senhor Jesus Cristo tem distinguido a única verdadeira Igreja que Ele mesmo fundou, a saber: Una, Santa, Católica, Apostólica e Romana.

138 UNA – Verá resplandecer a unidade da Igreja em exercício ininterrupto de fé, de esperança e de caridade. Verá, em vinte séculos de vida, sempre jovem e florescente, contando com tantas gerações, tantas multidões de homens de natureza diversa, nacionalidades e línguas, unidas em uma sociedade governada sempre por uma mesma e perpétua hierarquia, professar as mesmas crenças, confortar-se com as mesmas esperanças, participar de orações comuns e dos mesmos sacramentos, sob a direção dos legítimos pastores. Verá a hierarquia eclesiástica, formada de milhares de bispos e sacerdotes, conservar-se estreitamente unida em comunhão e obediência ao Pontífice Romano, que é o chefe divinamente estabelecido, e receber dele os divinos ensinamentos para comunicá-los ao povo com perfeita unidade de doutrina. De onde vem tão maravilhosa união? Da presença e assistência de Jesus Cristo, que disse aos seus Apóstolos: 'Eis que estou convosco até a consumação dos séculos'.

139. O fiel que ler com retidão de coração a História da Igreja, verá resplandecer a santidade da Igreja, não apenas na santidade essencial de sua cabeça invisível Jesus Cristo, na santidade dos sacramentos, da doutrina, das Corporações religiosas, dos muitos de seus membros, mas também na abundância dos dons celestiais, dos sagrados carismas, das profecias e milagres com que o Senhor (negando-os às demais sociedades religiosas) faz resplandecer no rosto do mundo o dom da santidade, de que está exclusivamente adornada sua única Igreja.

Quem lê com ânimo desapaixonado a História da Igreja, sente-se atônito ao contemplar a ação visível da divina Providência, que comunicou à Igreja a santidade e a vida, e vela por sua conservação. Ela foi a única que, desde os primeiros séculos, suscitou os grandes homens, glória imortal do Cristianismo que, cheios de sabedoria e virtude sobre-humana, combateram vigorosamente as heresias e erros que foram aparecendo: Santos Padres e Doutores que brilharam como estrelas por perpétuas eternidades, na frase bíblica; de cujo unânime consentimento podemos deduzir e reconhecer a Tradição e o sentido das Sagradas Escrituras.

É impressionante ver providencialmente levantar-se, em tempo e lugar oportuno, aquelas Ordens regulares, aquelas famílias religiosas, aprovadas e abençoadas pela Igreja, nas quais, já no século IV, florescia a vida cristã e aspirava-se à perfeição evangélica, praticando os divinos conselhos pelos santos votos de castidade, pobreza e obediência. Veja-se pela história que essas famílias religiosas, no transcurso dos séculos, têm sempre surgido e ainda agora continuam sucedendo-se e renovando-se com um fim sempre santo, servindo-se dos meios acomodados às épocas; ora a oração, ora a educação, ora o exercício do ministério apostólico, ora ao cumprimento múltiplo e variado das obras de caridade. Como sua Santa Madre Igreja, estão sujeitas a grandes perseguições, que frequentemente e por algum tempo as oprimem. Mas, à medida que tais institutos pertencem à essência da Igreja, pela adequação dos conselhos evangélicos, por isso não podem perecer completamente. E é coisa comprovada pela experiência, que atribulação as purifica e rejuvenesce, e renascendo em toda parte, multiplicam-se e produzem copiosos frutos, permanecendo sempre como uma fonte inesgotável de santidade da Igreja.

140. CATÓLICA – Verá com amargura o fiel que, fartas vezes, no curso dos séculos, grande multidão de cristãos, mesmo nações inteiras, são miseravelmente separadas da unidade da Igreja, mas verá também que Deus enviava sucessivamente a outros povos e a outras nações a luz do Evangelho por meio de homens apostólicos, encarregados por Ele, como foram os Apóstolos, de guiar as almas à salvação eterna. E se consolará ao reconhecer que o Senhor se digna confiar em nosso século este apostolado a centenas e milhares de sacerdotes, de religiosos de todas as ordens, de virgens consagradas, os quais correm as terras e os mares do velho e do novo mundo, para expandir o reino de Jesus Cristo. De onde seria um erro dar crédito às bravatas dos incrédulos: que o Catolicismo está se extinguindo no mundo, como se os homens já não atendessem a outra coisa senão ao progresso das ciências e das artes. 

Pelo contrário, é evidente a partir das estatísticas que o número total de católicos nas cinco partes do mundo, apesar das perseguições e dificuldades de todos os tipos, cresce a cada ano, e espera-se que se tornando cada dia mais fáceis os meios de comunicação, e com o favor divino, não haverá então terra acessível onde em uma modesta igreja e ao redor de um pobre missionário não haja um grupo de cristãos unidos em pensamento e coração com seus irmãos de todo o mundo e, por meio dos Bispos e Vigários apostólicos legitimamente enviados pela Sé Romana, ligados à mesma em unidade de fé e comunhão. E é isto que é chamado de catolicidade da Igreja. Ela só pode ser chamada de católica universal, isto é, de todos os tempos e de todos os lugares.

141. APOSTÓLICA – Ao contemplar a História da Igreja, verá o fiel suceder-se, entre incríveis dificuldades, tantos Romanos Pontífices que, revestidos na pessoa de Pedro das mesmas prerrogativas que a ele concedeu Jesus Cristo, vão comunicando também a jurisdição aos sucessores dos outros Apóstolos, dos quais nenhum jamais se separou de Pedro, como ninguém poderá separar-se da Sé Romana sem deixar de pertencer à Igreja, que por isto se diz e realmente é Apostólica.

