sexta-feira, 31 de maio de 2013

GLÓRIAS DE MARIA: FESTA DA VISITAÇÃO


MAGNIFICAT

Magnificat anima mea Dominum
et exsultavit spiritus meus in Deo salvatore meo, 
quia respexit humilitatem ancillae suae. 
Ecce enim ex hoc beatam me dicent omnes generationes, 

quia fecit mihi magna, qui potens est, 
et sanctum nomen eius, 
et misericordia eius in progenies et progenies 
timentibus eum. 

Fecit potentiam in brachio suo, 
dispersit superbos mente cordis sui; 
deposuit potentes de sede
et exaltavit humiles; 
esurientes implevit bonis
et divites dimisit inanes. 

Suscepit Israel puerum suum, 
recordatus misericordiae, 
sicut locutus est ad patres nostros, 
Abraham et semini eius in saecula.


(vídeo: trecho)

A minha alma glorifica o Senhor
E o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.
Porque pôs os olhos na humildade da sua Serva.
De hoje em diante me chamarão bem aventurada todas as gerações,

O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas,
Santo é o seu nome.
A sua misericórdia se estende de geração em geração
Sobre aqueles que o temem.

Manifestou o poder do seu braço
E dispersou os soberbos,
Derrubou os poderosos de seus tronos
E exaltou os humildes;
Aos famintos encheu de bens
E aos ricos despediu de mãos vazias.

Acolheu a Israel, seu servo, 
Lembrado da sua misericórdia,
Como tinha prometido a nossos pais 
A Abraão e à sua descendência para sempre.

