segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

HISTÓRIAS QUE OUVI CONTAR (XIV)

Certo homem tinha três amigos. Dois desses amigos ele amava de forma tão especial que seria capaz de sacrificar tudo por tais amizades. Para o primeiro amigo, dedicava todo o seu tempo e todo o seu afeto e, para satisfazer todas as suas vontades, esquecia todo o resto e todos à sua volta. Na verdade, ele tinha também uma dedicação acentuada por um segundo amigo. Este segundo amigo o consumia por inteiro nas horas vagas do primeiro amigo, e estar com ele proporcionava uma felicidade particular e uma alegria extrema. E, para não faltar com a verdade, tinha ele ainda um terceiro amigo. Que não era exatamente como os outros dois. A sua companhia não era assim tão frequente, nem tinha realmente um zelo característico de uma amizade sincera e continuada. Era, enfim, um amigo das horas que sobravam.

Certa noite de um incerto dia, foi acordado por uma forte batida na porta. Levantou-se algo sonolento e, apressado, atendeu ao chamado. Era um estranho oficial com uma ainda mais estranha intimação - 'Eis aqui uma intimação que convoca você a participar de uma audiência judicial' - 'Audiência judicial? Mas de que estou sendo acusado?' respondeu o homem, apavorado - 'Eu não sei. Sou apenas o oficial da intimação. Tenho outras tantas intimações a fazer. Você deve comparecer amanhã diante do juiz. Favor assinar aqui, por favor'. E, em seguida, partiu apressado. 

O homem, agora um suspeito intimado pela justiça, estava perplexo e apavorado. 'De que estarei sendo julgado? O que pode ter acontecido, que coisa mais inesperada e sem sentido. O que posso fazer? O que devo fazer? Tenho poucos recursos e não tenho como pagar advogados'. As perguntas e as dúvidas consumiam o pobre homem. 'Meus amigos, devo procurar os meus diletos amigos, a quem poderia recorrer senão a eles? Eles poderão me ajudar, eles vão depor a meu favor, pois conhecem a minha integridade moral. Eles certamente me ajudarão a sair desta enrascada'. E, sem mais esperar, aprontou-se e saiu para contactar os seus amigos.

Chegado à casa do primeiro e maior amigo, bateu à porta resoluto. 'Este vai me ajudar de pronto, tenho sido para ele um amigo fiel e servil, nele tenho colocado toda a minha dedicação e todo o meu apuro'. 'Quem é?' rugiu uma voz impaciente. 'Quem vem me incomodar a esta hora da noite?' - 'Sou eu, meu bom amigo, preciso imensamente de sua ajuda generosa e imediata'. A contragosto, a porta se abriu e o amigo mal humorado o atendeu: 'Mas, você precisa de minha ajuda justo agora?' - 'Desculpe-me, velho amigo, mas preciso de você desesperadamente'. E contou-lhe sobre o oficial, a intimação, o tribunal, o julgamento do dia seguinte. - 'Conto com você, para me apoiar e me defender nesta questão. Você sabe que eu sou inocente. Por favor, me ajude'.  

- 'Sinto muito, mas infelizmente não será possível. Tenho todo o dia de amanhã tomado por um importante encontro de negócios, ao qual tenho me devotado há bastante tempo. Levo em enorme consideração a nossa frutuosa amizade e o seu zelo para comigo durante tanto tempo, mas não posso perder este negócio. Sei das suas dificuldades materiais e, neste sentido, posso lhe ajudar de alguma maneira'. Entrou em casa e voltou em seguida com um elegante terno nas mãos. 'Eis um terno refinado, que muito lhe ajudará a fazer boa figura frente ao juiz durante a sua defesa'. Desculpe-me, mas isto é tudo que posso fazer neste momento'. E, sem mais delongas, deu boa noite e lhe fechou a porta na cara. - 'Um terno', pensava o homem, dobrando cuidadosamente a roupa, 'uma amizade que eu julgava eterna tem o preço de um terno?'.

'Esqueça a ingratidão, homem, para que serve ter mais de um amigo? Vamos atrás de quem vai me receber de braços abertos e me confortar neste momento: o meu bom e velho segundo amigo'. Com estes pensamentos otimistas, dirigiu-se o pobre homem a uma segunda casa. A recepção, embora mais tarde da noite, foi mais calorosa. O segundo amigo o recebeu na ante-sala e perguntou-lhe o motivo de tanta ansiedade. O oficial, a intimação, o tribunal. O amigo o interrompeu solícito: 'Que absurdo, que acusação mais temerária. Como podiam acusar o amigo de coisas tão terríveis? Claro que ele estava à disposição, ele podia voltar na semana seguinte e aí pensariam juntos a melhor defesa, como responder às insinuações caluniosas, como provar a ilibada reputação do amigo...' - 'Agradeço a consideração, meu amigo, sabia que podia contar com você. Mas preciso de sua ajuda logo, urgente, porque o julgamento já está marcado para amanhã!'.

-'Amanhã?' O riso fácil desapareceu do rosto amigável do segundo grande amigo. 'Amanhã... amanhã é impossível!' É que amanhã já estou comprometido com uma festa da minha família. Vai ser o aniversário de 50 anos do meu irmão e já combinamos uma festa de dia inteiro, num sítio muito aprazível e com a participação de toda a minha família. Até a minha filha mais velha que anda sumida vai dar as caras. Sinto muito, meu amigo, entendo as suas necessidades, mas amanhã... amanhã é impossível'. - 'Amanhã é impossível; amanhã é impossível'. A frase ficou martelando na cabeça do pobre vistante. - 'Olha, o máximo que eu posso fazer é lhe acompanhar até a porta do tribunal; quem sabe a minha companhia pode lhe ser útil em alguma coisa? Assim, vou até lá com você logo cedo e ainda dará tempo para ir para o sítio e para a festa da minha família; o que você acha?' A pergunta ficou sem resposta pois o pobre homem, em total desconsolo, já havia alcançado a rua...

'Resta-me apenas o terceiro amigo, que mal conheço e por quem pouco apreço tenho. Estou perdido', a angústia começava a devorá-lo. 'Mas, depois de duas decepções tão grandes, de amizades que pareciam tão sinceras, o que seria mais um não de um amigo de poucas horas?'. Rumou o nosso desconsolado homem para a casa do seu terceiro amigo. À sua chegada, abriu-se uma espaçosa porta e lhe foi concedido o imediato assento no interior da casa. - 'Minha casa é a casa dos meus amigos. Seja bem-vindo e não se intimide por me procurar em momento inoportuno e a esta hora tardia. Os amigos, os verdadeiros amigos, não são para estas horas?'. Balbuciante e deveras trêmulo, esfregando as mãos no terno em desalinho, o pobre homem revelou ao seu terceiro e afastado amigo, todas as peripécias do seu drama: o oficial, a intimação, o tribunal, o julgamento do dia seguinte. - 'Você poderia me ajudar de alguma forma?' - 'Meu amigo, você ainda me pergunta se eu posso ajudar? Eu sou seu amigo, amigo de todas as horas, mesmo quando não estamos juntos. Você vai pernoitar na minha casa e quero que você se sinta aqui como se estivesse em sua própria casa. Amanhã iremos juntos ao tribunal e juntos ficaremos diante do juiz e eu serei, em todos os momentos, a sua segunda voz. Afinal, eu sou ou não sou o seu amigo?'