142. Na História da Igreja, o fiel aprenderá a conhecer e evitar os inimigos da Igreja e de sua fé. No transcurso dos séculos se encontrará associações ou sociedades tenebrosas e secretas que, com vários homens, foram se organizando, não para glorificar o Deus eterno, onipotente e bom, mas para derrubar seu culto e substituir (coisa incrível, mas verdadeira) pelo culto do demônio. Não se admirará de que os legítimos sucessores de São Pedro, sobre quem Jesus Cristo fundou sua Igreja, foram e ainda são atualmente objeto de ódio, escárnio e aversão por parte dos hereges incrédulos, devendo tornar-se mais semelhantes ao divino Mestre, que disse: 'Se perseguiram a Mim, também a vós perseguirão'. 

Mas a verdade a ser inferida a partir da história é esta, que os primeiros Papas por vários séculos foram justamente exaltados às honras dos altares, havendo muitos entre eles que derramaram o seu sangue pela fé, que quase todos os demais brilharam por seus egrégios dons de sabedoria e virtude, sempre atentos para ensinar, defender e santificar o povo cristão, sempre prontos, como seus predecessores, a perder a vida para dar testemunho da palavra de Deus. Que importa (desgraçadamente também entre os doze houve um Apóstolo do mal), que importa que entre tantos tenha havido muitos poucos menos dignos de ascender à Suprema Sé, onde todo pequeno defeito parece muito grave? Deus o permitiu para dar a conhecer seu poderio para sustentar a Igreja, conservando um homem infalível no ensino, embora falível em sua conduta pessoal.

(Do Catecismo Maior de Pio X)

Ver página BREVE HISTÓRIA DA RELIGIÃO na BIBLIOTECA DIGITAL do blog
(do Catecismo Maior de Pio X)

quinta-feira, 28 de maio de 2020

IMAGEM DA SEMANA

'A linguagem da cruz é loucura para os que se perdem, mas, para os que foram salvos, é força divina' (I Co 1, 18)

A VIRTUDE ESTÁ NO AMOR AO PRÓXIMO

'Todos os pecados são cometidos através do próximo, no sentido de que eles são a ausência da caridade, que é a forma de todas as virtudes. No mesmo sentido, o egoísmo, que é a negação do amor pelo próximo, constitui-se razão e fundamento do todo mal. Ele é a raiz dos escândalos, do ódio, da maldade, dos prejuízos causados aos outros.

Diante disto, o cristão luta e se opõe à sensualidade, com empenho a submete à razão e procura descobrir em si mesmo a grandeza da minha bondade. Inúmeros são os favores que lhe faço. Ao reconhecer que gratuitamente o retirei das trevas e o transferi para a verdadeira sabedoria, no autoconhecimento ele se humilha. Assim consciente da minha benevolência, o homem me ama direta e indiretamente. Diretamente, não pensando em si mesmo ou em interesses pessoais; indiretamente através da prática da virtude.

Toda virtude é concebida no íntimo do homem por amor a mim; fora do ódio ao pecado e do amor à virtude, não existe maneira de me agradar e de se chegar até mim. Depois de ter concebido interiormente a virtude, a pessoa a pratica no próximo.

Aliás, tal modo de agir é a única prova de que alguém possui realmente uma virtude. Quem me ama, procura ser útil ao próximo. Nem poderia ser de outra maneira, dado que o amor por mim e pelo próximo são uma só coisa. Tanto alguém ama o próximo, quanto me ama, pois de mim se origina o amor ao outro. O próximo, eis o meio que vos dei, para praticardes e manifestardes a virtude que existe em vós. Como nada podeis fazer de útil para mim, deveis ser de utilidade ao homem'.

(Das Revelações de Santa Catarina de Sena)

quarta-feira, 27 de maio de 2020

O ANTICRISTO VIRÁ QUANDO...


... os velhos não tiverem nem bom senso nem prudência;

... os cristãos estiverem sem fé;

... o povo estiver sem amor;

... os ricos forem sem misericórdia;

... os jovens não tiverem respeito;

... os pobres forem sem humildade;

... as mulheres tiverem perdido o pudor;

... no casamento, não houver mais continência;

... os clérigos forem sem honra e sem santidade;

... os religiosos não tiverem verdade nem austeridade;

... os prelados não se inquietarem de sua administração e não tiverem piedade;

... os mestres da terra não tiverem misericórdia nem liberdade.

(São Boaventura)

terça-feira, 26 de maio de 2020

DAI-NOS SER LÂMPADAS DA LUZ PERENE!

Que felizes, que ditosos aqueles servos que o Senhor ao voltar encontrar vigilantes! (Lc 12,37). Preciosa vigília pela qual se mantém alerta para Deus, criador do universo, que tudo penetra e tudo supera! Oxalá também a mim, embora vil, mas seu mínimo servo, se digne de tal forma sacudir-me do sono da inércia, acender o fogo da caridade divina. Que a chama de seu amor, o desejo de união com Ele cintilem mais que os astros e sempre arda dentro de mim o fogo divino!

Quem me dera serem tais os méritos, que minha lâmpada estivesse sempre acesa, à noite, no templo do meu Senhor, para iluminar todos os que entram na casa de meu Deus! Senhor, concede-me, eu te rogo, em nome de Jesus Cristo, teu Filho e meu Deus, aquela caridade que não conhece ocaso, a fim de que minha lâmpada possa acender-se e jamais se apague. Arda para mim, ilumine os outros.

Que tu, Cristo, dulcíssimo Salvador nosso, te dignes acender nossas lâmpadas, de modo a refulgirem para sempre em teu templo, receberem perene luz de ti, que és a Luz perene, para iluminar nossas trevas e afugentar de nós as trevas do mundo.

Entrega, rogo-te, meu Jesus, Pontífice das realidades eternas, tua luz à minha candeia, para que por esta luz se manifeste a mim o santo dos santos que te possui, ali entrando pelos umbrais de teu templo magnífico, e onde somente e sem cessar eu te veja, te contemple, te deseje. Esteja eu apenas diante de ti, amando-te, e em face de ti minha lâmpada sempre resplendeça e se abrase.

