terça-feira, 31 de janeiro de 2017

31 DE JANEIRO - SÃO JOÃO BOSCO

 

Filho de uma humilde família de camponeses, São João (Melchior) Bosco nasceu em Colle dos Becchi, localidade próxima a Castelnuovo de Asti em 16 de agosto de 1815. Órfão de pai aos dois anos, viveu de ofícios diversos na pobreza da infância e da juventude, até ser ordenado sacerdote em 5 de junho de 1841, com a missão apostólica de servir, educar e catequizar os jovens, o que fez com extremado zelo e santificação durante toda a sua vida.

Em 1846, fundou o Oratório de São Francisco de Sales em Turim, dando início à sua obra prodigiosa, arregimentando colaboradores e filhos, aos quais chamava de salesianos, em meio a um intenso e profícuo apostolado. Em 1859, fundou  a Congregação Salesiana e, em 1872, com a ajuda de Santa Maria Domingas Mazzarello, fundou o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora para a educação da juventude feminina. Em 1875, enviou a primeira turma de seus missionários para a América do Sul. No Brasil, as primeiras casas salesianas foram o Colégio Santa Rosa em Niterói e o Liceu Coração de Jesus em São Paulo. 

Faleceu a 31 de janeiro de 1888 em Turim, aos 72 anos, deixando como herança cristã a Congregação Religiosa Salesiana espalhada por diversos países da Europa e das Américas. O Papa Pio XI, que o conheceu e gozou da sua amizade, canonizou-o na Páscoa de 1934. Popularizado como 'Dom Bosco', foi aclamado pelo Papa João Paulo II como 'pai e mestre da juventude' e se tornaram lendários os seus sonhos proféticos (exemplo abaixo), que ele narrava em suas pregações aos jovens salesianos.

A BIGORNA E O MARTELO

Em 20 de agosto de 1862, depois de rezadas as orações da noite e de dar alguns avisos relacionados com a ordem da casa, Dom Bosco disse: 'Quero contar-lhes um sonho que tive faz algumas noites'.

Sonhei que estava em companhia de todos os jovens em Castelnuovo do Asti, na casa de meu irmão. Enquanto todos faziam recreio, dirigiu-se a mim um desconhecido e convidou-me a acompanhá-lo. Segui-o e ele me conduziu a um prado próximo ao pátio e ali indicou-me, entre a erva, uma enorme serpente de sete ou oito metros de comprimento e grossura extraordinária. Horrorizado ao contemplá-la, quis fugir.

— 'Não, não' — disse-me meu acompanhante — 'não fujas; vem comigo'.
 'Ah!' — exclamei — 'não sou tão néscio para me expor a um tal perigo'.
— 'Então' — continuou meu acompanhante —'aguarda aqui'.
E, em seguida, foi em busca de uma corda e com ela na mão voltou novamente junto a mim e disse-me:
— 'Tome esta corda por uma ponta e agarre-a bem; eu agarrarei o outro extremo e por-me-ei na parte oposta e, assim, a manteremos suspensa sobre a serpente'.
— 'E depois?'
— 'Depois a deixaremos cair sobre a espinha dorsal'.
— 'Ah! não; por caridade. Pois ai de nós se o fizermos! A serpente saltará enfurecida e nos despedaçará'.
— 'Não, não; confie em mim' — acrescentou o desconhecido —'eu sei o que faço'.
— 'De maneira nenhuma; não quero fazer uma experiência que pode-me custar a vida'.

E já me dispunha a fugir, quando o homem insistiu de novo, assegurando-me que não havia nada que temer; e tanto me disse que fiquei onde estava, disposto a fazer o que me dizia. Ele, entretanto, passou do outro lado do monstro, levantou a corda e com ela deu uma chicotada sobre o lombo do animal. A serpente deu um salto voltando a cabeça para trás para morder ao objeto que a tinha ferido, mas em lugar de cravar os dentes na corda, ficou enlaçada nela mediante um nó corrediço. Então o desconhecido gritou-me:

— 'Agarre bem a corda, agarre-a bem, que não se lhe escape'.

E correu a uma pereira que havia ali perto e atou a seu tronco o extremo que tinha na mão; correu depois para mim, agarrou a outra ponta e foi amarrá-la à grade de uma janela. Enquanto isso, a serpente agitava-se, movia-se em espirais e dava tais golpes com a cabeça e com sua calda no chão, que suas carnes rompiam-se saltando em pedaços a grande distancia. Assim continuou enquanto teve vida; e, uma vez morta, só ficou dela o esqueleto descascado e sem carne. Então, aquele mesmo homem desatou a corda da árvore e da janela, recolheu-a, formou com ela um novelo e disse-me:

— 'Presta atenção!'

Colocou a corda em uma caixa, fechou-a e depois de uns momentos a abriu. Os jovens tinham-se ajuntado ao ao meu redor. Olhamos o interior da caixa e ficamos maravilhados. A corda estava disposta de tal maneira, que formava as palavras: Ave Maria!

— 'Mas como é possível?' — disse — 'Você colocou a corda na caixa e agora ela aparece dessa maneira!'.

— 'Olhe' — disse ele — 'a serpente representa o demônio e a corda é a Ave Maria, ou melhor, o Santo Rosário, que é uma série de Ave Marias com a qual e com as quais se pode derrubar, vencer e destruir todos os demônios do inferno.

Enquanto falávamos sobre o significado da corda e da serpente, voltei-me para trás e vi alguns jovens que, agarrando os pedaços da carne da serpente, os comiam. Então gritei-lhes imediatamente:

— 'Mas o que é o que fazem? Estão loucos? Não sabem que essa carne é venenosa e que far-lhes-á muito dano?'

'Não, não' — respondiam-me os jovens — 'a carne está muito boa'.

Mas, depois de havê-la comido, caíam ao chão, inchavam-se e tornavam-se duros como uma pedra. Eu não podia ficar em paz porque, apesar daquele espetáculo, cada vez era maior o número de jovens que comiam aquelas carnes. Eu gritava a um e a outro; dava bofetadas a este, um murro naquele, tentando impedir que comessem; mas era inútil. Aqui caía um, enquanto que lá começava a comer outro. Então chamei os clérigos em meu auxílio e disse-lhes que se mesclassem entre os jovens e se organizassem de maneira que ninguém comesse aquela carne. Minha ordem não teve o efeito desejado, pois alguns dos clérigos começaram também a comer as carnes da serpente, caindo ao chão como os outros. Eu estava fora de mim quando vi a meu redor um grande número de moços estendidos pelo chão no mais miserável dos estados. Voltei-me, então, para desconhecido e disse-lhe:

— 'Mas o que quer dizer isto? Estes jovens sabem que esta carne ocasiona-lhes a morte e, contudo, a comem. Qual é a causa?'

