segunda-feira, 30 de abril de 2018

A INSONDÁVEL PROFUNDIDADE DE DEUS

'Se Deus pudesse ser compreendido, não seria Deus'  
(Santo Agostinho)

Deus está em todo lugar, imenso e próximo em toda parte, conforme o testemunho dado por ele mesmo: Eu sou o Deus próximo e não o Deus de longe. Não busquemos, então, longe de nós a morada de Deus, que temos dentro de nós, se o merecermos. Habita em nós como a alma no corpo, se formos seus membros sadios, mortos ao pecado. Então verdadeiramente mora em nós aquele que disse: E habitarei neles e entre eles andarei. Se, portanto, formos dignos de tê-lo em nós, em verdade seremos vivificados por ele, como membros vivos seus: nele, assim diz o Apóstolo, vivemos, nos movemos e somos. 

Quem, pergunto eu, investigará o Altíssimo em sua inefável e incompreensível essência? Quem sondará as profundezas de Deus? Quem se gloriará de conhecer o Deus infinito que tudo enche, tudo envolve, penetra em tudo e ultrapassa tudo, tudo contém e esquiva-se a tudo? Aquele que ninguém jamais viu como é. Por isto, não haja a presunção de indagar sobre a impenetrabilidade de Deus, o que foi, como foi, quem foi. São realidades indizíveis, inescrutáveis, ininvestigáveis; simplesmente, mas com todo o ardor, crê que Deus é como será, do modo como foi, porque Deus é imutável.

Quem, pois, é Deus? Pai, Filho e Espírito Santo, um só Deus. Não perguntes mais sobre Deus; porque os que querem conhecer a imensa profundidade, têm antes de considerar a natureza. Com razão compara-se o conhecimento da Trindade à profundeza do mar, conforme diz o Sábio: E a imensa profundidade, quem a alcançará? Do modo como a profundeza do mar é invisível ao olhar humano, assim a divindade da Trindade é percebida como incompreensível pelo entendimento humano. Por conseguinte, se alguém quiser conhecer aquele em quem deverá crer, não julgue compreender melhor falando do que crendo; ao ser investigada, a sabedoria da divindade foge para mais longe do que estava.

Procura, portanto, a máxima ciência não por argumentos e discursos, mas por uma vida perfeita; não pela língua, mas pela fé que brota da simplicidade do coração, não adquirida por doutas conjecturas da impiedade. Se, por doutas investigações procurares o inefável, irá para mais longe de ti do que estava; se, pela fé, a sabedoria estará à porta, onde se encontra; e onde mora poderá ser vista ao menos em parte. Mas em verdade até certo ponto também será atingida, quando se crer no invisível, mesmo sem compreendê-lo; deve-se crer em Deus por ser invisível, embora em parte o coração puro o veja.

(Das Instruções de São Columbano, abade)

domingo, 29 de abril de 2018

A VIDEIRA ETERNA

Páginas do Evangelho - Quinto Domingo da Páscoa


Neste Quinto Domingo da Páscoa, como os ramos da videira eterna, somos chamados a permanecer em Deus, vivendo em plenitude os ensinamentos de Cristo e, como cooperadores e partícipes na obra do Pai, sermos frutos de salvação, no apostolado diário e na vivência diária da nossa vocação para a santidade, como Filhos de Deus: 'Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto, se não permanecerdes em mim' (Jo 15, 4).

Eis a verdadeira medida do nosso amor: a plena confiança em Deus e nos desígnios da Providência Divina. Que nada além desta disposição interior, de colocar tudo nas mãos de Deus, seja o nosso conforto e consolação. Deus governa todas as coisas e sabe, muito além de nós mesmos, como nos levar a uma mais perfeita santificação. Com Cristo, por Cristo e em Cristo, a seiva da graça é levada a todos os ramos para que possam produzir muitos frutos de salvação: 'Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer' (Jo 15, 5).

Como rebentos vigorosos da videira eterna, somos cuidados com infinito amor. Deus é próprio agricultor destas vinhas eternas; nos cerca de zelos extremados, corta as imperfeições de nossas almas insensatas; poda os ramos que se curvam sob o peso das tentações e das provações, para que se reergam mais fortes e mais atraídos para o alto, para os ditames da luz. Como ramos limpos e regados com a seiva da vida eterna, somos chamados à perseverança em Deus, permanecendo e fazendo conservar no coração os tesouros da graça, a exemplo de Maria, nossa Mãe, que 'conservava todas estas coisas, meditando-as no seu coração' (Lc 2, 19).

Perdida a seiva, os ramos secam, atrofiam, morrem... não podendo se sustentar por si mesmos, perdem o vigor, a essência da vida; não podem dar frutos nem sementes, caem por terra e serão consumidos pelo fogo: 'Quem não permanecer em mim, será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados' (Jo 15, 6). Não há meio termo no plano da salvação: ou somos ramos vivos ligados à videira, ou somos ramos mortos destinados ao fogo eterno. Pelo apostolado, por nossas obras de caridade, tornamo-nos rebentos vivos desta videira eterna, como discípulos de Jesus e para a maior glória de Deus. 

29 DE ABRIL - SANTA CATARINA DE SENA


Santa Catarina de Sena nasceu Caterina di Giacomo di Benincasa na cidade de Sena / Itália, em 25 de março de 1347, de família humilde e numerosa. Desde tenra idade foi cumulada pela Providência Divina de visões místicas e dons sobrenaturais, que incluíram mais tarde a manifestação de estigmas semelhantes aos de Nosso Senhor. Ofereceu-se a Deus desde a infância e, ainda muito jovem, já havia recebido o hábito de penitente da Ordem Terceira de São Domingos.

Reclusa em sua cela, em orações e jejuns constantes, Catarina passou por inúmeras experiências sobrenaturais, que culminaram com a celebração de suas núpcias místicas com o Senhor, na cela de sua reclusão, nas vésperas da Quarta-Feira de Cinzas do ano de 1367. Acostumada a uma vida de rígida abstinência, a comunhão era, muitas vezes, o seu único alimento por vários dias. Mas, segundo o seu confessor e primeiro biógrafo, Raimundo de Cápua, Jesus vai demandá-la a abandonar a vida reclusa e a dedicar-se totalmente a uma missão pública em favor da Igreja.