A MORTE DE SANTA JOANA D' ARC

Na manhã de 30 de maio, quarta-feira após a festa da Santíssima Trindade, por volta das sete horas da manhã, os dois dominicanos, Martin Ladvenu e Jean Toutmouillé, vieram à prisão; eles tinham sido encarregados, enquanto filhos da Inquisição, de informar à Joana o horrível suplício ao qual ela deveria se preparar imediatamente. Estes dois religiosos eram muito jovens; talvez, apesar de seu bem querer, eles não tinham toda a experiência necessária para cumprir uma tarefa tão delicada e tão pesada. Tomando conhecimento de uma só vez de que ela deveria morrer na mesma manhã entre as chamas, Joana teve uma crise de verdadeira aflição. Ela soluçava dolorosamente e agarrava seus cabelos em gestos convulsivos, os arrancando. Quando ela se recuperou um pouco, ela exclamou: 'Infelizmente tratam-me tão horrivelmente que meu corpo límpido, por completo, que nunca foi corrompido, hoje será consumido e reduzido em cinzas! Ah! ah! preferiria ser decapitada sete vezes do que ser queimada… Invoco diante de Deus, o grande juiz, estes grandes erros e injustiças que me fazem'. Como Pierre Cauchon entrava, ela lhe diz: 'Bispo, morro por vós'. Mas como pouco importava a Pierre Cauchon a morte de uma pobre moça, ele lhe respondeu com indiferença: 'Ah! Joana, tenha paciência, você morre porque você não manteve o que tinha prometido…' – 'Se o senhor tivesse me colocado na prisão da Igreja, replicou Joana, isso não teria acontecido, eis porque eu o cito diante de Deus'…
O apelo reiterado de Joana à justiça divina nos indica por demais que sua angústia, por mais profunda que fosse, não era de alguma forma de desesperança. Mas na agonia que ela atravessava, a santa deu provas mais formais de esperança. Assim que o doutor Pierre Maurice, que tinha por várias vezes a aconselhado e confessado, se aproximou, ela lhe perguntou: 'Mestre Pierre, onde estarei hoje, nesta mesma noite?'  - 'Você não tem esperança no Senhor?' – 'Sim, respondeu ela, e com a graça de Deus, eu estarei no Paraíso'.
Quando todos se retiraram, o dominicano Martin Ladvenu permaneceu junto dela; ela se confessou longamente e minuciosamente, repassando por duas vezes toda a sequência de suas menores faltas; depois do que ela pediu para receber a santa Comunhão. O irmão Martin estava completamente disposto a lha administrar, mas ele não ousava a isso sem o consentimento do bispo de Beauvais. O oficial Massieu que, apesar de algumas fraquezas, sempre tivera certo interesse pela Donzela, teve a coragem de se dirigir ao bispo. Ele obteve além do esperado. Pierre Cauchon tinha alcançado seus fins políticos ao conseguir condenar a Donzela, não lhe importava que ela recebesse ou não os Sacramentos. Após ter deliberado por um instante com seus amigos, ele respondeu: 'Vá dizer ao irmão Martin para lhe dar o sacramento da Eucaristia e tudo o que ela desejar'. Mas se Joana fosse herética, relapsa e obstinada em seus erros diabólicos, como se poderia admiti-la à Comunhão?
Contudo, fizeram isso com todas as honras devidas ao Santo Sacramento. Com efeito, como um padre carregava a hóstia de uma maneira clandestina, sobre a patena, coberta somente com um véu, sem chamas e sem séquito, sem sobrepeliz e sem estola, o irmão Martin Ladvenu, que a confissão e os sentimentos da santa tinham por demais edificado, indignou-se com esta falta e requisitou que o pároco vizinho trouxesse o corpo de Cristo com solenidade. Logo o clero da paróquia chegou em procissão, a cruz à frente; o oficiante, revestido com os ornamentos sacerdotais, carregava o Santo Sacramento, um coroinha agitava o sinete e uma multidão de fiéis seguiam munidos de tochas; um clérigo cantava no tom monótono do dia ferial as litanias dos santos, e, em cada invocação, a multidão respondia: 'Rogai por ela. Rogai por ela'. Quando o Santíssimo Sacramento entrou na prisão, Joana caiu de joelhos; ela recebeu o corpo de seu Senhor com lágrimas de amor e de consolação. Respeitaram por algum tempo o fervor de sua ação de graças, depois lhe anunciaram que tinha chegado a hora de ir ao martírio.
Até então, ao que tudo indica, Joana continuara a usar o hábito de homem que ela tinha recuperado, o que prova que os próprios padres não acreditavam que este fosse um crime tão grande, um sacrilégio. Antes de deixar a prisão, vestiram-na com uma longa túnica preta de penitência, com um capuchinho ou boné na cabeça. Um carro pesado e grosseiro esperava há algum tempo no pátio do castelo, era a charrete do carrasco. Fizeram-na subir. O padre Jean Massieu, de batina preta, e o dominicano Martin Ladvenu, com túnica branca, entraram também no carro; o carrasco, sentado, pôs os cavalos em marcha. O governo inglês, por uma demonstração militar completamente excepcional, assinalou a importância política desta execução.
Mais de setecentos soldados armados com lanças e espadas escoltaram Joana d’Arc; parecia que era a própria França que conduziam ao suplício. A multidão, avisada de véspera da hora da execução, estava em massa nas ruas, ao longo dos muros, nos cruzamentos, nas portas, nas janelas das casas. Do entorno da cidade, os próprios camponeses tinham vindo para assistir ao espetáculo. O carro, através de todo esse mundo e apesar dos esforços, dos gritos, dos golpes dados pelos soldados contra a população, só avançava com muito esforço. Joana, com as mãos juntas, rezava com tantas lágrimas e fervor, que os espectadores dela estavam profundamente comovidos. Mesmo aqueles que lhe tinham sido mais hostis, assim que a viram, foram ganhados pela emoção contagiosa e ficaram em silêncio. Nicolas Loyseleur, o traidor, o Judas, que tinha tão odiosamente abusado da confiança da jovem e de sua autoridade de confessor, não pôde suportar por muito tempo este espetáculo. Coberto por remorsos, uma verdadeira crise de desesperança o tomou. Foi como um acesso de terror e de loucura. Viram-no, fora de si, com gestos estranhos e gritos frenéticos, dividir a multidão, atravessar o cinturão dos soldados, chegar até a carroça, que ele tentou escalar, e gritar por perdão. Os soldados, entendendo o que ele queria, caíram sobre ele e o encheram de socos; ele iria ser morto, quando Warwick chegou, o protegeu e lhe aconselhou para deixar Rouen o mais rápido, se ele desejasse viver.
Contudo, a pesada charrete chegou diante da praça do Velho Mercado. Joana perguntou: 'É aqui que eu devo morrer?' Os padres que a acompanhavam não tiveram coragem de lhe responder; as disposições tomadas para o suplício eram muito mais significativas do que as palavras. Na praça, três estrados tinham sido levantados: um, grande e suntuosamente adornado, para o cardeal de Winchester, o bispo de Beauvais e todos os prelados e assessores; outro, ainda considerável, para o intendente de Rouen, seu tenente, seus oficiais e todo o poder secular; um terceiro, mais elevado, mas menor, formava um tipo de cátedra onde deveriam se colocar o pregador e a condenada. Diante, elevava-se a fogueira, que tinham tido o cuidado de construir mais larga e mais elevada do que de costume, a fim de permitir que todos constatassem a realidade do suplício e da morte da Donzela. Sobre este cadafalso de gesso tinham pregado este epíteto em letras maiúsculas:
'Joana, que se fez nomear a Donzela, mentirosa, perniciosa, abusadora do povo, advinha, supersticiosa, blasfemadora de Deus, presunçosa, que não professa a fé de Jesus Cristo, vingadora, idólatra, cruel, dissoluta, invocadora de demônios, apóstata, cismática e herética'
O cardeal de Winchester, o bispo de Beauvais, o Inquisidor e todo o clero, o governador Warwick com os senhores ingleses, o intendente com os vereadores, tinham ocupado seus assentos sobre seus respectivos estrados. Mil soldados ingleses cercavam os três andaimes. Uma multidão de mais de dez mil pessoas espremia-se na praça, nas fachadas das casas, e até nas saídas das ruas vizinhas. Joana apareceu no topo do ambão. Ao seu lado, o pregador tomou seu lugar e se colocou a falar. Era Nicolas Midi, da Universidade de Paris. Ele escolheu como texto de seu discurso o versículo da primeira epístola aos Coríntios, capítulo XII. Sid quid patitur unum mem brum compatiuntur alia membra. 'O que sofre um membro, todos os outros o sofrerão'. E ele se colocou a desenvolver este tema, esforçando-se para demonstrar como a Donzela era um membro pútrido e como ela deveria ser arrancada da Igreja e da humanidade. Ele falou durante um longo tempo com uma extrema veemência e terminou por estas palavras de uma caridade fingida: 'Joana, vá em paz, a Igreja não pode mais te defender e te remete às mãos do poder secular' [...]
[...] Enfim, os carrascos, armados com tochas em chamas, aproximam-se da fogueira. Joana suplica para que o irmão Martin Ladvenu permaneça junto dela; ele faz isso, mas agarrando a grande cruz, ele a mantém 'elevada, reta, diante dos olhos de Joana, até o passo da morte'. A fogueira, sendo feita, em parte, por feixes muito secos, o fogo aceso nos quatro cantos colocou-se a crepitar e a se elevar rapidamente. Ouviram Joana professar Deus, seus santos, o nome de Jesus, e protestar que suas vozes não a tinham enganado. A chama invadiu rapidamente toda a fogueira, subiu com uma única labareda até o céu, iluminando os rostos dos carrascos e dos soldados; no meio de um silêncio absoluto, ouviram Joana gritar profundamente: 'Jesus, Jesus, Jesus…'
(Texto publicado originalmente no site Apostolado Católico Arauto da Verdade)

quinta-feira, 30 de maio de 2013

INDULGÊNCIAS DO DIA DA SOLENIDADE DE CORPUS CHRISTI

Neste dia da solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, o católico pode ser contemplado com as seguintes indulgências:

(i) Indulgência parcial: rezar, com piedosa devoção, a oração 'Alma de Cristo':

Alma de Cristo, santificai-me.
Corpo de Cristo, salvai-me.
Sangue de Cristo, inebriai-me.
Água do lado de Cristo, lavai-me.
Paixão de Cristo, confortai-me.
Ó bom Jesus, ouvi-me.
Dentro de vossa chagas, escondei-me.
Não permitais que eu me separe de vós.
Do espírito maligno, defendei-me.
Na hora da morte chamai-me e
mandai-me ir para vós,
para que com vossos Santos vos louve
por todos os séculos dos séculos.
Amém. 