Ele respondeu-me: ' Já sabes que animalis homo non percipit ea quae Dei sunt: Alguns homens não percebem as coisas que são de Deus'.

— 'Mas não há remédio para que estes jovens voltem em si?'

— 'Sim, há'.

— 'E qual seria?'

— 'Não há outro que não seja pela bigorna e pelo martelo'.

— 'Bigorna? Martelo? E como terei que empregá-los?'

— 'Terás que submeter os jovens à ação de ambos estes instrumentos'.

— 'Como? Acaso devo colocá-los sobre a bigorna e golpeá-los com o martelo?'

Então meu companheiro me esclareceu, dizendo:

— 'O martelo significa a Confissão e a bigorna, a Comunhão; é necessário fazer uso destes dois meios'.

domingo, 29 de janeiro de 2017

AS BEM AVENTURANÇAS

Páginas do Evangelho - Solenidade de Todos os Santos


Neste Quarto Domingo do Tempo Comum, a Igreja celebra no Evangelho a síntese de toda a doutrina cristã e dos ensinamentos de Jesus - o Sermão da Montanha. Sobre um monte, Jesus vai proclamar as glórias excelsas do seu Reino e, diante a imensidão do Mar da Galileia prostrado à frente dos seus olhos, uma mensagem de amor e de justiça que há de ressoar pela humanidade de todos os tempos.

Bem-aventurados os pobres de espírito, os simples de coração, aqueles que anseiam as heranças eternas, desapegados dos bens e dos valores do mundo, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados os aflitos que padecem suas dores e seus sofrimentos no recolhimento da graça, para que se cumpra neles, sem regras ou limitações, a Santa Vontade de Deus, porque serão abundantemente consolados. 

Bem-aventurados os mansos que se espelham no Coração de Jesus porque possuirão em plenitude a terra celeste. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, aqueles que buscam a santidade em meio às tantas dificuldades e provações desta vida passageira, sempre em direção à Terra Prometida, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, filhos prediletos da caridade, porque serão medidos pela Misericórdia Infinita do Senhor.

Bem-aventurados os puros de coração, aqueles que, desprezando o pecado e os vícios humanos, se fazem novas manjedouras onde possa recolher sem máculas o Sagrado Coração de Jesus. Bem-aventurados os que promovem a paz e os que são perseguidos por causa da justiça porque deles será o Reino dos Céus. E bem-aventurados os que foram injuriados e perseguidos em nome da Cruz, do Calvário, dos Evangelhos e de Jesus Cristo porque serão os santos dos santos de Deus!

sábado, 28 de janeiro de 2017

FÁTIMA EM FATOS E FOTOS (II)

6. Qual foi o sentido das aparições prévias de um anjo?

Nossa Senhora se manifestou em Fátima, em seis aparições consecutivas e sempre no dia 13 de cada mês, no período entre maio e outubro de 1917, a três crianças - Lúcia, Francisco e Jacinta - que tinham idades de 10, 9 e 7 anos, respectivamente, nas datas das aparições. Lúcia dos Santos nasceu em 28 de março de 1907 (o registro foi feito equivocadamente com a data de 22 de março). Francisco Marto nasceu no dia 11 de junho de 1908, tendo sido batizado no dia 20 de junho, enquanto Jacinta Marto nasceu em 11 de março de 1910 e foi batizada em 19 de março de 1910. A foto clássica dos três videntes juntos (mostrada abaixo) foi tirada com eles dispostos na frente de um muro de pedras, situado a pequena distância da casa da Família Marto, na aldeia de Aljustrel.


7. Qual era a relação familiar e social existente entre os videntes de Fátima?

Francisco e Jacinta eram irmãos entre si e primos de Lúcia. As duas famílias moravam muito próximas e, assim, desde muito cedo,  as crianças passavam muito tempo juntas. Aos sete anos, Lúcia começou a pastorear o rebanho da sua família, o que levou os primos a acompanhá-la nesta função, guardando também o rebanho da família deles. Desta forma, os três passavam boa parte do seu tempo conduzindo as ovelhas pela Serra do Aire e, particularmente no lugar conhecido como Cova da Iria, propriedade rural dos pais de Lúcia.

8. Quem eram as famílias dos videntes?
Lúcia era filha de Antônio dos Santos (falecido em 1919) e de Maria Rosa (falecida em 1942), pequenos agricultores e criadores de ovelhas que possuíam algumas terras na região da Serra do Aire, em Aljustrel. O casal teve 7 filhos, sendo Lúcia a filha mais nova.

 

Casa e família de Lúcia. Em primeiro plano: Maria Rosa (1869-1942); Lúcia (1907-2005); em segundo plano: Manuel dos Santos (1895-1977); Maria dos Anjos (1891-1986); Glória, filha de Maria dos Anjos (1917-1934); Carolina de Jesus (1902-1992) e Glória de Jesus (1898-1971)

Francisco e Jacinta eram os dois filhos mais novos de Manuel Pedro Marto (falecido em 1957) e Olímpia de Jesus (falecida em 1956), que tiveram também 7 filhos. Ao casar com Marto, Olímpia era viúva e tivera dois outros filhos de um primeiro casamento, com José Fernandes Rosa.



Casa, pais e família de Francisco e Jacinta Marto. Em primeiro plano: Manuel Pedro Marto (1879-1957) e Olímpia de Jesus (1869-1956); em segundo plano: Antônio dos Santos Rosa (1889-1971); Manuel dos Santos Rosa (1895-1976); José dos Santos Marto (1899-1990); João dos Santos Marto (1906-2000) e Florinda de Jesus (1901-1920); os dois primeiros são filhos do primeiro casamento de Olímpia de Jesus. 

9. Como se deu a iniciação cristã dos videntes de Fátima? 

Nascidos na aldeia de Aljustrel, os irmãos Francisco e Jacinta e a sua prima Lúcia cresceram num ambiente familiar bastante modesto, numa terra agreste, pacata e isolada do mundo. Não sabiam ler nem escrever e desconheciam o ambiente social, histórico e político que se desdobrava em Portugal à época, pelo isolamento e repercussão praticamente nula dos eventos da revolução portuguesa naquela região (enquanto vários prelados da alta hierarquia católica portuguesa foram destituídos e expulsos do país, por exemplo, o pároco de Fátima continuava normalmente as suas atividades pastorais na comunidade). Assim, receberam uma educação católica muito simples e foi a própria mãe da Lúcia que introduziu a filha e os sobrinhos na catequese, e foi a própria Lúcia quem, sendo um pouco mais velha que os primos, que se incumbiu de lhes contar os ensinamentos e as orações que aprendera da mãe. Contudo, apesar da simplicidade da sua iniciação cristã, os pais não deixaram de lhes oferecer um exemplo de vida de fé comprometida: a participação dominical na eucaristia, a oração em família, a verdade e o respeito por todos e a caridade para com os pobres e os mais necessitados.