******

Três amigos. Tão próximos de todos nós, homens comuns, como eu e você. Todos nós temos três amigos. O primeiro amigo que servimos incondicionalmente é o dinheiro. Fazemos tudo por ele, a ele damos toda a nossa atenção, todo o nosso tempo, toda a nossa devoção. O nosso segundo amigo são os parentes: pais, irmãos, filhos e netos. A eles, damos afeição, carinho, submissão; esquecemos de nós e lhes damos tudo o que possuímos, todos os presentes e todas as benesses. O terceiro amigo, o escondido de nós mesmos, são as nossas boas obras, são aqueles pequenos gestos, palavras e sentimentos que formam a nossa vocação de Filhos de Deus.

Um dia, numa manhã luminosa ou numa noite fria, um oficial de justiça virá bater à porta da nossa alma - esse visitante sobrenatural é a morte. E nos convocará sem ressalvas a prestarmos contas dos nossos atos diante do tribunal de Deus. Não haverá delongas, nem subterfúgios, nem instâncias a recorrer. Eu, você, a humanidade dos homens comuns terá apenas os três amigos a recorrer nestes derradeiros instantes.

O primeiro amigo - o dinheiro - há de lhe conceder apenas um terno. Toda a sua riqueza, ainda que enorme, vai lhe valer apenas o terno da sua última quimera. O seu segundo amigo - seus parentes - quer o amem muito ou mais ou menos, quer os tenha amado de todo coração, vão seguir os seus passos somente até a campa no cemitério. Não seguirão contigo, nem lhe farão companhia além; ali haverão de o deixar sozinho e retomar o cotidiano de suas próprias vidas.

Estará consigo, então, neste derradeiro adeus, apenas o seu terceiro amigo - as boas obras. Elas, sim, não lhe vestirão de galas externas e nem lhe abandonarão à beira do túmulo, mas compartilharão, como testemunhas fieis e solidárias, as suas palavras e a sua defesa diante do trono do juízo de Deus. E somente por elas, pela estrita intervenção cuidadosa deste seu terceiro amigo, é que o seu nome será escrito eternamente no Livro da Vida.

(texto de autor desconhecido, reescrito e adaptado pelo autor do blog)

domingo, 28 de fevereiro de 2016

A FIGUEIRA ESTÉRIL

Páginas do Evangelho - Terceiro Domingo da Quaresma


Neste Terceiro Domingo da Quaresma, o Evangelho nos exorta a viver contínua e decididamente o caminho da plena conversão. E a busca da conversão exige de nós o afastamento incondicional do pecado e a via da santificação plena, como receptáculos abertos a toda a graça de Deus. Entre a retidão de nossos propósitos e a misericórdia do Pai, encontra-se o nosso lugar no portal da eternidade.

E Jesus nos fala primeiro que a grande tragédia humana é o pecado: 'Vós pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus, por terem sofrido tal coisa?' (Lc 13,2). Jesus falava dos galileus que tinham sido assassinados no templo por ocasião da Páscoa, a mando de Pilatos. Ele mesmo responderia que não, da mesma forma que não eram mais pecadores as 18 pobres vítimas da queda da torre de Siloé. A justiça divina não é amalgamada pelo castigo em si, mas pela resistência persistente e obstinada aos tesouros da graça. Não são desgraçados os que morrem em tragédias humanas, são miseráveis os que perdem a alma e a vida eterna consumidos na tragédia pessoal de apenas querer ganhar o mundo. 'Se não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo' (Lc 13, 5).

Jesus ratifica estes ensinamentos com a parábola da figueira estéril, que não produz bons frutos, ano após ano, símbolo da alma fechada a todas as graças recebidas. Mas o Senhor busca incessantemente a volta da ovelha desgarrada e a espera e a consome de favores e bênçãos, porque o 'Senhor é indulgente, é favorável, é paciente, é bondoso e compassivo' (Sl 102). É como o vinhateiro que nunca descuida da planta bruta, cultiva o solo, dispõe o adubo, rega a terra, acompanha ciosa e pacientemente os seus primeiros frutos. No nosso caminho de vida espiritual, o vinhateiro é o próprio Cristo, é Nossa Senhora, é a Santa Igreja, são os santos intercessores, é o nosso próprio Anjo da Guarda. Um derramamento abundante de graças à espera de nosso arrependimento sincero, de nossa dor ao pecado, de nossa conversão definitiva.

Mas o Evangelho termina também com uma determinação explícita: 'Se (a figueira) não der (fruto), então tu a cortarás’ (Lc 13,9). Assim, uma vez desprezados todos os limites da graça e tornados vãos todos os esforços do vinhateiro, a figueira torna-se inútil e a tragédia humana se consome na perda eterna das almas criadas para a glória de Deus.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

POEMAS PARA REZAR (XIX)

E POR QUE NÃO?


Por que não refletir no dia que passou?
Nestas vinte e quatro horas que me uniu ao tempo
Como mais uma parte de mim mesmo;
Parar um pouco esta sequência cronológica,
imbuída de ciclos e vaivéns,
e me projetar, sobre a sombra deste caminho,
sob a perspectiva de um peregrino que sabe para onde vai...

Será que não ouvi o ‘bom dia’ dado pelo vendedor de jornais na banca da esquina?
será que partilhei a muda felicidade da jovem mãe, grávida de poucos meses, que passou por mim no burburinho da rua?
será que percebi a beleza da manhã de sol que me seguiu ao trabalho?
será que não encontrou, com os meus, os olhos do mendigo que me pediu esmolas?
será que eu não distingui, entre vozes, buzinas e aceleradores, o grito silencioso destas crianças
que tem tantas ruas para andar e nenhum caminho para seguir?

quem sabe eu não tive hoje, entre minhas mãos, outras mãos ainda mais vazias...
quem sabe não acalentei meu coração com um pensamento bom e puro;
quem sabe não pronunciei as palavras certas para quem precisava ouvi-las de mim;
quem sabe não me dei conta do problema que afligia meu colega de trabalho, mais um fruto ruim da minha insensibilidade;
quem sabe não assumi plenamente o peso da responsabilidade que ficou melhor ser dividida;

talvez não tenha dado importância a quem se preocupou comigo;
talvez não me tenha lembrado de uma pessoa ausente;
talvez não tenha dito um ‘muito obrigado’ a quem me fez um favor sem exigir gratidão;
talvez não tenha sido o ouvinte atento aos que tinham algo a me dizer;
talvez não tenha esperado o suficiente para ouvir o que tinham a me pedir;

pensando bem, será que foi verdadeira a minha alegria ao rever, depois de tanto tempo, aquela pessoa quase esquecida?
Será que priorizei realmente o fato de ter visto meu filho engatinhando no tapete da sala?
Será que eu dei à minha esposa, nesta noite, um amor digno da graça que nos uniu diante de Deus um dia?
Será que eu rezei?