(ii) Indulgência plenária: rezar, com piedosa devoção, a oração 'Tantum Ergo' ou 'Tão sublime Sacramento':

Tão sublime sacramento
vamos todos adorar,
pois um Novo testamento
vem o antigo suplantar!
Seja a fé nosso argumento
se o sentido nos faltar.
Ao eterno Pai cantemos
e a Jesus, o Salvador,
igual honra tributemos,
ao Espírito de amor.
Nossos hinos cantaremos,
chegue aos céus nosso louvor.
Amém.

Do céu lhes deste o pão,
Que contém todo o sabor.

Oremos: Senhor Jesus Cristo, neste admirável Sacramento, nos deixastes o memorial da vossa Paixão. Dai-nos venerar com tão grande amor o mistério do vosso corpo e do vosso sangue, que possamos colher continuamente os frutos da vossa redenção. Vós que viveis e reinais para sempre. Amém.

CORPUS CHRISTI


Corpus Christi, expressão latina que significa Corpo de Cristo, é uma festa litúrgica da Igreja sempre celebrada na quinta–feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade, que acontece no domingo seguinte ao de Pentecostes, 50 dias depois da Páscoa. Abaixo, duas orações características desta data litúrgica:

Anima Christi

Anima Christi, sanctifica me.
Corpus Christi, salva me.
Sanguis Christi, inebria me.
Aqua lateris Christi, lava me.
Passio Christi, conforta me.
O bone Iesu, exaudi me.
Intra tua vulnera absconde me.
Ne permittas me separari a te.
Ab hoste maligno defende me.
In hora mortis meæ voca me.
Et iube me venire ad te,
ut cum Sanctis tuis laudem te
in sæcula sæculorum. 
Amen.


Tantum Ergo

  Tantum ergo Sacramentum
Veneremur cernui:
Et antiquum documentum
Novo cedat ritui:
Praestet fides supplementum
Sensuum defectui.

Genitori, Genitoque
Laus et iubilatio,
Salus, honor, virtus quoque
Sit et benedictio:
Procedenti ab utroque
Compar sit laudatio.

Amen.

30 DE MAIO - SANTA JOANA D'ARC


Jeanne D'Arc nasceu em 6 de janeiro de 1412, na aldeia de Domrémy-la-Pucelle (na região da Lorena francesa). Descendente de camponeses analfabetos, apresentou-se, ainda adolescente e em trajes masculinos diante do rei da França Carlos VII, como a enviada por Deus para comandar as tropas francesas para a libertação da cidade de Orleans, então dominada pelos ingleses (os monarcas ingleses dominavam desde o século XI vários territórios franceses e a chamada Guerra dos Cem Anos, que durou na verdade 116 anos (1337 - 1453), foi o conflito sangrento travado entre os dois países, movidos pelo desejo francês de recuperar os territórios perdidos para a Inglaterra). Em face de vários eventos sobrenaturais, tal missão foi concedida e Orleans foi libertada em 9 de maio de 1429. Esta vitória recendeu a esperança das tropas francesas que conseguiram, em seguida, a retomada de vários outros territórios e que culminou com a coroação do rei francês em Reims, em 17 de julho de 1429. 

(coroação do rei Carlos VII e Joana D'Arc à frente das tropas francesas)

No dia 23 de maio de 1430, em Compiègne, Joana D' Arc foi aprisionada e vendida aos ingleses, a preço de ouro. Presa em Rouen, foi julgada numa farsa de processo e condenada à morte na fogueira por heresia. Foi queimada viva em 30 de maio de 1431, com apenas 19 anos de idade, após ter recebido os sacramentos da confissão e da comunhão. Suas cinzas (além do coração que, ao contrário do resto do corpo, permaneceu intacto e cheio de sangue) foram lançadas no Rio Sena, por ordem dos ingleses, para evitar quaisquer cultos futuros de suas relíquias. A revisão da condenação e a invalidação do processo que a julgou ocorreram já na época do Papa Calisto III (1455-1458), mas somente quase quinhentos anos depois, em 1920, é que Joana d'Arc foi canonizada pelo Papa Bento XV e hoje é venerada como a santa padroeira da França.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

DA VIDA ESPIRITUAL (51)




Teu caminho de santificação está delineado diante do teu coração manso e humilde e de tuas palavras de discípulo: 'Senhor, eis aqui o meu propósito: que o meu sim seja sim, que o meu não seja não e, entre o meu sim e o meu não, esteja tudo o me pedes!'

terça-feira, 28 de maio de 2013

ABERRAÇÕES LITÚRGICAS (II)

Os Sacerdotes e ministros de meu Filho, por causa de sua má vida, pelas suas irreverências e por sua impiedade ao celebrar os santos mistérios, pelo amor ao dinheiro, por amor às honras e aos prazeres, converteram-se em cloacas de impureza. Sim, os Sacerdotes provocam a vingança e a vingança pende sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e pessoas consagradas a Deus que, pelas suas infidelidades e má vida, crucificam meu Filho de novo! Os pecados das pessoas consagradas a Deus clamam ao céu e atraem vingança, e eis que a vingança está às portas, porque já não se encontra ninguém para implorar misericórdia e perdão para o povo. Já não há almas generosas, já não há ninguém digno de oferecer a Vítima sem mancha ao Eterno pelo mundo.
(Nossa Senhora de La Salette)




Arcebispo Giancarlo Bregantini María, membro da Comissão Pontifícia para o Clero e a Vida Consagrada, Arquidiocese de Campobasso-Bojano/Itália)

(Bispo John Ford - Plymouth/EUA)

Aberrações Litúrgicas (postagens anteriores)

UMA ORAÇÃO MARIANA DO SÉCULO III

Um pequeno fragmento de papiro (nomeado Ryl. III, 470), com medidas de 18 x 9,4 cm e muito deteriorado, datado provavelmente do século III, encontrava-se desde 1917 na Biblioteca John Ryland, em  Manchester (Inglaterra). O texto em grego foi editado pela primeira vez em 1938, ainda sem identificação, sendo traduzido, então, no ano seguinte, por F. Mercenier, que, intercalando letras gregas no texto perdido, verificou-se tratar de uma antiga oração mariana, conhecida e recitada ainda hoje. A tradução é a seguinte:





Sob a tua misericórdia nos refugiamos, Mãe de Deus!
Não deixes de considerar as nossas súplicas em nossas dificuldades, 
Mas livra-nos do perigo,
Única casta e bendita!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

GALERIA DE ARTE SACRA (V)

A arte barroca teve origem na Itália no século XVII e rapidamente propagou-se para outros países da Europa, chegando à América trazida pelos colonizadores portugueses e espanhóis. As obras barrocas romperam o equilíbrio entre o sentimento e a razão; na arte barroca predominam as emoções e não o racionalismo da arte renascentista.