10. Como ocorreu a primeira manifestação sobrenatural em Fátima?

Lúcia dos Santos fez a sua primeira comunhão excepcionalmente com a idade de apenas 6 anos, por intervenção direta do Padre Cruz (padre Francisco Rodrigues da Cruz, falecido em 1948), visitante na paróquia e oriundo de Lisboa, uma vez que o senhor prior (Pe. Pena) considerava a menina ainda muito nova para receber a eucaristia. Foi o Padre Cruz que ouviu a primeira confissão de Lúcia. Ao receber a hóstia consagrada das mãos do senhor prior, Lúcia fez a seguinte súplica: 'Senhor, fazei de mim uma santa, guardai o meu coração sempre puro, só para Vós'. E pareceu ouvir internamente, no fundo do coração: 'A graça que hoje te é concedida permanecerá viva em tua alma, produzindo frutos de vida eterna'.* O Céu começava a preparar ali o maior evento do século XX.

*Irmã Lúcia, Segunda Memória.


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

LUZ NAS TREVAS DA HERESIA PROTESTANTE (VII)

Terceira Objeção* do crente: relativa ao celibato de São Pedro, para demonstrar que os padres devem se casar. Pede ainda um texto da Sagrada Escritura que prove que São Pedro não tinha esposa.

Resposta do Pe. Júlio Maria de Lombaerde:

I - Argumento Negativo

Provemos, em primeiro lugar, ser provável que São Pedro não tinha mulher, quando foi chamado por Jesus Cristo, mas era viúvo. É o argumento negativo. O meu amigo crente quer um texto que prove que São Pedro não tinha mulher: por que não pede um texto que prove que São Pedro usava calça, turbante, alpercatas, manto, que comia, bebia e dormia?

Na falta deste texto, será preciso concluir, então que São Pedro andava despido e que não comia, nem dormia? Que ingenuidade! Para que serve tal texto? Então é proibido casar-se? E se eu lhe pedisse um texto que provasse que São Pedro tinha mulher, onde iria buscá-lo? Conhecendo só as palavras da Bíblia, sem compreender a significação, há de apresentar o texto de São Lucas (Lc 4,38): E a sogra de Simão estava enferma.

Isso prova que São Pedro tinha sogra. É já uma coisa: porém há tanta gente que tem sogra e não tem mais mulher; pois uma pode morrer e a outra ficar. Isso prova apenas que São Pedro tinha sido casado, antes de ser chamado por Nosso Senhor, e que talvez fosse viúvo. Meu pobre crente nem pensara até aí e, no triste afã de fabricar objeções, viu sogras e mulheres em toda parte.

Então, São Pedro, por ter sogra, tinha sido casado, era viúvo... Mas diga lá: o viúvo é ou não é gente? Há na Igreja bastante padres que já foram casados e que, depois de enviuvar, entraram na milícia eclesiástica. Há até muitos santos nestas condições. Haverá qualquer mal nisso? A Igreja Católica exige o celibato dos seus sacerdotes, para seguirem o exemplo de Jesus Cristo e dos apóstolos, que eram celibatários. Jesus Cristo não o exigiu dos seus discípulos; aconselhou-o; porém parece-me que um conselho do Salvador não é coisa desprezível e deve, ao contrário, ser de real utilidade.

II. Argumento Positivo

O argumento positivo é claro, embora não resolva completamente a questão, é que São Pedro tinha sogra; é certo. São Pedro teve mulher; é certo ainda. Na ocasião de ser chamado por Nosso Senhor ao apostolado, São Pedro não tinha mais mulher e, se a tinha ainda, deixou-a de comum acordo, conforme o conselho do Mestre: 'Todo aquele que tiver deixado, por amor de mim, casa, irmãos, pais, ou mãe, ou mulher, ou filhos, receberá a vida eterna' (Mt 19,20).

Eis um conselho do Divino Mestre, dirigido aos apóstolos, e, na pessoa deles, aos séculos vindouros. Nosso Senhor convida os apóstolos a deixarem tudo, por seu amor; até a própria mulher. Os apóstolos compreenderam o convite de Cristo, e o compreenderam tão bem que ficaram admirados, e disseram: 'logo quem pode salvar-se?' (Lc 18, 26).  São Pedro, sem hesitação, sem embaraço, como quem fala com completa certeza, dirige-se ao divino Mestre, e exclama: 'Eis que nós deixamos tudo e te seguimos' (Lc 18, 28). E o Senhor aprova e apóia esta exclamação de Pedro, respondendo: 'Na verdade vos digo, que não há quem deixe, pelo reino de Deus, casa, pais, irmãos ou mulher, que não receberá a vida eterna' (Lc 18, 29-30).

Que verdade podia ser articulada, confirmada mais positivamente do que aquela? O Salvador promete o céu a quem deixar tudo, inclusive a mulher, por seu amor! São Pedro exclama ter deixado tudo. O Mestre o confirma, e promete-lhe o céu em recompensa. É pois claro e irrefutável que São Pedro, embora tivesse sogra, não tinha, ou tinha deixado a mulher; era pois celibatário como os outros apóstolos. Se assim não fosse, São Pedro não podia ter deixado tudo, visto não ter deixado a mulher, embora fosse incluída a mulher na enumeração, feita pelo Mestre, daquilo que se pode deixar por seu amor.

Reflitam sobre isto, caros protestantes, e vejam como este esdrúxulo desafio se desfia por completo, e encontra no Evangelho uma resposta clara e irrefutável. O argumento positivo não deixará subsistir a mínima dúvida: São Pedro era viúvo ou separado da mulher e, como tal, seguiu o Divino Mestre, deixando tudo, pelo reino de Deus (Mt 19, 20).

* Esta 'objeção' foi proposta por 'um crente' como um desafio público ao Pe. Júlio Maria e que foi tornado público durante as festas marianas de 1928 em Manhumirim, o que levou às refutações imediatas do sacerdote, e mais tarde, mediante a inclusão de respostas mais abrangentes e detalhadas, na publicação da obra 'Luz nas Trevas - Respostas Irrefutáveis às Objeções Protestantes', ora republicada em partes neste blog.

(Excertos da obra 'Luz nas Trevas - Respostas Irrefutáveis às Objeções Protestantes', do Pe. Júlio Maria de Lombaerde)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

A PERSEVERANÇA É FRUTO DO AMOR


1. Saudação e objetivo 

Em nome de Jesus Cristo Crucificado e da amável Maria, caríssimo filho no do Jesus Cristo, eu Catarina, serva e escrava do servos de Jesus Cristo, escrevo no seu precioso sangue, desejosa de ver-te perseverante em toda virtude.