Suplico: tenhas a condescendência de te mostrares, amado Salvador, a nós que batemos à tua porta para que, conhecendo-te, só a ti amemos, só a ti desejemos, só em ti meditemos dia e noite, sempre pensemos em ti. Inspira em nós tanto amor por ti quanto é justo que sejas, ó Deus, amado e querido. Teu amor invada todo o nosso íntimo, teu amor nos possua por inteiro, tua caridade penetre em nossos sentidos todos. 

Deste modo, não saibamos amar coisa alguma fora de ti, que és eterno. Uma caridade tamanha que nem as muitas águas do céu, da terra e do mar jamais a possam extinguir em nós, conforme a palavra: 'E as muitas águas não puderam extinguir o amor' (Ct 8,7). Que tudo se realize em nós, ao menos em parte, por teu dom, Senhor nosso, Jesus Cristo, a quem a glória pelos séculos. Amém.

(São Columbano, século VII)

segunda-feira, 25 de maio de 2020

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (LI)

XLIV

DO ESTADO INTERMEDIÁRIO DAS ALMAS ANTES DA RESSURREIÇÃO UNIVERSAL: O PURGATÓRIO

Para onde guia e conduz Jesus Cristo, por meio dos sacramentos e das inspirações do Espírito Santo com que governa a sua Igreja, a espécie humana redimida com o preço do seu sangue?
Ao reino da glória imorredoura.

É suficiente que a ação redentora de Jesus Cristo atinja os homens, para que instantaneamente e sem transição consigam a vida eterna?
Não, senhor; porque, se bem que os méritos de Jesus Cristo e os sacramentos, por cuja virtude se aplicam aqueles méritos aos homens, têm bastante eficácia para consegui-lo, dispôs a divina Sabedoria que não fosse plenamente restaurada em seus indivíduos a natureza humana, condenada como pecadora a expiar a culpa original, até o término da sua peregrinação na terra. Esta é a razão porque os batizados e os que recebem os sacramentos, ainda que pessoalmente santificados, continuam sujeitos às penalidades da vida presente e à mais terrível de todas, a morte (LXIX, 1).

Logo, só quando acabem as gerações, será completa e definitiva a vitória sobre a morte, e só então poderão ressuscitar os homens e gozar em corpo e alma as delicias da glória celeste?
Só então, e, até que aquele dia chegue, permanecerão, desde o dia da sua morte, num estado intermediário.

Que entendeis quando afirmais que permanecerão num estado intermediário?
Que, ou não recebem total e imediatamente o seu merecimento ou que, se bem que os justos alcançam o prêmio e os réprobos o castigo, devidos pelas respectivas obras que praticaram neste mundo, nem a recompensa dos primeiros é plena, nem o castigo dos segundos alcança a intensidade que há de ter eternamente, até que chegue o dia da ressurreição universal (LXIX, 2).

Como se chama o lugar intermédio onde moram os que não alcançam imediatamente a recompensa dos seus méritos?
Chama-se Purgatório (LXXI, 6; Apêndice, II).

Quais são as almas que vão para o Purgatório?
As dos justos que morrem em graça, porém, no instante de falecer não satisfizeram plenamente a pena temporal devida pelos seus pecados (Ibid).

Logo, o Purgatório é lugar de expiação destinado a satisfazer á Justiça divina antes de entrar no Céu?
Sim, senhor; e não há nada mais conforme com a Misericórdia e Justiça de Deus.

Como e em que resplandece no Purgatório a Misericórdia de Deus?
Primeiramente, em que Deus se digna conceder aos justos, ainda depois da morte, tempo e meios para satisfazer pelos seus pecados e para que, plenamente absolvidos no tribunal divino, se preparem para entrar no céu. Em segundo lugar, porque, mediante a comunhão dos santos, estabeleceu um meio para que os fiéis da Igreja militante possam auxiliá-los e apressar a sua entrada na glória, oferecendo, em compensação pelo que eles devem satisfazer, o valor satisfatório das suas obras e aplicando-lhes, por meio das indulgências, os méritos de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Santíssima Virgem e de todos os Santos (LXXI, 6).

Qual é o meio mais eficaz de que dispõem os justos da terra para mitigar os tormentos das almas do Purgatório?
O de oferecerem por elas o Santo Sacrifício da Missa.

Quando se oferece o sacrifício da missa pelas almas do Purgatório, tem grande importância e especialíssima eficácia o fervor e devoção do oferente, seja este o sacerdote que a celebra ou o simples fiel que a faz celebrar?
Sim, senhor; porque, tratando-se do valor satisfatório de uma obra boa, se bem que Deus atenda ao seu mérito intrínseco (e neste sentido o valor da missa é infinito), olha e atende mais ao fervor e boas disposições de quem o faz (LXXI, 9; Terceira Parte, LXXIX, 5).

Logo, Deus taxa o fruto aplicável da missa conforme a devoção de quem pede que se celebre?
Sim, senhor; e por aqui verão quanto lhes importa ter devoção.

Quando um justo oferece obras satisfatórias em sufrágio pelas almas do Purgatório em geral, por um grupo determinado, ou por alguma em particular, aplica Deus o sufrágio conforme o pede o oferente?
Sim, senhor (LXXI, 6).

Podem, também aplicar-se às almas do Purgatório em geral, ou a algumas em particular, as indulgências, quando a Igreja o autoriza?
Sim, senhor; já que neste caso, tudo depende da intenção de quem as ganha e das condições que a Igreja estabelece nos termos da concessão (Ibid.; Código cânon 930).

Entram no céu as almas detidas no Purgatório no momento em que completam a satisfação?
Sim, senhor (LXIX, 2; Apêndice, II, 6).

XLV

O CÉU

Que entendeis por Céu?
O lugar onde, desde o princípio do mundo, moram os anjos bem-aventurados e, desde o dia da gloriosa ascensão de Cristo, os justos redimidos com o seu Sangue.

Que condições hão de reunir os justos para entrar no Céu?
Ter terminado a sua vida mortal e satisfeito à Justiça divina pelos seus pecados (LXIX, 2).