A grande produção artística barroca no Brasil ocorreu nas cidades do chamado 'ciclo do ouro' em Minas Gerais, ao longo do século XVIII. O principal representante do barroco mineiro foi o escultor Antônio Francisco de Lisboa, conhecido como Aleijadinho. Sua obras, de forte caráter religioso, eram feitas em madeira e pedra-sabão, os principais materiais usados pelos artistas barrocos do Brasil. Outros artistas importantes do barroco brasileiro foram o pintor mineiro Manuel da Costa Ataíde e o escultor carioca Mestre Valentim. Na Bahia, o estilo barroco destacou-se na decoração das igrejas em Salvador como, por exemplo, de São Francisco de Assis e a da Ordem Terceira de São Francisco.

(Igreja de São Francisco de Assis - Salvador/Bahia)

(Retábulo da Basílica de Nossa Senhora do Carmo - Recife/Pernambuco)

(Interior da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência no Rio de Janeiro)

(Teto da Nave da Igreja de São Francisco de Assis - Ouro Preto/Minas Gerais)


(Igreja de Nossa Senhora do Rosário - Ouro Preto/Minas Gerais)

(Igreja de Nossa Senhora do Carmo - Ouro Preto/Minas Gerais)

(Basílica de Nossa Senhora do Pilar - Ouro Preto/Minas Gerais)

domingo, 26 de maio de 2013

SOLENIDADE DA SANTÍSSIMA TRINDADE


O mistério da Santíssima Trindade é um mistério de conhecimento e de amor. Pois, desde toda a eternidade, o Pai, conhecendo-se a Si mesmo com conhecimento infinito de sua essência divina, por amor gera o Filho, Segunda Pessoa da Trindade Santa. E esse elo de amor infinito que une Pai e Filho num mistério insondável à natureza humana se manifesta pela ação do Espírito Santo, que é o amor de Deus por si mesmo. Trindade Una, Três Pessoas em um só Deus.

Mistério dado ao homem pelas revelações do próprio Jesus, posto que não seria capaz de percepção e compreensão apenas pela razão natural, uma vez inacessível à inteligência humana:  'Tudo o que o Pai possui é meu. Por isso, disse que o que ele (o Espírito Santo) receberá e vos anunciará, é meu' (Jo 16, 15). Mistério revelado em sua extraordinária natureza em outras palavras de Cristo nos Evangelhos: 'Em verdade, em verdade vos digo: O Filho não pode de si mesmo fazer coisa alguma, mas somente o que vir fazer o Pai; porque tudo o que fizer o Pai, o faz igualmente o Filho. Porque o Pai ama o Filho, e mostra-lhe tudo o que ele faz (Jo 5, 19-20) ou ainda 'Todas as coisas me foram entregues por meu Pai; e ninguém conhece o Filho senão o Pai; nem alguém conhece o Pai senão o Filho (Mt 11, 27). Nosso Senhor Jesus Cristo é o Verbo de Deus feito homem, sob duas naturezas: a natureza divina e a natureza humana. Enquanto homem, Jesus teve as três potências da alma humana: inteligência, vontade e sensibilidade; enquanto Deus, Jesus foi consubstancial ao Pai, possuindo inteligência e vontade divinas.

'Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo'. Glórias sejam dadas à Santíssima Trindade: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Neste domingo da Santíssima Trindade, a Igreja exalta e ratifica aos cristãos o  maior dos mistérios de Deus, proclamado e revelado aos homens: O Pai está todo inteiro no Filho, todo inteiro no Espírito Santo; o Filho está todo inteiro no Pai, todo inteiro no Espírito Santo; o Espírito Santo está todo inteiro no Pai, todo inteiro no Filho (Conselho de Florença, 1442).

sábado, 25 de maio de 2013

HISTÓRIAS QUE OUVI CONTAR (VIII)

O Padre Jonas não se sentia nada satisfeito naquela paróquia minúscula no fim do mundo. Nada daquilo batia com as suas pretensões e anseios do seminário. Rezara a sua primeira missa há coisa de menos de um ano e viera para aquela vila para iniciar a sua caminhada pela salvação das almas. E Deus não teria pra ele maiores desígnios? Afastou o mau pensamento que não lhe era peculiar, mas a insatisfação o perseguia no trajeto até a fazenda de Zé Miguel, afastada da vila. Lembrou-se do homenzarrão, velho fazendeiro, chamado quase sempre por Miguelão. A sua fazenda podia ser avistada de longe, no final da trilha sinuosa da estrada cortando a planície de planura quase indivisível. Era a sua segunda vinda à fazenda, naquele março final das temporadas de chuvas. 

Ah, meu São José! O que tinha sido aquilo? A chuva não tinha sido nada demais, mas e a ventania? O ar enraivecido e em turbilhão frenético passara zumbindo pelas janelas da casa paroquial como um furacão de outros mundos, para arrebentar por completo o telhado da Igreja de Nossa Senhora das Graças, no alto da pequena colina, uns cem metros acima da casa paroquial. O que tinha sido aquilo? Nem uma telha fora do lugar na casa paroquial ou em qualquer outra casa da vila, mas um desastre completo na igreja. Aceitara sem maiores delongas a explicação, pelos 'ventos altos' que atingiram apenas as partes elevadas da vila, que se limitavam à pequena colina da igreja e a cumeada alongada da fazenda dos Bartos. Mas, e a preservação quase milagrosa só do altar e da imagem de Nossa Senhora?

O velho Barto, homem de posses mais avantajadas de toda a região, perdera tudo: a casa, o celeiro, o curral, o pomar, a plantação. O padre acabara de ver o cenário de guerra do que antes certamente deveria ter sido o paraíso; a fúria do vendaval parecia ter concentrado todas as suas forças em destruir aquele local e transformar todo o trabalho humano de uma geração em pó e escombros. E, além dali, só a igreja. Que coisa mais estranha... O Padre Jonas olhava agora o horizonte desenhado à sua frente, sob o céu ainda nublado, e como a paisagem era diferente: nenhuma destruição, nenhum sinal da fúria da natureza; coisa dos 'ventos altos' sem dúvida.