2. A perseverança é fruto do amor

Sem a perseverança não alcançarás a coroa da glória, que é dada aos verdadeiros lutadores. Tu me dirás: 'Onde posso achar a perseverança'? Responde-te. Uma pessoa só presta serviço a outra na medida do amor que lhe dedica. Não mais. Em tanto falhará em servir, quando falhar no amor. Mas também tanto amará, quando se sentir amada. Veja bem: ao sentir-se amada, a pessoa ama. É desse amor que nasce a perseverança. Portanto, à medida que abrires o olhar da tua inteligência para ver o fogo e o abismo do infinito amor de Deus por ti — amor revelado do Verbo, Filho de Deus — tu te verás obrigado a amar a Deus de todo o coração, com todo afeto, com todas as tuas forças, sem interesses, de modo puro, sem nenhuma procura de interesses pessoais. Compreenderás que Deus te ama para o teu bem, não para utilidade dele. Pois o Senhor é o nosso Deus, é a bondade suprema e eterna, que não pensa em proveito próprio. E amarás também o próximo para a sua utilidade. Construindo assim o alicerce e o amor em sua base, imediatamente começarás a praticar as virtudes. E através da iluminação divina e do amor, adquirirás a perseverança.

3. Não te esqueças da humildade

Ao compreenderes que és amado por Deus, é conveniente que medites sobre os teus pecados e tua ingratidão. Na cela do coração perceberás a gravidade de tua culpa. Valoriza, então, a pequena virtude da humildade, para não confiares nas tuas forças e não caíres na complacência de ti mesmo. Sabes que é importante conhecer os próprios pecados, sua gravidade, para poder conservar e aumentar a graça na alma? Isso se dá na mesma proporção que existe entre o alimento corporal para conservação da vida no corpo. Afasta de ti, pois, a nuvem do egoísmo para que ela não prejudique a iluminação da alma, favorecida pelo perfeito conhecimento e concretizada pelo ódio (ao pecado) e pelo amor (à virtude). Assim, no amor acharás a perseverança, cumprirás a vontade divina e o meu desejo a respeito de ti. Vontade divina e desejo meu, que consiste no ver-te crescer e perseverar até o dia da morte na práticas das verdadeiras virtudes.

4. Refugia-te na caverna do coração de Cristo

Mas cuidado de não confiares em ti mesmo. Essa confiança é semelhante a um vento sutil de orgulho, nascido do egoísmo. Imediatamente retrocederá, olhando para trás (cf Lc 9, 62). Da mesma forma como o amor de Deus te faz perseverante na virtude, o egoísmo e a procura de boa reputação te fazem cair no vicio e nele perseverar. Meu filho, foge desse sutil vento da boa reputação. Em tudo, procura esconder-te na chaga do peito do Crucificado. E uma vez aí dentro, fixa o pensamento no segredo coração de Cristo. Então acenderás a chama do teu amor. Entenderás que Jesus fez em seu corpo uma caverna, onde te esconderás dos inimigos, onde repousarás, onde acalmarás tua mente no fogo do amor. Aí acharás alimento, pois Jesus deu sua carne como comida e seu sangue como bebida. Aquela carne assada na chama do amor e aquele sangue servido no altar da Eucaristia. Dissolva-se hoje mesmo a dureza dos nossos corações. Que a nossa mente se torne mais receptiva aos ensinamentos de Cristo.

5. Pensemos no Menino Jesus

Quero que tu e os demais filhos comeceis a ser mais semelhantes a este pequeno menino, o Verbo Encarnado, que a Santa Igreja agora nos apresenta (na liturgia). Para confusão do nosso orgulho, que poderíamos imaginar de mais sublime, que um Deus que se humilha à altura do homem? Ou demais grandioso, que a suprema divindade posta ao nível da humanidade? E por qual motivo? Por amor! O amor fez Jesus residir num estábulo de animais; o amar o cobriu de ultraje, o revestiu de sofrimento; e o fez padecer fome e sede. O amor o fez correr com pronta obediência para terrível morte na cruz. O amor o fez descer à mansão dos mortos para esvaziar o limbo dos patriarcas e dar prêmio àqueles que o haviam esperado e servido por longo tempo. 

Depois da ascensão, o amor fez Cristo enviar o fogo do Espírito Santo, que nos iluminou com sagrada doutrina, caminho que nos dá a vida, nos liberta das trevas e nos concede a eterna visão de Deus. O amor fez tudo! Envergonha-se quem não tem amor a Deus, quem não dá resposta a tão imenso amor. Que triste sorte é a de quem, podendo ter o fogo, deixa-se morrer de frio; quem, tendo o alimento diante de si, deixa-se morrer de fome! Tomai, tomai vosso alimento, o doce Jesus Crucificado! Por outros caminhos, não sereis constante e perseverante. Como ficou dito, é a perseverança que recebe o prêmio. Sem ela, a alma só terá o mal, não a glória.

6. Conclusão

Foi refletindo sobre tudo isso que afirmei estar desejosa de ver-te constante e perseverante na virtude. Nada mais acrescento. Permanecer no santo amor de Deus; Jesus doce, Jesus amor.

(Das Cartas de Santa Catarina de Sena)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

ADORAÇÃO PERPÉTUA DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO

ADORAÇÃO PERPÉTUA DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO 
(onde você estiver, no momento em que você desejar - acesso on line 24h por dia)

Capela da Adoração Perpétua - Paróquia de St. Agnes, Florida (EUA)
(espanhol / inglês)



(Você pode tirar o som e fazer a sua adoração em caráter pessoal)

outra possibilidade: acessar o site http://www.saojudastadeu.org.br/

Meu Deus, eu creio, adoro, espero e Vos amo. Peço-Vos perdão pelos que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam. 

Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.

Nós vos adoramos, Santíssimo Senhor Jesus Cristo, aqui e em todas as vossas igrejas que estão no mundo inteiro e vos bendizemos porque, pela vossa Santa Cruz, remistes o mundo.

PALAVRAS DE SALVAÇÃO


'Há uma grande diferença, também, entre o homem que confia em Deus quando tem tudo o que precisa, e aquele que confia em Deus quando nada possui. Também, uma coisa é confiar em Deus quando a vida está segura, livre de perigos, e outra quando há perigo iminente de destruição. Penso que aqueles que vivem em perigo contínuo de morte chegarão a se cansar desta vida e desejar morrer para estarem sempre com Deus no Céu, porque nossa presente condição mortal é, na verdade, somente uma morte contínua, um exílio da glória para a qual fomos criados'.

(São Francisco Xavier)

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

VISÕES E ÊXTASES DO PE. REUS DURANTE A MISSA

Johann Baptist Reus (Pottenstein/Baviera, 10/07/1868 - São Leopoldo/RS, 21/07/1947)

Sacerdote alemão, da Companhia de Jesus, que viveu praticamente toda a sua vida religiosa no Brasil. Foi honrado com os estigmas de Cristo e inúmeros êxtases e visões, particularmente durante a celebração da Santa Missa.