Pode entrar no Céu alguma alma, imediatamente depois da morte?
Sim, senhor; entram as dos justos que, além de morrer incorporadas a Cristo mediante a graça, satisfizeram plenamente neste mundo a pena correspondente aos seus pecados (Ibid).

Entram também no Céu, imediatamente depois da morte, os meninos batizados que falecem antes do uso de razão?
Sim, senhor; porque no batismo se lhes perdoou o pecado original, único que podia impedi-los.

Sucede o mesmo aos que, já adultos e com pecados pessoais, recebem com as devidas disposições o batismo e morrem antes de cometer novas culpas?
Sim, senhor; porque o batismo, recebido com as disposições convenientes, tem eficácia para aplicar-lhes em toda a sua plenitude, os méritos da paixão de Cristo (Terceira Parte, LXIX.1, 2, 7, 8).

E os que, depois do batismo, cometeram pecados mortais ou veniais e não fizeram a penitência suficiente para a remissão da pena temporal, podem entrar imediatamente no Céu, se entregam o espírito a Deus num ato de caridade perfeita?
Sim, Senhor; e especialmente se este ato é o martírio (2.a, 2.a, CXXIV, 3).

Em que se ocupam os bem aventurados no Céu?
Em gozar, desde o primeiro momento, da felicidade quase infinita, que é a visão de Deus (l.a, XII, 11).

Podem os justos no Céu ver a essência divina por virtude própria ou necessitam que Deus lhes infunda uma qualidade nova, ou perfeição intelectual distinta das que já possuíam, originadas na graça, nas virtudes e nos dons?
Necessitam que Deus lhes conceda a perfeição suprema da ordem sobrenatural (Ibid., XII,5).

Como se chama?
A luz da glória (Ibid).

Que entendeis por luz da glória?
Uma qualidade produzida por Deus na mente dos bem aventurados, que lhes permite unirem-se à essência divina, como a princípio do ato da visão intelectual (Ibid).

Que se segue da união da essência divina com a inteligência dos justos, provida da luz da glória?
Que vêem e contemplam a Deus como Deus é em si mesmo (Ibid).

É este modo de ver o que se procura fazer compreender com as palavras: 'ver a Deus face a face'?
Sim, senhor; tal é a visão prometida nas Sagradas Escrituras, última e mais nobre perfeição da obra divina, pois que faz o homem semelhante a Deus, na medida em que pode sê-lo uma criatura.

Logo, a visão da essência divina é o fim que Deus se propõe ao criar, conservar e reger o universo?
Sim, senhor; e quando, devido ao seu governo providencial, se tenha santificado o último eleito, e com sua entrada no céu se complete o número dos predestinados, terminará a evolução e a marcha do mundo atual e começará a que corresponde ao estado da ressurreição.

Podemos saber quando sucederá isto?
Não, senhor; porque depende da ordem da predestinação, que é o segredo mais impenetrável do plano divino.

Interessa aos bem aventurados saber a vida dos homens e os sucessos do mundo em que viveram?
Sim, senhor; porque no mundo continua desenrolando-se o mistério da predestinação, cujo cumprimento há de coincidir com a sua ressurreição gloriosa e com a absoluta plenitude da sua felicidade.

Sabem e vêem o que sucede na terra?
Vêem no mesmo Deus os sucessos que particularmente dizem respeito a cada um, na ordem da predestinação.

Chegam ao seu conhecimento as orações que se lhes dirigem, e conhecem as necessidades espirituais ou temporais de quem lhes toca mais de perto?
Certamente que sim e estão sempre dispostos a atender as orações e prover às necessidades, interpondo a sua valiosa influência junto de Deus (LXXII, 1).

Logo, por que nem sempre experimentamos os efeitos da sua intercessão?
Porque no Céu se julga das coisas com critério divino, e pode suceder que não se ache bom, nem conforme com o plano da providência o que, visto com critério humano, assim nos parece (LXXII, 3).

Logo, pode haver comunicação permanente entre nós que vivemos desterrados no mundo e os que gozam a segurança da pátria celestial?
Sim, senhor; pois que consiste em lembrarmo-nos deles, congratularmo-nos da sua ventura, e pedir-lhes que nos ajudem com a sua intercessão a alcançá-la também.

XLVI

DO INFERNO

Existe algum lugar de condições diametralmente opostas às do Céu, e que nome tem?
Sim, senhor; existe e recebe o nome de Inferno (LXIX, 2).

Que é o Inferno?
O lugar onde padecem horríveis tormentos todos os que se rebelaram contra a ordem da divina providência e predestinação, e em seus pecados e crimes se obstinaram para nunca mais se converterem.

Quais são os que se acham em tão miserável estado?
Os anjos rebeldes e os homens que morreram em impenitência final (Ibid).

Que se segue do fato dos condenados jamais poderem arrepender-se das suas culpas?
Que serão eternos os tormentos que por elas padecem.

Não poderia Deus por limites a tais suplícios?
De modo absoluto, sim, senhor, já que é Onipotente; porém, não o fará, porque Ele mesmo decretou (e as suas determinações são irrevogáveis) que os seres racionais, chegados ao termo da sua peregrinação, sejam confirmados para sempre no bem ou no mal e, enquanto dure o pecado, durar deve o seu castigo (XCIX, 1, 2).

Logo, os condenados padecerão eternamente as penas do inferno?
Sim, senhor (Ibid).

Quais são essas penas?
Há penas de duas classes: a pena de dano e a do sentido (XCVIII 1, 2).

Em que consiste a pena de dano?
Em ver-se privado da posse do Bem infinito que os justos contemplam na glória.

É esta a maior pena dos condenados no Inferno?
É e será eternamente o seu tormento mais cruel.

Por que?
Porque, chegados ao seu estado de finalidade, têm noção exata da grandeza do Bem que perderam, por terem corrido atrás de outros bens cuja pequenez agora compreendem, e pela convicção profundíssima que têm de havê-lo perdido exclusivamente por sua culpa. 