Miguelão estava de pé, à sua espera, ao abrigo da varanda espaçosa da casa. Não era um homem religioso, disso sabia o padre que viera da primeira vez para convidá-los à igreja, sem qualquer retorno. Mas era preciso tentar fazer a enorme tarefa que lhe havia caído em mãos: reconstruir a igreja da vila. Encostou o carro evitando o gramado bem cuidado, cumprimentou o fazendeiro e a mulher, agradeceu o café oferecido e foi direto ao assunto, explicando os acontecimentos da noite anterior, os 'ventos altos', a destruição da igreja, a necessidade de reconstrução, o pedido de ajuda. Contou que nada tinha acontecido na vila, mas que estava vindo da fazenda dos Bartos e que a mesma tinha sido totalmente destruída, até o ponto de não sobrar coisa alguma e como o desespero tomara conta da família mais abastada da região...

'E a imagem de Nossa Senhora das Graças?' a pergunta irrompeu do velho fazendeiro, enquanto a sua mulher levava a mão à boca assustada e tremendo. O padre ficou por instantes emudecido, diante da pergunta inesperada e algo descontextualizada da realidade dos fatos. 

'A imagem foi preservada integralmente, assim como o altar; foram as únicas coisas que restaram da igreja.' O padre notou a profunda emoção que envolveu o homem. ' Mas por que o senhor fez essa pergunta?'

O velho fazendeiro apoiou-se melhor na cadeira, olhou para a mulher em palpos de aflição, e respondeu, com voz pausada e tomada de emoção:

'Padre, há 40 anos, eu e o Bartolomeu, que todos chamam Barto, disputamos a ferro e a fogo a posse das terras da colina da Fazenda das Missões. Eram as melhores terras da região, terras de ninguém, e que tinham sido transferidas em data remota ao povo da vila com o objetivo de se construir lá, no terreno mais alto, uma igreja dedicada à Nossa Senhora das Graças. Mas eu as queria para mim e Barto ainda mais do que eu. E as disputamos por meses, com intrigas e todas as maquinações possíveis, ludibriando o bom e velho pároco local, o padre Amâncio, com promessas e concessões nunca realizadas até a morte dele. Na minha loucura pela riqueza fácil, ofereci a imagem de Nossa Senhora das Graças para a igreja que seria construída. Enganamos facilmente o padre que o sucedeu e que só queria ir embora o mais rápido daqui e trocamos a igreja de lugar. Mas, quando me dei por mim, as terras já estavam passadas para as mãos do Barto, muito mais esperto do que eu. Possesso de raiva e de desdém, vim morar aqui, afastado da vila, de todos, da igreja. Já com o Padre Anselmo, Bartolomeu fez a sua manipulação final e vendeu, como obra de grande caridade sua, a construção da igreja. 

Padre Jonas, há quarenta anos tenho sido consumido por sentimentos e desejos de ódio e de vingança, ansiando pela morte e maldição de Bartolomeu e de sua família. Há quarenta anos, anseio a oportunidade de retomar o que sempre achei que deveria ter sido meu e que agora teria todas as chances do mundo para fazê-lo. Nesta minha loucura, arrastei minha esposa e meus filhos e os isolei da igreja e de quaisquer valores espirituais. Mas com Deus não se brinca. E Deus nos cumula de tanta misericórdia que espera pacientemente a nossa conversão, mesmo que um dia, como hoje, tenha de usar a força do seu braço poderoso'. 

As lágrimas escorriam livres pelos olhos do velho homem e da sua mulher, agora apoiada em seus joelhos, que tentava em vão conter os soluços. Afastou-a delicadamente, beijando-lhe a fronte e, pondo-se de pé, fez um testemunho de fé definitivo:

'Vamos corrigir o passado e fazer um novo recomeço. Vamos reconstruir a igreja onde for possível e a Fazenda das Missões. Mas vamos reconstruir primeiro os templos ruídos de dois homens maus. Por favor, padre, vamos agora à casa do Bartolomeu para um reencontro definitivo entre dois filhos afastados de Deus. E, depois disso, receba a minha confissão e a de todos da minha família. Mas vamos logo, padre, que Nossa Senhora das Graças já esperou quarenta anos pela minha conversão...'

sexta-feira, 24 de maio de 2013

CONCÍLIO VATICANO I

O Concílio Vaticano I (vigésimo concílio ecumênico da Igreja Católica) foi realizado entre 8 de dezembro de 1869 e 18 de julho de 1870. Sua proposição, mais de trezentos anos após a última assembléia do Concílio de Trento (3-4/12/1563), foi comunicada aos cardeais em dezembro de 1864 e convocada formalmente em 29/06/1868 pelo Papa Pio IX (1846 - 1878).


O concílio foi aberto em 08/12/1869, em sessão pública, na Basílica de São Pedro e se estendeu por um período de cerca de sete meses, comportando 86 congregações gerais e mais três sessões públicas, além daquela da sua abertura oficial. Na segunda sessão, em 06 de janeiro de 1870, foi proclamada  pelo papa uma profissão pública da fé católica em resposta à ascensão e influências já crescentes do liberalismo e do modernismo. Na terceira sessão pública, realizada em 24 de abril de 1870, foi promulgada a Constituição Dogmática Dei Filius, dividida em quatro capítulos (Deus, criador de todas as coisas; a Revelação; a Fé; A Fé e a Razão). 

Na quarta e última sessão pública, realizada em 18 de julho de 1870, foi aprovada a Constituição Pastor Aeternus, constituição dogmática sobre a Igreja de Cristo, prescrevendo os dogmas do primado e da infalibilidade papal. No seu quarto capítulo, prescreve-se, como dogma revelado por Deus, que as definições do Romano Pontífice, proferidas ex cathedra (ou seja, enquanto no ministério de Pastor da lgreja) e envolvendo questões de Fé e de Moral, gozam de especial assistência do Espírito Santo e são, portanto, infalíveis e irreformáveis por si mesmas, sem necessitar da aprovação formal da igreja.