A Europa à época de Santa Catarina estava marcada pela peste, pela violência e por uma grave crise da Igreja. O papado estava recolhido na cidade francesa de Avignon, sob influência política de diversos reinos e ducados. Catarina tornou-se, então, a servidora humilde de todos, cuidou dos doentes, pregou um apostolado intensivo e lutou incessantemente pelo restabelecimento da paz, mediante visitas pessoais ou envio de cartas a diferentes políticos e governantes, conclamando o próprio papa - Gregório XI - a retomar o seu pontificado a partir de Roma. 

E o retorno do papa a Roma ocorreu em janeiro de 1377. Neste período, tem início os primeiros registros das conversações entre a sua alma e Deus, mais tarde transcritas na obra hoje conhecida como 'Diálogo'. Mas a paz na Igreja não seria longa, sendo marcada por novas revoltas e a morte em seguida de Gregório XI. Em Roma, os cardeais elegem Urbano VI; em Avignon, alguns cardeais franceses dão origem ao Grande Cisma do Ocidente, não aceitando o novo papa de Roma e elegendo o antipapa Clemente VII. 

A angústia e aflição diante destes fatos e da incerteza sobre o futuro da Igreja a acompanhariam até à sua morte prematura, ocorrida em 29 de abril de 1380, aos 33 anos de idade. Sua cabeça foi separada do corpo e é venerada na Basílica de San Domenico em Siena e o corpo encontra-se na Igreja de Santa Maria Sopra Minerva, em Roma. Catarina foi canonizada em 1461 pelo papa Pio II e declarada 'doutora da Igreja' pelo papa Paulo VI em 1970, apenas alguns dias depois da concessão da primeira e igual honraria dada à Santa Teresa de Ávila.

(cabeça preservada e túmulo de Santa Catarina de Sena)

sábado, 28 de abril de 2018

28 DE ABRIL - SÃO LUÍS DE MONTFORT

c
Missionário do Espírito Santo e da Virgem Santíssima, São Luís Maria Grignion de Montfort foi o portador da graça divina de uma mensagem de transcendência extraordinária: a necessidade de uma devoção ardente à Mãe de Deus e do conhecimento da missão ímpar de Nossa Senhora no Segundo Advento do seu Filho.

Nasceu em 31 de janeiro de 1637 em Montfort (França), sendo ordenado sacerdote em 1700. Em 1706, foi recebido pelo Papa Clemente XI que, confirmando a sua vocação missionária, outorgou-lhe o título de 'Missionário Apostólico'. Nesta missão, combateu duramente a doutrina jansenista na França, que, crendo na predestinação, apresentava um Deus tirânico e sem misericórdia. 

Fundou três instituições religiosas: a Companhia de Maria (congregação de sacerdotes missionários), as Filhas da Sabedoria (freiras dedicadas à assistência aos doentes nos hospitais e à instrução de meninas pobres) e os Irmãos de São Gabriel (congregação de leigos voltados para o ensino). Escreveu várias obras, dentre ela o 'Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem', referência básica da mariologia cristã. Morreu em 28 de abril de 1716, aos 43 anos e apenas 16 anos como sacerdote, em Saint-Laurent-sur-Sèvre (França). Foi beatificado em 1888 e canonizado em 1947, pelo Papa Pio XII.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

SOBRE A VERDADEIRA DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA

'Eu sou todo teu, e tudo o que é meu te pertence, meu amável Jesus, por meio de Maria, tua Santa Mãe'. 

'Cristo é o nosso único mestre e deve instruir-nos, o nosso único Senhor do qual devemos depender, a nossa única Cabeça à qual devemos permanecer unidos, o nosso único modelo com o qual nos devemos conformar, o nosso único médico que nos deve curar, o nosso único pastor que nos deve alimentar, o nosso único caminho que nos deve vivificar e o nosso único tudo, em todas as coisas, que nos deve satisfazer'.

[A devoção à Santa Virgem é um meio privilegiado] 'para encontrar Jesus Cristo, para o amar com ternura e para o servir com fidelidade'.

'Todas as vezes que pensas em Maria, Maria louva e honra contigo a Deus. Maria é toda relativa a Deus, e eu chamá-la-ia muito bem a relação de Deus, que existe unicamente em relação a Deus, o eco de Deus, que não diz e não repete a não ser Deus. Se dizes Maria, ela repete Deus. Santa Isabel louvou Maria e proclamou-a bem-aventurada porque acreditou. Maria o eco fiel de Deus entoou: Magnificat anima mea Dominum: a minha alma louva ao Senhor. Aquilo que Maria fez naquela ocasião, repete-o todos os dias. Quando é louvada, amada, honrada ou recebe algo, Deus é louvado, Deus é amado, Deus recebe pelas mãos de Maria e em Maria'.

'Toda a nossa perfeição consiste em ser conformes, unidos e consagrados a Jesus Cristo. Por isso, a mais perfeita de todas as devoções é incontestavelmente a que nos conforma, une e consagra mais perfeitamente a Jesus Cristo. Mas, sendo Maria a criatura mais conforme a Jesus Cristo, tem-se como resultado que, entre todas as devoções, a que consagra e conforma mais uma alma a nosso Senhor é a devoção a Maria, sua Mãe santa, e que quanto mais uma alma estiver consagrada a Maria, tanto mais estará consagrada a Jesus Cristo'.

'Ela é de tal forma transformada em ti pela graça, que não vive mais, não existe mais: és unicamente Tu, meu Jesus, que vives e reinas nela... Ah! se conhecêssemos a glória e o amor que tu recebes nesta maravilhosa criatura... Ela está tão intimamente unida... De fato, ela ama-te mais ardentemente e glorifica-te mais perfeitamente do que todas as outras criaturas juntas'.

'Como é feliz uma alma quando... está totalmente arrebatada e guiada pelo espírito de Maria, que é um espírito doce e forte, zeloso e prudente, humilde e corajoso, puro e fecundo'. 

'Não há nada entre os cristãos que faça pertencer de maneira mais absoluta a Jesus Cristo e à sua Santa Mãe como a escravidão da vontade, segundo o exemplo do próprio Jesus Cristo, que assumiu a condição de escravo por amor a nós'.