2 de julho de 1939

Na santa Missa, seis êxtases de amor: no Glória, na coleta, na Consagração, na Comunhão, na purificação e ao cobrir o cálice. O último foi intenso. Vi-me, de súbito, acima do altar, unido a Jesus em amistoso abraço. Ele me abraçou, e eu a Ele. Inaudito. A seguir, na Ação de Graças, eu lhe disse: 'Estou envergonhado diante de todo o Céu'. Quero, pois, pertencer totalmente ao seu Divino Coração. Que Ele disponha de mim como lhe aprouver. Tenho que escrever e desenhar isso.

Essa demonstração de amorosa amizade vale para todos os sacerdotes. É a realização das palavras: Iam nom dicam vos servos sed amicos meos – Já não vos chamo servos, mas amigos, que são repetidas, solenemente cantadas, na liturgia da ordenação sacerdotal. Após a Consagração, esteve presente também a Santíssima Mãe de Deus, por alguns momentos.

4 de julho de 1939 

Na santa Missa, dois êxtases de amor: na Consagração e na Comunhão. Desde o início, vi, sobre o altar, o amado Salvador na cruz, em tamanho natural. Durante o Pai Nosso, vi-o envolvido em esplendor. Enquanto pronunciava as palavras Domine non sum dignus – Senhor, eu não sou digno, vi como o Salvador crucificado estendia as mãos para mim, para significar a sua infinita misericórdia para com o sacerdote.

Precisamente no instante em que o sacerdote reconhece ser indigno de receber o Senhor em seu coração, Ele precisamente por este gesto, em sua amorosa bondade, acha o coração tão bem preparado que tem verdadeiro desejo de nele entrar, para comunicar-lhe a liberalidade dos frutos de sua paixão. Tive que fazer dois desenhos e anotar isso. Lamento não saber desenhar melhor. Na meditação: lágrimas.

7 de julho de 1939

Na santa Missa, dois êxtases de amor: na Consagração, após as palavras consecratórias, saíam chamas de fogo de dentro do cálice em direção da minha boca. O significado evidente é que o primeiro pensamento de Jesus, no instante de sua presença sacramental sobre o altar, é a união íntima e cordial com o dileto sacerdote, que lhe doou a vida sacramental. Logo no início da santa Missa, vi o amado Salvador sobre o altar, mostrando seu amoroso Coração, provavelmente por ser a primeira sexta-feira do mês.

14 de julho de 1939 

Durante a leitura do Evangelho da Missa de São Boaventura, vi, acima de mim, raios luminosos e, em seguida, um sol nas palavras Vos estis lux mundi – Vós sois a luz do mundo. O sacerdote é a luz do mundo por meio do anúncio da doutrina do Sagrado Coração de Jesus e por meio da sua vida, semelhante à dos Anjos no meio de um mundo depravado.

No êxtase após a Consagração, vi o amado Salvador abraçar-me com ambos os braços, desprendidos da cruz; também isso, provavelmente, vale para todos os sacerdotes. A Consagração é a morte sacrifical do Senhor. Importa que o sacerdote se ofereça a si mesmo em íntima união com o Cordeiro do sacrifício. O abraço do Divino Salvador, a atrair a si o sacerdote, é prova de ilimitado amor; ilimitado amor a oferecer-se para ser abraçado e amado por ele, e ser ofertado ao Pai Celeste. O amado Salvador, em sua grande bondade, quis dar-me certeza sobre esta visão.

Ao meio-dia, tive de súbito a mesma visão durante o exame de consciência. O amado Salvador me abraçou com seus braços, desprendidos da Cruz, e eu o abracei; e desta vez o atraí a mim, para dentro do meu coração. E ele permitiu que o fizesse. A seguir, fiz o mesmo insistente pedido ao seu Divino coração: 'Concede que Te ame sinceramente'.

16 de julho de 1939 

Ontem, vi, na Consagração, o amado Salvador na cruz, em tamanho natural, bem à minha frente. Eu temia que fosse ilusão, porque a imagem parecia sem vida. Após muito hesitar, resolvi descrever a visão como julgo tê-la visto. Mas, quando me dispus a escrever, o amado Salvador não me permitiu que escrevesse sequer uma sílaba. Foi-me fisicamente impossível acrescentar qualquer coisa às poucas palavras de ontem. Conformei-me, e quanto me lembro, pensei: 'Se a visão foi genuína, o amado Salvador a repetirá'.

E Ele o fez de modo totalmente inesperado, pois hoje, quanto me recordo, vi o amado Salvador pregado na cruz, diante de mim em tamanho natural, logo no início da Missa. Quanto pude perceber, ele pronunciava comigo as palavras da Missa. Vi-o, nitidamente, mover os lábios e, ao menos uma vez, dirigir os olhos para o alto, em oração. Isso durou por toda a Missa, embora não pudesse estar continuamente atento ao fato.

Esta visão quer mostrar o fato de que a santa Missa é a maravilhosa renovação do sacrifício da cruz, e isto desde o começo até o fim, e que o amado Salvador faz suas as palavras do sacerdote. O sacerdote goza do privilégio invejável de ser o representante visível do Divino Sacerdote. Ele, que na cruz se ofertou por nós, com infinito amor ao Pai Celeste, sobre o altar, faz o mesmo por meio do agraciado sacerdote, por Ele tão profundamente amado.

(Do diário do Pe. João Francisco Reus)

LEMAS E BRASÕES DOS ÚLTIMOS PAPAS (III)


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

BREVIÁRIO DIGITAL (XLIX) - AS VISÕES DE TONDAL (II)

A experiência além da morte de uma alma medieval percorrendo o Céu, o Inferno e o Purgatório, guiada pelo seu Anjo da Guarda.

VISÕES DE TONDAL - PARTE II


A primeira visão da alma errante de Tondal (exposta nua, como explicado na postagem anterior), acompanhada pelo seu Anjo da Guarda, é diante da boca descomunalmente aberta da besta Aqueronte (termo derivado da mitologia grega, que denominaria um dos rios do inferno), em cujo interior padecem os condenados ao inferno pela ganância, sofrendo tormentos terríveis numa fornalha ardente. A bocarra da besta é mantida aberta por dois demônios gigantescos dispostos em posições contrárias; outros demônios empurram as pobres almas para dentro da fornalha e impedem que os condenados possam escapar dela. A não ser pelos trajes luminosos do Anjo, toda a cena é pincelada por Simon Marmion com cores vivas, escuras ou rubras, com demônios em forma de criaturas pavorosas, para simular o horror do inferno.