Logo após esta sessão, embora ainda estivesse no início das suas atividades, o Concílio teve de ser interrompido abruptamente pois, no dia seguinte (19/07/1870), estourou a guerra franco-alemã, que culminou com a ocupação de Roma em 20/09/1870, pelas tropas de Victor Emmanuel II. Em 20/10/1870, o Papa suspendeu formalmente o Concílio para posterior reabertura e continuação, o que  nunca ocorreu. O Concílio Vaticano II, que o sucedeu, somente seria realizado quase cem anos depois. 

quinta-feira, 23 de maio de 2013

ORAÇÃO: COROA DE NOSSA SENHORA DAS LÁGRIMAS


A Coroa (ou Rosário) de Nossa Senhora das Lágrimas é composta por sete conjuntos iguais de contas brancas (uma conta grande seguida de sete contas menores), ligadas a um cordão contendo três outras contas brancas menores e uma medalha de Nossa Senhora das Lágrimas, devendo ser rezada com as seguintes orações:

Oração Inicial

Eis-nos aos Vossos pés, ó dulcíssimo Jesus Crucificado, para Vos oferecer as Lágrimas d’Aquela que, com tanto amor, Vos acompanhou no caminho doloroso do Calvário. Fazei, ó bom Mestre, que nós saibamos aproveitar a lição que elas nos dão, para que, realizando a Vossa Santíssima Vontade na terra, possamos um dia, nos Céus, Vos louvar por toda a eternidade. Amém.

Nas contas maiores

Vede, ó Jesus, que são as lágrimas d’Aquela que mais Vos amou na terra... E que mais Vos ama nos Céus.

Nas contas menores

Meu Jesus, ouvi os nossos rogos, Pelas lágrimas de Vossa Mãe Santíssima.
Vede, ó Jesus, que são as lágrimas d’Aquela que mais Vos amou na terra... E que mais Vos ama nos Céus. (três vezes)

Oração Final

Virgem Santíssima e Mãe das Dores, nós Vos pedimos que junteis os Vossos pedidos aos nossos, a fim de que Jesus, Vosso Divino Filho, a Quem nos dirigimos, em nome das Vossas Lágrimas de Mãe, ouça as nossas preces e nos conceda, com as graças que desejamos, a coroa eterna. Amém.

Jaculatórias

Coração de Jesus Crucificado, fonte de amor e de perdão! Por Vossa mansidão divina renovai a face da terra, e reinai em nossos corações. Ó Virgem dolorosíssima! As Vossas lágrimas derrubaram o império infernal.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

A BÍBLIA EXPLICADA (V)


Como foram escritos os evangelhos? 

A Igreja afirma sem vacilar que os quatro evangelhos canônicos 'transmitem fielmente as coisas que Jesus, Filho de Deus, realmente operou e ensinou (...), durante a sua vida entre os homens' (Concilio Vaticano II, Constituição Dogmática Dei Verbum, n. 19). Estes quatro evangelhos 'têm origem apostólica; pois aquelas coisas que os Apóstolos, por mandato de Cristo, pregaram, foram depois, sob inspiração do Espírito Santo, transmitidas por escrito por eles mesmos e por homens do seu grupo, como fundamento da fé' (ibidem, n. 18). 

Os escritores cristãos antigos interessaram-se em explicar como é que os evangelistas realizaram este trabalho. Santo Irineu, por exemplo, diz que 'Mateus publicou entre os hebreus, na sua própria língua, uma forma escrita do evangelho, enquanto Pedro e Paulo, em Roma, anunciavam o evangelho e fundavam a Igreja. Foi depois da sua partida que Marcos, o discípulo e intérprete de Pedro, nos transmitiu também por escrito o que tinha sido pregado por Pedro. Lucas, companheiro de Paulo, consignou também num livro o que tinha sido pregado por este. Depois João, o discípulo do Senhor, o que se tinha reclinado sobre o seu peito (Jo 13, 23), publicou também o evangelho enquanto residia em Éfeso' (Contra as heresias, III,1, 1). 

Comentários muito semelhantes encontram-se em Papias de Hierápolis ou Clemente de Alexandria (cf. Eusébio de Cesareia, Hist. Ecl., 3, 39, 15; 6, 14, 5-7); os evangelhos foram escritos pelos Apóstolos (Mateus e João) ou por discípulos dos Apóstolos (Marcos e Lucas), mas sempre recolhendo a pregação do evangelho por parte dos Apóstolos.

A exegese moderna, com um estudo muito minucioso dos textos evangélicos, explicou de maneira mais pormenorizada este processo de composição. O Senhor Jesus não enviou os seus discípulos a escrever, mas a pregar o evangelho. Os Apóstolos e a comunidade apostólica procederam desse modo, e, para facilitar a atividade evangelizadora, puseram parte desses ensinamentos por escrito. Finalmente, no momento em que os apóstolos e os da sua geração começaram a desaparecer, 'os autores sagrados escreveram os quatro evangelhos, escolhendo algumas coisas dentre as muitas transmitidas por palavra ou por escrito, sintetizando algumas, ou explicando outras segundo o estado das Igrejas' (Dei Verbum, n. 19).

Portanto, pode concluir-se que os quatro evangelhos são fiéis à pregação dos Apóstolos sobre Jesus e que a pregação dos Apóstolos sobre Jesus é fiel ao que Jesus fez e disse. Este é o caminho pelo qual podemos dizer que os evangelhos são fiéis a Jesus. De fato, os nomes que os antigos escritos cristãos dão a estes textos, 'Recordações dos Apóstolos', 'Comentários, Palavras sobre o Senhor' (cf. São Justino, Apologia,1, 66; Diálogo com Trifão, 100), apontam para este significado. Com os escritos evangélicos temos acesso ao que os Apóstolos pregavam sobre Jesus Cristo.


Que registros as fontes romanas e judaicas nos dão sobre Jesus? 

As primeiras referências a Jesus em documentos literários, fora dos escritos cristãos, podem ser encontrados em alguns historiadores helênicos e romanos que viveram na segunda metade do século I ou na primeira do século II, portanto, bastante próximo dos acontecimentos. O texto mais antigo onde se menciona Jesus, ainda que de um modo implícito, foi escrito por um filósofo estoico originário de Samosata (Síria), chamado Marabar Sarapiton, por volta do ano 73. Refere-se a Jesus como o 'sábio rei' dos judeus, dizendo que promulgou 'novas leis', talvez em alusão às antíteses do Sermão da Montanha (cfr. Mt 5, 21-48) e que de nada serviu aos judeus dar-lhe a morte.