Logo, o remorso da consciência e a convicção da sua responsabilidade na perda do Bem infinito, é o que o Evangelho designa com o nome de verme roedor que nunca morre?
Sim, senhor; porque o tormento mais atroz para um ser consciente é este verme roedor, cujas mordeduras seriam suficientes para matá-lo mil vezes se pudesse morrer (Ibid).

Entende-se também em sentido metafórico e puramente espiritual a outra pena do Inferno que o Evangelho chama fogo que não se apaga?
Não, senhor; este é um fogo material, visto que o Evangelho fala da pena do sentido (XCVII, 5 ad 3).

Mas como pode o fogo material atormentar os espíritos e as almas separadas dos seus corpos?
Porque Deus lhe comunica a virtude preternatural para que sirva de instrumento à sua justiça (LXX, 3).

Atormenta por igual a todos os condenados?
Não, senhor; porque, como instrumento da divina justiça, a sua ação será proporcionada à espécie, número e gravidade dos pecados de cada réu (XCVII, 5 ad 3).

Cresce o suplício dos condenados com a companhia e horrível sociedade de todos os criminosos e malfeitores do gênero humano, misturados com os demônios cujo fim é atormentá-los, às ordens do seu príncipe e rei das trevas?
Sim, senhor, e isto parece significar o Evangelho quando fala das trevas exteriores onde só se ouvem prantos e ranger de dentes (XCVII, 3, 4).

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular)

domingo, 24 de maio de 2020

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'O Deus de nosso Senhor Jesus Cristo... manifestou sua força em Cristo, quando o ressuscitou dos mortos e o fez sentar-se à sua direita nos céus, bem acima de toda a autoridade, poder, potência, soberania ... Sim, ele pôs tudo sob os seus pés e fez dele, que está acima de tudo, a Cabeça da Igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que possui a plenitude universal' (Ef 1 17.20 - 23)

sábado, 23 de maio de 2020

VIDA DE ORAÇÃO


➤ A oração é a união da mente e do coração com Deus, uma conversação viva com Ele, presença venerável diante da fonte da vida. Por isso durante a oração é preciso se esquecer de tudo aquilo que está ao redor e se apresentar a Deus com profundo reconhecimento de sua incapacidade e indignidade. Uma oração sincera ilumina e reanima a alma, e lhe dá a oportunidade de sentir o sabor da felicidade próxima. Ela dá força à alma e ao corpo, ilumina a face. Ela — que é um fio de linha dourado, une a criatura ao Criador. Ela dá coragem e força diante de quaisquer tentações, contribui no sucesso nos negócios, reforça a fé e outras virtudes, auxilia na melhoria da vida, gera lágrimas de arrependimento e nos dispões para obras de caridade.

➤ Para vivermos uma vida cristã e para que o espírito não se apague dentro de nós, é indispensável a oração caseira e a oração comunitária. Assim como é indispensável adicionar óleo na lamparina para que não se apague, é indispensável frequentar a Igreja, participar dos ofícios e ali rezar com fé, com compreensão e fervor. E como a oração torna-se mais sincera e fervorosa através da abstinência, é preciso viver moderadamente e observar o jejum. Nada extingue o espírito em nós tão depressa quanto a imoderação, o abuso e maneira dispersa de vida...

➤ As pessoas caíram na descrença por não fazerem orações. Seus corações vazios abrem espaço para o príncipe desta era agir neles. Essas pessoas não suplicam ao Senhor pelo orvalho vivificante da graça do Espírito Santo, e assim, seus corações corrompidos por sua natureza, ficam totalmente ressecados e começam a arder com a chama infernal da descrença e diversas impetuosidades...Para poder passar o dia inteiro em total santidade, em paz e sem pecados, o único recurso — é a mais sincera e fervorosa oração matinal logo após o sono. Ela introduzirá Cristo com o Pai e o Espírito Santo dentro do coração, e desta maneira dará forças à alma para resistir ao mal.

➤ Às vezes, ao longo da oração, apenas alguns minutos são agradáveis a Deus e compõem um serviço sincero para Ele. Na oração o principal é levar seu coração a Deus experimentando desse modo a doçura da presença de Deus na alma. O mérito da tua oração será medido pelos critérios humanos. Assim, por exemplo, às vezes nos encontramos com pessoas frias, e por decoro nós as elogiamos e agradecemos hipocritamente, ou fazemos alguma coisa para elas sem a sinceridade do coração. Às vezes porém fazemos isso com sinceridade, calor e amor. Do mesmo modo também agimos com Deus. E não é assim que tem de ser. É preciso sempre manifestar a Deus glória, gratidão e súplicas do fundo do coração. Devemos amá-Lo com todo coração e confiar Nele.

➤ A oração é a elevação da mente e do coração a Deus. Disto é evidente que não consegue rezar aquele que tem a mente e o coração atados a algo carnal, como por exemplo, ao dinheiro, à honra, ou quem odeia ou tem inveja do próximo. Isto acontece porque as paixões amarram o coração no momento em que Deus lhe dá a verdadeira liberdade. Se esforce para a simplicidade da criança no trato com as pessoas e na oração a Deus. A simplicidade é a maior benção e dignidade da pessoa. Deus é totalmente simples, pois é totalmente espiritual e bom. Não permita que a sua alma se divida para o bem e o mal.

➤ Quando estiver orando, é essencial tomar o poder do nosso coração e dirigi-lo até o Senhor... Será que é bom ouvir a repreensão do Senhor? 'Este povo somente Me honra com os lábios; seu coração, porém, está longe de Mim' (Mt 15,8)... O que Deus quer precisamente é o nosso coração: 'Filho, dá-me o teu coração' (Pr 23, 26). Pois o coração é a parte mais importante na pessoa. Consequentemente, aquele que não ora a Deus com todo seu coração, é o mesmo que não tenha rezado. Nossa oração deve ser toda espírito e consciência.