Pai! Conforta-me diante o Teu temor e aquieta-me diante o Teu juízo!
Amanhã é um novo dia, um novo hoje que a muitas coisas direi NÃO!
Porque tão terrível quanto o não que não se diz
Pela tentação de pecar
É o não que a gente diz a cada instante
Pela chance de se omitir!

Pai, que meu sim seja sim, que o meu não seja não,
E que, entre meu sim e o meu não,
Esteja sempre a Tua vontade de cada dia!

(Arcos de Pilares)

BREVIÁRIO DIGITAL (XXXVII)





(Catecismo Ilustrado de 1910, parte XXXII - Final)

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

AS INVESTIDAS DO DEMÔNIO NA VIDA DE SANTO ANTÔNIO CLARET

Pe Claret viu um esquadrão de demônios ao lado esquerdo de sua cama quando, ainda seminarista, foi vítima de horrorosa tentação que se dissipou com a doce aparição de Maria Santíssima. E este exército infernal combateu-o principalmente na época das missões, com as quais tantas almas o Pe. Claret arrebatou ao inferno, para apresentá-las a Jesus como gloriosos despojos de combate. 

***

Certa ocasião encontrava-se em Vich o santo missionário. Uma manhã, as pessoas da casa onde ele estava hospedado viram com grande surpresa que ele não descia para tomar seu café, na hora de costume. Temeram que estivesse indisposto. Bateram à porta, entraram no quarto e perguntaram-lhe se se encontrava adoentado: 'Sinto uma dor profunda no lado esquerdo' – respondeu. Alarmados com isto, pois o Pe. Claret não costumava queixar-se, chamaram o médico. Chegando este, mandou que descobrisse o lado afetado, e afastando a roupa, viu no lado esquerdo uma ferida como se uma fera lhe houvesse despedaçado a carne com as garras, deixando à mostra algumas costelas. 

Ninguém conhecia a causa desse ferimento, porque o Pe. Claret nada dizia; mas todos acreditaram ser efeito do demônio que assim queria atormentar as carnes do inocente missionário. Voltou por duas vezes o médico, e vendo que havia sinais de gangrena, após uma demorada consulta, resolveu ser necessária uma intervenção cirúrgica, e determinou fazê-la na manhã seguinte. 

Ao retornar, bateu à porta do doente, mas este não respondeu. Perguntou por ele, alarmado, e enquanto esperava, apareceu risonho o doente prodigioso: 'Não se espante', disse-lhe, 'ajude-me a agradecer a Deus este favor. Esta noite Nossa Senhora curou-me'. O doutor, atônito, mandou descobrir o lugar da ferida; e notou com surpresa que já havia cicatrizado, e o lugar estava recoberto de pele branca e firme. 

***

As perseguições do demônio eram mais frequentes na época das missões. Pregava o Pe. Claret em Sarreal, província de Tarragona. As multidões, comovidas, tomaram quase que de assalto a igreja; invadiam-na, deixando-a repleta; e muita gente se acotovelava no adro por não poder entrar no templo. Quando o missionário estava mais fervoroso e emocionante no sermão, desprendeu-se do arco central do templo uma pedra enorme, que caiu em pedaços sobre a multidão. 

'Não é nada!' gritou o Pe. Claret, 'ninguém se mova! É o demônio que quer impedir o fruto da santa missão. Mas não tem permissão de Deus para vos fazer mal'. Assim foi; pois os diversos pedaços não feriram a ninguém. 

***

Pregava, de outra feita, perante enorme concorrência. Estava já na metade da missão. O povo cada dia dava maiores demonstrações de piedade e arrependimento. Era de noite. Quase todos os habitantes estavam reunidos na igreja. Quando o Pe. Claret tomou nas suas mãos o santo crucifixo para findar o sermão com fervorosa súplica, um desconhecido entrou à viva força no templo, alvoroçando o povo e gritando: 'Fogo! Fogo! Que se queima uma casa. Auxílio! Socorro!' O Pe. Claret, com voz forte, disse, interrompendo o sermão: 'É o demônio! Não há casa alguma a arder. E para que vos convençais, que vá o sacristão constatar o fato. Se houver fogo, iremos todos apagá-lo; mas, enquanto não vier o aviso, ficai tranquilos e sossegados'.

Chegou o sacristão e disse não haver sinal nenhum de incêndio. Então o povo quis dar uma sova no homem, mas este, misteriosa e subitamente, desapareceu. 'Não vo-lo dizia?' exclamou o Pe. Claret, 'era o demônio, inimigo de vossas almas, que pretendia impedir o fruto desta santa missão'. E tomando pé deste fato, pregou novo sermão sobre a importância da salvação.

***

Foi em Masnou, província de Tarragona. Pregava o Pe. Claret uma missão. As povoações vizinhas, entusiasmadas e a se penitenciar, vinham todas as tardes escutar atentamente a palavra do missionário. Uma multidão compacta e fervorosa enchia o vasto templo paroquial. Apareceu na capela-mor o Pe. Claret e entoou, em frente do auditório, um cântico da missão. A multidão, que conhecia aquele cântico, acompanhou-o unissonamente, como um imenso coral. 

O organista, Pe. João Quintana, carmelita calçado, assentou-se ao órgão para acompanhar o canto. Mas, contra a vontade do organista, saía dos tubos do órgão a música de uma canção escandalosa, muito em voga naquele tempo em teatros e tabernas. O público emudeceu, escandalizado, e logo alvoroçou-se diante do insulto. O organista, espantado, trabalhava para dominar o teclado do órgão, mas seu esforço era em vão. A canção continuava soando escandalosamente. 

Então o Pe. Claret subiu rapidamente ao púlpito e, dirigindo-se à multidão, disse com voz dominadora: 'Meus irmãos, não vos espanteis! É o demônio que, com esta canção escandalosa, quer inutilizar o fruto dos sermões' E erguendo a mão em direção ao coro, gritou: 'Sr. Organista, abra o registro flautado, porque dentro dele está o demônio'. Assim fez o organista, e o demônio fugiu vencido. O órgão acompanhou harmoniosamente os cantos da missão; serenou o auditório e, ao findar a pregação, puderam recolher os ceifadores evangélicos do campo espiritual magnífica colheita de pecadores convertidos. 