A alma de Tondal visita agora o lugar destinado à condenação eterna dos sacerdotes, religiosos e todos que se perderam pelo pecado da luxúria. As almas são engolidas e excretadas pela fera monstruosa num processo repetitivo que nunca termina; caídas num lago gélido, as almas recuperam as suas formas corporais que se engravidam de serpentes e outras criaturas horrendas que lhes comem as entranhas e emergem através do seus corpos dilacerados, que vão servir de novo como alimento da besta monstruosa. Na sua experiência além-túmulo, por ter vivido na luxúria e no hedonismo, a alma de Tondal é forçada a passar por um estágio neste abismo de tormentos, antes de ser resgatada pelo Anjo para seguir a sua peregrinação pelo inferno.


O anjo leva a alma de Tondal até a Porta do Inferno para que esta veja, em meio a uma legião de demônios, Lúcifer (em primeiro plano, deitado na fornalha ardente) esmagar, com as suas milhares de mãos, as almas dos condenados e lançá-las no meio das chamas infernais para serem calcinadas. Figuras monstruosas mantêm os portões abertos e, junto com a multidão dos outros demônios, atormentam sem fim as almas condenadas. No meio das chamas infernais, Tondal reconhece as almas de muitos de seus amigos e familiares já falecidos.



A alma de Tondal é conduzida para a beira de um despenhadeiro onde são lançadas as almas dos incrédulos e dos hereges, num abismo sulfuroso e de fedor indescritível. Por meio de longos arpões e ganchos afiados, as pobres almas são arrastadas ora às águas gélidas do lago, ora aos vapores escaldantes de enxofre que emergem do desfiladeiro. O Anjo lembra à alma de Tondal que ali não é lugar de esperança: aquelas almas estão condenadas à sucessão destes tormentos por toda a eternidade.

domingo, 22 de janeiro de 2017

PESCADORES DE HOMENS

Páginas do Evangelho - Terceiro Domingo do Tempo Comum


Com a prisão e morte de João Batista, tem fim a Era dos Profetas e começa a pregação pública de Jesus sobre o Reino de Deus: 'Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo' (Mt 4, 17). O reino de Deus é o reino dos Céus, e não um império firmado sobre as coisas deste mundo. Cristo, rei do universo, começa a sua grande jornada pelos reinos do mundo para ensinar que a pátria definitiva do homem é um reino espiritual, que se projeta para a eternidade a partir do coração humano.

E esta proclamação vai começar por Cafarnaum e nos territórios de Zabulon e Neftali, localizada na zona limítrofe da Síria e da Fenícia, e povoada, em sua larga maioria, por povos pagãos. Em face disso, esta região era a chamada 'Galileia dos Gentios', e seus habitantes, de diferentes raças e credos, eram, então, objeto de desprezo por parte dos judeus da Judeia. E é ali, exatamente entre os pagãos e os desprezados, que o Senhor vai proclamar publicamente a Boa Nova do Evangelho do Reino de Deus: 'O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz, e para os que viviam na região escura da morte brilhou uma luz (Mt 4, 16).

Nas margens do Mar da Galileia, Jesus vai escolher os seus primeiros discípulos num chamamento imperativo e glorioso: 'Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens' (Mt 4,19). Aqueles pescadores, acostumados à vida dura de lançar redes ao mar para buscar o seu sustento, seriam agora os primeiros a entrarem na barca da Santa Igreja de Cristo para se tornarem pescadores de homens, na gloriosa tarefa de conduzir as almas ao Reino dos Céus.  

Eis a resposta pronta e definitiva dos primeiros apóstolos ao chamado de Jesus: 'Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram' (Mt 4, 20) e 'Eles imediatamente deixaram a barca e o pai, e o seguiram' (Mt 4,22). Seguir a Jesus implica a conversão, pressupõe o afastamento do mundo, pois Jesus nos fala do Reino dos Céus. No 'sim' ao chamado de Jesus, nós passamos a ser testemunhas e herdeiros deste reino 'que não é desse mundo', e nos abandonamos por completo na renúncia a tudo que é humano para amar, servir e viver, prontamente, cotidianamente, o Evangelho de Cristo.

sábado, 21 de janeiro de 2017

FÁTIMA EM FATOS E FOTOS (I)

1. Qual era a situação política de Portugal no início do século XX?

O início do século XX foi marcado por uma profunda mudança política do regime de governo em Portugal que, suprimindo a monarquia, culminou com a implantação da República, a 5 de outubro de 1910. Baseado na trilogia 'liberdade, igualdade, fraternidade' da Revolução Francesa, o novo regime se assentava nos ideais do iluminismo e do racionalismo, proclamava um cenário de 'libertação nacional' para o povo português e a separação formal entre Igreja e Estado, endossada por uma política de confronto e feroz perseguição aos princípios e crenças da Igreja Católica.

Afonso Costa (ao centro): mentor da implantação da República em Portugal e responsável pela pasta da Justiça no primeiro governo pós-monárquico.

2. Qual era a condição social do Estado Português à época das aparições?

Os primeiros anos da Primeira República foram marcados pela instabilidade de sucessivos governos, golpes de estado, tentativas de ditaduras, greves, divisões e lutas civis entre as várias cisões do Partido Republicano (democráticos, evolucionistas e unionistas) e outros movimentos monárquicos e mesmo anárquicos. Sob uma constante instabilidade política pós-1910 e em meio a turbulências sociais de toda ordem, o país se viu envolvido nos conflitos da Primeira Guerra Mundial, o que agravou ainda mais a frágil conjuntura econômica e financeira então existente, aumentando em grande escala a miséria e o sofrimento do povo português. Desta forma, em 1917, Portugal vivia um dos períodos mais tenebrosos da sua história.


3. Qual era a situação da Igreja Católica de Portugal à época?

Imediatamente após a proclamação da República, todos os conventos, mosteiros e ordens religiosas do país foram suprimidos, religiosos foram expulsos e seus bens confiscados. Os jesuítas foram obrigados a desistir da cidadania portuguesa. Aprovaram-se diversas leis e decretos cujo único intento era o de destruir os valores católicos no país: implantação da lei do divórcio; permissão para a cremação dos corpos, secularização dos cemitérios, proibição do ensino religioso nas escolas, supressão da celebração pública das festas religiosas, etc. Em 1911, as perseguições culminaram com a promulgação da Lei da Separação da Igreja e do Estado. O governo maçônico encontrou, entretanto, uma feroz resistência por parte do papa São Pio X e da hierarquia católica da Igreja de Portugal. Muitos portugueses não apenas perseveraram na fé como empreenderam orações e súplicas aos Céus pela salvação de Portugal.


Afonso Costa: 'Graças a esta Lei da Separação, em duas gerações, o Catolicismo será completamente eliminado em Portugal'.