➤ Pronuncie as palavras da oração com o coração firme. Por exemplo, quando rezar à noite, não se esqueça de expor ao Espírito Santo com toda sinceridade e arrependimento do fundo do coração, os pecados que você comete durante o dia. Apenas alguns instantes de arrependimento sincero — e você será purificado pelo Espírito Santo de todo o mal; estará mais branco do que a neve. Então, lágrimas irão escorrer de seus olhos, a vestimenta da verdade de Cristo o cobrirá e você estará unido com Cristo, juntamente com o Pai e o Espírito.

(São João de Kronstadt – Minha Vida em Cristo)


sexta-feira, 22 de maio de 2020

22 DE MAIO - SANTA RITA DE CÁSSIA


A santa, que padeceu uma vida doméstica de sofrimentos e provações, tornou-se a advogada dos desesperados e a padroeira das causas impossíveis. Filha única de pais já envelhecidos - Antonio Mancini e Amata Ferri - Margherita (que ficou Rita) nasceu no vilarejo de Roccaporena, na região de Cascia, na Úmbria (centro da Itália) em 1381. Inclinada à vida religiosa, cedeu às tratativas paternas e aos rigores da época, desposando, logo após a adolescência um homem chamado Paulo Ferdinando, com o qual teve dois filhos.

Sua vida matrimonial, entretanto, foi um período de enormes provações e humilhações em relação ao marido, sempre violento e agressivo. Depois de muitas orações pelo marido, este se converteu e passaram a formar uma igreja doméstica até que uma tragédia a desfez por completo: Paulo foi assassinado numa ato de vingança devido às suas desavenças passadas. Outra tragédia se anunciava: os dois filhos estavam decididos a vingar a morte do pai. Rita preferiu perdê-los do que eles ao Céu e ofereceu as suas vidas a Deus antes de cometerem tal crime. Com efeito, cerca de um ano após a morte do pai, ambos faleceram, arrependidos do sentimento de vingança.

Rita ficou, então, sozinha no mundo e buscou, sem sucesso, a vida religiosa, por já ter vivido uma união matrimonial por 18 anos. A opção por converter-se em uma monja agostiniana foi-lhe repetidamente negada. Entregando a sua vocação nas mãos de Deus e sobrecarregando-se em orações, alcançou a causa impossível por um milagre extraordinário. Certa feita, foi conduzida por três pessoas à capela interna do mosteiro, totalmente fechado e a altas horas da noite: São João Batista (também concebido na velhice dos pais), Santo Agostinho (fundador da ordem agostiniana) e São Nicolau de Tolentino (religioso agostiniano). Diante do relato e dos fatos sobrenaturais, Rita foi aceita na ordem, dedicando o resto da sua vida aos votos de pobreza, obediência e castidade. 

A sua extrema capacidade de servir, obedecer e aceitar mesmo o que aparentemente poderia ser improvável pode ser compreendido no milagre que transformou um ramo seco, regado periodicamente e com grande diligência pela santa, numa videira que produziu muitos e muitos frutos. Ou, quase no final de sua vida, com a roseira que, sob os seus cuidados, floriu viçosa em pleno inverno rigoroso. Por 15 anos, estigmatizada, padeceu os sofrimentos e as dores de uma ferida repugnante na testa, que expelia pus e que exalava mau odor, o que a a levou a uma vida de isolamento e de absoluto confinamento numa cela do convento.

Aos 76 anos, Santa Rita de Cascia (adaptado como Cássia) faleceu no convento, em 22 de maio de 1457, sem deixar quaisquer registros escritos, mas os exemplos heroicos de uma vida de santidade. Morta, a ferida tornou-se limpa e passou a exalar um odor perfumado. Foi beatificada em 1627, ocasião em que o seu corpo mostrou-se no mesmo estado quando da sua morte, mais de cento e cinquenta anos antes. Seu corpo atualmente repousa no Santuário de Cascia, desde 18 de maio de 1947, numa urna de prata e cristal.  Exames médicos recentes efetuados no corpo confirmaram os traços de uma ferida óssea (osteomielite) na testa. A santa das causas impossíveis foi canonizada em 24 de maio de 1900, sob o pontificado do Papa Leão XIII.


(urna de cristal com o corpo de Santa Rita de Cássia)

Santa Rita de Cássia, rogai por nós!

quinta-feira, 21 de maio de 2020

CANTOS DA MISSA TRADICIONAL (II): VIDI AQUAM

Vidi Aquam (Ez 47,9; Sl 117,1) é a antífona cantada no início das missas dos domingos do Tempo Pascal, durante o cerimonial da aspersão da água benta, em substituição ao canto Asperges Me, entoado nos domingos fora do Tempo Pascal. Ao receber a aspersão, o fiel deve fazer o Sinal da Cruz. Durante a entoação das palavras: 'Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo', o sacerdote se volta para o altar e reclina respeitosamente a cabeça, continuando, a seguir, a prática da aspersão aos presentes. Caso necessário, o canto é repetido em sua parte inicial ou no todo.



Vidi aquam  egredientem de templo, a
latere dextro, alleluja: et omnes, ad quos
pervenit aqua ista, salvi facti sunt, et dicent:
alleluia, alleluia. Confitemini Domino,
quoniam bonus: quoniam in sæculum
misericordia ejus.
Gloria Patri, et Filio, et Spiritui Sancto
.sicut era in principio, et nunc, et semper,
et in saecula saeculorum. Amen. 

Vi a água jorrando do lado direito
do Templo, aleluia; e todos a quem
chegou esta água, serão salvos
e dirão: aleluia, aleluia.
Confessai ao senhor porque Ele é bom;
porque é eterna a sua misericórdia.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo
assim como era no princípio, agora e sempre,
por todos os séculos dos séculos. Amém.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

LEMBRANDO OS MÁRTIRES DE ABITENE...


Em 24 de fevereiro de 303, o imperador Diocleciano publicou um decreto proibindo aos cristãos, sob pena de morte, ter posse das Escrituras, reunir-se aos domingos para celebrar a Eucaristia e construir templos para os cultos da sua religião. Em Abitene, pequena localidade da África romana (na atual Tunísia), o bispo local (chamado Fundano) sucumbiu covardemente ao edito e entregou os Textos Sagrados às autoridades romanas. 