***

De outra vez foi em Igualada. A missão estava dando belos resultados. Já de público se contavam as grandes conversões, e estavam prestes a dar esse passo outros muitos pecadores. Para mover a estes que permaneciam hesitantes, o Pe. Claret preparou com a oração e o estudo, um sermão especial: o sermão da Madalena. Todos choravam ao escutá-lo. Sua palavras era uma concentração luminosa e palpitante de todas as ternuras, de todos os arrependimentos, de todos os amores que sentiu na hora feliz da sua conversão a Madalena, a sublime penitente.

Quando mais ardentes e gerais eram os soluços no auditório, um ruído espantoso alvoroçou o público. Milhares de cães raivosos brigavam, mordiam-se, despedaçavam-se invisivelmente na igreja; perseguiam-se, desgarravam-se com uivos aterradores. A multidão, consternada, lançou um grito de espanto. Todos olhavam em redor, mas ninguém via onde estavam os cachorros. 

Então o Pe. Claret, estendendo a mão sobre o auditório disse: 'Calma, meus irmãos! Calma! Não vos espanteis. Esses cães são os demônios que receiam vos aproveiteis da santa missão. Desprezai-os e logo vos largarão'. Tranquilizou-se o público ao ouvir estas palavras do santo missionário; os demônios fugiram e a matilha de cães emudeceu.

(Excertos da obra 'Santo Antônio Claret', do Pe. João Echevarria, 1962)

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

PUDOR E PERVERSÃO

"Ò mulher, repara em Mim, flagelado e coroado de espinhos! Contempla as Minhas Chagas e as Minhas Feridas! Depois escuta e reflete: Durante a Minha vida terrena, vivi como manso cordeiro; fui ao Calvário, sem abrir a boca; tratei com doçura a samaritana e ela se converteu; comovi o coração de Maria Madalena, a pecadora e a fiz predileta e uma santa; ao cruzar as ruas da Palestina, pronunciava palavras de Luz, de Paz e de Amor; os Meus ensinamentos eram doces como mel. Mas um dia, ao lançar um olhar divino por todos os séculos, vendo como o mal inundava, impetuoso e ultrajava os Meus Templos, pronunciei palavras de fogo: 'Ai do mundo por causa dos seus escândalos! Ai de quem escandalizar! Seria melhor que lhe atassem uma pedra de moinho ao pescoço e o arrojassem no mar!'.

Quem pronuncia este 'ai' é um Deus abandonado por muitos sacerdotes, religiosos e leigos que não vivem, realmente, o que lhes preguei. Sou Eu, Jesus, que sofri tanto para salvar as almas; sou Eu o Juiz Supremo da Humanidade, dessa humanidade que entre outros pecados, Me crucifica novamente com as sua modas indecentes! Eu pronunciarei a sentença eterna para cada alma: Paraíso ou inferno! Reflete, mulher, que segues a moda licenciosa e pensa com serenidade, um momento, sobre os graves escândalos que provocas aos que te olham, te desejam e te ferem com frases grosseiras, por causa de tuas roupas ajustadas, transparentes, decotadas e curtas.

Ó mulher, porque ultrajas os Meus templos, fazendo exibição do teu corpo? Porque só te ocupas em agradar e tentar os homens?! Porque transformas a Minha Casa de Oração num lugar de anatomia, onde abundam cabeças, troncos, extremidades e até a marca de tua roupa interior? Os Meus templos são profanados por causa das tuas roupas sensuais e provocadoras.

Diz-Me, mulher, as tuas virtudes onde estão? O teu pudor, a tua modéstia, a tua humildade, onde estão? As tuas modas, que tanto tentam, são diferentes das de uma ateia? Absolutamente nada! Podes até iludir-te, a ti própria dizendo: 'Que mal há em seguir esta moda?' ou 'As outras mulheres também o fazem!' e ainda 'Há sacerdotes que não proíbem e até aceitam!'. Esta ilusão é para ti, mas a realidade é bem outra diferente. A conduta incorreta de tantas mulheres, mesmo cristãs, não justifica a má conduta própria. Se as outras mulheres se quiserem condenar, seguindo o que o mundo lhes apregoa, porque hás tu de te condenar?

Todos os pecados que provocam nos outros, as tuas calças 'coladas', shorts, mini-saias, blusas e vestidos transparentes e decotados, fora ou dentro da Igreja, são imputáveis aos que te olham, mas mais que a ninguém, são imputáveis a ti, que és a sua causa voluntária. Eu, o Legislador Divino, disse: 'Se alguém olhar para uma mulher com malícia, já pecou em seu coração'. A moral que Eu ensinei é una, inviolável e eterna, enquanto que as modas são muitas. A Minha Igreja, não tem modas! O mundo tem-nas todas. Se, realmente, Me amas, deves seguir a Minha Vida, cheia de abnegação e sacrifício. Por isso deves abandonar as modas que atentam contra a Moral e a Fé!

Estreita é a porta que conduz ao Céu e larga a que leva ao inferno; a maioria elege a última. Estar contra as modas indecentes e não as usar é muito difícil; é necessário muito amor para Comigo, para não se deixar arrastar por elas. Eu fui enviado ao mundo, não para fazer a Minha Vontade, mas a d’Aquele que Me enviou. Tu foste enviada ao mundo, não para viver, fazer e usar o que te apetece, mas para realizar a Minha Santa Vontade. Ou tu estás Comigo ou estás contra Mim! Ou estás Comigo, ou estás com as modas sem pudor; o que escolheres dar-te-á a eternidade da Minha Glória ou a eternidade das penas.

Quando a morte te arrancar deste mundo, cheio de vaidades e luxos sem razão e chegardes a Minha Presença para ser julgada, vendo os pecados que os homens cometeram ao olhar para o teu corpo escassamente coberto, tu própria ficarás envergonhada. Que pretexto poderás então apresentar-Me? Ai de ti mulher pelos teus escândalos! Ai de ti que perdeste o pudor e a vergonha! Porque procedes assim? Porque me crucificas novamente com os cravos da tua imodéstia?

Quando, de forma desrespeitosa, Me recebes na Comunhão, quanta amargura sinto ao entrar no teu corpo, que é motivo de tantos pecados nos homens e de mau exemplo para as poucas mulheres que tu, com desdém e desprezo, chamas 'antiquadas'! Asseguro-te, que muitas destas antiquadas estão Comigo, enquanto muitas 'modernas' sem pudor, como tu, estão 'gozando' no inferno.

Os casamentos que se celebram, também esbofeteiam ao Meu Rosto, quando as noivas e madrinhas se aproximam do Altar meio despidas, assim como muitas de suas convidadas. Tem a hipocrisia tal, que mesmo semi-nuas, levam no pescoço uma formosa cruz metálica, sinal de sua 'grande catolicidade'. A verdade é que são sepulcros branqueados, cheios de luxo por fora e vazias de humanidade e caridade por dentro.