'Portanto, quanto mais ganhares a benevolência desta venerável Princesa e Virgem fiel, tanto mais o teu comportamento de vida estará inspirado pela fé pura. Uma fé pura, portanto não te preocuparás minimamente de quanto é sensível e extraordinária. Uma fé viva e animada pela caridade, que te fará agir unicamente com motivo do amor puro. Uma fé firme e inabalável como uma rocha, que te fará permanecer firme e constante no meio de furacões e de tempestades. Uma fé laboriosa e penetrante que, como misteriosa chave polivalente, te fará entrar em todos os mistérios de Jesus Cristo, nos fins últimos do homem e no coração do próprio Deus. Uma fé corajosa, que te fará empreender e concretizar sem hesitações coisas grandes para Deus e para a salvação das almas. Por fim, uma fé que será a tua chama ardente, a tua vida divina, o teu tesouro escondido da Sabedoria divina e a tua arma onipotente, com a qual esclarecerás todos os que são tíbios e têm necessidade do ouro ardente da caridade, darás de novo vida aos que morreram por causa do pecado, comoverás e perturbarás com as tuas palavras suaves e fortes os corações de pedra e os cedros do Líbano e, por fim, resistirás ao demônio e a todos os inimigos da salvação'.

'Nós unimos as almas a ti, nossa esperança, como a uma âncora firme. A ela afeiçoaram-se em maior medida os santos que se salvaram e fizeram afeiçoar os outros, para que perseverassem na virtude. Portanto, bem-aventurados, infinitamente bem-aventurados os cristãos que hoje se mantêm unidos a ela, fiel e totalmente como a uma âncora firme'.

(Citações da obra 'Tratado sobre a Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem' de São Luís Maria Grignion de Montfort, constantes da carta do Papa João Paulo II às famílias montfortinas sobre a doutrina do seu fundador, em 0812/2003)

quinta-feira, 26 de abril de 2018

FOTO DA SEMANA

'Então se saberá que sou eu o Senhor, quando eu houver feito da terra uma triste solidão, por causa de todas as abominações que cometeram' (Ez 33, 29)

quarta-feira, 25 de abril de 2018

A BÍBLIA EXPLICADA (XIX) - A PORTA ESTREITA

'Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduzem à perdição e numerosos são os que por aí entram. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho da vida e raros são os que o encontram' 
(Mt 7, 13-14)


No livro do Deuteronômio [capítulos 28 a 32], Deus dispôs diante o povo hebreu dois caminhos - um repleto de bênçãos; outro eivado de maldições. Dois caminhos antagônicos, opostos, separados por um abismo de consequências irreconciliáveis: 'ponho diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois, a vida, para que vivas com ela a tua posteridade, amando o Senhor, teu Deus, obedecendo à sua voz e permanecendo unido a ele. Porque é esta a tua vida e a longevidade dos teus dias na terra que o Senhor jurou dar a Abraão, Isaac e Jacó, teus pais' (Dt 30, 19-20).

Jesus nos remete à mesma opção dos dois caminhos que conduzem, ao final da trilha, a uma porta estreita ou a uma porta larga e espaçosa. No primeiro caso, não se anda em bandos, nem no atropelo de caravanas ou romarias, mas impõe uma caminhada pessoal, contínua e perseverante, que nos leva às eternas moradas. Muitas vezes, e quase sempre, estamos sozinhos e seguir em frente não nos dá o privilégio da companhia. Por isso, é um caminho difícil, penoso, que depende essencialmente de uma escolha pessoal. O segundo caminho é plano e espaçoso, que oferece muitos encantos e encontros, muitas opções de paradas e descanso. Nunca estaremos sozinhos e, muitas vezes, seguir é apenas uma opção entre parar e voltar muitos passos.

Cada um de nós é totalmente responsável pelo seu destino final, pela construção de uma caminhada essencialmente pessoal; vamos prestar contas de todos os nossos atos e de nossa vida sozinhos - irremediavelmente sozinhos - diante do Pai. Por isso, o caminho espiritual de elevação a Deus é uma senda estreita; cada passo dado é uma certeza absoluta de que estamos mais perto da felicidade eterna, mais próximos de Deus. O outro caminho, pela sua amplitude, falseia esta realidade e nos consola com apelos mundanos e da companhia provisória, comumente nos expõe às necessidades humanas e aos interesses do tempo, e nos regala com a brevidade da vida e não com a eternidade da graça.

Jesus é enfático em caraterizar as dificuldades de se seguir o 'caminho da vida'. Dizer-se ciente e comprometido com a Santa Vontade de Deus é um propósito bastante atraente e certamente atrai muitas boas intenções e pode ser inclusive bastante romantizado, mas nada tem de fácil ou de romântico. É um caminho de decisões constantes, firmes decisões, no compromisso de se viver a autêntica fé cristã no cotidiano da vida. Exige convicção, fortaleza de espírito, perseverança, confiança em Deus. Não é um percurso de algumas horas ou uma senda de quilômetros. É um caminho a ser percorrido por uma vida inteira, todos os dias. O caminho da vida leva à porta da vida eterna: não se fica diante de Deus pela eternidade sem gastar a sola do sapato no caminho da santidade. 

O 'caminho da morte', por outro lado, é gratuito e feliz, quase como uma corredeira de eventos jubilosos. Quase nunca se está sozinho, a felicidade está sempre nos outros, nos prazeres de lugares e acontecimentos. O coração está cheio de amores e disposições, mas apenas para os sentimentos e os interesses mais óbvios e humanos; a vontade está condicionada a um futuro imediato e previsível; a mente está totalmente tomada pelo significado de coisas a fazer no estrito domínio da rendição completa aos ditames do tempo que passa. 