A menção explícita de Jesus mais antiga e célebre é a que faz o historiador Flávio Josefo (Antiquitates Iudaicae XVIII, 63-64), nos finais do século I, também conhecida como Testimonium Flavianum. Esse texto, que se conservou em todos os manuscritos gregos da obra de Josefo, chega a insinuar que podia ser o Messias, pelo que muitos autores alegam que terá sido interpolado por copistas medievais. Hoje em dia, os investigadores pensam que as palavras originais de Josefo deviam ser muito parecidas com as que se conservaram numa versão árabe do texto citado por Agápio, um Bispo de Hierápolis, no século X, onde já não figuram as presumíveis interpolações. 

Diz assim: 'Por este tempo, um homem sábio chamado Jesus teve uma boa conduta e era conhecido como virtuoso. Teve como discípulos muitas pessoas de entre os judeus e outros povos. Pilatos condenou-o a ser crucificado e morrer. Mas, os que se tinham feito seus discípulos não abandonaram o seu seguimento e contaram que se lhes apareceu três dias após a crucificação e estava vivo, e que por isso podia ser o Messias do qual os profetas tinham dito coisas maravilhosas'. Entre os escritores romanos do século II (Plínio, o Moço; Epistolarum ad Traianum Imperatorem Cumeiusdem Responsis Liber X, 96; Tácito, Anais XV, 44; Suetonio, Vida de Cláudio, 25, 4) há algumas alusões à figura de Jesus e à ação dos seus seguidores. Nas fontes judaicas, particularmente no Talmude ,também há várias alusões a Jesus e a certas coisas que se diziam d’Ele e que permitem corroborar alguns detalhes históricos por fontes aparentemente pouco ou nada suspeitas de manipulação cristã. 

(Da obra 'Jesus Cristo e a Igreja' - Universidade de Navarra)

terça-feira, 21 de maio de 2013

VERSUS: DOIS CAMINHOS

Dois caminhos bem distintos pode percorrer a nossa alma prisioneira de um corpo livre: com o olhar em Deus ou com os pés fincados no mundo. No horizonte longínquo ou na próxima curva da estrada, vão possuir asas os que não almejaram pés para viver ou vão sucumbir nas trevas os que nunca ansiaram pela luz.


TERÇA-FEIRA PARA A ETERNIDADE

MEDITAÇÕES ETERNAS PARA CADA DIA DA SEMANA 
(Santo Afonso de Ligório)


Atos de preparação às meditações


1. Alma minha reaviva tua Fé, porquanto te achas diante de teu Deus. Adora-O profundamente.

2. Humilha-te aos pés de Deus e peça-Lhe, do fundo do coração, perdão.

TERÇA-FEIRA - O PECADO MORTAL

1. Considera como, tendo sido criado por Deus para amá-Lo, com infernal ingratidão te rebelaste contra Ele, tratando-O como inimigo, desprezando sua graça e amizade. Tu sabias que com aquele pecado Lhe causavas amaríssimo desgosto, e não obstante cometeste-O. Como procede quem peca? Volta a Deus as costas; deixa de O respeitar, levanta a mão para O ferir, e tortura seu divino coração. O homem, quando peca, diz a Deus com as suas obras: afasta-Te de mim, não Te quero obedecer, nem servir, nem reconhecer por meu Senhor, nem O ter por meu Deus. 

O meu deus é o prazer, o interesse, a vingança. Tal foi a linguagem do teu coração, quando preferiste a Deus a criatura. Santa Maria Madalena de Pazzi não podia acreditar que um cristão fosse capaz de cometer um pecado mortal com plena advertência. E tu, querido leitor, o que dizes? Quantos pecados não tens cometidos já! 'Perdoa-me, meu Deus, e tende piedade de mim. Eu Vos ofendi, ó Bondade infinita. Detesto os meus pecados, amo-Vos, e arrependo-me de ter caído na torpeza de Vos injuriar, ó meu Deus, digno de infinito amor'. 

2. Considera como Deus te falava, quando pecavas: 'Meu filho, eu Sou o teu Deus, que te criei do nada e remi com o meu sangue; Eu proíbo-te, sob pena de incorreres no meu desagrado, que cometas este pecado'. Mas tu, pecando, dirias a Deus: 'Senhor, eu não quero obedecer-Te, quero satisfazer meus apetites, e é-me indiferente desagradar-Te e perder a Tua graça'. 'Eis aqui, ó meu Deus, o que eu tenho feito tantas vezes. Como pude fazer-Vos sofrer? Oxalá eu tivesse morrido antes de Vos ter ofendido. De agora em diante não quero desgostar-Vos mais. Quero amar-Vos, ó Bondade infinita! Dai-me a perseverança, dai-me o Vosso santo Amor'. 

3. Considera que, quando os pecados chegam a um certo e determinado número, Deus abandona o pecador. Por isso, se te vires tentado a pecar de novo, ó meu irmão, não digas: confessar-me-ei depois; porque se Deus te fizer morrer então repentinamente, se Deus te abandonar, é fora de dúvida que se não te confessaras; em tais casos, que será de ti por toda a eternidade? Eis o motivo porque tantos homens têm-se  condenado. Estes também esperavam o perdão; mas a morte surpreendeu-os, e perderam-se. Teme que te sobrevenha a mesma calamidade, porque não merece misericórdia quem se serve da bondade de Deus para ofendê-lO. 

Depois de tantos pecados que Deus te tem perdoado, deves com razão temer que não te perdoe mais, se reincidires no caminho do mal. Dai-Lhe graças por haver te esperado até agora, e faze neste momento o propósito firme de sofrer antes a morte que cometer outro pecado mortal, dizendo sinceramente: 'Já bastam, Senhor, as ofensas que Vos tenho feito; a vida que me resta não a quero empregá-la em Vos ofender, a Vós que não O mereceis. Quero empregá-la só em amar-Vos e em chorar as ofensas que vos tenho feito. Arrependo-me, meu Jesus, de todo o meu coração; quero amar-Vos; dai-me forças para Vos amar. Maria, minha Mãe, auxiliai-me'. 