Ai, ai, ai! De todos aqueles sacerdotes que temem, ou não querem proibir que se espezinhem e profanem os Meus templos, com a nudez das modas. Muitos deles deixaram-se seduzir pela sua presença e não querem ser rigorosos no cumprimento dos seus deveres. Eu fui atraiçoado por um falso apóstolo. E hoje, há falsos sacerdotes, religiosos e leigos, que, de forma clandestina, estão trabalhando para destruir a Minha Igreja. Falseiam a Minha Doutrina, permitindo tudo e criando um cristianismo fácil.

Nos Meus Templos vêem-se coisas mais profanas. Por exemplo: maquilagens, penteados exóticos, jóias, amuletos, óculos de sol, finos e raros tecidos. Outros, por sua vez, dedicam-se a comer, fumar, mastigar pastilhas elásticas, conversar, dormir, estudar, namoriscar, cruzar as pernas, aplaudir, bailar, cantar canções profanas e os 'parabéns a você', bisbilhotar, passear admirando obras de arte, tirar fotos durante a Santa Missa, etc., como se estivessem num piquenique. Pobres deles! Estão convertendo a Minha casa de Oração em lugar de pecados e ninguém sai em Minha defesa. Todos calam e fogem. Ninguém se arrisca e todos lavam as mãos como Pilatos. Onde estão os que deram a sua vida por Mim? Se um político, um desportista ou um artista lhes dizem: 'Façam isso! Usem aquilo!', todos o imitam. Eu, em troca, prometo-lhes o Prêmio Eterno se cumprirem os Meus Mandamentos e quase ninguém faz caso dos meus convites. 

Ai, ai, ai! Das minhas religiosas que, nas suas instituições e Colégios, não aconselham as suas alunas sobre a sã e correta maneira de se vestirem! Ai, ai, ai! Das freiras que adaptam sua vestimenta às das mulheres mundanas; os vossos pecados estão a esgotar a Minha Paciência! Ai, ai, ai! Dos pais e mães que, seguindo o ritmo imoral das modas, pervertem os filhos com o uso das mesmas e os tornam motivo de escândalo! Ai, ai, ai! De todos aqueles seculares que não resolvem aconselhar com energia tantos irmãos equivocados, sobre a necessidade e a obrigação de abandonarem as modas e ações que desvirtuam o Meu Evangelho! Ai, ai, ai! De todas aquelas pessoas que, de uma ou outra maneira, fomentam, comercializam e permitem toda espécie de despudor! Sei muito bem que quereis corromper a mulher para assim, com mais facilidade, destruirdes a Minha Igreja, a Família e a Pátria!

...

A Minha Justiça destruiu as cidades imorais de Sodoma e Gomorra. Pior será o castigo que terá lugar dentro de pouco tempo, como vem anunciando a Minha Santíssima Mãe em La Salette, Lourdes, Fátima e outros lugares. Ó almas que viveis no lodo imoral, na vida cristã fácil, cômoda e libertina, semeando por toda a parte a morte espiritual, olhai-Me crucificado! Meditai sobre o inferno, onde caem as tantas almas que, no seu tempo, viveram dando-se a todos os gostos, prazeres, modas, diversões, etc. Que será de vós?

As mulheres que quando viviam eram louvadas, aplaudidas, admiradas, imitadas e perseguidas por tanto exibicionismo dos seus corpos, agora, quem se recorda delas? Onde estão as suas conquistas? Onde estão o seu dinheiro, jóias, fama? Onde estão os corpos que tanto mostravam? Fogo eterno os consome, fogo que devora e não mata. Ao contrário, as que aqui viviam modestamente, suportando azedas críticas e zombarias que ferem, por causa de seu pudor e respeito para Comigo, gozam para sempre a eternidade na Minha companhia e na de Maria, Minha Mãe Santíssima.

Se a tua mão, o teu pé, o teu olho ou as tuas modas são motivo de escândalo, corta-os e atira-os para longe de ti, pois mais te vale entrar sem eles no Reino dos Céus, que caíres com os mesmos no Fogo Eterno. Quem teme e respeita os homens e as modas não é digno de Mim! A todos os homens e mulheres digo: Apartai-vos das modas ofensivas e pecaminosas, ainda que percais a família, amigos, dinheiro, fama e a própria vida. Aos meus fiéis bispos, sacerdotes, religiosas e seculares, convido-os a quem com Prudente Valentia, defendam a Minha Causa e os Meus templos do aviltamento das modas obscenas e vergonhosas; caso contrário, o Braço da Minha Divina Justiça cairá rigoroso sobre todos aqueles que tem obrigação de dar testemunho da Minha Vida. Bem aventurado quem escuta as Minhas Palavras e as pratica!"

(Revelações de Nosso Senhor Jesus Cristo a Santa Ângela de Foligno)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

NO LIMIAR DO SOBRENATURAL (I)

Uma hóstia que sangra?

Salt Lake City - Novembro/2015

Um sacerdote da igreja de São Francisco Xavier da diocese de Salt Lake City (EUA), ao dar uma hóstia consagrada a um menino, recebeu a informação de um parente do mesmo que o pequeno ainda não tinha feito a sua Primeira Comunhão – ou que não era católico. Devolvida a hóstia, a mesma foi, então, colocada em um copo de água para se dissolver. Mas isto não apenas não aconteceu, como aparentemente a hóstia assumiu tons avermelhados crescentes como se tivesse começado a sangrar. Natural ou sobrenatural?

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

VERSUS: MONTE TABOR X MONTE CALVÁRIO

Eis, cristão, o caminho da tua desventura e o itinerário da tua redenção! 



Queres apenas o fortuito prêmio das miragens, as alegrias efêmeras da eterna juventude? Destilar o ébrio perfume dos vinhos deleitosos, das iguarias mais refinadas, brindar sob as luzes dos banquetes e te refestelar dos prazeres do mundo? Que busca desenfreada é esta de uma felicidade assente em valores humanos que não segregam nada, e que apenas satisfazem os teus instintos exacerbados? Almejas uma vida de consolo e de paz, submerso nas paixões e no vozerio dos risos sempre fáceis? Vem, pois, e galgues faceiro o Monte Tabor dos teus sonhos delirantes e te transfigures em espelho de mil faces, para que possas refletir, no vazio das miragens, o abismo do teu nada...




Ou queres refrear tua falácia no silêncio do escondimento e da oração? Recolher os gestos de discórdia, domar a palavra ferina, dispersar no sopro da paciência a volúpia incandescente da solta imaginação? Que destino vinculas aos teus passos comedidos, saciados na prudência de retos caminhos e despojados de atalhos enganosos? Por acaso aquietas o teu coração como pergaminho à escrita da Vontade divina e o tornas manjedoura para o acalanto do teu Deus? Flui em ti anelos da esperança cristã e a luz dos abismos incomensuráveis da graça? Vem, pois, e galgues o Monte Calvário da tua fragilidade humana, que é feito de dor e de sofrimento, e leve contigo a Cruz de cada dia que há de ser o espelho pelo qual verás Deus na eternidade...

domingo, 21 de fevereiro de 2016

A TRANSFIGURAÇÃO DO SENHOR

Páginas do Evangelho - Segundo Domingo da Quaresma


Jesus acabara de fazer o anúncio de sua Paixão aos discípulos e eles experimentavam, naquele momento, o peso das tribulações e das adversidades futuras que certamente teriam de enfrentar. O Filho do Homem se revelara vítima pascal e não senhor de um exército dominador: o Reino de Deus não é deste mundo e a redenção teria que perpassar necessariamente pela subida do Calvário. Aqueles homens precisavam, mais do que nunca, da fortaleza da graça sobrenatural. E, três deles, Pedro, Tiago e João, a receberiam com abundância extrema.