Todo homem terá que percorrer um destes dois caminhos; não existe meio termo. Jesus não aceitou a sua missão pela metade e redimiu o mundo porque aceitou plenamente o caminho do amor e o caminho da Cruz. E, ao dar o testemunho da porta estreita, foi incisivo em determinar que o caminho da redenção e da salvação tem o mesmo sentido. Deus não faz opções por quem tem meio coração, um coração partido e dividido entre Deus e o mundo, entre a fé e o pecado. É apenas o pleno amor a Deus que vai empurrar, no amparo do livre arbítrio, as nossas almas para o caminho estreito da vida e para a porta estreita da eternidade, tal como nos conclama o próprio Deus, com santa veemência, pela boca de Moisés: 'Escolhe, pois, a vida' (Dt 30, 19).

terça-feira, 24 de abril de 2018

A CARIDADE É A MANIFESTAÇÃO DE TODAS AS VIRTUDES

O que desejo do homem, como frutos da ação, é que prove suas virtudes na hora oportuna. Talvez ainda te recordes! Quando, há muito tempo, desejavas fazer grandes penitências por minha causa e perguntavas: 'Que mortificações eu poderia fazer por ti?', eu te respondi no pensamento: 'Sou aquele que gosta de poucas palavras e de muitas ações'. Então era minha intenção mostrar-te que não me comprazo no homem que apenas me chama por palavras: 'Senhor, Senhor, gostaria de fazer algo por ti', ou naquele que pretende mortificar o corpo com muitas macerações, mas sem destruir a vontade própria. Queria dizer-te que desejo ações varonis e pacientes, bem como as virtudes internas, de que falei antes, as quais são todas elas operativas e produtoras de bons frutos na graça.

Ações baseadas em outros princípios constituem para mim meras palavras, realizações passageiras. Eu, qual ser infinito, quero ações infinitas, amor infinito. Desejo que as mortificações e demais exercícios corporais sejam considerados como meios, não como fins. Se neles repousar o inteiro afeto da pessoa, ser-me-ia dado algo de finito, à semelhança de uma palavra que, ao sair da boca, já não existe, quando é pronunciada sem amor. Só o amor produz e revela a virtude!

Quando uma ação, que chamei com o nome de 'palavra', está embebida de caridade, então me agrada; já não se apresenta sozinha, mas acompanhada de discernimento verdadeiro, isto é, como ato que é meio para se atingir um objetivo superior. Não é exato olhar a penitência ou qualquer ato externo como base e finalidade principal; são obras limitadas, seja porque praticadas durante esta vida passageira, seja porque um dia a pessoa terá que deixá-las por resolução pessoal ou por ordem alheia. Umas vezes a abandonará o homem coagido pela impossibilidade de continuar o que começou, e isto acontece em situações diversas; outras vezes por obediência à ordem do superior. Aliás, neste caso, se as continuar não terá merecimento algum e cometerá até uma falta.

Como percebes, as mortificações são coisas finitas e como tais hão de ser praticadas. São meios, não finalidade. Quem as assume como finalidade, sentir-se-á vazio quando tiver de abandoná-las. Foi quanto ensinou o glorioso apóstolo Paulo ao vos convidar em sua carta (Cl 3,5) a mortificar o corpo e a destruir a vontade própria, ou seja, a refrear o corpo mortificando a carne, quando ela se opõe ao espírito. A vontade própria deve ser destruída e submetida à minha. Tal coisa é feita pela virtude do discernimento, como expliquei antes, com o desprezo do pecado e da sensualidade, por efeito do autoconhecimento. Eis a espada que mata e corta todo egoísmo; eis os servidores que não me apresentam somente 'palavras', mas ações. Eles formam o meu prazer. É em tal sentido que afirmava eu que desejo poucas palavras e muitas ações!

Ao dizer 'muitas', não me refiro à quantidade. É o desejo da alma, alicerçado no amor que vivifica as virtudes, que há de atingir o infinito. Também não quis manifestar desprezo pela palavra! Apenas afirmei que desejava 'poucas palavras', a indicar que todas as ações externas são finitas. Indiquei-as com o termo 'poucas', mas elas bem que me agradam quando são feitas como meios para adquirir a virtude, sem a conotação de objetivo principal.

Não se deve considerar como mais perfeito o grande penitente que arrasa o seu corpo, ao fazer a comparação com alguém que se mortifica menos. Como já disse, seu merecimento não está nisso. Se assim fosse, mal estaria quem, por razões legítimas, não pode fazer atos de penitência externa e vive unicamente na prática do amor, sob a luz do discernimento, sem poder agir diversamente. O discernimento leva o homem a amar-me sem limites, sem restrições, já que sou a Verdade suma e eterna. É relativamente ao amor ao próximo, que o discernimento impõe limites e formas de amar.

Ao brotar da caridade, o discernimento faz amar o próximo ordenadamente. Pela caridade exercida com retidão, ninguém pode pecar, prejudicando-se sob pretexto de ser útil aos outros. Não seria caridade com discernimento se alguém cometesse um só pecado para salvar o mundo inteiro do inferno ou para adquirir um grande ato de virtude. Seria falta de discernimento, pois é ilícito fazer uma grande ação virtuosa ou beneficente através de um ato pecaminoso. O verdadeiro discernimento ordena-se da seguinte forma: faz o homem orientar todas as suas faculdades a me servirem com virilidade e solicitude; amar o próximo realmente, mesmo sacrificando mil vezes a vida corporal, se fosse possível, para a salvação alheia; suportar dificuldades e aflições para que o outro possua a vida da graça; colocar os seus bens materiais a serviço do outro. Eis quanto realiza o discernimento na medida em que procede do amor.

Compreendes, assim, que o homem que deseja ter a graça, com discernimento tributar-me-á amor infinito, sem restrições; quanto ao próximo, ter-lhe-á juntamente com esse amor infinito uma caridade ordenada, não se prejudicando com pecados, sob pretexto de ajudá-lo. A esse respeito vos advertiu São Paulo (1Cor 13,1-) que a caridade deve começar por si mesmo, pois de outra forma não seria de perfeita utilidade para os demais. No caso de imperfeição interior, imperfeitas serão as obras feitas para si e para o próximo. Não é certo que alguém para salvar pessoas finitas e criadas por mim, viesse a ofender-me enquanto Bem infinito. Seria mais grave e de maiores proporções a culpa que o efeito decorrente. Por motivo algum, portanto, deves cometer o pecado. Sabe disto a caridade verdadeira, a qual possui a iluminação do discernimento santo.

O discernimento é uma luz que dissolve a escuridão, afasta a ignorância e alimenta as virtudes, bem como as ações externas que conduzem à virtude. Ele constitui uma atitude prudente que não padece enganos, uma atitude perseverante que não pode ser vencida. O discernimento estende-se do céu à terra, isto é, do conhecimento do meu ser até o conhecimento do próprio ser, do meu amor ao amor pelo próximo. E sempre com humildade. Prudentemente ele evita e sai ileso de todos os laços do demônio e dos homens. Sem outras armas além da paciência, ele superou o demônio. Mediante essa doce e gloriosa iluminação, a carne reconheceu a própria fraqueza; desprezou-se; venceu o mundo; submeteu-o a um amor maior; envileceu-o; como senhor, dele fez caçoada!