4. Qual era a situação geográfica de Fátima à época das aparições?

A Freguesia de Fátima pertencia então ao Concelho (assim mesmo, com c) de Vila Nova de Ourém, do distrito de Santarém; porém estabelecia ligações sociais e comerciais muito mais intensas com a cidade de Leiria, distante cerca de vinte quilômetros, do que com a sede do distrito, situada a mais de sessenta quilômetros. Predominantemente rural, Fátima está localizada ao longo de um maciço calcário entre serras e vales da Serra de Aire, em terreno árido e com poucas nascentes de água. A aldeia de Aljustrel, onde viviam as três crianças videntes, ficava cerca de 800 metros ao sul de Fátima. A chamada Cova da Iria, onde ocorreram as aparições, constituía uma das muitas depressões do terreno local e era propriedade dos pais de Lúcia, e ficava localizada cerca de dois quilômetros de Fátima.


5. Quais eram as populações locais à época?

Segundo o Censo de 1911, no início da República, a população portuguesa era da ordem de seis milhões de pessoas, tendo o distrito de Santarém cerca de 300 mil pessoas, o concelho de Ourém por volta de 30 mil, a freguesia de Fátima 2.348 pessoas e a aldeia de Aljustrel, 123 habitantes. A nível nacional, 83% da população vivia em zonas rurais; nos distritos de Leiria e Santarém, essa média subia para 95,06% e 94,44%, respectivamente.*

* Dados constantes da obra 'A Fátima dos inícios do século XX: a freguesia de Fátima (1900-1917)', de José Manuel Poças Neves, 2005. 

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

20 DE JANEIRO - SÃO SEBASTIÃO

São Sebastião foi um oficial romano, do alto escalão da Guarda Pretoriana do imperador Diocleciano (imperador de Roma entre 284 e 305 de nossa era e responsável pela décima e última grande perseguição do Império Romano contra o Cristianismo), que pagou com a vida sua devoção à fé cristã. Denunciado ao imperador por ser cristão e acusado de traição, foi condenado a morrer de forma especial: seu corpo foi amarrado a um tronco servindo de alvo a flechas disparadas por diferentes arqueiros africanos. 

Primeiro Martírio: São Sebastião flechado


Abandonado pelos algozes que o julgavam morto, foi socorrido e curado e, de forma incisiva, reafirmou a sua convicção cristã numa reaparição ao próprio imperador. Sob o assombro de vê-lo ainda vivo, São Sebastião foi condenado uma vez mais sendo, nesta sua segunda flagelação, brutalmente açoitado e espancado até a morte. O seu corpo foi atirado num canal de esgotos, de onde foi depois retirado e levado até as catacumbas romanas. Suas relíquias estão preservadas na Basílica de São Sebastião, na Via Apia, em Roma. É venerado por toda a cristandade como modelo de vida cristã, mártir da Igreja e defensor da fé e como padroeiro de diversas cidades brasileiras, incluindo-se o Rio de Janeiro. Sua festa é comemorada a 20 de janeiro, data de sua morte no ano 304.

Segundo Martírio: São Sebastião espancado até a morte

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

12 PASSOS PARA SER UM CATÓLICO DE VERDADE

1. Cuidar primeiro da própria alma. Quando tudo estiver dito e feito, você e eu também iremos morrer. Você terá pessoalmente que prestar contas a Deus por tudo o que fez e não conseguiu fazer. Que inclui as coisas más que tenha feito e as boas ações que não conseguiu fazer. Também você pessoalmente vive em uma terra dominada pelo demônio, com constantes tentações para lhe fazer tropeçar, cair e ser condenado para sempre no inferno. Antes de tentar salvar as almas dos outros ou tentar reformar a Igreja, você precisa tomar cuidado com a própria alma, com suas palavras, suas orações e suas ações. Então, você precisa de oração e humildemente tentar viver uma vida pura e fazer a vontade de Deus em todas as situações.

2. Rezar. Humildemente reconheça que não pode salvar o mundo e que Jesus é o Salvador. Mas que você ainda deve ajudar a salvar almas e reformar a Igreja, através do oferecimento da Santa Missa, rezando especialmente diante do Santíssimo Sacramento e fazendo o que possa. Cada Santo Rosário conta muito também. Nós somos os intercessores para a Igreja e a salvação do mundo.

3. Dar bom exemplo. Tudo o que você faz, como se ajoelha e reza, como trabalha, como se relaciona, como estuda, como ama e cumprimenta as pessoas, como se comporta no trânsito, como se alimenta e como você fala, tudo isso dá tanto um bom exemplo ou um mau exemplo do que significa ser um verdadeiro católico.

4. Estar disposto a ser perseguido. Jesus, São João Batista, os Apóstolos e todos os santos foram perseguidos por membros da igreja e as pessoas do mundo. Jesus nos advertiu: 'Ai de vós, quando vos louvarem os homens'. Pode não ser muito antes de os muçulmanos, os maçons e o nosso próprio governo começarem a nos aprisionar e a matar-nos. Temos de olhar para a frente e seguir adiante para o nosso verdadeiro lar no céu.

5. Ter fé em Deus, em Maria, nos Anjos e Santos. Estamos fazendo o que Deus e Nossa Senhora querem. Nós não estamos sozinhos. Eles sentem toda a dor que sofremos por sermos fiéis à nossa fé católica de 2000 anos. A Igreja pertence a Jesus. Foi Ele quem a iniciou. Ele prometeu que as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Portanto, Ele sofre junto conosco quando nós nos levantamos para proteger os Sacramentos Católicos, a verdade da Bíblia Sagrada e do Magistério. Deus está conosco e nos ajuda. Maria está conosco e nos ajuda. Os Anjos estão lutando ao nosso lado. Os Santos fazem a sua parte para nos ajudar. As santas almas do Purgatório estão rezando por nós. Não estamos no santo combate sozinhos.

6. Falar a verdade. Não importa o quanto custe, precisamos falar a verdade católica para as nossas famílias, nossas paróquias, nossos amigos, para os nossos sacerdotes, nossos bispos e todos que quiserem ouvir. Nós falamos a verdade com amor, firmeza e fatos intelectuais.

7. Estar desprendido do respeito humano. Um dos maiores inimigos para carregar a cruz e seguir os passos de Jesus é ficar fazendo o que os outros pensam de nós. Nós colocamos nossos olhos no que Jesus pensa sobre nós e não no que os outros fazem.

8. Lutar contra o medo. Eu li que o único medo que devemos ter é o de ter o próprio medo. Pessoas e o demônio inoculam o medo em nossos corações para nos desencorajar de fazer e dizer o que é certo e pagar o preço por isso. Jesus disse repetidamente: 'Medo não é necessário, mas fé'.

9. Manter tudo em perspectiva. Deus é um bilhão de vezes maior e mais poderoso do que o papa, cardeais, bispos, religiosos, sacerdotes e leigos rebeldes. Por enquanto, a maioria de nós ainda é capaz de falar o que acreditamos como católicos. Por enquanto, em algumas partes do mundo, estamos livres para rezar e ir à Missa Tradicional. Por enquanto, nós ainda estamos fora da prisão e somos capazes de comer, descansar, ter uma família, caminhar, brincar e trabalhar. Tudo o que temos é o agora.