Neste Segundo Domingo da Quaresma, meditamos esta extraordinária experiência sobrenatural vivida pelos três apóstolos no alto do Monte Tabor. Jesus os levou consigo para subir a montanha 'para rezar' (Lc 9,28), pois é a oração que nos coloca plenamente sob o repositório das graças divinas. A fragilidade humana tomou frente a princípio pelo sono de todos e pelas palavras desarticuladas de Pedro: 'vamos fazer três tendas' (Lc 9,33). Mas esvaiu-se de vez quando os três apóstolos foram inundados pela claridade luminosa emanada dos corpos gloriosos de Jesus, Moisés e Elias. 

Naquele lugar, e ainda que por um breve tempo, os três apóstolos puderam contemplar na terra a glória de Deus. E testemunhar que a história humana evolui pelos tempos confirmada pela Lei (presença de Moisés) e pelos Profetas (presença de Elias). A Transfiguração do Senhor é um evento extraordinário da manifestação divina de Jesus aos homens, um olhar da história humana no espelho da eternidade.

'Este é o meu Filho, o escolhido. Escutai o que Ele diz' (Lc 9, 35). Solícitos na oração, firmes na fé, tornamo-nos oratórios dignos das abundantes graças de Deus. Somos movidos, pela coragem, a superar as adversidades, as tentações, as dores humanas; pela fortaleza, impõe-se seguir em frente, avançar para águas mais profundas, subir a montanha das graças e da transfiguração de nossa imensa fragilidade humana. E também, descer outra vez a montanha, voltar ao caminho de Jerusalém e do Gólgota, repetir quantas vezes,  e por quanto tempo for, o itinerário contínuo de enfrentar e vencer o mundo, oportuna ou inoportunamente, até o Tabor definitivo de nosso encontro com Deus na eternidade.

22 DE FEVEREIRO - A CÁTEDRA DE PEDRO

A celebração da festa litúrgica da Cátedra de São Pedro no dia 22 de fevereiro tem origem muito antiga e está documentada por sua inclusão num calendário do ano 354 e no Martyrologium Hieronymianum, o mais antigo da Igreja Latina, composto entre 431 e 450. Na pessoa de São Pedro (e de todos os seus sucessores), insere-se o fundamento visível da unidade da Igreja, nascida de Deus e glória de Deus até os confins dos séculos 'porque as portas do inferno não prevalecerão contra ela' (Mt 16,18).

"O chamado de Pedro' (Giorgio Vasari, sem data)

'Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus' (Mt 16, 17-19).

sábado, 20 de fevereiro de 2016

BREVIÁRIO DIGITAL (XXXVI)







(Catecismo Ilustrado de 1910, parte XXXI)

20 DE FEVEREIRO - BEM AVENTURADOS JACINTA E FRANCISCO


Jacinta contava apenas sete anos e Francisco apenas nove quando tiveram, juntamente com Lúcia (à época, com 10 anos) as visões de Nossa Senhora em Fátima. Se é verdade que São Domingos Sávio morreu aos 15 anos e Santa Maria Goretti aos onze, é possível que crianças em tal tenra idade sejam capazes de viver e praticar a virtude com zelo heroico e, assim, alcançarem o cimo da santificação? A resposta é sim e este sim se aplica aos pequenos videntes de Fátima. Pois, foi exatamente com base na curtíssima vida de Jacinta e de Francisco Marto que o Papa João Paulo II revogou os decretos impeditivos de Pio XI neste sentido e declarou-os bem aventurados da Igreja em 13 de maio de 2000.

Depois da visão do inferno, Nossa Senhora pediu a ambos orações e sacrifícios pela conversão dos pecadores, e as duas crianças passaram a se esmerar para o pleno cumprimento destas práticas desde então e citam-se inúmeros exemplos de mortificação dados por eles em diversas ocasiões. Em 1918, foram vitimados pela terrível gripe pneumônica que assolou toda a Europa. Durante meses, em meio a internações e operações diversas, os dois irmãos sofreram com grande resignação. 

Em janeiro de 1919, a Santíssima Virgem apareceu-lhes para dar uma surpreendente notícia e convidar Jacinta ao holocausto completo: 'Nossa Senhora veio nos ver e disse que vem buscar o Francisco muito breve para o Céu. E a mim, perguntou-me se queria ainda converter mais pecadores. Disse-lhe que sim. Disse-me que iria para um hospital, que lá sofreria muito; que sofresse pela conversão dos pecadores, em reparação dos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria e por amor de Jesus.' Francisco morreria em 04/04/1919. Jacinta, internada em um hospital de Lisboa, padeceu com serenidade os tormentos finais da sua enfermidade, até falecer em 20 de fevereiro de 1920.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

A MORTE DE SANTA BERNADETTE


Em 1877, ei-la novamente na enfermaria por motivo de uma série de novas hemoptises que dão rebate acerca do seu estado pulmonar. Não mais será vista na sacristia. Entrou na sua paixão, a paixão da Irmã Bernarda oferecida a Deus pelos pobres pecadores. Não sabemos tudo, nem as inspirações que lhe foram dadas nos momentos de êxtase, nem a compreensão com que ela pôde ser iluminada ante a tristeza infinita de Maria que pensava nos pecadores do Mundo. Mas estamos seguros de que o sentido da sua vida não foi outra coisa senão um oferecimento perpétuo de si mesma a Deus em favor desses homens desconhecidos e cegos.

... Toda a sua vida vibra desse mesmo tom de penitência, de compaixão para com aqueles que, com expressão de ternura, ela chama de pobres pecadores. Foi essa a sua maternidade, fraca imagem feminina de pureza absoluta, o resgate desse bando manchado de homens e mulheres chafurdando no pecado, e que ela adotava a cada instante nas suas dores. Foi por eles que se deitou sobre o leito da enfermaria, como sobre uma cruz da qual quase nunca mais se desencravará.

No inverno de 1877 sobreveio-lhe no joelho direito um abcesso tuberculoso. Não se conhecia ainda nenhuma medicação eficaz contra essas manifestações ósseas. Sofreu sem alívio, intoleravelmente, a tal ponto que se lhe via no rosto o desfiguramento. Cresceu-lhe no joelho um tumor enorme, que lhe foi deformando totalmente a perna, e que permanece ainda hoje muito visível no ataúde, debaixo das dobras inumeráveis do vestido monacal, que essa protuberância do joelho levanta à direita.