Devido ao discernimento, os seguidores do mundo são incapazes de destruir as virtudes internas; ao contrário, suas perseguições até as fazem aumentar, servindo-lhes de prova. Como indiquei, as virtudes são concebidas interiormente no amor e depois se revelam, exteriorizam-se através do próximo. Assim, se as virtudes não se mostrarem, agindo exteriormente no tempo da perseguição, é sinal de que não se tratava de verdadeira virtude interna. Já disse e expliquei que uma virtude não será perfeita, nem frutificará, senão em benefício dos homens. Acontece como para a mulher que concebeu um filho; enquanto não der à luz a criança, de modo que a veja a sociedade, seu marido não dirá que tem um filho. Sucede o mesmo comigo, esposo da alma; até que a pessoa não exteriorize sua virtude no amor do homem, revelando-a de acordo com as urgências em geral ou em particular, afirmo que na realidade não é interiormente virtuosa. O mesmo afirmo quanto aos vícios, pois todos eles são cometidos contra os homens.

('O Diálogo', de Santa Catarina de Sena)

segunda-feira, 23 de abril de 2018

CATECISMO MAIOR DE PIO X (V)

Jacó e seus filhos no Egito

37. José, no Egito, logo granjeou, com sua virtude, a estima e o afeto de seu amo; mas depois, caluniado pela mulher de Potifar, foi lançado no cárcere. Ali esteve durante dois anos, até que, por haver interpretado ao Faraó e rei do Egito dois sonhos e profetizado que depois de sete anos de fartura seguiriam sete anos de fome, foi retirado da prisão e nomeado vice-rei do Egito. No tempo de abundância José fez grandes provisões, de maneira que quando a fome começou assolar a terra, o Egito estava abastecido de mantimentos.

38. Gente de toda parte ia até lá para acudir ao trigo; Jacó também foi forçado a enviar os seus filhos, que a princípio não conheceram José; mas reconhecidos por ele, deu-se-lhes a conhecer, ordenou-lhes que trouxessem seu pai ao Egito com toda sua família. Jacó, ansioso por abraçar o seu filho amado, foi até lá, e o rei lhe assinalou a terra de Gessen para sua morada e dos seus.

39. Depois de 17 anos no Egito, Jacó, próximo da morte, reuniu em torno de si os seus doze filhos, e com eles os dois filhos de José por nome Efraim e Manassés; recomendou que voltassem para a terra de Canaã, mas sem deixar esquecidos seus ossos no Egito; abençoou a todos em particular, predizendo a Judá, que o cetro ou poder supremo não sairia de sua descendência até a vinda do Messias.

Servidão dos hebreus no Egito

40. Os descendentes de Jacó, chamados hebreus ou israelitas, foram por algum tempo respeitados e tolerados pelos egípcios. Mas multiplicaram-se em grande número, formando um grande povo; outro Faraó, que reinou mais tarde, oprimiu-os com o jugo da mais dura escravidão, chegando a ordenar que todos os filhos varões recém-nascidos fossem jogados no Nilo.

Libertação dos hebreus por Moisés

41. Na terrível escravidão do Egito teria perecido todo o povo hebreu sem ver a terra de Canaã, se Deus não viesse prodigiosamente tirá-los das mãos de seus opressores cruéis.

42. Um menino hebreu, de nome Moisés foi providencialmente salvo das águas do Nilo pela filha de Faraó, que o instruiu e o educou na mesma corte de seu pai. Deus se serviu dele para libertar seu povo e cumprir as promessas feitas a Abraão.

43. Moisés já crescido, ordenou-lhe o Senhor que, em companhia de seu irmão Aarão, fosse ao Faraó e lhe intimasse que permitisse aos hebreus saírem do Egito. O Faraó recusou. Moisés, para vencer o coração endurecido do rei, munido de um cajado, feriu o Egito com dez castigos prodigiosos e terríveis, denominados as Pragas do Egito, a última das quais foi que um Anjo, por volta da meia-noite, começando pelo filho do rei, matou todos os primogênitos do Egito, desde os homens até os animais.

44. Na mesma noite em que ocorreu este massacre, os hebreus, por ordem de Deus, celebraram pela primeira vez a festa da Páscoa, que quer dizer passagem do Senhor. Aqui o rito ordenado por Deus: que cada família sacrificasse um cordeiro sem defeito e rociasse com seu sangue a porta de sua casa, com o qual estaria segura durante a passagem do Anjo; que assasse a carne e a comesse logo em traje de caminhantes, com o báculo nas mãos, como pessoas prontas para partir. Esse cordeiro era uma figura do imaculado Cordeiro Jesus, que com o seu sangue havia de salvar todos os homens da morte eterna.

45. O Faraó e todos os egípcios, à vista de seus filhos mortos, sem mais tardança deram pressa aos hebreus para que partissem, entregando-lhes todo o ouro e prata e quanto pediram. Os hebreus partiram e, depois de três dias, encontravam-se junto à praia do Mar Vermelho.

Travessia do Mar Vermelho

46. Logo arrependeu-se o Faraó de ter deixado partir os hebreus e imediatamente seguiu atrás deles com seu exército, e alcançou-os junto ao mar. Moisés encorajou o povo, que estava aterrorizado com a visão dos egípcios; estendeu seu cajado sobre o mar e as águas foram divididas lado a lado até o fundo, deixando grande caminho aos hebreus, que passaram a pé enxuto.

47. O Faraó, obstinado em sua perversidade, lançou-se atrás deles por aquele caminho, mas apenas entrou, as águas caíram sobre ele, e todos, homens e cavalos, foram submersos.