Fruto I. Farei frequentemente atos de arrependimentos, dizendo: 'Misericórdia, ó meu Jesus; arrependo-me de Vos ter ofendido, peço-Vos perdão para os meus pecados'. 
Fruto II. Examinarei se há em mim algum afeto desordenado que possa afastar-me de Deus, e desterrá-lo-ei do coração.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

PALAVRAS DE SALVAÇÃO

'Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa e pelo evangelho, a salvará. Pois,

que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? 

Ou, o que o homem poderia dar em troca de sua alma? Se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras nesta geração adúltera e pecadora, o Filho do homem se envergonhará dele quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos'. 
(Mc 8, 34-38)

SEGUNDA-FEIRA PARA A ETERNIDADE

MEDITAÇÕES ETERNAS PARA CADA DIA DA SEMANA 
(Santo Afonso de Ligório)


Atos de preparação às meditações


1. Alma minha reaviva tua Fé, porquanto te achas diante de teu Deus. Adora-O profundamente.

2. Humilha-te aos pés de Deus e peça-Lhe, do fundo do coração, perdão.

SEGUNDA-FEIRA - A IMPORTÂNCIA DO FIM DO HOMEM

1. Considera, ó homem, quanto tens a lucrar na consecução do teu grande fim. Tens a lucrar tudo, porque, se o conseguires, salvar-te-ás, serás para sempre ditoso, gozarás em teu corpo e em tua alma toda a sorte de bens; mas se o malograres, perderás a alma e o corpo, perderás o Céu, perderás a Deus; serás eternamente desgraçado, porque condenar-te-ás para sempre. É por isso que a ocupação das ocupações, a única e importante, a única necessária, é servir a Deus e salvar a alma. Não digas pois, cristão: Agora quero satisfazer meus apetites: depois consagrar-me-ei a Deus, e espero salvar-me. Esta esperança vã tem precipitado no inferno muitos que diziam isto mesmo, e agora estão irremediavelmente condenados. 

Qual dos réprobos quereria em vida condenar-se? Nenhum por certo; mas Deus amaldiçoa o que peca, fiado em sua misericórdia. Maldito o homem que peca com esperança. Tu dizes: Quero cometer este pecado, e confessá-lo-ei depois. Mas tens a certeza de que não te faltará tempo para isso? Quem de assegura que não morreras repentinamente depois do pecado? É certo que pecando perdes a graça divina  e é igualmente certo que voltarás a recuperá-la? Deus usa de misericórdia com os que O temem, mas não com os que O desprezam. Também não digas:  é-me indiferente confessar dois pecados ou três. 

Não, porque bem pode suceder que Deus esteja disposto a perdoar-te dois, e não a perdoar-te três. Deus sofre com paciência, mas não sofre sempre. Quando se enche a medida, não só não perdoa, mas castiga o pecador com a morte, ou abandona-o, de maneira que este, multiplicando os seus pecados, precipitar-se-á no inferno. Castigo muito pior que a própria morte. Meu irmão, por isto proceda com cuidado, deixa a vida desordenada que levas e consagra-te ao serviço de Deus; teme não seja este o último aviso que Deus te manda; já bastam as ofensas que Lhe tens feito, e que então grande número te tem sofrido; teme não obter perdão para mais algum outro pecado mortal que cometas. Adverte que se trata da tua alma e da tua eternidade. 

Oh! a quantos não tem feito abandonar o mundo, internando-os nos claustros, nas grutas e desertos, este grande pensamento da eternidade! Ah! Pobre de mim! Que vantagens advieram de tantos pecados por mim cometidos? O coração angustiado, a alma presa de dor, e o ter perdido a Deus e merecido o inferno. Ó meu Deus e meu Pai, convertei-me e fazei-me cativo do Vosso Amor. 

2. Considera que este negócio é, por desgraça, o mais descurado de todos os negócios. Em tudo se pensa, menos na salvação. Para tudo há tempo, menos para servir a Deus. Dizei a um homem mundano que frequente os Sacramentos, que faça ao menos meia hora de oração mental cada dia; responderás: Tenho filhos, tenho família, tenho interesses, tenho outras ocupações. Mas, desgraçado, não tens também tua alma para salvar? Pensas que tuas riquezas, teus filhos, teus parentes te poderão prestar algum auxílio na hora da morte ou livrar-te do inferno, se tens a desgraça de te condenares? Não presumas de poder conciliar Deus com o mundo ou o céu o com o pecado. A salvação não é um negócio que se deva tratar com indolência. 

É preciso que faças violência a ti mesmo, e trabalhes, se queres ganhar a coroa imortal. Quantos cristãos contavam com poder mais tarde servir a Deus e deste modo salvar-se; e, não obstante, estão agora no inferno! Loucura tão rematada pensar sempre no que tão depressa acaba, e tão raras vezes no que não terá fim! Ah! Cristão! Olha por ti; pensa que em breve hás de abandonar este mundo e entrar na eternidade. Pobre de ti se te condenares, porque jamais poderás remediar a tua desgraça. 

3. Medita, cristão, e dize contigo mesmo: Tenho uma alma só: se a perco, terei perdido tudo. Tenho uma alma só: se consigo conquistar o mundo, condenando-a, de que me servirá tão grande conquista? Se chego a ser um homem distinto, mas perco a minha alma, de que me servirá a minha distinção? Se acumulo riquezas, se aumento os meus haveres, se engrandeço minha família, e não obstante perco a minha alma, de que me servirá tudo isso? De que aproveitaram as riquezas, os prazeres, as vaidades a tantos os que viveram no mundo, quando seus corpos são agora cinza e pó na sepultura e suas almas estão condenadas no inferno? Se, pois, minha alma só a mim pertence, se não tenho mais que uma, e se, perdendo-a uma vez, a perco para sempre, devo pensar seriamente em salvá-la. É este um ponto de suma importância, porque se trata de ser sempre feliz ou sempre desgraçado. 

No meio da minha confusão, meu Deus, confesso-O: até aqui tenho vivido como cego; afastei-me muito de Vós; não tenho pensado em salvar esta minha única alma. Salvai-me, ó meu Pai, pelo amor de Jesus Cristo. Resigno-me a perder tudo, contanto que não vos perca a Vós, ó meu Deus. Maria, esperança minha, salvai-me com a vossa intercessão. 

Fruto I. Preparar-me-ei prontamente para a morte com uma confissão. 
Fruto II. Aplicar-me-ei com o empenho e fervor aos exercícios de piedade.