Nunca se queixou, ou se lhe escapava um grito, pedia perdão: 'Sou mais feliz com meu crucifixo no leito do que uma rainha em seu trono', disse ela um dia. Mais ainda. As devastações da doença contribuíam para estabilizar nela o que se poderia chamar de 'serenidade tuberculosa', esse predomínio da alma sobre os movimentos da natureza, que o físico mostra, como se essa doença fosse uma espiritualização.

... Agora ei-la reduzida a completa inatividade: aqueles trabalhos de bordado, em que se tornara tão hábil, aqueles coraçõezinhos que pintava nas imagens, aquele processo de decoração em ovos, que consistia em raspar certos lugares a casca pintada, - (tanto faz, dizia ela, caçoando de seu trabalho ingênuo, ganhar o céu raspando ovos quanto fazendo qualquer outra coisa!). Está entregue inteiramente ao seu martírio e à vida eucarística; a comunhão torna-se sua única alegria.

Ia subindo; sua união com Deus tornava-se constante. Aquela que, vinte anos antes, lograra um antegozo da vida beatífica não falava senão do Céu. ... Todos os que viviam em torno dela notaram isto, que à medida que seu pobre rosto emagrecia e sua feições se desfaziam, os olhos conservavam essa magnífica flama, próprio dos tuberculosos, e que se avivava ainda mais quando ela os levantava para o Crucifixo. 

... A tuberculose óssea generalizava-se. A Irmã Maria Bernarda [nome original de Santa Bernadette] emagrecia, e seu corpo, gasto pelo leito, cobria-se de chagas. E para que sua paixão fosse completa e conforme ao seu modelo, Deus a 'abandonou'. Perdeu a confiança; perdeu a paz; perdeu a certeza do Céu; julgou-se indigna de ser salva. Dir-se-ia que só naquele momento compreendeu intimamente o enorme cabeçal de graças que lhe foram concedidas. Sentiu o terror de não tê-las aproveitado. Já não é senão uma pobre coisa que sofre. 

... Distribuiu os pobres objetos que lhe haviam pertencido a todas as religiosas, e pediu que enviassem seu véu de estamenha à Irmã Isabel Vidal, que lhe ensinara a ler e escrever. só guardou o crucifixo, dizendo: 'Fica-me este. De nada mais preciso'... No momento de receber a comunhão, naquele dia, exclamou com voz, cuja força surpreendeu: 'Minha querida Madre, peço-vos perdão de todos os desgostos que vos causei pelas minhas infidelidades na vida religiosa. Peço perdão às companheiras dos maus exemplos que lhes dei, sobretudo com meu orgulho'.


Durante toda a semana santa vai sofrendo o seu martírio: 'A minha paixão durará até que eu morra!'.Assim fala e luta contra o demônio, cujo ataque sente nitidamente. Tem medo e grita. É mister dar-lhe segurança acerca da vida tão santa que levou e que ela julga indigna das graças recebidas. Por causa das sufocações, não pode ficar deitada. Sentam-na numa poltrona, com a perna doente colocada sobre um tamborete, frente à chaminé, de modo que veja a estátua da Santíssima Virgem.

Na quarta-feira da Páscoa, 16 de abril, às duas horas da tarde, o Pe. Febvre é chamado precipitadamente, porque ela quer se confessar. Em seguida reclama o rescrito da benção especial, in articulo mortis, que Pio IX, a quem escrevera um dia intitulando-se seu 'pequeno zuavo', lhe enviara. Como não tinha mais força para segurar o crucifixo, pediu que lho prendessem ao peito. Às duas horas e meia, seus belos olhos cheios de luz e de vida no rosto extenuado elevaram-se para o céu. Sua fisionomia respirava sossego, serenidade e não sei que gravidade melancólica; depois, com expressão indefinível, que manifestava antes surpresa do que dor, exclamou: 'Oh!Oh!Oh!' Juntamente estremeceu-lhe todo corpo; depois, com voz bem acentuada: 'Meu Deus, eu vos amo de todo o meu coração, de toda a minha alma, com todas as minhas forças!'

Estas linhas são de uma religiosa testemunha daqueles derradeiros instantes tão solenes. Em seguida, a Irmã Bernarda pede ainda perdão de todas as faltas. Diz: 'Tenho sede!' Apresentam-lhe um copo de água. Antes de molhar nele os lábios, faz o seu último sinal de cruz, um daqueles sinais de cruz que aprendera de Maria e que sempre foram causa de admiração para os que a rodeavam. Alguns minutos mais tarde, murmurou: 'Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por mim pobre pecadora...pobre pecadora...' E deu suavemente o último suspiro. Era o dia 16 de abril de 1879, às 3 horas e um quarto da tarde.

(Excertos da obra 'A humilde Santa Bernadette' de Colette Yver)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

DA VIDA ESPIRITUAL (89)



Lembra-te sempre: há muitas formas de se louvar o Pai. A oração, a penitência, o jejum, a reflexão espiritual, a palavra, o olhar, e também a música e a literatura que tanto amas e quaisquer outras formas de arte. Transforma cada momento de tua vida, cada atividade, cada fazer, tudo mesmo, em oração. Ao se cumprir a Santa Vontade de Deus em tudo o que fazes para com todos, o caminho da tua santificação passa a não ter horizontes nem limites.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

A LITURGIA DA SANTA MISSA (IV)

4. RITOS INICIAIS: SINAL DA CRUZ, SAUDAÇÃO, ATO PENITENCIAL E KYRIE

Sinal da Cruz

O Sinal da Cruz é litúrgico e canônico; o SACERDOTE diz: 'Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo', ao que O POVO responde: 'Amém'. O Sinal da Cruz não deve, portanto, ser rezado integralmente pelo sacerdote e por todos os fiéis. Por esta razão, é totalmente contraindicada a versão cantada do sinal da cruz, uma vez que, além de incluir outros termos absolutamente dispensáveis, a oração passa a ser compartilhada integralmente pelo sacerdote e pelos fieis, sem quaisquer distinções das respectivas partes.

Uma outra grande objeção à versão cantada: 

Em nome do Pai, em nome do Filho [...]
Para louvar e agradecer, bendizer e adorar,
te aclamar… (palmas)

Aclamar com palmas Jesus diante de sua agonia de morte no Calvário? O que estamos fazendo quando, no início da Santa Missa, ao nos prostramos diante dEle no Calvário, O saudamos com... palmas?!  

Saudação 

'A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco'. Com esta oração, o celebrante conclama a presença da Santíssima Trindade junto à assembleia reunida, para que sejam celebrados dignamente os sagrados mistérios. Após a saudação, a assembleia respondendo, confirma esta proposição do celebrante: 'Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo'. É chamada de saudação apostólica, pois tem sido uma prática corrente desde os tempos da Igreja primitiva. 