(Do Catecismo Maior de Pio X)

domingo, 22 de abril de 2018

O BOM PASTOR

Páginas do Evangelho - Quarto Domingo da Páscoa


No Quarto Domingo da Páscoa, Jesus se apresenta como o Bom Pastor: 'Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas' (Jo 10, 11). Jesus acabara de curar um cego de nascença e os fariseus o condenavam por ter praticado um milagre tão extraordinário num sábado. Mas o cego, superando a obstinação, a hipocrisia e as ameaças daqueles homens, não apenas viera reencontrar Jesus mas, como ovelha do Bom Pastor, prostrou-se diante dele e o adorou. Diante da multidão perplexa por estes fatos, Jesus projeta no cego curado as ovelhas do seu rebanho, e se apresenta como o Bom Pastor que acolhe as suas ovelhas com doçura extrema e infinita misericórdia, e que é capaz de dar a sua vida por elas. 

Jesus, o Bom Pastor, conhece e ama, com profunda misericórdia, cada uma de suas ovelhas desde toda a eternidade: 'Eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem, assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai. Eu dou minha vida pelas ovelhas' (Jo 10, 14 - 15). Nada, nem coisa, nem homem, nem demônio algum, poderá nos apartar do amor de Deus. Porque este amor, sendo infinito, extrapola a nossa condição humana e assume dimensões imensuráveis. Ainda que todos os homens perecessem e a humanidade inteira ficasse reduzida a um único homem, Deus não poderia amá-lo mais do que já o ama agora, porque todos nós fomos criados, por um ato sublime e extraordinariamente particular da Sua Santa Vontade, como herdeiros dos céus e para a glória de Deus: 'Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. A Ele a glória por toda a eternidade!' (Rm 11, 36).

A missão do Bom Pastor é universal, porque o rebanho é universal e só um verdadeiramente é o Bom Pastor, que não abandona nunca as suas ovelhas: 'Haverá um só rebanho e um só pastor' (Jo 10, 16). Todos aqueles que ainda não se encontram no redil do Bom Pastor, a Santa Igreja, devem ser buscados como ovelhas desgarradas, para que se unam ao único rebanho e que, sob a voz do Bom Pastor, sejam conduzidas com segurança às fontes da água da vida (Ap 7, 17): 'Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância' (Jo 1, 10). Jesus nos convoca, assim, à missão de um apostolado universal, delegando a todos nós, os batizados, a enorme tarefa da evangelização para que se faça, no redil da terra, um só rebanho e um só Pastor.

Reconhecer-nos como ovelhas do rebanho do Bom Pastor é manifestar em plenitude a nossa fé e esperança em Jesus Cristo, Deus Único e Verdadeiro: 'Dai graças ao Senhor, porque ele é bom! Eterna é a sua misericórdia!' (Sl 117). Como ovelhas do Bom Pastor, a pedra angular (At 4, 11) que nunca nos será tirada, não nos basta ouvir somente a voz da salvação; é preciso segui-Lo em meio às provações da nossa humanidade corrompida, confiantes e perseverantes na fé, pois 'desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é' (1 Jo 3, 2).

sexta-feira, 20 de abril de 2018

BREVIÁRIO DIGITAL (LXIV) - ILUSTRAÇÕES DE NADAL (XII)

coena communis, et lavatio pedum

101. Evangelho (Mt 26, Mc 14, Lc 22, Jo 13): A Última Ceia e o Lava-pés

 sanctissimi sacramenti, et sacrificii instituto

102. Evangelho (Mt 26, Mc 14, Lc 22, 1 Co 10-11): A instituição do sacerdócio e da Sagrada Eucaristia

de gestis post sacram communionem

103. Evangelho (Mt 26, Mc 14, Lc 22, Jo 13): eventos da última Ceia após a  Sagrada Eucaristia

De eo, quod dixit Christus, Modicum & non videbitis me

104. Evangelho (Jo 16): Jesus fala aos Apóstolos: 'Ainda um pouco de tempo, e já não me vereis'

De eo, quemadmodum Spiritus Sanctus arguit mundum etc

105. Evangelho (Jo 16): Jesus fala aos Apóstolos: 'O Espírito Santo convencerá o mundo...' [do pecado, da justiça e do juízo]

orationis perfectio docetur

106. Evangelho (Jo 16): Jesus ensina aos Apóstolos a oração perfeita

Orat Christus in Horto

107. Evangelho (Mt 26, Mc 14, Lc 22, Jo 18): a oração de Jesus no Horto das Oliveiras

 Veniunt ad hortum armati

108. Evangelho (Mt 26, Mc 14, Lc 22, Jo 18): a chegada dos guardas armados

malchi avriculae abscissio

109. Evangelho (Mt 26, Mc 14, Lc 22, Jo 18): Simão Pedro corta a orelha de Malco

capitur Christus

110. Evangelho (Mt 26, Mc 14, Lc 22, Jo 18): Cristo é levado preso

quinta-feira, 19 de abril de 2018

O DEMÔNIO DA SUSTENTAÇÃO


É experiência bastante comum constatar que, diante dos sofrimentos e dificuldades na vida, a grande maioria das pessoas manifesta sentimentos de puro desalento, angústia, desespero e não aceitação da realidade da dor. Diante dos infortúnios cotidianos, tendemos a desabar em meio à fragilidade de nossos propósitos e convicções e a perder a clareza e, principalmente, a certeza de que Deus é justo e os seus caminhos são misericórdia e verdade (Tb 3, 2). Nestas horas de provação, o demônio se acerca de nós de forma muito mais incisiva para nos afastar de Deus e ontem, hoje e sempre, a oração é o caminho e o remédio para nos manter na paz e na graça de Deus. 

E, embora revestidos de lamentações e revoltas, a dor e o sofrimento nos impulsionam a cumprir a Santa Vontade de Deus e, por meio dela e da nossa perseverança pessoal, atingirmos um maior estágio de santidade e de graça. Isso Deus concede todos os dias, a toda hora, às almas que Ele quer buscar no mundo, mesmo aquelas que ainda não O conhecem, mesmo aquelas que aparentemente ainda não pareçam pertencer a Ele. Isso é o que acontece com as almas predestinadas, ovelhas do redil ou ovelhas que ainda se encontram perdidas, mas que serão achadas, acolhidas e salvas.

Outras almas, entretanto, se obstinam de tal forma no pecado e na separação de Deus que as provações e os sofrimentos da vida, em vez de resgate de santidade, tenderiam a aviltar ainda mais a alma na impiedade e na revolta contra Deus. E, então, elas ficam à mercê do chamado 'demônio da sustentação'. A vida delas tende a se tornar um mar de calmaria, quase um céu de brigadeiro, não padecem grandes infortúnios e nem passam por experiências impactantes, capazes de promover nelas uma inquietude ou uma incerteza sobre os ditames eternos do bem e do mal.