Alguns cristãos, porém, se recusaram a abdicar da fé cristã e continuaram professando a devoção corrente aos sacramentos. Num certo domingo, rezando a missa clandestinamente, 49 cidadãos de Abitene foram denunciados, presos e levados à presença das autoridades romanas em Cartago. Um a um, foram interrogados sobre a ilegalidade destes encontros e um a um, mesmo sob tortura, ratificaram os seus atos e a sua participação no santo sacramento da eucaristia por vontade e consciência próprias. 

O presbítero Saturnino, que havia presidido o culto, morreu sob tortura sem abdicar da sua fé cristã, sendo o seu ato seguido igualmente pelos seus quatro filhos: Saturnino, Felix, Maria e Hilarião, o mais novo. Quando perguntaram a Emérito porque participara do culto, ele respondeu: Sine Dominico non possumus! [Sem o domingo, não podemos (viver)!]. Isto é, sem o domingo, sem o sacramento da missa e da eucaristia, não podemos ser realmente católicos, não podemos viver sem celebrar o Dia do Senhor! Todos os demais proclamaram esse mesmo princípio e, por ele, foram todos assassinados como mártires da eucaristia.

Segundo a Tradição, eis os nomes dos 49 mártires de Abitene: Saturnino (pai), Saturnino (filho), Felix, Maria, Hilarião, Emérito, Dativo, Ampélio, Felix (outro), Rogaciano, Quinto, Maximiano ou Máximo, Tecla ou Tazelita, Rogaciano (outro), Rogado, Januário, Cassiano, Vitoriano, Vicente, Prima, Ceciliano, Restituta, Eva, Rogaciano (terceiro com o mesmo nome), Givalio, Rogado (outro), Pompônia, Secunda, Januária, Saturnina, Martino, Clautus, Felix (terceiro com o mesmo nome), Margarida, Maggiora, Honorata, Regiola, Vitorino, Pelúsio, Fausto, Deciano, Matrona, Cecília, Vitória, Herculina, Secunda (outra), Matrona (outra), Januária (outra) e Benigno, filho recém-nascido de Ampélio.

Acabamos de viver uma Páscoa sem sacramentos - um cenário indescritível nos 2000 anos da Igreja. Fundano é exemplo para quem? Pelo sangue destes mártires, a Igreja primitiva nos faz recordar que é melhor um cristão morrer do que abdicar da eucaristia e dos santos sacramentos... Quantos homens de Deus, nestes tristes tempos, seriam capazes de seguir até o fim o exemplo extremado dos 49 mártires de Abitene: sem o Domingo, o dia do Senhor, nós já não podemos viver?

terça-feira, 19 de maio de 2020

A VIDA OCULTA EM DEUS: A MANSIDÃO


49. A mansidão é uma das virtudes morais mais importantes para a vida contemplativa. Para nos dedicarmos à contemplação, precisamos da paz interior e exterior. A mansidão acalma a agitação de nossa alma e nos permite preservar a mais valiosa paz interior e exterior; facilita a oração, o diálogo em família e a conversa íntima com Deus; graças a isso, podemos ouvir a voz de Deus e segui-la. Existe em nós um poder de reação e irritação que nos permite lutar contra os obstáculos e combater o mal presente. É bom e lícito em si; sem ele, não seríamos capazes de agir, nossa alma tenderia a ser como uma roupa gasta e inerte e não seríamos capazes de reagir sensivelmente contra mal nenhum, nem mesmo contra o pecado.

Mas esse apetite, que por si só não é ruim, torna-se facilmente desordenado e repreensível quando se fica com raiva de coisas que não importam ou por razões que não são boas. Então, nasce na alma um desejo de vingança. Quando somos contrariados e feridos, sofremos e, porque sofremos, mantemos em nossos corações o desejo secreto de revidar no momento oportuno.

Portanto, é aconselhável ter muito cuidado porque essa é a pior coisa que existe na raiva, não só por ser contrária à caridade para com o próximo, a quem devemos querer bem, mas também muitas vezes contra a justiça. O terreno é escorregadio; pois esse desejo de vingança totalmente consentido, exceto no caso de matéria leve, poderia tornar-se um pecado mortal. Numa alma piedosa, o desejo surdo de vingança não é totalmente consentido, mas é perturbador por princípio e, como uma corrente profunda e semi-consciente, pode inspirar toda a nossa atividade sem que percebamos disso.

Daí aquelas estocadas, as provocações, aquelas palavras pretensamente amáveis ​​que têm suas gotas de amargura no final e com que habilidade o momento propício é capturado para machucar, morder ou espetar! Mas isso não é bom, pois é essencialmente contrário à virtude da mansidão e intimidade com Deus. Nunca uma alma que mantém esse sentimento - e nem estou falando de um grande desejo de vingança, mas daquele desejo que está oculto e que nem mesmo alguém deseja confessar a si mesmo - nunca esta alma poderá alcançar a paz. Este é um mal-estar espiritual muito doloroso que impede a completa tranquilidade e serenidade necessárias para contemplar a Deus.

A segunda e mais comum forma de imperfeição oposta  à virtude da mansidão é a impaciência, o mau humor. Quando nosso julgamento é contrariado, sentimos irritação, descontentamento, birra. Parece que se tira algo de nós, da nossa alma: uma preferência, um gosto por alguma coisa secundária que nos agradava, uma vontade que assumimos como nossa ... e sentimos a necessidade de demonstrar o nosso descontentamento por uma manifestação externa e, daí, o encolher dos ombros, a resposta inflamada e altiva, o olhar furtivo.

É aí que a virtude da mansidão deve intervir para paralisar o apetite irascível, com força reativa a outra força, para impedir de extravasar o que sentimos. Temos que ficar calados. Nenhuma palavra. Nem mesmo uma daquelas frases que parecem tão oportunas, tão justas. Não tente se  explicar. Mantenha-se calado! Se for possível, fale em um tom absolutamente moderado, totalmente amigável. Mas se não for possível, mantenha-se calado para deter, reprimir e sufocar a erupção vulcânica que está prestes a acontecer.