10. Não desanimar. Nós apenas somos chamados para sermos fiéis e fazer o que pudermos. Então, vamos dar um passo de cada vez. Diz o ditado: 'Uma viagem de mil léguas começa com um primeiro passo'. Como um comunista também disse: ‘Não espere para controlar o mundo durante uma noite'. Não, eles simplesmente trabalham lentamente e, eventualmente, isso acontece.

11. Comprovar e compartilhar as graças recebidas. Enquanto peregrinamos por ‘este vale de lágrimas’, nós vamos com Deus, Maria, os Anjos e os Santos. E por causa disto, haverá milagres evidentes que nos acompanham; pode-se esperar que milagres aconteçam. Durante toda a história da Igreja Católica e o martírio dos santos, muitas e muitas vezes, Deus mostrou o seu apoio por meio de acontecimentos milagrosos. Deus continua a fazer milagres hoje também.

12. Apoiar uns aos outros. Jesus enviou os Apóstolos dois a dois. Precisamos rezar juntos e trabalhar juntos. Precisamos ajudar-nos uns aos outros, amar-nos uns aos outros e vivermos uns com os outros.

('What Can Traditional Catholics Do?' do Pe. Peter Carota, in memoriam, com adaptações pelo autor do blog)

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

DO LIVRO DAS CINTILAÇÕES (IV)

Do Livro das Cintilações*- IV

XXI - A fornicação

107. Disse Jesus, filho de Sirach: Quem se junta aos fornicadores tornar-se-á iníquo (Eclo 19,2).

108. Disse Jesus, filho de Sirach: Ter uma mulher infiel é como apanhar um escorpião (Eclo 26,10).

109. Disse Isidoro: O adultério é a fornicação da carne; a idolatria, a do espírito (Sent., II, 39, 18; PL 83, 642).

110. Disse Isidoro: A luxúria da carne por todos é visível: por si, imediatamente, ela provoca vergonha (Sent., II, 38, 1; PL 83, 639).

111. Disse Isidoro: A luxúria prontamente toma conta dos ociosos; e se apodera dos desocupados (Syn., 2, 18; PL 83, 849).

XXII - A perseverança

112. Disse o Senhor no Evangelho: Quem perseverar até o fim será salvo (Mt 24,13).

113. Disse Jerônimo: Não se olha nos cristãos os inícios, mas o fim: Paulo começou mal e acabou bem; pelos começos, Judas foi louvável, mas sua perdição final o condena (Ep. 54, 6, 4; PL 22, 552).

XXIII - A segurança

114. Disse o Senhor no Evangelho: Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora (Mt 24,42).

115. Disse Jerônimo: Toda a vida do sábio é meditação sobre a morte (Ep.60,14).

XXIV - A tolice

116. Disse o Senhor no Evangelho: Todo aquele que ouve minhas palavras e não as põe em prática é semelhante a um tolo (Mt 7,26).

117. Disse Salomão: O tolo é ferido por seus lábios (Prov 10,8).

118. Disse Salomão: O tolo é castigado por seus lábios (Prov 10,10).

119. Disse Salomão: A boca do tolo é a perturbação do próximo (Prov 10,14).

120. Disse Salomão: O sábio cala sua sabedoria; o coração dos insensatos proclama sua tolice (Prov 12,23).

121. Disse Salomão: Tolice, alegria do tolo (Prov 15,21).

122. Disse Salomão: Melhor topar com uma ursa procurando seus filhotes do que com o fátuo apregoando a sua tolice (Prov 17,12).

123. Disse Salomão: De que adianta ao tolo ter riquezas, se a sabedoria não se pode comprar? (Prov 17, 16)

124. Disse Jesus, filho de Sirach: Aguentar a conversa do tolo é como carregar um fardo pelo caminho (Eclo 21,19).

XXV - A avareza

125. Disse Agostinho: Assim como a avareza costuma levar ao inferno, o jugo de Cristo eleva ao Céu.

126. Disse Jerônimo: A avareza desconhece medida: devorando tudo, nunca se sacia.

XXVI - As virtudes

127. Disse Agostinho: A maldade se combate com a virtude; a cizânia luta com o trigo.

128. Disse Gregório: Sim, o saber é uma virtude, mas a humildade é a guardiã da virtude (Hom. Ev., 7, 4; PL 76, 1102).

129. Disse Gregório: Desejai companheiros no caminho que leva a Deus (Hom. Ev., 6, 6; PL 76, 1098).

130. Disse Isidoro: À virtude, elevamo-nos com esforço; no vício, caímos sem dificuldade (Sent., II, 36; PL 83, 637).

131. Disse Isidoro: Primeiro devem se extirpar os vícios, e só depois florescem as virtudes. Isto porque não há contato nem união da verdade com a mentira (Sent., II, 36, 6; PL 83, 637).

132. Disse Gregório: Quando é ainda por temor que praticamos o bem, não nos desvencilhamos totalmente do mal. Se o temor reprime o vício, do amor é que surgem as virtudes: fé, esperança e caridade (Moral. I, 26, 37; PL 75, 544).

XXVII - Os vícios

133. Disse Jerônimo: Não há purificação dos vícios senão pela aquisição das virtudes (In Mt. 9, 20).

134. Disse Jerônimo: Imersos em vícios são incapazes de ver as virtudes (Cod. Lyon 600, f. 9).

135. Disse Isidoro: Renuncia de verdade ao vício quem evita a ocasião de pecar (Sent., II, 32, 4).

XXVIII - A embriaguez

136. Disse Basílio: O Senhor deu-nos o vinho para alegria do coração e não para a embriaguez.

XXIX - O dízimo

137. Disse Agostinho: O dízimo é oferenda para os pobres.

XXX - A cobiça

138. Disse o Senhor no Evangelho: Quão difícil é para os que põem sua confiança no dinheiro entrarem no reino de Deus! (Mc 10,24).

139. Disse Ambrósio: Cobiça e soberba são a tal ponto um só mal, que não se pode encontrar um soberbo que não seja cobiçoso, nem cobiça sem soberba.

140. Disse Isidoro: Os bafejados pela glória humana podem ter, por fora, o brilho do poder; mas, por dentro, são vazios, tudo não passa de inchaço de soberba (Sent., III, 59,2).

141. Disse Isidoro: Não podem ter o espírito livre para contemplar a Deus, enquanto ardem em desejos e cobiças deste mundo; pois o olho que se encerra no pó não pode contemplar o céu (Sent., III, 41, 2; PL 83, 645).

* (Liber Scintillarum, escrito por volta do ano 700, constitui uma coletânea de máximas e sentenças compiladas das Sagradas Escrituras ou proclamadas pelos Pais da Igreja, organizadas por um monge - que se autodenomina 'Defensor' - do Mosteiro de São Martinho de Ligugé; tradução de Jean Lauand)