O demônio da sustentação mantém estas almas incólumes na saúde, fortuna, prazeres e poderes mundanos. A vida cotidiana destas pessoas é uma rotina de experiências fugazes e repetitivas nos seus projetos e escolhas pessoais, tudo ocorre sem atropelos ou imprevistos, e os dias, fins de semana, meses e anos lhes dão a segurança absoluta de que a vida independe de preocupações com valores espirituais, premissas de fé ou o exercício da graça, muito pelo contrário. A religião seria apenas um peso; a fé, uma coisa de crentes coitados; céu e inferno, utopias delirantes; Deus, uma abstração coletiva. 

O demônio da sustentação visita estas almas com especial dedicação e conforto; são almas que estão em sua posse absoluta e não representam obstáculos que possam impor esforços continuados, táticas de persuasão ou armadilhas espirituais; nada disso é necessário, elas são almas tenras e facilmente ordenhadas na direção do abismo. Ao demônio, basta mantê-las atarefadas e confiantes em seus afazeres mundanos e afastados de quaisquer preocupações espirituais. E, para isso, dedica-se com especial predileção a lhes evitar a dor e o sofrimento nesta vida, as angústias que levam o homem à percepção de criatura e de que é apenas um nada. Ele só tem que esperar calmamente a hora da colheita.

terça-feira, 17 de abril de 2018

SUMA TEOLÓGICA EM FORMA DE CATECISMO (XI)

IV

POSSE DA FELICIDADE

De que modo pode o homem chegar a possuir a Deus?
Mediante um ato do entendimento movido para este feito pela vontade (III, 4)*.

Que condições deve reunir este ato intelectual?
É necessário que, por seu intermédio, conheça o homem a Deus, não de maneira imperfeita, como pode reconhecê-lo nas criaturas, mas como é em Si mesmo (III, 5-8).

Logo, a felicidade do homem consiste na visão de Deus?
Sim, Senhor (III, 8) .

A visão divina é suficiente para fazer feliz não só a alma, como também o corpo com todos os seus sentidos e potências?
Sim, Senhor; porque, sendo a perfeição suprema da parte mais nobre e elevada, por influência dela derrama-se a sua ação por todos os demais elementos do composto humano (IV, 1-8).

Logo, integra o homem na posse de todos os bens sem mistura de mal algum?
Sim, Senhor (Ibid).

V

MEIOS PARA ALCANÇAR A BEM-AVENTURANÇA

Pode o homem, nesta vida, gozar da visão divina, objeto supremo da felicidade?
Não, Senhor; porque a plenitude da bem-aventurança é incompatível com as atribulações e misérias deste mundo (V, 3) .

A quem se deve recorrer para alcançá-la?
A Deus, que é o único que pode concedê-la (V, 5).

Concede-la-á sem méritos e sem preparação?
Não, Senhor (V, 7).

Qual é, por consequência, a obrigação suprema do homem nesta vida mortal?
A de entesourar merecimentos, para fazer-se digno de alcançar, algum dia, a graça suprema da visão beatífica.

VI

DO MÉRITO E DO DEMÉRITO EM GERAL

De que modo pode o homem dispor-se para alcançar, como recompensa, a visão beatífica?
Unicamente por meio dos seus atos (VI, Prólogo).

Que ações merecem tão grande recompensa?
As ações virtuosas.

Que entendeis por ação virtuosa?
Aquela que a vontade humana executa, em conformidade com a vontade divina e sob o impulso da graça (VI-CXIV).

Que condições há de reunir o ato humano para ser voluntário?
Há de ser espontâneo e feito sob conhecimento de causa (VI, 1-8).

Que entendeis por ação espontânea?
Aquela que a vontade executa por impulso próprio e isenta de violência e coação (VI, L, 4, 5, 6).

De quantas maneiras pode obrigar-se o homem a executar atos contra sua vontade?
De dois: por meio da violência e do medo (VI, 4, 5, 6).

Que entendeis por violência?
Toda força exterior que impede o exercício voluntário dos membros ou os obriga a executar atos que a vontade recusa (V, 4, 5).

Que é o medo?
Um movimento interior que, em determinadas circunstâncias, e para evitar males que se consideram iminentes, arrasta a vontade a consentir no que, em outras circunstâncias, não consentiria (VI, 6).

São voluntários os atos realizados por violência?
São involuntários quando procedem de violência exterior (VI, 6).

Por que ajuntais a palavra exterior?
Porque, em certas ocasiões, também se chama violência ao movimento interior da ira.

São também voluntários os atos praticados por impulsos da ira ou de qualquer outra paixão interior?
Sim, Senhor; exceto o caso em que a paixão seja tão violenta que impeça o exercício da razão (VI, 7).

São voluntários os atos praticados por medo?
Sim, Senhor; ainda que juntos com alguma coisa de involuntário; porque, se bem que nestes casos não se possa negar, em absoluto, o consentimento da vontade, esta, todavia, consente a seu pesar e para evitar males maiores (VI, 6).

Que quereis dizer quando afirmais que o ato voluntário deve realizar-se com conhecimento do fim?
Que, se o agente se engana no que há de fazer, o ato é involuntário (VI, 8).

É sempre involuntário?
Só é involuntário, se o agente, conhecendo o erro, o não executasse.

Podem, apesar do que fica dito, ser voluntários os atos ou omissões que procedem do erro ou da ignorância?
Sim, Senhor; quando o sujeito é culpado da ignorância ou do erro.

Quando o será?
Quando recusa ou é negligente, com negligência culpável, no aprender as suas obrigações (Ibid).

Acompanham o ato voluntário algumas circunstâncias que devam tomar-se em conta, para apreciar devidamente a sua moralidade?
Sim, Senhor.

Quais são elas?
As circunstâncias da pessoa, objeto, consequências, lugar, intenção, meios e tempo (VII, 3).

A que se refere cada uma delas?
A primeira, ao caráter ou condição do agente; a segunda, à realidade do fato e seus efeitos e consequências; a terceira, ao lugar da operação; a quarta, ao fim ou objeto que se propõe o operante; a quinta, aos meios e auxílios que utiliza; e sexta, ao tempo em que a executa (VII, 3).