Para nos entregarmos a Deus na vida contemplativa, precisamos nos possuir primeiro. Uma alma que não sabe ter autocontrole não pode alcançar a paz. Existem mais ou menos dificuldades neste caminho, dependendo do temperamento de cada um, mas os movimentos desordenados devem ser dominados por esforços longos e pacientes. Caso contrário, a pessoa está sempre ocupada em ficar aborrecida ou aborrecer os outros. Está sempre refém de ficar ruminando na mente as coisas ditas, o que vai dizer ou o que poderia ter dito, e a pobre alma não arreda pé daí. É um novelo que não se desata, assim que parece terminar, recomeça. É impossível entregar-se a Deus durante esse tempo. Todo o período de oração será tomado por essa discussão interior com quem e com o que nos machucou. E é pena muito grande perder a própria oração! No final, diremos a nós mesmos: 'O que eu estava pensando? Fui infeliz, sofri e não rezei porque não consegui controlar essa paixão, essa corrente subterrânea que levou tudo consigo'.

(Excertos da obra 'A Vida Oculta em Deus', de Robert de Langeac; Parte I -  O Esforço da Alma; tradução do autor do blog)

segunda-feira, 18 de maio de 2020

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

'A ti, Senhor, que conheces os abismos da consciência humana, poderia eu esconder algo, ainda que não quisesse confessar-te? Eu poderia esconder-te de mim, mas nunca esconder-me de ti! Agora que meu pranto demonstra quanto me desagrado a mim mesmo, tu resplandeces aos meus olhos e me agradas, e és amável e desejável, a fim de que eu me despreze e renuncie a mim mesmo para escolher-te a ti, e que eu não agrade nem a mim nem a ti, senão por teu amor. Portanto, Senhor, tu me conheces como sou, e eu já disse com que finalidade me confesso a ti. É uma confissão feita, não com palavras e com a voz do corpo, mas com o grito interior da alma e com o clamor do pensamento, que os teus ouvidos já conhecem. Confessar o que fiz de mal significa o desgosto que tenho de mim mesmo. Mas, quando confesso o bem que fiz, nada posso atribuir a mim próprio, pois tu, Senhor, 'abençoas o justo'; no entanto, foste tu que o tornaste justo, do ímpio que era. Assim, esta confissão diante de ti é, ao mesmo tempo, silenciosa e não silenciosa. Cala-se a voz, grita o coração. Tudo que digo aos homens, tu já ouvistes de mim; e de mim nada ouves que tu mesmo não tenhas dito antes'.

(Confissões, Santo Agostinho)

domingo, 17 de maio de 2020

PÁGINAS COMENTADAS DOS EVANGELHOS DOS DOMINGOS


'Será melhor sofrer praticando o bem, se esta for a vontade de Deus, do que praticando o mal. Com efeito, também Cristo morreu, uma vez por todas, por causa dos pecados; o justo, pelos injustos, a fim de nos conduzir a Deus. Sofreu a morte, na sua existência humana, mas recebeu nova vida pelo Espírito' (1Pd 3, 17-18)

PÁGINAS DO EVANGELHO (2019 - 2020)

sábado, 16 de maio de 2020

A INSONDÁVEL PROFUNDIDADE DE DEUS

Deus está em todo lugar, imenso e próximo em toda parte, conforme o testemunho dado por ele mesmo: 'Eu sou o Deus próximo e não o Deus de longe'. Não busquemos, então, longe de nós a morada de Deus, que temos dentro de nós, se o merecermos. Habita em nós como a alma no corpo, se formos seus membros sadios, mortos ao pecado. Então verdadeiramente mora em nós aquele que disse: 'E habitarei neles e entre eles andarei'. Se, portanto, formos dignos de tê-lo em nós, em verdade seremos vivificados por ele, como membros vivos seus: nele, assim diz o Apóstolo, vivemos, nos movemos e somos. 

Quem, pergunto eu, investigará o Altíssimo em sua inefável e incompreensível essência? Quem sondará as profundezas de Deus? Quem se gloriará de conhecer o Deus infinito que tudo enche, tudo envolve, penetra em tudo e ultrapassa tudo, tudo contém e esquiva-se a tudo? Aquele que ninguém jamais viu como é. Por isto, não haja a presunção de indagar sobre a impenetrabilidade de Deus, o que foi, como foi, quem foi. São realidades indizíveis, inescrutáveis, ininvestigáveis; simplesmente, mas com todo o ardor, crê que Deus é como será, do modo como foi, porque Deus é imutável.

Quem, pois, é Deus? Pai, Filho e Espírito Santo, um só Deus. Não perguntes mais sobre Deus; porque os que querem conhecer a imensa profundidade, têm antes de considerar a natureza. Com razão compara-se o conhecimento da Trindade à profundeza do mar, conforme diz o sábio: 'E a imensa profundidade, quem a alcançará'? Do modo como a profundeza do mar é invisível ao olhar humano, assim a divindade da Trindade é percebida como incompreensível pelo entendimento humano. Por conseguinte, se alguém quiser conhecer aquele em quem deverá crer, não julgue compreender melhor falando do que crendo; ao ser investigada, a sabedoria da divindade foge para mais longe do que estava.

Procura, portanto, a máxima ciência não por argumentos e discursos, mas por uma vida perfeita; não pela língua, mas pela fé que brota da simplicidade do coração, não adquirida por doutas conjeturas da impiedade. Se, por doutas investigações procurares o inefável, irá para mais longe de ti do que estava; se, pela fé, a sabedoria estará à porta, onde se encontra; e onde mora poderá ser vista ao menos em parte. Mas em verdade até certo ponto também será atingida, quando se crer no invisível, mesmo sem compreendê-lo; deve-se crer em Deus por ser invisível embora, em parte, o coração puro o possa ver.

(São Columbano, século VII)