Ato Penitencial 

O Ato Penitencial, iniciado sempre com o convite do sacerdote, constitui uma oração de confissão geral envolvendo toda a assembleia, incluindo o próprio celebrante. Deve ser precedida por um momento de silêncio, para que cada fiel, em contrita reflexão interior, possa implorar a Deus o perdão de suas culpas e dos seus pecados veniais, inexoravelmente ligados à nossa frágil condição humana, de forma a torná-los dignos de participação na Santa Missa e na Mesa Eucarística. Na Forma Ordinária do Rito Romano, o Ato Penitencial pode contemplar três versões:

(i) recitação do 'Confiteor' ('Confesso')


Confesso a Deus Todo-poderoso, à bem-aventurada sempre Virgem Maria, ao bem-aventurado Miguel Arcanjo, ao bem-aventurado João Batista, aos santos Apóstolos Pedro e Paulo, e a todos os santos, que pequei muitas vezes por pensamentos, palavras e ações, por minha culpa, minha culpa, minha máxima culpa. Por isso, peço à bem-aventurada sempre Virgem Maria, ao bem-aventurado Miguel Arcanjo, ao bem-aventurado João Batista, aos santos Apóstolos Pedro e Paulo, e a todos os santos, que oreis por mim a Deus, Nosso Senhor. Amém.

(ii) oração envolvendo o celebrante (C) e a assembleia (A):

C – Tende compaixão de nós, Senhor.
A – Porque somos pecadores.

C – Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia.
A – E dai-nos a vossa salvação.

Nestas duas acepções, o ato é continuado com uma fórmula de absolvição em que o celebrante se inclui, para deixar claro que não se trata de um rito similar ao do sacramento da penitência: 'Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna'. O ato é, então, concluído com o Kyrie

(iii) ato penitencial associado à oração do Kyrie (exposto a seguir), com a inserção de pequenas frases chamadas tropos. 

Em missas especiais, o ato penitencial pode ser substituído pela bênção e aspersão da água em recordação ao batismo (particularmente durante o tempo pascal) ou, por exemplo, pela imposição de cinzas (na quarta-feira de cinzas).

Kyrie 

Conjunto de três invocações à misericórdia divina que tem origem nas ladainhas de aclamações a Deus que eram feitas durante as procissões, nos primeiros tempos da Igreja, e que eram recitadas originalmente na língua grega, quando esta era a língua litúrgica oficial de Roma (antes do século IV da nossa era). No rito atual, as invocações são repetidas duas vezes (três vezes nas missas tridentinas):

C – Senhor, tende piedade de nós (Kyrie eleison em grego)
A – Senhor, tende piedade de nós (Kyrie eleison em grego)

C – Cristo, tende piedade de nós (Christe eleison em grego)
A – Cristo, tende piedade de nós (Christe eleison em grego)

C – Senhor, tende piedade de nós (Kyrie eleison em grego)
A – Senhor, tende piedade de nós (Kyrie eleison em grego)

A terceira forma do Ato Penitencial está diretamente associada à oração do Kyrie por meio da utilização dos tropos. Estas inserções podem ser bastante variáveis e adaptáveis às diferentes festas litúrgicas da Igreja, sendo várias delas propostas no Missal. Assim, por exemplo, para a época do Advento, possíveis variantes do Kyrie seriam:

Senhor, [que viestes ao mundo para nos salvar], tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, [que continuamente nos visitais com a graça do vosso Espírito], tende piedade de nós.
Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, [que vireis um dia para julgar as nossas obras], tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

As frases breves, indicadas entre colchetes, são os tropos, cuja finalidade é realçar ou complementar as invocações a Nosso Senhor Jesus Cristo por meio de um atributo específico adicional, particularmente referente ao perdão e à misericórdia divina. A excessiva liberdade dada à utilização dos tropos pode, evidentemente, conduzir a proposições algo inadequadas ou mesmo equivocadas.

Finalmente, é preciso enfatizar, mais uma vez, a natureza geral do tropo na possibilidade desta variante (terceira variante) do Ato Penitencial:

Senhor, [tropo], tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

As distorções a esta variante são óbvias e, infelizmente, padrões na grande maioria das missas, que incluem 'atos penitenciais' totalmente diversos e estruturados sobre modelos completamente avessos à sistemática dos tropos. Um exemplo bem conhecido, como tantos outros, é o seguinte: 

Pelos pecados, erros passados; por divisões na tua Igreja, ó Jesus!
Senhor, piedade! Senhor, piedade! Senhor, piedade, piedade de nós! 
Quem não te aceita, quem te rejeita, pode não crer por ver cristãos que vivem mal!
Senhor, piedade! Senhor, piedade! Senhor, piedade, piedade de nós! 
Hoje, se a vida é tão ferida, deve-se à culpa, indiferença dos cristãos!
Senhor, piedade! Senhor, piedade! Senhor, piedade, piedade de nós! 

Além da livre adulteração da estrutura e, principalmente, da natureza litúrgica do Kyrie, as frases incluídas na oração não são tropos; trata-se apenas de mais um triste exemplo de como, embora de forma velada, a prática abusiva da liberdade de atuação religiosa pode descaracterizar o rigor litúrgico da magna oração da cristandade. 

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

ORAÇÃO: CONFITEOR

Oração penitencial de súplica dirigida ao perdão e à misericórdia de Deus, recitada desde os princípios do Cristianismo como sinal de humildade e contrição. A forma tradicional da oração, somente concluída provavelmente no século VIII, é apresentada abaixo em latim, com a sua correspondente versão para o português. Sua inclusão como Ato Penitencial na Santa Missa data do século XI.


Confiteor Deo omnipotenti, beatae Mariae semper Virgini, beato Michaeli Archangelo, beato Ioanni Baptistae, sanctis Apostolis Petro et Paulo, et omnibus Sanctis, quia peccavi nimis cogitatione, verbo et opere: mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa. Ideo precor beatam Mariam semper Virginem, beatum Michaelem Archangelum, beatum Ioannem Baptistam, sanctos Apostolos Petrum et Paulum, et omnes Sanctos, orare pro me ad Dominum Deum nostrum. Amen.

Confesso a Deus Todo-poderoso, à bem-aventurada sempre Virgem Maria, ao bem-aventurado Miguel Arcanjo, ao bem-aventurado João Batista, aos santos Apóstolos Pedro e Paulo, e a todos os santos, que pequei muitas vezes por pensamentos, palavras e ações, por minha culpa, minha culpa, minha máxima culpa. Por isso, peço à bem-aventurada sempre Virgem Maria, ao bem-aventurado Miguel Arcanjo, ao bem-aventurado João Batista, aos santos Apóstolos Pedro e Paulo, e a todos os santos, que oreis por mim a Deus, Nosso Senhor. Amém.