Qual é a mais importante?
A quarta, ou seja o fim do operante (VII, 4).

Os atos que chamamos voluntários procedem sempre da vontade?
Sim, Senhor; ou exclusiva e imediatamente, ou mediante as outras faculdades e membros exteriores, sob as ordens e impulso da vontade (VIII - XVII).

Logo, o valor dos atos humanos e sua virtualidade para nos acercarmos ou afastarmo-nos da bem-aventurança tem raízes exclusivamente na vontade?
Sim, Senhor; porque o ato só tem valor, quando o executa a vontade, ou só, ou por meio das outras faculdades (VIII - XXI).

Entre os atos interiores da vontade, qual é o mais importante e que leva como vinculada a responsabilidade?
O ato de escolher ou a eleição (XIII, 1, 6).

Por que?
Porque, mediante a eleição, a vontade, com conhecimento de causa e prévia deliberação, adere a um bem determinado que desde logo aceita e ao qual trata de apropriar-se com preferência a outros (XIII, 1).

É a eleição, propriamente, um ato do livre arbítrio?
Sim, Senhor (XIII, 1).

Logo, os atos humanos tomam o seu caráter moral e o valor de meios para conseguir a bem aventurança, da faculdade de eleger?
Sim, Senhor.

Como se divide a eleição?
Em boa e má (XVIII - XXI).

Quando dizemos que é boa?
Quando forem bons o objeto, o fim e as circunstâncias (XVIII).

Donde recebe a bondade, o objeto, o fim e as circunstâncias?
Da sua conformidade com a reta razão (XIX, 3, 6).

Que quer dizer 'rela razão?'
A razão humana que opera esclarecida com a luz divina, ou, ao menos, quando voluntariamente não lhe opõe obstáculos.

Logo, para que um ato seja bom, é necessário que o objeto seja conforme a reta razão, que esta aprove o fim e não oponha reparo às circunstâncias?
Sim, Senhor; e se falta alguma das ditas condições, o ato deixa de ser bom e se converte, ainda que em graus distintos, em ato mau (XVIII - XXI).

Como se chamam as más ações?
Chamam-se culpas ou pecados (XXI, 1).

referências aos artigos da obra original

('A Suma Teológica de São Tomás de Aquino em Forma de Catecismo', de R.P. Tomás Pègues, tradução de um sacerdote secular).

segunda-feira, 16 de abril de 2018

SOBRE A VERDADEIRA AMIZADE

Jônatas era filho de Saul, o primeiro rei de Israel e, como primeiro na linhagem direta da família real, teria sido o candidato natural na sucessão do pai. Mas Jônatas reconheceu em Davi, filho de Jessé, o rei ungido por Deus para ser sucessor de Saul, que se tornara, então, um rei abandonado por Deus pois deixara de observar as ordenanças e preceitos de Deus. Nesta condição, Jônatas teve que se colocar entre a cruz e a espada e, superando os laços de sangue, optou por uma amizade fiel e verdadeira a Davi, ainda que isso tenha lhe custado um reino e o poder de ser rei.

'Jônatas fez um pacto com Davi, que ele amava como a si mesmo' 
(I Sm 18, 3)

Jônatas, jovem de grande nobreza, sem olhar para a coroa régia nem para o futuro reinado, fez um pacto com Davi, igualando assim, pela amizade, o súdito ao senhor. Deu preferência a Davi, mesmo quando este foi expulso por seu pai o rei Saul, tendo de se esconder no deserto, como condenado à morte, destinado à espada. Jônatas então humilhou-se para exaltar o amigo perseguido: 'Tu, são suas palavras, serás rei e eu serei o segundo depois de ti'.

Que espelho estupendo da verdadeira amizade! Admirável! O rei, furioso contra o servo, excitava todo o país contra um possível rival do reino. Assim, acusava sacerdotes de traição, trucidando-os por uma simples suspeita. Percorria as matas, esquadrinhava os vales, cercava com suas tropas os montes e penhascos, fazendo todos prometerem tornar-se vingadores da indignação real. Entretanto, Jônatas, o único que poderia ter razão de invejar, só ele julgou dever resistir ao seu pai, oferecendo a paz ao amigo, aconselhando-o em tão grande adversidade, preferindo a amizade ao reino: 'Tu serás rei e eu serei o segundo depois de ti'. Em contraste, vede como o pai estimulava a inveja do adolescente contra o amigo, apertava-o com repreensões, amedrontava-o com ameaças de ser despojado do reino, prometendo privá-lo da nobreza.

Quando pronunciou sentença de morte contra Davi, Jônatas não abandonou o amigo. 'Por que deve morrer Davi? que culpa tem? que fez ele? Tomou sua vida em suas mãos e feriu o filisteu e tu te alegraste. Por que então irá morrer?' A tais palavras, louco de cólera, o rei tentou transpassar Jônatas, com a lança contra a parede, ameaçando aos gritos: 'Filho de mãe indigna, bem sei que gostas dele para vergonha tua, confusão e infâmia de tua mãe. Depois vomitou todo o veneno sobre o coração do jovem, acrescentando incentivo à sua ambição, alimento à inveja, estímulo à rivalidade e à amargura: 'Enquanto viver o filho de Jessé, não se estabelecerá o teu reino'.

Quem não se abalaria com tais palavras? Quem não se encheria de inveja? Que amor, que agrado, que amizade elas não corromperiam, não diminuiriam, não fariam esquecer? Jônatas, o moço cheio de afeição, guardou o pacto da amizade, forte contra as ameaças, paciente contra o furor, desprezou o reino por causa da amizade, esquecido das glórias, bem lembrado da graça: 'Tu serás rei e eu serei o segundo depois de ti'.

Esta é a verdadeira, perfeita, estável e eterna amizade, aquela que a inveja não corrompe, suspeita alguma diminui, não se desfaz pela ambição. Assim provada, não cede; assim batida, não cai; assim sacudida por tantas censuras, mostra-se inabalável e, provocada por tantas injúrias, permanece imóvel. Vai, então, e faze tu o mesmo.

(Excertos da obra 'Do Tratado sobre a amizade espiritual', do abade Elredo, século XII)